Greve em Recife: Paralisação de rodoviários fica suspensa até domingo

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

O Sindicato dos Rodoviários do Grande Recife decidiu, em reunião realizada na tarde desta sexta (22), que os rumos do movimento da categoria serão decididos apenas no domingo (24), às 14h, quando os trabalhadores têm novo encontro. Até lá, a orientação do sindicato é que não aconteça mais paralisações, mantendo o serviço na noite desta sexta e também no sábado (23). De acordo com a assessoria do sindicato, entretanto, não é possível impedir que ocorra movimentos espontâneos de paralisação por parte de alguns motoristas.

A paralisação da manhã desta sexta afetou grande parte do serviço de ônibus na Região Metropolitana e foi um protesto contra a decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST), que suspendeu, temporariamente, o aumento de 10% no salário e de 75% no tíquete-alimentação da categoria. Esse índice de aumento havia sido determinado pelo Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região (TRT-6), no último dia 30 de julho, após três dias de greve da categoria.

De acordo com o secretário-geral da diretoria do sindicato, Josival José da Costa, a situação dos ônibus na segunda-feira (25), só será definida na reunião de domingo. O encontro vai ocorrer na sede do Sindicato dos Professores de Pernambuco (Simpere), no Centro do Recife.

"A paralisação de hoje foi para mostrar que a classe rodoviária está disposta a lutar pelas suas causas. Isso foi uma resposta aos patrões, para dizer que precisamos respeito. Eles dizem não têm dinheiro para pagar o aumento, mas não falam do lucro, das insenções fiscais que recebem", comentou.

Segundo o Grande Recife Consórcio de Transportes, às 17h desta sexta, a quantidade do efetivo de ônibus que circulava pelas ruas da Região Metropolitana era de 40%. Ainda assim, o sindicato dos trabalhadores insiste que motoristas, cobradores e fiscais devem voltar ao trabalho normal ainda durante esta noite. A assessoria jurídica do sindicato está trabalhando para apresentar recurso junto ao TST, contra a ação do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros, a Urbana-PE, que reúne os empresários do setor.

Em nota, a Urbana-PE  disse que "tem se empenhado para garantir a operação do sistema de transporte público na Região Metropolitana do Recife (RMR) ao longo desta sexta-feira". O sindicato das empresas afirma ainda que não foi informado sobre a paralisação dos operadores, conforme obriga a legislação.

Aulas suspensas
A Universidade Católica de Pernambuco (Unicap) suspendeu o expediente desta sexta-feira a partir das 13h, devido à paralisação dos rodoviários. A instituição informou que, caso o movimento continue no sábado (23), as aulas também vão ser suspensas. Também foram suspensas as aulas noturnas do Centro Universitário Maurício de Nassau (Uninassau).

Metrô amplia horário
Por conta da paralisação, o horário de pico do metrô vai ser estendido das 17h às 21h, uma hora a mais que em dias normais. Neste período, as viagens da Linha Centro terão intervalo de cinco minutos, enquanto o da Linha Sul será de oito minutos. A medida vai gerar mais 20 viagens, transportando mais 40 mil passageiros. O metrô do Recife opera normalmente até as 23h.

Dia tumultuado
A manhã desta sexta foi de muito tumulto e de dificuldade para passageiros que precisavam pegar ônibus. Alguns relataram espera de mais de duas horas em paradas. De acordo com o Grande Recife Consórcio de Transporte, apenas 35% da frota saiu das garagens e parte ainda ficou parada nas ruas. Por dia, são atendidos pelo sistema uma média de 2 milhões de passageiros.

Um ônibus foi incendiado durante um protesto, no Terminal Integrado da Macaxeira, no Recife. Um carro do Corpo de Bombeiros esteve no local apagando as chamas e liberando a circulação dos veículos na BR-101. As paradas da cidade continuam cheias e poucos ônibus estão circulando. Mais de dez ônibus ficaram parados na rodovia PE-15, em Olinda, na altura do Viaduto dos Bultrins. Parte dos coletivos teve os pneus esvaziados com pregos. Um ônibus estava com o parabrisa quebrado. 

