Três novas linhas de ônibus começam a operar em Fortaleza

quarta-feira, 26 de setembro de 2012


Estão em circulação em Fortaleza três novas linhas de ônibus. Segundo a Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor), as novas linhas operam nos bairros Messejana e Siqueira. Ambas funcionam nos dias úteis, aos sábados e domingos.

A primeira, intitulada (648) Cidade Nobre/Messejana, passa pelas vias Coletor Antônio Gadelha, Florêncio Fontenele, Costa e Silva, Jornalista Tomás Coelho e Terminal de Messejana. Até o surgimento da linha, essa comunidade tinha que se deslocar para a BR-116 a fim de utilizar os coletivos que lá passavam. Agora, os ônibus saem direto do bairro, facilitando o deslocamento dos usuários.

No Siqueira, duas linhas atuam ligando o terminal aos bairros Nova Esperança e Aracapé. Enquanto a linha (392) Nova Esperança/Siqueira trafega pela Av. Osório de Paiva, 4º Anel Viário, Cônego de Castro, Rua Martins de Lima e Rua Pretória, os veículos da (325) Aracapé/Siqueira circulam também por trecho da Rua Cônego de Castro, Av. B e F do Cj. Esperança, Rua Maria Gomes de Sá, Rua Ana Brito e Aracapé.

Informações: Jangadeiro Online

Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook
READ MORE - Três novas linhas de ônibus começam a operar em Fortaleza

Em Salvador, Linha Viva será construída para desafogar o trânsito na Avenida Paralela

A audiência pública que irá apresentar à população o projeto da Via Expressa Linha Viva, nova via estruturante projetada como solução para desafogar o tráfego na Avenida Luis Viana Filho (Paralela), será nesta quarta-feira (26/9), no Auditório da Biblioteca Pública do Estado da Bahia, das 14 às 18 horas.

A audiência, promovida pela Secretaria Municipal dos Transportes Urbanos e Infraestrutura (SETIN) vai discutir o projeto e colher contribuições com o objetivo de atender adequadamente a população de Salvador no quesito mobilidade.

A Linha Viva será construída ao norte da Avenida Paralela, ligando o Centro Tradicional e Histórico da cidade de Salvador à região do novo Complexo Viário 2 de Julho, junto ao Aeroporto Internacional Dep. Luis Eduardo Magalhães, e representará uma nova opção de trajeto alternativo que irá desafogar o trânsito na Av. Paralela.

A proposta integra um dos pilares do Projeto de Mobilidade Urbana idealizado pela Prefeitura de Salvador, o Programa de Obras Viárias (PROVIA) que, juntamente com Rede Integrada de Transporte (RIT), tem por objetivo resolver os graves problemas do trânsito e do transporte da capital baiana. Depois da audiência pública, será definido o modelo de concessão e feita a licitação da obra.

Traçado proposto – A Linha Viva leva este nome justamente porque vai ser construída ao norte da Paralela, na faixa de servidão onde estão as torres e linhas de transmissão de energia da CHESF, com baixo adensamento populacional em quase toda sua extensão.

A capacidade da via corresponde a 75% do tráfego atual da Paralela, e estima-se que irá captar 40% daquele trânsito. Para percorrer os seus quase 17,7 quilômetros o motorista levará aproximadamente 15 minutos.

São três faixas de tráfego expresso em cada sentido, cada faixa com capacidade de 2.200 veículos por hora. Dez conexões através de alças e rampas com as principais avenidas do entorno serão construídas. Outras 20 travessias transversais, através de viadutos e passagens inferiores, serão construídas sem interligação direta com a via expressa.

Pelas suas características será uma obra rápida, com baixo impacto ambiental, provocando a mínima interferência no cotidiano da cidade. Os investimentos previstos serão de R$ 1,5 bilhão. Estima-se que 780 mil pessoas, residentes na área de influência direta do projeto, serão beneficiadas.

Trânsito está saturado
A Av. Paralela, assim chamada por estar situada paralelamente à Orla Atlântica de Salvador, foi construída no início da década de 1970, como uma alternativa mais direta para interligar o Aeroporto de Salvador ao centro da cidade, que tinha a antiga E.V.A (Estrada Velha do Aeroporto) como seu caminho natural.

A Paralela é um importante eixo viário, que conduz o fluxo proveniente da BA-099 (Estrada do Coco), da BA-526 (Est. CIA/Aeroporto), do Município de Lauro de Freitas, Aeroporto Internacional Luiz Eduardo Magalhães e também de bairros situados no entorno do seu trajeto, como São Cristóvão, Bairro da Paz, Mussurunga, Itapuã, Stella Maris, Alphavile II, Trobogy, Pituaçu, Piatã, Centro Administrativo da Bahia (CAB), Narandiba, Cabula, Imbuí, Pernambués, além da Boca do Rio, Centro de Convenções, Avenida Tancredo Neves e Av. Luis Eduardo Magalhães.

