Governo da Bahia sugere passagem de R$ 2,20 para metrô integrado ao ônibus

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

O secretário estadual de Desenvolvimento Urbano, Manuel Ribeiro, afirmou nesta segunda-feira (15.09) que o Estado irá sugerir à Prefeitura do Salvador uma passagem no valor de R$ 2,20 para o Metrô integrado ao Sistema de Transporte Coletivo por Ônibus (STCO) da capital baiana, rechaçando assim o que vem sendo divulgado pela administração municipal, que a passagem do Metrô custará R$ 4,00. A tarifa sugerida é R$ 0,60 mais barata do que a dos ônibus da capital baiana.

O secretário explicou também que existe um contrato de programa assinado entre a Prefeitura do Salvador e o Governo da Bahia, em 24 de abril de 2013, onde estava prevista a integração entre os sistemas com o pagamento pelo metrô de até duas viagens no STCO ao custo de R$ 1,10 cada.
Com a implantação, pela Prefeitura, da integração irrestrita entre os ônibus do sistema municipal com o conceito do pagamento de uma única tarifa por sentido de viagem, este valor de R$1,10 passa a não ser mais variável em função do número de integrações. Será sempre R$ 1,10, exceto se exceder o tempo previsto para realização da integração.

Pela proposta do Governo do Estado, a população de Salvador poderá comprar um bilhete no valor de R$ 2,20, sendo R$ 1,10 para pagamento aos ônibus e R$ 1,10 para pagamento ao Metrô.
Assim, o usuário que utilizar apenas o metrô paga a tarifa de R$ 1,10 e quem utilizar o sistema integrado ônibus-metrô pagará uma tarifa de R$ 2,20. A sugestão é que essa tarifa seja válida até quando a Linha 1 chegar à Estação de Pirajá e, nesta oportunidade, o sistema de integração física e tarifária será reavaliado.

O secretário explicou ainda que o governo estadual não quer a retirada de todas as linhas para o atendimento exclusivo do metrô, uma vez que o sistema ainda não alcançou sua integralidade. 

Informações: Tribuna da Bahia


READ MORE - Governo da Bahia sugere passagem de R$ 2,20 para metrô integrado ao ônibus

Em Teresina, Monitoramento dos ônibus vai melhorar a trafegabilidade do transporte coletivo

O transporte coletivo de Teresina está passando por uma grande transformação para melhorar a vida do passageiro. O primeiro passo para essa mudança foi a licitação das linhas de transporte público, uma reivindicação antiga dos teresinenses. As empresas terão noventa dias para implantar o novo sistema e, a partir de então, passarão  por um monitoramento que vai  permitir o controle do horário das viagens de cada ônibus e o tempo gasto nos percursos. Uma das preocupações da Prefeitura é diminuir o tempo de espera do passageiro na parada de ônibus.

Outra vantagem da licitação é a exigência de carros novos operando na capital. O contrato estabelece que os veículos não podem ter idade média superior a seis anos de uso, a fim de oferecer mais conforto a quem se utiliza do transporte coletivo.

Mas é bom esclarecer que a licitação é apenas uma parte do novo projeto de transporte coletivo de Teresina, projetado pelo Plano Diretor de Transportes Públicos. O projeto estabelece um novo formato, mais moderno, ágil, e planejado para tornar os deslocamentos mais racionais.

O sistema funcionará em rede, com linhas alimentadoras, ligando os bairros mais distantes aos terminais de integração; linhas troncais, conectando os terminais de integração para o centro em corredores, e ainda as linhas interterminais, entre os diversos terminais de integração. Na prática, toda essa engenharia vai proporcionar uma economia de tempo significativa para os passageiros, como explica o Diretor de Transporte Público da STRANS, Ricardo Freitas. “As linhas que vêm dos bairros mais distantes levarão os passageiros para os terminais de integração, de onde sairão ônibus com muita frequência para o centro, reduzindo o tempo de espera do passageiro”, explica.

Serão implantados corredores exclusivos nas Avenidas Frei Serafim, Miguel Rosa, Barão de Gurguéia, Duque de Caxias e Rui Barbosa. “Os corredores segregados darão maior fluidez e segurança na circulação dos coletivos. Com isso, o usuário terá mais rapidez no deslocamento e mais alternativas para chegar ao seu destino”, esclarece Ricardo Freitas.

