Greve de ônibus chega ao 3º dia em Brasília

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Segundo o DFTrans, a paralisação atinge cerca de 300 mil passageiros das cidades de Taguatinga, Ceilândia, Guará, Águas Claras, Park Way, Vicente Pires, Brazlândia, Itapoã, Paranoá, Jardim Botânico, Lago Sul, Candangolândia, Santa Maria, São Sebastião e Gama, além do SIA e SCIA.
O DFTrans informou que desde o início da greve, na terça-feira (15/7), se reúne com as empresas e respresentantes do sindicato para solucionar o problema. O órgão acredita que a reunião da manhã de hoje deve por fim à greve.

Para conseguir chegar ao trabalho, passageiros recorrem ao transporte pirata. No Paranoá, por exemplo, o preço da passagem cobrada varia entre R$ 3 e R$ 5. Mas nem todos optam por usar o transporte irregular.

Depois de esperar por duas horas na parada de ônibus, o auxiliar de serviços gerais Ronaldo Silva, 35 anos, desistiu de ir trabalhar. Ele precisa pegar pelo menos dois ônibus para chegar ao trabalho, na Epia Sul. "A greve é ruim porque prejudica quem realmente precisa do transporte público em Brasília", desabafou Ronaldo.

Com informações de Thiago Soares.
Correio Braziliense
READ MORE - Greve de ônibus chega ao 3º dia em Brasília

Em Curitiba, Passageiros economizam tempo e aprovam faixa exclusiva para ônibus na Rua XV de Novembro

Passageiros de linhas urbanas e metropolitanas que circulam pela Rua XV de Novembro estão aprovando a faixa exclusiva para ônibus recém-implantada no trecho entre a Praça das Nações e a Rua João Negrão. A faixa tornou os deslocamentos mais rápidos e reduziu o tempo de viagem para quem reside ou trabalha na região, ou passa por ela a caminho de seus compromissos.

Graças à faixa, os coletivos trafegam livres, com maior rapidez, permitindo que o usuário saia de casa em horários mais próximos do começo da jornada. O corredor exclusivo beneficia 53,5 mil passageiros transportados ao dia por 12 linhas do transporte coletivo que utilizam a Rua XV de Novembro, no trecho de três quilômetros entre a Avenida Nossa Senhora da Luz e a Rua João Negrão.

“Essa faixa exclusiva é uma bênção para quem vem do bairro ao centro todos os dias, porque dá prioridade ao ônibus sobre o automóvel. Dá para cumprir os compromissos e sobra tempo para uma compra ou uma visita”, diz a administradora Marianna Woislaw Nascimento.

Marianna usa duas vezes ao dia a linha Detran-Vicente Machado, e desde a implantação da faixa exclusiva diz que o ganho de tempo é de cerca de 15 minutos por viagem. “Posso terminar as atividades caseiras com mais calma e depois ir para o trabalho, ou então chegar mais cedo em casa no fim da tarde”, explica.

A opinião da administradora é compartilhada por Luiz Cezar Pereira, que presta serviços de Consultoria ao Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre (DNIT), cujas instalações ficam na Avenida Victor Ferreira do Amaral, ao lado do viaduto da BR-476.

Pereira também é usuário da mesma linha, duas a quatro vezes por dia, e acredita que a faixa exclusiva permite deslocamentos não só mais rápidos, como também mais seguros. “A velocidade média dos ônibus aumentou e os passageiros viajam em segurança, graças à faixa que dá prioridade aos coletivos”, diz.

Normas

Ao longo da faixa exclusiva para ônibus, a passagem de outros veículos é permitida apenas para acesso de moradores, nos trechos próximos a garagens de casas e prédios localizados no lado direito da Rua XV de Novembro. Os táxis podem entrar na faixa exclusiva para levar ou pegar passageiros, mas não podem estacionar nessa faixa – devem adentrar as guias rebaixadas existentes e permanecer apenas o tempo necessário para o embarque e desembarque de passageiros.