Ao longo de seu traçado, a Paralela experimenta, nas últimas décadas, uma forte expansão de novos empreendimentos imobiliários do setor residencial, seguido pelos setores comercial e de serviços, de ensino e pesquisa e do Parque Tecnológico, além do incremento do setor de lazer representado principalmente pelo Estádio do Pituaçu.

Todo esse desenvolvimento provocou a necessidade de se desenvolver estudos para melhorar a estrutura de mobilidade da região, pois a malha viária existente está saturada.
O Estudo Exploratório de Elaboração de Diretrizes Viárias para a região da Avenida Paralela  de onde surgiu a concepção da Linha Viva, foi contratado pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano, Habitação e Meio Ambiente (Sedham), da Prefeitura Municipal de Salvador (PMS), junto à TTC Engenharia de Tráfego e de Transportes Ltda. empresa de consultoria de São Paulo, que há duas décadas tem executado serviços em Salvador.

O estudo da TTC detectou, em 2010, uma realidade testemunhada pela população soteropolitana: o acelerado processo de urbanização das regiões que margeiam a Avenida Paralela.

O levantamento então realizado pela TTC projetou, para os 15 anos seguintes, a ocupação de cerca de 228 mil novos habitantes, além da oferta de 68 mil postos de trabalho e de 82 mil vagas de estudantes, estimulados que foram pelos inúmeros “campi” universitários que se instalavam na região e que deverão ser fomentados pelo Parque Tecnológico, em implantação pelo Governo da Bahia.

Salvador, com mais de 2,6 milhões de habitantes, é o município mais populoso do Nordeste, e a terceira capital do país em número de habitantes. Seu território continental de 706,8 km² abriga uma das maiores densidades populacionais do mundo.

O vetor de crescimento da cidade - detectado nos três últimos Planos Diretores de Salvador, o da década de 70 e os mais recentes de 2004 e 2008 - está fortemente estruturado em torno da Avenida Paralela  em direção Nordeste, a caminho dos municípios de Lauro de Freitas e Camaçari.

O estudo apresentado pela TTC mostrou que município de Lauro de Freitas relaciona-se de forma tão direta com Salvador, que a demanda por transporte coletivo e de uso do sistema viário ligando os dois municípios é extremamente significativa.

Além de indicar o uso do canteiro central da Av. Paralela como apoio de uma linha de transporte coletivo de alta capacidade (metrô ou similar), o estudo apontou as grandes carências viárias para atender os deslocamentos na direção leste–oeste, bem como uma deficiência na capacidade de fluxo pelas vias transversais (existentes ou duplicadas) em suas conexões com os grandes eixos estruturantes de Salvador: BR-324 e Av. Paralela.
Vetores de crescimento de Salvador.

Salvador começou a crescer para além de seus limites centrais nas décadas finais do século XX. Novos loteamentos surgiram, a exemplo Caminho das Árvores, os bairros de Pituba, Itaigara, Costa Azul, Centro novo do Iguatemi e Avenida Tancredo Neves.

Seguindo pela Paralela, bairros como Mussurunga, Bairro da Paz, Patamares, CAB, Imbuí, Pituaçu e diversos outros do chamado miolo nordeste da cidade começaram a surgir. Para citar alguns: Sussuarana, São Rafael, São Marcos, Trobogy, Nova Brasília, Fazenda Grande, etc.
Assim, a Paralela compôs com a BR-324 os dois grandes eixos viários estruturadores do crescimento do município. Com isso, áreas anteriormente periféricas da cidade, paulatinamente, foram se integrando ao dia-a-dia da região e suas amplas áreas livres foram sendo loteadas e ocupadas, num rítmo cada vez mais intenso. A princípio, por atividades tipicamente residenciais. Mais recentemente condomínios verticais – residenciais e, também, comerciais ou de prestação de serviços começaram a surgir. Na década passada, a via passou a ser endereço de um pólo faculdades e universidades.

População utiliza automóvel particular
As pessoas que transitam pela Avenida Paralela, nas duas direções, são apontadas pelo estudo feito pela TTC, em sua grande maioria, como de grande poder aquisitivo e que tem como característica básica a locomoção através do uso de veículos particulares para a maioria de seus deslocamentos diários.

Naquele levantamento, as unidades unifamiliares já apresentavam uma média estimada de 2,3 automóveis por família. O crescente fluxo veicular que a conclusão dos novos empreendimentos irá produzir deverá saturar ainda mais a malha viária urbana existente, contribuindo decisivamente para grandes e demorados congestionamentos, a serem observados nos períodos de pico e também fora deles, principalmente na Av. Paralela.

Pelos dados, percebe-se a necessidade da implantação e a ampliação de um sistema viário estruturante no entorno da via, para que este esteja dimensionado de forma a possibilitar a absorção das viagens que certamente serão geradas pelos empreendimentos atualmente em operação e aqueles em fase de implantação.

Os estudos da TTC consideraram o ano de 2025 como “ano horizonte”, para absorver o impacto imediato do crescimento previsto para a região, sendo necessários, portanto, novos estudos mais específicos de uso do solo e transportes para contemplar as demandas futuras após essa data.

