Tarifa de ônibus em Belo Horizonte sobe para R$ 4,05

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Os belo-horizontinos vão começar 2017 com passagens de ônibus mais caras. A partir da terça-feira, 3 de janeiro, o valor da tarifa das linhas troncais e principais sobe dos atuais R$ 3,70 para R$ 4,05. A tarifa das linhas alimentadoras vai de R$ 2,65 para R$ 2,85. O reajuste, que chega a 9,4%, foi anunciado na tarde desta sexta-feira em uma coletiva de imprensa com o presidente da BHTrans, Ramon Victor César. A tarifa dos suplementares e dos táxis-lotação também fica mais cara. 

Segundo a empresa de trânsito, o reajuste é calculado segundo fórmula paramétrica prevista nos contratos de concessão. A fórmula compreende a variação anula dos preços de cinco grandes itens de custo do sistema: óleo diesel, rodagem, veículos, mão-de-obra operacinoal e despesas administrativas. Eles são apurados e publicados pela Fundação Getúlio Vargas, Agência Nacional de Petróleo (ANP) e pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Saiba mais: Ônibus do Move começam a circular sem cobrador em BH 

O último reajuste foi anunciado há exatamente um ano, em 30 de dezembro de 2015, quando os valores tiveram aumento de 8,24%, com a passagem chegando aos R$ 3,70. Na época, a BHTrans informou que  o índice estava abaixo da inflação medida do INPC no mesmo período do cálculo tarifário, que era de 10,97%.

Cartazes informativos com os novos valores serão afixados nos ônibus. Ainda segundo a BHTrans, os créditos do Cartão BHBus Vale Transporte (amarelo) adquiridos até 2 de janeiro terão seu valor de compra mantido até o fim de sua validade. Se quiser, o usuário poderá trocar os créditos antigos pelos valores das tarifas reajustadas até 30 dias depois da data atual do reajuste, sem complementação de valor.

Já quem possui o Cartão BHBus Usuário (azul) com créditos adquiridos também até o dia 2 poderão usar esses créditos até 16 de fevereiro de 2017, com cobrança da tarifa antiga. A partir de 17 de fevereiro, será debitado o novo valor da tarifa reajustada. Veja como ficam os novos valores:

Ônibus convencional

Linhas perimetrais, radiais, semi-expressas, diametrais, troncais e o Move: R$ 4,05
Tarifa de integração com o metrô: R$ 4,05
Linhas circulares e alimentadoras: R$ 2,85
Linhas de vilas e favelas: R$ 0,90
Linha Executiva SE02 (Buritis/Savassi): R$ 6,10 (em dinheiro) e R$ 5,70 (desconto aos usuários do Cartão BHBus)

Ônibus suplementar

Linhas longas: R$ 4,05
Linhas intermediárias: R$ 4,05
Linhas curtas: R$ 2,85

Táxi-lotação

A tarifa do serviço que opera nas avenidas Afonso Pena e do Contorno passa de R$ 4,05 para R$ 4,45

METROPOLITANOS A Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop) publicou na edição desta sexta-feira do Minas Gerais, o diário oficial do estado, o reajuste das tarifas dos ônibus do transporte metropolitano da Grande BH. As novas tarifas passam a valer a partir deste domingo, dia 1º de janeiro de 2017.  A tarifa média, com base no valor dos 30 preços diferentes de passagens, subiu 9,46%. O percentual superou a prévia da inflação oficial, o IPCA-15, que apontou 6,58% para 2016. 

Já a tarifa predominante, que custava R$ 4,45, aumentou 8,99% e passará a custar R$ 4,85. Ela será aplicada, por exemplo, para quem quiser usar os coletivos do Move Metropolitano, que partem dos terminais São Gabriel, Vilarinho, Justinópolis (Ribeirão das Neves), Morro Alto (Vespasiano) e São Benedito (Santa Luzia). 

Com informações de Guilherme Paranaíba
Informações: Estado de Minas
READ MORE - Tarifa de ônibus em Belo Horizonte sobe para R$ 4,05

Tarifa de ônibus em Campinas vai para R$ 4,50 a partir de sábado

A tarifa do transporte coletivo de Campinas vai ficar 18,4% mais cara a partir de 7 de janeiro. O preço será majorado dos atuais R$ 3,80 para R$ 4,50, um aumento real de 10,9%, descontada a inflação do período. As empresas de transporte queriam, no mínimo, uma tarifa de R$ 4,80 e afirmam que o novo valor não garante o equilíbrio econômico-financeiro do sistema. A Prefeitura publicará hoje decreto com o valor da passagem em edição extraordinária no Diário Oficial. Até o final do mês, o prefeito Jonas Donizette (PSB) vai anunciar o valor do subsídio que será dado à tarifa este ano, de R$ 60 milhões, uma redução de 36,8% em relação ao que foi pago em 2016.