Para as conversões à direita de veículos, foram criados espaços de 20 metros, localizados um pouco antes do cruzamento, com uma linha pontilhada separando as faixas, ao invés dos tachões. Os motoristas e motociclistas podem passar para a faixa exclusiva apenas nesses trechos – respeitando o fluxo dos ônibus, que têm a preferência –, para depois fazer a conversão à direita.

A intenção da Prefeitura é implantar faixas exclusivas para ônibus em outros pontos da cidade, melhorando a operação do transporte coletivo e o fluxo de tráfego em ruas e avenidas mais congestionadas.

READ MORE - Em Curitiba, Passageiros economizam tempo e aprovam faixa exclusiva para ônibus na Rua XV de Novembro

Prefeitura do Rio proíbe Vans no BRT Transoeste

- A partir desta terça-feira, vans e Kombis estão proibidas na Avenida Cesário de Melo, entre a Rua Messias, próximo ao viaduto de Paciência, e a Estrada do Monteiro, em Campo Grande. A determinação foi publicada no Diário Oficial da prefeitura, na segunda-feira, e tem como um dos objetivos impedir a competição do transporte alternativo com o BRT Transoeste. A restrição deve tirar de circulação desse trecho cerca de 700 veículos, que transportam por dia, em média, 30 mil passageiros, segundo cooperativas.

“A gente quer impedir a concorrência entre modais. A quantidade de vans naquele local tem trazido até impactos no trânsito”, argumentou o coordenador de Transporte Completar da cidade, delegado Claudio Ferraz.
Foto:  João Laet / Agência O Dia
Até a próxima sexta-feira, fiscais da prefeitura vão apenas orientar os motoristas e distribuir cópias da resolução para os funcionários das cooperativas, com intuito de informar sobre as punições. A partir de segunda-feira, quem insistir em circular na Cesário de Melo, no trecho proibido, terá que pagar multa no valor de R$ 1.324,60, e o veículo será apreendido.

Se o motorista for multado numa segunda vez, terá a licença cassada. A coordenadoria informou que já enviou ofícios aos batalhões e às delegacias da área para que auxiliem, na questão de segurança, as operações de fiscalização. A notícia pegou passageiros e cooperativas de surpresa. A maior reclamação de quem precisa usar o sistema Transoeste é que os ônibus passam lotados e em intervalos muito longos.

“Tenho Bilhete Único, mas pago a passagem na van com dinheiro, porque gasto somente na estação Cesarão II, onde faço integração, cerca de 1h20 para pegar o ônibus até minha casa, em Sepetiba. É muito cansativo. Esse tempo que fico lá é o suficiente para eu chegar de transporte alternativo em casa. Se a prefeitura aumentar a frota de ônibus, acho que consegue diminuir o problema”, disse o vigilante Sebastião Braz, de 46 anos.

Usuário pede reforço no BRT

Enquanto a equipe do DIA ficou em frente à Estação Prefeito Alim Pedro, em Campo Grande, passaram 30 vans e três veículos do BRT. Não só os ônibus estavam cheios, como também os veículos de transporte alternativo. A constação revela um problema sério da região: por mais que se tenha investido em mobilidade a demanda ainda é muito grande. A Coordenadoria de Transporte Complementar explicou que deve ter reforço de linhas no trecho da Cesário de Melo, com as mudanças previstas. A estratégia foi a mesma usada na Zona Sul, quando as vans foram proibidas.

Portadora de uma doença degenerativa e moradora de Campo Grande, a aposentada Suely Coelho Viana, 57, está com receio. “O problema não é tirar a van. É colocar um transporte eficiente. Desisti do BRT porque só andava em pé. Vamos ver como vou me virar agora”.

