Em Goiânia, Motoristas de ônibus iniciam greve na próxima segunda-feira

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Motoristas do transporte coletivo da Região Metropolitana de Goiânia entrarão em greve na próxima segunda-feira, dia 15. A informação é do Presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado de Goiás (Sindittransporte), Alberto Magno Borges. A decisão foi tomada após não haver acordo com as empresas de transporte, em assembléia geral realizada no último domingo (07).

Os funcionários reivindicam um reajuste de 11,08% linear e retroativo a março, incluindo o salário, gratificação suplementar e ticket alimentação. No entanto, o Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de Goiânia (Setransp) ofereceu aos motoristas um reajuste de apenas 5,5% retroativo, alegando enfrentar problemas financeiros devido à crise e à queda de 11% do número de passageiros.

A oferta de um reajuste bem abaixo do solicitado pelos motoristas inviabilizou as negociações, o que gerou o anúncio da greve para a próxima segunda. Para o Presidente do Sindittransporte, Alberto Magno, a decisão tomada na assembléia foi necessária e representa o desejo dos mais de 190 motoristas que estavam presentes. “A gente faz essa reivindicação há muito tempo, mas as empresas nunca avançaram nas negociações, tivemos que decretar a greve”, informa.

Negociações

Ainda segundo Alberto, a greve seguirá por tempo indeterminado até que as empresas se posicionem e negociem. “Apesar do decreto, nós estamos abertos para negociações e queremos que tudo se resolva o mais rápido possível”, diz. Caso surja alguma manifestação das empresas ou algum ponto novo a ser discutido, é provável que a categoria seja convocada para nova assembléia ainda neste final de semana.

O Ministério Público do Estado de Goiás já foi notificado sobre a greve e deverá estabelecer contato com as empresas e os motoristas para chegar a uma porcentagem do quantitativo de ônibus que continuará em operação durante a greve. (Foto: reprodução RMTC).

Por Milleny Cordeiro
Informações: O Hoje
READ MORE - Em Goiânia, Motoristas de ônibus iniciam greve na próxima segunda-feira

Faixa exclusiva de ônibus em João Pessoa começa a ser fiscalizada

Começa nesta segunda-feira (8) a fiscalização do trânsito na faixa exclusiva para ônibus na Avenida Josefa Taveira, no bairro de Mangabeira, em João Pessoa, e os motoristas podem ser multados caso não respeitem a exclusividade. O trabalho vai ser feito por agentes de trânsito e câmeras. 

A faixa começou a funcionar em caráter educativo no dia 4 de julho. Os seis quilômetros de faixa exclusiva para o transporte coletivo foram implantados nos dois sentidos da Av. Josefa Taveira e Rua Creuza Campos de Vasconcelos até a inserção com a Rua Francisco Porfirio Ribeiro.

As vias foram sinalizadas com pintura no asfalto e instalação de placas de regulamentação para circulação exclusiva de ônibus. O objetivo da nova implantação é contribuir com o aumento da fluidez do tráfego na região e diminuir o tempo de viagem no transporte coletivo. Agora são 18km de faixa exclusiva na cidade de João Pessoa.

Segundo a Superintendência de Mobilidade Urbana (Semob), o motorista que trafegar na via exclusiva, fora do limite máximo de 50 metros antes de uma conversão à direita ou para acesso a um imóvel, vai ser autuado pela infração de trânsito grave e pagar multa de R$ 127,69, com registro de cinco pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

A Avenida Josefa Taveira é uma via de ligação importante não só para Mangabeira como também para o Valentina, bairros que precisam de uma maior mobilidade. "Tudo que for feito pra facilitar as caminhadas das pessoas e a circulação dos ônibus vai melhorar e muito a economia do bairro, como também de toda a Zona Sul. A implantação foi inclusive uma reivindicação da população", destacou o superintendente de mobilidade urbana, Carlos Batinga.