Como o interesse de ocupação dessa região está num processo de contínua ampliação, os atuais fluxos de tráfego deverão ser sensivelmente aumentados, o que indica, para os próximos 15 – 20 anos, que a criação de uma nova via na região torna-se imperiosa.

Aspectos ambientais 
A atenção com os aspectos ambientais da cidade de Salvador foi uma preocupação constante nas soluções propostas para o projeto da Linha Viva. Procurou-se limitar, no indispensável, as intervenções que provocassem impacto no meio ambiente.

Dentre os técnicos envolvidos nestes projetos, destaca-se a Arquiteta e Urbanista Maria Elisa Costa, a qual enfatizou sobremaneira a questão ambiental, seja na determinação do traçado da via, seja na proposta de soluções construtivas das mesmas.

Segundo o secretário da Setin, José Luiz Santos Costa, os estudos de impacto ambiental estão previstos no escopo do contrato feito com a TTC e já estão sendo finalizados para apresentação aos órgãos ambientais competentes.

Informações: Tribuna da Bahia

READ MORE - Em Salvador, Linha Viva será construída para desafogar o trânsito na Avenida Paralela

Eleições no Rio: Propostas de transportes de candidatos está longe da realidade


RIO - A estudante universitária Julianne Carvalho, de 22 anos, e o operador de telemarketing Luiz Gustavo Braga, de 27, não se conhecem, mas dividem o mesmo drama todas as manhãs: trens superlotados e ônibus parados em congestionamentos. Hoje, o Rio tem 2,5 milhões de usuários diários de ônibus, 390 mil de trens, 645 mil de metrô e um milhão nas vans. Para os motoristas de carro, a situação não é melhor. A frota atual, segundo o Detran, é de 2,57 milhões de veículos, sendo 1,9 milhão de automóveis. Estudo feito pela Coppe/UFRJ estima que, se o aumento de veículos continuar na mesma medida, a cidade poderá ter um carro para cada duas pessoas em 2020.

Nesse horizonte, os principais candidatos à prefeitura do Rio discutem como melhorar o transporte público levantando, entre suas propostas, a antiga bandeira da integração entre os transportes de massa. Todos, porém, estão longe de uma solução para a mobilidade urbana. Essa é, pelo menos, a opinião de especialistas ouvidos pelo GLOBO.

- As propostas são um pouco desconectadas porque o objetivo é satisfazer os diversos segmentos com potencial de voto. Então, não há uma coerência de um planejamento integrado - criticou o professor de Engenharia de Transporte da PUC-Rio José Eugênio Leal.
José Guerra, pesquisador de Engenharia de Transportes da Uerj, concorda e ressalta que as ideias apresentadas precisavam ser organizadas em uma rede de transporte. Para ele, as propostas ainda não se encaixam.

- A próxima prefeitura deveria propor uma lei para uma rede integrada estrutural básica, fazer isso ser aprovado na Câmara Municipal e definir cada segmento. Definir onde deverá ter metrô, trem, ônibus de alta ou média capacidade, ônibus de baixa ou média capacidade - explicou Guerra.

Sistema atual não é otimizado
Paulo Cezar Ribeiro, pesquisador da Coppe que fez o estudo já citado sobre aumento da frota, também critica as imprecisões dos candidatos:
- Bato nessa tecla há mais de dez anos: é preciso reorganizar as linhas de ônibus. O sistema não foi otimizado para ser integrado. Essa integração não existe, fala-se nisso há décadas, e ninguém mexe (nisso)- afirmou Ribeiro, para quem os ônibus são o ponto de partida para organizar o sistema como um todo.

A opinião de quem utiliza trem, metrô e ônibus não é diferente. Luiz Gustavo Braga, de 27 anos, mora em Guaratiba e sente na pele a dificuldade de chegar ao trabalho no Centro.
- O BRT é interessante, mas muito cheio, e eu demoro mais tempo para vir até o Centro de ônibus. Então prefiro ir de trem. Só que a infraestrutura é ruim. Semana passada teve um princípio de incêndio em uma composição - opinou Braga.
Julianne Carvalho, de 22 anos, estuda Medicina no Centro e precisa de mais de duas horas para chegar à faculdade.
- Eu pego um ônibus e o trem parador, se eu pegasse o direto, eu chegaria mais cedo, mas é muito cheio - contou Julianne, que elogiou a criação do Bilhete Único, mas ressaltou que o tempo de validade (duas horas) é um prazo curto.

Há mais de 20 anos as propostas para a área de transporte são bastante semelhantes: integração e reorganização das linhas de ônibus, investimentos no metrô e até a construção de um Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). A última administração da prefeitura inaugurou o corredor Transoeste (Barra da Tijuca-Santa Cruz) e criou 27km de faixas exclusivas para circulação de ônibus e táxis da Tijuca à Zona Sul, o que teria eliminado 30% das linhas de ônibus entre Copacabana e Leblon e 15% no Centro.

