Circulação de ônibus na Grande Goiânia volta ao normal

domingo, 18 de maio de 2014

A circulação de ônibus na Grande Goiânia ocorre normalmente na manhã deste domingo (18), de acordo com a Rede Metropolitana de Transportes Coletivos (RMTC). A assessoria de imprensa do órgão informou ao G1 que os motoristas aceitaram manter os serviços em operação até que a conclusão da negociação no Tribunal Regional do Trabalho (TRT). Sendo assim, todas as 272 linhas e os 19 terminais funcionam sem problemas.

Ainda segundo a RMTC, uma reunião está prevista para a tarde de segunda-feira (19) no TRT para que os motoristas apresentem suas reivindicações. A previsão do órgão é que a circulação dos ônibus ocorra sem problemas até a conclusão das discussões.

No sábado (17), uma nova paralisação dos motoristas de ônibus afetou 17 terminais da Grande Goiânia. Os veículos foram impedidos de sair das garagens por motoristas que reivindicavam um novo acordo salarial com o Sindicato das Empresas do Transporte Coletivo de Passageiros de Goiânia (Setransp). Com esse bloqueio, quase 80% das linhas foram prejudicadas diretamente.

A retomada parcial do serviço aconteceu depois que a Polícia Militar foi acionada para negociar com os manifestantes e garantir o cumprimento de uma ordem judicial, que proibia que motoristas ligados ao Sindicato Intermunicipal dos Trabalhadores no Transporte Coletivo Urbano de Goiânia e Região Metropolitana (Sindicoletivo) impedissem a circulação dos veículos. A multa em caso de descumprimento é de R$ 50 mil por dia.

O Sindicoletivo, entidade que não representa oficialmente a categoria, alega que os ônibus voltaram a circular para que a decisão da Justiça fosse cumprida, mas que novas paralisações não estão descartadas.

Já o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado de Goiás (Sindittransporte), representante legal dos motoristas, afirma que a categoria não está em greve. O Sindicato Intermunicipal dos Trabalhadores no Transporte Coletivo Urbano de Goiânia e Região Metropolitana (Sindicoletivo) explicou ao G1 que a paralisação é apenas um protesto e ocorreu porque parte da categoria não aprova o acordo feito pelo Sindicato das Empresas do Transporte Coletivo de Passageiros de Goiânia (Setransp) e o Sindittransporte, que concedeu um aumento de 7% ao salário dos funcionários.

Protestos
As paralisações de parte dos motoristas revoltaram usuários em diversos terminais da Grande Goiânia desde a manhã de sexta-feira (16). De acordo com a RMTC, 85 ônibus foram depredados. O Terminal Bandeiras também sofreu com o vandalismo. Lixeiras, vidros e máquinas de venda de comidas e bebidas também foram destruídos.

Por medida de segurança, todos os ônibus foram recolhidos às 20h de sexta-feira com a previsão de voltar a rodar na madrugada de sábado. A PM informou ainda que 17 pessoas foram detidas, sendo que todos foram autuados pela prática de vandalismo e depredação dos patrimônios público e privado.

Por dia, são atendidos cerca de 750 mil usuários na Região Metropolitana. O órgão calcula que pelo menos 50% dos passageiros foram prejudicados durante os protestos.

Reivindicações
Em acordo firmado entre o Setransp e o Sindittransporte, o salário dos motoristas, que era de R$ 1.445,14, foi reajustado para R$ 1.546,30 e o vale-alimentação, que era de R$ 375, passa a ser R$ 435. Representantes do Sindicoletivo afirmam que não foram convidados para participar das negociações entre motoristas e empresas e avaliam a possibilidade de decretação de greve.

Procurado pelo G1, o presidente do Sindittransporte, Alberto Magno Borges, afirmou que o reajuste salarial de 7% foi amplamente discutido e aprovado pelos motoristas. "Fizemos consultas nas garagens, nos terminais de ônibus, com todos envolvidos. O Sindicoletivo não representa a categoria oficialmente e apenas tumultua as negociações. Não compactuamos com o ato promovido por eles hoje", ressaltou.

Já a assessoria de imprensa do Setransp informou que o órgão participou das negociações, juntamente com o Sindittransporte e com a anuência do Ministério Público do Trabalho em Goiás (MPT). Ainda segundo o sindicato, tudo feito "dentro da legalidade".

