Campinas quer VLT entre centro e distritos

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Campinas planeja utilizar o sistema de Veículos Leves sobre Trilhos entre o centro da cidade e o Aeroporto Internacional de Viracopos, mas não descarta outros traçados envolvendo Sousas e Barão Geraldo. O plano foi confirmado nesta sexta-feira pelo secretário de Transportes e presidente da Emdec, Carlos José Barreiro, mas ainda depende dos estudos de viabilidade que serão feitos a partir do próximo ano. A prioridade, no entanto, é a integração entre o sistema VLT e os corredores do BRT do Campo Grande e do Ouro Verde.

As análises só devem começar depois do processo licitatório, até março de 2015. Para a contratação da empresa, R$ 1,2 milhão foram repassados pelo Ministério das Cidades. O dinheiro integra os mais de 50 milhões do Orçamento Geral da União que também serão usados para obras de saneamento no córrego Santa Lúcia. A previsão é que os trabalhos tenham duração de dois anos.

Segundo o prefeito de Campinas, Jonas Donizette, os investimentos serão aplicados na região dos bairros Dois de Julho, Vila Bordon, além do Jardim Ieda 1 e 2. Nesses locais, também está prevista a retirada de famílias de áreas de risco, mas isso ainda não foi detalhado pelo Executivo. Apesar da assinatura dos contratos para o repasse das verbas, que contou com a presença do ministro das Cidades, Gilberto Occhi, e o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, o dinheiro só será recebido pela Prefeitura de Campinas depois so período eleitoral.

Por Leandro Las Casas
Informações: CBN Campinas

READ MORE - Campinas quer VLT entre centro e distritos

Metrô de Salvador vai passar a cobrar tarifa a partir de 31 de outubro

O início da operação comercial do metrô de Salvador foi adiado para o dia 31 de outubro. Na nova etapa, o governo do estado pretende adotar tarifas mais reduzidas e horários estendidos em uma fase experimental.
Mila Cordeiro | Ag. A TARDE
Além disso, o governo vai estudar, a partir do dia 15 de outubro, a implantação do Bilhete Único metropolitano e vai integrar ônibus oriundos de municípios da região metropolitana de Salvador (RMS) às estações de metrô do Acesso Norte e Retiro.

Também poderão ser criadas linhas de ônibus alternativas e gratuitas, que sairão de pontos específicos da capital baiana e levarão usuários até as estações.

As medidas, de acordo com o titular da Secretaria de Desenvolvimento Urbano do Estado (Sedur), Manuel Ribeiro, visam solucionar a lacuna deixada pela prefeitura ao não implantar um sistema de transporte integrado com o novo modal.
"Sem o total diálogo com o sistema de transporte existente, a demanda, que atualmente chega a 15 mil pessoas por dia, pode cair para quatro mil. Desta forma, o metrô acabará subutilizado".

O Bilhete Único metropolitano será desenvolvido com a Entidade Metropolitana e a Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transportes e Comunicações da Bahia (Agerba). A intenção, conforme Ribeiro, é incluir ainda o  sistema aquaviário - pedestres do ferryboat e barcos.

Tarifa
Até o início da operação comercial, a população continuará a utilizar o meio de transporte de forma gratuita, em operação assistida, das 8h às 16h.

A nova etapa estava prevista para começar no próximo dia 15, no entanto, foi adiada por conta da não implantação das linhas alimentadoras, que seriam de responsabilidade da prefeitura, conforme contrato assinado em 2013.

A prefeitura, por sua vez, alega que, para que a integração das linhas com as estações de metrô seja feita, de fato, serão necessários estudos aprofundados.

"Não posso retirar as linhas do Bonocô para que a população utilize o metrô, que é muito pequeno. Nossa proposta é que os ônibus continuem circulando e que o usuário defina qual meio irá utilizar", afirmou o secretário municipal de Urbanismo e Transporte, Fábio Mota.

Em nota, o prefeito ACM Neto afirmou que tem feito esforços para possibilitar a operação plena do metrô.
"O governador Jaques Wagner quer fazer uma intervenção na prefeitura para prejudicar a população de Salvador, principalmente os mais pobres, que não podem pagar uma tarifa de ônibus de cerca de R$ 4", disse.

O secretário Manuel Ribeiro afirma que ainda não há definição sobre o valor da tarifa do metrô.
"Ainda estamos estudando. Para que isso seja definido, seria necessário que as linhas integradas já estivessem funcionando", afirmou.

