Grande Recife divulga esquema de ônibus para greve dos metroviários

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

O Grande Recife Consórcio de Transporte montou um esquema especial para tentar minimizar o impacto da paralisação dos metroviários, que acontece nesta terça-feira (7/10). O esquema prevê o reforço e a criação de linhas especiais de ônibus nas áreas atendidas pelo metrô (Centro e Sul), além do apoio da Polícia Militar nos Terminais Integrados. 

No total, 123 linhas deverão ser afetadas diretamente pela greve, devido a isso, o Consórcio irá reforçar 9 linhas, que em sua maioria tem como destino o centro da cidade. Serão 81 veículos a mais do que um dia útil normal. Além do reforço, duas linhas especiais serão criadas para suprir as demandas de Jaboatão, Recife, Barro, Joana Bezerra, Santa Rita, Aeroporto e Centro, são elas: TI Jaboatão/TI Barro e TI Barro/TI Afogados/TI Joana Bezerra. 

Confira abaixo outras mudanças feitas para o período de paralisação: 

A linha 115 – TI Aeroporto/TI Afogados terá parte de sua frota com itinerário estendido até o TI Recife. 
Linha 232 – Cavaleiro irá, excepcionalmente, integrar no TI Cavaleiro.
A linha 2469 – TI Camaragibe/CDU terá sua frota com itinerário estendido até o TI Barro.
As linhas 346 – TI TIP (Conde da Boa Vista) e a 347 – TI TIP (Derby) terão suas operações unificadas. 


Atualizado 21:00 - 07/10/14
Em assembleia no Centro do Recife, funcionários do metrô mantêm greve

Após passeata no Centro do Recife, metroviários decidiram em assembleia realizada no fim da tarde desta terça (7) manter a paralisação iniciada na madrugada. A categoria entrou em greve para cobrar reforço na segurança das estações e medidas para proteger passageiros e funcionários de assaltos e outros crimes nas plataformas e vagões. Cerca de 400 mil passageiros que utilizam o transporte diariamente são afetados pela suspensão do serviço.


Em nova assembleia na estação central, que terminou por volta das 17h40, eles decidiram, por unanimidade, manter a paralisação de 100% do serviço, desobedecendo, inclusive, liminar emitida pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT-PE) da 6ª Região, na segunda (6), que obriga o funcionamento do sistema de transporte ferroviário nos horários de pico (5h às 9h e 16h às 20h).

Informações: GRCT

READ MORE - Grande Recife divulga esquema de ônibus para greve dos metroviários

Estações novas do BRT Transcarioca têm pouco movimento

O primeiro dia útil nas seis novas estações do BRT Transcarioca foi de pouca movimentação. A reportagem fez nesta segunda-feira (6) o trajeto entre o Aeroporto Tom Jobim, na Ilha do Governador, até o Terminal do Alvorada, na Barra da Tijuca, Zona Oeste da cidade, viajando nos veículos semi-direto e parador. Alguns passageiros ainda não sabiam que o sistema estaria totalmente completo já nesta semana, com as 47 estações em funcionamento. Apesar das novas estações, o BRT convive com o velho problema de sempre: a imprudência de pedestres nos trajetos do corredor expresso.

Nesta manhã, os guardas das estações novas, todas no Subúrbio da cidade, comentaram que os locais permaneceram com poucos passageiros desde a abertura. O analista de sistemas Roberto Teixeira, 36 anos, mora em Olaria, no Subúrbio, bairro contemplado com uma das novas estações. Ele voltava de uma viagem do aeroporto e não sabia que já podia ficar mais perto de casa sem sair do sistema viário.
"Cheguei hoje de Curitiba, ia saltar na Penha para pegar uma linha de ônibus convencional até em casa", disse ele, que foi informado das novas possibilidades pela equipe de reportagem.

Nádia da Silva, panfleteira, mora na Maré e já sabia do funcionamento da estação do BRT perto da comunidade. Ela e uma amiga embarcaram no corredor de ônibus para chegar até o terminal Alvorada. "Hoje vimos só conhecer mesmo", contou.

Os novos pontos de embarque e desembarque - Fundão, Santa Luzia, Cardozo de Moraes, Ibiapina, Olaria e Cacique de Ramos - beneficiam a região da linha férrea da Leopoldina, com algumas integrações com os trens. Nesta manhã, o secretário municipal de transportes Alexandre Sansão disse que inicialmente essas estações funcionarão sozinhas, sem o apoio das linhas alimentadoras, como ocorre com outras estações do BRT no município.

"O BRT completa então o seu corredor principal, atentendo aos bairros da Leopoldina que ainda não tinham sido beneficados direntamente pelo Transcarioca, são eles: Olaria, Ramos, Bonsucesso, Maré e Ilha do Fundão, Cidade Universitária. Num primeiro momento a gente implementa as linhas troncais do BRT e aos poucos a gente vai implantando as linhas alimentadoras", disse.

