Grande Recife passará a contar com um ônibus movido a Gás Natural Veicular

terça-feira, 30 de agosto de 2016

A partir de outubro, o transporte público do Grande Recife passará a contar com um ônibus movido a Gás Natural Veicular (GNV) ou biometano, o que proporciona redução entre 70% e 85% na emissão de gases poluentes. A Capital pernambucana será a primeira cidade fora do eixo Rio-São Paulo a receber a novidade.

O veículo, de 15 metros de comprimento e capacidade para até 130 pessoas, passará por uma fase de demonstração e, se bem avaliado, poderá ser adquirido por empresas operadoras da região. Em médio prazo, segundo o fabricante, pode contribuir para o equilíbrio financeiro dos sistemas de transporte que o adotarem, o que pode ter impacto positivo nas tarifas pagas pelos passageiros.

Comuns na Europa há décadas, ônibus movidos a GNV ou biometano ainda não são realidade no dia a dia do transporte coletivo no Brasil. Entre outubro de 2014 e agosto de 2015, oito cidades chegaram a receber um veículo do tipo, sueco, mas apenas para testes. Em São Paulo, por exemplo, o custo do quilômetro rodado a gás foi 28% inferior ao do diesel, combustível que comumente abastece a operação rodoviária.

A partir de agora, novas demonstrações serão feitas, mas com um ônibus inteiramente nacional. O veículo foi exposto durante o Seminário Nacional NTU, encerrado ontem em Brasília. “Esse ônibus chama a atenção pela redução de custos operacionais por quilômetro rodado, além da diminuição da poluição sonora e de emissões”, diz o diretor de vendas de ônibus da Scania no Brasil, Silvio Munhoz.

Além de todos os benefícios pregados a favor do meio ambiente, o veículo é confortável ao passageiro: tem ar condicionado e entrada USB para carregar dispositivos móveis ao lado de todos os assentos. Um terceiro eixo de rodas, direcional, dá mais leveza às curvas. A questão é o investimento: 25% mais caro que o que geralmente é feito num ônibus movido a diesel, como os que circulam no Grande Recife.

Despoluir
Segundo a Urbana-PE, os ônibus que circulam pela Região Metropolitana do Recife deixaram de emitir 13 toneladas de dióxido de carbono na atmosfera no ano passado. Entre as ações que proporcionaram essa redução está a utilização do diesel S-50, que reduz bastante o teor de enxofre emitido no meio ambiente.

O combustível vem sendo utilizado no Recife desde 2011, em cumprimento a uma norma federal em vigor em algumas capitais do País. O diesel S-50 possui uma concentração de 50 partículas por milhão de enxofre, bem menos poluente que o S500 usado anteriormente.

A medição de gases emitidos pelos coletivos é realizada há nove anos pela Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Nordeste (Fetronor), por meio do Programa Despoluir, em parceria com a Urbana-PE.

Informações: Folha de Pernambuco
READ MORE - Grande Recife passará a contar com um ônibus movido a Gás Natural Veicular

Metrô-SP contrata consórcio para obra do monotrilho parada desde janeiro

O Metrô de São Paulo contratou um novo consórcio para tocar obras do monotrilho que vai ligar o aeroporto de Congonhas à Marginal Pinheiros e que estavam paradas pelo menos desde janeiro. Trata-se da construção de um pátio de manobras na Avenida Jornalista Roberto Marinho, nas proximidades da Avenida Washington Luís, e que é essencial para que a linha possa funcionar.
Foto: Karina Godoy/G1

As responsáveis pela obra serão as construtoras Tiisa, Triunfo e DP Barros, que receberão R$ 162 milhões para tocar a obra. O Metrô prevê emitir a ordem de serviço ainda nesta semana. Com isso, o consórcio terá um prazo de até 30 dias para começar os trabalhos. O prazo de vigência do contrato é de 24 meses.

A previsão atual do Metrô é colocar o monotrilho em funcionamento em 2018, quatro anos após a previsão inicial do governo de São Paulo de inaugurar o serviço em 2014.

Diversos atrasos dificultaram o andamento das obras do monotrilho, e as frentes de trabalho foram totalmente paralisadas nos últimos 12 meses por problemas na execução dos contratos. A construção de estações já havia sido retomada em junho e, agora, o Metrô faz um novo contrato para a retomada da construção do pátio de manobras. A assinatura foi na última quinta-feira (25).

O Metrô tenta ainda retomar a construção dos pilares e da via em si, já que o contrato está em renegociação judicial. 