E é com essa orientação que o atual prefeito e candidato à reeleição pelo PMDB, Eduardo Paes, pretende continuar. O objetivo é concluir a construção dos três corredores de ônibus Transcarioca (Barra da Tijuca-Galeão), Transolímpica (Deodoro-Barra) e Transbrasil (Deodoro-Centro). Outro objetivo é a inclusão do metrô, das barcas e das vans no Bilhete Único, que atualmente integra apenas os ônibus e os trens. Segundo a prefeitura, o metrô não suportaria, neste momento, o aumento da demanda se fosse integrado ao bilhete.
- Não há espaço para tanto carro. Não vou investir em obra viária. À medida que você cria transporte de qualidade, você racionaliza o sistema, e as vans vão funcionar como alimentadoras - observou Paes, que não pretende aumentar o horário do bilhete, diferente de seus adversários.

Já o candidato do PSOL, Marcelo Freixo, quer fazer uma revisão da licitação dos ônibus, feita pela atual administração em 2010 e alvo de crítica do Tribunal de Contas do Município (TCM), por indícios de formação de cartel.
- Rever a licitação, com uma auditoria, é a primeira medida. Se constatar o problema, vamos refazê-la. A nova licitação tem que garantir que empresas de outras cidades possam participar, não só as mesmas - apontou Freixo.

Rodrigo Maia (DEM) diz que, se eleito, a política que norteará o setor de transportes é a do investimento no metrô e nos trens, no lugar da construção da Transbrasil.
- Uma das principais propostas é não deixar que um sistema de massa já ativo venha competir com um terceiro para os ônibus - diz Maia, sobre o BRT da Transbrasil. - Eles são paralelos, vão competir um com o outro. O que vai acontecer? O ônibus não vai ter capacidade de levar o número necessário de pessoas, e os outros modais de massa vão deixar de investir porque vão perder competitividade e é muito mais interessante que parte desse dinheiro, não todo, esteja investido em trens e metrô nesses ramais da Avenida Brasil.

Em seu primeiro mandato na prefeitura, Cesar Maia fez uma proposta semelhante à do filho e até obteve autorização da Câmara Municipal para o repasse de R$ 60 milhões. O dinheiro, no entanto, nunca chegou ao estado, responsável pela expansão.
O candidato Otavio Leite (PSDB) pretende começar o mandato evitando a polêmica derrubada do Elevado da Perimetral, na Zona Portuária.
- Queremos repactuar o projeto do Porto Maravilha, decretar a permanência do Elevado da Perimetral e fazer um concurso público paisagístico para que ele se incorpore ao projeto.
Na análise dos especialistas, tanto a derrubada quanto a proposta do candidato ainda precisam ser aprofundadas, especialmente por causa do impacto no transporte público.

Eduardo Paes:
Veículo leve sobre trilhos (VLT): Queremos implantar no Centro da cidade o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), integrado ao metrô, aos trens e às barcas.
Paulo cezar ribeiro (coppe): O VLT é um projeto antigo para a cidade, desenvolvido pelo
IPP, que traria benefícios à circulação no Centro da cidade, desde que haja uma reorganização das linhas de ônibus na área de influência desse sistema.

Marcelo Freixo:
Bondinho: Iniciar tratativas com o governo do estado para fazer a municipalização do bondinho de Santa Teresa, revitalizando e conservando os antigos bondes, recuperando-os como patrimônio histórico e cultural.
José Eugênio Leal (PUC): Creio que o bondinho de Santa Teresa deve fazer parte de um sistema de Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) já proposto para o Centro da cidade.

Rodrigo Maia:
Transporte alternativo: Garantir a integração do transporte alternativo (vans) na cidade aos demais sistemas de transporte urbano existentes no Rio.
Jaques Sherique, diretor do crea-rj: O transporte alternativo deve ser muito bem regulamentado e controlado para poder permitir que tal integração funcione no Rio.

Otavio Leite:
VLT na Barra: Sugerir ao estado que a Linha 4 do metrô vá do Jardim Oceânico até o Trevo das Américas com a Ayrton Senna. Em caso contrário, implantar um VLT no canteiro central da Avenida das Américas, na Barra.
Jaques Sherique, diretor do CREA-RJ: Importante e necessário. Assim, teríamos a integração desses dois tipos de transporte de massa que estão separados por poucos quilômetros atualmente.

READ MORE - Eleições no Rio: Propostas de transportes de candidatos está longe da realidade

São Paulo: SPTrans informa alterações de itinerários na região do Tremembé


Em virtude de mudanças na mão de direção de algumas vias na região do Tremembé, a São Paulo Transporte (SPTrans) informa alterações de 14 itinerários na zona Norte, a partir do dia 29 de setembro, sábado.

Para informações sobre os trajetos de linhas de ônibus consulte itinerários ou ligue 156.

