Maceió: Rodoviários ameaçam realizar novos protestos

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Trabalhadores rodoviários realizaram mais um protesto na noite desta segunda-feira (20). Motoristas, cobradores e funcionários do transporte urbano de Maceió, em greve desde o início desta segunda-feira, pararam os ônibus das empresas Tropical e Veleiro, em frente à sede da empresa Piedade, no bairro do Tabuleiro dos Martins, e obrigaram passageiros e funcionários da descer dos veículos. Eles também furaram pneus e ameçaram fechar a Avenida Durval de Góes Monteiro. A manifestação ocorreu por volta das 20h e foi imediatamente contida por policiais do 4° Batalhão de Polícia Militar.
Foto: Fernanda Ferreira

De acordo com passageiros que foram obrigados a descer dos ônibus, o modo como foi realizado o protesto foi assustador e violento. Alguns passageiros ainda muito assustados comentavam sobre a manifestação: “Nós tivemos de descer do ônibus, eles quase bateram no motorista, vieram queimando pneus e dizendo que ninguém mais passava. Eu estou na rua desde as 5h da manhã, fui trabalhar e estudar, houve momentos em que pensei que seria agredida. Eles dizem que estão trabalhando, nós também”, desabafou Flávia Oliveira.

“Os motoristas furaram o pneu do ônibus no qual eu estava, foram grosseiros, tive muitos medo de me machucar, agora estou aqui no meio da rua esperando algum carro pra me levar pra casa. Entendo as reivindicações deles, todo mundo tem direito de protestar, mas eles poderiam lembrar também que quem paga o salário deles é a gente que usa o ônibus”, contou Letícia Bastos de Azevedo.

No momento em que a Gazetaweb chegou ao local o protesto havia se encerrado, e os poucos protestantes no local bradavam que iriam realizar novos protestos na manhã desta próxima terça (21), e que desta vez não vão permitir que nenhum tipo de veículo trafegue na Avenida Durval de Góes Monteiro. “Amanhã nem bicicleta passa”, gritavam alguns motoristas que estavam num bar próximo à Piedade.

Apesar das ameaças de acordo com líder do movimento, Edvaldo Balbino, haverá uma reunião na próxima terça-feira (21) para discutir as reivindicações da categoria. “Os ônibus voltam às ruas a partir das 6h da manhã, vamos cumprir a ordem da justiça, esperamos que durante a reunião a gente consiga que atendam nossas reivindicações”, afirmou Edvaldo.

Fonte: GazetaWeb

 
READ MORE - Maceió: Rodoviários ameaçam realizar novos protestos

Prefeitura de Manaus entrega 85 ônibus articulados do sistema BRT

Mais 85 ônibus novos articulados foram entregues neste sábado (18) pela Prefeitura de Manaus no bairro Santa Etelvina, zona norte da cidade. Um investimento de 320 milhões de reais.
Segundo a Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU), até o final do ano serão entregues à população mais 74.
Foto: Nathalie Brasil
“Hoje temos 881 ônibus novos, entre convencionais, articulados e transporta. Sessenta por cento da nossa frota foi renovada”, disse o superintende da SMTU, Wesley Aguiar, acrescentando que os novos ônibus vão atuar nas zonas norte e leste da capital.
Aguiar disse que os 1.719 veículos já vão atuar no sistema viário Bus Rapid Transit ( BRT) e que está faltando apenas a obra do corredor exclusivo. “Só está faltando a obra física. Os ônibus já estão aí”, disse.

Fonte:  D24 am


READ MORE - Prefeitura de Manaus entrega 85 ônibus articulados do sistema BRT

Maceió enfrenta paralisação de ônibus nesta segunda-feira


Motoristas e cobradores de diversas empresas  não estam circulando com os coletivos em maceió nesta segunda-feira (20). A decisão é por reajuste salarial e foi tomada com o intuito de pressionar o aumento da passagem para R$ 2,30, segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário - Sinttro/AL, Écio Marques. A categoria informou que estão parados cerca de 250 ônibus  dos quase 700 que rodam na capital.

