Em São Paulo, Prefeitura quer terminal de ônibus na frente do Aeroporto de Congonhas

segunda-feira, 25 de março de 2013

A Prefeitura planeja construir um terminal de ônibus na frente do Aeroporto de Congonhas, na zona sul. Se sair do papel, será o segundo equipamento voltado ao transporte público de massa erguido na área, hoje de difícil acesso a quem não usa carro ou táxi. O Metrô já começou a fazer perto dali uma estação de monotrilho, prevista para ser entregue no fim de 2014.

Segundo a Secretaria Municipal dos Transportes, o Terminal Jardim Aeroporto, que atenderá o futuro corredor de ônibus da Avenida 23 de Maio, terá área coberta de 13 mil m² e plataformas com 540 metros. A expectativa é de que fique pronto em até três anos e meio.

Por ora, não há informações sobre quantos passageiros devem ser beneficiados pelo terminal nem quantas linhas o servirão. Tampouco se será ligado à estação de monotrilho e ao aeroporto. A São Paulo Transporte (SPTrans) diz que os detalhes do empreendimento ainda dependem de estudos.

Na semana passada, foram lançados editais para contratar os projetos básicos deste e de mais dez terminais - todos nas zonas sul e leste -, além de 123 km de corredores de ônibus. A localização exata do terminal do aeroporto não foi informada, mas, pelo mapa anexado à licitação, será perto da esquina da Avenida Washington Luís com a Rua Vieira de Moraes. O terreno da antiga Vasp, atualmente desocupado, fica bem ao lado. Nas redondezas, também há um bolsão de radiotáxis. O terminal poderia ser montado em algum desses pontos.

Para o comerciante Valmir Paulo Ferreira, de 73 anos, a obra será boa. "Há anos, ali está totalmente abandonado, vazio." Ele arrenda uma lanchonete na Washington Luís. Uma de suas funcionárias, a cozinheira Maria Araújo, de 49 anos, que mora no Grajaú, na zona sul, usa diariamente ônibus para trabalhar. Em sua opinião, o terminal deverá facilitar sua vida. "Provavelmente, vou poder pegar o ônibus vazio."

O corredor previsto pela gestão Fernando Haddad (PT) para o corredor norte-sul terá 25,3 km. As obras devem começar no ano que vem. Para o projeto, estão previstos mais dois terminais além do Jardim Aeroporto: Jardim Miriam e Baronesa, também na zona sul.

Opções. Para especialistas, o corredor pode se tornar mais atraente que o monotrilho para quem quiser ir de transporte coletivo ao aeroporto. Isso porque a Linha 17-Ouro do Metrô inicialmente ligará Congonhas apenas à Estação Morumbi da Linha 9-Esmeralda da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), fora de mão da região central. De monotrilho, quem está no centro terá de ir até o Morumbi para depois voltar ao aeroporto. A extensão desse ramal até o Jabaquara, onde se conectará com a Linha 1-Azul do Metrô, de mais fácil acesso a áreas centrais, ainda não tem data.

READ MORE - Em São Paulo, Prefeitura quer terminal de ônibus na frente do Aeroporto de Congonhas

Engarrafamento é o pesadelo de todos os dias no DF

Problema crônico das grandes cidades, os engarrafamentos diários  parecem não ter fim e nem solução, mesmo com os investimentos recentes. O governo adotou o discurso de estimular o transporte público recentemente, mas a população ainda não foi suficientemente convencida a deixar o carro em casa. 

Por isso, a quantidade de veículos nas ruas atrapalha a circulação e não há obra que resolva o problema. A situação é dramática em 17 pontos de retenção mapeados pelo Detran.

Nos últimos anos, muitas das principais vias do DF receberam investimentos. A Linha Verde, da EPTG, custou R$ 306 milhões e ainda apresenta congestionamentos. Na EPNB, mesmo com o viaduto João Goulart, que custou R$ 22,8 milhões, em uma das entradas do Núcleo Bandeirante, o trânsito continua caótico. Na Epia, houve alargamento das pistas nos dois sentidos, sem solução.

Faixas exclusivas 
A medida mais recente foi a implementação de faixas exclusivas de ônibus. O DF conta com 54,9 km de pistas com essa prioridade. Em  2011, a EPNB foi a primeira via a receber a novidade, seguida da EPTG, W3 Norte e W3 Sul, em 2012. O Setor Policial foi o último a contar com a faixa, em junho do ano passado. 