Informações: G1 Goiás

READ MORE - Circulação de ônibus na Grande Goiânia volta ao normal

Em BH, BRT Antônio Carlos inicia operação com ônibus cheios e estação em obra

O Move iniciou neste sábado (17) as operações na Avenida Antônio Carlos, em Belo Horizonte. Mesmo com parte da Estação de Integração Pampulha em obras, a operação começou com três linhas troncais, que vão integrar o novo sistema de transporte da capital, utilizando uma frota de cerca de 50 ônibus articulados.

Nesta manhã, alguns passageiros tiveram dificuldades para se localizar, e se queixaram da poeira e do risco de acidente por causa das obras. Muitas pessoas tiveram que viajar em pé nos coletivos. A expectativa é que, nos dias úteis, 40 mil usuários sejam atendidos nesta fase.

O prefeito da capital, Marcio Lacerda, e o presidente da Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans), Ramon Victor César, estiveram presente na inauguração do Move Antônio Carlos. Eles pegaram um ônibus que vai direto do Centro para a Pampulha.

De acordo com a BHTrans, a linha 50 (Estação Pampulha/Centro - Direta) tem como destino o Centro, sem fazer paradas ao longo do trajeto. Já linha 51 (Estação Pampulha/Centro/Hospitais) vai parar nas estações de transferência da Antônio Carlos e do Centro, além dos pontos de embarque e desembarque na área hospitalar. A linha 52 (Estação Pampulha/Lagoinha) vai até a Lagoinha, de onde retorna à Estação Pampulha.

Na área central, as linhas 50 e 51 operam nas estações Carijós, na Avenida Paraná, e Rio de Janeiro, na Avenida Santos Dumont. A Estação Rio de Janeiro é também o novo ponto de embarque e desembarque na Avenida Santos Dumont dos usuários da linha 83P (Estação São Gabriel/Centro – Paradora). Com isso, é permitida a integração entre as linhas dos corredores Antônio Carlos e Cristiano Machado.

As linhas 2215 A, B, C e D, que atendiam ao bairro Céu Azul, foram transformadas em alimentadoras. Agora, os usuários têm à disposição as novas linhas 614 (Estação Pampulha/Céu Azul A), 615 (Estação Pampulha/Céu Azul B) e 616 (Estação Pampulha/Céu Azul C). Além disso, a linha 2213 (Trevo via Garças) foi substituída pela alimentadora 510 (Estação Pampulha/ Trevo via Garças), enquanto a linha 2212A (Jardim Atlântico) foi atendida pela linha alimentadora 645 (Estação Pampulha/Santa Mônica via Jardim Atlântico). As linhas 2212B (Jardim Leblon) e 2212C (Copacabana via Monte Carmelo) foram substituídas, respectivamente, pelas alimentadoras 618 (Estação Pampulha/Jardim Leblon) e 643 (Estação Pampulha/Copacabana via Monte Carmelo).

Atraso
O Move passa a operar na Avenida Antônio Carlos depois de, pelo menos, cinco adiamentos. Inicialmente, a expectativa era que usuários contassem com o serviço na avenida já em março de 2013. Em fevereiro deste ano, a previsão era que o serviço estivesse implantado no mês passado.

Durante anúncio da terceira fase do Move na Avenida Cristiano Machado, em 23 de abril, o presidente da BHTrans, Ramon Victor César, reconheceu que os trabalhos na Estação Pampulha ainda precisavam avançar. Às vésperas da inauguração do terminal, ainda faltam ser concluídos o estacionamento, o restaurante, as áreas destinadas a ônibus de turismo e sinalizações para passageiros. Diretor de obras da Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap), Cláudio Neto, ressaltou que as obras não oferecem perigo aos cidadãos.

Custos
De acordo com dados divulgados no site da Prefeitura de Belo Horizonte, na seção Transparência Copa 2014, os investimentos no BRT Antônio Carlos/ Pedro I, Área Central e Avenida Cristiano Machado foram estimados em R$ 822 milhões e até o momento foram gastos R$ 735,54 milhões. A implantação do sistema inclui obras complementares, como a adequação viária no Corredor Pedro II, e também a expansão da Central de Controle de Trânsito, que consiste em ações de modernização de equipamentos, com valores previstos de R$ 200,09 milhões.

Em Belo Horizonte, quatro consórcios - de nomes Pampulha, BHLeste, DEZ e Dom Pedro II - operam o transporte público, incluindo linhas tradicionais e do BRT-Move. Eles foram definidos em concorrência pública em 2008 e tem a concessão do serviço por 20 anos, de acordo com a BHTrans.

Segundo o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (Setra-BH), as concessionárias investiram R$ 290 milhões, sendo R$ 50 milhões em tecnologia, para a aquisição de 428 ônibus.

