Em SP, Prefeitura elimina revalidação anual do Bilhete Único para idosos

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Idosos deixarão de ser obrigados a ir uma vez por ano aos postos da SPTrans para renovar o Bilhete Único utilizado nos ônibus da cidade São Paulo. O cartão passará a ser revalidado automaticamente a partir de quinta-feira (10). A atualização agora será mensal e acontecerá por meio de cruzamento de dados da SPTrans com o Sistema Nacional de Óbitos. Também será facilitada a emissão da primeira ou segunda via: ela poderá ser solicitada pelos Correios.

Atualmente, 860 mil passageiros com mais de 60 anos são beneficiados com a gratuidade. De acordo com o diretor de gestão econômico-financeira da SPTrans, Adauto Farias, o fim da renovação presencial busca evitar filas. “A questão principal é reduzir o tempo de atendimento e de fila nos postos”, explica.

Um novo validador também deve entrar em operação nos ônibus a partir do primeiro trimestre de 2015. Nele, o idoso passará o bilhete e a catraca será liberada imediatamente, sem a necessidade de checagem pelo cobrador.

O sistema integrado ao validador vai registrar fotografias do passageiro que servirão para analisar se a pessoa em questão se trata do beneficiário. “Queremos tirar esse conflito cara-crachá do cobrador com o usuário dentro do ônibus. Essas fotos subirão para o sistema diariamente que fará a comparação e checagem”, afirma Farias.

"Estamos ampliando os nossos métodos de fiscalização", disse Farias. Ele afirma que o índice de fraudes envolvendo esta modalidade do Bilhete Único é de menos de 5%.

Primeira e segunda via
O pedido e entrega da primeira e segunda via do cartão também muda e passará a ser feito totalmente através dos Correios. O idoso deverá enviar cópias autenticadas de seus documentos de identificação e foto 3x4 recente e receberá o bilhete em casa.
Adauto Farias, diretor da SPTrans (Foto: Sttela Vasco/G1)Adauto Farias, diretor da SPTrans.

Em caso de roubo, furto, perda ou danificação do Bilhete Único, o beneficiário poderá entrar em contato com o 156 e informar os dados sem precisar ir até um dos postos. A nova via também será entregue em sua residência.

Documentos
Os documentos necessários para o requerimento do bilhete são um documento oficial com foto, o CPF, um comprovante de residência recente, uma foto 3x4 atual e o número de telefone. Quem preferir solicitar via correio deve enviar cópias autenticadas dos documentos e uma de algum comprovante para a para caixa postal 77075, CEP 01014-970.

Com as mudanças, a SPTrans também quer melhorar o atendimento aos portadores de necessidades especiais, que são atendidos nas mesmas postos que os idosos. “Nós vamos melhorar a condição do atendimento para essas pessoas, que ainda exige que seja presencial, reduzindo as filas com essa mudança para os idosos”, diz Adauto.

READ MORE - Em SP, Prefeitura elimina revalidação anual do Bilhete Único para idosos

Desrespeito a faixas de ônibus em Fortaleza vai gerar multa

Os motoristas que utilizarem as faixas exclusivas para ônibus no binário das Avenidas Santos Dumont e Dom Luís de forma irregular serão multados pela Autarquia Municipal de Trânsito (AMC) da Prefeitura de Fortaleza. A aplicação da multa terá início um mês após a implantação da fiscalização eletrônica no local, onde foram registradas 5.077 medidas educativas, entre os dias 15 e 28 de agosto.

De acordo com as placas de sinalização vertical instaladas ao longo das avenidas, as faixas funcionam nos dias úteis, das 5 às 21 horas, e aos sábados, das 5h às 16 horas. Aos domingos e feriados, o tráfego é livre. O valor da multa por transitar em faixa exclusiva é de R$ 53,20 e implica em três pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH), de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

É permitido o tráfego de ônibus, vans e táxi nas faixas exclusivas. Veículos particulares podem circular para fazer conversões à direita ou entrar em algum estabelecimento, respeitando um limite máximo de 100 metros. Todo o corredor está monitorado com 30 câmeras, que fazem a leitura das placas dos veículos que passam pelas faixas destinadas aos coletivos.

Com a fiscalização e a aplicação de multas aos infratores, AMC espera que haja maior conscientização dos motoristas acerca da priorização do transporte coletivo. De acordo com a Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor), as faixas exclusivas têm otimizado o deslocamento dos passageiros e reduzido o tempo de viagem. A velocidade média dos ônibus aumentou de 13,8 para 18,2 km/h na Av. Santos Dumont, por onde trafegam 17 linhas, e de 14.2 para 17 km/h na Av. Dom Luís, via que concentra um fluxo diário de 11 linhas.

