Transporte coletivo normal no Recife nesta sexta-feira

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Ao contrário do que circula nas redes sociais, os rodoviários não vão paralisar suas atividades nesta sexta-feira (26), segundo nota divulgada pelo Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros no Estado de Pernambuco (Urbana-PE). Os metroviários também afirmaram que a paralisação é um boato.

A Urbana afirma que os rodoviários não vão parar seus serviços nesta sexta-feira (26) devido a acordo firmado com o Sindicato dos Rodoviários de Pernambuco junto ao Ministério Público-PE de que não haverá paralisação ou protesto até o final das negociações do conflito coletivo da categoria, processo a ser iniciado na próxima semana.

Quanto aos boatos sobre a paralisação dos metroviários que circularam no WhatsApp, o presidente do Sindicato dos Metroviários de Pernambuco (Sindmetro-PE), Diogo Morais, publicou em seu perfil na rede social Facebook que não há convocação alguma para paralisação da categoria nesta sexta: "Quando formos realmente parar, utilizaremos dos meios oficiais de divulgação e da imprensa", afirmou. A categoria também divulgou nota oficial sobre o episódio.

Em abril deste ano, rodoviários, metroviários, dentre outros profissionais de diversas categorias aderiram à parasalição nacional convocada pela CUT contra a aprovação do projeto de lei 4330/04 da terceirização.

Informações: JC Online

READ MORE - Transporte coletivo normal no Recife nesta sexta-feira

No Rio, Consórcio Santa Cruz é alvo de muitas criticas

O consórcio Santa Cruz, que opera os ônibus na maior parte da Zona Oeste do Rio, é campeão de reclamações recebidas pelo serviço 1746, da prefeitura. A empresa Pégaso — que teve interditados 90% da frota vistoriada pelo Procon nas duas últimas blitz — é a líder do grupo, que responde por nove das dez linhas mais criticadas pelo serviço. No quesito conservação dos veículos, oito das dez piores também são do consórcio.

O ranking, divulgado no último dia 8 pela Secretaria municipal de Transportes (SMTR), se refere ao primeiro trimestre deste ano, mas reflete falhas antigas. Em outubro de 2014, a prefeitura notificou o consórcio pelos problemas. Dez meses após a notificação, a SMTR ainda evita falar em cassação do contrato. De lá para cá, foram aplicadas multas operacionais e uma contratual, de mais de R$ 10 milhões. O grupo recorreu e tem ainda até agosto para apresentar sua defesa.

Para passageiros entrevistados nesta quarta-feira pelo EXTRA, o serviço não melhorou. Pela manhã, um ônibus da linha 841, da Pégaso, trafegava com uma lanterna dianteira quebrada, assentos soltos e o painel do motorista trincado.

— Os pneus estão sempre carecas, os carros, imundos, e, quando a gente reclama, os funcionários dizem que é isto que a gente merece — esbravejou a funcionária pública Nelma Diniz, de 58 anos.

O advogado Armando de Souza, presidente da Comissão de Legislação de Trânsito da OAB-RJ, classifica como "omissão das autoridades” o fato de esta e outras empresas ainda não terem sido cassadas. A última vez que a prefeitura cassou uma empresa de ônibus foi em dezembro de 2009, antes da licitação.

A SMTR alega que "já está lançando mão de todos os dispositivos legais previstos no contrato a fim de garantir o cumprimento das regras estabelecidas no contrato”.

Armando de Souza rebate:

— Se uma empresa do consórcio descumpre o seu dever de zelar pela segurança e, consequentemente, pela vida do passageiro, então não há cláusula (do contrato) que não possa ser judicialmente questionada e revista.

Em nota, a Secretaria municipal de Transportes "ressalta que realiza constantes ações de fiscalização nas ruas, em terminais e nas garagens. De janeiro a maio, 550 ônibus foram lacrados em ações de fiscalização, dos quais 205 eram do consórcio Santa Cruz”.