Alteração para instaurar o STPL

As alterações na Cesário de Melo, para a prefeitura, são um importante passo para que se dê o processo de reordenamento e prepare a região para a entrada do Sistema de Transporte Público Local (STPL), que tem regras mais rígidas, como a exigência de validadores que permitem a utilização do Bilhete Único Carioca.

Mas, apesar do processo de licitação para novos serviços de transporte alternativo já ter sido concluído pelo município, ainda não há previsão de quando o sistema será colocado nas ruas de bairros como Bangu, Padre Miguel, Senador Camará, Campo Grande, Campos dos Afonsos, Paciência, Inhoaíba, Deodoro e Santíssimo. A previsão inicial é que o novo modelo seja primeiro instaurado na Zona Norte, antes de chegar a essa região.

Christina Nascimento
Informações: O Dia

READ MORE - Prefeitura do Rio proíbe Vans no BRT Transoeste

Passageiros aprovam BRT Norte-Sul, mas esperam teste em dias úteis

O primeiro dia de operação do transporte rápido por ônibus (BRT) no Corredor Norte-Sul, ligando o Terminal da PE-15, em Olinda, à Avenida Dantas Barreto, no Recife, nesta quarta-feira (16), é de movimento tranquilo. Apesar de aprovarem o transporte, principalmente por ter ar-condicionado, os passageiros se mostram desconfiados com a operação em dias normais, especialmente em horários de maior tráfego de carros.
Foto: Katherine Coutinho / G1
Com uma média de 25 passageiros por viagem, segundo os funcionários da Estação Praça da República, na Dantas Barreto, a nova linha está em teste até o dia 27 deste mês, funcionando apenas de 9h às 16h, de domingo a domingo.
“Essa é uma fase em que verificamos as portas, parada dos ônibus, funcionamento de catracas, adaptação de forma geral”, explica o diretor de operações do Grande Recife Consórcio de Transporte, André Melibeu.

Estão funcionando apenas as estações da Praça da República [Avenida Dantas Barreto] e Shopping Tacaruna, na Avenida Cruz Cabugá, além do Terminal da PE-15. O caminhoneiro Paulo Bento aprovou o novo transporte, mas quer ver em dias normais. “Tem só duas estações funcionando, hoje é feriado no Recife, aí é tranquilo. Quero ver como vai ser quando inaugurar todas e for dia normal”, aponta o caminhoneiro.

Durante a semana, o Grande Recife vai analisar o tempo que o BRT vai levar para fazer o percurso, tendo em vista que vai circular junto a outros veículos – a faixa exclusiva ainda não está concluída. “É todo um processo para garantirmos a confiabilidade do sistema. Vamos ver quanto tempo leva para poder calcular as viagens e intervalos corretamente. Com a confiança das pessoas, elas não lotam um ônibus, porque sabem que tem um outro logo atrás vindo”, aponta Melibeu.

A relações públicas Nailde Batista e o comerciante Jamerson Rodrigues moram em Paulista e geralmente evitam vir ao centro do Recife devido ao trânsito. Quando precisam, usam carro, raramente transporte público, mas resolveram dar uma chance ao BRT nesta quarta. “Se continuar nesse padrão, vai melhorar o trânsito, menos pessoas vão com seu próprio automóvel”, defende a relações públicas.

Morando no bairro de Ouro Preto, a enfermeira Maria Cristina Freitas está animada com a ideia da viagem expressa até o centro do Recife, onde trabalha. “Mesmo não me deixando na porta do trabalho, só de vir rápido é muito bom. Gostei do conforto, não é aquele calor e aquele empurra-empurra do Terminal da PE-15”, conta a enfermeira.

De acordo com o Grande Recife, a previsão é de que, a partir do dia 28 de julho, mais duas estações estejam funcionando no Norte-Sul – a do Parque 13 de Maio e a da Rua do Riachuelo - e o horário de funcionamento passe a ser de 4h30 até a última viagem, programada para as 22h.