 A paralisação não foi apoiada pelo sindicato, mas funcionários de diversas linhas estão se recusando a rodar com os veículos. Trabalhadores, em protesto,  estiveram parados em frente à sede da empresa Nossa Senhora da Piedade, na Avenida Durval de Góis Monteiro, no bairro do Tabuleiro do Martins. 

Outro grupo de trabalhadores do setor rodoviário também paralisou os coletivos na região do Centro de Maceió. Estes se encontram na praça Sergipe, neste momento. Os funcionários incentivam  que os demais  também paralisem.

As primeiras informações desta manhã foram de que a Avenida Durval chegou a ser bloqueada e  muitos passageiros  se viram obrigados a descer dos coletivos. O trânsito esteve congestionado no local; um ônibus foi quebrado, em meio a confusão quefoi gerada, durante a revolta da população.

 No dia 30  julho, nenhum ônibus  circulou na capital alagoana após uma paralisação dos rodoviários, decidida em assembleia, na tarde de sábado (28). A ação foi uma advertência para que os empresários negociassem com a categoria.

Em casos de paralisação ou greve dos rodoviários, a solução para mais de 300 mil pessoas,  que dependem do transporte coletivo em Maceió, é pegar  táxis, caronas  ou  lotações.

Fonte: Alagoas em 24 Horas

Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook
READ MORE - Maceió enfrenta paralisação de ônibus nesta segunda-feira

Sistema BRT (Bus Rapid Transit) é solução imediata para regiões metropolitanas

Em que tipo de cidade queremos viver? Segundo o especialista em planejamento e mobilidade urbana e diretor da C40 (órgão internacional que reúne os prefeitos das principais cidades do mundo), Adalberto Maluf Filho, não se pode pensar em mobilidade sem falar sobre uso de solo, integrando planejamento, meio ambiente e transporte eficiente de massa. Para o especialista o sistema de ônibus em via exclusiva, como o implantado no corredor ABD, tem inúmeras vantagens sobre a solução do monotrilho com o mesmo atendimento da demanda e um custo operacional muito inferior.
O especialista participou ontem (26) do seminário “Transporte Coletivo: Sustentabilidade, Mobilidade e Saúde”, organizado pela Metra, empresa que opera o Corredor Metropolitano de Ônibus ABD, e a Eletra, empresa brasileira que desenvolve tecnologia de tração elétrica para ônibus urbano, em São Bernardo do Campo.

Monotrilho versus BRT
Maluf Filho falou sobre as diferenças entre os modais Metrô, Monotrilho e BRT (Bus Rapid Transit ou ônibus de velocidade rápida). Explicou que o Metrô é um transporte de massa para altos volumes de passageiros (superior a 50 mil por hora), e que a demanda de passageiros destinada às novas linhas de monotrilho poderiam ser atendidas por sistemas de BRT, como em várias cidades do mundo: Bogotá, Cidade do México, Curitiba, em 12 províncias chinesas entre outros exemplos.

As grandes cidades, segundo Maluf Filho, tendem a optar por corredores de ônibus, devido à sua funcionalidade (que permite a integração com o espaço público), ao baixo custo na construção de vias exclusivas e ao baixo impacto ambiental, no caso dos ônibus de tração elétrica ou híbrida. “Mais de quatro mil ações sendo feitas nas cidades da C40 Cidades que estão evoluindo e apostando no corredor de ônibus", disse o especialista.

