Frotas do Metrô de SP que custaram mais de R$ 2 bi têm falhas e colocam usuários em risco

sexta-feira, 25 de abril de 2014

Próxima estação: República. A aposentada Zilda Maria de Almeida, de 73 anos, sai do assento e segue em direção à porta do trem para desembarcar. Após alguns passos, a composição dá um forte solavanco. Sem equilíbrio, a idosa quase cai, apoia-se em outra passageira e precisa ser ajudada.

— É uma falta de respeito, isso está a cada dia pior. Se levantar quando o trem para, você não consegue sair porque a porta abre e fecha muito rápido. Mas também, se levantar antes, acontece isso, freia e joga todo mundo no chão.

As paradas bruscas são reclamações recorrentes nas linhas 1-Azul, 2-Verde e 3-Vermelha. Operador de trens do metrô há 26 anos, Dagnaldo Gonçalves conta que nunca ouviu tantas queixas sobre os solavancos. Segundo ele, as freadas repentinas são resultado de trens reformados ou novos, com sistemas diferentes.

— A parada do trem nas estações é automática, mas como existem várias frotas de trem, essa regulagem não se consegue fazer. Então, muitas vezes, o operador é obrigado a parar em emergência, porque falha essa parada programada. Um dos motivos disso acontecer é que, tanto nos trens reformados [frotas L e K] quanto nos novos [frota H], foi retirado o semiautomático. Eles só têm o automático e o manual. Então, você passar do automático para o manual ou então aplicar emergência, ele dá esse tranco.

Apenas a modernização de 98 composições custou à companhia R$ 1,7 bilhão, sem contar os trens novos, comprados da espanhola CAF. A decisão do governo paulista virou alvo de uma investigação do Ministério Público sobre superfaturamento nas reformas. Alguns desses trens têm mais de 30 anos de uso.

Até meados de janeiro, a cozinheira Renata Costa se sentia segura dentro do metrô, mas mudou de opinião em uma manhã. Por pouco, ela não sofreu um grave acidente.

— Esses dias eu achei que [o trem] já estivesse parado e ele deu mais uma freada quando já estava na estação. Fui jogada com força contra um ferro desses que a gente se segura. Fiquei o dia inteiro com o braço dolorido.

Metrô tem uma falha grave a cada três dias

O professor de engenharia mecânica do Instituto Mauá de Tecnologia Aurélio da Dalt explica que problemas desse tipo envolvem o sistema de controle e colocam em risco os passageiros. Segundo ele, as falhas devem ser corrigidas o mais rápido possível.

— Uma das características do sistema de frenagem é justamente ele ser de tal forma que não dê solavanco nenhum. [...] O operador vai tentar reduzir a velocidade, por um joystick. Mas, se isso estiver desregulado, mesmo no modo automático, vai dar problema, porque é do trem, não é um problema de controle.

De 2009 a 2013, o número de falhas graves no metrô aumentou 105%, segundo o Sindicato dos Metroviários. Além disso, nos trens das frotas K e L, há trepidações nas portas, ar-condicionado que não funciona, panes em sensores e nos freios. Outros defeitos que colocam em risco a segurança dos usuários também são frequentes nos trens novos, da frota H, segundo os funcionários 

Outro lado

Em nota, o Metrô informou que as freadas acontecem quando o trem à frente fica parado na plataforma mais tempo do que o programado, seja por falha ou por usuários que impedem o fechamento das portas. A companhia ainda esclareceu que a aceleração, frenagem e o tempo de parada são coordenados por um sistema automático e que o operador só assume o controle em caso de anormalidades. 

Por Fernando Mellis
READ MORE - Frotas do Metrô de SP que custaram mais de R$ 2 bi têm falhas e colocam usuários em risco

Metrô de BH vai ganhar quatro novos vagões e mais mil lugares a partir desta quarta-feira

Os usuários de metrô de Belo Horizonte que enfrentam diariamente apertos e empurrões nas viagens devem ter um alívio a partir desta quarta-feira. As composições ganharão um reforço de mais quatro vagões durante o horário de pico da manhã. A capacidade do trem será aumentada em aproximadamente mil lugares. 

Atualmente, os trens circulam com quatro vagões com capacidade total de 1.002 passageiros. A partir desta quarta-feira, outros quatro carros de passageiros serão acoplados. À princípio, o reforço vai acontecer no horário de pico na parte da manhã com duas viagens. Uma da Estação Vilarinho até ao Eldorado e outra no sentido contrário. 