Linhas e itinerários:

1766/10 Jardim Cabuçu – Metrô Santana
Sentido Único: Rua Dr. Azevedo Lima, prosseguindo normal até Avenida Jaçanã, Rua Calandra, Rua Aquiles, Rua Manuel Gaya, Rua Imbiras, Rua Aratingas, Rua Camuruji, Rua Manuel Gaya, Rua Ibimirim, Avenida Mazzei, Avenida Tucuruvi, prosseguindo normal até a Rua Domingos Calheiros, Avenida Tucuruvi, Avenida Mazzei, Rua Manuel Gaya, Avenida Dr. Antonio Maria de Laet, Rua Pero Vidal, Rua Benjamim Pereira, prosseguindo normal até a Rua Dr. Azevedo Lima.

1771/10 Vila Zilda – Metrô Santana
Ida: Praça Flor de Maio, prosseguindo normal até a Rua Imbiras, Rua Aratingas, Rua Camuruji, Rua Manuel Gaya, Avenida Dr. Antonio Maria de Laet, prosseguindo normal até o Terminal Santana.
Volta: Terminal Santana, prosseguindo normal até a Rua Manuel Gaya, Rua Imbiras, Rua Maria Amália Lopes de Azevedo, prosseguindo normal até a Praça Flor de Maio.

1771/21 Jd. Fontális – Metrô Santana
Ida: Rua Augusto Rodrigues, Alameda das Andorinhas, prosseguindo normal até a Rua Imbiras, Rua Aratingas, Rua Camuruji, Rua Manuel Gaya, Rua Ibimirim, Avenida Mazzei, Rua Ausônia.
Volta – Sem alteração

1772/10 Jd. Filhos da Terra – Metrô Tucuruvi
Ida: Rua Br. Carlos de Souza Anhumas, prosseguindo normal até a Rua Imbiras, Rua Aratingas, Rua Camuruji, Rua Manuel Gaya, Avenida Dr. Antonio Maria de Laet, Metrô Tucuruvi.
Volta: Metrô Tucuruvi, Avenida Dr. Antonio Maria de Laet, Rua Pero Vidal,  Praça Abdul Hafiz Mohamed El Mouallem, Rua Manuel Gaya, Rua Imbiras, Rua Maria Amália Lopes de Azevedo, prosseguindo normal até a Rua Br. Carlos de Souza Anhumas.

1772/31 Recanto Verde – Metrô Tucuruvi
Sentido único: Metrô Tucuruvi, Avenida Dr. Antonio Maria de Laet, Rua Pero Vidal, Praça Abdul Hafiz Mohamed El Mouallem, Rua Manuel Gaya, Rua Imbiras, Rua Maria Amália Lopes de Azevedo, prosseguindo normal até a Rua Br. Carlos de Souza Anhumas.

1773/41 Vila Ayrosa – Metrô Tucuruvi
Sentido Único: Rua dos Sábias da Cantareira, prosseguindo normal até a Rua Manuel Gaya, Rua Imbiras, Rua Aratingas, Rua Camuruji, Rua Manuel Gaya, Rua Ibimirim, Avenida Mazzei, Rua Ausônia, Avenida Dr. Antonio Maria de Laet, Rua Claudino Inácio Joaquim, Avenida Mazzei, Rua Manuel Gaya, Rua Benjamim Pereira, prosseguindo normal até a  Rua dos Sábias da Cantareira.

1778/51 Cemitério Pq. dos Pinheiros – Praça do Correio
Ida: Sem Alteração.
Volta: Rua do Seminário, prosseguindo normal até Avenida Mazzei, Rua Manuel Gaya, Avenida Cel. Sezefredo Fagundes, Rua Maria Amália Lopes de Azevedo, prosseguindo normal até a Avenida Cabuçu.  

1701/10 Jova Rural – Carandiru
Sentido Único: Avenida Arley Gilberto de Araujo, Rua Roberto Lanari, prosseguindo normal até Avenida Jaçanã, Rua Calandra, Rua Aquiles,  Rua Arubê, Rua Manuel Gaya, Avenida Dr. Antonio Maria de Laet, prosseguindo normal até Avenida Arley Gilberto de Araujo.   

1701/51 Jova Rural – Carandiru
Sentido único: Rua da Fonte, Rua Roberto Lanari, prosseguindo normal até Avenida Jaçanã, Rua Calandra, Rua Aquiles, Rua Arubê, Rua Manuel Gaya, Avenida Dr. Antonio Maria de Laet, prosseguindo normal até Avenida Arley Gilberto de Araujo, Rua Maranhão, Rua da Fonte.   

1705/10 Jd. São João – Metrô Tucuruvi
Sentido Único: Rua Mauricio Grabóis, Rua Nelson de Lima Piauhy Dourado, prosseguindo normal até a Rua Imbiras, Rua Aratingas, Rua Manuel Gaya, Rua Ibimirim, Avenida Mazzei, Rua Ausônia, Avenida Dr. Antonio Maria de Laet, retorno, Avenida Dr. Antonio Maria de Laet, Rua Claudino Inácio Joaquim, Avenida Mazzei, Rua Imbiras, Rua Maria Amália Lopes de Azevedo, prosseguindo normal até a Rua Mauricio Grabóis.  

