Integração entre ônibus municipais do Rio e metrô terá desconto

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Os passageiros que fazem integração de ônibus municipais no Rio com o metrô passarão a pagar única tarifa com desconto no Bilhete Único. Os BRTs também serão incluídos na integração tarifária com o metrô. A medida será implantada até junho deste ano, informou o secretário estadual de Transportes, Carlos Roberto Osorio, em visita às obras da Linha 4 nesta terça-feira. 

O valor da integração ainda não foi definido. "Esse é mais um legado do processo de integração propiciado pelos Jogos Olímpicos e um grande benefício aos usuários do transporte público. Essa era a última integração de massa que faltava no Rio de Janeiro. Com essa integração esperamos que mais pessoas deixem o carro em casa utilizando os modais de alta capacidade, no caso o BRT e o metrô”, disse Osorio.

As secretarias estadual e municipal de Transportes assinaram, na semana passada, o convênio que irá estabelecer como será viabilizada a integração entre os modais. Não haverá subsídio municipal nem estadual. Ainda será decidida a forma de divisão de custos entre o Rio Ônibus e o MetrôRio para garantir o desconto aos passageiros.

De acordo com a Secretaria Estadual de Transportes, a medida, que faz parte do processo de integração e otimização do sistema de mobilidade do Rio de Janeiro, vai, além de gerar uma economia aos passageiros que utilizam os dois modais, agilizar o embarque, já que não será necessária a aquisição do segundo bilhete, e incentivar o uso do transporte público. 

Aumento de tarifa no metrô

O secretário Carlos Roberto Osorio lembrou que a tarifa do metrô (atualmente de R$ 3,70) será reajustada em abril. Segundo ele, a revisão anual é prevista em contrato e leva em conta a variação da inflação no período. O preço da nova passagem ainda não foi calculado pela Agetransp (agência reguladora dos transportes do estado), responsável por fixar o valor. No último sábado, os ônibus municipais também aumetaram, indo de R$ 3,40 para R$ 3,80.

A Agetransp já havia autorizado o aumento das tarifas de barcas a partir do dia 12 de fevereiro e dos trens, a partir do dia 2 do mesmo mês. O valor das barcas passará de R$ 5 para R$ 5,60 e o dos trens, de R$ 3,30 para R$ 3,70. Para passagens pagas com Bilhete Único, o valor dos trens subirá dos atuais R$ 3,20 no bilhete para R$ 3,60, e o das barcas, dos atuais R$ 3,50 no cartão para R$ 4,10.

O Bilhete Único Intermunicipal, que permite o uso de um transporte municipal e outro intermunicipal no intervalo de até três horas, será reajustado dos atuais R$ 5,90 para R$ 6,50 a partir do dia 1º de fevereiro.

Por Gustavo Ribeiro
READ MORE - Integração entre ônibus municipais do Rio e metrô terá desconto

Alta de ônibus e metrô já pressiona inflação

Depois de encerrar 2015 com sua maior inflação em mais de uma década, o país começa 2016 com os índices de preços pressionada por itens administrados. Cariocas mal viraram o ano e já tiveram de enfrentar tarifas de ônibus e táxi mais caras. Já os paulistanos terão de desembolsar mais para andar de ônibus, metrô ou trem na próxima semana. Foram anunciados também aumentos no transporte público de Belo Horizonte, Salvador, Recife e Porto Alegre.

Boa parte desse efeito será sentido em janeiro, mas até o fim do ano outras cidades promoverão reajustes no transporte. Os reajustes já anunciados devem representar um impacto de 0,20 ponto porcentual na inflação, calcula a Tendências Consultoria Integrada. Para a LCA Consultores, o impacto final deve ser de 0,31 ponto percentual na inflação em 2016. O cálculo exclui passagens aéreas e transporte escolar, que não têm preços controlados.

Em 2015, a inflação no primeiro trimestre deu um salto com a alta de tarifas até então represadas, como energia elétrica, combustíveis e transporte público. Esses itens tiveram peso decisivo para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) chegar a 10,48% no intervalo de doze meses encerrado em novembro.