De acordo com o DFTrans, os ganhos de tempo com as faixas exclusivas são de 30 minutos na EPNB, 20 minutos na EPTG, 15 minutos na W3 Norte e W3 Sul e cinco minutos no Setor Policial. As vias são atendidas por 272 linhas de ônibus. Mesmo assim, não houve efetividade na EPTG, onde passam cerca de 150 mil veículos por dia. Até que se licitem os novos ônibus, com portas do lado esquerdo, as faixas de ônibus terão circulação abaixo do esperado.

O levantamento do Detran aponta retenções em trechos de afunilamento da pista ou por causa de semáforos. EPTG, EPNB, Estrutural, EPGU e subida do Colorado são as vias problemáticas.

Muito estresse, sem escapatória
Para fugir da falta de conforto e da superlotação do transporte público, o militar Deibson Santos e mais quatro amigos dividem os custos do combustível para ir e voltar para casa. Mesmo assim, não há como escapar dos congestionamentos.

“É horrível. Nos dias de semana, gasto uma hora de 20 minutos do Setor Militar Urbano até a minha casa, no Riacho Fundo. Sábado e domingo o percurso não dá nem 15 minutos”, comparou. Para ele, o problema   não se resolve facilmente. “Nem sei qual seria a solução. Aqui na EPNB, por exemplo, não tem como aumentar mais a pista”, disse.

A servidora pública Jeanne Marques já vivenciou os dois lados da moeda, utilizou o transporte público por um tempo, e agora anda de carro. Entretanto, nem com as faixas exclusivas, há grande diferença. “Perco três horas por dia no engarrafamento. É um tempo perdido, eu estudaria mais, em vez de ficar parada no trânsito. Pra mim, não adianta ter faixa de ônibus, se o transporte público não atende todo mundo. Eu pegaria ônibus se melhorassem as condições”, desabafa.

A criatividade também ajuda a superar dificuldades. O mecânico Juarez Siqueira mora no Riacho Fundo e trabalha no Núcleo Bandeirante, mas para não perder muito tempo no trânsito, sai mais cedo. “Saio de casa às 6h e demoro só 20 minutos. Fico dormindo até dar o meu horário de entrada, às 8h. Se eu sair de casa às 7h, chego atrasado, às 8h30, explica.

O estudante Felipe Bomfim passa cerca de três horas por dia no trânsito. A rota, entre Ceilândia, Setor Comercial Norte e a UnB, é bastante complicada e o fez recorrer ao carro apenas uma vez por semana. “Quando vou de carro, levo uma hora e meia na ida, em dias bons, e duas horas e meia em dia de chuva. Deixo o carro em casa, porque não aguento o estresse”, conta.

Por Daniel Cardozo
READ MORE - Engarrafamento é o pesadelo de todos os dias no DF

Setransbel admite que não é preciso aumentar tarifa para oferecer ônibus de qualidade

A melhoria da frota de cerca de 1,8 mil ônibus da Região Metropolitana de Belém (RMB) não está diretamente ligada à tarifa paga por cerca de um milhão de usuários a cada mês. A afirmação é do presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belém (Setransbel), Paulo Gomes. Ele observou que a cada aumento de tarifa, o número de usuários diminui. E como os aumentos não acompanham o que é proposto como ideal para manter sistema, a capacidade de investimentos das empresas cai. 

A solução apontada por ele seria reduzir a elevada tributação sobre o transporte público da capital paraense, que é apontada pela entidade como a mais alta do País. Em cidades com tarifa semelhante, como Fortaleza, onde a tarifa custa R$ 2,20, a frota apresenta melhores condições por causa dos custos muito abaixo da metade de Belém. Outras grandes capitais, como São Paulo, possuem subsídios de até 50% do poder público para sustentar a operação e não deixar os custos das melhorias no serviço pesar no bolso de quem precisa dos ônibus.

A mesma saída é apontada pelo Departamento de Estatística e Estudos Socioeconômicos do Pará (Dieese-PA) a cada ano, nas discussões de reajuste de tarifa do Conselho Municipal de Transportes. Este ano, a proposta ganharia um novo contexto, por seguir a tendência de desonerar produtos e serviços, como vários alimentos da cesta básica e tarifas de energia. Porém, não há qualquer plano para que ela se torne realidade.

Paulo Gomes, do Setransbel, preferiu não falar diretamente sobre o tema aumento de tarifa, mas reconheceu que os estudos para um possível reajuste já começaram a ser feitos. Porém, nenhum prazo foi dado. O último reajuste proposto, que foi fechado em R$ 2,20 pelo ex-prefeito Duciomar Costa, foi de R$ 2,34.

