Paralisação de ônibus no Rio afeta milhões de usuários

terça-feira, 13 de maio de 2014

Começou à 0h desta terça-feira (13) uma nova paralisação de rodoviários dissidentes do Sindicato de trabalhadores de transporte urbano(Sintraturb). A paralisação vai durar 48 horas. Na última semana, no dia 8 de maio, o grupo havia comandado a paralisação de advertência de 24 horas no município do Rio. (entenda o impasse que levou à greve).
A decisão foi tomada após uma audiência que terminou sem acordo no Tribunal Regional do Trabalho (TRT-RJ) nesta segunda (12), com representantes dos grevistas, do Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus do Rio (Sintraturb-Rio) e da Rio Ônibus, sindicato que representa as empresas. Após a decisão, o grupo saiu em passeata pelo Centro da cidade, causando interdições de vias. Às 17h20, a Avenida Rio Branco foi interditada. Por volta das 18h30, a manifestação começou a dispersar.

Segundo o TRT, o processo segue o trâmite normal e o sindicato tem até cinco dias para preparar uma defesa. Em seguida, o patronal tem o mesmo prazo para apresentar uma espécie de tréplica. Somente depois desses prazos o Ministério Público do Trabalho apresenta um parecer para a marcação do julgamento.

A Rio Ônibus considera o movimento abusivo e ilegal por estar sendo organizado por um grupo de rodoviários que não tem legitimidade nem representatividade legal da categoria. “Mais uma vez o ato anunciado não respeita os princípios e requisitos da lei de greve, que prevê o aviso da paralisação com 72 horas de antecedência e a sua votação por uma assembleia oficial do sindicato que representa os profissionais”, diz a nota.

Ainda segundo a Rio Ônibus, os quatro consórcios que abastecem a cidade, Intersul, Internorte, Transcarioca e Santa Cruz, vão manter suas frotas prontas para operação, “mas a circulação dependerá da chegada dos motoristas ao trabalho e das condições de segurança, já que na primeira paralisação centenas de veículos foram atacados”.

Plano de contingência
A Prefeitura do Rio montou um plano de contingência para minimizar o impacto da paralisação de rodoviários a partir da 0h desta terça-feira. As medidas priorizam metrô, trens e barcas e reforçam linhas de ônibus que fazem ligações com esses modais. A Polícia Militar vai garantir a segurança na saída das garagens dos quatro consórcios.

O Metrô Rio informou que irá funcionar com capacidade máxima a partir das 5h30 desta terça-feira (13). Eles também orientam os usuários do metrô para que comprem o bilhete antecipadamente para evitarem fila durante a paralisação.

A CCR Barcas informou que está preparando viagens extras para o caso de aumento da demanda, devido à greve dos rodoviários. Na paralisação da última quinta-feira (8), a linha que atende Cocotá, na Ilha do Governador, na Zona Norte, registrou recorde no transporte de passageiros. Ao todo, 9 mil pessoas - um aumento de 204% na média de usuários no mês de maio de 2014.

O grupo tinha dado uma trégua ao movimento desde uma reunião com Ministério Público do Trabalho (MPT) na sexta-feira (9). O encontro contou com a intermediação da procuradora Débora Félix. Um grupo de rodoviários não aceita o acordo votado e aprovado em assembleia em março, que aprovava a proposta de aumento oferecida pelas empresas. O vice-presidente do Sintraturb-Rio, Sebastião José da Silva, afirma que a assembleia foi realizada dentro da legalidade. Dois procuradores do MPT abriram inquérito para investigar denúncias de supostas irregularidades.

De acordo com Hélio Alfredo, líder dos rodoviários dissidentes, cinco pessoas formaram uma comissão e participaram da reunião do TRT como ouvintes, sem poder participar da conversa. Sobre o sindicato não reconhecer a paralisação decretada na tarde desta segunda, ele se irritou:

"Não reconhece? Se não fossem os rodoviários, o sindicato não ia existir. É só as autoridades mandarem que os patrões negociam com a gente", disse Hélio.

Informações: G1 Rio
READ MORE - Paralisação de ônibus no Rio afeta milhões de usuários

Linha 2 do Metrô Rio fechará mais cedo até junho em razão de obras na estação Maracanã

A linha 2 do metrô do Rio de Janeiro, que liga as zonas sul e norte, terá seu horário de funcionamento alterado a partir desta segunda (12). Os trens deixarão de circular meia hora antes do horário regular, segundo informou a concessionária MetrôRio.  

Até o dia 1º de junho, a linha ficará aberta, de segunda a sábado, das 5h às 23h30 — horário em que sairão os últimos trens das estações Pavuna e Botafogo.  

O motivo da mudança do horário de funcionamento da linha 2 são as obras de modernização da estação Maracanã, na zona norte.  

