Passageiros de ônibus reclamam de superlotação em terminal de Curitiba

quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Os moradores de Curitiba que precisam usar o terminal de ônibus do bairro Cabral reclamam da demora e da superlotação dos coletivos. O espaço recebe passageiros de vários bairros da região norte da capital e também de municípios da Região Metropolitana. Entre as queixas, há relatos até de brigas para conseguir embarcar nos veículos.

“Dá briga. Eles discutem, xingam, empurram, não têm um pingo de educação”, conta a cozinheira Rosana da Silva. “Eu pego três ônibus todos os dias e é sempre a mesma coisa. Não tem diferença, é um pior que o outro”, diz outra passageira.

Os passageiros reclamam do aperto em que vivem diariamente pela superlotação. O quadro é pior nos horários de pico. De manhã, para evitar o problema, alguns esperam vários minutos, até que um ônibus menos cheio possa garantir algum conforto.

A situação atinge até os ônibus biarticulados, que podem transportar 270 passageiros por viagem. “Olha, normalmente, na segunda-feira, [espero] pelo menos quatro ônibus. Só que há duas semanas eu esperei nove biarticulados aqui. É ridículo isso aqui”, diz outro passageiro.

A Urbs e a Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec), autarquias que cuidam das linhas que atendem o terminal do Cabral, foram procuradas para comentar as reclamações dos passageiros. Nenhuma, porém, indicou ações que possam melhorar a qualidade do serviço oferecido, mesmo num quadro em que cada passagem custa R$ 3,30 aos moradores que usam o transporte coletivo.

READ MORE - Passageiros de ônibus reclamam de superlotação em terminal de Curitiba

No Recife, Entorno do Mercado de Nova Descoberta com estacionamento proibido


Com a ação, o trecho da Rua Córrego da Areia, compreendido entre as ruas Josélia e Croalandia, terá o estacionamento proibido permanentemente do lado direito e estacionamento proibido de segunda a sábado, das 6h às 20h, no lado oposto, para os condutores que seguem no sentido Rua Croalandia/ Rua Josélia. Ainda na Rua Córrego da Areia, no trecho entre as Ruas Josélia e Nova Descoberta, o estacionamento será proibido permanentemente dos dois lados, exceto para os veículos que irão realizar carga/descarga, entre segunda e sexta-feira, das 12h às 16h, no trecho indicado pela sinalização vertical.

A Rua Nova Descoberta também terá o estacionamento disciplinado. Os condutores serão proibidos de estacionar nos dois lados da via, no trecho onde está localizado o mercado público do bairro, entre a Rua Córrego da Areia e a Avenida Vereador Otacílio Azevedo. Aqueles que desejarem realizar carga/descarga, terão uma vaga destinada a esse tipo de operação.

A iniciativa,da Secretaria de Mobilidade e Controle Urbano (Semoc), está vinculada a uma série de ações de ordenamento do comércio informal no largo comercial de Nova Descoberta. A CTTU implantou cerca de 80 placas de sinalização vertical e toda a sinalização horizontal, incluindo uma faixa de pedestres em frente à Escola Municipal Professor Moacir de Albuquerque, localizada na Rua Córrego da Areia. Além disso, equipes de agentes de trânsito estarão nos locais para orientar os condutores e informar sobre as mudanças durante a primeira semana de implantação. A Companhia orienta que os motoristas  respeitem a sinalização e tenham atenção às alterações implementadas para evitar transtornos.

Desde o primeiro semestre do ano a Secretaria de Mobilidade e Controle Urbano (Semoc), vem realizando o ordenamento do comércio informal no largo comercial de Nova Descoberta. Cerca de 130 ambulantes e feirantes cadastrados foram realocados para o pátio do mercado público do bairro, liberando a calçada para os milhares de pedestres que circulam no local. A previsão é que até novembro deste ano 98 feirantes sejam transferidos para o novo pátio de feira que está sendo construído na área. O restante dos comerciantes serão destinados para a área internada do mercado.