O preço de R$ 4,50 será cobrado dos passageiros que pagam a passagem em dinheiro e no vale-transporte. As demais modalidades terão descontos. Os usuários do bilhete único terão desconto de R$ 0,30 sobre a tarifa cheia e pagarão R$ 4,20 pela passagem. Já os bilhetes escolar e universitário passarão a ter os descontos de 40% e 50% respectivamente não mais sobre a tarifa cheia, mas sim sobre o preço do bilhete único. Assim, o passe escolar custará R$ 1,68 e o universitário, R$ 2,10.

O sistema integração também sofrerá mudanças. Quem fizer a segunda integração dentro do período de duas horas perderá o desconto de R$ 0,30 no bilhete único. Quem vier, por exemplo, do Parque Floresta até o Terminal Campo Grande e de lá fizer a integração para o Centro e usar o bilhete único, pagará R$ 4,20. Mas se do Centro ele for para Barão Geraldo, fazendo a segunda integração, vai perder o desconto de R$ 0,30 e esses percursos, com mais de uma integração feitos em duas horas, custarão R$ 4,50. A grande maioria dos passageiros que fazem integração usa o bilhete único e perderá o desconto se fizer a segunda integração.

Essas mudanças nos descontos e a majoração da tarifa acima da inflação, segundo o secretário de Transportes Carlos José Barreiro, foram definidas visando a redução dos aportes que a Prefeitura tem feito para segurar o valor da tarifa. “A crise econômica, que corroeu as finanças municipais, não permitirá que a Prefeitura faça aportes significativos para as empresas, incluindo o sistema alternativo, que operam o transporte coletivo público e o Programa de Acessibilidade Inclusiva (PAI), como ocorreu nos últimos três anos”, disse.

No domingo, após a cerimônia de posse, o prefeito Jonas Donizette (PSB) explicou porque iria reduzir o subsídio da tarifa. “Hoje vivemos uma realidade econômica de queda de receita, que não mais permite garantir o subsídio como vinha sendo feito. O ideal seria não fazer nenhum aporte no sistema, mas alguma coisa teremos que bancar para que os usuários não sejam penalizados com uma tarifa alta”, afirmou.

A Prefeitura está ainda trabalhando nos cálculos, mas Barreiro adiantou que o subsídio deverá ficar na faixa de R$ 15 milhões por trimestre, ou seja, R$ 60 milhões no ano. “Isso se as condições econômicas do País não piorarem. Se cair mais ainda, teremos que rever esse subsídio”, disse,

Segundo ele, além do aumento dos insumos do transporte coletivo, como pneus, diesel, o sistema vivência uma queda no volume de passageiros transportados. Já houve, em consequência disso, uma redução na frota e, afirmou, não é possível tirar mais ônibus de circulação, porque isso deixaria a população desassistida.

Informações: Correio Popular
READ MORE - Tarifa de ônibus em Campinas vai para R$ 4,50 a partir de sábado

Em SP, Aumento de até 35,7% em integração e bilhete mensal afeta 23 milhões de passageiros

Os reajustes de até 35,7% no Bilhete Único Mensal e nas integrações entre ônibus municipais e o sistema de trens e Metrô, anunciados pelo prefeito de São Paulo, João Doria, e o governador paulista, Geraldo Alckmin, ambos do PSDB, vão atingir cerca de 23 milhões de passageiros por mês na capital paulista. Segundo dados da São Paulo Transporte (SPTrans), que administra o sistema municipal de ônibus, em 2016, a média mensal de usuários que pagaram tarifas integradas (comum ou mensal) foi 13,1 milhões. Os outros 10 milhões usam o bilhete mensal comum, vale-transporte ou estudante todo mês.

O sistema municipal de ônibus recebe, em média, 120 milhões de passageiros pagantes por mês. Outros 69,6 milhões são estudantes, deficientes físicos, idosos ou profissionais com direito à gratuidade. O sistema contabiliza ainda 60,7 milhões de integrações entre ônibus, que não proporcionam receita. Segundo dados da SPTrans, a receita tarifária atualmente está em R$ 5,3 bilhões anuais. O restante que falta para manter o sistema – cerca de R$ 2 bilhões – é investido pela prefeitura na forma de subsídios.