A Linha 17-Ouro terá 7,7 km e 7 estações. A gestão Geraldo Alckmin (PSDB) congelou a construção dos outros trechos previstos para a linha e que atenderia regiões da periferia. Um deles iria da Estação Morumbi da CPTM e passaria por Paraisópolis e pelo estádio do Morumbi. A outra ligação começaria na Vila Santa Catarina, perto do aeroporto de Congonhas, e chegaria à Estação Jabaquara, da Linha 1-Azul.

Atrasos
Em janeiro, a companhia do metropolitano anunciou o rompimento do contrato com o Consórcio Pátio Monotrilho, responsável pelo pátio de manobras, e trocou acusações com a empresa Andrade Gutierrez, alegando abandono dos canteiros. Já o consórcio afirmou que o Metrô era o responsável pelos atrasos e que não fornecia, por exemplo, projetos executivos necessários à obra. O Metrô negou.

monotrilhos
Uma das dificuldades para retomar a construção do pátio de manobras foi a declaração de inidoneidade da empresa Mendes Júnior pelo governo federal nas investigações da Operação Lava Jato. Assim, a Mendes Júnior, que tinha sido a segunda colocada na licitação para a construção do pátio de manobras, não pôde assumir a obra. O consórcio contratado agora, formado por Tiisa, Triunfo e DP Barros, tinha ficado em terceiro.

O secretário de Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni, prevê que o monotrilho  deverá funcionar apenas com operação assistida em 2018. Isso significa que os trens deverão operar inicialmente apenas em parte do dia, possivelmente em intervalos de menor fluxo.

"Em 2018 ainda a gente quer ter trens sendo testado, pelo menos trens sendo testados, pelo menos operação assistida, com as obras já concluídas", afirmou Clodoaldo Pelissioni ao SPTV. A operação comercial, ou seja, durante todo o dia, é uma "possibilidade", segundo o secretário. "Vamos trabalhar para isso".

A operação assistida também foi adotada no trecho já inaugurado do monotrilho da Zona Leste, a Linha 15-Prata. A linha fucinonou em horário reduzido por cerca de um ano, entre 2014 e 2015, no trecho entre as estações Oratório e Vila Prudente.

Por Márcio Pinho
Informações:  G1 São Paulo
READ MORE - Metrô-SP contrata consórcio para obra do monotrilho parada desde janeiro

No Recife, Linhas 167 - TI Tancredo Neves (IMIP) e 193 - TI Tancredo Neves (Rua do Príncipe) se unificam aos domingos


As linhas 167 - TI Tancredo Neves (IMIP) e 193 - TI Tancredo Neves (Rua do Príncipe) irão se transformar na linha 167 - TI TCN (IMIP/Príncipe), a partir do domingo (28). A ação será realizada pelo Grande Recife Consórcio de Transporte e acontecerá apenas aos domingos para melhorar o serviço dos usuários que utilizam as duas linhas e que têm como destino o Imip e a Rua do Príncipe. 

Confira abaixo, o percurso que a linha irá realizar:

Terminal/Ponto de Retorno:
TI Tancredo Neves; Avenida Sul; Rua João Fontes; Av. Mal. Mascarenhas de Morais; Ponte Motocolombó; Av. Sul; Trav. Padre Azevedo; Ponte Poeta Joaquim Cardozo; Rua dos Coelhos; Rua Dr. José Mariano; Rua da Aurora; Rua João Lira; Av. Visconde da Suassuna; Rua Carlos Chagas; Av. João de Barros; Rua do Príncipe; Rua Princesa Isabel; Rua do Sol; Praça da República; Avenida Dantas Barreto.

Ponto de Retorno/Terminal:
 Av. Dantas Barreto; Av. N. S. do Carmo; Av. Martins de Barros; Cais de Santa Rita; Terminal de Santa Rita; Travessa do Forte; Rua São João; Av. Sul; Rua da Paz; Largo da Paz; Pte. Motocolombó; Av. Mal. Mascarenhas de Morais.

Para mais informações, os usuários podem entrar em contato com a Central de Atendimento ao Cliente, no 0800 081 0158. 