De acordo com a AMC, durante o período educativo, o desrespeito às faixas exclusivas para ônibus foi maior na Av. Santos Dumont, que registrou 2.906 notificações, o equivalente a aproximadamente 207 por dia. Já na Av. Dom Luís, 2.171 irregularidades foram registradas, o que representa uma média diária de 155. Deste total, 35 medidas educativas foram geradas para veículos reincidentes, ou seja, que transitaram mais de uma vez nas faixas exclusivas.

READ MORE - Desrespeito a faixas de ônibus em Fortaleza vai gerar multa

Obra do VLT em Cuiabá já consumiu R$ 896 milhões dos cofres públicos

Os cofres públicos de Mato Grosso já destinaram R$ 896 milhões em recursos para a implantação do metrô de superfície Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) em Cuiabá e Várzea Grande, na região metropolitana da capital. Divulgado pela Secretaria Extraordinária da Copa (Secopa), o montante pago até este mês representa 60,6% do valor total da obra, a mais cara licitada pelo poder público no Brasil para a Copa do Mundo deste ano.

Afetada por atrasos, hoje a construção sequer possui data oficialmente estipulada para ser entregue e o Ministério Público prevê que não deve ser totalmente executada nem mesmo dentro dos próximos dois anos.

Ao todo, o estado se comprometeu a desembolsar R$ 1,477 bilhão para pagamento da obra. Segundo a Secopa, que divulgou o montante já pago, grande parte do valor do empreendimento, na ordem de R$ 500 milhões, diz respeito à aquisição do chamado material rodante – trilhos, vagões e os demais equipamentos do metrô de superfície.

Todo esse material já foi importado e se encontra no canteiro do que será o centro de controle e operações (CCO) do sistema, ao lado do Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande, de forma que o restante do valor a ser pago deve corresponder em sua maioria à execução das obras de construção e instalação ao longo de 22 km de trajeto na região metropolitana.

Obras atrasadas
Enquanto isso, a sensação nas ruas é de que o valor pago não corresponde proporcionalmente à execução do projeto do VLT e as obras atrasadas seguem causando transtorno diário em trechos de avenidas da região metropolitana, como a João Ponce de Arruda, a FEB, a Tenente Coronel Duarte (Avenida da Prainha), a Fernando Corrêa da Costa e a Historiador Rubens de Mendonça (Avenida do CPA).

Nesta última, por exemplo, o canteiro central foi destruído em grande parte, com a retirada da vegetação, para dar lugar aos trilhos que nem começaram a ser instalados. Motoristas convivem diariamente com interdições e agravamento das condições do asfalto, enquanto pedestres perderam ainda mais espaço para travessia e têm de conviver com poeira e lama constantes. O mesmo ocorre na FEB e na Prainha.

Gerenciados pelo estado, os trabalhos de engenharia são responsabilidade do Consórcio VLT, grupo de empreiteiras que venceu a licitação em 2012 para realizar o projeto do novo sistema de transporte coletivo e executá-lo. A licitação seguiu os moldes do Regime Diferenciado de Contratação (RDC), modelo de processo lançado pelo governo federal para simplificar as contratações com vistas à Copa do Mundo, permitindo que o projeto executivo da obra seja desenvolvido ao longo da própria execução em prazos curtos.

Porém, o próprio governo do estado retirou o VLT do escopo de projetos para a Copa do Mundo e também não conseguiu cumprir o prazo contratual de finalização das obras, em março deste ano. A saída foi assinar um termo aditivo ao contrato original, estendendo o prazo de execução para o último dia de 2014 – prazo que a Secopa já avisou que deverá ser alterado por meio de um próximo aditivo, dada a morosidade do andamento dos trabalhos.

Perspectivas
Para o Ministério Público, além do prazo, o próprio contrato deve ser revisto. De acordo com o promotor Clóvis de Almeida, que fiscaliza as obras do VLT, seria “otimismo” estipular o fim das obras até mesmo para daqui a dois anos. Para ele, a população está vivendo um dos piores cenários possíveis diante das obras, repletas de erros de projeto e falhas de planejamento permitidas pela modalidade contratual.

“A obra é exequível, mas não na forma em que foi contratada. É risível que as pessoas tenham caído nesse conto. Os políticos fizeram disso uma bandeira e o povo comprou”, criticou o promotor, lembrando que os prazos assumidos pelo governo já eram “irreais” já na época de contratação do projeto.

Ainda segundo Almeida, o Ministério Público já contabiliza mais de R$ 900 milhões destinados pelo estado para pagamento das obras, conforme as últimas medições. “Difícil é ver esses R$ 900 milhões materializados na rua”, ironizou, prevendo dificuldades para o próximo governador manter o andamento dos trabalhos a partir de janeiro a não ser que mude as condições do contrato e implemente um verdadeiro choque de gestão. “Senão, esse contrato ainda vai render muita dor de cabeça para a população”, declarou.

READ MORE - Obra do VLT em Cuiabá já consumiu R$ 896 milhões dos cofres públicos

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960