Metrô do Recife sofre com vandalismo em dias de futebol

domingo, 1 de fevereiro de 2015

Quem usa o Metrô do Recife vai ficar sem o serviço na noite deste sábado (31) por conta do vandalismo. O Sindicato dos Metroviários de Pernambuco (Sindmetro-PE) informou, através de uma nota à imprensa, que o metrô vai parar de funcionar a partir das 19h. A justificativa é o vandalismo. Dois vagões e algumas estruturas do metrô foram danificados por torcedores no dia do clássico entre Santa Cruz e Sport, realizado no bairro do Arruda, na Zona Norte do Recife.

Desde às 16h deste sábado, o WhatsApp (8181-1818) do Diario recebeu fotos de estações danificadas, como o caso da Estação de Prazeres, no município de Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife. Nas imagens, além dos vagões apedrejados, imagens de passageiros correndo, em clima de pânico. No momento da confusão, não foi identificado qual a torcida foi responsável pela destruição do patrimônio público.

A decisão de suspender os serviços foi tomada pelos funcionários do Metrô do Recife, que já tinham alertado à Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) sobre os riscos de operação durante os jogos dos times da capital. Normalmente, o Metrô funciona das 5h até às 23h. Os dois vagões depredados, e que tiveram janelas quebradas neste sábado, seguem para a manutenção. A intenção é que os dois vagões voltem a funcionar já nesta segunda-feira (2). Além do patrimônio público, funcionários e passageiros foram agredidos no Metrô.

O assessor de imprensa do Sindmetro-PE, o jornalista Salvino Gomes, compartilhou na sua página do Facebook a decisão dos funcionários do Metrô do Recife. “Infelizmente, informo que devido à violência praticada pelos bandidos que se dizem torcedores, o Metrô do Recife fechará todas as estações a partir das 19h por falta de segurança para funcionários e passageiros. É a vitória dos bandidos em detrimento dos trabalhadores”.

Informações: Diário de Pernambuco

Vejam o vídeo da selvageria dos vândalos atormentando funcionários do metrô e usuários.

READ MORE - Metrô do Recife sofre com vandalismo em dias de futebol

São Paulo testa software para modernizar gestão 'arcaica' dos ônibus

Hoje em dia, monitorar os 15 mil ônibus da cidade de São Paulo requer uma boa dose de trabalho manual. Para saber se as empresas cumprem os contratos ou quantas pessoas circulam nas linhas, por exemplo, fiscais precisam ir às ruas para checar tudo pessoalmente. A rotina, chamada de "arcaica" pela própria SPTrans, órgão municipal responsável pelo sistema, pode estar prestes a mudar.

A SPTrans testa um software para modernizar a gestão dos ônibus e trazer inteligência para o sistema. Criado pela empresa americana Urban Engines, o programa reúne informações do sistema Bilhete Único, cartão usado no pagamento de passagens, e dos aparelhos de GPS dos veículos.

As informações serão analisadas pelo software e exibidas em um mapa digital, no qual será possível ver, em tempo real, onde estão os ônibus da capital paulista, a velocidade média de cada linha, quantas passageiros embarcam em cada ponto e com quanto da capacidade cada ônibus circula em dado momento.
"Hoje, geramos cerca de 30 milhões de dados por dia sobre a frota. É um volume gigantesco, mas que fica subutilizado, porque não conseguimos avaliá-lo adequadamente", diz Ciro Biderman, diretor da SPTrans, à BBC Brasil. "Este software permite fazer isso e pode ajudar a melhorar nosso planejamento."

Os testes estão sendo financiados pelo Banco Mundial e realizados com dados de julho a setembro de 2013. Se os responsáveis pelo transporte em São Paulo considerarem que a análise é necessária para melhorar a inteligência do sistema, precisarão abrir licitação para contratar este tipo de serviço.
"As primeiras mudanças na frota devem ocorrer no segundo semestre", diz Biderman. "Mas, como é um serviço essencial, qualquer ajuste será conversado com os usuários. Afinal, são eles que pagam por tudo isso."

Papel e caneta
Atualmente, o planejamento depende de levantamentos trabalhosos, como a Pesquisa de Mobilidade Urbana, feita a cada dez anos a partir de visitas a milhares de residências da região metropolitana da capital paulista, e de informações coletadas pessoalmente por funcionários da Prefeitura.

Munidos com papel e caneta, fiscais registram em planilhas, durante visitas aos terminais, os horários de saída dos ônibus para checar se as viagens previstas em contrato estão sendo cumpridas. Se houver infração, a companhia contratada pode ser multada – o que demora até duas semanas, da coleta dos dados à emissão da penalidade.

Para saber quantas pessoas circulam nas linhas, um funcionário municipal conta os passageiros de cada veículo, muitas vezes a partir do ponto. Questionado se o modo como o sistema é monitorado não é ultrapassado, Biderman reconhece: "É extremamente arcaico".

O software que está sendo testado pela SPTrans pode mudar este cenário. Com ele, o órgão pode saber imediatamente quando um ônibus quebra, quais trajetos estão lentos, quantas linhas estão superlotadas ou ociosas e verificar mais rapidamente se uma empresa não cumpre o prometido e puni-la - ou premiar quem faz um bom trabalho.

Numa demonstração feita à BBC Brasil, sempre com os dados de 2013, chamou atenção o grande número de pontos cinza escuro no mapa da cidade em 19 de agosto daquele ano. Eles indicam ônibus que circulam com menos de 15% da capacidade e apareciam em quantidade bem maior do que os pontos vermelhos, que representam ônibus com mais de 85% de lotação.