Atualmente, existe faixa exclusiva a partir do novo Parque Solon de Lucena (Lagoa), Viaduto Miguel Couto, Avenida Cardoso Vieira, Avenida Cândido Pessoa e Avenida Sanhauá até o Terminal de Integração do Varadouro. Após o Terminal, a faixa segue pela Rua Padre Azevedo, Rua Padre Meira até o cruzamento da Avenida General Osório com Rua Guedes Pereira e em toda extensão da Avenida Epitácio Pessoa.

Quem pode circular na faixa
​É preciso manter a atenção no trânsito com a nova adaptação. Os veículos particulares só podem utilizar as faixas exclusivas para entrar e sair de estacionamentos ou quando forem entrar à direita em alguma rua transversal. Para isso, o condutor pode entrar na faixa exclusiva 50 metros antes do seu destino.

Os veículos de resgate, combate a incêndio, ambulâncias, viaturas policiais, de fiscalização e operações de trânsito podem circular pela faixa exclusiva se estiverem em serviço de urgência ou em atendimento na via, com sinalização sonora e iluminação intermitente.

Informações: G1 PB
READ MORE - Faixa exclusiva de ônibus em João Pessoa começa a ser fiscalizada

Recife prepara licitação para Wi-Fi em 3 mil ônibus

A empresa pública que gerencia o sistema de transporte público na região metropolitana de Recife, em Pernambuco, prepara a contratação de WiFi para cerca de 3 mil ônibus que rodam em 394 linhas administradas pelo Grande Recife Consórcio de Transporte (GRCT). 

O sistema já começou a funcionar em forma de experiência em 115 ônibus, que rodam em 14 linhas. A proposta em discussão é de que o edital garanta o fornecimento do serviço via permuta para uso de espaço publicitário nos ônibus – ou seja, sem custos para os passageiros ou para o Poder Público. 

Pelo sistema já em funcionamento, a ideia é ter conexões em 4G nos coletivos, ainda que o uso seja relativamente restrito. Ele permite conexões simultâneas de até 60 pessoas, mas não com taxa de transferência suficiente para grandes dowloads – nem é possível ver um filme, nem consegue ser acessada por quem está do lado de fora dos ônibus. 

Informações: Convergencia Digital
READ MORE - Recife prepara licitação para Wi-Fi em 3 mil ônibus

Em São Bernardo, Corredor Alvarenga reduzirá viagens em até meia hora

Previsto para ser entregue em outubro de 2016, o corredor de ônibus do Alvarenga deve reduzir em até 20 a 30 minutos as viagens no trecho de 3,8 km. A velocidade média atual é de 13 km/h, que deve passar para até 20 km/h.

Conforme Alécio Batista, diretor operacional da Empresa de Transporte Coletivo de São Bernardo, 25% das linhas do município usam o local atualmente em reforma, localizado entre a FEI e o Hospital de Clínicas.

O objetivo do corredor é servir de tronco coletor para quem vem de bairros do extremo do município, como o Alvarenga e o bairro dos Químicos. Além de dar acesso ao terminal urbano Alves Dias aos ônibus intermunicipais e, futuramente, ao monotrilho. O conceito será aplicado para os demais corredores da cidade.

O valor do investimento no corredor Alvarenga é de R$ 130 milhões, oriundos do BID (Banco Internacional de Desenvolvimento) e da administração pública. Sendo que cada parte entrou com metade do valor.

A estratégia da secretaria de transportes é concretizar o Programa de Mobilidade de São Bernardo até 2020. O projeto logístico teve origem no estudo do plano diretor de transporte urbano em 2005 e foi efetivado pela gestão Marinho.

Mobilidade

O total do aporte é de U$ 250 milhões e envolve 11 corredores, três terminais (Alves Dias, Batistini e São Pedro), sistema semafórico e equipamento de comunicação. Atualmente, mais dois corredores estão em construção, Rudge Ramos e João Firmano com 6,8 km e 2,5 km, respectivamente.

Outros R$ 400 milhões, 40% do Governo Federal e o restante do município, estão sendo aplicados no corredor Leste-Oeste com o total de 12,5 km.