O reajuste das integrações foi a “solução” do prefeito e do governador para manter congelada a tarifa básica em R$ 3,80. O Bilhete Único Mensal, criado pela gestão do ex-prefeito Fernando Haddad (PT) com objetivo de baratear o deslocamento de quem realizava mais de 38 viagens por mês, vai passar de R$ 140 para R$ 190. Um aumento de 35,7%, que deixa o modal inútil para quem fizer menos de 51 viagens por mês.

Já o modelo mensal para integração entre ônibus e o sistema de trens e Metrô vai subir de R$ 230 para R$ 300 – reajuste de 30,4%. A inflação acumulada desde o lançamento do bilhete, em janeiro de 2015, foi de 26,6%.

A integração entre os ônibus e sistema metroferroviário será reajustada dos atuais R$ 5,92 para R$ 6,80, a partir da próxima segunda-feira (8). Um aumento de 14,8%, bem acima dos 6,4% da inflação projetada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Os usuários do Bilhete Diário – que permite integrações ilimitadas durante 24 horas – vão pagar R$ 15, ante os atuais R$ 10 (50%). E o modelo integrado vai de R$ 16 para R$ 20 (33%). Além destes, também serão atingidos pelas medidas os usuários do bilhete Madrugador e Da Hora, exclusivos do Metrô e dos trens.

O corte de gratuidade para idosos com idades entre 60 e 65 anos, que não estejam aposentados, também vai impactar uma parcela dos usuários do sistema, mas ainda não foi divulgado o número de benefícios que serão cancelados. Durante a gestão Haddad, o benefício obrigatório para maiores de 65 anos foi estendido para pessoas a partir de 60 anos.

Protestos
O Movimento Passe Livre (MPL) está organizando uma manifestação para o dia 12, contra o reajuste da tarifa de integrações e do bilhete mensal proposto por Alckmin e Doria. “Não é nenhuma surpresa que eles tenham prometido o congelamento das tarifas em 2017 e agora anunciem o aumento: o compromisso desses senhores não é com a população, e sim com aqueles que financiam suas campanhas e sustentam suas máfias e cartéis. Dissimulados e covardes, Alckmin e Doria aumentam a tarifa pelas bordas, tirando cada vez mais dinheiro da população que precisa se deslocar pela cidade”, diz a convocatória do ato, nas redes sociais.

Além da capital paulista, o Passe Livre está organizando manifestações contra o aumento das passagens em Carapicuíba, Guarulhos, Santo André, Barueri, Osasco e Mauá, todas na Região Metropolitana de São Paulo.

Imprensa amiga
Apesar da evidente manobra do Doria e Alckmin para disfarçar o reajuste, as manchetes da imprensa comercial enfatizaram apenas o congelamento da passagem de ônibus, Metrô e trem em R$ 3,80 para 2017, anunciado na última sexta-feira (30). As manchetes deixaram de lado o aumento de mais que o dobro da inflação na integração entre os ônibus e o sistema de Metrô e trens. Também passou despercebido o aumento de 35,7% do bilhete mensal.

“Essa é a tática do que 'é bom a gente mostra, o que é ruim a gente esconde'. Um clássico da política brasileira”, avalia o cientista político Pedro Fassoni, referindo-se a uma frase infeliz do ex-ministro da Fazenda. Em setembro de 1994, o então ministro foi flagrado em conversa de bastidor com o jornalista Carlos Monforte, instantes antes de entrar ao vivo no Jornal da Globo. Na ocasião, Ricupero confidenciou ao jornalista: “Eu não tenho escrúpulos. O que é bom a gente fatura; o que é ruim, esconde”.

O dia seguinte à posse de Doria também foi de alarde para a operação Cidade Linda, anunciado pelo prefeito e que nesta segunda-feira (2) teve como Palco a Praça 14 Bis, no bairro da Bela Vista, região central. A imagem oferecida à mídia comercial foi de Doria vestido de gari e de vassoura nas mãos, acompanhado de seus secretários “limpando” a praça.

“A praça foi inclusive limpa na véspera. Ele se vestiu de gari pra limpar um local que já estava limpo, pura estratégia de marketing”, diz Fassoni, que comparou a atitude à de Jânio Quadros e sua “vassourinha” da campanha presidencial de 1960.