Agora, as tarifas de transporte público dão um novo salto, efeito secundário da inflação de dois dígitos que já penalizou o bolso dos brasileiros em 2015. Isso porque muitos contratos tomam como base índices de preços, como IGP-M ou o IPCA. "Claramente, é um belo exemplo de como a inflação passada afeta os reajustes do presente. Há essa ideia de carregamento, que é um empecilho para o Banco Central na batalha contra o aumento de preços", afirma o analista Marcio Milan, da Tendências.

Em São Paulo, região com maior peso no índice oficial de inflação, as tarifas de ônibus, trem e metrô vão passar de 3,50 reais para 3,80 reais no dia 9 - alta de 8,57%. No Rio, o ônibus aumentou de 3,40 reais para 3,80 reais, avanço de 11,7%. "Uma parte desses reajustes era esperada. O que não se esperava era a magnitude, especialmente no Rio", diz Milan.

Os reajustes de ônibus no Rio e em São Paulo terão, cada um, impacto de 0,07 ponto porcentual na inflação, calcula a LCA. Com menor peso em termos nacionais, Belo Horizonte teve alta de 8,82% na tarifa de ônibus, que passou de 3,40 reais para 3,70 reais no dia 3. Em Salvador, o valor subiu 10% no dia 2, de 3 reais para 3,30 reais.

Há também aumentos de táxi no Rio, no Recife e em Porto Alegre, além de reajuste no ônibus intermunicipal no Rio e em Belo Horizonte. O Rio ainda verá suas tarifas de trem e barcas ficarem mais caras em fevereiro.
O ônibus urbano, sozinho, responde por 2,55% dos gastos de uma família média brasileira, aponta o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Para os consumidores de baixa renda, essa fatia beira os 10%. Por isso eles são, como em 2015, os mais penalizados por esses aumentos.

Sem alívio em ano eleitoral - Aparentemente, nem o ano eleitoral tem persuadido as administrações públicas a aliviar a mão nos reajustes. Embora, do ponto de vista político, as eleições municipais sejam motivo para amenizar aumentos, a pressão sobre os cofres públicos parece ter prevalecido. "Havia expectativa de que os reajustes fossem mais tímidos, mas isso não se concretizou. Há pressão de custos, e algumas prefeituras estão com caixa apertado e não podem dar subsídios", diz André Braz, pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

Entre os custos estão o óleo diesel, que subiu 12,75% nos doze meses até novembro, segundo o IPCA, e a mão de obra. O economista da FGV lembra que o salário mínimo - que guia boa parte das remunerações do setor de transporte - avançou 11,6% neste ano, para 880 reais. "Até agora, quem tinha que dar reajuste o fez. Não conseguimos perceber processo de represamento", afirma o economista Étore Sanchez, da LCA Consultores.

Informações: Estadão Conteúdo

READ MORE - Alta de ônibus e metrô já pressiona inflação

Novo sistema de transporte público de Porto Alegre deve entrar em vigor em fevereiro

O novo sistema de transporte público de Porto Alegre deverá entrar em operação em fevereiro — dois meses antes do prazo máximo previsto pelo edital de licitação. Pelo menos esta é a meta das empresas de ônibus, segundo o gerente técnico da Associação dos Transportes de Passageiros (ATP), Gustavo Simionovschi. Antes disso, porém, terão que passar por uma vistoria por parte da Prefeitura, para verificar se todas as exigências do edital foram atendidas. “É possível que o sistema comece a operar até o final de fevereiro, mas ainda existem algumas etapas até a definição da data final”, afirma o diretor-presidente da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), Vanderlei Cappellari. 

O início das operações também é importante porque será a partir desta data que as empresas poderão solicitar o aumento na tarifa dos ônibus, conforme definido em decreto. Nos outros anos, as operadoras reivindicavam a revisão tarifária e a concessão do reajuste dos salários dos rodoviários, cuja data-base é 1º de fevereiro. Na prática, as empresas já estarão com custos elevados, por conta do reajuste dos rodoviários. 

Mas o principal é que a entrada do novo sistema também resultará em mudanças, como a ampliação de consórcios. Atualmente, são três apenas —  Unibus, STS e Conorte — e uma empresa pública (Carris). Pelo novo modelo, serão quatro consórcios, divididos por seis bacias, e a Carris. Com a distribuição por bacias haverá a troca de algumas linhas. 