Nos últimos cinco reajustes de tarifa, foram suprimidos cerca de R$ 0,50. Mesmo quando os valores apontados pelo sindicato foram aprovados ou tiveram números próximos dos apontados pelo Conselho, a passagem final aprovada pelo prefeito sempre foram valores mais populares.

Gratuidades - O excesso de gratuidades (22% do total de passageiros) e meia passagem (38%) também foi uma causa apontada para os altos custos de manutenção do sistema pelo Setransbel, entidade que representa as empresas de transporte público de Belém.

"Por conta dos ônus elevados em manter o sistema de transporte e uma tarifa que não é a ideal, a capacidade de investimento dos empresários da RMB fica engessada", defendeu o presidente do Setransbel.

Inquérito civil do MPE apura denúncias

A promotoria de Defesa dos Direitos do Consumidor, do Ministério Público do Pará (MPE), abriu um inquérito civil para apurar as condições do transporte público da RMB.

O inquérito foi aberto na sexta-feira, 8, depois de a promotoria ter recebido diversas denúncias de usuários. A promotora de Justiça Elaine Castelo Branco solicitou à Autarquia de Mobilidade Urbana de Belém (Amub) uma relação com todas as empresas de transporte coletivo da RMB e um plano de providências. O prazo dado foi de 10 dias a contar do recebimento da notificação. O órgão municipal de trânsito e transporte informou que o material solicitado pela promotora será entregue no prazo.

READ MORE - Setransbel admite que não é preciso aumentar tarifa para oferecer ônibus de qualidade

Audiência pública do transporte coletivo de Ponta Grossa será em abril



A primeira audiência pública destinada a discutir o funcionamento, as alternativas e as melhorias necessárias ao sistema de transporte coletivo urbano em Ponta Grossa já tem data. O prefeito Marcelo Rangel confirmou que a primeira audiência será na Câmara Municipal no dia 2 de abril, às 15 horas. “Queremos inaugurar, com essa audiência, um amplo processo de consulta popular e de discussão sobre o sistema de transporte coletivo. Estamos dentro do prazo para definir o modelo que queremos, a qualidade que merecemos e o custo que poderemos cobrir”, avalia Rangel.

Segundo o prefeito, as audiências serão focadas na discussão pública – e, portanto, aberta – das alternativas existentes em relação ao processo de modernização do transporte. “Acredito que se trata agora não apenas de adequar um contrato já velho de dez anos, mas um conceito muito mais antigo. Precisamos e merecemos um serviço de transporte de qualidade, a preço justo e alcançando todos que precisam”, registra. De acordo com Rangel, o sistema de transporte de Ponta Grossa pode e deve ser muito melhorado a ponto de servir como incentivo à ampliação de seu uso, com a consequente redução do número de automóveis.

Fonte: Diário dos Campos

Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook

READ MORE - Audiência pública do transporte coletivo de Ponta Grossa será em abril

BRT Transoeste com viagem mais rápida, mas repleta de transtornos

A viagem é mais rápida. Ninguém nega que com o BRT (Transporte Rápido de ônibus) Transoeste — primeiro corredor expresso ligando os bairros Barra da Tijuca a Santa Cruz e Campo Grande, na Zona Oeste, ganhou tempo no dia a dia. Mas a qualidade do serviço tem decepcionado passageiros que apostaram em uma viagem também mais tranquila. Falta de bilheteiros e banheiros para o público, motoristas e funcionários nas estações, falhas nos equipamentos de recarga de cartão, ônibus superlotados circulando de portas abertas e ar-condicionado ineficiente já são rotina.
Ônibus articulado parte da estação de Mato Alto superlotado e com porta aberta | Foto: Uanderson Fernandes / Agência O Dia
Em pouco mais de uma hora a equipe do DIA constatou os transtornos nos 56 quilômetros de extensão do corredor, explorado por 91 veículos articulados, 16 padrões e 65 alimentadores, que interligam estações e terminais aos bairros. O sistema concessionado pelo governo às empresas de ônibus da cidade (Rio Ônibus) é a ‘menina dos olhos’ no setor de transportes do Rio.

“É uma vergonha o que enfrentamos todos os dias. A viagem é mais rápida, mas às vezes passam até cinco ônibus lotados até eu conseguir embarcar em um com vaga para ir para casa. Crianças, grávidas e idosos são os que mais sofrem com a situação”, criticou a comerciária Maria dos Santos, de 43 anos, que mora em Campo Grande e trabalha no Recreio dos Bandeirantes. “Pretendia ir para Santa Cruz, mas acabei descendo aqui (na estação de Mato Alto, em Guaratiba) porque o ônibus (placa KOV-8433) trafegava com a porta aberta. Isso acontece com frequência. Tive medo de seguir viagem”, afirmou a empregada doméstica Elizabete Melo, 54 anos, por volta de 17h do dia 15 deste mês.

