Primeiro ônibus elétrico produzido no Brasil circulará em SP

domingo, 16 de julho de 2017

A Prefeitura de São Paulo apresentou hoje (14) um ônibus elétrico, alimentado por baterias, com capacidade para transportar 84 passageiros e com até 300 quilômetros de autonomia. O veículo foi totalmente construído no Brasil. As baterias são de fosfato de ferro e levam de quatro a cinco horas para serem carregadas. A linha em que o ônibus circulará ainda não foi definida e a previsão é a de que o veículo entre em operação até o dia 31 de julho, após passar por fiscalizações feitas pela SPTrans (São Paulo Transporte - empresa que faz a gestão do transporte público na capital paulista).

O ônibus têm ainda motores elétricos embutidos nas rodas e sistemas auxiliares hidráulicos e pneumáticos, integrados por meio de uma rede de controle. Esse mecanismo faz com que, em aceleração, o sistema consuma energia das baterias tradicionais e nos momentos de frenagem o sistema de tração transforme a energia dessas baterias em energia elétrica, que fica armazenada nas mesmas baterias.

O chassi é feito pela empresa chinesa BYD, que instalou uma fábrica em Campinas (SP) há dois anos em meio. A carroceria é da Caio, que também funciona no interior de São Paulo. A capacidade de produção anual da BYD é de 400 carros por ano.

Segundo o prefeito de São Paulo, João Doria, a implantação dos ônibus elétricos está dentro do plano de governo da prefeitura de promover a redução de emissões poluentes. “Esse modelo emissão zero e baixo nível de ruido, também é equipado com ar-condicionado. O modelo atende ainda a todas as exigências de acessibilidade como piso baixo, rampas de acesso e espaço para cadeiras de rodas, wi-fi e tomadas USB”, disse Doria.

Segundo o secretário Municipal de Mobilidade e Transportes (SMT), Sérgio Avelleda, o veículo é o que há de mais moderno em termos de ônibus elétricos em operação em outros países, como os Estados Unidos e a China. “Isso faz parte do plano de governo apresentado para a transformação do nosso sistema de ônibus. Na licitação, já anunciamos, vamos contribuir para que ao longo do próximo contrato, as empresas reduzam paulatinamente as emissões que provocam doenças respiratórias, envelhecimento precoce e um clima global indesejável”, disse.

A prefeitura pretende discutir com a Câmara Municipal a alteração da legislação vigente para a adequação do sistema de ônibus para veículos classificados pelo secretário como mais saudáveis. “Quero ressaltar que estamos estudando trocar os 60 ônibus a diesel para elétricos e instalar placas foto voltaicas na garagem para que durante o dia o sol gere energia elétrica que vai alimentar os ônibus que vão circular pela cidade de São Paulo”.

Informações: RIC MAIS
READ MORE - Primeiro ônibus elétrico produzido no Brasil circulará em SP

Grande Recife: Terminal Integrado Cavaleiro passa a operar no sistema temporal

A integração temporal será ampliada a mais usuários do Sistema de Transporte Público de Passageiros da Região Metropolitana do Recife (STPP/RMR) a partir deste sábado (15). O Grande Recife, em conjunto com a CBTU, modificará a operação do Terminal Integrado Cavaleiro e trará mais benefícios aos usuários que desejam integrar fora do Terminal. 

Com a mudança, os 4,5 mil usuários que circulam pelo TI Cavaleiro irão catracar exclusivamente com o Vale Eletrônico Metropolitano (VEM) Trabalhador, Estudante, Livre Acesso ou Comum, seja nos ônibus ou no metrô. O embarque nas seis linhas operadas no Terminal, atualmente realizado pelas portas traseiras e do meio dos veículos, será obrigatoriamente pela porta dianteira dos ônibus, ou seja, com o usuário passando o VEM no validador e girando a catraca, mas sem que seja debitada uma nova tarifa no segundo embarque.

Além disso, as seis linhas realizarão integração temporal com outras 15, ou seja, além dos passageiros do TI Cavaleiro que podem realizar integração temporal com o metrô, os usuários que utilizam essas seis linhas em outros locais também terão acesso ao benefício, tanto para integrar com o metrô como com as 15 outras linhas. A mudança será testada e, caso seja bem sucedida, poderá ser ampliada para outros Terminais Integrados.

