No Recife, #Somos todos Camila Mirele, Aluna vitima do descaso do transporte na cidade

domingo, 10 de maio de 2015

Após a morte da estudante de biomedicina Camila Mirele Pires da Silva, 18 anos, que foi arremessada de um ônibus da linha Barro/Macaxeira, alunos da UFPE marcaram protesto para esta segunda-feira, às 16h30, contra as condições precárias do transporte coletivo no Grande Recife, já denunciadas tantas vezes por aqui. 

Será preciso mais mortes para que o governo conserte os erros operacionais no sistema de transporte, pois hoje quanto mais lotado melhor, nem as famosas sardinhas andam tão sufocadas como nós usuários de ônibus.

O ato tem concentração no Centro de Ciências Biológicas da universidade, de onde o grupo seguirá em caminhada até a BR-101, local em que aconteceu o acidente. 

READ MORE - No Recife, #Somos todos Camila Mirele, Aluna vitima do descaso do transporte na cidade

Passagem de ônibus em Santos deve aumentar nos próximos dias

A Prefeitura de Santos deve assinar na semana que vem o novo contrato com a Viação Piracicabana, que permanecerá por mais oito anos como responsável pelo transporte coletivo na Cidade. A tarifa dos ônibus municipais passará de R$ 2,90 para R$ 3,25 – aumento de 12,1%.

Nesta quinta-feira (7) aconteceu a última etapa da licitação do serviço municipal, que foi a entrega de documentos da empresa para análise da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) de Santos. Se eles estiverem conforme exige o edital do certame, ela será declarada oficialmente vencedora da concorrência pública.

Única 

A Piracicabana foi a única empresa classificada no processo. A Comissão Especial de Licitação da CET desclassificou a outra concorrente, a Mobibrasil Transporte São Paulo Ltda. O motivo foi a não apresentação de uma planilha com a composição dos encargos sociais previstos – uma exigência para permanecer na disputa.

Mesmo que estivesse com a documentação em ordem, a Mobibrasil ficaria em segundo lugar. Isso porque ela ofereceu valor maior para a passagem, de R$ 3,30 (preço máximo fixado pela CET).

Abrangência

A permissão para a prestação de serviço de transporte coletivo de usuários envolve mobilização, operação, manutenção e reposição de veículos, materiais, equipamentos, sistemas e mão de obra necessários. 

O valor estimado do contrato é de R$ 13,1 milhões por ano. O cálculo é feito pela quantidade de passageiros que pagam a passagem, não há custo para a Prefeitura. A empresa faz a manutenção do sistema e tem como retorno o lucro obtido com a tarifa.

READ MORE - Passagem de ônibus em Santos deve aumentar nos próximos dias

Usuários aprovam novos ônibus em Goiânia, mas ainda citam problemas

Setenta novos ônibus que prometem redução de até 80% na emissão de poluentes começaram a circular na Grande Goiânia. Os veículos, que operam em 130 linhas, incluindo os corredores preferenciais, são equipados com um sistema inteligente de localização, quatro câmeras de segurança cada e portas acessíveis para portadores de necessidades especiais. Usuários reconhecem melhoria, mas citam vários problemas no transporte público, como superlotação e atrasos, e cobram novas mudanças no sistema.
Novos veículos prometem redução de até 80% na emissão de poluentes (Foto: Fernanda Borges/G1)

Segundo a Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC), parte dos veículos novos substituiu coletivos antigos, e o restante incrementou a frota, que atualmente é de 1.321 ônibus. Além da capital, os coletivos também circulam em linhas que vão até as cidades de Aparecida de Goiânia, Aragoiânia, Hidrolândia e Nova Fátima. A implantação foi iniciada na última segunda-feira (4).

Para o estudante de agronomia Márcio Henrique Debia Cabral, de 24 anos, que circula pela linha 025 (Terminal Bandeiras / T-63 / Terminal Isidória) há um ano, os novos ônibus estão aprovados. No entanto, ele mas reclamou da demora na abertura das portas.

“Eles são bons, espaçosos e as câmeras nos dão uma sensação maior de segurança. O único problema são as portas, que são lentas para abrir e vira um tumulto na hora do desembarque”, disse.

O mesmo problema foi relatado pela auxiliar de informática Odete Nascimento, de 58 anos. “A porta é mais larga, mas demora muito até abrir completamente. Com isso, muita gente já fica desesperada, achando que o motorista não vai abrir, e vira uma confusão. Mas acho que, aos poucos, todos vão se acostumar. O ruim é que esses novos coletivos não resolvem os problemas antigos dos ônibus lotados. Ainda precisamos que mais investimentos no transporte", destacou.