Essas obras dos corredores e terminais de integração devem ficar prontas, no máximo, em dois anos. Até lá, o sistema será operado de forma transitória, mas já com uma melhora na qualidade do serviço, em função das novas exigências contidas na licitação.

Informações: Capital Teresina

READ MORE - Em Teresina, Monitoramento dos ônibus vai melhorar a trafegabilidade do transporte coletivo

Promotor deve entrar na Justiça contra liberação de táxis em faixas de ônibus

Ministério Público vai exigir explicações da prefeitura de São Paulo sobre a liberação dos táxis nas faixas de ônibus. Se a administração não responder os questionamentos, a promotoria deve entrar na Justiça para exigir a volta da proibição da circulação dos taxistas nos espaços para o transporte coletivo

O promotor de Habitação e Urbanismo, Maurício Ribeiro Lopes, que participou dos estudos sobre os impactos da circulação de táxis sobre o desempenho dos ônibus nos corredores exclusivos disse que não foi comunicado pela prefeitura sobre a decisão que permite os trabalhos dos taxistas nas faixas para os coletivos que ficam à direita.


Na época, os estudos mostravam que os táxis nos corredores, mesmo sem paradas para embarque e desembarque, reduziam em até 25% a velocidade dos coletivos.

Agora, a prefeitura diz que os táxis nas faixas, mesmo podendo embarcar e desembarcar passageiros, não trazem prejuízos ao desempenho dos ônibus. Na opinião do promotor, isso representa um contrassenso e a medida pode ser política.

SONORA MAURÍCIO RIBEIRO LOPES
Ele vai pedir para ter acesso aos estudos da prefeitura sobre a liberação. Se o poder público não entregar os levantamentos em 48 horas, o promotor diz que pode acionar a Justiça, inclusive com base na lei da mobilidade urbana

SONORA MAURÍCIO RIBEIRO LOPES
A circulação dos taxistas pelas faixas de ônibus é permitida durante todo o dia desde que os carros estejam transportando passageiros.

A Secretaria de Transportes e a Prefeitura de São Paulo foram procuradas pela reportagem mas preferiram não comentar as declarações do promotor.

De São Paulo, Adamo Bazani
Informações: CBN

Leia também sobre:
READ MORE - Promotor deve entrar na Justiça contra liberação de táxis em faixas de ônibus

Em SP, Obra de BRT na Radial Leste vai durar 2 anos

terça-feira, 16 de setembro de 2014

O corredor de ônibus da Radial Leste começará a ser construído em outubro, assim como o da Avenida Aricanduva, na zona leste de São Paulo. A informação foi divulgada nesta quarta-feira, 10, pelo secretário municipal dos Transportes, Jilmar Tatto.

O da Radial terá 17 km e será um dos primeiros BRTs da cidade. As obras serão concluídas em 2016. A intervenção está prestes a ser contratada pela gestão Fernando Haddad (PT) e foi herdada de Gilberto Kassab (PSD).

Com faixas para ultrapassagem dos ônibus e paradas maiores do que as dos corredores atuais, o BRT (sigla em inglês para transporte rápido por ônibus) da Radial Leste deve atrair parte da demanda da Linha 3-Vermelha do Metrô, a mais lotada do sistema, pois será paralelo ao ramal metroviário, que transporta, em média, 1,49 milhão de usuários por dia.

Diferentemente dos nove corredores em superfície já existentes na capital, o BRT da Radial terá cobrança de tarifa desembarcada, ou seja, os passageiros não precisarão girar as catracas nos veículos, mas fora, o que permitirá maior agilidade no embarque, reduzindo filas e espera no ponto.

No Expresso Tiradentes, inaugurado em 2007, a tarifação já é assim, mas ele foi construído em uma via elevada e segregada dos demais veículos, ao contrário dos futuros BRTs.

O corredor da Aricanduva, que terá 14 km, entre a Radial e o Terminal São Mateus, não vai dispor dessa facilidade de pagamento, segundo a São Paulo Obras (SPObras), empresa municipal responsável por tocar os empreendimentos.