Os motoristas informavam incialmente que a paralisação seria de 4h às 10h. Os registros de tumulto e protestos continuam em todo o Grande Recife. No começo da manhã, o trânsito foi interrompido na BR-101 no sentido Recife - Paulista, na altura do quilômetro 60, devido ao protesto de rodoviários no terminal da Macaxeira. O protesto foi encerrado por volta das 9h, mas ainda há retenção na BR-101 de Igarrasasu para o Recife, gerando congestionamento a partir de Abreu e Lima.

Em Olinda, logo pela manhã, havia ônibus no Terminal Integrado do Xambá, mas eles não entravam nem saiam do local. Um portão chegou a ser derrubado no começo da manhã para garantir a não-circulação dos coletivos e houve protesto, com fogo sendo ateado a pneus para impedir a passagem  na rua. Passageiros revoltados fecharam por alguns minutos a Avenida Presidente Kennedy, que foi liberada por volta das 7h20. Por dia, passam cerca de 50 mil passageiros pelo terminal.

Decisão do dissídio
A decisão monocrática sobre o dissídio coletivo dos trabalhadores aconteceu na quarta-feira (20) e acata o recurso ordinário do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado de Pernambuco (Urbana-PE). A medida fica valendo até o julgamento do processo pela Seção de Dissídios Coletivos do TST, ainda sem data marcada.

 Em sua decisão, o ministro do TST entende que o reajuste concedido foi fora dos limites do poder normativo da Justiça do Trabalho. Dessa forma, ficam suspensos o reajuste salarial e do piso da categoria de 10% e mantido o de 6%. Com isso, o salário de motorista passa a ser de R$ 1.700,30; o de fiscal, R$ 1.100,17; e o de cobrador, R$ 782,28. Com a decisão conseguida no TRT no dia 30 de julho, após uma greve de três dias, os salários dos trabalhadores seriam de R$ 1.765,5, R$ 1.140,70, e R$ 811,80, respectivamente.

A suspensão também afeta o auxílio-funeral, diária para viagens e o tíquete-alimentação dos trabalhadores, que havia sido corrigido em 75%, atingindo o valor de R$ 300. Com o reajuste de 6%, o tíquete fica em R$ 181,26.  Na ocasião do julgamento do TRT, os desembargadores entenderam que o valor não permite uma alimentação adequada no Grande Recife.

Os trabalhadores ainda não haviam recebido nenhum salário com aumento. Quando houve a decisão do TRT, a folha do mês já havia sido concluída. No dia 20 de agosto, os trabalhadores recebem um adiantamento do salário, que é pago no dia 5. Nesse primeiro pagamento, os empresários afirmaram que o aumento seria dado no pagamento efetivo do salário, dia 5.

Em nota, a Urbana-PE informou que entrou com recurso "por motivo de absoluta incapacidade financeira  e visando salvaguardar a solvência financeira do sistema". O  sindicato diz ainda que o sistema é custeado unicamente pela tarifa, "a segunda menor do País e que há mais de 2 anos não é reajustada". A Urbana ainda cita que "outras fontes de recurso devem ser adotadas para manutenção do serviço, para prover melhorias e garantir uma tarifa socialmente justa aos usuários".

READ MORE - Greve em Recife: Paralisação de rodoviários fica suspensa até domingo

Metrô de Salvador: Estação Retiro será entregue nesta segunda

A Estação Retiro do metrô de Salvador começa a funcionar nesta segunda-feira (25), a partir das 9h. A entrega oficial do local será feita pelo governador da Bahia, Jaques Wagner, e aumenta o trecho atendido para 7,3 quilômetros – que vai do Retiro até a Lapa. A 5ª estação da Linha 1 também funciona gratuitamente de forma assistida até o dia 15 de setembro, quando o serviço passará a ser cobrado. O metrô da capital baiana passou à responsabilidade do Estado em 2013. 

As obras necessárias ao funcionamento do primeiro trecho integram o Programa Mobilidade Salvador, que possui orçamento de R$ 8,5 bilhões.

Informações: Bahia Notícias



READ MORE - Metrô de Salvador: Estação Retiro será entregue nesta segunda

Recife: Em meio a protesto de rodoviários, ônibus é queimado na BR-101

Recife amanheceu sem ônibus. Após o Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros (Urbana-PE) colocar que não teria condição financeira para arcar com o reajuste salarial prometido, os rodoviários protestaram parando os coletivos. Terminais Integrados foram fechados e a população amanheceu sem ter como se locomover. A surpresa foi dupla: dos rodoviários e dos passageiros.