De acordo com a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), o objetivo é aumentar o número de composições duplas para oferecer mais lugares aos usuários no horário de maior movimentação do sistema. Para entrar em vigor, vários testes foram feitos desde o segundo semestre de 2013. 

A CBTU ainda estuda aumentar ainda mais o atendimento aos usuários. A Companhia afirmou que já adquiriu 10 novos trens que devem chegar na capital mineira no segundo semestre deste ano. O investimento total foi de R$ 171,9 milhões. Com as novas aquisições, a capacidade do sistema deve ser aumentada em 50 %. 

Vagão para mulheres 

Está em fase de estudo a implantação de um vagão exclusivo para mulheres no metrô de BH. O espaço destinado ao público feminino é uma tentativa de evitar o assédio, especialmente em horários de pico. A medida já foi tomada no Rio de Janeiro e recentemente em Brasília. O projeto de lei é de autoria do vereador Léo Burguês (PtdoB). Uma audiência pública foi realizada na Praça da Estação, no Centro da capital mineira, em março para discutir o assunto.

Por João Henrique do Vale
Informações: Estado de Minas

READ MORE - Metrô de BH vai ganhar quatro novos vagões e mais mil lugares a partir desta quarta-feira

MetrôRio lança aplicativo para quem não conhece bem o transporte

O MetrôRio lançou um novo aplicativo para facilitar os usuários sobre o transporte, com mapa, localização dos principais pontos da cidade e tempo estimado de viagem. Chamado "MetrôFácil", o aplicativo está disponível para dispositivos iOS e Android e orienta aqueles que não estão acostumados a utilizar o modal ou conhecem pouco o Rio.

Até a Copa do Mundo, o programa também terá uma versão em inglês para auxiliar os turistas estrangeiros. Esta opção oferecerá novas funcionalidades, como a busca por bairros e geolocalização. O mapa, legendado, traz informações sobre as linhas e estações, os locais de transferência, os pontos de integração e o Metrô na Superfície.

O "MetrôFácil" não se limita a informar sobre o sistema. O aplicativo mostra ainda uma lista dos principais pontos turísticos e espaços culturais da cidade e a melhor forma de se chegar a esses locais a partir do metrô.

READ MORE - MetrôRio lança aplicativo para quem não conhece bem o transporte

Em Fortaleza, Velocidade média vai duplicar com implantação do BRT, garante secretário-executivo

Começam no próximo dia 2 de maio as obras de implantação das dez estações para embarque e desembarque do BRTs (Bus Rapid Transit), que são corredores exclusivos para ônibus, na avenida Bezerra de Menezes. De acordo com a Prefeitura, em agosto, as quatro faixas (duas em cada sentido) ao lado do canteiro central da via serão utilizadas apenas pelo transporte público e as quatro faixas mais próximas das calçadas (duas em cada sentido), que atualmente funcionam como faixas para o BRS (Bus Rapid Service), serão restituídas para o trânsito de veículos particulares.

A implantação do BRT Antônio Bezerra/Centro resultará em uma mudança da infraestrutura no transporte. Segundo o secretário-executivo da Secretaria da Infraestrutura (Seinf), Roberto Resende, o BRT possui um sistema mais rígido e será exclusivo para o transporte coletivo, impossibilitando o tráfego de veículos particulares.

"Com o BRT, o transporte coletivo ficará mais rápido. Em alguns trechos a velocidade vai triplicar e a velocidade média duplicará", garante o secretário.

O corredor Antônio Bezerra/Centro é a primeira etapa do BRT Antonio Bezerra/Papicu que será implantado em duas fases. A primeira etapa liga o Terminal Antônio Bezerra ao Centro, por meio da Avenida Bezerra de Menezes. Esse primeiro trecho independe da finalização da obra no entroncamento das Avenidas Engenheiro Santana Júnior e Antônio Sales, que será utilizado somente na implantação da segunda etapa do corredor que ligará o Terminal Antônio Bezerra ao Terminal do Papicu, obra prevista para ser concluída até o mês de outubro deste ano. De acordo com a Seinf, serão construídos 70 novos quilômetros de corredores expressos de ônibus.

O Ministério das Cidades criou três escalas para classificar a intensidade do BRT: leve, médio e pesado. A implantação na Capital cearense seguirá os padrões intermediários. Segundo o secretário-executivo, o serviço que será implantado em Fortaleza possui um sistema mais flexível.