Nova estação
Funcionando já em horário comercial, o Corredor Leste-Oeste ganhou mais uma estação nesta quarta-feira (16), a da Avenida Guarapes, que funcionou durante a Copa do Mundo e agora passa a integrar as operações ligando Camragibe ao Centro do Recife.

A dona de casa Maria Francisca da Silva mora no bairro do Timbi, em Camaragibe, e costuma utilizar o transporte. Devota de Nossa Senhora do Carmo, aprovou a nova estação, que fica próxima ao local da festa. “Antes, estava tendo que saltar no Derby. Aqui ficou muito melhor. Estou gostando do BRT, é confortável e rápido”, afirma a dona de casa.

A rapidez e conforto dos veículos até são pontos positivos, mas a distância entre as estações na Caxangá desagradam o aposentado Jorge Santos. “Eu tinha um ponto bem em frente de casa, moro no Cordeiro. Agora ficou muito longe de mim. Acho que só deveria liberar quando tudo estivesse pronto, não acredito muito que vá da certo”, afirma Santos.

A linha de BRT ligando Camaragibe ao centro do Recife conta com 18 veículos, que funcionam de 4h30 às 22h, diariamente.

Por Katherine Coutinho
Informações: G1 PE

READ MORE - Passageiros aprovam BRT Norte-Sul, mas esperam teste em dias úteis

Software combate uso indevido de gratuidades do transporte coletivo em Florianópolis

No dia 21 de julho entra em funcionamento o sistema de reconhecimento facial com câmeras instaladas nas catracas dos terminais de integração para evitar que os cartões sejam usados por quem não é o beneficiário.

O funcionamento é simples: a imagem de quem passar o cartão com alguma desconto – parcial (estudantes) ou total (idosos, portadores de necessidades especiais, oficiais de justiça, funcionários dos Correios, fiscais da Delegacia Regional do Trabalho etc.) – será registrada e comparada com a foto do cadastro daquele cartão no Setuf.

Se o sistema constatar diferenças significativas entre as imagens, capazes de tornar suspeita a utilização do cartão, será emitido um alerta. Será feita uma análise criteriosa entre a foto cadastrada e a captada na catraca para constatar se realmente foi utilizado por pessoa não autorizada.

Comprovado o uso indevido, o cartão será bloqueado e por consequência inutilizado. O responsável terá que ir ao Setuf para recuperar o beneficio recadastrar-se e pagar o correspondente a 20 vezes o valor da tarifa pela segunda via do cartão.

Sistemas semelhantes já estão em funcionamento em Limeira (SP), Uberlândia (MG), Porto Alegre (RS), Ilhéus (BA), Caruaru (PE) e várias outras cidades pelo interior da país.

Com informações do Portal da Ilha
READ MORE - Software combate uso indevido de gratuidades do transporte coletivo em Florianópolis

Urbs vai implantar mais três faixas exclusivas para ônibus

Depois da Rua XV de Novembro, Curitiba dever ganhar em breve mais três faixas exclusivas de ônibus: na Rua João Negrão, entre o terminal do Guadalupe e a Rua Chile, na Rua Conselheiro Laurindo, entre a Rua Chile e o terminal do Guadalupe, e na Avenida Desembargador Westphalen, entre a Rua André de Barros e a Avenida Presidente Kennedy, todos na região central da Capital. Os três trechos estão em fase de estudo para implantação adiantados, segundo informou a Urbanização de Curitiba S.A. (Urbs).
(foto: Valquir Aureliano)
O projeto para a implantação de faixas exclusivas em Curitiba começou a ganhar vida no final de abril, quando começaram as obras na Rua XV, em um trecho com 2,5 quilômetros de extensão entre a Avenida Nossa Senhora da Luz e a Rua João Negrão, a uma quadra do calçadão, no Centro da cidade. Segundo a Prefeitura, estão previstos 20 quilômetros de faixas dedicadas aos ônibus coletivos na primeira fase do projeto, visando a melhoria da operação dos ônibus e do fluxo de tráfego em ruas e avenidas mais movimentadas. 