No terminal de Xambá, em Olinda, hove tumulto e protesto com fogo ateado em pneus, impedindo a saída e chegada dos coletivos. No Terminal da Macaxeira, manifestantes queimaram um coleivo. No Terminal da PE-15, um ônibus teve os pneus furados. Todos os terminais integrados foram fechados. Na estação central do metrô, os portões foram fechados, diante da superlotação. Uma multidão também se aglomera na estação Cajueiro.

O reajuste de 10% concedido pelo Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região (TRT6) aos motoristas, cobradores e fiscais de ônibus do Grande Recife, em 30 de julho, foi provisoriamente suspenso pelo presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro Barros Levenhagen.

A decisão monocrática sobre o dissídio coletivo dos trabalhadores aconteceu na quarta-feira (20) e acata o recurso ordinário do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado de Pernambuco, a Urbana-PE. A medida fica valendo até o julgamento do processo pela Seção de Dissídios Coletivos do TST, ainda sem data marcada.

Decisão de suspensão do aumento revoltou categoria
Em sua decisão, o ministro do TST entende que o reajuste concedido foi fora dos limites do poder normativo da Justiça do Trabalho. Dessa forma, ficam suspensos o reajuste salarial e do piso da categoria de 10% e mantido o de 6%. Com isso, o salário de motorista passa a ser de R$ 1.700,30; o de fiscal, R$ 1.100,17; e o de cobrador, R$ 782,28. Com a decisão conseguida no TRT no dia 30 de julho, após uma greve de três dias, os salários dos trabalhadores seriam de R$ 1.765,5, R$ 1.140,70, e R$ 811,80, respectivamente.

A suspensão também afeta o auxílio-funeral, diária para viagens e o tíquete-alimentação dos trabalhadores, que havia sido corrigido em 75%, atingindo o valor de R$ 300. Com o reajuste de 6%, o tíquete fica em R$ 181,26.  Na ocasião do julgamento do TRT, os desembargadores entenderam que o valor não permite uma alimentação adequada no Grande Recife.

A advogada do Sindicato dos Rodoviários, Maria Rita Albuquerque, afirmou que a medida já era esperada pela categoria, devido ao recurso impetrado pela Urbana-PE. “Ainda não tivemos conhecimento da publicação, mas estamos empenhados na resposta do recurso. A partir de agora, vai correr um prazo e vamos atrás disso”, comentou.

Foto: Alessio Lucena/WhatsApp
READ MORE - Recife: Em meio a protesto de rodoviários, ônibus é queimado na BR-101

Volvo vende 40 articulados para BRT de Goiânia

A Volvo Bus Latin America vendeu 40 ônibus articulados para circular no Eixo Anhanguera, corredor de BRT (Bus Rapid Transit) de Goiânia, capital de Goiás. A Suécia, concessionária Volvo na região, venceu a licitação realizada pelo Governo Estadual e começa a entregar os veículos em setembro. 

Todos os ônibus serão equipados com sistemas de gestão de frota e de tráfego, caixa de câmbio automática, freio a disco e EBS, um sistema de controle eletrônico dos freios que oferece mais eficiência e estabilidade às frenagens. Além disso, possuem controle de aceleração inteligente, item que garante que somente a potência necessária seja empregada nos arranques e retomadas de velocidade, reduzindo em até 3% o consumo de combustível. 

Com 21 metros de comprimento e capacidade para 180 passageiros, segundo a Volvo, os veículos transportarão até 20% mais passageiros que outros articulados disponíveis no mercado. 

Para dar suporte à operação dos ônibus articulados, a Suécia está assumindo a manutenção dos veículos. A concessionária vai atender aos clientes dentro da garagem com equipe própria dedicada. “Vamos oferecer todo o suporte necessário para garantir a disponibilidade dos ônibus e que todos estejam circulando com sua melhor performance”, afirma em nota Norton de Oliveira e Silva, diretor executivo do Grupo Suécia. 

