Reclamações de passageiros de ônibus em São Paulo caem 45% em um ano

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Um dos medidores de satisfação dos usuários de ônibus na cidade de São Paulo, as reclamações sobre o sistema caíram 45% na comparação entre janeiro e setembro do ano passado com o mesmo período de 2014. Segundo dados da SPTrans, empresa municipal que administra ônibus e empresas na capital, nos nove primeiros meses de 2013 foram recebidas 73.037 reclamações de usuários. Neste ano, o número caiu para 40.118. A prefeitura credita a redução à implantação das faixas exclusivas de ônibus.

A SPTrans divulgou apenas os números de cinco tipos de reclamações: intervalo excessivo da linha, motorista não parar no ponto quando solicitado, conduta inadequada do operador, direção perigosa e não realizar ou descumprir partidas programadas.

Desses itens, o de intervalo excessivo foi o que apresentou queda mais significativa no período analisado, passando de 30.857 em 2013 para 12.615 neste ano – redução de 59%. Apesar da queda de reclamações, é o item que gera o maior número de queixas por parte dos passageiros.

Quem se queixa disso, por exemplo, é a analista de sistema Bruna Valnei, 29 anos. Moradora do bairro de São Mateus, na zona leste de São Paulo, ela precisa pegar um ônibus e o metrô para chegar ao trabalho na Santa Cecília, na região central.

“Dentro do terminal Carrão, só tenho uma linha que me deixa perto de casa. Costumo pegar esse ônibus por volta das 21h. Chego a esperar 25 minutos. Quando pergunto para os fiscais o motivo da demora, eles dizem que é trânsito. Mas nesse horário nem é mais hora de pico ”, diz.

No segundo lugar do ranking, o item de não atendimento ao embarque e desembarque teve redução de 41%, passando de 19.341 em 2013 para 11.341 até setembro deste ano. Este item também foi apontado pela analista de sistema como problemático em sua região. Ela diz que frequentemente ônibus deixam de parar no ponto porque já tem outro que faz o mesmo trajeto e tem o mesmo destino embarcando passageiros. “Só que o da frente já está cheio e a gente não consegue entrar”, reclama.

Os itens conduta inadequada do operador e direção perigosa tiveram redução de 29% e 38%, respectivamente. O descumprimento ou não realização de partidas programadas teve redução de 10% no número de queixas. Entre os itens, este foi o que recebeu o menor número de reclamçãoes. Foram 3.932 neste ano, contra 4.391. Curiosamente, segundo relatórios parciais da verificação independente dos contratos dos serviços de transporte coletivo da cidade, produzidos pela empresa Ernst & Young (EY), concessionárias e permissionárias podem ter ganhos financeiros de até R$ 370 milhões ao não cumprir partidas programadas. A informação foi divulgada nesta quinta-feira (4) pela Prefeitura de São Paulo. 

"O pagamento às empresas é calculado de acordo com passageiros transportados. No entanto, quando você não realiza as partidas, coloca menos ônibus e o mesmo número de passageiros. Então, a prefeitura paga caro por um serviço ruim e a população fica apertada e espera um ônibus que não vem", explica o engenheiro e mestre em transporte pela USP, Sérgio Ejzenberg. 

Faixa exclusiva

A SPTrans informou que as reclamações caíram porque a velocidade dos coletivos aumentou com a consolidação da implantação das faixas exclusivas de ônibus. Uma das principais ações do governo de Fernando Haddad (PT), 368,5 km de faixas exclusivas foram criadas nesta gestão. Ao todo, a cidade tem 458,5 km de vias segregadas para os coletivos. 

“A queda de reclamações é resultado de uma série de medidas adotadas pela Secretaria Municipal de Transportes, como a implantação de mais de 360 quilômetros de faixas exclusivas à direita, o que permitiu o aumento da velocidade dos ônibus, diminuindo o tempo de espera nos pontos de parada, com ações de tratamento das queixas dos usuários”, informa, em nota. 

Para o consultor em planejamento de transporte Marcos Bicalho, as faixas realmente contribuíram para percepção de que o transporte de ônibus melhorou. No entanto, diz ele, isso tem que ser confrontado com dados reais de velocidade do sistema.