A flexibilidade vai ocorrer no sentido dos embarques e desembarques. Os BRTs terão duas portas para a entrada e saída de passageiros, uma na parte direita do ônibus e outra na esquerda. Isso por que haverá trechos que os coletivos vão passar por estações instaladas do lado esquerdo da via, no canteiro central, como a avenida Bezerra de Menezes, e em outras pelo lado direito, como em vias de sentido único.

Os BRTs terão ar-condicionado e o piso baixo, característica que servirá para os passageiros não subirem, nem descerem degrau no acesso ao ônibus. De acordo com a Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor), a tarifa cobrada nos coletivos locais serão a mesma utilizada no novo serviço.

BRS na avenida Bezerra de Menezes

O BRS foi inaugurado em agosto de 2012. Caso o BRT seja concluído no mesmo mês em 2014, como está previsto pela Seinf, o antigo serviço vai ter durado dois anos. O secretário-executivo do órgão não classifica a implantação do BRS como um erro, mas como uma opção da gestão anterior.

"O planejamento original era implantar o BRT, o programa começou antes de 2005. Foi uma opção da gestão anterior que não quis. Nós estamos com outro foco e vamos seguir a concepção original", disse Roberto Resende.

Por Lucas Mota
READ MORE - Em Fortaleza, Velocidade média vai duplicar com implantação do BRT, garante secretário-executivo

Scania vende 38 chassis de ônibus para BRT de Belo Horizonte

Veículos serão utilizados por quatro operadoras no sistema Move; soluções da fabricante para mobilidade urbana oferecem economia de combustível e robustez.

A Scania anuncia a venda de 38 chassis de ônibus para utilização no novo sistema de BRT (Bus Rapid Transit ou Transporte Rápido por Ônibus) de Belo Horizonte, batizado de Move. Quando estiver com sua infraestrutura 100% concluída e a frota de veículos completa, o Move vai transportar perto de 700 mil passageiros por dia. Os modelos articulados Scania K 310 6x2/2 serão utilizados por quatro operadoras: Transportes Milênio, Transportes São Dimas, Turilessa e Bettania Ônibus. Cada articulado tem capacidade para transportar 127 passageiros. A totalidade dos modelos deve entrar em operação no segundo trimestre deste ano. O negócio foi realizado pela Casa Scania Itaipu.

O BRT é um sistema de transporte por ônibus, de alta capacidade e alta qualidade, operado de forma semelhante ao metrô, capaz de atender os usuários com rapidez e conforto.
“A Scania possui uma linha de chassis que oferece soluções completas de produtos e serviços para a mobilidade urbana. As exigências da licitação promovida pelo órgão gestor, a BHTrans, reforçam a importância da qualidade, economia de combustível, robustez e baixo índice de manutenção dos produtos da marca”, afirma Eronildo Santos, diretor de Vendas de Veículos da Scania no Brasil. “Saber que nossos chassis serão utilizados em uma das cidades-sede da Copa do Mundo é uma grande satisfação. Além disso, o Move é um dos principais sistemas de ônibus do Brasil.”

Os 38 articulados Scania K 310 6x2/2 de piso normal são equipados com freios ABS, sistema EBS, controle de tração, sistema de "ajoelhamento”, caixa de câmbio automática ZF Ecolife de 6 marchas e freio auxiliar incorporado.

Os ônibus articulados têm quatro portas à esquerda, que coincidem com as portas da plataforma do BRT. Além de três saídas do lado direito, que permitem um embarque e desembarque na altura da calçada. Dentro dos ônibus, por meio de sistemas de som e painéis digitais, os passageiros têm acesso às informações sobre a próxima estação. Os ônibus contam ainda com circuito fechado de TV e GPS com monitoramento por centrais de controle operacional. Os 38 articulados Scania vão atuar em dois dos três corredores do Move: Cristiano Machado e Antônio Carlos.

Sobre a Casa Scania Itaipu - A Itaipu, empresa do grupo Lemos de Moraes, figura entre as mais representativas concessionárias Scania no Brasil. Desde 1973, a Casa mantém o foco na satisfação dos clientes e na capacitação de seus colaboradores oferecendo, além de um atendimento profissional e especializado, um portfólio completo de produtos e serviços Scania. Também dispõe de pontos de presença nas cidades de Contagem, Matias Barbosa, Montes Claros, Patos de Minas e Barão de Cocais. Com um mercado cada vez mais competitivo, a empresa busca atender sempre melhor seu cliente que também é muito exigente devido à importância de seu negócio. A Casa Scania Itaipu é certificada na ISO 9001 e também no padrão de atendimento das concessionárias Scania (DOS) emitida pela fábrica, por meio de auditoria com profissional especializado. Preocupada em oferecer ao cliente uma solução completa mantém como prioridade a alta disponibilidade de veículos para focar na administração de seu negócio. Para tanto, investe em qualificação de suas equipes, treinamentos técnicos contínuos e em uma estrutura completa de atendimento na concessionária ou in loco.