“O transporte urbano de Goiânia se destaca pela eficiência na operação, com viagens rápidas, e pelo sistema de informação ao passageiro, que podem programar seus deslocamentos sem perder tempo esperando os ônibus nos pontos de parada”, afirma Luis Carlos Pimenta, presidente da Volvo Bus Latin America. 

O sistema de gestão de tráfego (ITS4mobility) monitora a circulação da frota de ônibus indicando a posição dos veículos no trajeto e o tempo de percurso. Os passageiros podem acessar em tempo real, via internet, mensagens de texto no celular, call center e totens instalados em pontos estratégicos, os horários de chegada dos ônibus aos pontos de parada de cada uma das linhas. 

Os operadores de transporte são beneficiados com informações como tempo de percurso, pontualidade, quantidade de ônibus nos trajetos e velocidade média por linha. Com esses dados em mãos, podem agir para corrigir falhas e garantir a eficiência do sistema de transporte. Integrado ao sistema de gestão de frotas (Fleet Manager), o operador acessa ainda o consumo de combustível, giro, marcha lenta, emissão de poluentes, código de horas e quilômetros rodados e velocidade média da frota por veículo e por motorista. 

“São informações que ajudam a garantir a eficiência do sistema de transporte, ao mesmo tempo que permitem aos operadores obter uma alta performance dos ônibus e dos motoristas, reduzindo custos operacionais”, destaca Vinicius Gaensly, responsável pela área de telemática da Volvo Bus Latin America.

Informações: automotivebusiness

READ MORE - Volvo vende 40 articulados para BRT de Goiânia

SMTT segue com reformas terminais de ônibus em Maceió

A Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) prossegue com as obras de melhorias do serviço de transporte público. A SMTT vem realizando trabalhos de reestruturação e reformas em diversos terminais de ônibus da cidade. Mais recentemente, o terminal do bairro do Sanatório foi mais um contemplado com os trabalhos de reforma e já foi entregue à população no começo deste mês.

Além dele, os terminais do Salvador Lyra, Selma Bandeira, João Sampaio, Trapiche da Barra, Mocambo e Osman Loureiro também irão receber os trabalhos necessários de reparos, como a recuperação da parte elétrica, pinturas, substituição das cobertas, pavimentação, melhoria nas esquadrias, troca de piso, reestruturação dos banheiros, padronização da fachada, colocação de piso tátil e calçada de acessibilidade.

De acordo com a SMTT, além dos reparos básicos, o terminal do Mocambo, no bairro do Benedito Bentes, terá também uma área de convívio e um aumento na área de estocagem para mais ônibus já que no terminal funcionam três empresas de coletivos. Já no terminal do Trapiche da Barra será reparada a parte de saneamento para melhor acomodação dos usuários do transporte público.

Além das reformas, a SMTT já inicia os preparativos para a construção do terminal do Village Campestre. O terminal ficará próximo ao prédio da Vila Olímpica da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer (Semel) e terá pavimentação, banheiros, calçada de acessibilidade para pessoas com dificuldade de locomoção, ponto de apoio para os motoristas e cobradores e um abrigo de ônibus.

Os trabalhos de reformas e construção de terminais de ônibus seguem o cronograma da SMTT e até o momento foram reformados os terminais do Vergel do Lago, do Mercado da Produção na Levada, Conjunto José da Silva Peixoto no Jacintinho e o último o do Terminal Integrado do Benedito Bentes.

Informações: Tribuna Hoje

READ MORE - SMTT segue com reformas terminais de ônibus em Maceió

Campinas receberá R$ 1,2 milhão para planejar novo sistema de VLT

Campinas (SP) receberá R$ 1,2 milhão da Caixa Econômica para contratar um estudo que irá apontar se é viável a implantação de um novo sistema para veículo leve sobre trilhos (VLT) na cidade. Segundo a Prefeitura, a assinatura do financiamento estava prevista para esta sexta-feira (22), na capital paulista, mas foi cancelada pela instituição financeira "em virtude de agenda". O projeto anterior do VLT teve obras iniciadas em 1990 e foi desativado cinco anos depois.

Correção: Ao contrário do que o G1 informou anteriormente, a verba para o estudo do novo sistema de VLT será transferida por meio da Caixa Econômica Federal, e não haverá financiamento pelo banco. A informação foi corrigida às 15h08.