Segundo o cientista político, a ação de João Doria visa a disfarçar problemas estruturais da cidade. “Pegar uma vassoura é muito pouco perto da despoluição dos rios Tietê e Pinheiros. Fazer uma ação de marketing como essa não elimina o fato de que São Paulo tem um problema de poluição atmosférica, com milhões de veículos circulando nas ruas todos os dias. O que ele mostra de faxina e limpeza de um lado acaba sendo contrastado com a realidade dos fatos.”

Para Fassoni, também professor da Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo, o dia de gari do prefeito de São Paulo terá pouco apelo na população mais pobre da cidade e visa a agradar mais a classe média. “Para as pessoas mais pobres causa poucos efeitos, é um público que não assina jornais e revistas. É uma medida que agrada mais ao setor conservador da classe média, que tem essa política higienista de remoção de moradores de rua e limpeza da cidade. Acredito que é esse setor que ele agrada mais. As pessoas mais pobres que usam transporte público, sistema de saúde, creche para os filhos, não estão preocupadas se o prefeito está pegando numa vassoura ou não”, avalia.

Por Luciano Velleda e Rodrigo Gomes
Informações: Rede Brasil Atual
READ MORE - Em SP, Aumento de até 35,7% em integração e bilhete mensal afeta 23 milhões de passageiros

Em SP, Idosos acima de 60 anos voltarão a pagar passagens de ônibus e metrô

A Concessão de gratuidades aos idosos entre 60 a 64 anos será interrompida pelo novo Prefeito João Dória e Governador Geraldo Alckmim, uma reversão que foi concedida em julho de 2014 pelo próprio Alckmim e pelo antigo prefeito Haddad.

O Estatuto do Idoso, Lei Federal, obriga a concessão de gratuidades somente a todos os maiores de 65 anos, mas faculta aos governos locais a extensão do passe livre a quem tem mais de 60 anos.

A revisão das gratuidades tem o objetivo de manter a tarifa de ônibus congelada nos atuais R$ 3,80.

Somando idosos, deficientes e estudantes de baixa renda, há atualmente cerca de 2,1milhoes de pessoas com o benefício da capital paulista.

A extensão do benefício do passe livre para idosos acima de 60 anos fez com que o número de gratuidades  para essa categoria mais que dobrasse em dois anos no metrô.

O corte de gratuidade para idosos com idades entre 60 e 64 anos, que não estejam aposentados, também vai impactar uma parcela dos usuários do sistema, mas ainda não foi divulgado o número de benefícios que serão cancelados. Durante a gestão Haddad, o benefício obrigatório para maiores de 65 anos foi estendido para pessoas a partir de 60 anos.

Blog Meu Transporte
READ MORE - Em SP, Idosos acima de 60 anos voltarão a pagar passagens de ônibus e metrô

A partir de janeiro Invadir faixa de ônibus em Campinas renderá pontos na CNH multa considerada gravíssima

A partir da primeira quinzena de janeiro, os motoristas que circulam pelas ruas do Centro de Campinas precisam ficar atentos pois a Emdec passará a multar quem transitam em faixas exclusivas de ônibus. A infração é considerada gravíssima, e renderá sete pontos na CNH e uma multa de R$ 293,47.

As faixas exclusivas da região central com 7,5 quilômetros de corredores para ônibus foram implantadas na cidade entre as avenidas Benjamin Constant, Saudade, Anchieta, Andrade Neves e nas ruas 11 de Agosto, José Paulino, Carolina Florence e Buarque de Macedo. De acordo com a Emdec, a fiscalização efetiva terá início seis meses após a implantação por causa do período de adaptação dos motoristas.

A Emdec disse que entende que toda mudança causa estranheza no início e exige tempo para adaptação. Por isso, no decorrer do segundo semestre de 2016 a fiscalização do desrespeito às faixas é feita de maneira orientativa. Além dos 7,5 quilômetros de faixas que foram aplicadas na região central, Campinas conta com outros 37 quilômetros de corredores em vias como, por exemplo, Moraes Salles, Orosimbo Maia, Campos Sales, Lix da Cunha, Prestes Maia e Senador Saraiva.

Ainda segundo a Emdec, o objetivo das faixas é priorizar deslocamentos sustentáveis, organizar o trânsito e aumentar a segurança viária, na medida em que cada veículo tem sua faixa de tráfego.