“A percepção do usuário é mais difusa e pode refletir uma série de fatores. Ela pode ser maior do que de fato a medida porque as pessoas sentem uma sensação boa quando estão em um ônibus em movimento, enquanto os carros estão parados nas outras faixas, mesmo que ele tenha perdido muito tempo no ponto”.

De acordo com pesquisa realizada pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e divulgada em setembro deste ano, a velocidade dos coletivos aumentou 68,7% nas faixas inauguradas nos oito primeiros meses de 2014. A velocidade foi medida em 66 trechos que somam 59,3% de vias onde a velocidade passou de 12,4 km/h para 20,8 km/h.

A assistente de eventos Angélica Santiago, 27 anos, que mora no Jardim São Bernardo, na região do Grajaú (zona sul), e usa apenas um ônibus para chegar ao trabalho no Brooklin Novo, na mesma região, elogia as mudanças no sistema de transporte.  

“Os ônibus chegam mais rápido no ponto. Antes, ficava esperando mais de 10 minutos. Agora não fico nem cinco. Apesar de mais rápidos, os motoristas estão mais cuidadosos e não dirigem como se transportassem uma carga de boi”, diz, elogiando o aumento no número de radares.

“A prefeitura colocou mais radares na região que ando também. Então, além de os carros não invadirem a faixa exclusiva, os motoristas dos ônibus não podem ultrapassar o limite de velocidade”.

Fiscalização

O engenheiro Ejzenberg diz que a intensificação da fiscalização é o principal fator para o aumento na percepção de melhora dos usuários. No entanto, ele faz ressalvas. “A fiscalização ainda tem falhas graves porque é feita por amostragens. São algumas centenas de fiscais correndo atrás de 15 mil veículos. Cada ônibus deveria ter um GPS, que mostraria em qual linha ele estaria alocado e os horários programados para as partidas desta linha. Assim, remotamente, poderia detectar se ele não partiu e onde está. O sistema já geraria um boletim, que poderia virar uma multa para empresa. É infalível”, diz ele.

O relatório da EY também encontrou falhas no sistema de fiscalização da prefeitura. De acordo com auditoria, cerca 10% das multas foram canceladas. A partir de uma análise de 25 cancelamentos, foi verificado que todas tinham erro ou rasura no preenchimento, o que causou a invalidação da punição. 

A SPTrans informou que as fiscalizações e vistorias são realizadas por 690 técnicos “interruptamente 24 horas por dia, nos terminais, faixas exclusivas, corredores, ao longo dos trajetos das linhas e no interior dos veículos”. Constatadas as irregularidade, as empresas são multadas.  

Outro lado

A SPUrbanuss (sindicato das empresas de ônibus) diz que a redução “significativa” no número de reclamações é “uma clara demonstração do empenho das empresas concessionárias em treinar e reciclar seus colaboradores, com o objetivo de prestar um serviço de qualidade aos seus clientes”.

O sindicato informou também que as empresas associadas investem em treinamento de direção segura semestralmente.

Para fazer reclamação, a SPTrans disponibiliza o telefone 156 ou o site. 

Informações: Último Segundo

Leia também sobre:
READ MORE - Reclamações de passageiros de ônibus em São Paulo caem 45% em um ano

No Rio, Av. Rio Branco só para os ônibus

As multas para quem trafegar pela Avenida Rio Branco, no Centro do Rio, sem autorização,  começaram a valer nesta segunda-feira (8). Os motoristas devem estar atentos aos horários de circulação exclusiva para ônibus. Três faixas da via foram interditadas no último sábado (29) para obras de implantação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT).

Apenas duas faixas estão livres no sentido Cinelândia, destinadas exclusivamente à circulação dos ônibus das linhas municipais, de segunda a sexta-feira, das 5h às 21h, e aos sábados, das 5h às 15h. Nos demais horários e aos domingos, a circulação é livre. Todos os cruzamentos da Avenida Rio Branco estarão liberados.