A integração temporal permite que o usuário utilize os dois modais ou duas linhas de ônibus pagando apenas uma passagem, dentro do intervalo de 2 horas, mediante uso do VEM. 

Os usuários que saem do metrô e têm como intenção uma das seis linhas do Terminal e os que desembarcam de uma dessas linhas e querem seguir para o metrô deverão usar o VEM para realizar a integração. É importante lembrar que a integração temporal só é possível com o cartão VEM; logo, usuários que pagarem a passagem em dinheiro não terão como realizar a integração sem o pagamento de uma nova tarifa.

Para comunicar os usuários das mudanças, o Grande Recife se reuniu com as comunidades Bairro do Socorro, Quitandinha Nova Esperança, Vila Dois Carneiros, Alto do Vento, Zumbi do Pacheco e Alto Dois Carneiros e os respectivos líderes comunitários, que receberam gratuitamente 20 cartões VEM Comum, para serem repassados aos usuários. Além disso, 1 mil cartões serão distribuídos pelos cobradores das linhas que atendem ao Terminal. O Consórcio também reforçou a divulgação da mudança através de cartazes e folders, compartilhados nas seis linhas, no Terminal e no metrô.

Linhas que atendem o Terminal Integrado Cavaleiro:

149 – Zumbi do Pacheco/TI Cavaleiro

220 – TI Jaboatão/TI Cavaleiro

244 – Alto do Vento/TI Cavaleiro

245 – Dois Carneiros/TI Cavaleiro

255 – Quitandinha/TI Cavaleiro

256 – Loteamento Nova Esperança/TI Cavaleiro

Linhas que realizarão integração temporal com as linhas do TI Cavaleiro:

021 – TI Joana Bezerra/Shopping RioMar

101 – Circular (Conde da Boa Vista/Rua do Sol)

102 – Ibura/TI Santa Luzia

104 – Circular (Imip)

106 – Parque Aeronáutica/TI Santa Luzia

107 – Circular (Cabugá/Prefeitura)

108 – Barro/Ceasa

116 – Circular (Príncipe)

117 – Circular (Prefeitura/Cabugá)

202 – Barro/Macaxeira (Várzea)

204 – Loteamento Jiquiá/TI Santa Luzia

206 – TI Barro/TI Prazeres

207 – Barro/Macaxeira (BR-101)

216 – TI Barro/TI Cajueiro Seco

914 – PE-15/Afogados

Informações: GRCT
READ MORE - Grande Recife: Terminal Integrado Cavaleiro passa a operar no sistema temporal

No Recife, Linha Piedade (Opcional) passa a atender a Av. Cde. Boa Vista

O Grande Recife modificará o itinerário da linha 064 – Piedade (Opcional) a partir deste sábado (15). Tanto em dias úteis como aos sábados, ela passará a realizar o percurso pela Avenida Conde da Boa Vista no sentido cidade/subúrbio. O itinerário atual no sentido oposto (subúrbio/cidade) será mantido até o Cais de Santa Rita, ponto de retorno da linha.

Confira o novo itinerário no sentido cidade/subúrbio:

Cais de Santa Rita, Ponte 12 de Setembro, Av. Alfredo Lisboa, Av. Marques de Olinda, Ponte Maurício de Nassau, Av. Martins de Barros, Rua Siqueira Campos, Rua Cleto Campelo, Av. Guararapes, Ponte Duarte Coelho, Av. Conde da Boa Vista, Rua Dom Bosco, Av. Governador Agamenon Magalhães, Ponte José de Barros, Viaduto Capitão Temudo, Alça do Viaduto Capitão Temudo, Av. Saturnino de Brito, Ponte Governador Paulo Guerra, Av. Herculano Bandeira, Av. Engenheiro Domingos Ferreira, Rua Padre Carapuceiro, Av. Fernando Simões Barbosa, Rua Fausto Alves de Pinho, Pátio do Shopping Center Recife (Parada 1), Rua Bruno Veloso, Avenida Engenheiro Domingos Ferreira, Rua Visconde de Jequitinhonha, Av. Ayrton Senna da Silva, Rua Aniceto Varejão, Rua Cuiabá, Rua do Jangadeiro, Rua João Fragoso de Medeiros (Terminal).