Informações: GRCT
READ MORE - No Recife, Linhas 167 - TI Tancredo Neves (IMIP) e 193 - TI Tancredo Neves (Rua do Príncipe) se unificam aos domingos

Em São Bernardo, Corredores só ficarão prontos em 2020

Anunciada em abril de 2012 pela Prefeitura de São Bernardo como um dos maiores investimentos na área de Mobilidade Urbana, a construção de 11 corredores de ônibus e quatro terminais na cidade só será efetivada em meados de 2020. De acordo com o secretário de Transportes e Vias Públicas, Oscar José Gameiro Silveira Campos, o atraso na entrega dos projetos, prevista inicialmente para este ano, ocorre após a administração municipal enfrentar problemas com os projetos técnicos e também atraso no repasse de verba.

Principal carro-chefe do segundo mandato do prefeito Luiz Marinho (PT), o Programa de Transportes Urbanos, que prevê aporte de US$ 250 milhões (cerca de R$ 817 milhões), tornou-se ao longo dos últimos três anos um verdadeiro calcanhar de Aquiles para São Bernardo. Passados quatro anos do anúncio do projeto, nenhum dos corredores e terminais de ônibus propostos foi finalizado. Para agravar a situação, a expectativa do Paço é a de entregar as primeiras intervenções somente em 2017, já na próxima gestão municipal.

“Infelizmente enfrentamos no meio do caminho uma crise econômica que dificultou o repasse de verbas. Vale destacar que as principais construtoras do País, com experiência nesse segmento, estavam envolvidas com escândalos. Tudo isso foi um agravante”, ressalta.

Na prática, dos 14 projetos previstos pela administração municipal somente três estão com obras em andamento: corredores Leste-Oeste e Alvarenga e também o Terminal Alves Dias. Todos que tinham projeção inicial para serem concluídos em 2014 só devem ser entregues no próximo ano.

“No caso do Terminal Alves Dias, por exemplo, tivemos um problema no andamento da obra, após operários verificarem uma contaminação do solo que deixou as intervenções paralisadas por três meses”, afirma o secretário.

Embora municípios ainda enfrentem dificuldades para conseguir liberação de aporte federal, a partir do próximo ano as demais obras devem ser iniciadas, na avaliação de Campos. “Muitos projetos já estão concluídos e a perspectiva é a de que nos próximos meses suas licitações sejam abertas”, avalia.

Segundo o secretário, o novo cronograma do Paço estima que em cinco e seis anos todos os projetos estejam concluídos. “Acredito que em 2020 cerca de 90% dos corredores e terminais já estejam entregues à população”, afirma.

Dentro do Programa de Transporte Urbanos estão inclusas as construções dos corredores Faria Lima, Jurubatuba, Montanhão, Ferrazópolis, Rotary, Capitão Casa, Castelo Branco, Galvão Bueno, João Firmino e Senador Vergueiro, além dos terminais Alves Dias, Batistini, Vila São Pedro e Rudge Ramos.

Congestionamentos viram rotina em vias do município

Com frota diária de aproximadamente 620 mil veículos circulando por seu território, São Bernardo registra diariamente cerca de 21 pontos de congestionamento nos horários de pico (entre 6h30 e 8h30 e das 17h30 às 19h30). Dados de 2015, repassados pela Prefeitura, apontam que o trânsito parado nestes dois períodos chega a 35 quilômetros de extensão, podendo ser maior nos dias de chuva.

Se a situação das vias do município já não era favorável antes da administração municipal iniciar obras em seu sistema viário, depois das intervenções saírem do papel o cenário de caos na cidade agravou ainda mais. Diariamente motoristas precisam testar sua paciência em ruas fechadas parcialmente em virtude da presença de maquinários.

A Estrada dos Alvarenga é um exemplo das dificuldades enfrentadas por moradores da cidade todos os dias. As obras que se espalham em diversos trechos da via têm causado gargalos constantes na região.

Mesma situação de congestionamentos é encontrada nas avenidas Newton Monteiro de Andrade, Samuel Aizemberg, José Odorizzi e Tiradentes, onde estão sendo executadas obras do Corredor Leste-Oeste. Sem opções de caminhos alternativos, motoristas são obrigados em muitas vezes a dividir uma única faixa com motos, carros, transporte coletivo e ciclistas.  

Por Daniel Macaíro
Informações: Diário do Grande ABC
READ MORE - Em São Bernardo, Corredores só ficarão prontos em 2020

Em Manaus, Terminal de Integração da Cachoeirinha funcionará como Estação de Conexão

A Prefeitura de Manaus vai entregar, na próxima quarta-feira (31), a Estação de Conexão 2, a C2, na Cachoeirinha, zona Sul. A partir de quinta-feira (01) o espaço, que funcionava antes como Terminal 2, T2, vai funcionar como estação de conexão e a troca de ônibus, sem o pagamento de uma nova passagem, ocorrerá exclusivamente mediante o uso de cartões Passa Fácil. De posse de qualquer um dos cartões – Estudantil, Vale Transporte e Cidadão – os usuários podem utilizar o sistema de integração temporal no intervalo de 120 minutos.