A estimativa da ATP é de que a mudança afete até dez linhas. Já a projeção da EPTC é de que sejam afetadas cinco linhas, atualmente operadas pela Carris e que serão repassadas para um dos consórcios. Já a Carris assumirá uma nova linha e três derivações. É provável que outros itinerários sofram mudanças. Não está descartado o prolongamento de trajetos e ajustes nos percursos. Para amenizar os transtornos à população, Cappellari espera que os ajustes ocorram após o início da operação do novo sistema. Defende a necessidade de diálogo com lideranças das comunidades afetadas pelas mudanças. 

De acordo com o gerente técnico da ATP, os últimos meses foram dedicados à análise das adequações que serão necessárias. Igualmente aproveitam para treinar os profissionais, no sentido de que se adaptem às novas rotas. Simionovschi informou ainda que, em um primeiro momento, haverá renovação parcial da frota. Está previsto o ingresso de cerca de 300 ônibus zero quilômetro. A maioria dos coletivos terá ar-condicionado, em atendimento a uma das cláusulas do edital. 

Conforme a licitação, as empresas devem iniciar a operação dos consórcios com no mínimo 25% da frota climatizada. Na sequência, os operadores terão até 10 anos para equipar a totalidade da frota com equipamentos de ar-condicionado. 

Tarifas podem aumentar

O início de 2016 será marcado por mudanças no transporte coletivo de Porto Alegre. As discussões começarão com a elaboração da proposta de reajuste dos rodoviários. A primeira assembleia da categoria ocorre hoje, a partir das 19h. Durante o encontro, pretendem elaborar a pauta de reivindicações. Posteriormente, será encaminhada ao Sindicato das Empresas de Ônibus de Porto Alegre (Seopa). Pelas manifestações de ambos os lados, a intenção é que as negociações ocorram normalmente. 

É mais provável que se repita o movimento de 2015, quando o acerto ocorreu em três semanas, e bem diferente de 2014, quando houve paralisação por 17 dias dos serviços e a negociação acabou na Justiça, trazendo prejuízos aos usuários. De acordo com o presidente do Sindicato dos Rodoviários de Porto Alegre, Adair da Silva, a ideia é que a proposta contemple um ganho real, um pouco acima da inflação. Outra proposta que deverá ser apresentada é a garantia de manutenção dos empregos. A categoria conta com cerca de 9 mil funcionários. 

“Reconhecemos que este é um momento de dificuldades financeiras e queremos a garantia de que não haverá cortes”, afirma. Ao mesmo tempo, ele rebate o movimento de alguns profissionais que reivindicam aumento salarial de 20%. “Não vamos mentir para os profissionais. Vamos levar a negociação com a mesma transparência do ano passado, quando obtivemos ganhos importantes”, assinala.

Em 2015, além de 8% de reajuste, a categoria conseguiu elevar o valor do vale-refeição, entre outros benefícios. Já na Associação dos Transportes de Passageiros (ATP) a perspectiva é de que a negociação seja concluída até o final deste mês. A expectativa é grande, uma vez que o índice de reajuste a ser concedido aos rodoviários é fundamental para o reajuste da tarifa de ônibus da Capital. 

Atualmente, o pagamento dos salários dos funcionários representa entre 48% a 49% da composição do valor da passagem. Existe porém um diferencial neste ano. Em função da licitação do transporte público, a revisão da tarifa só poderá ser solicitada após os novos consórcios iniciarem a operação. Segundo o edital, isso poderá ocorrer até abril de 2016. Antes disso, o valor ainda precisa ser analisado pelo Conselho Municipal de Transportes Urbanos (Comtu), para depois ir à sanção do prefeito José Fortunati.

Cores indicam região

As empresas, que serão responsáveis pela prestação do serviço por 20 anos, terão que fazer outras melhorias na frota. Além do ar-condicionado, os ônibus deverão ter acessibilidade plena e uma redução do número máximo de passageiros por veículo, entre outros pontos. 

Gradativamente os coletivos da capital gaúcha ganharão nova identidade visual, com cores diferenciadas por região: Centro e linhas transversais — Carris (ocre), Norte (vermelho), Leste (verde) e Sul (azul).