Informações: Portal da RMC
READ MORE - A partir de janeiro Invadir faixa de ônibus em Campinas renderá pontos na CNH multa considerada gravíssima

No DF, Passagens de ônibus e metrô ficam mais caras

Começou a valer nesta segunda-feira (2) o aumento nas passagens de ônibus e metrô do Distrito Federal. A medida foi anunciada na última sexta (30) pelo governo, e representa a segunda elevação nos preços do transporte desde o início do governo Rodrigo Rollemberg. O aumento chega a 25% nas passagens mais caras.

Os valores vão passar de R$ 2,25 para R$ 2,50 nas linhas circulares e alimentadoras do BRT (aumento de 11%); R$ 3 para R$ 3,50 (aumento de 16%) em linhas metropolitanas "curtas"; e de R$ 4 para R$ 5 (aumento de 25%) no restante das linhas, além do metrô. As novas tarifas estão entre as mais caras do país.

A estimativa é de que 1 milhão de pessoas embarquem em coletivos diariamente e 160 mil, em trens. O DF tem, atualmente, mil linhas de ônibus, contando com 3 mil coletivos de empresas e cooperativas.

O transporte público é parcialmente subsidiado pelo GDF, e deficientes e beneficiados pelo Passe Livre Estudantil têm gratuidade. Cinco empresas prestam serviço de ônibus: Piracicabana, Pioneira, Urbi, Marechal e São José. Elas disseram que não vão comentar o aumento. As companhias alegam ter R$ 195 milhões a receber do Executivo, de dívidas antigas. A Secretaria de Mobilidade fala que o valor é de R$ 128 milhões.

Com o aumento, o GDF diz esperar economizar R$ 180 milhões no subsídio ao transporte público. "Consideramos que o sistema de tarifas é equilibrado com relação à nossa posição no Brasil", declarou o secretário de Mobilidade, Fábio Damasceno, ao anunciar o aumento.

Na manhã desta segunda, a recém-empossada Mesa Diretora da Câmara Legislativa deve se reunir para discutir uma "reação" às novas tarifas. Segundo o presidente da Casa, Joe Valle (PDT), uma sessão extraordinária pode ser convocada para tentar derrubar a decisão do Buriti. Por causa de repercussão negativa, o governador interrompeu as férias que teria em Aracaju, no Sergipe. A estimativa inicial era de que ele voltasse só no dia 9 de janeiro.

Gratuidades
Entre as justificativas apresentadas pelo GDF para o aumento, está a necessidade de manter o custeio das gratuidades de deficientes e beneficiados pelo Passe Livre Estudantil. Em publicação no Facebook, o Palácio do Buriti afirma que "o porcentual pago pelo governo com passagens gratuitas é de 33%, enquanto a média nacional é de 15%."

Ao analisar o tema, a CPI dos Transportes na identificou um problema no valor desse repasse. Segundo o relatório, o governo do DF ressarce as empresas com base na tarifa técnica – o "valor real" da passagem de ônibus, que inclui o pagamento na catraca e o subsídio do governo.

O ideal, segundo o relatório, era pagar esse benefício com base apenas na "tarifa usuário", como é chamado o valor na catraca. Em nota enviada na sexta, a Secretaria de Mobilidade informou que , "após várias consultas no âmbito jurídico", decidiu manter o pagamento baseado na tarifa técnica.

A tarifa técnica varia de empresa para empresa. Em média, o "custo cheio" de cada passageiro em uma viagem de ônibus é de R$ 4,19 – valor abaixo dos R$ 5 que serão cobrados nas viagens de longa distância. A tarifa usuário tem valor médio de R$ 3,67, mas essa cifra tende a aumentar com o reajuste nas passagens.

Informações: G1 DF
READ MORE - No DF, Passagens de ônibus e metrô ficam mais caras

No Rio, Tarifa do Bilhete Único Intermunicipal fica mais cara nesta segunda

A tarifa do Bilhete Único intermunicipal ficou mais cara em 2017, no Rio de Janeiro. A partir desta segunda-feira (2), o deslocamento entre os municípios vai ficar mais caro 23%. Alguns descontos de integração serão mantidos.

Para quem recebe menos de R$3 mil, o valor passa de R$ 6,50 para R$ 8. O desconto na integração entre o BRT e Metrô será mantido; R$7. A tarifa social das barcas também será mantida a R$4,10, independente do salário do trabalhador.