Por esse corredor, deverão circular 189 mil passageiros por dia. No da Radial, que ligará o Terminal Parque D. Pedro II, no centro, à Estação Artur Alvim, na zona leste, a expectativa é de 234 mil. Uma projeção de 2011 da São Paulo Transporte (SPTrans) indicava que 120 mil usuários poderiam migrar do Metrô.

Atraso

A construção dos dois corredores expressos custará, no total, R$ 781 milhões. Em janeiro, o Tribunal de Contas do Município (TCM) barrou o processo licitatório das vias exclusivas e de outros corredores, alegando falta do projeto básico e ausência de recursos orçamentários para a execução.

Dessa forma, as obras, que deveriam ter começado em março, já estão mais de seis meses atrasadas, o que pode pôr em risco a promessa de Haddad de entregar 150 km de corredores de ônibus até o fim de seu mandato.

Porém, Tatto mantém o prazo e assegura que agora os projetos da Radial Leste e da Aricanduva estão regularizados. "Só faltava a licença ambiental de instalação, que está na Secretaria do Verde e do Meio Ambiente. A última informação que tenho é de que está caminhando bem. É uma questão de dias (para a licença sair)."

Os recursos vêm, na maior parte, do governo federal, por meio do PAC Mobilidade. Um outro pacote de corredores, como o da Avenida dos Bandeirantes, ainda está travado no TCM.

O consultor de Transportes Flamínio Fichmann critica a forma como o corredor da Radial funcionará. Para ele, a integração com o Metrô e a CPTM deveria ser absoluta, sem cobrança de integração de tarifa.

Além disso, as paradas deveriam ser "coladas" às estações metroviárias e de trem, para realmente atrair os usuários de uma para a outra.

"O transporte não está concebido de uma maneira a integrar modais. O corredor vai melhorar o sistema de ônibus? Vai. E o de metrô e trem? Não."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia também sobre:
READ MORE - Em SP, Obra de BRT na Radial Leste vai durar 2 anos

BNDES libera R$ 982 mi para compra de trens em SP

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai liberar R$ 982 milhões para que a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) compre 35 novos trens. O empréstimo será concedido no âmbito da linha de crédito de mobilidade urbana.

De acordo com anúncio feito hoje (11), os investimentos do governo do estado de São Paulo para o setor de trens metropolitanos atingem R$ 1,1 bilhão e deverão contribuir para a melhoria da infraestrutura de transporte metroferroviário das linhas operadas pela CPTM.

O empréstimo aprovado pelo BNDES inclui a compra de materiais e serviços necessários à fabricação dos 35 trens. Conforme técnicos do banco, o apoio ao projeto repercutirá de forma positiva sobre a mobilidade urbana na região metropolitana de São Paulo, com demanda sempre crescente no transporte de passageiros. A expectativa é que, com os novos veículos, será reduzido o tráfego de ônibus e automóveis e, em consequência, a emissão de gases poluentes.

Outros 30 trens estão sendo adquiridos pela CTPM, mas não contam com financiamento do BNDES.

Por Alana Gandra
Informações: Agência Brasil

Leia também sobre:
READ MORE - BNDES libera R$ 982 mi para compra de trens em SP

Campinas quer VLT entre centro e distritos

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Campinas planeja utilizar o sistema de Veículos Leves sobre Trilhos entre o centro da cidade e o Aeroporto Internacional de Viracopos, mas não descarta outros traçados envolvendo Sousas e Barão Geraldo. O plano foi confirmado nesta sexta-feira pelo secretário de Transportes e presidente da Emdec, Carlos José Barreiro, mas ainda depende dos estudos de viabilidade que serão feitos a partir do próximo ano. A prioridade, no entanto, é a integração entre o sistema VLT e os corredores do BRT do Campo Grande e do Ouro Verde.

As análises só devem começar depois do processo licitatório, até março de 2015. Para a contratação da empresa, R$ 1,2 milhão foram repassados pelo Ministério das Cidades. O dinheiro integra os mais de 50 milhões do Orçamento Geral da União que também serão usados para obras de saneamento no córrego Santa Lúcia. A previsão é que os trabalhos tenham duração de dois anos.