O secretário de Administração, Silvio Bernardin, explica que o novo plano irá promover a ligação entre o Aeroporto Internacional de Viracopos e a região central, com perspectiva de ser usado diariamente por 100 a 120 mil passageiros. "A expectativa é de que o estudo esteja pronto em 180 dias, por isso, entre janeiro e fevereiro do próximo ano", prevê o titular da pasta. Segundo ele, a licitação para escolha da empresa responsável deve durar 60 dias após assinatura do acordo.


Segundo ele, a verba para o estudo será repassada pelo Ministério das Cidades, por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) da Mobilidade Urbana. Em relação ao conjunto de trilhos desativados em 1995, Bernardin ressalta que há conceitos diferentes e acena que o reaproveitamento do projeto deixado de lado por seguidas gestões municipais será limitado.

"O estudo irá indicar o melhor traçado, mas o conceito do passado não é um VLT propriamente dito, já que era um trem urbano adaptado. Dificilmente se consegue aproveitar alguma coisa, exceto as vias onde passavam por áreas da União. Pode ser discutido", resume o secretário. A nova data para finalização do acordo não foi divulgada até a publicação desta reportagem.

Como pagar o novo VLT?
O Executivo estima que a construção de cada quilômetro do novo sistema de veículo sobre trilhos deve custar em torno de R$ 80 milhões aos cofres públicos, portanto, um total de R$ 1,3 bilhão. Para Bernardin, o município tem pelo menos três alternativas para sustentar o projeto. Entre elas, segundo o secretário de administração, estão novo pedido de repasse ao governo federal, financiamento através do Banco Mundial (BIRD) ou até mesmo a execução de uma parceria público-privada. Neste caso, o titular da pasta menciona que a Prefeitura pode, inclusive, buscar ações que auxiliem na redução de custos ao desenvolver concessões.

"Tudo é muito abstrato, mas pode ser que o estudo faça a seguinte. 'Vamos construir uma estação de embarque e desembarque no Ouro Verde e construir um minishopping para ajudar sustentar. O desafio é que há uma demanda de passageiros, mas não podemos correr o risco de um projeto que não se sustente do ponto de vista financeiro", alega o titular da pasta.

Interligação com o BRT
O secretário de Transportes, Carlos José Barreiro, conta que a intenção da pasta é criar outros três eixos para o novo VLT, além da ligação entre Viracopos e a região central. Segundo ele, além de uma linha circular da região, o intuito é promover linhas entre o Centro e distritos de Sousas e Barão Geraldo. "Queremos valorizar a integração das áreas e também com o BRT", ressalta.

Segundo o presidente da Empresa Municipal de Desenvolvimento (Emdec), a pasta tentará aproveitar o que for possível do antigo sistema de veículo leve sobre trilhos para amenizar as necessidades de desapropriações. "Uma parte já será usada na implantação do BRT [ônibus de transporte rápido, em inglês]. O que restar, vamos tentar fazer o melhor uso", defende Barreiro.

Antigo VLT
O Veículo Leve Sobre Trilhos foi uma tentativa de transporte sobre trilhos em Campinas, que teve obras iniciadas em 1990, mas cinco anos depois foi desativado. A linha usou o antigo leito da estrada de ferro Sorocaba. Em novembro de 1990, o trecho entre as estações Barão de Itapura e Aurélia começou a operar. No ano seguinte, foram inauguradas as estações Central, Vila Teixeira e Campos Elíseos. Essas paradas faziam parte da linha Sul, do projeto, que tem 7,9 quilômetros de extensão.