Com isso, a linha deverá atender as seguintes paradas seletivas sempre que solicitado o embarque e/ou desembarque de usuários:

Na Avenida Martins de Barro: parada seletiva nº180023, sinalizada por abrigo em concreto que fica localizado no lado oposto ao Posto de combustível Ypiranga (lado oposto à Travessa do Arsenal de Guerra), antes da interseção com a Av. Nossa Senhora do Carmo. No mesmo local onde já para a linha 185 – TI Cabo.

Na Avenida Guararapes: parada seletiva nº180298, sinalizada por abrigo metálico que fica localizado no Canteiro Central, em frente aos Correios. No mesmo local onde já param as linhas 522 – Dois Irmãos (Rui Barbosa) e 2432 - CDU (Várzea).

Na Avenida Conde da Boa Vista (no trecho compreendido entre a Rua da Aurora e a Rua do Hospício): A linha 064 – Piedade (Opcional) deverá atender as mesmas paradas que são atendidas pela linha 061 – Piedade e a parada seletiva nº 180298, na plataforma em frente ao Bradesco, nº 126. Usuários devem atentar que a linha 064 – Piedade (Opcional) não irá parar na Rua Dom Bosco.

Na Avenida Agamenon Magalhães (pista principal – parada no canteiro central): A linha 064 – Piedade (Opcional) deverá atender as mesmas paradas que são atendidas pela linha 061 – Piedade e também as seguintes paradas seletivas nº 180160, sinalizada por abrigo Publique modelo novo, localizada após o Hospital da Restauração, logo após o cruzamento com a Rua Jornalista Paulo Bittencourt; nº 180161, sinalizada por abrigo Publique modelo novo, em frente à Praça do Derby, bem próximo (antes) ao cruzamento com a Av. Carlos de Lima Cavalcante; nº 180163, sinalizada por abrigo Publique modelo novo, localizada após o cruzamento com a Rua Amaury de Medeiros, antes (próximo) do cruzamento com a Rua Henrique Dias; nº 180166, sinalizada por abrigo Publique modelo novo, localizada antes (próximo) do cruzamento com a Rua Paissandu e nº 180168, sinalizada por abrigo Publique modelo novo, localizada em frente ao Hospital Português.

Na Rua Saturnino de Brito: parada seletiva nº 180052, sinalizada por abrigo Publique modelo novo, localizada na pracinha em frente à Compesa (Cabanga), logo após a descida da alça do Viaduto Capitão Temudo.

A linha 064 – Piedade (Opcional) também deixará de atender algumas paradas seletivas. São elas:

Na Rua do Sol: parada nº 180140 - lado oposto à Rua Matias de Albuquerque (abrigo único Publique).

Na Rua Floriano Peixoto: parada nº 180143, no lado oposto à Praça Joaquim Nabuco (abrigo único de metal).

Na Avenida Saturnino de Brito: parada nº 180053, bem próximo (antes) à Ponte Paulo Guerra, sentido Cabanga / Boa Viagem.

Para mais informações, os usuários dispõem da Central de Atendimento ao Cliente (0800 081 0158).

Informações: GRCT
READ MORE - No Recife, Linha Piedade (Opcional) passa a atender a Av. Cde. Boa Vista

Em Goiânia, Cadastro para o passe livre estudantil começa nesta segunda-feira (17)

A partir desta segunda-feira (17/7), estará aberto o período de cadastramento dos estudantes para que possam ter acesso ao Passe Livre Estudantil na região metropolitana de Goiânia. Os estudantes que ainda não possuem cadastro devem procurar uma unidade do Vapt Vupt. O prazo é até dia 11 de agosto. 

Para os estudantes já cadastrados, a troca de cartões será automática e terá início no dia 7 de agosto. O estudante receberá um e-mail informando em qual unidade do Vapt Vupt ele poderá retirar o novo cartão, que já virá carregado.

