Fortaleza: Tempo de viagem diminui 15 minutos com novo corredor de ônibus

domingo, 19 de agosto de 2012

“Quem está reclamando disso aqui é porque não anda de ônibus.” A fala de Luiz Gonzaga Rodrigues, 68 anos, funcionário de um estacionamento, reflete bem o ganho do usuário de transporte público com o funcionamento do Serviço Rápido de Ônibus (BRS, da sigla em inglês Bus Rapid Service).

Luiz e milhares de outras pessoas que se deslocam de ônibus, van ou táxi todos os dias pela avenida Bezerra de Menezes ganharam alguns preciosos minutos diários desde que o BRS entrou em atividade.
 
A equipe do O POVO decidiu testar o novo sistema e trafegar, de ônibus, do terminal Antônio Bezerra, no bairro de mesmo nome, até o fim da avenida Bezerra de Menezes, nas proximidades do Centro. A linha escolhida para percorrer os cinco quilômetros do trajeto foi a 086 - Antônio Bezerra/Santos Dumont.

Nos dois dias, o caminho foi feito no horário de pico da manhã, das 7h às 8 horas. Na sexta-feira, 10, faltavam três dias para o BRS ser implantado. Descemos, o repórter fotográfico Mauri Melo e eu, no último ponto da avenida, 40 minutos depois de termos pegado o ônibus no terminal. Uma semana depois, o mesmo caminho foi feito com 15 minutos de vantagem.
 
No trajeto do dia 10, engarrafamentos foram constantes nas quatro faixas em direção ao Centro. E, para piorar, não era nada difícil encontrar irregularidades cometidas por motoristas de carros de passeio. Apesar da presença de agentes da Autarquia Municipal de Trânsito, Serviços Públicos e de Cidadania (AMC) e de funcionários da Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor) em cada canto da avenida, havia carros parados, com o pisca-alerta ligado, sem problemas no veículo. Eram motoristas que usavam o recurso apenas enquanto compravam um medicamento nas farmácias ou esperavam abrir vagas no estacionamento. “Ninguém tem respeito por ninguém”, dizia a empregada doméstica Erineuda Sousa.
 
Nesse trajeto, percebi descrença de algumas pessoas quanto à funcionalidade do BRS. “É porque não informam nada a gente. Parece que vai ter umas mudanças na parada, né? Não sei ainda como vai ser”, contava a auxiliar de enfermagem Isabel Braga, 56. Apesar disso, afirmava ela, “se der certo mesmo, vai ser muito bom pra gente que anda de ônibus. Era bom se fosse na cidade toda”, sugeria.
 
Com BRS
Após o funcionamento do BRS, a faixa preferencial parecia a de toda via nas tardes de sábado. Trânsito de ônibus fluía tranquilamente e, de certa forma, livre, apesar de alguns desrespeitos. Vez ou outra, alguns motoristas mais “espertos” realizavam ultrapassagem pela direita e até pegavam o caminho do ônibus, sem convergir à direita nos 100 metros seguintes. O espaço é o permitido pela AMC no caso de estacionar ou dobrar à direita. O motorista do coletivo Aldenilo Sousa, 26, falava estar chegando aos terminais bem mais rápido que anteriormente, adiantado até. “Com o tempo, não é possível que esses motoristas não respeitem”, falava.

Enquanto o ônibus transitava na faixa de preferência, uma fila de carros se fazia à esquerda da avenida. O percurso do segundo dia de experiência durou 25 minutos. E, apesar de ter saído alguns instantes na frente, o carro do O POVO chegou ao ponto final da jornada minutos depois do ônibus.

 
O quê

ENTENDA A NOTÍCIA

O Sistema Rápido de Ônibus (BRS, da sigla em inglês) funciona na avenida Bezerra de Menezes desde a última segunda, 13. O sistema destina duas faixas prioritárias ao transporte público de ônibus, vans e táxis com passageiros.

Saiba mais

A partir de segunda, 20, a faixa preferencial da avenida Bezerra de Menezes também vai permitir a circulação de táxi sem passageiro e de transporte escolar.
 
A avenida Bezerra de Menezes possui o trecho pelo qual mais passam carros em Fortaleza. Segundo dados da AMC, nos cruzamentos da avenida com a rua coronel Mozart Gondim trafegam 41.239 por dia.
 
Um total de 16 agentes da AMC e 216 da Etufor percorrem toda a avenida Bezerra de Menezes. A previsão é que orientem os motoristas até o fim da próxima semana.
 
Na segunda-feira haverá uma reunião na AMC para definir qual dia começará a ser cobrada e o valor da multa por desrespeito à faixa preferencial.

READ MORE - Fortaleza: Tempo de viagem diminui 15 minutos com novo corredor de ônibus

Com automatização de trens, Metrô DF espera que tempo entre vagões diminua

Dos 32 trens que circulam no Distrito Federal, 28 já foram modernizados e utilizam um novo sistema totalmente automático, de acordo com o Metrô-DF. A atualização garantirá um controle direto da velocidade pela Central de Operações do Metrô. Com o novo modelo, espera-se que os trens sejam operados de forma mais precisa, e que o tempo entre os vagões seja reduzido de três minutos e 45 segundos para dois minutos e 40 segundos - o que diminuiria a espera dos passageiros. A previsão é de que até o início do próximo ano todo o sistema metroviário do Distrito Federal esteja totalmente automatizado.