O motorista de outro veículo articulado admitiu que nos horários de pico, entre 15h e 19h, por exemplo, costuma conduzir os ônibus com cerca de 300 pessoas — mais que o dobro da capacidade máxima permitida, que é de 145 passageiros (49 sentados e 96 em pé). “Às vezes as portas não fecham. Mas se nos recusarmos a dirigir nestas condições, corremos o risco de sermos linchados”, revelou.

Em um ano, 105 mil passageiros transportados por dia

O secretário municipal de Transportes, Carlos Roberto Osório, elogia o sistema que, em um ano, é responsável pelo transpote de 105 mil passageiros por dia, marca que superou as expectativas. Mas reagiu com irritação às falhas. “Circular com a porta aberta e não ter água nas estações são coisas inadmissíveis. Não pode, em hipótese alguma. Vamos ser rigorosos na aplicação de multas”, adiantou Osório, garantindo que tem cobrado melhorias à Rio Ônibus.

“Requisitamos à concessionária que coloque mais 12 ônibus articulados no sistema, banheiros químicos nas estações e terminais e máquinas de recargas que dão troco em moedas”, ressaltou.

Apesar de irritado, ele faz uma ressalva: “Falhas são consequências do sucesso absoluto deste meio de transporte. Ainda estamos aprendendo a lidar com o que está apresentando problemas, mas tudo funcionará bem”, comentou.

Ainda de acordo com o secretário, as ilhas alimentadoras ao lado das estações de Mato Alto e Magarça, ganharão cobertura, iluminação adequada e banheiros químicos, queixas dos usuários.

Rio Ônibus diz que ônibus para se porta estiver aberta

Além de ter que levar água de casa para beber, funcionários das 42 estações e dois terminais do corredor expresso dizem que faltam trabalhadores. No dia 12, por exemplo, só havia um bilheteiro na estação de Mato Alto. Eles reclamam também da falta de policiais militares, da má iluminação e de locais apropriados para fazer as refeições. Nas estações há seguranças particulares.

Em nota, a Rio Ônibus informou que cumpre à risca a legislação trabalhista e que cabe ao poder público cuidar do policiamento ostensivo e iluminação no entorno das estações. Em relação à superlotação, a concessionária alega que através de câmeras de vídeo o Centro de Operações tem noção da quantidade de passageiros nos veículos, mas não tem como contá-los.

A nota diz ainda que os ônibus do BRT têm sistema especial que reduz a velocidade dos veículos até pararem, caso circulem com portas abertas, como a equipe do DIA flagrou.

A Rio Ônibus informou também que “aperfeiçoamentos no ar-condicionado têm sido aplicados com sucesso, com vistas a deslocamentos de visitantes e torcedores na Copa do Mundo de 2014 e nas Olimpíadas 2016”.

“As estações que não têm água da Cedae são abastecidas por carros-pipa”, explica o texto.

Por Francisco Edson Alves
READ MORE - BRT Transoeste com viagem mais rápida, mas repleta de transtornos

Governo de Pernambuco vai implantar cerca de 100 km de ciclovias definitivas até 2014

“Esse passeio vai cair no gosto do povo recifense”. Afirmação é do governador Eduardo Campos, depois de testar e aprovar a Ciclofaixa Móvel de Turismo e Lazer, projeto da Prefeitura do Recife lançado na manhã deste domingo ensolarado (24/03). Acompanhado da primeira-dama, Renata Campos, e dos filhos João e José, o governador se juntou ao prefeito Geraldo Julio e sua família para percorrer trechos das Rotas Norte e Sul. No total, as duas rotas somam 25,5 quilômetros e envolvem 19 ruas e avenidas, além de 11 bairros.

"Um passeio como esse mostra claramente que existe outra forma para as pessoas irem e virem, além do uso do carro. O projeto tem um valor intangível, que é da consolidar a cultura de usar o modal da bicicleta", destacou o governador, ao lembrar que o Governo do Estado vai implantar cerca de 100 quilômetros de ciclovias definitivas até 2014 em vias importantes como as avenidas Agamenon Magalhães e Caxangá, além da PE-15. “E aí as pessoas vão usar a bicicleta não só aos domingos, mas também nos outros dias da semana", comemorou.