Informações: A Tarde


READ MORE - Metrô de Salvador vai passar a cobrar tarifa a partir de 31 de outubro

Metrô SP implantará até do fim ano sistema que reduz superlotação

O Metrô diz que até o fim deste ano será implantado um sistema de controle de trens mais moderno que permite melhorar a superlotação na linha 2-verde.

O sistema foi comprado em 2008 e a previsão era que estivesse em operação em 2010.

A melhora ocorre porque o sistema, chamado CBTC, possibilita redução de 20% no intervalo entre os trens. Segundo Luiz Antonio Carvalho Pacheco, presidente do Metrô, esse intervalo passará de 120 para cerca de 100 segundos.

Com o intervalo menor é possível aumentar a quantidade de trens em circulação e oferecer mais lugares para passageiros. Se hoje a capacidade de transporte é de 48 mil pessoas por hora e sentido, passaria para 57,6 mil.

Segundo Pacheco, nas linhas 1-azul e 3-vermelha, as mais superlotadas da rede, o sistema começará a ser implantado em 2015 e deverá estar em operação até 2016.

O sistema foi comprado da Alstom, empresa investigada por formar cartel e fraudar licitações, por R$ 706 milhões (valor não corrigido).

Mas desde os primeiros testes surgiram falhas, como composições que desapareciam da tela de controle.

Os testes são feitos em trechos da linha 2 desde 2011. No ano passado, o sistema passou a funcionar nos 14,7 km do ramal aos domingos.

A Alstom foi multada pelo atraso e teve os pagamentos suspensos. A disputa foi parar em um comitê de arbitragem, em que a multinacional reclama que não vendeu o que o Metrô cobra e que novas exigências foram feitas.

De acordo com Pacheco, que está no Metrô desde junho de 2013 e não participou da contratação, a empresa francesa teve dificuldade para adaptar seu sistema, "um produto de prateleira", à realidade da rede paulistana.

"Na minha avaliação a Alstom nos vendeu um produto que não tinha para desenvolver. Tinha o produto, mas não tinha para o Metrô, uma empresa ímpar do ponto de vista de operação. É uma rede pequena e com altíssima densidade, o que exige uma forma de operar diferente", diz.

Segundo o presidente, a principal diferença aqui é que o sistema em que os trens circulam como em um carrossel recebe trens extras nos horários de maior demanda.

"Parece óbvio, mas quando você fala para colocar isso no sistema, eles entram em pânico. Quando eu coloco um trem, o carrossel tem que ser todo recalculado, redefinido."

A Alstom também reclamava do tempo curto para instalar equipamentos, já que o metrô para por poucas horas, na madrugada. Um executivo chegou a comparar o trabalho a "trocar a turbina do avião em pleno voo".

Pacheco diz, porém, que agora crê que as dificuldades técnicas foram superadas.

"Acho que conseguimos acertar com eles o cronograma e estamos acompanhando o que é factível. Lógico que muito atrasado em relação a tudo, mas hoje, pelo andar da carruagem, a gente coloca a linha 2 em CBTC até o final do ano", afirma.

Segundo a Alstom, seu CBTC já foi implementado em locais como Toronto, Milão, Amsterdã, Paris e Cingapura. O sistema também é usado na linha 4-amarela, que opera sem condutores, mas o fornecedor é a Siemens.

O governo também pretende usar adotar o sistema em linhas da CPTM e nas novas linhas do metrô.

Pacheco diz ainda que até o fim do mês espera assinar os contratos para as obras de expansão da linha 2. O prolongamento terá 13 estações e 15,5 km -14,4 km da Vila Prudente até Guarulhos e mais 1,1 km à oeste da estação Vila Madalena.

Informações: Folha de S. Paulo

Leia também sobre:
READ MORE - Metrô SP implantará até do fim ano sistema que reduz superlotação

São Paulo ganhou 12,3 km de ciclovias em seis trechos neste sábado

A Prefeitura de São Paulo inaugurou seis novos trechos de ciclovias na cidade neste sábado (13). São 12,3 quilômetros de vias destinadas exclusivamente ao tráfego de bicicletas.

O maior percurso, de 4,2 km, passa pelos bairros de Perdizes, Santa Cecília e Higienópolis. Além desse, a Avenida Doutor Assis Ribeiro, as regiões de Pinheiros, Bom Retiro e Pari, e a Alameda Nothman também ganharam ciclovias.