Trajetória da licitação

• 2011: começa o processo para elaboração da licitação do transporte público de Porto Alegre. É formado um grupo de trabalho para elaboração do edital. 
• 31 de março de 2014: primeiro edital é lançado.
• 3 de junho de 2014: prazo para apresentação das propostas. Não houve interessados. 
• 19 de setembro de 2014: lançamento de novo edital para licitação do transporte coletivo.
• 24 de novembro de 2014: prazo para as empresas apresentarem propostas e mais uma vez não há interessados. 
• 6 de maio de 2015: publicado o terceiro edital, desta vez aberto a empresas internacionais e com a divisão da cidade em seis lotes.
• 6 de julho de 2015: empresas interessadas apresentam propostas de operação do sistema. 
• 30 de julho de 2015: Prefeitura publica o primeiro resultado da licitação do transporte.
• 9 de outubro de 2015: contratos com as empresas vencedoras da licitação foram assinados. Estabelecidos prazos de até 180 dias para o início das operações. 

Consórcios

• Bacia Norte/Nordeste
Lotes 1 e 2
Consórcio Mob Mobilidade em Transportes
Empresas: Sopal / Nortran / Navegantes
• Bacia Sul — Lotes 3 e 4
Consórcio Sul
Empresas: Trevo / Viação Teresópolis Cavalhada / Viação Belém Novo / Restinga
•  Bacia Leste/Sudeste
Lote 5 - Consórcio ViaLeste
Empresas: Viação Alto Petrópolis / Auto Viação Presidente Vargas / Viação Estoril
Lote 6 - Consórcio de Mobilidade da Área Integrada Sudeste Mais
Empresas: Sudeste / Gasômetro

Fonte: EPTC e Correio do Povo


READ MORE - Novo sistema de transporte público de Porto Alegre deve entrar em vigor em fevereiro

Passagem de ônibus em Teresina sobe para R$ 2,75

A Prefeitura de Teresina anunciou nesta quarta-feira (6) o aumento da passagem de ônibus de R$ 2,50 para R$ 2,75. O decreto que definiu o reajuste de 10% será publicado ainda nesta quarta no Diário Oficial do Município. Por decisão do prefeito Firmino Filho, o valor da meia tarifa permanece congelado em R$ 1,05.
Foto: Marco Freitas/G1

O aumento em R$ 0,25 centavos é menor que o reajuste proposto pelo Conselho Municipal de Transportes Públicos de Teresina, cujo valor ficaria em R$ 2,83. Para conceder o aumento, a Prefeitura levou em consideração a planilha de gastos do sistema.

Conforme os dados apresentados, no período, as despesas com insumos aumentaram. O valor do combustível aumentou 14,34% e o pagamento de pessoal, 10,97%, no período, por exemplo.

“A proposta do Conselho era de R$ 2,83 porque eles levaram em consideração a mesma quantidade de passageiros do ano passado. Acreditamos que, com a implantação dos terminais de integração, o número de passageiros irá aumentar, assim como a qualidade no sistema de transporte da capital”, falou o prefeito Firmino Filho.

O Conselho Municipal de Transporte chegou a se reunir na última semana de dezembro do ano passado para discutir o novo valor da passagem e chegou a sugerir que a tarifa fosse de R$ 2,83 e a meia R$ 1,18. No entanto, a decisão da prefeitura foi manter o valor de R$ 1,05 para os estudantes.

Para representantes do movimento estudantil, o congelamento é uma prova de que o reajuste não deveria ter sido dado neste ano diante das inúmeras falhas que o sistema possui e que não tem oferecido aos usuários um transporte de qualidade, compatível com o valor da tarifa.

A prefeitura, por sua vez, diz que várias melhorias estão sendo feitas para atender os usuários e citou a construção de faixas e corredores exclusivos para ônibus. Com essas medidas, o passageiro pagará apenas uma passagem e poderá se deslocar por toda a cidade, inclusive utilizando linhas interterminais.

Segundo o prefeito Firmino Filho, as modificações permitirão ainda que o usuário do sistema possa se deslocar com mais rapidez, já que os ônibus trafegarão de forma livre, sem concorrer com os carros.

Em todo Brasil, usuários de transporte público de ao menos 18 cidades do país - entre elas, seis capitais - sofreram aumento na passagem de ônibus municipal nos primeiros dias de 2016.

Por Patrícia Andrade
Informações: G1 PI

READ MORE - Passagem de ônibus em Teresina sobe para R$ 2,75

SPTrans diz que empresas lucram menos

A gestão Fernando Haddad (PT) argumenta que o crescimento do subsídio para os ônibus da cidade não se refletiu no aumento da margem de lucro das empresas de ônibus que operam na capital paulista. Para a Prefeitura, o subsídio não é aos empresários, mas aos passageiros, que pagam tarifa mais barata.