1709/10 Jd. Joana D’arc – Metrô Tucuruvi
Sentido Único: Alameda das Roseiras, Rua Francesco Manfredini, prosseguindo normal até a Rua Mario Pernambuco, Rua Imbiras, Rua Aratingas, Rua Camuruji, Rua Manuel Gaya, Rua Ibimirim, Avenida Mazzei, Rua Cônego Ladeira, Avenida Dr. Antonio Maria de Laet, Rua Claudino Inácio Joaquim, Avenida Mazzei, Rua Manuel Gaya, Avenida Cel. Sezefredo Fagundes, prosseguindo normal até Alameda das Roseiras.

1709/21 Jd. Joamar – Metrô Tucuruvi
Ida: Rua Machadinho, Rua Aiamopo Lobo, prosseguindo normal até a Rua Imbiras, Rua Aratingas, Rua Camuruji, Rua Manuel Gaya, Rua Ibimirim, Avenida Mazzei, Rua Cônego Ladeira, Avenida Dr. Antonio Maria de Laet.
Volta: Sem alteração

1789/10 Recanto Verde – Metrô Santana
Ida: S/Alteração.
Volta: Rua Ezequiel Freire, Rua Darzan, prosseguindo normal até a Avenida Cel. Sezefredo Fagundes, Rua Manuel Gaya, Avenida Dr. Antonio Maria de Laet, Rua Pero Vidal, Rua Benjamim Pereira, prosseguindo normal até a Avenida Br. Carlos de Souza Anhumas.

172U/10 Cemitério Pq. dos Pinheiros – Moóca
Ida: Avenida Cabuçu, Rua Ushikichi Kamia, Avenida Antonelo da Messina, Rua Maria Amália Lopes de Azevedo, Rua Imbiras, Rua Aratingas, Rua Camuruji, Rua Manuel Gaya, Rua Ibimirim, Avenida Mazzei, Avenida Tucuruvi, prosseguindo normal até a Rua do Oratório.   
Volta: Rua do Oratório, Rua Itapigi, prosseguindo normal até a Avenida Tucuruvi, Avenida Mazzei, Rua Imbiras, Rua Maria Amália Lopes de Azevedo, prosseguindo normal até Avenida Cabuçu.

Assessoria de Imprensa - SPTrans

Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook
READ MORE - São Paulo: SPTrans informa alterações de itinerários na região do Tremembé

No Recife, Linha Caxangá (Cde. Boa Vista) terá ponto de retorno na Praça do Derby


A partir desta quarta-feira (26), a linha 437 – Caxangá (Conde da Boa Vista) realizará seis viagens com ponto de retorno na Praça do Derby no período da manhã. As demais 110 viagens feitas pelos 11 veículos continuarão sendo realizadas normalmente, durante todo o dia. 

As mudanças acontecem devido aos constantes congestionamentos verificados no chamado horário de pico, das 6h às 9h. A medida visa evitar a perda das viagens e/ou aumento dos intervalos programados nesses horários por causa do engarrafamento. 

Os usuários serão informados da mudança através de cartazes espalhados nos ônibus e no Terminal Integrado da Caxangá. Para quaisquer informações, o Consórcio está à disposição, através da Central de Atendimento ao Cliente, pelo número 0800.081.0158. 

Horários de que terão o ponto de retorno alterado: 

Sentido TI Caxangá/ Cidade: 

6h25 
6h48 
7h10 
7h33 
7h55 
8h31 

READ MORE - No Recife, Linha Caxangá (Cde. Boa Vista) terá ponto de retorno na Praça do Derby

Faixas para transporte coletivo ainda geram dúvidas em Sorocaba


Em menos de um mês de implantação, as faixas exclusivas para o transporte coletivo em Sorocaba (SP) já geram reclamações, dúvidas, elogios e aborrecimentos. Por enquanto, os motoristas estão apenas sendo orientados pelos agentes de trânsito. Em breve, quem desrespeitar a determinação estará sujeito a multa.

A proposta é facilitar a ida ao emprego e a volta para a casa de quem usa o transporte coletivo. Nas faixas são permitidos apenas ônibus, táxis, vans escolares, fretados, bicicletas e veículos de emergência podem circular pelos horários considerados de pico. O período vai das 6h às 8h e das 17h às 19h.

A faixa, identificada pela pintura azul, foi instalada nas ruas Hermelino Matarazzo e Comendador Oetterer, consideradas de grande movimento na região central.

Alguns motoristas já se acostumaram com a ideia e cumprem a norma. Mas a equipe do Tem Notícias flagrou muitas irregularidades. Veículos que não poderiam passar pela faixa atravessam tranquilamente. Alguns só obedecem a determinação se encontram um agente de trãnsito.   

Por meio de uma nota, a Urbes- empresa que administra o trânsito da cidade, informou que a fiscalização se dará por meio dos agentes de trânsito. O prazo previamente estabelecido para o período de orientação e adaptação dos motoristas foi de 45 dias. Durante esse período os agentes de trânsito estão orientando os motoristas. A partir do dia 11 de outubro, a Urbes irá reavaliar se inicia a fiscalização do cumprimento das faixas exclusivas nas referidas vias.