Segundo a diretora-presidenta do Metrô-DF, Ivelise Longhi, com o controle automatizado, a Central de Operações poderá reduzir de forma mais segura o espaço de tempo entre os vagões. “Com o tempo entre um vagão e outro diminuído, será possível ter mais trens passando na estação em menor prazo. Mas será um conjunto de fatores que ajudará a melhorar a situação”, afirmou Longhi.

Os 45 km de trilhos que percorrem o Distrito Federal também deverão ser renovados. A construção de uma nova subestação de energia em Águas Claras até dezembro deste ano também integrará o plano de automatização do metrô, e garantirá energia extra para o funcionamento do transporte. Atualmente, o sistema da capital é semiautomático, e depende do piloto para reduzir ou aumentar a velocidade em cada vagão.

READ MORE - Com automatização de trens, Metrô DF espera que tempo entre vagões diminua

Em Manaus, Cai o número de usuários dos ônibus executivos

Com a queda de 60% no número de passageiros do transporte executivo após o aumento da tarifa para R$ 4,20 e mudança de rota no Centro de Manaus, muitos proprietários de micro-ônibus estão colocando os veículos à venda.

Para o motorista Francisco Bezerra, da Cooperativa dos Condutores Profissionais Autônomos de Manaus (Coocpam), que roda pela cidade anunciando a venda de um micro-ônibus, a situação é preocupante. Ele contou que dispensou o cobrador recentemente por não ter condições de pagá-lo. “Antes meu faturamento diário chegava a R$ 1 mil, hoje não consigo fazer nem R$ 300 para pagar o cobrador, custear as despesas do diesel e alimentação”, disse.

Sobre a concessão do veículo junto à Coocpam, que permite que o cooperado possa circular pela cidade, Bezerra afirmou que fará uma espécie de transferência de documentos para o futuro comprador do veículo. “Se ele não quiser utilizar o micro-ônibus para fazer outros serviços posso, sim, disponibilizar a minha concessão para que ele  continue atuando com o transporte coletivo”, garantiu.

Segundo o  presidente da Cooperativa dos Permissionários dos Transportes Alternativos e Executivos do Estado do Amazonas (Coopermo), Julio Mendes, a permanência da proibição dos micro-ônibus no Centro por parte da Prefeitura está gerando desespero aos motoristas das 15 cooperativas que atuam na capital.

“Muitos motoristas estão com prestações atrasadas junto ao banco e temem, por atos administrativos junto ao financiamento, que podem levar até a tomada do veículo. “Estamos trabalhando em grupo para sobreviver porque, no momento, muitos estão sem condições de sustentar a própria família”, ressaltou.

Atualmente, o sistema de transporte executivo possui 265 micro-ônibus, em 37 rotas que trafegam em todas as zonas de Manaus.

De acordo com o superintendente do Sistema Municipal de Transportes Urbanos (SMTU), Wesley Aguiar, um levantamento  feito com base em estudos encomendados pela Prefeitura de Manaus mostrou que, apenas, 5% do total da frota convencional deveria fazer rotas em Manaus, o que seria, hoje, em torno de 80 micro-ônibus executivos.

A SMTU afirma que a  queda de passageiros está ligada ao ‘inchaço’ do sistema e à renovação da frota dos ônibus convencionais.
READ MORE - Em Manaus, Cai o número de usuários dos ônibus executivos

Prefeitura admite atraso na licitação do metrô curitibano

Medida provisória (MP) editada pelo governo federal em 7 de agosto deve atrasar a abertura da licitação para o metrô curitibano, inicialmente prevista para este mês. A MP altera as regras gerais para a licitação e contratação de Parcerias Público-Privadas (PPPs) no Brasil. Segundo a prefeitura, isso implica alteração de prazos para adaptação do documento de licitação do metrô às novas regras. Não há nova previsão de quando a licitação deve ser lançada.

A MP determina que o modo de pagamento do poder público ao parceiro privado vencedor da licitação seja por etapa de obra entregue. Além do dinheiro da iniciativa privada, há previsão de aportes dos governos estadual (R$ 300 milhões) e federal (R$ 1 bilhão) para o metrô de Curitiba. Além disso, sobre os recursos públicos investidos no metrô, não haverá incidência da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), da Contribuição para o PIS/PASEP, da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS) e do Imposto de Renda.

Mesmo com a prefeitura admitindo a possibilidade de atrasos, a secretária municipal da Administração, Dinorah Nogara, analisa como positiva a mudança de regras. “A medida do governo federal amplia a disputa no processo licitatório. Isso abre o leque para a participação de mais empresas e gera mais empregos”, disse a secretária, em nota.