READ MORE - No Recife, Entorno do Mercado de Nova Descoberta com estacionamento proibido

VLT Cuiabá-Várzea Grande parado gera prejuízo de R$ 10,8 mi

Mesmo com as obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) paralisadas, o prejuízo financeiro mensal chega a R$ 1,2 milhão. A afirmação foi feita pelo o gerente comercial da CAF Indústria e Comércio, Ricardo Sanchez, nesta segunda-feira (28). A empresa, que integra o Consórcio VLT Cuiabá-Várzea Grande, pretende ir à Justiça pedir o ressarcimento da quantia que, a contar de janeiro, já chega a R$ 10,8 milhões.

Conforme Sanchez, o Consórcio vem cumprindo o contrato, porém, pela falta de pagamento, as obras seguem paradas, causando um custo enorme à empresa. Ainda conforme o gerente comercial, um relatório com todos os valores já foram apresentados à Assembleia Legislativa e também ao governo do Estado.

"São custos não previstos, anteriormente, a obra já deveria estar pronta, há um tempo, temos cumprido o contrato, mantido todo os sistema funcionando, os custos têm variado, mas aproximadamente R$ 1,2 milhão por mês e o Estado tem ciência disso [...] Estamos aguardando ansiosamente o retorno da obra",afirmou.

O Consórcio ressalta que as medições em atraso, a falta de pagamentos de materiais comprados e de obras realizadas, são os principais fatores para que as obras do VLT continuem paralisadas.
"Sem o pagamento dos atrasados para que a gente possa retornar e sem as desapropriações, não tem como avançar o projeto", destaca o gerente.

Uma simulação apresentada pelos representantes do consórcio VLT Cuiabá-Várzea Grande, no começo deste mês, à Comissão de Infraestrutura Urbana e de Transporte da Assembleia Legislativa, demonstrou que caso a obra fosse concluída, ainda este ano, custaria R$ 1,8 bilhão, saindo quase R$ 400 milhões a mais do que o que previa o contrato: R$ 1,477 bilhão. Com o novo cronograma, o valor atingirá R$ 2,2 bilhões.

"Esses números todos são contratuais, se aplicar os cálculos contratuais chegam nesse número [...] A obra foi contratada na data zero à R$ 1,477 bilhão, mas no final ela não ia custar mais isso, estava previsto em contrato", finalizou.

Para o deputado Emanuel Pinheiro (PR), integrante da Comissão de Infraestrutura Urbana e Transporte, o prejuízo mensal pode ser negociado com o Estado.
"Tudo isso se negocia depois que o governo bater na mesa e tomar a decisão política de fazer o VLT, isso que a população deseja, isso que nós queremos [...] A obra tem que ser retomada", disse o parlamentar.

Outro lado
A Secretaria de Estado das Cidades (Secid-MT) afirma que não vai comentar o assunto e destaca que o Governo está contratando uma consultoria para dar respostas sobre a viabilidade técnica, financeira e econômica do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT).  

READ MORE - VLT Cuiabá-Várzea Grande parado gera prejuízo de R$ 10,8 mi

No Recife, Aplicativo mostra paradas de ônibus e horário dos coletivos

terça-feira, 29 de setembro de 2015

O Cittamobi, aplicativo para smartphones desenvolvido no Recife, é um grande aliado para quem anda de ônibus. Mais de dois milhões de pessoas utilizam a tecnologia em 17 cidades do Brasil -- só no Recife, são 720 mil usuários. O aplicativo é gratuito e bastante fácil de usar. 

Assim que você baixa o programa no celular, ele mostra no mapa sua localização e quais são as paradas de ônibus mais próximas. Basta escolher um ponto de ônibus e o aplicativo também se encarrega de mostrar quais as linhas que passam ali e qual o horário de chegada de cada coletivo.