O motorista Juvenal Pereira da Silva, que já trabalha há mais de 10 anos no transporte coletivo da capital, ressaltou que os novos veículos têm mais qualidades do que desvantagens. “Para a gente que dirige o dia todo, eles são muito bons, pois têm equipamentos mais modernos. Acho que essas câmeras, que mostram desde a frente até a traseira do coletivo, são boas para que as autoridades tomem alguma medida em caso de emergência”, destacou.

Sobre os questionamentos em relação às portas, ele concordou que elas demoram mais a abrir do que nos ônibus antigos. “Acho que é por causa de um sistema de segurança, para evitar que as pessoas se machuquem. Muita gente fica impaciente e reclama”, disse Silva.

A Rede Metropolitana de Transportes Coletivos (RMTC), operadora do sistema na capital, explicou que as portas são mais demoradas para abrir em função de "um dispositivo de segurança que inibe sua abertura com o veículo em movimento e também impede a aceleração antes que todas as portas estejam totalmente fechadas. Esse novo sistema foi implantado com o objetivo de prevenir acidentes e aumentar a segurança dos clientes na hora do embarque/desembarque".

O órgão adiantou "que a concessionária responsável pelos novos ônibus já está verificando com o fabricante se há algum ajuste que pode ser feito para aprimorar o funcionamento do sistema".

Problemas
Apesar da melhoria com os novos ônibus, usuários reclamam de problemas como atrasos nos horários e superlotação. “Essa medida foi tomada só para tapear o povo, já que na maioria das vezes a gente continua sofrendo nos ônibus lotados e atrasados. A gente precisa de mais melhorias, pois ainda não está bom”, disse a diarista Luzia de Oliveira, 32 anos, que utiliza a linha 025 há quase um ano.

Para o eletricista João Paulo Figueiredo, 56, os novos coletivos são bem-vindos, mas ainda não são suficientes para resolver os problemas do sistema. “Até que fizeram algumas coisas, como os corredores e agora esses novos ônibus, mas ainda tem muito a fazer para justificar esse preço caro que a gente paga”, disse.

Em nota, a CMTC, responsável pela fiscalização da operação do transporte coletivo, disse que vai realizar um monitoramento na linha 025 para verificar se há atrasos e superlotação conforme as reclamações dos usuários.

Além disso, o órgão solicitou que "a população formalize as denúncias na sede da companhia, na 1ª Avenida, n.º 486, Setor Leste Universitário ou pelos telefones da Ouvidoria 0800-646-1851 e 3524-1851", para que possíveis mudanças e adequações possam ser feitas no sistema.

Por Fernanda Borges
READ MORE - Usuários aprovam novos ônibus em Goiânia, mas ainda citam problemas

Sistemas de energia da Linha 4 do Metrô Rio estão sendo conectados

Enquanto avançam as obras de infraestrutura da Linha 4 do Metrô (Barra da Tijuca – Ipanema), os sistemas que garantirão a energização e circulação dos trens estão sendo montados. O serviço está sendo feito entre São Conrado e Barra da Tijuca, no maior bitúnel escavado em rocha entre estações de metrô do mundo, um trecho de 5 Km. Na primeira etapa, os cabos de energia da Linha 4 foram conectados à subestação Botafogo pela Linha 1 do Metrô, no trecho entre as estações Botafogo e Cantagalo, entre julho de 2014 e janeiro deste ano.

Todos os cabos necessários para a implantação da Linha 4 do Metrô já foram comprados. Eles vêm em grandes bobinas, com aproximadamente 300 metros de cabeamento em cada bobina, pesando 2,5 toneladas. Com oito centímetros de espessura, o cabeamento pesa 8,3kg por metro.

Essas bobinas foram levadas para os túneis da Linha 4 em pranchas ferroviárias puxadas por uma espécie de mini locomotiva, o trackmobile, operada por um maquinista.

Em todo trecho da Linha 4 do Metrô, serão necessárias 370 bobinas com 110Km de cabos que, em funcionamento, estarão energizados. Entre São Conrado e Barra, a previsão é de que os cabos de quatro bobinas sejam lançados por dia. Nesse trecho, a via permanente está pronta, com trilhos, passarelas de emergência, sinalização e piloto automático e terceiro trilho instalados.

Mais de 300 mil pessoas vão usar a Linha 4 do Metrô

A Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro (Barra da Tijuca-Ipanema) é uma obra do Governo do Estado do Rio de Janeiro e vai transportar, a partir de 2016, mais de 300 mil pessoas por dia, retirando das ruas cerca de 2 mil veículos por hora/pico. Serão seis estações e aproximadamente 16 quilômetros de extensão. A ligação metroviária entre Ipanema e Barra da Tijuca estará à disposição dos passageiros em julho de 2016, com a operação comercial da nova linha nos mesmos horários das demais linhas do metrô. Será possível ir da Barra a Ipanema em 13 minutos e, da Barra ao Centro, em 34 minutos. Os usuários poderão ainda deslocar-se da Pavuna até a Barra da Tijuca pagando apenas uma tarifa.