A prefeitura afirma que, de acordo com as regras anteriores, um número de empresas muito reduzido poderia entrar na licitação, já que seria necessário um comprometimento imediato de R$ 2,331 bilhões – estimativa de custo para os 14 quilômetros do metrô em Curitiba.

Atendendo à necessidade de readequação, o prefeito Luciano Ducci enviou nesta quinta-feira (16) para a Câmara de Vereadores a Lei do Metrô. Os ajustes no edital de licitação serão apreciados pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara para posterior votação.

READ MORE - Prefeitura admite atraso na licitação do metrô curitibano

Em Pelotas, Bilhetagem eletrônica no transporte coletivo integrado é implantada

O prefeito Fetter assinou decreto nesta quarta-feira (15) ratificando a implantação, operação e manutenção integral do Sistema de Bilhetagem Eletrônica –SBE, que deverá promover, de forma gradual, o sistema integrado de transporte coletivo urbano municipal.

O sistema vai aumentar a mobilidade dos usuários, com a integração físico-tarifária para os trabalhadores e autônomos que utilizem o Vale Transporte eletrônico, além do já aplicado à passagem estudantil (vale escolar). Com isso, será possível a integração dos sistemas, com recarga embarcada, compra de crédito via internet e demais aproveitamentos do cartão eletrônico, para uso diário do sistema pelo usuário, o qual deverá estar completamente efetivado e com o início da operação total até o dia 31 de agosto de 2012.

No mesmo decreto, de nº 5.563, o prefeito determina a prorrogação para cadastramento, por 30(trinta) dias, para as pessoas com idade igual ou superior a 60(sessenta) anos, sendo que até o dia 24 de agosto do corrente, continuará na forma atual e, a partir do dia 27 de agosto do corrente ano, este procedimento será realizado somente na Secretaria Municipal de Segurança, Transporte e Trânsito. Por outro lado, o cadastramento das empresas que irão adquirir os vales transportes deverá ser feito a partir de 24 de setembro, e a comercialização a partir de 24 de outubro.

READ MORE - Em Pelotas, Bilhetagem eletrônica no transporte coletivo integrado é implantada

No Recife, Corredor Leste-Oeste começa a ficar de cara nova

Uma nova cara para a Zona Oeste do Recife. Organizada, verde, com calçadas recuperadas, ciclovia e transporte público eficiente, ligando rapidamente a região ao Centro da capital. Essa é a proposta do novo Corredor Leste-Oeste, uma requalificação e ampliação da via expressa implantada há quatro anos pela Prefeitura do Recife e que o governo do Estado vem executando desde o início do ano. A ideia é dar uma repaginada especialmente na Avenida Caxangá, eixo principal do corredor, oferecendo transporte público de qualidade. Um sistema operado por BRTs (Bus Rapid Transit), com alta capacidade de transporte, estações climatizadas, que oferecem embarque no mesmo nível e pagamento antecipado das passagens.
Foto: Marcos Pastich/JC Imagem

A requalificação do Corredor Leste-Oeste vem sendo anunciada há mais de um ano, mas o governo ainda não tinha detalhado o projeto. Como afirma o secretário-executivo de Mobilidade da Secretaria das Cidades, Flávio Figueiredo, o corredor pretende mudar a face do transporte público na Zona Oeste da capital. Não significará apenas a substituição de paradas de ônibus e a recuperação do pavimento. “É um projeto com obras de infraestrutura, como a construção de um túnel e dois viadutos. São intervenções que vão proporcionar aumento da velocidade comercial do sistema, operado por ônibus articulados e com ar-condicionado. Haverá ganho de 30 minutos no tempo de viagem do passageiro que hoje entra no ônibus em Camaragibe e quer chegar ao Derby”, explica Flávio Figueiredo.

Inicialmente, o novo Corredor Leste-Oeste terá 12,3 quilômetros de extensão, entre o Derby, na área central do Recife, e o Terminal Integrado (TI) de Camaragibe, na Região Metropolitana. Serão 22 estações ao longo do percurso. No Derby, será instalada uma estação central com 70 metros de extensão. O corredor seguirá pela Rua Benfica, mas diferentemente da estrutura oferecida atualmente, quando apenas os coletivos que trafegam no sentido Centro-subúrbio usam a faixa exclusiva. Um túnel será construído na Rua Real da Torre para eliminar o cruzamento com a Avenida Caxangá.

Dois viadutos também serão erguidos, um deles exclusivamente para ônibus, na altura da Rua Bom Pastor, no bairro da Iputinga. O segundo ficará nas imediações da UPA do bairro da Caxangá. Dois terminais integrados irão compor o projeto, somando-se aos TIs de Camaragibe e da Caxangá, já em operação. Juntos, terão capacidade para 64 mil passageiros por dia. Além do transporte público, os planos do governo do Estado são de dar uma repaginada em boa parte do Leste-Oeste. Dos 12,3 quilômetros iniciais, oito receberão projeto urbanístico prevendo a requalificação das calçadas e a implantação de uma ciclovia bidirecional.

READ MORE - No Recife, Corredor Leste-Oeste começa a ficar de cara nova

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960