O bloqueio alterou o itinerário de 53 linhas de ônibus com sentido Candelária, que deverão seguir pela Avenida Presidente Antônio Carlos e Rua 1º de Março. Apenas duas faixas da avenida ficarão liberadas no sentido Cinelândia, que serão exclusivas para ônibus de linhas municipais. Confira as mudanças.

O ponto de ônibus da Rua 1º de Março, próximo à Praça XV, voltará a operar a partir de sábado. Os terminais da Avenida Presidente Antônio Carlos terão local alterado (veja o mapa abaixo). As linhas que já circulavam por estas vias, não terão itinerário alterado.

Carros de passeio poderão circular na via somente entre 21h e 5h de segundas às sextas-feiras e entre 15h e 5h aos sábados. Os cruzamentos da Avenida Rio Branco ficarão liberados.

Táxis
A circulação de táxis passa a ficar proibida na avenida. A primeira semana de mudanças será educativa e nenhum taxista será multado, segundo a prefeitura.

Os profissionais terão vagas disponíveis nas seguintes vias do Centro: Praça Mahatma Gandhi, entre a Rua Senador Dantas e Praça Floriano Peixoto; Rua Santa Luzia; Rua Araújo Porto Alegre e na Avenida Almirante Barroso, entre Avenida Rio Branco e Rua México; Rua da Assembleia, entre Rua Rodrigo e Silva e Avenida Rio Branco; e dois pontos na Rua Buenos Aires, entre Rua da Quitanda e Avenida Rio Branco e entre Avenida Rio Branco e Rua Miguel Couto.

Obras do VLT
Os fechamentos programados foram feitos para obras do Porto Maravilha e também para a implantação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), que terá 28 km de extensão e ligará a Rodoviária Novo Rio ao Aeroporto Santos Dumont, no Centro. O novo meio de transporte terá integração entre metrô, trem, barcas e aeroporto.

De acordo com o cronograma, o primeiro veículo chegará ao Rio em junho de 2015. A conclusão das obras, no entanto, está prevista para ocorrer no segundo semestre e as operações devem ser iniciadas nos primeiros seis meses de 2016.

O VLT deve conectar outros modais por meio de seis linhas e 42 estações. A secretaria informou que por meio do novo transporte, os passageiros poderão fazer conexão com outras modalidades de transporte nas interligações com a Rodoviária Novo Rio, Central do Brasil, (trens e metrô), barcas, o Aeroporto Santos Dumont, além de BRT's, linhas de ônibus convencionais e o Teleférico do Morro da Providência.

A prefeitura informou que cada veículo do VLT transportará 420 passageiros e que, com todas as linhas em operação, o sistema transportará até 285 mil passageiros por dia.

Informações: G1 Rio

READ MORE - No Rio, Av. Rio Branco só para os ônibus

Em SP, Marginal Tietê ganha faixa exclusiva de ônibus

A avenida Embaixador Macedo Soares (pista local da marginal Tietê) vai ganhar 1 km de faixa exclusiva de ônibus a partir desta segunda-feira (8). O trecho será implantado no sentido Ayrton Senna, entre a avenida Raimundo Pereira de Magalhães e a ponte do Piqueri, na região da Lapa.
Foto Cláudio Barbosa – Portal Terra
Os ônibus terão a prioridade na faixa da direita, de segunda a sexta-feira, das 6h às 9h, segundo a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego). A ativação está inserida na Operação Dá Licença Para o Ônibus, cujo objetivo é priorizar a circulação do transporte coletivo.

População Beneficiada

Pela avenida Embaixador Macedo Soares, no trecho da faixa exclusiva, atualmente circulam quatro linhas de ônibus municipais, em uma frequência de 13 ônibus/hora, que transportam 19.715 mil pessoas por dia, em média. Para viabilizar a nova faixa exclusiva de ônibus, não esta prevista nenhuma alteração na circulação do tráfego.

A ativação terá um período de adaptação, quando os agentes de trânsito irão orientar os motoristas para não invadirem o espaço nos horários definidos para a exclusividade dos ônibus. A partir do dia 22 de dezembro, a fiscalização será intensificada na via. Independente disso, a orientação é para que todos os motoristas respeitem a faixa exclusiva desde o início da implantação da mesma.

