Passageiros de ônibus reclamam de superlotação em terminal de Curitiba

quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Os moradores de Curitiba que precisam usar o terminal de ônibus do bairro Cabral reclamam da demora e da superlotação dos coletivos. O espaço recebe passageiros de vários bairros da região norte da capital e também de municípios da Região Metropolitana. Entre as queixas, há relatos até de brigas para conseguir embarcar nos veículos.

“Dá briga. Eles discutem, xingam, empurram, não têm um pingo de educação”, conta a cozinheira Rosana da Silva. “Eu pego três ônibus todos os dias e é sempre a mesma coisa. Não tem diferença, é um pior que o outro”, diz outra passageira.

Os passageiros reclamam do aperto em que vivem diariamente pela superlotação. O quadro é pior nos horários de pico. De manhã, para evitar o problema, alguns esperam vários minutos, até que um ônibus menos cheio possa garantir algum conforto.

A situação atinge até os ônibus biarticulados, que podem transportar 270 passageiros por viagem. “Olha, normalmente, na segunda-feira, [espero] pelo menos quatro ônibus. Só que há duas semanas eu esperei nove biarticulados aqui. É ridículo isso aqui”, diz outro passageiro.

A Urbs e a Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec), autarquias que cuidam das linhas que atendem o terminal do Cabral, foram procuradas para comentar as reclamações dos passageiros. Nenhuma, porém, indicou ações que possam melhorar a qualidade do serviço oferecido, mesmo num quadro em que cada passagem custa R$ 3,30 aos moradores que usam o transporte coletivo.

READ MORE - Passageiros de ônibus reclamam de superlotação em terminal de Curitiba

No Recife, Entorno do Mercado de Nova Descoberta com estacionamento proibido


Com a ação, o trecho da Rua Córrego da Areia, compreendido entre as ruas Josélia e Croalandia, terá o estacionamento proibido permanentemente do lado direito e estacionamento proibido de segunda a sábado, das 6h às 20h, no lado oposto, para os condutores que seguem no sentido Rua Croalandia/ Rua Josélia. Ainda na Rua Córrego da Areia, no trecho entre as Ruas Josélia e Nova Descoberta, o estacionamento será proibido permanentemente dos dois lados, exceto para os veículos que irão realizar carga/descarga, entre segunda e sexta-feira, das 12h às 16h, no trecho indicado pela sinalização vertical.

A Rua Nova Descoberta também terá o estacionamento disciplinado. Os condutores serão proibidos de estacionar nos dois lados da via, no trecho onde está localizado o mercado público do bairro, entre a Rua Córrego da Areia e a Avenida Vereador Otacílio Azevedo. Aqueles que desejarem realizar carga/descarga, terão uma vaga destinada a esse tipo de operação.

A iniciativa,da Secretaria de Mobilidade e Controle Urbano (Semoc), está vinculada a uma série de ações de ordenamento do comércio informal no largo comercial de Nova Descoberta. A CTTU implantou cerca de 80 placas de sinalização vertical e toda a sinalização horizontal, incluindo uma faixa de pedestres em frente à Escola Municipal Professor Moacir de Albuquerque, localizada na Rua Córrego da Areia. Além disso, equipes de agentes de trânsito estarão nos locais para orientar os condutores e informar sobre as mudanças durante a primeira semana de implantação. A Companhia orienta que os motoristas  respeitem a sinalização e tenham atenção às alterações implementadas para evitar transtornos.

Desde o primeiro semestre do ano a Secretaria de Mobilidade e Controle Urbano (Semoc), vem realizando o ordenamento do comércio informal no largo comercial de Nova Descoberta. Cerca de 130 ambulantes e feirantes cadastrados foram realocados para o pátio do mercado público do bairro, liberando a calçada para os milhares de pedestres que circulam no local. A previsão é que até novembro deste ano 98 feirantes sejam transferidos para o novo pátio de feira que está sendo construído na área. O restante dos comerciantes serão destinados para a área internada do mercado.

READ MORE - No Recife, Entorno do Mercado de Nova Descoberta com estacionamento proibido

VLT Cuiabá-Várzea Grande parado gera prejuízo de R$ 10,8 mi

Mesmo com as obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) paralisadas, o prejuízo financeiro mensal chega a R$ 1,2 milhão. A afirmação foi feita pelo o gerente comercial da CAF Indústria e Comércio, Ricardo Sanchez, nesta segunda-feira (28). A empresa, que integra o Consórcio VLT Cuiabá-Várzea Grande, pretende ir à Justiça pedir o ressarcimento da quantia que, a contar de janeiro, já chega a R$ 10,8 milhões.

Conforme Sanchez, o Consórcio vem cumprindo o contrato, porém, pela falta de pagamento, as obras seguem paradas, causando um custo enorme à empresa. Ainda conforme o gerente comercial, um relatório com todos os valores já foram apresentados à Assembleia Legislativa e também ao governo do Estado.

"São custos não previstos, anteriormente, a obra já deveria estar pronta, há um tempo, temos cumprido o contrato, mantido todo os sistema funcionando, os custos têm variado, mas aproximadamente R$ 1,2 milhão por mês e o Estado tem ciência disso [...] Estamos aguardando ansiosamente o retorno da obra",afirmou.

O Consórcio ressalta que as medições em atraso, a falta de pagamentos de materiais comprados e de obras realizadas, são os principais fatores para que as obras do VLT continuem paralisadas.
"Sem o pagamento dos atrasados para que a gente possa retornar e sem as desapropriações, não tem como avançar o projeto", destaca o gerente.

Uma simulação apresentada pelos representantes do consórcio VLT Cuiabá-Várzea Grande, no começo deste mês, à Comissão de Infraestrutura Urbana e de Transporte da Assembleia Legislativa, demonstrou que caso a obra fosse concluída, ainda este ano, custaria R$ 1,8 bilhão, saindo quase R$ 400 milhões a mais do que o que previa o contrato: R$ 1,477 bilhão. Com o novo cronograma, o valor atingirá R$ 2,2 bilhões.

"Esses números todos são contratuais, se aplicar os cálculos contratuais chegam nesse número [...] A obra foi contratada na data zero à R$ 1,477 bilhão, mas no final ela não ia custar mais isso, estava previsto em contrato", finalizou.

Para o deputado Emanuel Pinheiro (PR), integrante da Comissão de Infraestrutura Urbana e Transporte, o prejuízo mensal pode ser negociado com o Estado.
"Tudo isso se negocia depois que o governo bater na mesa e tomar a decisão política de fazer o VLT, isso que a população deseja, isso que nós queremos [...] A obra tem que ser retomada", disse o parlamentar.

Outro lado
A Secretaria de Estado das Cidades (Secid-MT) afirma que não vai comentar o assunto e destaca que o Governo está contratando uma consultoria para dar respostas sobre a viabilidade técnica, financeira e econômica do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT).  

READ MORE - VLT Cuiabá-Várzea Grande parado gera prejuízo de R$ 10,8 mi

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960