Caso o estudante não receba o e-mail, ele poderá consultar o local para retirada do cartão nos sites da Secretaria de Governo (www.segov.go.gov.br ou www.juventude.go.gov.br).

O prazo para a retirada do novo cartão será até o dia 31 de agosto, visto que a partir do dia 1º de setembro, apenas os cartões atualizados terão gratuidade.

O governo de Goiás assumiu a integralidade do Passe Livre Estudantil para evitar que as empresas de transporte coletivo aumentassem o valor da tarifa do serviço na grande Goiânia, mantendo o preço da passagem em R$ 3,70.

“O programa, cujo custeio foi integralmente assumido pelo governo do Estado em toda a grande Goiânia, substituirá o antigo Passe Estudantil em toda essa região”, explica o secretário de Governo, Tayrone Di Martino.

Mais de 60 mil estudantes são beneficiados, atualmente, com a gratuidade do sistema na Capital e região metropolitana.

Informações: Jornal Opção
READ MORE - Em Goiânia, Cadastro para o passe livre estudantil começa nesta segunda-feira (17)

Empresas do VEM ABC insistem em monotrilho para região

O Consórcio VEM ABC, composto pelas empresas Primav, Cowan, Encalso e Benito Roggio, responsável pela construção e futura operação do monotrilho da linha 18 Bronze, diz que vai insistir no modal para ligar em 15,7 km as cidades de São Bernardo do Campo, Santo André, São Caetano do Sul e São Paulo (estação Tamanduateí).

No início desta semana, num workshop na capital paulista, o presidente do VEM ABC, Maciel Paiva, disse que não está prevista em contrato a substituição do meio te transporte e que o Governo do Estado também vai insistir em monotrilho.

“Sem dúvida é um modal de sucesso em diversos países. E para esta ligação é o mais adequado. Tem custo menor que o metrô e ocupa menos espaço que um BRT, corredor de ônibus” –  defendeu o responsável pelo consórcio que faz parte da PPP – Parceria Público Privada com o Governo do Estado de São Paulo.

O VEM ABC procurou destacar para jornalistas e blogueiros as vantagens do modal, alegando capacidade de 40 mil passageiros por sentido, tração elétrica e menos área ocupada dos carros e edificações nas áreas urbanas.

Entretanto, são as desapropriações os maiores entraves hoje para o monotrilho do ABC, prometido para 2014, sair do papel. Não há mais prazo para o início da obra.

A Cofiex – Comissão de Financiamento Externo, órgão vinculado ao Ministério do Planejamento, não autorizou o Governo do Estado a captar recursos externos que somam US$ 128,7 milhões para financiar as desapropriações necessárias para a instalação das estações e das vigas dos trens leves com pneus que devem seguir sobre um trilho por sentido.

O aval é necessário porque o Governo Federal atua como espécie de fiador no negócio. Se a gestão estadual der calote no empréstimo, o financiamento terá de ser pago com recursos federais. A Cofiex entendeu haver risco de inadimplência pelo Governo do Estado.

Os problemas relacionados ao monotrilho do ABC não se limitam às desapropriações e aos recursos.

Ainda não houve uma definição sobre a situação das galerias de água sob a Avenida Brigadeiro Faria Lima, no centro de São Bernardo do Campo, que podem alterar o lado de implantação das vigas para o elevado por onde passariam os trens leves com pneus.

Foram problemas de galerias pluviais na Avenida Luiz Inácio de Anhaia Melo não previstas no projeto que atrasaram as obras do monotrilho da linha 15-Prata, na zona leste de São Paulo, onde há apenas duas estações no trajeto de 2,3 quilômetros.

Também há a interpretação sobre uma cláusula no contrato que determina que o monotrilho do ABC só poderia ser inaugurado após os testes e o funcionamento da linha 17-Ouro, também de monotrilho, que está em construção, mas sem operação.

O Consórcio Intermunicipal do ABC, que reúne hoje seis dos sete prefeitos do ABC, sugere a implantação de um corredor de ônibus BRT no trajeto que, segundo a entidade, transportará demanda semelhante de passageiros com custos dez vezes menores e implantação em até dois anos.