Maluf citou como exemplo a cidade de Bogotá (Colômbia) onde em duas faixas exclusivas os ônibus de trânsito rápido levam 35 mil pessoas/hora enquanto em outras cinco faixas, os carros levam apenas sete mil pessoas/hora. Na China as autoridades deixaram projetos de monotrilho em favor dos corredores de BRT usando a experiência de técnicos brasileiros. Na província de Ghuangzou o sistema atende até 45 mil passageiros/hora nos horários de pico, demanda equivalente a suportada pelo metrô.
O especialista em planejamento e mobilidade urbana considera importante a integração do transporte de massa com ciclovias, corredores exclusivos e metrô e reforçou que as melhores cidades do mundo privilegiam o sistema de transporte coletivo em detrimento do individual. Tomou como exemplo negativo as cidades Turim, na Itália, invadida por carros, e Seattle, nos EUA, que tem espaço destinado apenas aos automóveis, com baixa integração das pessoas no espaço público. Disse que ao contrário dessas duas, Nova York se reinventou com espaços de convivência, ruas completas com calçadas, proteção ao pedestre, sinalização, ciclovias e integração do espaço público. Disse que em São Paulo 82% das pessoas vão ao metrô de ônibus e que em Londres 76% das pessoas utilizam o ônibus nos deslocamentos. Na opinião de Maluf, o cenário ideal para uma cidade como São Paulo é que um sistema eficiente de BRT´s abasteça estações de metrô com linhas troncais, de forma integrada.

Exemplo de eficiência no corredor ABD
A solução apontada por Adalberto Maluf Filho pode tomar como exemplo o corredor metropolitano ABD, construído na década de 80, e há 15 anos operado pela Metra, com índice de satisfação de 80% segundo pesquisa feita com seus usuários.

Construído sobre vias segregadas, o corredor ABD tem extensão de 33 quilômetros e liga as zonas leste e sul de São Paulo, passando pelas de Diadema, São Bernardo do Campo, Santo André e Mauá. Circulam mensalmente pelo sistema, cerca de 7,5 de passageiros, em 13 linhas operadas, contando com 110 pontos de parada e 10 terminais.

Mobilidade, sustentabilidade e saúde
Participaram do seminário, além de Adalberto Maluf Filho, Vitor Seravalli, especialista em Desenvolvimento Sustentável e presidente do Comitê Brasileiro do Pacto Global da ONU; Paulo Saldiva, médico coordenador do Laboratório de Poluição Atmosférica da Universidade de São Paulo (USP) e os convidados Adriano Murgel Branco (ex-secretário de Transportes do Estado de São Paulo) e Oscar Silveira Campos, secretário de Transportes e Vias Públicas de São Bernardo do Campo.

O Seminário é organizado no mês da celebração do Dia Mundial do Meio Ambiente, bem como da realização da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio+20, no Rio de Janeiro.



Informações: Casa da Notícia

Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook
READ MORE - Sistema BRT (Bus Rapid Transit) é solução imediata para regiões metropolitanas

Salvador é a 3ª cidade onde mais se perde tempo para chegar ao trabalho

Se São Paulo há muito tempo é campeã de engarrafamento, Salvador está se empenhando em roubar o posto. Diariamente, 199.306 pessoas que trabalham fora de casa demoram mais de uma hora no trânsito para chegar ao trabalho, de acordo com uma amostra do Censo 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
O número representa 22,03% dos trabalhadores da capital baiana. Salvador perde apenas para São Paulo (31,03%) e Rio de Janeiro (25,34%), que têm cerca do dobro de extensão territorial e têm metrô na rede de transporte público.

“No entanto, essas capitais têm até três vezes o tamanho e a população de Salvador. Na proporção essas metrópoles estão em melhor condições que a nossa”, opina o doutor em planejamento de transportes Juan Pedro Moreno.
Na pele
A verdadeira maratona do garçom Adenilson de Oliveira, 51, é um exemplo entre os 200 mil soteropolitanos que perdem mais de uma hora no trânsito a caminho do trabalho. Tudo começa às 4h30, quando ele acorda em Ilha Amarela, no Subúrbio Ferroviário, para tomar banho e se arrumar. Às 6h tem que estar no ponto de ônibus. Para tornar a jornada ainda mais cansativa, ele anda 20 minutos até chegar ao ponto.

Pronto. Quando consegue entrar no ônibus - porque muitas vezes ele só passa pela catraca já no bairro da Graça -  viaja em pé por duas horas até chegar na Barra, onde trabalha. O que ele faz todo esse tempo? “São 18 anos nessa vida, passando sufoco. Tem dias em que o ônibus é tão cheio que a gente fica na ponta dos pés. Mas, às vezes, leio o CORREIO, que pego quando passa em Plataforma. Lá, por causa da sinaleira do Luso, é o maior engarrafamento", relata.