Informações: R7.com

Leia também sobre:
READ MORE - Em SP, Marginal Tietê ganha faixa exclusiva de ônibus

Termina greve dos rodoviários na Grande Vitória

Os ônibus vão voltar a circular normalmente a partir da manhã desta terça-feira (09). A informação é do Sindirodoviários. Segundo a assessoria dos Sindicato, os motoristas e cobradores aceitaram o reajuste de 8% no salário, proposto pelo patrões, assim como o aumento de R$ 2 no tíquete-alimentação.

Apesar do acordo, a greve continua nesta segunda-feira (08) e deve prejudicar a volta para casa dos capixabas.

A única proposta sem acordo é com relação ao plano de saúde. Os rodoviários pedem que as empresas paguem a integralidade do benefício, mas os patrões só aceitam pagar, no máximo, 80%. A questão será definida pela Justiça do Trabalho. 

A decisão pelo fim da greve foi tomada após diversas reuniões de motoristas e cobradores, que aconteceram na tarde desta segunda-feira (08) nas garagens das empresas. No final da tarde, os rodoviários de cada garagem decidiram aceitar as propostas dos patrões. 

A paralisação teve início à 0h desta segunda-feira e aconteceu de acordo com a Lei da Greve. Segundo a Ceturb os 40% de ônibus previstos judicialmente para o horário normal - compreendido entre as 9h e 17h - foram atendidos e 70% funcionam no horário de pico.

Informações: Gazeta Online

READ MORE - Termina greve dos rodoviários na Grande Vitória

Campinas recebe 60 novos ônibus acessíveis para o transporte público

Campinas recebe mais 60 novos ônibus para o transporte público coletivo municipal. Todos os veículos são acessíveis. Essa é mais uma ação de renovação da frota que atende o município. Com esses veículos, já são 180 ônibus entregues em 2014; e 248 em dois anos de governo Jonas Donizette.

“Nossa Administração trabalha com afinco para resolver os problemas de Campinas. Na área de Transportes, os desafios são grandes, mas estamos atuando para que o sistema seja mais eficiente. Além da renovação da frota, aumentamos o tempo de integração do Bilhete Único, implantamos o Passe Lazer e vamos criar o Bilhete Único Universitário, que reduz em 50% o valor da tarifa de ônibus”, revelou o prefeito Jonas.

A entrega dos novos ônibus beneficia 64 mil passageiros por dia, que utilizam 13 linhas do transporte público. Essas linhas percorrem o eixo da Avenida John Boyd Dunlop, regiões do Swift, Boa Vista, Nova Aparecida e Vila Padre Anchieta. A acessibilidade da frota agora atinge a marca de 70,1%, uma das mais altas do país.

Os 60 veículos são da empresa Expresso Campibus, que investiu R$ 18 milhões na nova frota. A apresentação dos ônibus foi realizada no final da manhã desta quinta-feira, dia 4 de dezembro na Pedreira do Chapadão (Praça Ulysses Guimarães).

Além do prefeito, também participaram do evento o secretário de Transportes e presidente da Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec), Carlos José Barreiro, secretários municipais, vereadores, empresários do setor de transporte, representantes de conselhos e lideranças municipais e operadores do sistema.

“É sempre uma grande satisfação realizar mais uma entrega de ônibus. Em apenas quase dois anos de governo do prefeito Jonas Donizette, a renovação da frota representou 1/5 do total de veículos do sistema. Isso demonstra a preocupação constante da Administração com a qualidade do transporte coletivo”, afirmou o secretário Carlos Barreiro.

Em seu discurso, o prefeito Jonas salientou as mudanças que o município vem experimentando. “Hoje Campinas é uma cidade diferente do que era há dois anos. Nós estamos resgatando a normalidade na cidade, que hoje tem controle e uma Administração que ouve o povo”.

Atendimento
A renovação da frota favorece 13 linhas de ônibus. Os veículos têm capacidade para 72 passageiros, sendo 28 sentados e 44 em pé. Todos os veículos são acessíveis, dotados de elevador para cadeira de rodas com acionamento elétrico e pneumático, espaço para cadeirantes, assentos preferenciais para idosos, obesos, gestantes, mães com criança de colo. Todos os ônibus também possuem cinco portas, permitindo a operação nos dois lados do veículo.