Imprudência dos pedestres
Se o sistema de BRT Transcarioca parece funcionar sem problemas neste período, o mesmo não podemos dizer sobre o comportamento dos pedestres em áreas onde passa o BRT.

Especialmente no bairro da Penha, no Subúrbio, foi possível ver muitos pedestres atravessando fora da faixa, com o sinal fechado para eles, obrigando o motorista do veículo do BRT Transcarioca a buzinar e reduzir a velocidade. Algumas grades que separam as pistas também estavam danificadas no trajeto.

Em um cruzamento, uma mulher atravessava como filho pequeno com o sinal fechado para pedestres e, logo mais a frente, um agente de trânsito do BRT teve que retirar um homem que trafegava com um carrinho de supermercado no meio da pista do corredor expresso.
"O brasileiro não está acostumado com o progresso. Ele resiste a obedecer as regras, mas o Brasil tem que andar junto com o mundo. Ainda acontece muito acidente por causa das pessoas que atravessam errado", disse a passageira Nádia.

Informações: Guilherme Brito
Do G1 Rio

READ MORE - Estações novas do BRT Transcarioca têm pouco movimento

VLT Cuiabá-Várzea Grande realizou primeira movimentação sobre trilhos

Com a energização da rede aérea de tração do VLT foi possível ativar o trem, que circulou entre o Centro de Manutenções e a Estação Aeroporto, percorrendo uma distância de aproximadamente 1.300 metros 

O Consórcio VLT Cuiabá-Várzea Grande realizou na manhã de sexta-feira (03) a primeira movimentação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) fora do pátio de estacionamento. A circulação ocorreu através da alimentação energética que passa na rede aérea de tração, instalada na via permanente. A atividade só foi possível após a energização da subestação de energia do modal, instalada no Centro de Manutenções, Administrativo e Operacional (CM/CAO), em Várzea Grande. 

Após a energização da subestação 1, o mesmo foi feito com a rede aérea de tração, cuja estrutura conta com 1.400 metros de extensão, partindo do Centro de Manutenções, Administrativo e Operacional (CM/CAO), passando pelo viaduto ferroviário do Aeroporto, e avenida João Ponce de Arruda, até o entroncamento com a rua Coronel Gonçalo de Figueiredo. A distância percorrida pelo veículo foi de aproximadamente 1.300 metros, entre o pátio de estacionamento no CM e a Estação Aeroporto. 

Com a movimentação, mesmo em curta distância, é possível checar o funcionamento de alguns sistemas, que incluem os elétricos, mecânicos, pneumáticos, de sinalização ferroviária e de telecomunicações do trem. 

O VLT é um novo modal de transporte que está sendo implantado em Várzea Grande e Cuiabá e que trafegará pelas avenidas João Ponce de Arruda e FEB – em Várzea Grande -, seguindo pelas avenidas XV de Novembro, Tenente Coronel Duarte, Historiador Rubens de Mendonça, Coronel Escolástico e Fernando Correa da Costa – em Cuiabá, melhorando o sistema de transporte público e levando mais qualidade de vida à população. 

Movimentação do VLT – A rede aérea de tração é de 750 Volts, classificada como de baixa tensão. Com a primeira circulação do VLT, a rede passará a ser energizada constantemente. Por isso, a recomendação para o público em geral é que sejam tomadas todas as precauções habituais envolvendo energia. 

A rede aérea do VLT passa a uma altura mínima de 5,50 metros entre o fio de contato e o solo, ao longo de todo o trajeto do novo transporte coletivo. A altura permitida para circulação de veículos automotores sob a rede aérea de energia do VLT é de 4,50 metros. Placas de sinalização estão sendo implantadas em pontos estratégicos na avenida para orientar a população, principalmente os motoristas. 

O Consórcio VLT Cuiabá-Várzea Grande recomenda que os procedimentos de segurança sejam rigorosamente cumpridos para evitar incidentes. A instalação do VLT é uma realidade, e vai contribuir com o progresso das duas maiores cidades de Mato Grosso conduzindo para uma mudança, não só na rede pública de transporte, mas também no comportamento e nos hábitos das pessoas. (Assessoria/Secopa-MT) 

Informações: Diário de Cuiabá

READ MORE - VLT Cuiabá-Várzea Grande realizou primeira movimentação sobre trilhos

SMTU estuda construir novo terminal de ônibus na avenida Torquato Tapajós

As zonas Oeste e Norte de Manaus, que estão em franca expansão populacional nas proximidades da barreira, devem ganhar um terminal de embarque e desembarque de passageiros do transporte coletivo em 2015. O diretor-presidente do Superintendência Municipal de Transporte Público (SMTU), Pedro Carvalho, informou que a obra já está em estudo pela Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf) e estima que pode representar um investimento de R$ 15 milhões aos cofres públicos.  