Segundo números apresentados pela São Paulo Transporte (SPTrans), o lucro somado de todas as empresas de ônibus, na média de 2014, foi de R$ 81 milhões por mês. Neste ano, diz a empresa, o lucro caiu para R$ 41 milhões. A queda teria sido possível por meio de aditivos aos contratos vigentes, que foram sendo renovados por causa do atraso na licitação para renovação dos contratos de ônibus, e também pela diferença entre o aumento de custos dos empresários, que foi maior do que o acréscimo na tarifa.

A gestão reconhece que as políticas tarifárias de passe livre para estudantes e desempregados, além do bilhete único mensal, são a principal causa de aumento do subsídio. Admite ainda que essas políticas não atraíram mais usuários para o sistema. Mas afirma que os beneficiários dessas políticas, especialmente as famílias de alunos da rede pública de educação, passaram a ter menos gastos.

Segundo o diretor da SPTrans, Adauto Farias, "levando o raciocínio ao extremo, caso não existisse subsídios e cada pessoa tivesse de pagar por sua passagem integral, o valor da tarifa teria de ser de R$ 5,71. Tenho certeza de que, com esse preço, a queda do número de usuários seria menor", afirma. A gestão Haddad, frequentemente, ainda defende aumentar impostos sobre combustível para financiar o transporte público.

As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Leia também sobre:
READ MORE - SPTrans diz que empresas lucram menos

Tarifa de ônibus terá reajuste no dia 13 em Sorocaba

A passagem do transporte coletivo de Sorocaba será reajustada em 13 de janeiro (quarta-feira). O Passe Social passará de R$ 3,50 para R$ 3,80, o Vale Transporte de R$ 3,35 para R$ 4 e o Estudante permanecerá em R$ 1,50. 

Segundo a Prefeitura, os novos valores consideram o aumento dos custos operacionais do transporte coletivo urbano, face ao aumento salarial e benefícios concedidos à respectiva categoria profissional. A lista inclui ainda a reposição da variação de preços de insumos básicos que compõem os mencionados custos.

O Decreto 22.124 foi publicado na tarde desta terça-feira (5) e elevará a tarifa do Transporte Coletivo Urbano em aproximadamente 7,7%. Os usuários poderão adquirir seus passes nos valores atuais até a próxima terça-feira (12), nos diversos pontos de vendas da cidade. 

Os créditos terão validade de uso por um prazo de 90 dias, ou seja, até 11 de abril de 2016. A partir desta data, os valores remanescentes serão incorporados nos novos saldos. 

Por determinação do prefeito Antonio Carlos Pannunzio (PSDB), os valores do Passe Estudante e do Passe Social (domingos e feriados) não serão alterados. Vale destacar, ainda, que pela Lei Federal pessoas com idade acima dos 65 anos não pagam passagem no transporte coletivo. Em Sorocaba, uma lei municipal assegura esse direito para quem tem acima dos 60 anos, cinco menos do que aquele estabelecido nacionalmente. 


Leia também sobre:
READ MORE - Tarifa de ônibus terá reajuste no dia 13 em Sorocaba

Tarifa de ônibus em João Pessoa poderá ultrapassar R$ 3,00

Os reajustes médios foram de 10% a 15% o que deverá ser levado em consideração na discussão sobre o reajuste a ser definido para as passagens de ônibus em João Pessoa. O superintendente de Mobilidade Urbana do Município, Carlos Batinga, disse que o Conselho de Mobilidade só se reunirá no dia 16 de fevereiro e que, até lá, não se pode confirmar se haverá aumento da tarifa. “Nem mesmo esse assunto está em pauta”, confirmou Batinga.

Mas se o preço das passagens não deverá ser reajustado para os usurários de ônibus na capital paraibana, o mesmo não se pode confirmar a partir do dia 16 de fevereiro. Segundo Batinga, seguindo a tendência de outras capitais, o reajuste pode ficar entre 10% e 15%.