A publicitária Ana Carolina Miranda, 27, diz que sua vida é na Estação. “De casa, em Águas Claras, até chegar na Estação Pirajá levo entre 30 minutos e uma hora. Eu faria esse percurso em 15 minutos, se não fosse o engarrafamento”, afirma. Da estação até o Comércio, onde trabalha, o trajeto dura mais uma hora e meia. A conta fica difícil de fechar quando se pensa no horário em que Ana Carolina deve bater o ponto: 7h. “Eu tenho que acordar umas 4h”.

Depois de cinco dias nessa luta, Ana Carolina não quer mais ver ônibus no final de semana. “Eu deixo de sair à noite, abro mão do lazer para ficar em casa”, lamenta a jovem, lembrando também o fatídico dia em que desistiu de ir a um compromisso após passar 1h30 esperando um ônibus. Em Águas Claras, a professora Sandra Castro, 37, é mais uma refém do único sistema de transporte público da cidade. Ela tem dia certo para tomar bronca na escola onde trabalha: segundas e sextas-feiras. “As pessoas já sabem do engarrafamento. Na escola tem condução e os meninos chegam atrasados, mas os professores não podem atrasar. Nestes dias específicos chego às 9h, uma hora depois do que deveria chegar", conta.  A volta para casa é ainda pior. "Saindo às 17h, só chego em casa às 19h30. Mesmo quando consigo uma carona, levo pelo menos 1h30. Por mais que a gente saia mais cedo, acaba ficando preso na ladeira de Águas Claras", diz.
Críticas
Para  o especialista Juan Pedro Moreno, o resultado da amostra do Censo não é uma surpresa. Ele diz que Salvador é a única grande metrópole brasileira sem um sistema de integração de transportes públicos diversos e 98% das viagens realizadas dentro da cidade estão condicionadas aos ônibus. “Com isso o sistema fica sobrecarregado e insuficiente para atender a demanda. Além disso, as rotas de ônibus não são bem preparadas e acabam levando mais tempo para serem percorridas. Elas são sinuosas, dão inúmeras voltas na cidade”.

Com o sistema precário, o professor diz que a população acaba optando pelos veículos particulares, o que resulta em mais congestionamentos. "Há pelo menos 30 anos não se faz obras para melhorar as vias da cidade. Salvador cresceu, a demanda e o número de veículos aumentou muito e nada foi feito para se adequar à nova realidade. Nem mesmo intervenções mais simples como rotatórias, faixas exclusivas ou intercâmbios viários não foram feitos. A mais recente obra é a via expressa e ainda assim não está terminada", afirma.

O coordenador de Disseminação de informação do IBGE, Joilson Rodrigues Souza, diz que se o sistema de transporte público em Salvador não sofrer as adequações necessárias em breve o tempo médio que a população precisa para se deslocar para o trabalho crescerá acentuadamente. "Se não houver melhora as pessoas continuarão tendo o veículo particular como prioridade. E quem não puder fazer essa opção enfrentará um transporte público cada dia mais lento, precário e inchado", alerta.

Os resultados em Belo Horizonte e Fortaleza, onde 16,55% e 12,7% das pessoas respectivamente, levam mais tempo para conseguir chegar ao trabalho, revelam, segundo o especialista, a importância de investimento. “Eles planejaram e investiram na qualidade dos meios de transporte, na diversidade de opções e sobretudo na racionalidade das rotas”.
Incertezas do metrô
Se o soteropolitano depender do metrô para diminuir o tempo que gasta para ir ao trabalho vai chegar ao serviço atrasado. Com inúmeros prazos estendidos e mais de 10 anos em construção, o primeiro trecho do metrô, que liga Estação Acesso Norte (Rótula do Abacaxi) até a Estação da Lapa, mais uma vez sofre por causa da falta de recursos.

Em visita a Salvador, a ministra das Cidades, Miriam Belchior, condicionou a liberação de mais verbas à conclusão do metrô da Paralela, cujas obras não foram nem licitadas. Além disso, o próprio governador Jaques Wagner já admitiu que a linha da Paralela não ficará pronta a tempo da Copa do Mundo de 2014.