Segundo o prefeito de Campinas, Jonas Donizette, os investimentos serão aplicados na região dos bairros Dois de Julho, Vila Bordon, além do Jardim Ieda 1 e 2. Nesses locais, também está prevista a retirada de famílias de áreas de risco, mas isso ainda não foi detalhado pelo Executivo. Apesar da assinatura dos contratos para o repasse das verbas, que contou com a presença do ministro das Cidades, Gilberto Occhi, e o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, o dinheiro só será recebido pela Prefeitura de Campinas depois so período eleitoral.

Por Leandro Las Casas
Informações: CBN Campinas

READ MORE - Campinas quer VLT entre centro e distritos

Metrô de Salvador vai passar a cobrar tarifa a partir de 31 de outubro

O início da operação comercial do metrô de Salvador foi adiado para o dia 31 de outubro. Na nova etapa, o governo do estado pretende adotar tarifas mais reduzidas e horários estendidos em uma fase experimental.
Mila Cordeiro | Ag. A TARDE
Além disso, o governo vai estudar, a partir do dia 15 de outubro, a implantação do Bilhete Único metropolitano e vai integrar ônibus oriundos de municípios da região metropolitana de Salvador (RMS) às estações de metrô do Acesso Norte e Retiro.

Também poderão ser criadas linhas de ônibus alternativas e gratuitas, que sairão de pontos específicos da capital baiana e levarão usuários até as estações.

As medidas, de acordo com o titular da Secretaria de Desenvolvimento Urbano do Estado (Sedur), Manuel Ribeiro, visam solucionar a lacuna deixada pela prefeitura ao não implantar um sistema de transporte integrado com o novo modal.
"Sem o total diálogo com o sistema de transporte existente, a demanda, que atualmente chega a 15 mil pessoas por dia, pode cair para quatro mil. Desta forma, o metrô acabará subutilizado".

O Bilhete Único metropolitano será desenvolvido com a Entidade Metropolitana e a Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transportes e Comunicações da Bahia (Agerba). A intenção, conforme Ribeiro, é incluir ainda o  sistema aquaviário - pedestres do ferryboat e barcos.

Tarifa
Até o início da operação comercial, a população continuará a utilizar o meio de transporte de forma gratuita, em operação assistida, das 8h às 16h.

A nova etapa estava prevista para começar no próximo dia 15, no entanto, foi adiada por conta da não implantação das linhas alimentadoras, que seriam de responsabilidade da prefeitura, conforme contrato assinado em 2013.

A prefeitura, por sua vez, alega que, para que a integração das linhas com as estações de metrô seja feita, de fato, serão necessários estudos aprofundados.

"Não posso retirar as linhas do Bonocô para que a população utilize o metrô, que é muito pequeno. Nossa proposta é que os ônibus continuem circulando e que o usuário defina qual meio irá utilizar", afirmou o secretário municipal de Urbanismo e Transporte, Fábio Mota.

Em nota, o prefeito ACM Neto afirmou que tem feito esforços para possibilitar a operação plena do metrô.
"O governador Jaques Wagner quer fazer uma intervenção na prefeitura para prejudicar a população de Salvador, principalmente os mais pobres, que não podem pagar uma tarifa de ônibus de cerca de R$ 4", disse.

O secretário Manuel Ribeiro afirma que ainda não há definição sobre o valor da tarifa do metrô.
"Ainda estamos estudando. Para que isso seja definido, seria necessário que as linhas integradas já estivessem funcionando", afirmou.

Informações: A Tarde


READ MORE - Metrô de Salvador vai passar a cobrar tarifa a partir de 31 de outubro

Metrô SP implantará até do fim ano sistema que reduz superlotação

O Metrô diz que até o fim deste ano será implantado um sistema de controle de trens mais moderno que permite melhorar a superlotação na linha 2-verde.

O sistema foi comprado em 2008 e a previsão era que estivesse em operação em 2010.

A melhora ocorre porque o sistema, chamado CBTC, possibilita redução de 20% no intervalo entre os trens. Segundo Luiz Antonio Carvalho Pacheco, presidente do Metrô, esse intervalo passará de 120 para cerca de 100 segundos.