A Urbes orienta ainda para os motoristas que precisam acessar as ruas transversais à direita das faixas exclusivas que acionem a seta com antecedência para sinalizar a intenção de conversão e utilizem a faixa exclusiva como faixa de desaceleração antes de fazer a conversão.

Informações: G1 Sorocaba/Jundiaí

Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook
READ MORE - Faixas para transporte coletivo ainda geram dúvidas em Sorocaba

Prefeitura do Rio comemora 1 milhão de viagens do programa de aluguel de bicicletas

A Prefeitura do Rio, em conjunto com a empresa concessionária Serttel/Samba, e parceria do Itaú Unibanco, atingiu a marca de um 1 milhão de viagens do programa de aluguel de bicicletas Bike Rio. Lançado em outubro do ano passado para incentivar a integração da bicicleta ao transporte público na cidade, o projeto contabiliza 100 mil inscritos e, em média, 3,3 quilômetros por retirada.

Atualmente, estão disponíveis aos cariocas 60 estações de aluguel com 600 bicicletas em 14 bairros do Centro e Zona Sul da cidade. Os equipamentos estão à disposição dos usuários todos os dias da semana, de 6h às 22h e as estações são interligadas por sistema de comunicação sem fio, via rede GSM e 3G, permitindo que as todas as estações de bicicleta estejam conectadas com a Central de Controle Samba 24 horas por dia.

O projeto Bike Rio faz parte do objetivo estratégico da Prefeitura de incentivar o uso de bicicleta como transporte alternativo, integrando outros modais de transporte. Nesse momento, a Prefeitura do Rio investe na expansão da malha de ciclovias da cidade que passará a ter 300 quilômetros até o final de 2012.

Nova licitação para expansão do sistema será lançada ainda este ano
A Secretaria de Conservação e Serviços Públicos deu início à elaboração de novo edital para ampliação do programa Bike Rio na cidade, em parceria com as secretarias de Meio Ambiente e de Transporte. O novo edital, que prevê integração com a expansão da malha cicloviária e demais modais de transporte, deve ser lançado ainda este ano para que as atividades possam iniciar já no primeiro semestre de 2013.

A previsão é de que o programa passará a ter de três a cinco mil bicicletas. A integração com o sistema de BRT será uma das prioridades. O projeto de ampliação do sistema prevê o aumento de bases de aluguel no Centro e na Zona Sul e a expansão do projeto para Barra da Tijuca, Jacarepaguá, Recreio, e bairros da zonas Norte e Oeste.

- O programa de aluguel de bicicletas no Rio tornou-se referência mundial. Temos os maiores índices de utilização de bicicletas por dia e uma das menores taxas de roubo e vandalismo. Isso motivou a expansão do sistema, que passará, a partir do ano que vem, a integrar toda a cidade – disse o secretário de Conservação e Serviços Públicos, Carlos Roberto Osorio.

Informações: Correio do Brasil

Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook
READ MORE - Prefeitura do Rio comemora 1 milhão de viagens do programa de aluguel de bicicletas

O bom exemplo das cidades: bicicletas e rampas da integração

“Quem não quer chegar mais rápido em casa ou ao trabalho?”, pergunta Claudio Barbieri da Cunha, coordenador da pós-graduação do Programa de Engenharia de Transporte, da USP. Nos municípios com mais de 100 mil habitantes, segundo pesquisa da Confederação Nacional da Indústria, a locomoção não é tarefa fácil: 32% das pessoas levam mais de uma hora para ir de casa até a escola ou ao trabalho. Nessas regiões, o transporte público é usado por 79% da população. E, para 37% dos entrevistados, o tempo de locomoção é o principal fator na escolha do meio de transporte.
Incentivo ao uso da bicicleta vem acontecendo em muitas capitais. Em Brasília, a placa de ciclovia no Paranoá indica o cruzamento. Foto: Iano Andrade/CB/D.A. Press
"Se o cidadão vai gastar de ônibus quase o mesmo tempo que gasta de carro, ele opta pelo conforto. Para o transporte público competir com o carro, o usuário tem que ganhar tempo", explica Barbieiri.

Ainda que não seja fácil diminuir o tempo gasto nas viagens ou oferecer transporte público de qualidade, alguns municípios vêm conseguindo torná-lo atrativo. Depois das boas experiências em Saúde, Educação e Segurança, O GLOBO publica hoje ideias na área de Transportes que, segundo especialistas, podem ser replicadas em cidades como o Rio, de 6 milhões de habitantes.

"Para replicar boas práticas, é preciso levar alguns pontos em conta, entre eles, as condições físicas e socioeconômicas da cidade. Temos que olhar as tecnologias que cada município tem, como as pessoas estão distribuídas e os aspectos culturais. Em Fortaleza, muitos andam de bicicleta. Um projeto incentivando o uso seria natural", explica Orlando Fontes Lima Jr., professor do departamento de Geotecnia e Transporte da Unicamp.