A linha 1 funcionará normalmente, das 5h à 0h. Nos domingos, as duas linhas funcionarão no horário habitual (das 7h às 23h).      

Informações: R7
READ MORE - Linha 2 do Metrô Rio fechará mais cedo até junho em razão de obras na estação Maracanã

No Recife, Nem os improvisos vão dá tempo para a copa

Há um mês da Copa do Mundo, os corredores de ônibus previstos para funcionar a partir deste mês, no Grande Recife, ainda não estão prontos. Na capital pernambucana, a previsão inicial de investimento foi de R$ 918 milhões para obras de mobilidade urbana, de acordo com o plano estratégico de investimento no desenvolvimento do país, a matriz de responsabilidades.

Nem o improviso vai dá tempo, um verdadeiro absurdo com o dinheiro público, pois foram destinados milhões para construir horríveis pontos de ônibus que em breve serão demolidos para construir as estações de acordo com os padrões originais dos BRT´s.

Quem passa pela avenida Conde da Boa Vista fica abismado com uma parada feia e pequena, ou seja, não vai servir pra nada.

Em mobilidade, são sete projetos previstos na matriz. O projeto prevê ainda, a conclusão neste mês do ramal da cidade da copa e da passarela do aeroporto. O secretário Executivo da Copa do Mundo em Pernambuco, Ricardo Leitão, conversou com o repórter Carlos Simões e detalhou a situação dessas obras.

Ainda de acordo com o secretário, depois da copa, as obras vão continuar. A previsão é que os corredores exclusivos de ônibus fiquem prontos até setembro deste ano.

Informações: JC Online e Blog Meu Transporte
READ MORE - No Recife, Nem os improvisos vão dá tempo para a copa

Como a Copa do Mundo mudou o transporte de Johanesburgo

Moradora da periferia de Johanesburgo, maior cidade da África do Sul, Yvonne Raedane diz não se importar "nem um pouco" com futebol. Mas questionada se sediar a Copa do Mundo de 2010 foi um bom negócio, ela diz: "Para mim, foi claramente um bom negócio".

Raedane se refere às melhorias feitas no transporte público de Joanesburgo na véspera do Mundial, que surtiram grande efeito em sua rotina.

Pouco antes do torneio, o governo local inaugurou os primeiros trechos de um sistema de corredores de ônibus (BRT) e de um trem de alta velocidade.

Numa cidade sufocada pelo trânsito e em que, até então, a maioria dos moradores dependia de carros ou lotações para se deslocar, os investimentos tiveram um impacto sensível.

A postura de Joanesburgo contrasta com a da maioria das cidades brasileiras que sediarão jogos da Copa, onde grande parte das obras em transporte público planejadas para o evento foi abandonada ou não será entregue a tempo.

Curitiba

Após o Mundial, Raedane trocou as lotações pelo novo sistema de ônibus no trajeto para seu trabalho, no centro de Joanesburgo. Ela diz que, nas vans, o percurso levava até uma hora e 45 minutos. Agora, leva no máximo 45 minutos.

O sistema é semelhante ao de Curitiba, elogiado por especialistas em transporte público do Brasil e exterior.

Os ônibus trafegam em corredores exclusivos, e os passageiros pagam ao entrar na estação (e não no ônibus), com cartões eletrônicos. Uma vez no sistema, eles podem fazer baldeações sem passar por outras catracas. O preço da corrida depende da distância percorrida.

publicidade

Além de economizar tempo, Raedane diz gastar menos com a nova rede de transporte, batizada de Rea Vaya ("estamos indo", num linguajar que mistura vários idiomas sul-africanos). Ela afirma ainda se sentir mais segura.

"Mesmo quando o ônibus está cheio e tenho de ficar em pé até o destino, não me preocupo. Já os motoristas das vans estão sempre agitados, você nunca tem certeza se vai sair de casa e voltar num caixão", diz a sul-africana, que é gerente de uma orquestra infantil.

Segundo a concessionária do sistema de BRT, 307 mil pessoas usaram os ônibus durante a Copa de 2010. O governo local havia anunciado que entregaria cerca de 43 quilômetros de corredores antes do evento.

No entanto, só ficou pronta uma rota de 25 quilômetros entre as duas áreas com os estádios usados na Copa, do centro de Joanesburgo ao município vizinho de Soweto.

Os 18 quilômetros restantes só foram concluídos neste ano. Há planos para expandir o sistema nos próximos anos.

Aeroporto

Além dos corredores de ônibus, Joanesburgo inaugurou logo antes da Copa o Gautrain, um trem de alta velocidade até seu aeroporto. A obra custou US$ 3 bilhões (R$ 6,66 bilhões).

