No Recife, Desafio intermodal expõe falta de mobilidade

domingo, 15 de setembro de 2013

A chuva da última quinta-feira tornou ainda mais difícil uma tarefa nada simples: sair do centro do Recife em direção à Zona Sul em horário de pico. De carro, bicicleta, skate, patins e até a pé, 15 voluntários do Desafio Intermodal (DIM) 2013 partiram às 18h do bairro de Santo Antônio em direção a Boa Viagem. No quesito tempo, a bicicleta levou a melhor. Os carros — um comum e um táxi — tiveram desempenhos pífios. Até Tarcizio Gouveia, que fez o percurso correndo, chegou antes dos automóveis. 

A competição entre veículos, no entanto, é o que menos interessa na discussão levantada pelo Movimento Direitos Urbanos e pelo Observatório do Recife, organizadores do evento. Às vésperas da Semana da Mobilidade, que começa nesta segunda-feira e vai até o dia 22, os que se aventuraram pelas ruas da cidade naquela noite chuvosa ajudaram a comprovar - mais uma vez - que o verdadeiro desafio do Recife é conseguir ser, de fato, intermodal.


Uma hora e meia após a largada, todos os participantes já haviam chegado ao destino final. Sob uma chuva fria que não dava trégua, sobravam críticas ao trânsito, às calçadas, à educação dos motoristas, ao lixo acumulado na cidade, à falta de informação nas paradas de ônibus em todo o trajeto de cerca de 9,5 km. Motoristas estressados colocavam em risco ciclistas que, sem infraestrutura cicloviária satisfatória, tentavam ocupar o lugar que o Código de Trânsito Brasileiro lhes reservou nas ruas e avenidas. Sem informações sobre os horários dos ônibus, usuários do transporte público estão condenados a perder tempo. Primeiro na parada. Depois, no trânsito. No Recife, o básico está em falta.

Um dia antes do desafio, o Diario fez o trajeto escolhido pela maioria dos participantes do DIM, passando pelo Cais José Estelita e pela Avenida Domingos Ferreira para sair da Praça da Independência, no bairro de Santo Antônio, e chegar ao Shopping Recife. No percurso, encontrou Edvaldo José do Nascimento, porteiro de 53 anos. Ele é um dos milhares de ciclistas que o Recife teima em manter invisíveis. Todos os dias, Edvaldo pedala cerca de uma hora, do Ibura, onde mora, ao Pina, onde trabalha. Segue devagar, pelo canto direito, prestando atenção ao fluxo do trânsito e aos buracos. “Se tivesse ciclofaixa, seria bem melhor”, disse. 

Informações: Diário de Pernambuco

READ MORE - No Recife, Desafio intermodal expõe falta de mobilidade

Sistema BRS vai reduzir o tempo da espera de ônibus em 30% de Manaus

A velocidade dos ônibus em Manaus, que hoje é de 10 km/h, em média, considerando o trânsito nas principais vias da capital, deve triplicar com a implantação do sistema Bus Rapid Service (BRS), faixas exclusivas para os ônibus, que devem ser implantadas em 2014. A estimativa é do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram), que vem realizando estudos mais detalhados para melhorar o transporte coletivo na capital, com a implantação do novo modelo de locomoção. Além disso, o número de passageiros pode sofrer um aumento em até 30%.

O Sinetram sugeriu à Prefeitura de Manaus que o BRS seja implantado nas avenidas Constantino Nery, Djalma Batista, Getúlio Vargas, Brasil, Torquato Tapajós, Max Teixeira, Cosme Ferreira, André Araújo, Noel Nutels, Grande Circular, Autaz Mirim, Monsenhor Pinto, Das Torres, Mário Ypiranga e Humberto Calderaro.

“O BRS se aplica somente às troncais e troncais vêm justamente de tronco, como numa árvore. São as vias de maior fluxo, que distribuem passageiros para as demais. Quando aumenta-se a velocidade dos ônibus diminui-se o tempo para percorrer a mesma distância e esta é a vantagem do modelo”, explicou o presidente do Sinetram, Algacir Gurgacz.