A primeira versão do aplicativo foi lançada oficialmente em fevereiro de 2014, no Recife. O app foi criado pela empresa Cittati, que já atendia ônibus da Região Metropolitana do Recife, produzindo os GPSs que são instalados no veículo.

De acordo com Carlos Sampaio, gerente comercial da Cittati, o aplicativo foi criado para atender o usuário. "A Urbana-PE solicitou o app porque uma das grandes reclamações era o tempo que se passava no ponto. A intenção era fazer com que esse tempo fosse menor", explica. Para gerar as informações, o app usa dados dos GPSs dos ônibus.

Sampaio também explica que as informações sobre os horários e itinerários dos ônibus podem ser acessadas pelo aplicativo, que pode ser instalado em celulares e tablets, ou ser consultado pelo site do Cittamobi. "Muitas pessoas não têm smartphone e a intenção é que você possa olhar qual a previsão do ônibus antes de sair de casa ou do trabalho, por exemplo", diz.

Quem quiser tirar dúvidas sobre o Cittamobi pode acessar o site oficial do aplicativo. Outras informações sobre os ônibus e as linhas que circulam no Recife pode ligar para o Grande Recife Consórcio de Transporte, através do telefone 0800.0810158.

Informações: G1 PE

READ MORE - No Recife, Aplicativo mostra paradas de ônibus e horário dos coletivos

Mercedes desenvolve motor-gerador para Eletra

A Mercedes desenvolveu para a Eletra um motor-gerador de seis cilindros para aplicação no chassi superarticulado O 500 UDA de 23 metros, com quarto eixo direcional. Chamado de Dual Bus e com tecnologia Eletra, o veículo é considerado híbrido. Quando utiliza apenas as baterias, a versão é um elétrico puro. 

Também pode ser usado como trólebus, operando em áreas com rede aérea quando necessário. O modelo híbrido reduz significativamente a emissão de poluentes, que chega a zero na operação com o motor-gerador desligado. 

“A escolha pelo superarticulado O 500 UDA proporciona maior facilidade de operação, aspecto importante nas estações e terminais de passageiros”, afirma Curt Axthelm, gerente sênior de marketing de produto da Mercedes-Benz do Brasil. 

O Dual Bus está no 11º Salão Latino-Americano de Veículos Elétricos, que ocorre até 26 de setembro no Expo Center Norte, em São Paulo. O chassi superarticulado é utilizado nos principais corredores de ônibus do Brasil e já teve mais de 900 unidades vendidas. Na cidade de São Paulo ele se torna cada vez mais comum desde que começou a circular, no primeiro semestre de 2013. Pelo comprimento e capacidade de passageiros (quase 60 sentados e mais de 100 em pé), vem tomando espaço dos biarticulados.

Informações: Automotive Business

READ MORE - Mercedes desenvolve motor-gerador para Eletra

Integração do metrô de Salvador será sem bilhete único

Prevista para ser entregue na primeira quinzena de novembro, juntamente com a estação Bonocô, a estação Pirajá irá  marcar o início da operação comercial do modal,  bem como, inicialmente, a sua integração com os ônibus metropolitanos.

Ainda sem valores definidos, mas já estabelecido, no entanto, a primeira fase de integração não será via bilhete único, segundo informações da assessoria de comunicação da Secretaria de Desenvolvimento Urbano do Estado (Sedur).

Conforme a assessoria de comunicação do órgão, o valor da tarifa depende da concordância de todas as partes envolvidas (governo, prefeitura e empresas de ônibus). Já se sabe, entretanto, que a integração será inciada, a princípio, via estação Retiro e apenas com ônibus metropolitanos.

O secretário municipal de Mobilidade (Semob), Fábio Mota, explica que a integração, nesse momento, não será possível porque as linhas que alimentarão essas estações fazem parte da Região Metropolitana de Salvador.