“ O prazo [do contrato do monotrilho] foi aditado por mais 180 dias, é o terceiro aditamento, e nós percebemos que mediante a crise econômica, tá muito distante [a concretização da obra] e a sociedade clama por um novo modal. Não dá para a gente continuar só simplesmente justificando que por fatores financeiros a obra não vai ser iniciada. A gente [Consórcio] está oferecendo então por autorização e deliberação que o governo do Estado submeta uma nova proposta, dentre elas poderia ser um BRT, ‘aonde’ o tempo de viagem origem-destino aumentaria alguma coisa em torno de sete minutos, o corredor seria o mesmo que hoje seria a linha, então sairia por São Bernardo do Campo, ingressando pela Aldino Pinotti, passando pela Lauro Gomes, Guido Aliberti e Presidente Wilson, que seriam as três cidades [do ABC] mais a capital, ‘aonde’ tem um trecho de 1,5 km. Nós estamos já no dia de amanhã [quarta, 07 de junho] mandando este comunicado, buscando uma solução e ao mesmo tempo oferecendo uma alternativa”– disse o presidente do Consórcio Intermunicipal ABC e prefeito de São Bernardo, Orlando Morando.

RISCO FISCAL:

A linha 18-Bronze do monotrilho que deveria ligar São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, à estação do Tamanduateí na capital, passando pelos municípios de Santo André e São Caetano do Sul representa risco fiscal e pode custar ao menos R$ 252,4 milhões a mais aos cofres públicos estaduais.

É o que aponta relatório de riscos fiscais sobre as PPPs – Parcerias Público-Privadas do Governo do Estado de São Paulo, publicado no Diário Oficial do Estado de sábado, 1 de abril de 2017.

Inicialmente, o monotrilho do ABC deveria custar, contando os recursos públicos e privados, R$ 4,2 bilhões em 2014. Em 2016, o valor foi corrigido para uma estimativa de R$ 4,8 bilhões e, se forem realizadas estas complementações previstas, a linha 18 do ABC pode ter custo que ultrapasse R$ 5 bilhões.

O empreendimento total, contando com a primeira e a segunda fase, deve ter 15,7 quilômetros para atender a uma demanda prevista de 314 mil passageiros por dia. Levando em conta o valor de R$ 5 bilhões já com a complementação, cada quilômetro do monotrilho do ABC pode custar R$ 318,4 milhões.  A título de comparação, de acordo com dados da UITP  – União Internacional de Transporte Público, cada quilômetro de BRT – Bus Rapid Transit, corredor de ônibus que pode atender a uma demanda de até 300 mil passageiros por dia, custaria em média quase 10 vezes menos, R$ 35,4 milhões. Já cada quilômetro de metrô poderia custar entre R$ 700 milhões e R$ 1 bilhão, no entanto, a demanda seria praticamente três vezes maior que do monotrilho, podendo levar até um milhão de passageiros por dia.

SUCESSOS E FRACASSOS NO MUNDO

Enquanto o Consórcio VEM ABC no Workshop procurou mostrar exemplos bem sucedidos do monotrilho, como de Kuala Lumpur, e Tóquio, por outro lado também há exemplos negativos.

Mais da metade dos monotrilhos inaugurados em todo mundo já foi desativada, de acordo com dados da Associação Internacional de Monotrilhos –  MonorailSociety –  e da UITP – União Internacional de Transportes Públicos. Além disso, com exceção da Ásia, grande parte dos países que implantaram sistemas de monotrilhos, não deu prosseguimento em outros projetos do modal.

Relatório da UITP – União Internacional de Transporte Público, de 2015, Apontam ainda que a desativação de linhas de monotrilho, como aconteceu em Sydney, na Austrália, é um sinal das deficiências do modal.

Inaugurada em 1988, a linha de 3,6 foi desativada em 2013 porque a demanda era baixa e os custos operacionais para mantê-la funcionando não valiam a pena.

Mas de 20 projetos pelos mundo foram engavetados depois da realização de estudos de viabilidade, como os dos monotrilhos de Jacarta (Indonésia), Bancoc (Tailândia), Johanesburgo (África do Sul) e Teerã (Irã).

Informações: Diário do Transporte
READ MORE - Empresas do VEM ABC insistem em monotrilho para região

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960