As linhas que recebem os novos veículos são:

2.22 – Jardim Florence I
2.23 – Satélite Íris III
2.24 – Residencial Sirius
2.28 – Princesa D’Oeste
2.29 – Jardim Florence II
2.30 – Ipaussurama / Carrefour Dom Pedro
2.52 – Parque São Jorge
2.53 – Swift / Vila Boa Vista
2.60 – Nova Aparecida / Shopping Iguatemi
2.63 – Terminal Padre Anchieta / Terminal Mercado I
2.64 – Vila Padre Anchieta
2.65 – Padre Anchieta
2.66 – Parque São Jorge / Hospital de Clínicas

Raio X
O sistema de transporte público coletivo Campinas possui 1.239 ônibus em operação, sendo 992 do sistema convencional e 247 do sistema alternativo. Deste total, 869 são acessíveis, representando 70,1% da frota.

A idade média da frota é de 4,5 anos. O município tem 202 linhas de ônibus, distribuídas em quatro áreas:

1) Área 1 (Azul Claro). Regiões: Ouro Verde, Vila União e corredor Amoreiras.

2) Área 2 (Vermelha). Regiões: Campo Grande, Padre Anchieta e corredor John Boyd Dunlop.

3) Área 3 (Verde). Regiões: Barão Geraldo, Sousas, Amarais, Rodovia Campinas - Mogi Mirim e corredor Abolição.

4) Área 4 (Azul Escuro). Regiões: Nova Europa, Santos Dumont e aeroporto de Viracopos.

Nos dez primeiros meses de 2014, o sistema de transporte público registrou uma média de 634 mil passageiros por dia. São 15,8 milhões de passageiros por mês. Estima-se que essas viagens sejam realizadas, diariamente, por 240 mil usuários (pessoas).

READ MORE - Campinas recebe 60 novos ônibus acessíveis para o transporte público

Tarifa de ônibus em Barra Mansa-RJ custará R$ 3

O prefeito de Barra Mansa, Jonas Marins, assinou ontem decreto municipal fixando os valores das tarifas de transporte coletivo em R$ 3 e R$ 1,50, com desconto. Os novos valores foram aprovados pelo Conselho Municipal de Transportes Coletivos e são válidos a partir do dia 14 de dezembro. O reajuste no valor das passagens é concedido anualmente, conforme previsto em decreto municipal de 2004. 

Nas últimas semanas, o aumento na tarifa do transporte público em Barra Mansa chegou a gerar discussão entre o Governo Municipal e o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros (SindPass). O presidente da entidade que representa as empresas de ônibus da região, Paulo Afonso de Paiva Arantes, havia apresentado a proposta de aumento do valor de R$ 2,80 para R$ 3,30. Na ocasião, o prefeito Jonas Marins havia descartado o reajuste.

Em entrevista ao jornal A VOZ DA CIDADE, Paulo Afonso defendia a necessidade do aumento, explicando que os preços dos pneus, do óleo diesel e da energia haviam sofrido alta e que, por isso, era necessário registrar o peso na composição tarifária.  “São cerca de 80 ônibus com aproximadamente 400 pessoas trabalhando, que vivem direta e indiretamente deste serviço. Os salários dos profissionais também sofreram aumento. Precisamos pagar o 13º da categoria. Então, para manter o serviço em condições, tendo como volume mais de um milhão de passageiros transportados por mês, precisamos do reajuste”, defendeu ressaltando que, durante reunião que tratava do assunto, o prefeito chegou a demonstrar ‘irresponsabilidade’ ao negar a questão.

Para o prefeito, o aumento sugerido pelo SindPass era ‘injusto’ e ‘abusivo’. “Por mim, não seria dado aumento nenhum. Porém, por força de lei, tem que haver um reajuste anual, mas com critérios”, disse Jonas informando que existe o Conselho de Transporte que estuda a planilha e o próprio órgão reprovou o aumento. “As passagens em Barra Mansa nunca serão cobradas R$ 3,30,” destacou Jonas admitindo que seria estudado, no máximo, o reajuste da inflação.  Segundo o prefeito, Barra Mansa teve o menor índice de aumento de passagens no seu governo.