O defensor Público, Eduardo Chow afirmou, em entrevista ao Bom Dia Rio desta segunda (2), que uma ação civil pública e um projeto de lei questionam o direcionamento do valor acumulado no Bilhete Único. Segundo estimativas, os R$ 90 milhões acumulados como resíduos nos cartões, estavam sendo repassados para os empresários de ônibus. A ideia dos projetos é que os valores retornem aos bolsos dos trabalhadores.

A Defensoria Pública conseguiu bloquear o valor judicialmente e o projeto de lei foi aprovado pela Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), mas o governador vetou o projeto, que voltará à pauta após o recesso parlamentar.

Informações: G1 Rio
READ MORE - No Rio, Tarifa do Bilhete Único Intermunicipal fica mais cara nesta segunda

Tarifas de ônibus 'frescão' também são reajustadas em Salvador; veja valores

As tarifas dos ônibus especiais da frota do transporte público de Salvador também sofreram reajuste e passam a cobrar o novo valor nesta segunda-feira (2). O preço das novas passagens foram publicados no Diário Oficial de Município na edição do dia 30 de dezembro, mas que foi publicada na manhã desta segunda-feira (2).

A partir de agora, os passageiros que costumam pegar as linhas seletivas de micro-ônibus Iguatemi/Comércio, Iguatemi/Praça da Sé e Imbuí/Praça da Sé vão pagar o valor de R$ 3,80. Já as linhas executivas Aeroporto/Centro Histórico e Salvador Shopping/Centro Histórico vão para R$ 5,30.

Os ônibus convencionais estão cobrando R$ 3,60 pela viagem. O valor da integração e ou bilhete no Metrô de Salvador ainda não foi definido. Segundo a Secretaria estadual de Desenvolvimento Urbano (Sedur), a reunião deve definir os novos valores no final da tarde desta segunda.

Ônibus climatizados
Segundo o secretário municipal de Mobilidade, Fábio Mota, as demais linhas de ônibus só serão climatizadas com a implementação do sistema BRT. "Já temos duas opções de transporte com ar-condicionado, o micro-ônibus que faz a linha Praça da Sé/Imbuí e o Connect Bus com tarifas diferenciadas. Assim que tiver o BRT em Salvador, todas as linhas frontais serão climatizadas", afirmou.

Atualmente, apenas as linhas seletivas e executivas possuem ar-condicionado. O Conncet Bus também possui bagageiro e wi-fi (internet sem fio).

Informações: Correio 24 Horas
READ MORE - Tarifas de ônibus 'frescão' também são reajustadas em Salvador; veja valores

Prefeitura confirma estudo para aumento de passagem de ônibus em João Pessoa

A partir desta semana, a Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana de João Pessoa (Semob) vai iniciar as discussões relacionadas ao reajuste das tarifas de ônibus da capital. Atualmente, a passagem de ônibus custa R$ 3, valor reajustado em fevereiro deste ano. Somente depois da análise dos custos e impactos, o aumento deverá ser encaminhado ao Conselho Municipal de Mobilidade Urbana (CMMU) de João Pessoa para apreciação.

De acordo com o superintendente da Semob, Carlos Batinga, ainda não há uma data definida para o reajuste das passagens de ônibus entrar em vigor. “Normalmente, o reajuste ocorre em janeiro, mas neste ano foi em fevereiro. Vamos analisar o impacto do reajuste, assim como valor e datas. Ainda não há nada definido, só que vai ter o reajuste”, adiantou. O último reajuste das tarifas de ônibus da capital ocorreu em 5 de fevereiro deste ano, sendo o terceiro aumento ocorrido em menos de um ano. 

Em fevereiro de 2015, o bilhete de ônibus passou de R$ 2,35 para R$ 2,45. Ainda em 2015, desta vez em julho, a passagem sofreu reajuste e passou a custar R$ 2,70. No último reajuste anunciado pela Semob, participaram do conselho, além da Semob, as secretarias de Infraestrutura (Seinfra), de Desenvolvimento Urbano (Sedurb) e de Meio Ambiente (Semam), o Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de João Pessoa (Sintur-JP), representantes dos sindicatos dos motoristas do ônibus públicos e dos taxistas, e também representantes dos estudantes universitários e sencundaristas da Paraíba. 