READ MORE - Sistemas de energia da Linha 4 do Metrô Rio estão sendo conectados

Prefeitura divulga edital para obras de cinco corredores de ônibus em Goiânia

A Prefeitura de Goiânia divulga edital de licitação para a contratação de empresa de engenharia para a execução das obras e serviços de implantação de cinco corredores preferenciais de ônibus. O aviso de concorrência foi publicado nesta sexta-feira, 08, na imprensa nacional e local.

O processo licitatório será para a execução das obras dos corredores preferenciais de ônibus T-9, 24 de Outubro, Independência, 85 e T-63. O edital pode ser retirado pelo site da Prefeitura de Goiânia a partir de 12 de maio. As empresas interessadas deverão apresentar documentos e proposta no dia 12 de junho, às 9 horas, na sede da Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC), na 1ª Avenida, n.º 486, setor Leste Universitário, Goiânia, onde serão abertos os envelopes.

Com a implantação destes cinco corredores, a Prefeitura de Goiânia tem como objetivo promover o uso democrático do espaço público com prioridade ao transporte coletivo, que atendem nestas vias cerca de 520 mil pessoas por dia. Estes projetos também vão requalificar totalmente o espaço urbano com recapeamentos, ciclovia, calçadas acessíveis, abrigos de ônibus, sinalização, semáforos, fiscalização eletrônica, iluminação e câmeras de segurança.

Ao total, serão seis faixas de ônibus, somando o projeto do corredor T-7 que está em andamento, com 46,5 quilômetros. Os investimentos são de R$ 145,3 milhões, oriundos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) – Pacto pela Mobilidade, do Governo Federal e Tesouro Municipal.

O prefeito Paulo Garcia afirma que, a partir da organização das vias, os cidadãos – sejam pedestres, ciclistas, usuários do transporte coletivo e motoristas de veículos – terão suas necessidades de circulação nas vias públicas contempladas com a instalação de nova sinalização, mobiliários urbanos e equipamentos de segurança e fiscalização.

Segundo ele, a administração municipal está realizando obras que vão dar fluidez ao transporte coletivo e organizar o trânsito, garantindo uma melhor mobilidade urbana para as próximas décadas.

Por Lourdes Souza, da editoria de Transporte - Secretaria Municipal de Comunicação (Secom)

Informações: Governo de Goiás

READ MORE - Prefeitura divulga edital para obras de cinco corredores de ônibus em Goiânia

Ampliação do Rio Card Expresso gera dúvidas em usuários de Petrópolis

A oferta de novas aquisições dos cartões eletrônicos nos quatro terminais de ônibus em Petrópolis, Região Serrana do Rio, iniciada na segunda-feira (4), gerou uma série de confusões entre os usuários. Isso porque o Rio Card Expresso é o oferecido sob duas condições: a aquisição por R$ 1, valor que pode ser reembolsado caso o usuário não queira mais utilizar o cartão, ou cadastro, o qual é necessário a disponibilização do número de CPF para vinculação com o documento. Desde a implantação do novo mecanismo, mais mil usuários passaram a utilizar o cartão, que integra 222 linhas de ônibus em toda a cidade.

Segundo a assessoria do Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários de Petrópolis (Setranspetro), os benefícios do cadastro e vinculação do Rio Card Express são muitos, como por exemplo, possibilitar da realização de recarga através do portal da empresa na internet e do bloqueio do saldo, caso o usuário perca o cartão. Utilidades que não são ofertadas quando o cartão é adquirido a R$ 1.

Na prática, os usuários estão sendo abordados por três promotores nos horários de pico nos terminais de ônibus. Eles poderão escolher se preferem pagar R$ 1 pela aquisição do cartão e mais R$ 3,10 pela passagem de ônibus ou se preferem fazer o cadastro e pagar apenas o valor referente à tarifa do transporte e receber o cartão. Caso o usuário não tenha interesse no Rio Card Expresso, ele poderá recusar e fazer o pagamento da tarifa de ônibus em dinheiro, pagando R$ 3,20.

Com o cartão em mãos, o usuário poderá fazer recargar únicas no valor de R$ 3,10 nos próprios terminais de ônibus antes do embarque, fazer recarga de no mínimo R$ 5 nos terminais de auto-atendimento e a partir de R$ 10 na sede do Setranspetro que fica no número 100 da Rua do Imperador, no Centro.

Ainda segundo a Setranspetro, o objetivo da divulgação dos cartões, além de estimular a utilização pelo usuário, é transformar os números relacionados ao transporte público em informações que poderão ser utilizadas em benefício aos usuários. “Além de dar mais segurança aos profissionais que não precisarão andar com muito dinheiro e, consequentemente, a diminuição de assaltos”, explicou o Setranspetro.

Por Bruno Rodrigues
READ MORE - Ampliação do Rio Card Expresso gera dúvidas em usuários de Petrópolis

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960