Sobre a Scania - A Scania é um dos principais fabricantes mundiais de caminhões e ônibus para transporte pesado e de motores industriais e marítimos. Os produtos de serviços têm participação crescente nos negócios da empresa, assegurando aos clientes soluções de transporte econômicas e com alta disponibilidade operacional. Com 41.000 colaboradores, a Scania está presente em mais de 100 países, com linhas de produção na Europa e América do Sul com possibilidade de intercâmbio global de componentes e veículos completos. Em 2013, as receitas totais da Scania alcançaram 86,8 bilhões de coroas suecas e o resultado financeiro após a dedução de impostos foi de 6,2 bilhões de coroas suecas.

READ MORE - Scania vende 38 chassis de ônibus para BRT de Belo Horizonte

Prefeitura de Jundiaí mantém tarifa de ônibus e anuncia Bilhete Único

Um pacote de ações voltadas ao transporte público de Jundiaí foi anunciado pelo prefeito Pedro Bigardi, nesta quarta-feira (23). Diante de secretários, diretores, empresários do setor e integrantes da imprensa, Bigardi garantiu que a passagem de ônibus será mantida pelo segundo ano consecutivo a R$ 3 e que já deu início à implementação do Bilhete Único. Além disso, juntamente com o secretário de Transportes Wilson Folgozi, o prefeito apresentou quatro novos ônibus articulados que entram imediatamente em circulação na cidade.

A novidade do Bilhete Único – sistema que unifica o acesso aos ônibus urbanos – é o uso de apenas uma única tarifa para que o usuário possa acessar qualquer linha, dentro de um período determinado, sem a necessidade de ter de se deslocar até os terminais para fazer essa mudança. “O Bilhete Único garante maior acessibilidade do transporte público, além de maior segurança e conforto”, comentou Pedro Bigardi.

De acordo com Folgozi, quem faz uso do transporte coletivo na cidade terá 1h30 para se deslocar utilizando uma só tarifa. “O Bilhete Único possibilita que os cidadãos façam o próprio itinerário, sem ir até os terminais para fazer uma integração. Além disso, o transporte terá mais agilidade na compra dos créditos em um cartão e no pagamento da tarifa.”

Na próxima semana, o projeto de lei que cria este novo sistema será enviado à Câmara Municipal para apreciação dos vereadores. A previsão da Secretaria de Transportes é de que o cadastramento dos usuários seja feito em julho para que o Bilhete Único esteja em operação já em setembro deste ano. Atualmente, 50 mil pessoas se utilizam dos ônibus para se locomoverem pela cidade.

O Bilhete Único faz parte do Plano de Mobilidade Urbana de Jundiaí (MobJund), assinado em março deste ano pelo prefeito com o objetivo de apontar estratégias e ações para a mobilidade urbana da cidade.

Tarifa
O prefeito anunciou ainda que pelo segundo ano o município de Jundiaí não vai aumentar o valor da tarifa do transporte coletivo na cidade. “Seguindo nosso programa de governo, que é tratar essa tarifa como uma questão social, fizemos vários estudos e vamos manter o valor em R$ 3”, afirmou o prefeito.

A decisão da Prefeitura pelo segundo ano consecutivo faz com que o município tenha uma das menores tarifas praticadas atualmente, se comparada com as cidades próximas – como Campinas, São Paulo, Valinhos e outras, que mesmo com a desoneração dos impostos e subsídio, tiveram de reajustar o valor da passagem.

Frota e terminais
Para contribuir com a frota de 300 coletivos existentes em Jundiaí, foram apresentados quatro novos ônibus articulados, que já estarão nas ruas nesta quinta-feira (24). Os quatro veículos, que vão transportar 616 passageiros, fazem parte do contrato com as empresas responsáveis pelo transporte público na cidade.

O prefeito voltou a frisar que todos os terminais da cidade serão reformados. Para Pedro Bigardi, a estrutura tem de garantir segurança e conforto a todos. “A população precisa ter mais comodidade e acesso aos serviços a partir dos terminais. Verificamos que a área administrativa de todos eles pode ser mais bem aproveitada. Vamos buscar fazer essas obras ainda este ano.”