Informações: Paraíba Total
READ MORE - Prefeitura confirma estudo para aumento de passagem de ônibus em João Pessoa

Florianópolis tem a segunda tarifa de ônibus mais cara do Brasil entre as capitais

Com o aumento na tarifa de ônibus anunciado pela prefeitura na sexta-feira, Florianópolis passa a ter a segunda passagem mais cara entre as capitais brasileiras. A vice-liderança nesse ranking, atrás apenas de Belo Horizonte (MG), leva em conta as capitais que já anunciaram reajustes para 2017 e os preços atuais nas cidades que ainda não começaram a discutir a mudança de valores.
Foto: Marco Favero / Agencia RBS

Andar de ônibus em Floripa ficará mais caro a partir das 0h do dia 8 de janeiro. Para quem utiliza o transporte coletivo com cartão eletrônico a passagem salta de R$ 3,34 para R$ 3,71, um aumento de 11%, acima da inflação. Já para quem desembolsa a passagem em dinheiro o valor pula de R$ 3,50 para R$ 3,90, reajuste de 11,42%.

Em Belo Horizonte, a partir da próxima terça-feira, o valor da tarifa das linhas troncais e principais sobe dos atuais R$ 3,70 para R$ 4,05. Esse preço dá ao município a primeira posição entre as capitais do país.

Já no Rio de Janeiro e em São Paulo as tarifas foram congeladas para o ano que vem, permanecendo em R$ 3,80 nas duas cidades. Já há aumento anunciado em outras capitais, como Salvador e Campo Grande, mas nenhum superior ao aplicado em Florianópolis.

A situação em todas as capitais brasileiras:

Aracaju - ainda não começou a discutir aumento. Preço atual é R$ 3,10
Belém - ainda não começou a discutir aumento. Preço atual é R$ 2,70
Belo Horizonte - de R$ 3,70 para R$ 4,05 a partir de 8 de janeiro
Boa Vista - ainda não começou a discutir aumento. Preço atual é R$ 3,10
Brasília - de R$ 3 para R$ 3,50 a partir de 2 de janeiro
Campo Grande - já em vigor aumento de R$ 3,25 para R$ 3,53
Cuiabá - ainda discute o aumento dos atuais R$ 3,60 para até R$ 4,20
Curitiba - ainda não começou a discutir aumento. Preço atual é R$ 3,70
Fortaleza - ainda não começou a discutir aumento. Preço atual é R$ 2,75
Goiânia - aumentou de R$ 3,30 para R$ 3,70 em março de 2016
João Pessoa - aumentou de R$ 2,70 para R$ 3 em fevereiro de 2016
Macapá - ainda não começou a discutir aumento. Preço atual é R$ 2,75
Maceió - ainda não começou a discutir aumento. Preço atual é R$ 3,15
Manaus - reajuste de R$ 3 para R$ 3,54 foi aprovado em 2016, mas há impasse judicial e por isso a nova tarifa ainda não está valendo
Natal - ainda não começou a discutir aumento. Preço atual é R$ 2,90
Palmas - aumentou de R$ 2,95 para R$ 3 em agosto de 2016
Porto Alegre - ainda não começou a discutir aumento. Preço atual é R$ 3,75
Porto Velho - aumentou de R$ 2,60 para R$ 3 em junho de 2016
Recife - ainda discute o aumento dos atuais R$ 2,80 para até R$ 3,75
Rio Branco - ainda não começou a discutir aumento. Preço atual é R$ 2,90
Rio de Janeiro - congelou os atuais R$ 3,80
Salvador - de R$ 3,30 para R$ 3,60 a partir de 2 de janeiro
São Luís - ainda não começou a discutir aumento. Preço atual é R$ 2,90
São Paulo - congelou os atuais R$ 3,80
Teresina - ainda discute aumento dos atuais R$ 2,75 para até R$ 3,20
Vitória - de R$ 2,75 para R$ 3,20 a partir de 1º de janeiro

Informações: Diário Catarinense
READ MORE - Florianópolis tem a segunda tarifa de ônibus mais cara do Brasil entre as capitais

BR Card agora é obrigatório nos ônibus intermunicipais na Baixada Santista

Os passageiros com o cartão transporte antigo não conseguirão passar pelas catracas dos ônibus intermunicipais na Baixada Santista. É que, a partir de domingo, só o BR Card será aceito nos coletivos. Ele também serve para o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) e para integração entre os dois modais.
Foto: Walter Mello/ AT

O novo cartão começou a ser confeccionado em maio, um mês antes de o consórcio BR Mobilidade assumir a operação do transporte metropolitano. Mas cerca de 40 mil usuários ainda não adquiriram o BR Card.

Para obter o cartão, é preciso ir em uma das lojas do consórcio espalhadas pela região. Ele é gratuito. Para retirá-lo, o usuário deve carregá-lo com o valor de duas passagens. Leve RG e CPF. Também é possível fazer o cadastro pela internet (www.emtu.sp.gov.br).