Para que o tramo 1 do metrô finalmente comece a funcionar, a prefeitura terá de desembolsar R$ 51,8 milhões. Segundo o secretário Municipal de Transporte e Infraestrutura (Setin), José Matos, serão necessários R$ 14 milhões para compra de equipamentos para o pátio de manutenção dos trens, R$ 4,8 milhões para adquirir o sistema de catracas e bilheterias e R$ 33 milhões para custear o funcionamento do metrô, que vai operar gratuitamente nos seis primeiros meses.

 “Acho que houve uma falha de comunicação. Em momento algum, o Ministério das Cidades discordou do que estava sendo executado. Mas, agora, exige o envio de um plano de integração tarifária da linha 1 e 2 (Paralela). Como não podemos mais esperar e isso leva tempo, a prefeitura vai pagar a conta”.

Matos  não diz de onde a prefeitura, que passa por uma grave crise financeira, vai tirar o dinheiro. “O prefeito João Henrique está se reunindo com a Secretaria Municipal da Fazenda para decidir de onde sairão os recursos”, resumiu.
Com a verba, Matos afirma que, até 10 de maio será feita a licitação para escolher a empresa que vai operar o metrô na fase da gratuidade, já a partir de agosto. O estacionamento  também não está pronto, mas ele diz que até junho será licitado.

Já em relação ao tramo 2, que liga o Acesso Norte à Estação Pirajá, o secretário explica  que 27% da obra está concluída. Para o andamento das obras desse tramo, Matos afirma que é necessário um acordo entre governo e prefeitura.
“O consórcio Metrosal reincidiu o contrato por achar que não era mais interessante para a empresa. Como terá que ser feita uma nova licitação será mais proveitoso incorporá-la à licitação do metrô da Paralela”. Até decidirem o que será feito, a obra continua parada.

A Secretaria de Desenvolvimento Urbano da Bahia (Sedur) não se manifestou sobre prazos para início das obras do metrô na Paralela  e nem informou se o Estado pretende incorporar a licitação do metrô da Paralela à linha do Acesso Norte à Pirajá, como quer a prefeitura.

Fonte: Correio do Povo


READ MORE - Salvador é a 3ª cidade onde mais se perde tempo para chegar ao trabalho

Metrô do Recife vai receber 15 novos trens até junho de 2014, primeiro chega em dezembro


Superlotado, assim podemos definir a situação atual do metrô nos horários de pico, o metrô do Recife vem perdendo a cada ano seu charme e o mais importante, a comodidade e eficiência. Usar o metrô em seu inicio (1985) parecia um convite a um passeio confortável e agradável, mas com o passar dos tempos, a população cresceu e o metrô não acompanhou este crescimento, resultando no caos nas horas de pico. Hoje o Metrô transporta quase 300 mil pessoas por dia e com a chegada dos novos trens somando a novos terminais integrados fará com que este número aumente ainda mais.

Recentemente o metrô entrou em greve por mais de 30 dias.

Em 1998, o metrô do Recife deu os primeiros passos para expansão, com o inicio da construção da Linha Sul, com partida no Terminal Recife até Cajueiro Seco, esta expansão sofreu vários atrasos e só foi completada em 2010.

Com o criação da linha sul, o metrô do Recife teve um aumento de mais 14 km de transporte sobre trilhos, totalizando 71 km somando o VLT (Veiculo Leve sobre Trilhos) recém implantado e o Trem a diesel.

Somando a isso, A CBTU-Metrorec adquiriu 15 (quinze) novos trens, que estão sendo produzidos. Até dezembro deste ano chegará o primeiro a Pernambuco e o último até junho de 2014. Eles irão somar com os outros 25 trens da frota atual, o que ao todo dará 40 trens na linha Centro e na linha Sul. E a empresa responsável pela fabricação dos trens é a CAF (espanhola), mas estão sendo montados em São Paulo.

READ MORE - Metrô do Recife vai receber 15 novos trens até junho de 2014, primeiro chega em dezembro

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960