"São 652 ônibus metropolitanos que trafegam pela capital. E eles não dispõem de bilhetagem única. Para integrar, é preciso criar o sistema de bilhete único. E quem tem essa prerrogativa é o estado, já que os ônibus são geridos pela Agerba (Agência Estadual que regula o transporte)", esclarece Fábio Mota.

Testes

Na última terça-feira, o metrô chegou pela primeira vez em Pirajá, última parada da linha 1 que terá 11 km de extensão.  O modal ainda será estendido com o tramo 3, que se encontra em fase de estudos, ligando a estação Pirajá até Cajazeiras, passando por Águas Claras.

O governador Rui Costa comemorou os testes e destacou o bom andamento da obra, que após dois anos sob tutela do estado, entrou em operação e agora tem a Linha 1 praticamente finalizada. "Estamos muito próximos de liberar (a estação Pi rajá) para os passageiros. Em apenas 2 anos, entregamos praticamente a mesma distância que levou 13 anos em construção, e não operava. O número de estações também dobrou, eram quatro, agora são oito.

O secretário da Sedur Carlos Martins, também comemorou o sucesso da operação do metrô, "O metrô já está inserido na realidade dos soteropolitanos. A tendência é beneficiar mais pessoas", pontuou Martins.

Por Jair Mendonça Jr.
READ MORE - Integração do metrô de Salvador será sem bilhete único

Grande Recife: Implantação de um Sistema BRT na rodovia BR-101 vai por água abaixo

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

A crise e a falta de perspectiva econômica do País travaram mais uma das inúmeras obras de mobilidade anunciadas com pompa pelo governo de Pernambuco, ainda na gestão do falecido ex-governador Eduardo Campos. Dessa vez a vítima é o corredor exclusivo de BRT (Bus Rapid Transit) previsto para ser construído na BR-101. Nada saiu do papel desde que foi anunciado, ainda no início de 2013, e agora a Secretaria das Cidades avisa: o projeto está engavetado, sem prazo para voltar a ser discutido. Por enquanto, a rodovia federal terá apenas a operação tapa-buraco e, só no futuro, será feita a restauração completa. Mas nada de transporte público de qualidade.

O Corredor de BRT seria implantado nos 30,6 quilômetros do contorno urbano que a BR-101 faz da Região Metropolitana do Recife. Ligaria o Terminal Integrado de Abreu e Lima, no extremo norte, ao TI de Cajueiro Seco, em Jaboatão dos Guararapes, no extremo sul. Na época, foi anunciado como um mega projeto pelo governo. Somente a implantação do corredor exclusivo de BRT custaria R$ 550 milhões. Todo o projeto da BR-101, incluindo a restauração do contorno e as obras d’arte, como são chamadas as pontes, viadutos e elevados, tinham custo superior a R$ 800 milhões.

Seriam construídas 39 estações de BRT e até um elevado exclusivo para os ônibus entre a Avenida Caxangá e a BR-232, exatamente no trecho de maior movimento da BR-101. A previsão era atender 150 mil passageiros. Hoje, as 13 linhas que circulam na rodovia – a quarta perimetral do Recife e de extrema importância operacional para o SEI (Sistema Estrutural Integrado) – transportam 120 mil pessoas por dia, mas em péssimas condições e sem qualquer conforto.

“Infelizmente tivemos que desistir do projeto. A implantação do corredor de BRT estava dividida em três segmentos de dez quilômetros cada e conseguimos assinar um termo de compromisso para receber R$ 132 milhões do governo federal apenas para o primeiro. Não para os outros. Diante do cenário nacional atual, decidimos que o corredor não é prioridade. Que não devemos tentar iniciar um novo projeto tendo outros pendentes. Temos que terminar o que está em obras. Esse é nosso compromisso”, explicou o gerente-geral de mobilidade da Secretaria das Cidades, Gustavo Gurgel.