Esses percentuais, de acordo com o superintendente, não estão levando nem em consideração a inflação registrada no período do último reajuste, ocorrido no dia sete de julho do ano passado. O que irá pesar mais no composto da cesta de aumento, serão o aumento de 20% no valor do combustível, e 10% de reajuste salarial dos funcionários das empresas que exploram o serviço de transporte público.

Os custos das empresas aumentaram e isso deverá repercutir no aumento dos preços do serviço de transporte, reconhece Batinga.

Empresas querem mais de R$ 3

Uma nota distribuída pela assessoria de imprensa da entidade à imprensa na semana passada, pelo Sindicato das Empresas de Transportes Coletivos Urbanos de João Pessoa (Sintur-JP), indica que as empresas de ônibus que esploram o sistema em João Pessoa não aceitarão um tarifa abaixo de R$ 3, no mínimo.

Na nota, o sindicato elenca uma série de argumentos que apontam a crise financeira nas empresas e um alerta sobre o possível sucateamento das frotas.

Na série de argumentos feitos pelo diretor do sindicato Mário Tourinho, estão a crise econômica, que aflige a todos; a queda no número de passageiros, sem revelar de quantos; a equivocada política de incentivo à indústria automobilística, que lotou as ruas de carros, em detrimento ao investimento ao transporte de massa, congestionando as ruas e reduzindo o número de viagens de ônibus, de 10 a 12 para apenas sete; isenção que alguns estados como São Paulo dão em alguns compostos de que interverem no valor da passagem, na capital paulista a prefeitura subsidia R$ 1,30 da tarifa; enquanto que em outros estados há isenção do ICMS, ISS entre outros impostos.

Informações: Jornal Paraibano

READ MORE - Tarifa de ônibus em João Pessoa poderá ultrapassar R$ 3,00

Em Campo Grande, Redução de ônibus faz população esperar mais de 2 horas em terminais

No final da tarde desta terça-feira (5), chegou ao conhecimento do MS Notícias que o número de transportes coletivos estariam reduzidos desde de segunda-feira (4), segundo populares essa determinação partiu do prefeito de Campo Grande Alcides Bernal (PP).
Foto: Divulgação/Wanderson Lara
Pessoas que dependem dos ônibus coletivos de Campo Grande estão sofrendo, já que o número de coletivos foi reduzido desde segunda-feira (4). De acordo com populares que entraram em contado com a redação do MS Notícias, os coletivos estão fazendo horário de fim de semana até o dia 18 de janeiro, ou seja, onde teriam dois coletivos existe somente um, e isso está prejudicando diversas pessoas que dependem do ônibus.

A passageira Rosangela de Souza disse que na tarde dessa terça-feira (5) ficou por quase duas horas esperando um ônibus no ponto onde ela embarca todos os dias, “eu fiquei lá por quase duas horas e não tinha ônibus, fui falar com o fiscal e ele disse ‘não posso fazer nada’, é revoltante a gente tem que pagar uma passagem mais cara e não consegue entrar no ônibus”, disse Rosangela.

Na manhã desta quarta-feira (6), o problema voltou a se repetir, Rosangela chegou ao Terminal Guaicurus às 6h20 e até o fechamento da matéria não tinha conseguido chegar ao seu destino, “o que eu posso fazer? A gente não consegue nada ao não ser pagar impostos em dia, e eles roubam a cidade e a gente padece”, finaliza Rosangela em tom de revolta.

Agetran

A Agetran informou que essa mudança de horário se dá por motivos de diminuição de usuário do transporte coletivo, já que é período de férias escolares, e conclui ainda dizendo que é comum essa alteração acontecer.

Ainda de acordo com a Agetran essa mudança deve permanecer até o dia 15 de janeiro e não deve prejudicar os usuários, pois se necessário serão colocados coletivos extras como um reforço. 

Consórcios Guaicurus

Conforme nota divulgada pelo Consórcio, a redução nesta época do ano é procedimento padrão adotado devido à diminuição da demanda de serviço em decorrência do príodo de férias escolares, férias coletivas de empresas e recesso dos poderes Judiciário e Legislativo e queda no movimento do comércio. Ainda segundo Consórcio, a redução do número de ônibus nas principais linhas da Capital é autorizada pela Agetran conforme prevê contrato de concessão.

Por Fabiola Camilo
Informações: MS Notícias

READ MORE - Em Campo Grande, Redução de ônibus faz população esperar mais de 2 horas em terminais

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960