Informações: G1 Campinas e Região

Leia também sobre:
READ MORE - Campinas receberá R$ 1,2 milhão para planejar novo sistema de VLT

Mudança no trânsito e nos itinerários de ônibus que circulam pela Avenida Recife

O trânsito na Avenida Recife vai sofrer alteração a partir deste sábado (23), no bairro do Ipsep, Zona Sul da capital. Os motoristas que seguem no sentido Cidade Universitária-Boa Viagem não poderão mais fazer o giro à esquerda na Rua Jean Emile Favre. Os carros devem seguir até a Rua Lula Cardoso Ayres, para fazer o retorno e voltar no sentido oposto da avenida. Atualmente, uma faixa da esquerda da via é exclusiva para quem segue para o Ipsep.
Foto: Google Earth
A previsão da Companhia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU) é ordenar e dar mais fluidez ao trânsito na Avenida Recife, por onde circulam 56.000 veículos diariamente. Após entrarem na Rua Lula Cardoso Ayres, pouco antes do Viaduto Tancredo Neves, os condutores devem continuar pela Rua Gonçalves Magalhães e girar à esquerda para acessar novamente a Avenida Recife, no sentido Boa Viagem-UFPE.

De acordo com a CTTU, será implantada sinalização viária horizontal e cerca de 30 placas de sinalização vertical, que vão regulamentar a nova circulação. Equipes de agentes de trânsito serão deslocadas para orientar os condutores que circulam pela área, a partir de sábado.

Mudança de Itinerários
A partir do próximo sábado (23), nove linhas que trafegam pela Av. Recife terão mudança de itinerário. A alteração acontecerá devido a proibição do giro à esquerda usado para acessar a Rua Jean Emile Favre. 

As linhas 040 – CDU/Boa Viagem/Caxangá, 131 – UR-02 (Bacurau), 145 – Alto Dois Carneiros (Bacurau) e 146 – UR-11 (Bacurau) passarão a fazer o seguinte trajeto: Av. Recife, Rua Pintos Lula Cardoso Ayres, Rua Gonçalvez de Magalhães, Av. Recife, Av. Jean Emile Favre...

Já os ônibus das linhas 102 – Ibura/Santa Luzia e 106 – Parque Aeronáutica/Santa Luzia, no sentido estação Santa Luzia farão o trajeto pela Av. Dois Rios, Av. Dom Hélder Câmara, Rua Pintor Atônio de Albuquerque, Rua Professor José Vicente, Rua Aristides Lobo, Rua Anísio Galvão, Rua Jean Emile Favre, Av. Recife....TI Santa Luzia. 

As linhas com destino ao IPSEP, 110 – Ibura/IPSEP, 180 – Alto Dois Carneiros/IPSEP e 190 – UR-11/IPSEP, também passarão a fazer outro percurso. Os veículos irão trafegar pela Av. Dois Rios, Av. Dom Hélder Câmara, Rua Pintor Atônio de Albuquerque, Rua Professor José Vicente, Rua Aristides Lobo, Rua Anísio Galvão, Rua Jean Emile Favre, Rua Jamaica...

Para mais informações, o usuário dispõe da Central de Atendimento ao Cliente no número 0800.081.0158. 

Informações: Blog Meu Transporte e GRCT

READ MORE - Mudança no trânsito e nos itinerários de ônibus que circulam pela Avenida Recife

Nove novas linhas alimentadoras do BRT Transcarioca começam a operar segunda

O Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) terá prioridade em pelo menos 80% dos semáforos para travessia de pedestres e cruzamentos de veículos ao longo de seus dois eixos (Centro-Coxipó e Aeroporto-CPA).

O Consórcio BRT promove, a partir da segunda-feira (25/8), mais uma etapa do processo de racionalização das linhas de ônibus das regiões de Recreio, Jacarepaguá e Madureira. A medida cumpre o planejamento definido pela Secretaria Municipal de Transportes. Veja o esquema abaixo:

       Início da operação da linha alimentadora 816A (Capela – Tanque), em substiuição a 816 (Taquara – Hospital Cardoso Fontes), com integração ao BRT no Terminal Mestre Candeia, junto a estação Tanque.

       Início da operação da linha alimentadora 690A (Méier - Madureira). em substituição a 690 (Méier – Alvorada via Madureira),  com integração ao BRT nos terminal Paulo da Portela, em Madureira.

       Início da operação da linha alimentadora 890A (Tanque – Alvorada via Cidade de Deus), em subsituição a 690 (Méier – Alvorada via Madureira),  com integração ao BRT nos terminalis Mestre Candeia (junto a estação Tanque) e Alvorada.

       Início da operação da linha alimentadora 932A (Gardênia Azul – Tanque via Pau Ferro), em substituição a 732 (Gardênia Azul – Cascadura), com integração ao BRT no Terminal Mestre Candeia, junto a estação Tanque.