READ MORE - Em BH, BRT Antônio Carlos inicia operação com ônibus cheios e estação em obra

Mapa das ciclovias em Florianópolis não avança desde 2012

Ao comemorar oito anos, em 13 de março, o Notícias do Dia lançou uma enquete com a pergunta “O que pode ser melhorado em Florianópolis?” Tratamento e destino do lixo recebeu 7% dos votos, áreas de lazer ficou com 20%, e o tema ciclovias foi o escolhido, com 73% da preferência dos leitores. Por escolha do público, o ND aprofundará ainda mais as questões que envolvem a melhoria e a implementação de ciclovias na Capital. Esta é a primeira de uma série de reportagens sobre ciclovias, a bandeira do Notícias do Dia este ano.

Florianópolis conta com aproximadamente 25 quilômetros de ciclovias e 32 quilômetros de ciclofaixas e passeios compartilhados. A rede de 57 quilômetros, no entanto, tem um grande gargalo: a falta de conexão entre uma via e outra. Na maioria dos pontos o ciclista disputa diretamente espaço com veículos de todos os portes.

Em 2013, apenas a obra da ciclovia da rua Vereador Osni Ortiga, no Porto da Lagoa, começou, mas ainda está na primeira etapa. As últimas que foram construídas na Capital - avenida Beira-Mar Continental, ciclofaixas da Tapera e da Cachoeira do Bom Jesus até Ponta das Canas - são de 2012, segundo o presidente da Via Ciclo (Associação dos Ciclousuários da Grande Florianópolis), Luis Antônio Peters.

“O artigo 58 do Código de Trânsito Brasileiro diz que a circulação de bicicletas deve ocorrer nos acostamentos ou nas margens das vias, em caso de ausência de locais específicos para os ciclistas”, disse Peters. Ele lamenta a falta de vias e de respeito por parte dos motoristas, agravada pela falta de acesso aos estabelecimentos comerciais, iluminação, sinalização adequada e estacionamento para bicicletas.

“Algumas rodovias, como a 401, entre o trevo de Jurerê e Canasvieiras, contam apenas com tachões. Não chegam nem a ser ciclofaixas”, afirmou. Conforme Peters, após as últimas obras na curva da morte, a passagem de ciclistas ficou impedida pela perda do acostamento.

O vice-presidente da Via Ciclo, Daniel Araújo Costa discorda de Peters. Para ele, as ciclovias estão interligadas, porém com ruas. “Elas não ligam nada à lugar nenhum, como muita gente pensa. Acontece que em alguns pontos é impossível a implantação de vias exclusivas para ciclistas”, disse. Costa ainda observa que o número de acidentes envolvendo ciclistas na Capital tem diminuído, enquanto a quantidade de usuários de bicicleta aumenta gradativamente.  

Planos do poder público

A Prefeitura da Capital terá, segundo a Secretaria de Comunicação, um relatório com todos os dados das ciclofaixas e ciclovias dentro de 30 dias. Na Secretaria de Obras, estão previstas a construção de mais de nove quilômetros de ciclovias.

Para os 3,3 quilômetros da rua Padre Rohr, em Santo Antônio de Lisboa, e os 3,4 quilômetros da avenida Jorge Lacerda, na Costeira do Pirajubaé, a previsão é de que o lançamento do edital ocorra em até 60 dias. Está prevista ainda a implantação de 2,7 quilômetros de ciclovia na avenida Ivo Silveira, no Estreito. Para esta obra, que custará R$ 204 mil, será assinado convênio com o Badesc (Agência de Fomento do Estado de Santa Catarina).

De acordo com a assessora técnica do Ipuf (Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis), Andréa Andreazza, a servidora pública que dominava o assunto ciclovia se aposentou e, até o momento, ninguém assumiu plenamente as funções. As equipes do Ipuf estão envolvidas no Plano Diretor, razão pela qual os projetos das ciclovias estariam em segundo plano.

Obra da ciclovia da Osni Ortiga se arrasta há dez meses

Durante a semana o canadense Todd Southgate, 48 anos, pedala 11 quilômetros por dia para fazer compras e resolver assuntos particulares. Nos fins de semana, ele percorre em média 37 quilômetros, por lazer. Morador do Porto da Lagoa há mais de dez anos, o cineasta espera pelo fim das obras da ciclovia da rua Vereador Osni Ortiga para pedalar com mais segurança por seu bairro. “O problema é que ao fim da via para ciclistas, somos obrigados a empurrar a bicicleta em alguns pontos”, criticou.