Estão planejados mais oito corredores: Faria Lima, Jurubatuba, São Pedro, Galvão Bueno, Castelo Branco, Capitão Casa, Montanhão-Selecta e Rotary, o que dá aproximadamente 30 km de malha urbana.

“São mais de 500 mil pessoas que utilizam estas linhas que ganharão corredores”, informou Batista. Para o diretor operacional, “além da diminuição de tempo de viagens e do aumento do conforto, a principal vantagem é a organização e integração de uma rede antes inexistente de faixas exclusivas”.

Conforme Batista, o caráter internacional do projeto impede que em uma possível nova gestão cesse as obras.

Informações: ABCD Maior
READ MORE - Em São Bernardo, Corredor Alvarenga reduzirá viagens em até meia hora

Plano Diretor de Campo Grande deve ser entregue até o fim desse ano

Mostrar saídas para equilibrar o espaço disputado nas ruas cada vez mais engarrafadas do Centro é um dos maiores desafios da revisão do Plano Diretor de Campo Grande, que deve ser entregue até o fim desse ano pela Prefeitura para aprovação na Câmara Municipal.

“Por exemplo, o comércio quer mais vagas de estacionamento, mas em algumas vias é preciso considerar as faixas exclusivas de ônibus”, explica Dirceu Peters, diretor-presidente do Planurb (Instituto Municipal de Planejamento Urbano).

A mobilidade urbana é um dos pilares que devem ser incluídos no Plano Diretor, atualmente em fase de discussão entre Prefeitura e sociedade civil, conselhos e associações. Depois dele, vem um plano específico de mobilidade urbana. E problemas para resolver não faltam.

As tais faixas de ônibus hoje mal existem na Capital. A exceção fica para o corredor na Avenida Duque de Caxias, no caminho para o aeroporto, e da faixa preferencial da Rui Barbosa. Na Afonso Pena, um dos pontos críticos do fluxo hoje, a queda de braço entre comércio, carros e passageiros impede que avancem as obras por ali.

“Do lado esquerdo, o canteiro central é tombado e não pode ser alterado, então o corredor precisaria ficar do lado direito, onde atualmente ficam as vagas para os carros”, detalha Peters .

Também de nada adianta dar mais espaço para os ônibus se há mais pessoas nos carros do que dentro do transporte coletivo. “É sabido que o número de passageiros caiu. Não dá para melhorar o serviço ou discutir o valor da passagem se não tiver gente usando”, diz o gestor.

É difícil dizer agora a quantidade de passageiros que se desloca com o transporte coletivo e as linhas que deveriam ser ampliadas. Os dados estão com a Assetur, que reúne as empresas de ônibus da Capital, que deve entregar uma pesquisa origem-destino como parte de seu compromisso com o Executivo.

O levantamento, que inclui a população toda da cidade – dos passageiros aos motoristas do transporte individual e até os ciclistas – ainda não foi entregue pela empresa.

Falando em bicicletas, elas também entrarão nas diretrizes do novo Plano Diretor. Apesar da cidade contar com uma boa malha cicloviária – são 90km de vias, segundo o Instituto Mobilize – as principais ciclovias não tem ligação entre si.

A Assetur foi procurada para obter números atualizados sobre os passageiros que utilizam o serviço e da pesquisa origem-destino, mas não se manifestou até o fechamento da reportagem.

O Plano - O Plano Diretor dá diretrizes para o planejamento urbano em diversos setores e, segundo o Estatuto das Cidades, deve ser revisto uma vez a cada dez anos para garantir que o município receba repasses para infraestrutura.

O processo é conduzido por uma consultoria externa, a Urbtec, de Curitiba, que entregará um diagnóstico da situação atual da cidade. A entrega final deve ocorrer até o dia 11 de dezembro. 

Informações: Capo Grande News
READ MORE - Plano Diretor de Campo Grande deve ser entregue até o fim desse ano

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960