De acordo com a Prefeitura de Manaus, até 2014, a cidade terá mais de 80 quilômetros de corredores exclusivos para ônibus na cidade. Com o BRS, o percurso Centro/Grande Circular, zona leste, que hoje leva uma hora e meia, por exemplo, passará a ser percorrido em 45 minutos. Nas demais vias, o Sinetram espera que o cálculo seja semelhante.

Para o diretor da Global Green, Rosano Conte, uma das empresas que terão mais linhas nas paradas, como os veículos passarão a trafegar com mais intensidade, o sistema trará mais vantagens. “Temos a linha 650, que sai do Terminal 4 (T4), na zona leste, e vai até o terminal central da cidade. Essa linha faz esse trajeto hoje em, aproximadamente 2h10, com o BRS o percurso poderá ser feito em 1h40, o que com certeza vai melhorar e muito para os usuários que dependem dessa linha. Esse sistema trará muito mais conforto para nossos passageiros”, informou Conte.

Além disso, o Sinetram também espera que o poder público iniba os veículos que insistirem em circular nas faixas exclusivas de ônibus. Isso porque, com a segregação das pistas, carros menores serão terminantemente proibidos de utilizar a via dedicada aos coletivos. A multa para quem for pego desrespeitando a norma, segundo o Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito (Manaustrans) será de R$ 191,54, além da perda de sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Simulado

Segundo a Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU), o BRS servirá como uma espécie de simulado para o BRT (Bus Rapid Transit), que será implantado pela Prefeitura. “O BRS é um degrau para o sistema BRT que é o sistema mais eficiente ainda. Depois que o BRS estiver implantado, para funcionar o BRT será necessário fechar as paradas, criar espaços para ultrapassagem dos ônibus e instalação de tecnologias como o GPS. Com o BRS, uma das medidas que a prefeitura irá adotar é implantar uma fiscalização mais rigorosa para que somente os ônibus circulem nessas faixas”, informa o superintendente da SMTU, Pedro Carvalho.

Transporte clandestino prejudica o sistema

Para os empresários do Sistema de Transporte Urbano de Manaus, um dos entraves é o transporte clandestino. Um estudo do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram), revelou que, na cidade, existem 697 veículos clandestinos. Eles transportam uma média de 297,7 mil passageiros por dia e faturam, aproximadamente, R$ 818 mil diariamente.

“No sistemas BRT ou BRS, os ônibus são bem equipados e modernos, justamente para dar conforto aos nossos usuários. Tudo que o passageiro quer hoje é o menor tempo de espera nas paradas e conforto dentro dos ônibus. Temos certeza que a Prefeitura vai se empenhar e diminuir esse alto número de ‘predadores’ (clandestinos) em nossa cidade ”, disse o presidente do Sinetram Algacir Gurgacz.

Informações: d24am.com
READ MORE - Sistema BRS vai reduzir o tempo da espera de ônibus em 30% de Manaus

Fiscalização nos corredores de ônibus tem início em São José dos Campos

A Prefeitura de São José dos Campos começa nesta segunda-feira (16) a fiscalização nos corredores exclusivos de ônibus. O objetivo é autuar motoristas que descumprem a regra e invadirem as faixas destinadas aos coletivos. Os corredores foram implantados em julho com a proposta de aumentar a velocidade média dos ônibus.
Foto: Carlos Santos/G1
Segundo a prefeitura, o motorista que for flagrado usando a faixa dos ônibus para ultrapassar a fila de carros na pista destinada aos veículos ou permanecer no corredor após um cruzamento será multado. A infração é considerada média, com multa de R$ 85,13 e quatro pontos na Carteira de Habilitação (CNH).


Leia também sobre:
·         Metrô São Paulo
·         SPTrans
·         EMTU-SP

Segundo a Secretaria de Transportes, o corredor exclusivo pode ser usado apenas para acessar comércios e residências, fazer conversões à direita ou para passar às demais faixas. Os corredores foram implantados em 10 avenidas da região central e começaram a operar no dia 27 de julho. A fiscalização começará 50 dias após a implantação das faixas exclusivas.