Além do secretário de Transportes, Wilson Folgozi, participaram do anúncio o vice-prefeito e secretário de Educação, Durval Orlato, o secretário de Comunicação, Cristiano Guimarães, secretário de Negócios Jurídicos, Edson Aparecido da Rocha, o presidente da Câmara, Gerson Sartori, e os vereadores José Dias, Márcio Pentecoste, Rafael Antonucci e Rafael Purgato.

READ MORE - Prefeitura de Jundiaí mantém tarifa de ônibus e anuncia Bilhete Único

Campanha vai incentivar denúncias de queima de ônibus em São Paulo

Com o mesmo número de ônibus queimados nestes quatro primeiros meses de 2014 do que em todo o ano de 2013, a entidade que representa as empresas de transporte da cidade de São Paulo lança nesta quinta-feira (24), uma campanha publicitária para tentar fazer com a população denuncie suspeitos de cometer esse tipo de crime. Só entre as linhas municipais, foram 65 veículos atacados neste ano, segundo o balanço da SPTrans (São Paulo Transporte).

Francisco Christovam, presidente do SPUrbanuss (Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo) explica o objetivo da ação.

— O mote da campanha é "ônibus queimado não leva ninguém a lugar nenhum", que sintetiza exatamente o que acontece.

Esta é a primeira campanha publicitária da entidade que representa as concessionárias das oito regiões do serviço na capital. Será veiculada na televisão, rádio, na internet e relógios de rua.

Média mensal de ônibus queimados em São Paulo quadruplica após manifestações de junho

Christovam ressalta que os ônibus são alvo de todos os tipos de protesto violento, mas o descontentamento geralmente não é relacionado ao próprio serviço que eles oferecem.

— Em nenhum dos casos de ônibus queimados o ataque está relacionado com o transporte. Há protestos por falta de água, por assassinatos e contra a polícia.

Segundo o presidente da SPUrbanuss, a reposição dos coletivos queimados geralmente é demorada e só afeta quem usa a linha atacada. Além de tentar passar a ideia de que o maior prejudicado pela queima é o próprio usuário do ônibus, a meta da ação é divulgar o telefone 181, serviço da Polícia Civil especializado em coletar denúncias anônimas.

Crimes

Nesta madrugada, um ônibus foi incendiado por criminosos no Parque Santo Antônio, zona sul de São Paulo. O motivo do ataque, que ocorreu por volta da 0h, ainda é desconhecido pela polícia.

Antes dissso, um dos últimos casos registrados na capital paulista foi de um ônibus incendiado por volta das 22h30 de terça-feira (22), na Brasilândia, na zona norte. Segundo a Polícia Militar, um grupo obrigou passageiros, motorista e cobrador a descerem e atearam fogo no veículo. Não houve feridos nem detidos. O caso está sendo investigado pelo 72º DP (Vila Penteado).

No fim da noite de segunda-feira (21), outros dois veículos foram incendiados em Ermelino Matarazzo, na zona leste. A polícia suspeita que os ataques foram em represália à morte de um suspeito, na madrugada anterior, que teria tentado assaltar um policial federal no Itaim Paulista, também na zona leste.

Em Osasco, 34 veículos municipais foram queimados em uma mesma garagem nesta terça. Somados os ônibus intermunicipais, foram 116 ataques a coletivos em toda a região metropolitana neste ano.

READ MORE - Campanha vai incentivar denúncias de queima de ônibus em São Paulo

Transporte fluvial do Recife tem obras lentas e não atende à demanda

Barcos sobre o Rio Capibaribe como uma das alternativas oferecidas pelo transporte público são o desejo de boa parte dos usuários de ônibus, metrô e bicicleta. Pelo projeto apresentado pela Secretaria das Cidades, serão dois corredores para o transporte fluvial: o Oeste, que sai da BR até o Centro do Recife, percorrendo 11 quilômetros e cinco estações de passageiros; e o Norte, da Avenida Guararapes, também no Centro, até a Escola de Aprendizes de Marinheiros, em Olinda, com duas estações e três quilômetros. O plano foi mostrado na quarta reportagem da série sobre mobilidade no Grande Recife, exibida nesta quinta (25) pelo Bom Dia Pernambuco. 

As estações de embarque e desembarque de passageiros foram projetadas com estacionamento, que pode ter de 12 a 50 vagas para carros. O projeto prevê que elas fiquem perto de pontos de ônibus e bicicletas para que o passageiro combine os meios de transporte. A tarifa deve ser a mesma do sistema de transporte dos passageiros, como numa integração. No total, serão 14 barcos, com capacidade para 86 ocupantes. O corredor de navegação terá 3 metros de profundidade e 35 metros de largura.