Com o intervalo menor é possível aumentar a quantidade de trens em circulação e oferecer mais lugares para passageiros. Se hoje a capacidade de transporte é de 48 mil pessoas por hora e sentido, passaria para 57,6 mil.

Segundo Pacheco, nas linhas 1-azul e 3-vermelha, as mais superlotadas da rede, o sistema começará a ser implantado em 2015 e deverá estar em operação até 2016.

O sistema foi comprado da Alstom, empresa investigada por formar cartel e fraudar licitações, por R$ 706 milhões (valor não corrigido).

Mas desde os primeiros testes surgiram falhas, como composições que desapareciam da tela de controle.

Os testes são feitos em trechos da linha 2 desde 2011. No ano passado, o sistema passou a funcionar nos 14,7 km do ramal aos domingos.

A Alstom foi multada pelo atraso e teve os pagamentos suspensos. A disputa foi parar em um comitê de arbitragem, em que a multinacional reclama que não vendeu o que o Metrô cobra e que novas exigências foram feitas.

De acordo com Pacheco, que está no Metrô desde junho de 2013 e não participou da contratação, a empresa francesa teve dificuldade para adaptar seu sistema, "um produto de prateleira", à realidade da rede paulistana.

"Na minha avaliação a Alstom nos vendeu um produto que não tinha para desenvolver. Tinha o produto, mas não tinha para o Metrô, uma empresa ímpar do ponto de vista de operação. É uma rede pequena e com altíssima densidade, o que exige uma forma de operar diferente", diz.

Segundo o presidente, a principal diferença aqui é que o sistema em que os trens circulam como em um carrossel recebe trens extras nos horários de maior demanda.

"Parece óbvio, mas quando você fala para colocar isso no sistema, eles entram em pânico. Quando eu coloco um trem, o carrossel tem que ser todo recalculado, redefinido."

A Alstom também reclamava do tempo curto para instalar equipamentos, já que o metrô para por poucas horas, na madrugada. Um executivo chegou a comparar o trabalho a "trocar a turbina do avião em pleno voo".

Pacheco diz, porém, que agora crê que as dificuldades técnicas foram superadas.

"Acho que conseguimos acertar com eles o cronograma e estamos acompanhando o que é factível. Lógico que muito atrasado em relação a tudo, mas hoje, pelo andar da carruagem, a gente coloca a linha 2 em CBTC até o final do ano", afirma.

Segundo a Alstom, seu CBTC já foi implementado em locais como Toronto, Milão, Amsterdã, Paris e Cingapura. O sistema também é usado na linha 4-amarela, que opera sem condutores, mas o fornecedor é a Siemens.

O governo também pretende usar adotar o sistema em linhas da CPTM e nas novas linhas do metrô.

Pacheco diz ainda que até o fim do mês espera assinar os contratos para as obras de expansão da linha 2. O prolongamento terá 13 estações e 15,5 km -14,4 km da Vila Prudente até Guarulhos e mais 1,1 km à oeste da estação Vila Madalena.

Informações: Folha de S. Paulo

Leia também sobre:
READ MORE - Metrô SP implantará até do fim ano sistema que reduz superlotação

São Paulo ganhou 12,3 km de ciclovias em seis trechos neste sábado

A Prefeitura de São Paulo inaugurou seis novos trechos de ciclovias na cidade neste sábado (13). São 12,3 quilômetros de vias destinadas exclusivamente ao tráfego de bicicletas.

O maior percurso, de 4,2 km, passa pelos bairros de Perdizes, Santa Cecília e Higienópolis. Além desse, a Avenida Doutor Assis Ribeiro, as regiões de Pinheiros, Bom Retiro e Pari, e a Alameda Nothman também ganharam ciclovias.

No total, a atual gestão já entregou 70,6 km de ciclovias. Antes disso, a cidade tinha 63 km. A meta da Prefeitura é de completar 400 km até o final de 2015. Confira abaixo o detalhamento dos seis trechos inaugurados neste sábado:

Pinheiros
Com 1,3 km de extensão, vai liar Ciclovia Faria Lima até a ciclopassarela construída sobre a Marginal do Rio Pinheiros, passando pelo Parque do Povo e pela Estação Cidade Jardim da CPTM. A ciclovia passara pela Rua Professor Artur Ramos, pela Avenida Cidade Jardim e pela Praça Nicolau David.