Não pesou apenas a dificuldade financeira do governo estadual, que assinou decreto de contigenciamento para reduzir em 25% as despesas administrativas, mas principalmente a instabilidade econômica da União. “Não dá para, no momento atual, apostar em uma obra que dependa de recursos federais. É muito risco de descontinuidade. Também não dispomos, agora, de recursos para a contrapartida que o Estado teria que dar. Por isso decidimos que iremos fazer a recuperação emergencial da BR-101 e, futuramente, apenas a restauração da pista”, reforçou Gurgel. Dos R$ 182 milhões previstos para a restauração da rodovia, R$ 120 milhões já estão à disposição da Secretaria das Cidades.

Informações: Jornal do Comércio

READ MORE - Grande Recife: Implantação de um Sistema BRT na rodovia BR-101 vai por água abaixo

Em Campo Grande, Sistema que permitiria usuário rastrear ônibus não sai do papel

No dia 25 de outubro deste ano o contrato de concessão do sistema de transporte coletivo de Campo Grande completa três anos. Em meio às discussões sobre aumento de tarifa, qualidade do serviço e obrigações do Consórcio Guaicurus, que é o responsável pelo serviço, o sistema de informações georreferenciadas, uma das obrigações contratuais das empresas, completará um ano de atraso.

O chamado georreferenciamento, que deveria ter sido implementado até o 24º mês da concessão, em outubro de 2014, conforme o item 5.1.2.1. do Edital de Concessão.

Esse sistema permitiria ao passageiro programar sua viagem, saber exatamente o ônibus está, o horário exato que o ônibus vai passar em determinado ponto, qual tempo de viagem para seu destino, tudo por meio de uma ferramenta online, por aplicativo em smarthphones ou por totens e monitores instalados nos terminais e pontos de integração.

Por Lucas Junot
READ MORE - Em Campo Grande, Sistema que permitiria usuário rastrear ônibus não sai do papel

Transporte público precisa de R$ 235 bi, estima BNDES

Criada em 2012, a Lei de Mobilidade Urbana é considerada um avanço para especialistas no tema, mas com limitações. O objetivo do projeto é estimular o transporte público e, também, o não motorizado (bicicletas).

"A lei não resolve, em si, o problema. Ela coloca mais recursos, acelera investimentos, mas o que vai resolver mesmo é a solução de mobilidade que cada cidade vai adotar", diz o arquiteto e urbanista Jaime Lerner, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo. Larner foi prefeito de Curitiba por três vezes e implementou o sistema de transporte público do município, que foi exportado para mais de 300 cidades no mundo.

No entanto, a crise pode ter causado reflexo na liberação de recursos. A estimativa do BNDES é que seriam precisos R$ 234,78 bilhões de investimento em transporte público para resolver os problemas de mobilidade urbana nas 15 principais regiões metropolitanas do país.

Entretanto, mesmo com os recursos escassos, o chefe do departamento de mobilidade urbana do BNDES, Rodolfo Torres, considera que este é o momento de planejar. "São Paulo e Rio estão mais avançados. No caso do Rio, também por causa da Olimpíada. Mas outros casos começam a sair do papel, como o metrô de Salvador", disse à Folha.

Informações: Noticias ao Minuto

Leia também sobre:
READ MORE - Transporte público precisa de R$ 235 bi, estima BNDES

No Recife, BRT na Av. Agamenon Magalhães não sai do papel

sábado, 26 de setembro de 2015

O ramal do sistema Bus Rapid Transit (BRT) da Avenida Agamenon Magalhães corre risco de não sair do papel. Após vários prazos vencidos para o início das obras, o projeto está sendo avaliado pelo governo do estado, que vai decidir se o trecho é prioritário no atual momento. Embora ainda não tenha descartado oficialmente a implantação do BRT na artéria, a Secretaria de Cidades já não trabalha mais com prazos e diz que não sabe se a pauta vai entrar nos planos do estado.