Com a implantação das três novas faixas, a Capital paranaense chegará a quase metade dos 20 km planejados inicialmente — serão aproximadamente 2 km na João Negrão, 2 km na Chile e mais 2 km da Westphalen, além dos 2,5 km da Rua XV, totalizando 8,5 km de faixas exclusivas para ônibus na cidade.

Segundo o presidente da Urbs, Roberto Gregorio da Silva Junior, até o momento os resultados obtidos com a faixa exclusiva são “favoráveis”. A economia do tempo gasto nos trajetos na Rua XV é de cerca de 30% (de 13 minutos para 9 minutos), beneficiando os 53,5 mil passageiros transportados diariamente pelas 12 linhas de ônibus que passam pelo corredor e reduzindo ainda o custo operacional, já que com mais velocidade, transporta-se mais passageiros com o mesmo equipamento e número de funcionários, além de se economizar combustível e desgastar menos os ônibus.

“Até o momento, todos os indicativos sobre a faixa exclusiva na Rua XV são muito favoráveis. Nós temos um sistema trinário que contempla o uso do solo, das canaletas e do sistema viário. O BRT, porém, tem sido tratado sem a combinação de uma política do uso do solo e sem o sistema diário complementar. Nosso sistema integrado tem trazido bons resultados, mas se observou que existem alguns pontos que geraram ‘gargalos’, que estão sendo estudados e analisados. A faixa exclusiva, neste caso, é uma das soluções”, afirma Gregorio.especial

Informações: Bem Paraná

READ MORE - Urbs vai implantar mais três faixas exclusivas para ônibus

Radares começam a punir motoristas que invadirem faixa exclusiva de ônibus no Centro de BH

A invasão a faixa exclusiva para ônibus agora será punida na Avenida Augusto de Lima, no Centro de Belo Horizonte. A BHTrans instalou dois radares que vão flagrar esses abusos. Os equipamentos entram em operação nesta quarta-feira e ficarão em dois trechos da via. No mesmo dia, um novo aparelho que detecta avanço de semáforos também começa a funcionar. 

O radar, que vai detectar a invasão dos motoristas a faixa exclusiva de ônibus, vai funcionar nos mesmos moldes aos da Avenida Nossa Senhora do Carmo, no Bairro Sion, Região Centro-Sul de Belo Horizonte. Os aparelhos foram instalados na faixa da direita na Avenida Augusto de Lima, entre Rua Goiás e Rua da Bahia, e entre Rua Rio de Janeiro e Rua Espírito Santo. O condutor que cometer a infração está sujeito a multa de R$ 53,20. 

De acordo com a BHTrans, o monitoramento da faixa exclusiva para ônibus é feito para aumentar a velocidade operacional dos coletivos. Com a proibição de circulação de carros e motos na pista, a expectativa é de redução dos conflitos entre os automóveis. Faixas de pano para alertar os motoristas sobre o início da operação serão instaladas nos locais.

Avanço de sinal 

Também nesta quarta-feira, novos equipamentos detectores de avanço de semáforo entram em operação. Os radares serão instalados no cruzamento entre a Rua São Paulo e a Avenida Afonso Pena, e no encontro entre a Rua dos Tupinambás com Avenida Afonso Pena, sentido Centro/Bairro. 

Com os novos radares, o município passa a operar com 47 equipamentos de avanço de semáforo. Entre os critérios utilizados pela BHTrans para escolha dos locais dos radares estão o fluxo de pedestres, tipo e quantidade de acidentes com e sem vítimas e o número de acidentes por período.

Por João Henrique do Vale
Informações: Estado de Minas

READ MORE - Radares começam a punir motoristas que invadirem faixa exclusiva de ônibus no Centro de BH

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960