O temor de acidentes acompanha o artesão Fábio de Oliveira, 39. “Não tenho carro. Faço tudo de bike. O problema é que volto ao passado nos pontos em que terminam as ciclovias”, disse. 

“Sem conexão as ciclovias pouco ajudam na mobilidade. Ficam subutilizadas apenas para lazer”, afirmou a estudante Graciere Campos, 26, moradora do Novo Campeche. Ela pedala pela Osni Ortiga três vezes por semana.

De acordo com a Secretaria de Obras, a primeira etapa da ciclovia da Osni Ortiga, que consiste no aterro e na contenção de muro, deveria estar pronta em 120 dias. As obras começaram em julho de 2013 e atrasaram por conta da necessidade de monitoramento ambiental, a pedido do Ministério Público, e greve de bancos, que atrasou os pagamentos à empresa contratada. A ciclovia terá 1,9 quilômetro e custará R$ 3 milhões. O prazo total da obra é de 12 meses.

PROJETOS
Próximas ciclovias da Capital

 Rua Deputado Antônio Edu Vieira, Pantanal: 2,7 km; custo: R$ 450 mil

Rua Padre Rohr, Santo Antônio de Lisboa: 2,3 km; custo: R$ 123 mil

Avenida Jorge Lacerda, Costeira do Pirajubaé: 3,4 km; custo: R$ 159 mil

Avenida Ivo Silveira, Estreito: 2,7 km; custo: R$ 204 mil

Nomenclatura

Ciclofaixas: tem tachões e faixas pintadas no chão, sem barreiras físicas

Ciclovias: são separadas das vias por muretas e guard rail

Por Alessandra Oliveira 
READ MORE - Mapa das ciclovias em Florianópolis não avança desde 2012

No Recife, Ciclofaixa Arquiteto Luiz Nunes entra em operação

A Prefeitura do Recife começa a colocar em prática duas importantes ações sintonizadas com o Programa de Governo e previstas no Plano Diretor Cicloviário (PDC), contratado pelo Governo de Pernambuco em parceria com os municípios da RMR. O prefeito Geraldo Julio autorizou a implantação da primeira Zona 30 da cidade, ação inédita em Pernambuco, que será no Bairro do Recife, e da Ciclofaixa Permanente da Arquiteto Luiz Nunes, localizada entre os bairros de Afogados e Imbiribeira. Os dois projetos somam mais de R$ 300 mil de investimento. Lançado no último dia 5 de fevereiro, o PDC prevê, por parte do Recife, a implantação de 12 rotas cicláveis.

Geraldo Julio afirmou que as ações representam o compromisso da gestão em tornar a cidade ciclável. “No Dia Nacional de Bike ao Trabalho, a gente traz um presente para o Recife. Essas ações irão melhorar a qualidade de vida em nossa cidade. Nesse sentido, a partir do PDC orientamos as nossas ações e abrimos a licitação para depois contratar a empresa que está apontando as rotas”, explicou o prefeito, depois de lembrar que as intervenções fazem parte do projeto da PCR Recife, Cidade das Pessoas; voltado para priorizar a qualidade de vida da população. 

A primeira Zona 30 da cidade conta com investimento de R$ 199 mil e já começa a valer no mês de junho. A velocidade regulamentada será de 30 km/h em 22 ruas do Bairro do Recife, entre o polígono formado pela Avenida Alfredo Lisboa, Cais da Alfândega, Cais do Apolo e Rua do Observatório. A medida vale também para os ônibus que circulam nos locais beneficiados pelo projeto. Na Av. Alfredo Lisboa e no Cais do Apolo (no trecho após a Ponte Buarque de Macedo) a velocidade máxima permitida continua sendo de 40 Km/h. Os condutores que ultrapassarem a velocidade estabelecida serão multados.

Para garantir a fiscalização na Zona 30, a CTTU implantará 30 totens com sinalização específica, equipamentos de fiscalização eletrônica, oito lombadas, além da presença dos agentes de trânsito, alertando os motoristas e ciclistas que se trata de um espaço de convivência compartilhado por pedestres e pelos diversos meios de transporte. A intervenção inclui ainda faixas de pedestres em diversos pontos da área, orientando o condutor a reduzir a velocidade. Os estacionamentos que já são oferecidos nesses locais continuarão em funcionamento.