Apesar de soar animadora, a proposta não consegue dar conta da demanda, como afirma o professor de engenharia civil, estradas e transporte da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Maurício Pina. “É uma alternativa que nós aprovamos, consideramos interessante, mas, pela própria demanda esperada, 10 mil passageiros por dia, tá muito longe de ser uma solução para o problema de mobilidade do Recife que, só pelo sistema de ônibus, movimenta dois milhões de passageiros por dia”, diz.

As obras são feitas lentamente. A dragagem no lado oeste do rio começou há um ano e ainda não foi concluída. Ainda não há previsão de quando começam as obras do lado norte. A construção das estações foi anunciada, mas somente a do Derby tem obra. A justificativa da Secretaria das Cidades é que o estado gastou todo o dinheiro que tinha para o programa e o Governo Federal ainda não analisou o projeto. Mesmo com a falta de recursos, o cronograma prevê que a conclusão das estações, dragagem e da garagem de manutenção dos barcos seja feita ainda neste ano.
“[A expectativa do governo] é no decorrer do ano de 2014 concluir todo o processo de dragagem e concluir também toda a construção das sete estações, bem como a garagem de manutenção das embarcações. E [...] também fazer a licitação, ou seja, contratar o operador que vai atuar em nome do estado para comprar as embarcações que o estado determinar e fazer a operação do sistema”, afirma o secretário das Cidades, Danilo Cabral.

Bicicletas no Recife
Como meio de transporte alternativo, as bikes têm conquistado cada vez mais o recifense. Junto com a popularização cresceu também a discussão sobre a segurança no trânsito. O entregador Adelson Silva usa a magrela todos os dias para trabalhar. Ele garante que é preciso ter experiência e cuidado ao se arriscar diariamente, já que a cidade não foi projetada para o uso desse transporte. “É bom a gente andar de bicicleta, agora tem que saber andar [...] pra não tá sendo atropelado pelos carros. A gente pega a faixa melhor de andar, pelos cantos e não ir pelo meio dos carros. A gente sempre dá uma paradinha pra num levar um revés por aí, se arriscando na vida”, diz.

Para a estudante Aline Rios, que pega a bike em uma das 70 estações espalhadas pelo Recife que disponibilizam o transporte com o uso do cartão VEM, os principais obstáculos são os veículos maiores. “Os motoristas não têm respeito com o ciclista. Motorista de ônibus são os piores, eles trancam as pessoas. A gente corre até o risco de ser atropelado, porque você vai desviar de um ônibus, muitas vezes se joga pra um carro. Isso quando você opta por não andar pelas calçadas. Porque se você andar pelas calçadas você acaba fazendo o contrário, colocando em risco as pessoas, os pedestres”, explica a estudante.

Informações: G1 PE
READ MORE - Transporte fluvial do Recife tem obras lentas e não atende à demanda

Londrina: No primeiro dia, novo terminal é alvo de elogios e críticas

O primeiro dia de funcionamento do Terminal da Zona Oeste, em Londrina, foi de adequação, tanto para os usuários quanto para os funcionários das empresas do transporte coletivo. Enquanto alguns moradores elogiaram as mudanças, outros criticaram.

A expectativa da Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU) é de que mais de 25 mil passageiros utilizem diariamente as 15 linhas que operam no Terminal da Zona Oeste.

Algumas linhas, como a 309, a 312 e a 313, tiveram o itinerário alterado e não circulam mais pelo terminal central. Por conta dessa e de outras mudanças, agentes da CMTU orientavam os usuários no novo terminal ontem pela manhã.

Umas das usuárias que recorreu a essa orientação foi a aposentada Divina Jacomeli Fonseca, 76 anos, que esperava pelo ônibus que a levasse de volta para casa, no Jardim Leonor, zona oeste. “Para a gente que é de mais idade, tem de pedir ajuda, senão fica perdido mesmo”, disse.

Para a chapeira Rosângela Carolino, o novo terminal traz vantagens. “Gosto muito de andar de ônibus e, agora, vamos ter mais uma opção de integração com outras linhas, vai ficar mais rápido.”

A avaliação da zeladora Maria Aparecida dos Santos não é tão positiva. Moradora do Conjunto Milton Gavetti, ela precisava de apenas um ônibus para chegar ao trabalho, na Avenida Arthur Thomas. Agora, com as mudanças provocadas pelo novo terminal, o trajeto ficou mais longo.