No total, a atual gestão já entregou 70,6 km de ciclovias. Antes disso, a cidade tinha 63 km. A meta da Prefeitura é de completar 400 km até o final de 2015. Confira abaixo o detalhamento dos seis trechos inaugurados neste sábado:

Pinheiros
Com 1,3 km de extensão, vai liar Ciclovia Faria Lima até a ciclopassarela construída sobre a Marginal do Rio Pinheiros, passando pelo Parque do Povo e pela Estação Cidade Jardim da CPTM. A ciclovia passara pela Rua Professor Artur Ramos, pela Avenida Cidade Jardim e pela Praça Nicolau David.

Pari/Canindé
A nova ciclovia de 3,3 km vai percorrer vias da região até a Estação Armênia do Metrô. A ciclovia fará, futuramente, a integração com a Ciclovia do Bom Retiro, chegando às regiões do Centro, Barra Funda e Santa Cecília, entre outras. A ciclovia vai passar pelas ruas Pedro Vicente, das Olarias, Araguaia, Rio Bonito, Hannemann, Canindé e Araguaia.

Perdizes, Santa Cecília e Higienópolis
Com 4,2 km, vai interligar-se à rede cicloviária do Centro Histórico pelas ruas Barra Funda e Amaral Gurgel. A ciclovia vai conectar-se, também, com o espaço compartilhado entre ciclistas e pedestres da Avenida Sumaré, além de fazer ligação com o Parque da Água Branca e o Terminal de Ônibus Amaral Gurgel. O trecho vai entre as ruas Dr. Cândido Espinheira, Dr. Frederico Abranches, Albuquerque Lins, João Ramalho, Ministro Godói e Amaral Gurgel, e Alameda Barros.

Centro 
Com 1,6 km, o trecho integra-se ao circuito do Centro pela Rua Mauá e, futuramente, fará integração com a Ciclovia Pari/Canindé que também será inaugurada neste sábado. A ciclovia passa pelo Viaduto General Couto de Magalhães, e pelas ruas Prates e Rodolfo Miranda.

Alameda Nothman
A via receberá mais 200 metros de ciclovia bidirecional no bordo da pista, no trecho entre a Al. Cleveland e a Rua Anhaia. O percurso vai conectar a rede cicloviária do Centro Histórico com ciclovias implantadas nas regiões do Bom Retiro e da Barra Funda.

Av. Dr. Assis Ribeiro
A via da Zona Leste vai receber mais 1,7 km de ciclovia entre a Av. Paranaguá e a Rua Cisper (passarela de acesso à USP Leste). O traçado dá continuidade à ciclovia de 2,1 km aberta em 16 de agosto na Assis Ribeiro, entre a Rua Rio Soturno e a Av. Paranaguá. O novo percurso será proporciona conexão com a USP Leste e a Estação Comendador Ermelino Matarazzo da CPTM.

Entenda as novas ciclovias de SP
A construção de 400 km de ciclovias é uma das 123 metas de gestão de Fernando Haddad, que se elegeu com a promessa de privilegiar o transporte público.

Considerando que São Paulo tem 17,2 mil km de vias pavimentadas, o total representa espaço exclusivo para ciclistas em 2,3% do total de ruas e avenidas da cidade. Segundo estimativas, o custo total das obras é de R$ 80 milhões. Parte dos recursos devem ser disponibilizados pelo Fundo Municipal do Meio Ambiente (Fema).

De acordo com a Prefeitura, o cumprimento da meta deixará São Paulo com total de ciclovias próximo do que há em outras cidades do mundo. O levantamento da administração municipal aponta que Berlim lidera o ranking com 750 quilômetros. Além dos 400 km do novo plano, há previsão de inauguração de 150 quilômetros de ciclovias que devem ser implantadas junto aos futuros corredores de ônibus, além de outros 63 km já existentes até 2013.

A instalação de ciclovias é uma das estratégias apontadas por especialistas em trânsito para oferecer outras opções para o transporte na cidade. Neste ano, São Paulo atingiu novo recorde de congestionamento, com 344 km de vias congestionadas em 23 de maio.

Além disso, a construção de ciclovias é uma demanda de diversos setores, incluindo cicloativistas que se articulam na cidade em associações e promoveram ao longo de anos intervenções e protestos por mais respeito às bicicletas no trânsito. O número de ciclistas mortos em acidentes de trânsito caiu entre 2005 e 2013, período disponível no levantamento da CET. Em 2005, foram 93 casos. Em 2013, o total de mortes foi de 35.

Informações: G1 São Paulo

Leia também sobre:
READ MORE - São Paulo ganhou 12,3 km de ciclovias em seis trechos neste sábado

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960