No que se refere às penalidades, no caso do descumprimento do nova determinação, as infrações variam de acordo com a velocidade que o condutor ultrapasse o equipamento de fiscalização de velocidade (30 km/h). Os veículos que ignorarem as normas estarão sujeitos a ser multados em valores que variam de R$ 85,13 a R$ 574,62, além dos pontos registrados na Carteira Nacional de Habilitação (CNH). 

Já a Ciclofaixa Arquiteto Luiz Nunes estará disponível para a população no dia 17 de maio e terá 3,5 quilômetros de extensão, ligando os bairros de Afogados e Imbiribeira. A rota anunciada começa na interseção da Rua 21 de Abril com a Cosme Viana, segue pela Visconde de Pelota, cruza a Avenida São Miguel, continua pela Arquiteto Luiz Nunes, pela Rua José Brandão seguindo até a Lagoa do Araçá – a ciclofaixa contornará toda a extensão da Lagoa. Este último local será ligado ainda à Avenida Caxangá, através da ciclofaixa da própria Rua 21 de Abril. O investimento previsto é de R$ 109 mil. Com a nova ciclofaixa, que terá sinalização horizontal, vertical, além de tachões, a velocidade máxima permitida na Arquiteto Luiz Nunes passará de 50 km/h para 40 km/h.

A Ciclofaixa Arquiteto Luiz Nunes estará disponível para a população no dia 17 de maio.

Em seu discurso, o prefeito do Recife disse ainda que a Zona 30 proporcionará um espaço diferenciado de convivência do pedestre, da bicicleta, do carro. “Essa ação representa uma transformação na mudança do comportamento das pessoas. Trouxemos inovação para transformar a cidade. Para garantir esse movimento novo, a gente não pode trazer mais do mesmo, temos que apresentar mais do novo. Os grandes centros urbanos que conseguiram transformar a qualidade de vida fizeram exatamente isso”, cravou Geraldo.

Presente ao ato, o secretário de Mobilidade e Controle Urbano do Recife, João Braga, ressaltou a iniciativa como parte do conceito da gestão municipal. “Estamos implementando todas as mudanças com base em um processo de diálogo constante com a população. Quando eu vejo as calçadas, o transporte público, a Faixa Azul, o ciclista e o pedestre como motivos de reflexão, vejo que o nosso conceito está ganhando corpo em toda a sociedade”, salientou.

Como parte do Plano Diretor Cicloviário, a próxima ciclofaixa implantada pela PCR será a da Rua Carlos Fernandes, em Campo Grande, prevista para o mês de junho. No Programa de Governo, o compromisso de priorizar o uso da bicicleta está especificado no eixo Organizando a Cidade, através da implantação de 76 quilômetros de rotas cicláveis no Recife.

Informações: Prefeitura do Recife

READ MORE - No Recife, Ciclofaixa Arquiteto Luiz Nunes entra em operação

Tarifa de ônibus passa a custar R$ 2,40 em Belém

A Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana de Belém (Semob) anunciou no início da noite deste sábado (17) que a tarifa de ônibus passa a custar R$ 2,40 na Região Metropolitana de Belém, a partir de 0h01 da próxima segunda-feira (19). 

Os valores das passagens de microônibus e do trajeto entre Belém e Mosqueiro também sofreram reajuste, e passam a custar R$ 3,90.

Os novos valores foram sancionados pelo prefeito Zenaldo Coutinho, e serão publicados no Diário Oficial desta segunda.

Informações: G1 Pará

READ MORE - Tarifa de ônibus passa a custar R$ 2,40 em Belém

Paralisação no transporte coletivo de Ponta Grossa pode afetar 100 mil passageiros

A greve dos motoristas e trocadores da Viação Campos Gerais (VCG) continua prevista para começar na madrugada de hoje para amanhã. A decisão da categoria ainda pode mudar caso a concessionária apresente outra proposta de reajuste salarial. "Continuamos abertos para negociações até a tarde de amanhã (domingo) e se a empresa nos apresentar uma contraproposta a categoria irá avaliar se a greve continua ou não mantida", afirma o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de passageiros Urbanos Intermunicipais Fretamento e Turismo de Ponta Grossa e Região (Sintropas-PG), Ricardo Peloze. Até o fechamento desta edição, a decisão pela greve continuava mantida pela categoria.

Já a assessoria de comunicação da VCG informou, na manhã de ontem, que também aguarda por parte da Sintropas uma nova contraproposta. "O que a empresa espera é que os funcionários apresentem uma nova proposta razoável. As negociações continuam abertas", explica.


Por Luana Souza
READ MORE - Paralisação no transporte coletivo de Ponta Grossa pode afetar 100 mil passageiros

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960