Pari/Canindé
A nova ciclovia de 3,3 km vai percorrer vias da região até a Estação Armênia do Metrô. A ciclovia fará, futuramente, a integração com a Ciclovia do Bom Retiro, chegando às regiões do Centro, Barra Funda e Santa Cecília, entre outras. A ciclovia vai passar pelas ruas Pedro Vicente, das Olarias, Araguaia, Rio Bonito, Hannemann, Canindé e Araguaia.

Perdizes, Santa Cecília e Higienópolis
Com 4,2 km, vai interligar-se à rede cicloviária do Centro Histórico pelas ruas Barra Funda e Amaral Gurgel. A ciclovia vai conectar-se, também, com o espaço compartilhado entre ciclistas e pedestres da Avenida Sumaré, além de fazer ligação com o Parque da Água Branca e o Terminal de Ônibus Amaral Gurgel. O trecho vai entre as ruas Dr. Cândido Espinheira, Dr. Frederico Abranches, Albuquerque Lins, João Ramalho, Ministro Godói e Amaral Gurgel, e Alameda Barros.

Centro 
Com 1,6 km, o trecho integra-se ao circuito do Centro pela Rua Mauá e, futuramente, fará integração com a Ciclovia Pari/Canindé que também será inaugurada neste sábado. A ciclovia passa pelo Viaduto General Couto de Magalhães, e pelas ruas Prates e Rodolfo Miranda.

Alameda Nothman
A via receberá mais 200 metros de ciclovia bidirecional no bordo da pista, no trecho entre a Al. Cleveland e a Rua Anhaia. O percurso vai conectar a rede cicloviária do Centro Histórico com ciclovias implantadas nas regiões do Bom Retiro e da Barra Funda.

Av. Dr. Assis Ribeiro
A via da Zona Leste vai receber mais 1,7 km de ciclovia entre a Av. Paranaguá e a Rua Cisper (passarela de acesso à USP Leste). O traçado dá continuidade à ciclovia de 2,1 km aberta em 16 de agosto na Assis Ribeiro, entre a Rua Rio Soturno e a Av. Paranaguá. O novo percurso será proporciona conexão com a USP Leste e a Estação Comendador Ermelino Matarazzo da CPTM.

Entenda as novas ciclovias de SP
A construção de 400 km de ciclovias é uma das 123 metas de gestão de Fernando Haddad, que se elegeu com a promessa de privilegiar o transporte público.

Considerando que São Paulo tem 17,2 mil km de vias pavimentadas, o total representa espaço exclusivo para ciclistas em 2,3% do total de ruas e avenidas da cidade. Segundo estimativas, o custo total das obras é de R$ 80 milhões. Parte dos recursos devem ser disponibilizados pelo Fundo Municipal do Meio Ambiente (Fema).

De acordo com a Prefeitura, o cumprimento da meta deixará São Paulo com total de ciclovias próximo do que há em outras cidades do mundo. O levantamento da administração municipal aponta que Berlim lidera o ranking com 750 quilômetros. Além dos 400 km do novo plano, há previsão de inauguração de 150 quilômetros de ciclovias que devem ser implantadas junto aos futuros corredores de ônibus, além de outros 63 km já existentes até 2013.

A instalação de ciclovias é uma das estratégias apontadas por especialistas em trânsito para oferecer outras opções para o transporte na cidade. Neste ano, São Paulo atingiu novo recorde de congestionamento, com 344 km de vias congestionadas em 23 de maio.

Além disso, a construção de ciclovias é uma demanda de diversos setores, incluindo cicloativistas que se articulam na cidade em associações e promoveram ao longo de anos intervenções e protestos por mais respeito às bicicletas no trânsito. O número de ciclistas mortos em acidentes de trânsito caiu entre 2005 e 2013, período disponível no levantamento da CET. Em 2005, foram 93 casos. Em 2013, o total de mortes foi de 35.