“Tive de pegar três ônibus: um no Gavetti para este terminal [da zona oeste], outro daqui para o terminal central e outro de lá para o trabalho. Demorava uns 40 minutos, mas, hoje, levou uma hora a mais. Isso virou um caos”, reclamou Maria Aparecida.

A estudante Mariana Paschoal também se queixou das mudanças. Ela, que mora na Avenida JK, pegava o ônibus 304 na Rua Quintino Bocaiúva para chegar à Universidade Estadual de Londrina (UEL). Agora, ela precisa ir até o Terminal Central e disputar uma vaga nos carros das linhas 305, 307 ou 315 para chegar ao destino.

“Estudo à noite e, na volta, terei de parar na [Avenida] Higienópolis, perto da esquina com a [Rua] Sergipe e descer umas sete, oito quadras. Além de mais longe, para mim ficou mais perigoso”, avaliou a acadêmica.

Descentralização

Os terminais de bairro, como o recém-inaugurado, têm o objetivo de descentralizar o transporte coletivo no Município, de acordo com a CMTU. A ideia de um único terminal, na região central, reflete um trajeto passado, quando as pessoas tinham de vir para o centro para fazer compras, pagar contas etc.

“Com shoppings na zona norte e na zona leste e com uma grande empresa de call center na zona oeste, por exemplo, a tendência é de que haja um maior movimento para fora do centro”, avaliou o gerente de Transportes da CMTU, Wilson de Jesus.

Para ele, mesmo as linhas com apenas um ônibus serão beneficiadas com as mudanças provocadas pelo Terminal da Zona Oeste. “Como o trajeto é menor, a frequência aumenta. Com menos tempo entre os ônibus, as viagens ficam mais rápidas.” 

Por Fábio Calsavara
READ MORE - Londrina: No primeiro dia, novo terminal é alvo de elogios e críticas

Obras do BRT/Move no corredor da Antônio Carlos e Pedro I desafiam calendário da Copa

Enquanto mais mudanças no transporte público são anunciadas para o novo sistema BRT/Move na Avenida Cristiano Machado, o corredor Antônio Carlos/Pedro I – que espera receber diariamente 400 mil passageiros – ainda esbarra em obras e na conclusão do terminal de integração Pampulha. Primeira estação a ser inaugurada na modalidade BRT, a São Gabriel, na Cristiano Machado, deve atingir a marca de atendimento de 100 mil passageiros/dia no próximo sábado. Nessa data, cinco linhas semiexpressas serão transformadas em alimentadoras e passarão a ligar os bairros ao terminal, sem se dirigir ao Centro. Para chegar a essa região, os passageiros deverão seguir nos ônibus articulados do Move. O número de usuários ainda é bem distante dos 300 mil que devem ser atendidos na São Gabriel até a Copa, como anuncia a BHTrans, mas já representa um avanço em relação ao corredor Antônio Carlos, prometido para ficar pronto dentro de um mês. O presidente da BHTrans, Ramon Victor Cezar, garante que só faltam “bijuterias e maquiagem” para o fim das obras nesse corredor. Mas, no local, ainda há muito a ser feito, como garantem os próprios operários. 

Segundo Ramon, até a Copa do Mundo, daqui a menos de dois meses, os dois corredores vão estar em funcionamento. Na Antônio Carlos, as obras apresentam maior avanço entre o Viaduto São Francisco e o Bairro Lagoinha. No sentido contrário, até a Avenida Pedro I, funcionários ainda trabalham na instalação de equipamentos dentro das estações, na implantação de paisagismo e na conclusão das obras da Estação Pampulha. Um dos funcionários convida a reportagem do Estado de Minas para conferir o andamento das intervenções e diz: “Não vai dar para ficar pronta para a Copa”. Ainda assim, Ramon garante que “a bijuteria, a maquiagem, a roupinha, aquilo que é essencial, está quase tudo pronto”. Já nas estações Vilarinho e Venda Nova, segundo ele, as adequações estão em andamento. “São coisas mais simples e vamos operar lá também”, diz.