O Terminal 6 (T6) deve ser construído a 500 metros do cruzamento entre as avenidas Torquato Tapajós e José Henriques (que passa em frente a área de exames do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-AM), próximo à barreira da Polícia Militar que dá acesso a AM-10 e a BR-174. 

O principal objetivo do T6 será resolver o precário serviço de transporte público oferecido aos condomínios que estão sendo construídos no local e às comunidades que nasceram ao longo daquela área da Torquato Tapajós. No local, os moradores são reféns do transporte irregular por meio de kombis lotações e mototáxis que, quase sempre, expõem os passageiros a riscos levando uma quantidade de pessoas acima do permitido no carro ou negando aos mesmos a falta de equipamentos de segurança.

 “Temos muito problemas naquela área. As comunidades querem ônibus para tudo quanto é ponto. Não posso criar ônibus para cada ramal. E as pessoas querem ônibus de dez em dez minutos. Não temos essa demanda. A única forma de viabilizar isso é criando um terminal de passageiros. Dessa forma, podemos colocar linhas coletoras para esses ramais e a partir dali coloca as linhas troncais para outros locais”, declarou Pedro Carvalho.

Ele afirmou ainda que o terminal não deve causar mais congestionamento na via, que é uma em que os motoristas mais enfrentam o problema diário nos horários de pico. “Só fica engarrafamento quando o terminal é ruim. Esse a gente vai construir ele num local onde tenha área pra trabalhar. Aí vamos abrir as duas pistas”, disse.

Opção

Pedro Carvalho afirmou que o terminal será no meio da Torquato Tapajós entre as pistas de sentido bairro/Centro e Centro/bairro aos moldes do Terminal 3 (T3) na Cidade Nova, zona Norte de Manaus. “O que a gente quer dar é opção para o cidadão vir na linha coletora, descer no terminal e ter opção para o shopping por exemplo, para trabalhar, para ir a Cidade Nova ou para o Centro”, declarou.

O presidente da SMTU afirmou que a única solução para minimizar reclamações em relação ao transporte público em grandes cidade é a construção de terminal. “Ainda mais nessa área. Isso aqui vai explodir (crescer número de moradores). Tudo deságua na Torquato”, disse.

Por Rosiene Carvalho e magem de Euzivaldo Queiroz
Informações: A Critíca

READ MORE - SMTU estuda construir novo terminal de ônibus na avenida Torquato Tapajós

Governo quer contratar obras da segunda fase do VLT de Santos em 2015

O secretário de Transportes Metropolitanos do Estado, Jurandir Fernandes, disse durante o Seminário Mobilidade Urbana Sustentável da Baixada Santista, que ocorreu no ultimo dia 30 na Associação Comercial de Santos, que até o final do ano deverá ser realizada a pré-qualificação das empresas para a concorrência pública da segunda fase do VLT de Santos, que interligará o futuro terminal Conselheiro Nébias até a região central de Santos, no Valongo.

“No final de outubro vamos começar as audiências públicas, o que deve durar entre 45 e 60 dias. Nossa estimativa é lançar a pré-qualificação até o final do ano e a licitação no primeiro trimestre do ano que vem” disse o Secretário.

Com entrega prevista para março de 2015, a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU) estima que com o trecho inicial entre Barreiros (São Vicente) e a Conselheiro Nébias (Santos) de 11 km, pelo menos 33% das viagens na região sejam absorvidas pelo VLT.

A analise é do próprio presidente da EMTU, Joaquim Lopes, durante o Seminário: “No cenário mais conservador, o VLT sozinho, operando nesse trecho inicial, vai responder por apenas 33% das viagens. Nessa primeira fase, a gente ainda vai absorver passageiros das áreas lindeiras (vizinhas) do corredor”, explica o chefe da EMTU.

Inicialmente o VLT deve atender a uma demanda de 70 mil usuários por dia, com intervalo médio de 210 segundos entre os veículos (22 no total). A estimativa é que com a reestruturação das linhas intermunicipais e municipais, que aconteceria nos próximos anos, cerca de 220 mil usuários seriam beneficiados.

“Não podemos criar uma sensação de que o VLT vai ser uma solução para tudo. É um sistema novo, mas é só o começo. A gente ainda tem muita coisa para fazer”, completou o presidente da EMTU.

Informações de A Tribuna On-line

Leia também sobre:
READ MORE - Governo quer contratar obras da segunda fase do VLT de Santos em 2015

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960