A pasta não informou um limite de extensão e de tempo em que o motorista poderá ocupar a faixa exclusiva a ônibus sem sofrer punições "Os agentes de trânsito foram treinados e estão capacitados para identificar a real intenção do condutor durante o procedimento de fiscalização", informou a Secretaria de Transportes.

Antes da fiscalização ser iniciada, a prefeitura também fez ajustes nas faixas exclusivas para ônibus. Na avenida Ahemar de Barros, uma das vias em que a implantação do corredor gerou maior polêmica, a prefeitura reduziu a extensão do corredor para evitar 'conflito com carros'. A alteração ocorreu no quarteirão da rua Coronel João Cursino e avenida Heitor Villa Lobos - nesse trecho, a prefeitura retirou a palavra “ônibus” do solo e também as faixas na cor azul que delimitam a faixa exclusiva. Com isso, nesse trecho, os carros podem trafegar em qualquer faixa.

Informações: G1 Vale do Paraíba e Região
READ MORE - Fiscalização nos corredores de ônibus tem início em São José dos Campos

Em Fortaleza, Rua Ana Bilhar receberá 2km de ciclofaixa

A rua Ana Bilhar vai receber uma ciclofaixa unidirecional, com extensão de dois quilômetros e largura de 1,8 metro. Na segunda-feira, 16, começa a implantação, que será feita pela Autarquia Municipal de Trânsito, Serviços Públicos e de Cidadania (AMC).

No início de agosto, integrantes do grupo Massa Crítica pintaram uma ciclofaixa autônoma na via. O corredor, entretanto, foi apagado pela Prefeitura.

Após acerto entre a AMC e cicloativistas, outras ruas e avenidas da Capital também vão receber ciclofaixas. A ação, inicialmente, estará concentrada nos bairros Aldeota e Meireles, mas a intenção é levar o projeto para outras áreas.

Ciclofaixas são espaços pintados no chão, sinalizando por onde os ciclistas devem trafegar. Têm custo menor que as ciclovias, pois utilizam basicamente tintas e tachões. As ciclovias são separadas fisicamente das vias destinadas aos veículos por canteiros ou muretas.

“A coleta de dados foi concluída. No momento, está sendo realizado relatório com o diagnóstico desse estudo. Após definição das vias que serão contempladas, o projeto entrará no cronograma de execução”, informou a AMC. O custo para a implantação do projeto não foi definido. Critérios como baixo tráfego de ônibus e vias de sentido único foram observados. Hoje, Fortaleza possui apenas uma ciclofaixa, na rua Benjamim Brasil, na Maraponga.


Na última quinta-feira, 12, O POVO apresentou dicas para quem quiser andar de bicicleta. Um dia antes, o jornal debateu as sugestões para o Plano Diretor Cicloviário Integrado, documento que vai estabelecer ações e mapear locais que necessitam de ciclovias.

Semana da mobilidade

Para discutir temas voltados à mobilidade e à utilização de bicicletas, a Associação dos Ciclistas Urbanos de Fortaleza (Ciclovida) vai realizar a Semana da Mobilidade, entre os dias 16 e 22 próximos.

Segundo o arquiteto Paulo Angelim, um dos organizadores, é possível incluir a bicicleta como transporte no dia a dia. Ele destaca a mobilização “bike ao trabalho”, que acontecerá na quinta-feira, 19. “Vamos incentivar a criação de roteiros e formação de grupos para ir de casa ao trabalho”, explica.

A também arquiteta e integrante do Ciclovida, Beatriz Rodrigues, é uma das responsáveis pelas ações educativas. Durante a programação do evento serão realizadas panfletagens nas ciclovias das avenidas Bezerra de Menezes e Washigton Soares, além de ações nos terminais de ônibus. “Vamos conversar com os ciclistas. Muitos cometem infrações por falta de conhecimento da legislação”, diz. (Isabel Costa)

Informações: O Povo Online
READ MORE - Em Fortaleza, Rua Ana Bilhar receberá 2km de ciclofaixa

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960