A lista de mudanças no BRT, previstas para sábado, inclui a criação de duas linhas troncais, que se somam às três já existentes. A linha 85 ligará a Estação São Gabriel ao Centro, passando pelos bairros Sagrada Família e Floresta, e à Região Hospitalar. Nesse itinerário, os veículos articulados e com ar-condicionado do Move seguirão pelo corredor exclusivo da Cristiano Machado até a Avenida Silviano Brandão, passando pela Rua Itajubá e pelas avenidas Francisco Sales, Bernardo Monteiro, Alfredo Balena e Augusto de Lima. O retorno será pelas ruas Goiás e Paraíba, pelas avenidas Bernardo Monteiro, Francisco Sales, Assis Chateaubriand e Contorno, Rua Itajubá e Avenida Silviano Brandão, onde o BRT retorna ao corredor exclusivo.

O quadro de horários e o cálculo dos intervalos entre as viagens da linha 85 ainda está sendo feito. A linha vai operar com ônibus padrons (modelo intermediário do Move, equipado com ar-condicionado, suspensão a ar, comprimento de 13,2 a 15 metros e bicicletário), que circulam dentro e fora do corredore. “A Avenida Augusto de Lima, as ruas Goiás e Timbiras, e a Avenida Alfredo Balena passam a contar com uma faixa operando exclusivamente para ônibus e com fiscalização para garantir uma circulação mais rápida à linha troncal 85”, explica Ramon. No início do mês, segundo ele, uma primeira leva de radares será implantada na Augusto de Lima, para controlar invasões de faixa. “Temos uma licitação em andamento e vamos aumentar o número de radares em todos os corredores do BRT, inclusive para controlar a bus way”, afirma.

Já para a nova linha troncal que funcionará a partir de sábado, a 8151 (Estação São Gabriel/BH Shopping, via Anel Rodoviário), o atendimento será feito, inicialmente, com ônibus convencionais, a exemplo dos que operam em linhas diametrais, que atualmente ligam bairro a bairro. Isso, porque, ao longo do Anel, não há estações do sistema Move. De acordo com a BHTrans, a criação do novo itinerário tem o objetivo de oferecer mais uma opção de acesso aos bairros no entorno do centro de compras, localizado na Região Centro-Sul da capital.

Alimentadoras

Cinco linhas semiexpressas, que hoje fazem a ligação de bairros no entorno do terminal São Gabriel ao Centro, também passam por mudanças e serão transformadas em alimentadoras. Para isso, deixam de ir para a Região Central e passam a ter a estação como destino final. Dois desses itinerários serão novos e três passarão por adaptações para o atendimento. A linha 5502 A (Jardim Vitória A) será transformada na 814 (Estação São Gabriel/Jardim Vitória). A nova 813 vai substituir a atual 5506C (Paulo VI, via Ribeiro de Abreu) e fazer a ligação entre esse bairro e a estação.

Outras duas linhas semiexpressas serão trocadas por linhas alimentadoras, que já funcionam aos domingos e feriados. Elas terão os quadros de horários readequados para operar também em dias úteis e aos sábados. As linhas 5502B (Capitão Eduardo) e 5506B (Ribeiro de Abreu Via Conjunto) serão substituídas, respectivamente, pelas 832 (Estação São Gabriel/Capitão Eduardo) e 837 (Estação São Gabriel/Conjunto Ribeiro de Abreu). Já a 5507A (Jardim Guanabara A) será transformada na alimentadora 707 (Estação São Gabriel/Jardim Guanabara). Esse itinerário já funciona durante toda a semana, mas terá o número de viagens ampliado.

Intervalo

Com as mudanças programadas, a expectativa é retirar 56 ônibus convencionais (por hora/pico) da pista mista da Cristiano Machado. Outra alteração será o acréscimo de 28 mil passageiros às cerca de 70 mil pessoas que já usam o BRT, passando pelo terminal São Gabriel. Para atender à nova demanda, a BHTrans promete aumentar o número de ônibus articulados no corredor Cristiano Machado, passando de 35 para 50 veículos. O reforço vai garantir, segundo a empresa, a redução de 50% no tempo entre uma viagem e outra. Na linha 83D (São Gabriel/Centro Direta), esse tempo será entre dois e três minutos e o número de saídas passa de 130 viagens/dia para 239 viagens/dia, aumento de 84%. Já no itinerário parador (83P), o tempo entre uma viagem e outra será de seis minutos, com realização de 113 viagens/dia, um aumento de 20% em relação `às 94 feitas atualmente. No trecho São Gabriel/Região Hospitalar, feito pela linha 82, o intervalo passa a ser de até cinco minutos, com 145 saídas/dia, 51% mais que as 96 viagens/dias atuais.

Por Valquiria Lopes 
READ MORE - Obras do BRT/Move no corredor da Antônio Carlos e Pedro I desafiam calendário da Copa

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960