Diante da falta de perspectivas para o projeto, a Companhia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU) estuda implantar uma Faixa Azul na Agamenon Magalhães, com o objetivo de melhorar o fluxo do transporte coletivo no corredor. A velocidade média da via, em horários de pico, é de 17km/h.

“Houve a contratação de empresa para a implantação do Ramal Agamenon Magalhães, mas a companhia não tem interesse em continuar. Está ocorrendo processo de distrato contratual”, informou, através de nota, a assessoria da Secretaria das Cidades de Pernambuco.

Segundo o gerente de Mobilidade da pasta, Gustavo Gurgel, há um termo de compromisso entre a secretaria e a Caixa Econômica Federal, no valor de R$ 120 milhões, para a realização das obras. Ele acrescenta que o grau de prioridade do serviço será uma avaliação administrativa que não se deve à falta de recursos. No inicío do ano, contudo, a pasta justificou que as obras, previstas inicialmente para serem entregues antes da Copa do Mundo, estavam atrasadas porque a verba do governo federal não havia sido liberada.

Análises
Por causa da intenção de implantar o ramal, a via ficou de fora das prioridades da CTTU para a Faixa Azul, sistema de faixas exclusivas para ônibus e táxis com passageiros que deve abranger 60km até o fim de 2016. “A possibilidade de implantar uma Faixa Azul na avenida não está descartada, mas depende dos resultados de uma série de análises técnicas e simulações de engenharia de tráfego, que indiquem a viabilidade de garantir um aumento considerável na velocidade dos transportes coletivos que circulam no local”, ponderou a CTTU, por nota. O órgão afirmou que os estudos serão realizados.

READ MORE - No Recife, BRT na Av. Agamenon Magalhães não sai do papel

Obras das Linhas 1 e 2 do Metrô avançam em Salvador

Aproximadamente seis mil trabalhadores, entre diretos, indiretos e terceirizados, estão dando continuidade às obras da Linha 1 e a construção da Linha 2 do Metrô de Salvador. Atualmente, os operários erguem os pilares e travessas que vão formar a mesoestrutura da Estação Detran, uma das 13 estações da Linha 2, que fazem parte do Sistema Metroviário Salvador-Lauro de Freitas, que, no total, terá 41 quilômetros de extensão.

Na tarde de quinta-feira (24), o diretor presidente da CCR Metrô Bahia, Luis Valença, visitou o canteiro de obras da estação Detran e informou sobre o andamento das intervenções e os prazos previstos para conclusão dos trechos. A obra da estação Bonocô, por exemplo, está sendo executada sem interferir no funcionamento do metrô, que continua com operação assistida da Lapa ao Bom Juá. Uma grade de proteção foi instalada para proporcionar segurança aos operários.

Há seis meses desempenhando a função de soldador, Júlio Cézar Santos Santana, morador do bairro Engenho Velho de Brotas, se sente duplamente realizado. Primeiro, por não estar mais desempregado. Segundo, por ajudar a realizar um sonho antigo da população – ver o metrô funcionando. “Eu estava desempregado. [Há] um certo tempo parado.

Aí, surgiu essa oportunidade. Graças a Deus, estou trabalhando aqui, levando sustento para minha família. Esta obra está sendo muito importante. A pessoa vai chegar no aeroporto. De lá, rápido, já está na Rótula [do Abacaxi], Lapa, vai ser um tapa, né? Eu vou usufruir do metrô. Meus filhos, minha família também. Eu sei que vai ser uma realidade”, afirma Santana. Para o servente Fabrício Marques, morador do bairro da Ribeira, trabalhar na obra do Sistema Metroviário Salvador-Lauro de Freitas “é uma honra, um mérito, participar junto com todos dessa grande obra que trará uma grande mobilidade para nossa cidade”.

Informações: Tribuna da Bahia


READ MORE - Obras das Linhas 1 e 2 do Metrô avançam em Salvador

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960