       Início da operação da linha alimentadora 810A (Pontal - Curicica), em substituição a 747 (Vargem Grande - Cascadura), com integração ao BRT na estação Praça do Bandolim (Transcarioca).

       Início da operação da linha alimentadora 809A (Curicica – Recreio via Vargem Grande), em substituição a 749 (Cascadura – Recreio via Vargem Grande), com integração ao BRT na estação Praça do Bandolim (Transcarioca).

       Início da operação da linha alimentadora 954A (Curicica – Recreio via Benvindo de Novaes), em substituição a 758SV (Cascadura – Recreio via Benvindo), com integração ao BRT na estação Praça do Bandolim (Transcarioca).

       Início da operação da linha alimentadora 875A (Praça Seca – Chácara circular), em substituição a 875 (Praça Seca - Chácara), com integração ao BRT na estação Praça Seca (Transcarioca).

       Início da operação da linha alimentadora 991A (Taquara – Alvorada via Cidade de Deus), em substituição a 691 (Méier – Alvorada via Taquara), com integração ao BRT nos terminais Bandeira Brasil (Taquara) e Alvorada.


A criação das linhas alimentadoras dos corredores BRT segue a lógica de racionalização do sistema de ônibus no município. Linhas convencionais são extintas ou passam a ter seus itinerários reduzidos, tornando-se parte do Sistema BRT. Com isso, os passageiros passam menos tempo no trânsito comum e, após a integração com os corredores BRT ganham mais rapidez em seus deslocamentos. Os cortes de linhas convencionais acontecem de forma gradual. 

Portadores dos cartões Riocard, Vale Transporte, Bilhete Único (Estado) e Bilhete Único Carioca (Prefeitura) têm o benefício de fazer até três viagens (que incluam um BRT e uma linha alimentadora) pagando apenas uma passagem desde que as validações sejam feitas dentro de um período de duas horas e meia.

Promotores do Consórcio BRT estarão nas estações e principais pontos das linhas acima divulgando todas as mudanças para a população, com distribuição de folhetos explicativos. As novidades também estão nas redes sociais do BRT Rio, que atingem até 120 mil seguidores.

Informações: BRT Rio

READ MORE - Nove novas linhas alimentadoras do BRT Transcarioca começam a operar segunda

Em Cuiabá, VLT terá prioridade em 80% de sinais e faixas de pedestre

O Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) terá prioridade em pelo menos 80% dos semáforos para travessia de pedestres e cruzamentos de veículos ao longo de seus dois eixos (Centro-Coxipó e Aeroporto-CPA).

Pelo menos é o que aponta o estudo operacional do VLT, desenvolvido pela empresa Oficina – Engenheiros Consultores Associados Ltda. e entregue à Agência Metropolitana do Vale do Rio Cuiabá.
Tony Ribeiro/MidiaNews
Segundo o coordenador do estudo e engenheiro de tráfego, Rafael Detoni, uma viagem do Aeroporto Marechal Rondon até o Terminal do VLT no CPA, irá durar 82 minutos em horários de pico.

Já do Terminal do Coxipó até o Centro de Cuiabá, o tempo de viagem será de 45 minutos.

“Ao longo de todo o traçado do VLT, em 80% dos semáforos – seja de cruzamentos ou de travessia de pedestres –, ele terá prioridade”, disse.

“Em alguns casos essa prioridade não será possível, como é o caso dos cruzamentos entre a Avenida Isaac Povoas e a Prainha, o Ginásio São Gonçalo e a Avenida XV de novembro, a chegada da Avenida Coronel Escolástico na Prainha e também na entrada da Avenida Mato Grosso, onde o movimento de carros é grande”, explicou.


No entanto, segundo Detoni, todos esses “pontos de conflitos” estão previstos no tempo de viagem calculado e divulgado no estudo. 

Em cada um desses cruzamentos, de acordo com o engenheiro, serão instalados semáforos para o trânsito convencional e para o trem, além dos semáforos para travessia de pedestres – que serão implantados a cada entrada e saída de estação do VLT ao longo dos dois eixos.