Informações: G1 São Paulo

Leia também sobre:
READ MORE - São Paulo ganhou 12,3 km de ciclovias em seis trechos neste sábado

Metrô de São Paulo completa 40 anos

domingo, 14 de setembro de 2014

A Companhia do Metropolitano de São Paulo comemora hoje o 40º aniversário de operação comercial. No dia 14 de setembro de 1974, ocorria a primeira viagem com o trem protótipo, percorrendo o pequeno trajeto entre as estações Jabaquara e Vila Mariana, na atual Linha 1-Azul, que é a primeira do sistema. Nessa viagem, foi usado um trem de fabricação Budd/Mafersa, em aço inox, que circulou no seu formato original até tempos atrás. Hoje, pode ser visto circulando com a identificação 'I24'.

Na época de sua inauguração, o Metrô ofereceu até mesmo um treinamento para a população, sobre como utilizar os serviços do novo transporte. Vários fatos foram marcantes na época, tais como a demolição do edifício Mendes Caldeira, para construção da Estação Sé, que seria a maior do sistema. Construído para facilitar os deslocamentos dentro da cidade, o Metrô logo ganhou centenas de adeptos, visto sua praticidade e funcionalidade.

Na década de 1980, saía do papel a então Linha 2 (posteriomente Linha 3-Vermelha, ou 'Leste-Oeste'), ligando Itaquera à Barra Funda, passando pelo centro de São Paulo em bairros como Brás, Sé, República, Anhangabaú e Santa Cecília. Hoje, essa linha é a mais utilizada no sistema, com um fluxo médio de 1,6 milhão de usuários por dia. Na década de 1990, veio o 'Ramal Paulista' (atual Linha 2-Verde), ligando inicialmente as estações Clínicas à Ana Rosa. Nos dias atuais, a Linha 2 interliga os bairros da Vila Mariana e Vila Prudente, passando pela região da Avenida Paulista.

Alstom Metropolis na estação Santo Amaro, da Linha 5-Lilás
Em 2002, em convênio com a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), o Metrô assumiu a operação comercial da então Linha G (que virou Linha 5-Lilás), na zona sul de São Paulo. O trecho compreendido entre as estações Largo Treze e Capão Redondo é hoje o menor do sistema metroviário. Nesse ano de 2014, teve mais uma estação incorporada à linha: Adolfo Pinheiro. Em 2010, houve a inauguração da primeira linha privada de Metrô em São Paulo. Administrada pela concessionária ViaQuatro (do Grupo CCR), a Linha 4-Amarela tem por principal papel integrar as linhas já existentes. Ainda em obras, é hoje a linha de metrô mais moderna de São Paulo, com trens em operação driverless UTO (são comandados à distância, sem operador local).

Nesse ano, foi inaugurado o primeiro trecho de Monotrilho administrado pelo Metrô. Ligando inicialmente Vila Prudente à Oratório, a Linha 15-Prata foi construída utilizando um novo método de transporte, visando aliviar o alto fluxo na Linha 3 de maneira mais rápida e econômica. Ao mesmo tempo, estão em construção mais estações da Linha 4-Amarela, Linha 5-Lilás e as novas Linha 6-Laranja, Linha 17-Ouro e Linha 18-Bronze, esta última na região do ABC paulista. Em tramitação, está a ampliação da Linha 2-Verde até Guarulhos, bem como a construção da Linha 19-Celeste (saindo da região de Moema até Guarulhos).

Por Diego Silva
Informações: Metrô em Foco

Leia também sobre:
READ MORE - Metrô de São Paulo completa 40 anos

Com nova linha Penha-Madureira, BRT Transcarioca avança para chegar aos 320 mil passageiros por dia

Mais 12 estações do BRT Transcarioca começaram a funcionar neste sábado na Zona Norte, com a inauguração da nova linha paradora Penha - Madureira. Inaugurado em junho, o corredor de ônibus já transporta 142 mil passageiros por dia e deve chegar ao fim do ano com um movimento diário de 320 mil pessoas, segundo estimativa da prefeitura. 

Com o novo serviço, o Transcarioca, que vai da Barra da Tijuca ao Aeroporto Internacional do Galeão, na Ilha do Governador, passará a atender aos bairros de Vaz Lobo, Irajá, Vila Kosmos, Vila da Penha, Penha Circular e Penha, além do lado norte de Madureira, próximo ao Mercadão. 