O percurso teve início no Parque da Jaqueira, cruzou ruas e avenidas importantes como a Agamenon Magalhães até chegar ao coração do Recife, a praça do Marco Zero, no Bairro do Recife. Depois de uma rápida parada para aproveitar a bela vista do Recife Antigo, o grupo capitaneado por Eduardo e Geraldo cruzou o Rio Capibaribe de barco até o Parque das Esculturas. De lá, seguiram pela Rota Sul da Ciclofaixa móvel passando por bairros como Brasilia Teimosa e Pina, retornando ao Marco Zero.

Devidamente equipado com os itens de segurança recomendados aos ciclistas, Eduardo também destacou o caráter educativo do projeto. "Esse espaço é um aviso para o motorista respeitar a bicicleta e para o ciclista respeitar a regras de segurança, para que a gente possa fazer tudo isso com respeito à vida sem colocar o ciclista numa situação de risco", cravou. A Ciclofaixa móvel vai funcionar sempre aos domingos e feriados, das 7h às 16h. Quatro mil cones serão utilizados para separar a faixa dos ciclistas da dos veículos.

Outro ponto favorável do projeto apontado pelo governador é o ambiente de encontro proporcionado às famílias recifenses. "Tive a alegria de ver pais com seus filhos aproveitando a Cidade. A ciclovia vai abrindo essa possibilidade de descobrir a cidade para muitos irem em lugares que jamais foram antes, e que agora vão de bicicleta. É lazer, é saúde, é esporte. Fiquei muito feliz em fazer o percurso”, afirmou Eduardo.

Igualmente satisfeito com o projeto, o prefeito Geraldo Julio destacou que a Ciclofaixa “é um elemento de lazer para as famílias da Cidade, mas também um elemento de turismo e educação para educar tanto quem está usando carro para ter uma convivência melhor, com mais segurança”.

À tarde, o governador volta ao Marco Zero ao lado do prefeito Geraldo Julio para participar do lançamento do projeto-piloto "Recife Antigo de Coração”, que tem por objetivo transformar o Bairro do Recife em um grande parque, oferecendo atividades culturais e socioeducativas para a população.

READ MORE - Governo de Pernambuco vai implantar cerca de 100 km de ciclovias definitivas até 2014

Em Manaus, obras em paradas do 'Expresso' incluem o BRT, diz SMTU

A reforma dos terminais de ônibus pode não ser a única mudança na estrutura do transporte coletivo em Manaus para este semestre. O titular da Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU), Pedro Carvalho, confirmou ao G1 que o órgão está finalizando um projeto de reparação das 51 paradas do antigo ‘Expresso’ – sistema de transporte idealizado na gestão do ex-prefeito de Manaus Alfredo Nascimento -, que deve ser entregue à Secretaria Municipal de Infraestrutura e Habitação (Seminfh) em breve. A reforma já visa a futura implantação do sistema Bus Rapid Transit (BRT).
Foto: Camila Henriques
Segundo Carvalho, a estrutura principal desses locais ainda está conservada. "Mesmo sem o BRT durante a Copa de 2014, queremos finalizar essa obra até lá. Não é apenas uma mudança estética. O transporte público tem o mobiliário, mas também conta com a parte operacional, que estamos trabalhando para recuperar”, explicou o titular do SMTU, acrescentando que a reforma dos abrigos do ‘Expresso’ terá a duração de, no máximo, seis meses.

Sobre a segurança do local, colocada em pauta após a morte de uma jovem de 17 anos em novembro de 2012, o superintendente foi enfático. “Em dez anos, só tivemos esse acidente. Qualquer sistema de embarque, seja ele metrô, monotrilho ou ônibus, possui risco. No caso dessas paradas, elas estão totalmente sem manutenção e algumas não têm rampa. É isso o que vamos modificar”, esclareceu.

Além dos abrigos do ‘Expresso’ e dos terminais de ônibus, reformas nas paradas de vidro e de telhas também estão nos planos do SMTU. Segundo Pedro Carvalho, a estimativa do custo é de aproximadamente R$ 12 milhões, o que representaria R$ 6 milhões para os terminais, R$ 4 milhões para os canteiros centrais e R$ 2 milhões para os abrigos de telha – as mais de 360 estruturas de vidro de Manaus são resultado de concessão e não custam à Prefeitura.  “Queremos também colocar novos abrigos, embora tenha uma dificuldade de espaço na cidade”, disse o titular do SMTU.

por Camila Henriques
READ MORE - Em Manaus, obras em paradas do 'Expresso' incluem o BRT, diz SMTU

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960