Ainda que tenha sido projetado antes do anúncio de que a África do Sul sediaria a Copa, a obra foi apressada para que seu primeiro trecho fosse concluído antes do torneio. Com isso, muitos moradores passaram a associar a construção do trem ao Mundial.

Assim como o sistema de corredores de ônibus, o Gautrain continuou a se expandir após a Copa. A linha agora chega até o município vizinho de Pretória.

A expansão favoreceu o estudante Emile van den Berg, que mora em Joanesburgo e usa o trem diariamente para ir à universidade em Pretória.

Antes do sistema, por causa do trânsito, ele tinha de morar em Pretória. "Agora posso morar com meus pais (em Joanesburgo) e economizar".

No entanto, o Gautrain é um sistema caro: os bilhetes custam entre R$ 26 e R$30.

"Precisamos de alternativas mais econômicas de transporte", diz o contador namibiano Nicky Mutenda, que também usa o trem diariamente. "Muito poucos sul-africanos podem pagar para estar aqui."

Mesmo assim, ele acha que o investimento inaugurou uma nova etapa na relação de Joanesburgo com o transporte público - investir no setor, diz ele, passou a ser considerado uma prioridade mesmo por sul-africanos ricos, que até então só se deslocavam de carro mas ficaram encantados com o trem.

Para Mutenda, a Copa também fez com que as autoridades sul-africanas dessem mais importância para o tema.

Desequilíbrio

Há ainda, entre alguns moradores entrevistados, a percepção de que o planejamento para a Copa de 2010 favoreceu especialmente Joanesburgo em detrimento de outras regiões do país.

Nenhuma das outras oito cidades a sediar jogos do Mundial implantou sistemas do porte do Gautrain ou do Rea Vaya.

"A Copa foi boa para Joanesburgo, mas não necessariamente para a África do Sul toda", diz a gerente de orquestra Yvonne Raedane.

"Nós ganhamos mais que o resto do país", avalia.

Informações: BBC Brasil
READ MORE - Como a Copa do Mundo mudou o transporte de Johanesburgo

Pista para ônibus BRT será liberada nesta quarta-feira em Porto Alegre

Será liberada na próxima quarta-feira (14) a pista no sentido bairro-centro da Avenida Padre Cacique, em Porto Alegre. O local estava bloqueado desde o início das obras no entorno do Beira-Rio, que inclui novas passagens para o sistema Bus Rapid Transit, os BRTs. Este tipo de coletivo, no entanto, ainda não transitará pelo local, já que precisa passar por uma licitação antes.

Já no outro lado da avenida, a circulação centro-bairro depende da liberação da obra do viaduto Pinheiro Borda. A previsão para o término da construção é final de maio, de acordo com o secretário de Gestão da capital, Urbano Schimitt. Porto Alegre receberá cinco partidas do Mundial, entre junho e julho deste ano.
"A visão é de muito otimismo. Estamos em uma área que vai ficar pronta, tanto a Padre Cacique, Rua A, B e C. É um lado positivo", apontou Schmitt em entrevista ao Jornal do Almoço, programa da RBS TV, nesta segunda-feira (12).

De acordo com o secretário, enquanto outros estados brasileiros usaram o dinheiro do Governo Federal para investir nos estádios, a capital gaúcha investiu para obras de mobilidade para a Copa. A um mês do evento, entretanto, a maioria das construções que eram prometidas para a data teve a entrega adiada.
"O Fortunati pegou R$ 888 milhões para 14 grandes obras desejadas há muitos anos. Foi a Copa que permitiu esse empréstimo. São as obras que têm impacto para a Copa", assegurou Schmitt.

Segundo a secretaria, o novo corredor construído na Avenida Protásio Alves está 85% pronto e não vai ficar pronto para o Mundial. Da mesma forma, na Avenida Bento Gonçalves, a obra está 92% pronta, mas sem chances de conclusão até o dia 12 de junho. "Não fica pronta para a Copa, mas depois fica. São obras que ficam prontas para a sociedade. Os recursos estão garantidos", reforçou o secretário, que acrescentou que somente o evento permitiu esse empréstimo à prefeitura.

A justificativa para os atrasos, conforme Schimitt, é o fato de as obras acontecerem em uma "cidade viva". "Temos a Voluntários, que agora tem todo um trabalho de arqueólogos, temos problemas na área judicial, e cada assunto tem seu tempo", pontuou.

Sobre os entulhos que se aglomeraram entorno do estádio Beira-Rio, principal palco do evento, Schimitt garantiu que serão retirados. "As ruas ficarão limpas, os corredores vão ficar limpos. Assim como os viadutos, que vão estar prontos e vão ser úteis para a Copa", completou.

Informações: G1 RS
READ MORE - Pista para ônibus BRT será liberada nesta quarta-feira em Porto Alegre

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960