Incentivo ao uso da bicicleta foi o que aconteceu em Sorocaba, município no estado de São Paulo com 586 mil habitantes. Por lá, a prefeitura criou um sistema que integra ônibus e bicicleta: o IntegraBike começou a funcionar em maio, é gratuito e as primeiras estações foram colocadas na área central, onde estão agências bancárias e o comércio. Ao todo, são 120 bicicletas, e já foram feitos mais de 26 mil empréstimos, que correspondem a mais de 250 viagens por dia útil.

"Criamos o projeto como complementação da viagem de ônibus. Contamos com 15 estações, e já ampliamos a oferta para o eixo Norte da cidade, onde está a Casa do Cidadão, local para resolver qualquer problema relacionado à prefeitura", conta Renato Gianolla, secretário de Transportes e diretor-presidente da Urbes. "Quando o programa fizer seis meses, faremos um estudo para entender como podemos ir adiante".

Por mês, a prefeitura paga R$ 59 mil para a empresa que venceu a licitação. O contrato é de um ano, podendo ser renovado por mais quatro, e até dezembro a meta é ter 19 estações e 152 bicicletas.

"Fiscalizamos se a empresa cumpre o contrato, que prevê manutenção e ampliação das estações e bicicletas. E temos guardas municipais nas ruas acompanhando os ciclistas e os motoristas de carro e ônibus", diz Gianolla, lembrando que o sistema de transporte funciona desde 1992 com cartão eletrônico: "É esse cartão que o usuário precisa ter para usar a bicicleta, e que dá direito a até quatro viagens de ônibus em uma hora por R$ 2,95".

Coordenador do Programa de Engenharia de Transporte da Coppe/UFRJ, Márcio D’Agosto diz que, com adaptações, o IntegraBike pode funcionar em cidades como o Rio. As bicicletas seriam úteis em áreas como Deodoro, Anchieta, Bangu, Santa Cruz e Campo Grande, na Zona Oeste:

"Com vias pavimentadas e sinalizadas, tendo segurança, as pessoas que moram e trabalham nessas regiões podiam ir de bicicleta. Também acredito que seria útil em Madureira, Cascadura, Irajá... Mesmo na Zona Sul, ligando Copacabana, Leblon e Ipanema até Botafogo, pode ser interessante."

"Na Cidade Universitária da USP, temos uma estação de metrô a uns 15 minutos. Se esse sistema funcionasse, as pessoas usariam as bicicletas para ir até o metrô e não seus carros", diz Barbieri.

Com 600 mil habitantes, Uberlândia (MG) implantou uma medida que beneficiou os usuários: tornou-se a primeira cidade brasileira com transporte público 100% acessível. Deficientes visuais têm sinais sonoros nas ruas, ônibus são equipados com elevadores para cadeirantes e as calçadas têm travessias elevadas.

"Além dos ônibus, atendemos, com 50 vans integradas, 2.200 pessoas com deficiências, que são levadas à escola e ao médico. E acabamos de inaugurar táxis acessíveis", conta o prefeito Odelmo Leão (PP), lembrando que fiscalização é fundamental: "Colocamos 130 fiscais nas ruas em três turnos, e os ônibus e os pontos de parada têm GPS. Além disso, exigimos que as empresas treinem condutores e trocadores."

Segundo o secretário de Transportes, Divonei Gonçalves dos Santos, Uberlândia tem oito mil portadores de deficiência cadastrados:

"Para que o projeto de acessibilidade fosse completo, vimos a necessidade de criar rampas nos lugares com maior concentração de gente. Temos o terminal central com informações em braile, sinal sonoro e elevadores, e outros cinco terminais e dois corredores completamente acessíveis."

"O que existe em Uberlândia pode ser replicado com planejamento, fiscalização e treinamento adequado para quem opera o sistema", diz Lima Jr., que acredita ser “preciso ter em mente que o que dá certo numa cidade, se for apenas copiado, não necessariamente vai ser sucesso em outra”: "Mesmo a experiência do BRT em Curitiba tem que ser analisada. Lá, a cidade é plana, os bairros cresceram em torno no BRT, e não tem metrô".

Exemplo lembrado por especialistas e usuários quando o assunto é transporte, o BRT de Curitiba foi inaugurado em 1974. Hoje, estão integradas, além do município, 13 cidades da Região Metropolitana. Por dia útil, 2,3 milhões de passageiros são transportados.

"O sistema permite que os ônibus fiquem parados o mínimo possível. Quem mora perto das canaletas (pontos) chega mais rápido indo de ônibus que de carro", diz Antonio Carlos Araújo, diretor de Transporte da Urbs: "Quando surgiu, o BRT já tinha visão de futuro, planejava o crescimento da cidade. Transporte público tem que ser pensado assim".

Informações: Agência O Globo


READ MORE - O bom exemplo das cidades: bicicletas e rampas da integração

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960