Promessa de melhora

Em nota, o consórcio Santa Cruz afirma que passa por uma "reestruturação para otimizar sua operação”. "Com a saída de duas empresas devido a prejuízos financeiros — a Andorinha e a Rio Rotas —, linhas estão sendo redistribuídas entre as consorciadas, e algumas estão assumindo maior participação no serviço com o objetivo de oferecer mais qualidade à população”, diz a nota. O consórcio afirma ainda que, na Zona Oeste, há uma "concorrência desleal de vans e kombis ilegais que circulam sem a devida fiscalização, afetando a saúde financeira das participantes do consórcio”.

A Pégaso informou que o ônibus citado na reportagem será encaminhado para manutenção. Em nota, a empresa acrescentou que "vem investindo na renovação de seus ônibus, com 107 carros zero quilômetro já entrando em circulação, distribuídos por nove linhas”.

Informações: Extra Globo
READ MORE - No Rio, Consórcio Santa Cruz é alvo de muitas criticas

Dourados cumpre mais uma etapa de melhorias na mobilidade urbana

O prefeito Murilo dá mais um passo na melhoria de setores da mobilidade urbana, dando continuidade ao Projeto de Reestruturação do Sistema de Transporte Coletivo de Dourados, com ampliação da frota disponibilizada à população. São 15 novos ônibus que serão colocados a partir de segunda-feira, dia 29, nas mais diversas linhas que cortam a cidade. Além do anúncio da instalação de dois terminais em breve.
Foto: Chico Leite
A aquisição dos ônibus foi feita pela Medianeira Dourados, concessionária do serviço de transporte coletivo, para atender a exigência do processo licitatório que venceu no mês de abril deste ano para continuar administrando o sistema.

Com os novos veículos, a frota do município passa de 58 para 67 unidades. Além destes, mais quatro ônibus novos serão inclusos na frota a até o final de julho, para atender a Cidade Universitária. Serão veículos maiores que os demais, para suprir a demanda dos estudantes.

Os ônibus novos possuem sistema mais moderno do que o usado na frota atual, são mais silenciosos e confortáveis para o uso da população, e todos adaptados para garantir acessibilidade às pessoas com deficiência. O layout também foi modificado e hoje os ônibus são das cores do município: azul, com detalhes em branco e amarelo.

“Os outros veículos da frota que já vem sendo usados serão todos reformados e vão receber também o novo layout”, explica Ahmad Hassan Gebara, o Mito, diretor presidente da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) de Dourados.

Integração
Os veículos novos também já estão preparados para o uso do Cartão Leve que armazena créditos de passagem. Através deste, o condutor pode fazer a integração, ou seja, mudar de um ônibus para outro em seu trajeto sem precisar pagar uma segunda passagem. O prazo para troca pelo usuário é de 45 minutos, contados a partir do momento que o motorista do primeiro ônibus chega ao fim de sua linha.

O sistema de integração com o uso do cartão que já existia em todos os pontos de ônibus da cidade, desde o dia 15 passou a ser usado no Terminal de Transbordo. “Desde que fizemos essa mudança no Transbordo tivemos só uma ou duas reclamações que chegaram até a gente. Acreditamos que isso seja fruto da adaptação e que logo todos estarão familiarizados ao novo sistema”, relata Gebara.

Ele lembra que uma equipe de fiscalização da Agetran trabalha no Terminal de Transbordo para garantir a eficiência do serviço e pode ser abordada pelos usuários para tirar dúvidas ou em caso de reclamação. Os usuários que porventura pagarem duas passagens ao invés de uma ao fazer a integração, também podem procurar a Medianeira Dourados que serão ressarcidos.

O Cartão Leve pode ser adquirido no transbordo, na rodoviária e na Medianeira. O valor pago pelo item é R$ 5, todo convertido em crédito. “Vale lembrar que a integração só é feita através do uso do cartão, não no caso do pagamento da passagem em dinheiro”, explica o diretor presidente da Agetran.

Informações: Agora MS
READ MORE - Dourados cumpre mais uma etapa de melhorias na mobilidade urbana

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960