“O trem segue regra de trânsito como qualquer outro veículo. Mas ele tem prioridade. Nesse trecho de conflitos, por exemplo, não dá para manter 100%de prioridade para o VLT, porque ali o movimento é grande e há uma sobreposição de linhas”, explicou.

No trecho localizado entre o Morro da Luz e Porto, a operação será de injeção de um trem da linha 1 na Prainha, seguido por um carro da linha 2.

“Aquele trecho entre a Mato Grosso e a São Gonçalo é de muito carregamento veicular e não dá para garantir que todos os trens terão prioridade sempre. Tem hora que o trem vai ter que esperar um pouco para deixar o trânsito fluir”, explicou.

Operação

Conforme Detoni, o VLT irá operar em Cuiabá das 5h até meia-noite, diariamente, com intervalo que varia de quatro minutos a 12 minutos entre um trem e outro, durante os dias úteis.

Aos sábados, domingos e feriados, a operação do trem será diferenciada, segundo o engenheiro, uma vez que a demanda nesses dias é baixa.

“Tiramos isso em função das viagens e das lotações que são registradas hoje no sistema de transporte coletivo de Cuiabá e Várzea Grande”, disse.

O estudo aponta que, nos horários de pico – das 6h30 às 8h30 e das 17h às 19h –, 36 trens deverão estar em operação nos dois eixos, passando nas estações em intervalos de quatro minutos.

Nos horários mais “tranquilos”, das 5h às 6h30 e das 21h à meia-noite, 12 trens se manterão em operação nas duas linhas, com intervalos de 12 minutos entre um carro e outro.

Nos demais horários de dias de semana, das 8h30 às 16h30 e das 19h30 às 20h30, serão mantidos 25 carros em operação, passando pelas estações em intervalos de seis minutos.

“À meia-noite os trens serão recolhidos para o pátio para inspeção, limpeza, manutenção e higienização. Nesse período, a operação de madrugada segue com os ônibus como já é feito, porque não há trânsito”, disse Detoni.

O engenheiro explicou, ainda, que os 40 carros do VLT – formados por sete vagões cada um – nunca irão operar em conjunto, para garantir a existência de uma frota reserva.

“Essa grade será ajustada conforme a necessidade e demanda da cidade. Não precisa haver essa rigidez toda, mas essa tabela serve para se ter um parâmetro de funcionamento. Em dias de jogos na Arena Pantanal, por exemplo, haverá uma oferta maior de carros, em uma frequência maior”, afirmou.

Travessia de pedestres

Detoni explicou que, nas travessias de pedestres que serão implantadas ao longo dos dois eixos do VLT, o trem também terá que parar.

“As faixas de pedestre atendem tanto ao usuário que vai para a estação, quanto quem quiser atravessar a avenida. O semáforo será programado para que, enquanto o VLT estiver na plataforma, ficará fechado para o pedestre”, disse.

No projeto do VLT, segundo o engenheiro, estão previstas implantação de faixas de pedestres no início e fim de cada estação do trem – além da instalação de uma passarela para os pedestres em frente ao Shopping Pantanal.

Tal medida, segundo ele, irá facilitar a vida dos usuários do transporte coletivo e dos pedestres de uma forma geral.

“Um exemplo é aquele trecho localizado entre o Colégio Master, onde há um semáforo para pedestres. Se você descer em direção ao Coxipó, você vai encontrar apenas mais um ponto de travessia dos pedestres, que é a passarela, que ninguém usa. Depois disso, só após o viaduto da UFMT. Ali [na Avenida Fernando Corrêa], o pedestre está vendido”, disse.

Segundo Detoni, com a implantação do VLT, o pedestre irá contar com quatro pontos de travessia na avenida. Além disso, uma das estações do VLT acabará por eliminar a passarela hoje existente próximo ao viaduto da Miguel Sutil.

“A prioridade é do pedestre e do transporte coletivo, não do carro. A ideia, aliás, é incentivar o uso do transporte coletivo”, disse Detoni, sobre a possível criação de congestionamentos ao longo das avenidas, no trânsito comum.

Por Lislaine dos Anjos
Informações: Midia News

READ MORE - Em Cuiabá, VLT terá prioridade em 80% de sinais e faixas de pedestre

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960