Isso surpreendeu a SPTrans. "Já desconfiávamos que houvesse linhas subutilizadas, mas não esperávamos tantos ônibus circulando ociosos", afirma Biderman.
"Nosso monitoramento não mostrava isso. É como ver uma floresta de cima e pensar que ela está repleta de árvores. Mas, ao olhar de perto, vemos clareiras."

O diretor da SPTrans explica que, para que fosse possível usar um software na gestão da frota, antes foi necessário automatizar a coleta de dados, integrando o Bilhete Único e os sistemas de GPS. "Não foi algo trivial e só acabou em 2010", diz Biderman.
"Essa inteligência digital é algo novo. Portland, nos Estados Unidos, foi pioneira e só começou em 2006. E só é possível hoje porque o preço para guardar um volume tão grande de dados e processá-los caiu muito nos últimos anos."

Por Rafael Barifouse
Informações: BBC Brasil em São Paulo
READ MORE - São Paulo testa software para modernizar gestão 'arcaica' dos ônibus

Centrais de Controle do Sistema Vetor/BRT são instaladas em Uberaba

O Sistema Vetor/BRT terá seu passeio inaugural às 9h30 desta sexta-feira (30). As Centrais de Controle Operacional (CCO) do novo sistema receberam os últimos ajustes nesta quinta-feira (29). As centrais abrangem os semáforos inteligentes, o monitoramento dos terminais e estações-tubo e também o monitoramento dos ônibus com GPS, por meio de painéis instalados nos dois terminais do transporte coletivo.

Segundo Juliano Christimann, engenheiro eletricista/supervisor de Manutenção da Dataprom Equipamentos e Serviços de Informática Industrial Ltda, o sistema é todo automatizado e manda informações dos semáforos para a central. Ele explicou ainda que no próprio semáforo ficam armazenadas as informações relativas ao tempo do sinal vermelho, verde e amarelo. Mas se for necessário, o operador pode intervir a partir da central.

Christimann informou também que os semáforos têm sensores instalados antes das transversais e trasmissores nos ônibus, que ao se aproximar das interseções, envia um sinal para o semáforo que otimiza o tempo do veículo. “Ele prolonga o verde para dar tempo do ônibus passar, ou diminui o tempo do verde da transversal para que o ônibus fique o menor tempo possível no vermelho, otimizando todo o tempo do transporte coletivo na viagem entre os terminais”, explicou o engenheiro, destacando que todo o sistema é configurado e os ajustes vão ocorrer a partir do momento em que o sistema for colocado em operação. “Fazemos várias testes, mas o padrões só são ajustados com o sistema em funcionamento”.

A equipe de semaforarização do Departamento de Trânsito da Settrans participou do treinamento. Também está em fase final de implantação e teste a Central de Monitoramento das câmeras dos terminais Oeste e Leste e das estações-tubo. Em tempo real a movimentação dos usuários será acompanhada, o que aumentará a segurança e garantirá um atendimento ágíl em caso de necessidade. “Estamos acertando alguns detalhes, mas o sistema em operação é que nos mostrará onde precisamos ajustar e adequar, por isso no início ele funcionará em caráter experimental. É em operação que o sistema nos dará as informações necessárias para trabalhar e vamos monitorá-lo 24 h”, explicou o superintende de Transporte Coletivo, Claudinei Nunes.

Com a implantação do Sistema Vetor/BRT, Uberaba amplia o seu trabalho de monitoramento por GPS com 24 novos painéis de 48 polegadas nos terminais Leste e Oeste para informar os horários de chegada e saída dos ônibus. Uberaba já possui outros 91 painéis espalhados pela cidade.

Inauguração
O Sistema Vetor/BRT terá seu passeio inaugural nesta sexta-feira (30). O prefeito Paulo Piau receberá jornalistas e autoridades no Terminal Leste (Manoel Mendes) de onde seguirá pela Avenida Leopoldino de Oliveira, passando pelas estações tubo até o Terminal Oeste (Univerdecidade). Ao longo do dia, até as 18h, as equipes do “Posso Ajudar” estarão nos terminais e estações-tubo auxiliando quem for conhecer o sistema e tiver interesse em percorrer o trecho do BRT gratuitamente, indo de um terminal a outro.

Segundo Claudinei Nunes, o Sistema Vetor/BRT vai operar em conjunto com o transporte coletivo regular, visto que entrará em operação experimental somente no sábado (31). “Sexta-feira é um dia para que os usuários ou não do sistema vejam como ficaram as estações, os terminais e como funciona o sistema. Sendo assim, outros ônibus de transporte coletivo estarão na avenida e vão utilizar a faixa da direita. Alertamos os motoristas para que evitem a Leopoldino de Oliveira, busquem rotas alternativas”, alertou. 

Vale lembrar que mais de 80 ônibus serão retirados da avenida Leopoldino de Oliveira a partir de sábado. Nunes lembra ainda que a faixa exclusiva do BRT não pode ser utilizada por nenhum tipo de veículo, ou seja, nem outro tipo de ônibus pode utilizar a faixa. A medida é para garantir a prioridade do transporte público, a segurança e o bom funcionamento do sistema que é automatizado. O foco é o coletivo.

Informações: G1 Triângulo Mineiro
READ MORE - Centrais de Controle do Sistema Vetor/BRT são instaladas em Uberaba

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960