Já os idosos com mais de 60 anos que têm direito a gratuidade nos ônibus devem se cadastrar pela internet e retirar o BR Card Sênior em 48 horas no local escolhido no site.

O antigo cartão transporte metropolitano, a partir do dia 1º de janeiro, só poderá ser usado nos ônibus municipais de Santos e Praia Grande, que seguirão sendo administrados pela Viação Piracicabana.

Deficientes

A partir de segunda-feira, pessoas com deficiência e direito à gratuidade nas linhas de ônibus metropolitanas deverão apresentar obrigatoriamente o cartão BR Card Especial ao utilizar o serviço de transporte metropolitano (ônibus e VLT). 

De agosto a novembro deste ano, a EMTU/SP recadastrou cerca de 5,5 mil usuários. Apesar da prorrogação do prazo de recadastramento, de um total de 13 mil usuários que têm direito ao benefício, 2,5 mil não retornaram com a documentação exigida e cinco mil ainda não compareceram.

A partir de agora, os interessados em obter o cartão BR Card Especial devem procurar a Unidade Básica de Saúde do seu município, cadastrada na EMTU   para obter o laudo médico, aguardar o agendamento e posterior retirada do cartão na mesma unidade.

Têm direito à gratuidade as pessoas com deficiência, cuja gravidade comprometa a capacidade de trabalho, incluindo ainda os menores de 16 anos. A doença deve constar na legislação estadual que rege o benefício. 

Informações: A Tribuna
READ MORE - BR Card agora é obrigatório nos ônibus intermunicipais na Baixada Santista

Passagem de ônibus é reajustada para R$ 3,60 em Salvador

A nova tarifa dos ônibus em Salvador já está valendo. Quem pegar algum coletivo na manhã desta segunda-feira (2) vai ter que pagar R$ 3,60 por trecho. A informação foi divulgada no final da noite deste domingo (1º) pela Secretaria Municipal de Mobilidade (Semob). O valor anterior da tarifa era de R$ 3,30.

De acordo com a Semob, o reajuste equivale ao índice do IPCA correspondente ao ano de 2016. A justificativa para o aumento é o "contrato de concessão com as empresas de transporte público que operam na cidade, que prevê correções anuais com base na inflação".

Durante a cerimônia de posse, neste domingo (1º), para o seu segundo mandato, o prefeito ACM Neto (DEM) anunciou o aumento, mas não confirmou valores. A previsão era de que a nova tarifa fosse cobrada apenas a partir desta terça-feira (3), após publicação no Diário Oficial do Município.

O secretário municipal de Mobilidade, Fábio Mota, vai falar ainda nesta segunda, em entrevista coletiva, sobre a correção da tarifa de ônibus.

"Não há hipótese de ter congelamento de tarifa. Ao contrário de São Paulo, que dá subsídio ao sistema, nós não damos. O valor ainda será fechado hoje, quando concluirmos os estudos. Mas só devemos anunciar amanhã. O teto é a recomposição inflacionária. Até R$ 3,60", disse Neto, neste domingo. 

Nas ruas
Passageiros comentaram a mudança, nos pontos de ônibus. O auxiliar de serviços gerais Márcio Nogueira, 48 anos, disse que entende o reajuste, mas acha o valor complicado para pagar. "Por um lado é justo, pela correção da inflação. Por outro lado, para nós, trabalhadores, nós não temos mais o que pagar de aumento. Algumas linhas são boas e conservadas, outras são absurdamente ruins e deficientes", avaliou.

Já a vendedora Elza Rosa, 47, disse que compreende o reajuste, e que o valor deve refletir a qualidade dos ônibus. "Eu acho normal. Se aumenta uma coisa, aumenta tudo. Eu não acho nem que é caro. Só acho que deveria ter mais limpeza e melhorias dentro dos coletivos", afirmou.

Segundo o cobrador Marco Aurélio Matos, a maioria das pessoas já estava ciente que o reajuste começaria hoje. "A maioria das pessoas entrou sabendo e não tive problema, então, é tranquilo, porque ainda está sendo cobrado o valor antigo para quem usa o SalvadorCard. É muito comum que as pessoas reclamem, mas até agora não tive nenhum problema", contou.

Informações: Correio 24 Horas
READ MORE - Passagem de ônibus é reajustada para R$ 3,60 em Salvador

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960