Desta forma, a estação, que antes funcionava como um terminal fechado, onde os usuários realizavam integração física, será aberta e transformada em área de conexão.

Das 59 linhas que anteriormente passavam pelo T2, 24 circularão por fora, nos pontos de parada localizados nas avenidas Carvalho Leal e Itacoatiara, da mesma forma como está funcionando atualmente.

A implantação da estação C2 em substituição ao terminal de integração T2 é indicada como uma das ações (Ação 1.4.3) do programa de reestruturação da rede de transportes coletivo, dentro da diretriz de requalificação do serviço, definida na Lei municipal nº 2.075, de 29 de dezembro de 2015, que instituiu o Plano de Mobilidade Urbana de Manaus (PlanMob). Assim, o funcionamento da estação C2 é uma primeiras ações realizadas pelo munícipio previstas no PlanMob após a sanção da lei municipal da mobilidade.

De acordo com os estudos do PlanMob, dentro do conceito de rede integrada de transportes, o terminal de integração física se aplica aos situados em áreas periféricas, onde existem linhas alimentadoras que cumprem o papel de levar os passageiros dos bairros de origem até o terminal, a partir de onde saem as linhas troncais para acessar as principais regiões da cidade.

O antigo T2 foge desse conceito, visto que ele está localizado em um ponto de passagem das linhas, funcionando, portanto, como um ponto de transferência na área central, permitindo a conexão de deslocamentos para as demais zonas da cidade.

Além disso, a operação da C2 deve incentivar o usuário do transporte coletivo a optar pelo pagamento da passagem utilizando os cartões passa fácil, sendo mais uma das ações indicadas na diretriz de requalificação do transporte.

Conforme demonstrativo de passageiros do sistema do último mês de junho, em Manaus, 48% dos passageiros pagam a tarifa com o cartão. Destes, 20% são do Cartão Estudantil, utilizado para o pagamento da meia-passagem, que não é mais aceita em dinheiro, 25% do Vale-Transporte fornecido como benefício pelo empregador, e apenas 3% do Cartão Cidadão, aquele acessível a qualquer usuário que faça a opção de pagar por meio eletrônico.

O pagamento eletrônico da passagem oferece vantagens não apenas ao usuário que passa a ter o benefício da integração temporal, mas também para todo o sistema de transporte, visto que diminui a circulação de dinheiro dentro do ônibus, o que desfavorece a ocorrência de assaltos e agiliza o embarque, já que não é preciso aguardar o recebimento do troco.

O superintendente municipal de Transportes Urbanos (SMTU), Pedro Carvalho, destaca que a utilização da integração temporal entre as linhas que utilizavam o antigo T2 já tem sido uma prática dos usuários desde quando o terminal foi interditado para o início das obras de recuperação.

“Como o terminal ficou fechado, as linhas passaram a fazer o embarque e desembarque nas vias do entorno do antigo T2 e os usuários precisaram, desde então, utilizar os cartões para fazer a integração. Então, não é algo novo. O que vai mudar é que os usuários vão poder aguardar os coletivos com comodidade, em um espaço com estrutura totalmente recuperada e não mais nos abrigos provisórios”, explicou.

Para facilitar o acesso dos usuários, a compra de créditos também pode ser realizada pela internet, no site http://passafacil.sinetram.com.br/sbe-web/login/login.html.

Confira como será a circulação das linhas de ônibus na C2 e ao redor

Linhas que circularão dentro da Estação de Conexão C2

001,004,010,013,122,409,418,457,458,460,461,502,507,515,517,519,601,  604,605,608,611,612,614,616,619,621,624,650,651,705,708,711,713,714,715.

Linhas que param na avenida Carvalho Leal, sentido Bairro/ Centro (DB Supermercados)

110,115,0116,118,128,129,212,217,323,358,403.

Linhas que param na avenida Carvalho Leal, sentido Centro/Bairro (em frente ao Laboratório Fal)

304,328,329,350,351,414,423,446,550

Linhas que param na rua Itacoatiara, sentido Bairro/ Centro (em frente a Igreja Universal):

542,671,677,680.

Informações: A Critíca
READ MORE - Em Manaus, Terminal de Integração da Cachoeirinha funcionará como Estação de Conexão

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960