Informações: A Voz da Cidade

READ MORE - Tarifa de ônibus em Barra Mansa-RJ custará R$ 3

Ministério das Cidades aprova obras de mobilidade urbana para Maceió

O Ministério das Cidades aprovou a inclusão de quatro obras de mobilidade urbana de Maceió no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) – Pacto pela Mobilidade.

De acordo com a Portaria N° 725/2014, publicada no Diário Oficial da União (DOU), no dia (20/11), foram inseridas no programa para investimentos e execução das obras as propostas: do Corredor de Ônibus – BRT (Bus Rapid Transit), sigla em inglês que significa Trânsito Rápido de Ônibus) da Av. Menino Marcelo; do Corredor de Ônibus – BRS Juca Sampaio / Muniz Falcão; Corredor de Ônibus – BRS Cachoeira do Meirim / Benedito Bentes; e Estudos e Projetos de Mobilidade Urbana – Projetos de Planos Inclinados.

O documento traz que, considerando a inclusão dos empreendimentos no PAC, pelo Comitê Gestor do Programa de Aceleração do Crescimento (CGPAC), as obras discriminadas contarão com transferências de recursos obrigatórias para serem executadas diante da Ação 10SS - Apoio a Sistemas de Transporte Público Coletivo Urbano do Programa 2048 Mobilidade Urbana e Trânsito.

Assim, os quatro projetos da Prefeitura de Maceió contarão com recursos oriundos do Orçamento Geral da União (OGU); ficando também as obras do Corredor de Ônibus – BRT Av. Menino Marcelo, custeadas por Financiamento (FIN).

Custo das obras
Anunciadas pela presidente Dilma Rousseff (PT), em fevereiro deste ano, durante viagem à Maceió, as obras de mobilidade urbana da capital alagoana devem custar cerca de R$ 400 milhões. Segundo informações da Prefeitura de Maceió, o Corredor BRT que vai beneficiar a Avenida Menino Marcelo (Via Expressa), com estações de paradas, passarelas, área de passeio e arte, ciclovia e estação de integração, está avaliada em R$ 118 milhões.

Já a obra de urbanização da Avenida Cachoeira do Meirim, no Benedito Bentes, R$ 25 milhões, com a implantação de uma nova faixa exclusiva de ônibus e corredor de transporte coletivo que contará com estações, passarelas com elevador e escada rolante, passeios e ciclovia.

Ficando o eixo binário Norte/Sul que abrange as avenidas Juca Sampaio e Muniz Falcão, que será beneficiado com obras de mobilidade que inclui paradas de ônibus, passeios e ciclofaixa; avaliado em R$ 27 milhões.

Waldson Costa
Do G1 AL

READ MORE - Ministério das Cidades aprova obras de mobilidade urbana para Maceió

CET São Paulo vai implantar faixa em 'X' para pedestre atravessar no centro da cidade

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) vai implantar, na próxima segunda-feira (8), duas faixas de pedestres na diagonal em um cruzamento no Centro de São Paulo. Juntas, elas formam um 'X'.

A implantação será feita para pedestres atravessarem o cruzamento das ruas Riachuelo e Cristóvão Colombo, que segue após o local como Avenida Brigadeiro Luis Antônio, perto do Largo de São Francisco.

Segundo a CET, o objetivo da faixa é "facilitar a vida dos pedestres". Ao invés de atravessarem as duas ruas para chegar à calçada oposta, será possível fazer a travessia de uma única vez.

O pedestre vai ganhar 28 segundos na travessia, ainda de acordo com informações da CET. O tempo médio de travessia em duas etapas é de 89 segundos. Na diagonal, vai cair para 61 segundos.

A CET informou ainda que vai implantar novas placas educativas e semáforos de pedestres para atender a nova situação. O projeto é piloto e vai servir de parâmetro para possíveis novas implantações na cidade.

Informações: G1 SP

Leia também sobre:
READ MORE - CET São Paulo vai implantar faixa em 'X' para pedestre atravessar no centro da cidade

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960