Também no sábado, começará a operar a linha expressa da Penha ao Terminal Alvorada, com nove paradas. Esta linha substituirá a expressa, de Vicente de Carvalho à Barra, que funciona atualmente. 

As saídas para a nova linha paradora serão a cada sete minutos e o serviço funcionará 24 horas por dia. Já a linha expressa terá intervalos de 10 minutos, com funcionamento de 5h às 23h. 

De acordo com a Secretaria Municipal de Transportes, as mudanças marcam o início da terceira e última etapa do plano de implantação do corredor Transcarioca, previsto para meados de setembro, como antecipou reportagem do DIA . Está prevista ainda para este ano a abertura do serviço parador do Aeroporto do Galeão à Penha (que passa por 10 estações). Com esta futura rota, serão abertas as últimas seis estações do corredor (Ibapina, Olaria, Cardoso de Moraes, Santa Luzia, Maré e Fundão), completando as 47 paradas ao longo de 39 quilômetros da via. 

A linha paradora Penha - Madureira vai passar pelas estações da Penha, Pastor José Santos, Guaporé, Praça do Carmo, Pedro Taques, Vila Kosmos, Vicente de Carvalho (onde há integração com o metrô), Marambaia, Vaz Lobo, Vila Queiroz, Otaviano, Mercadão e Madureira/Manaceia. 

Já a linha expressa terá em seu trajeto as seguintes estações: Terminal Alvorada, Rio 2, Santa Efigênia, Taquara, Tanque, Praça Seca, Madureira-Manaceia (integração com o trem), Vicente de Carvalho (integração com o metrô) e Penha. A secretaria informou que as mudanças com as novas linhas serão divulgadas por meio de folhetos explicativos nas estações e nos principais pontos do BRT.

Obra da Transoceânica é licitada em Niterói 
Enquanto o Transcarioca inaugura mais 12 estações, do outro lado da Baía de Guanabara, em Niterói, outro corredor, a Transoceânica, que ligará os bairros de Engenho do Mato e Charitas, começa a sair do papel. 

Foi realizada nesta quarta-feira a licitação para a construção da via expressa, com corredor de ônibus incluído, e o consórcio vencedor foi o Constram-Carioca TransOceânica, formado pelas empresas Constram e Carioca Engenharia Christiani-Nielsen. 

A proposta do vencedor, que ainda precisa ser homologada, é de fazer a obra pelo valor estimado de R$ 310 milhões. Segundo o projeto, serão construídos 9,3 quilômetros de via, incluindo o Túnel Charitas-Cafubá, sem cobrança de pedágio, e 13 estações de BRT para embarque e desembarque de passageiros. O prazo previsto para a execução da obras é de 24 meses.

São Gonçalo inicia estudos para implantar seu BRT 
O sétimo corredor BRT da Região Metropolitana do Rio começa ser estudado. O prefeito de São Gonçalo, Neilton Mulimos, assinou, na terça-feira, convênio com a Caixa Econômica Federal, no valor de R$ 9 milhões, para elaborar projeto de BRT no município, além de ciclovias.

No município do Rio, são dois corredores em operação (Transoeste e Transcarioca), um em construção (Transolímpica) e um com a licitação para a construção suspensa, que é o Transbrasil. Além do Transoceânica, em Niterói, licitado ontem, há ainda o projeto de BRT na Baixada, passando ao longo da Via Light, em Nova Iguaçu. O sistema BRT foi criado em Curitiba, no Paraná, e ganhou projeção internacional ao ser implantado em Bogotá, na Colômbia.

Por Paulo Maurício Costa
READ MORE - Com nova linha Penha-Madureira, BRT Transcarioca avança para chegar aos 320 mil passageiros por dia

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

Loading...

Google+ Followers

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Brasil vai inaugurar mais de 250 quilômetros de BRT em 2014

Nova etapa das obras da Linha 4 do Metrô do Rio é iniciada na Gávea

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Governo estuda trem-bala de São Paulo a BH, Curitiba e Brasília

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960