Metrô SP expõe maquete do trem do monotrilho da Linha 2- Verde

sábado, 18 de agosto de 2012

O secretário estadual dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, acompanhado pelo diretor-presidente do Metrô, Peter Walker, abriu nesta quinta-feira, dia 16, a visitação à maquete do trem que circulará pelo prolongamento em monotrilho da Linha 2- Verde, entre Vila Prudente e Cidade Tiradentes.

A linha está em obras sob a responsabilidade do Consórcio Expresso Monotrilho Leste e a previsão é que o primeiro trecho, da Estação Vila Prudente à região do bairro do Oratório, seja entregue em 2013. O trecho seguinte, até São Mateus, deve entrar em funcionamento em 2014. A chegada à Cidade Tiradentes está prevista para acontecer em 2016.

O módulo em exposição, que é uma réplica dos carros que estão sendo fabricados pela Bombardier na cidade de Hortolândia, no interior paulista, estará exposto ao lado da Estação Vila Prudente e poderá ser visitado pelos usuários do Metrô e por demais interessados, sempre de quarta a sábado, das 10 às 19 horas, e aos domingos, das 10 às 17 horas.


Notícias relacionadas ao Monotrilho no Brasil


No interior desse módulo do trem, os visitantes conhecerão o design futurista, além dos recursos tecnológicos disponíveis, como câmeras internas de vigilância eletrônica e ar-condicionado. Os trens do prolongamento em monotrilho da Linha 2- Verde terão todos os itens para garantir plena acessibilidade: sinalização em braille, mapa dinâmico da linha, sistema automático de emissão de mensagens sonoras e intercomunicador para os usuários falarem diretamente com os operadores do Centro de Controle do Metrô em caso de necessidade.

A réplica ficará exposta até o dia 30 de setembro. A visita é gratuita e no interior da maquete os visitantes terão oportunidade de assistir a um vídeo explicativo sobre o sistema monotrilho e conhecer as vantagens deste meio de transporte. No local será implantado um Posto de Informações, onde a comunidade poderá tirar dúvidas sobre o novo trecho da Linha 2-Verde.

Monotrilho de alta capacidade em operação em São Paulo

São Paulo será a primeira cidade do mundo a receber um monotrilho de alta capacidade, entre Vila Prudente e Cidade Tiradentes, na zona Leste. A frota contará com 54 trens que poderão atingir velocidade máxima de 80 km/h e circular com intervalos mínimos de até 90 segundos entre as composições, segundo técnicos do Metrô e da fabricante.

Quando concluída totalmente, a nova linha terá extensão de 24,5 km e 17 estações e atenderá a uma demanda de até 48 mil usuários por hora e por sentido, o que equivale a meio milhão de pessoas diariamente. Cada trem terá capacidade para transportar mil passageiros, em média.

O monotrilho reduzirá para apenas 50 minutos as mais de duas horas gastas atualmente no trajeto entre os bairros de Vila Prudente e Cidade Tiradentes.

O monotrilho atende às práticas sustentáveis em todas as etapas de construção e é uma opção ecologicamente limpa, por produzir menor impacto visual, ambiental e sonoro. Por ser um transporte elétrico, o sistema não emite gases poluentes na atmosfera, e por rodar sobre pneus é silencioso. Com recursos de direção totalmente automatizados, o veículo do monotrilho também é muito mais seguro e confiável.

Sob a via elevada do monotrilho, está previsto um programa de tratamento paisagístico no entorno da linha, com área verde e ciclovia, para tornar o ambiente harmonioso, agradável e completamente integrado à vida da população.

Metrô lança concurso cultural “Tá Pintando o Novo Metrô”

Na abertura da exposição da maquete do trem do monotrilho da Linha 2- Verde será feito o lançamento do concurso “Tá Pintando o Novo Metrô”.
Os interessados em participar do concurso poderão compartilhar suas sugestões até o dia 3 de setembro no hotsite http://www.tapintandoumnovometro.com.br/main.php e a mais votada será aplicada nos novos trens do monotrilho.

Do Metrô SP



READ MORE - Metrô SP expõe maquete do trem do monotrilho da Linha 2- Verde

Em BH, CBTU anuncia compra de 10 trens e diminuição do intervalo entre as viagens no horário de maior demanda

Reduzir o intervalo entre viagens no horário de pico para três minutos. Essa será a realidade, segundo a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), em Belo Horizonte, assim que a frota de 25 trens que leva 215 mil passageiros todos os dias entre as estações Vilarinho, em Venda Nova, e Eldorado, em Contagem, tiver mais 10 composições. O edital que prevê a contratação de novos trens para todo o país já está pronto e deve ser publicado nos próximos dias. No entanto, o novo superintendente da CBTU em BH, Nilson Tadeu Ramos Nunes, admite que, depois da publicação, o projeto pode demorar até 43 meses, ou três anos e meio, para ser concluído. A compra prevista para Belo Horizonte está avaliada em R$ 211 milhões e, além de diminuir o intervalo no pico, pode possibilitar que mais vagões sejam acoplados às composições, aumentando a oferta de lugares para os passageiros, de acordo com a empresa.

“De imediato, a compra de carros vai aumentar a oferta em 50%. Mas a ideia é aumentar em 100%, mudando de quatro carros por trem para oito no pico. As estações já foram dimensionadas para esse tipo de operação, mas ainda serão necessários alguns ajustes”, diz Nilson Tadeu Ramos Nunes, no cargo desde o dia 3. Segundo ele, o reforço da linha 1 é a primeira ação de sua gestão, pois o gargalo de passageiros nos horários de pico é muito grande e precisa de melhorias.

Atualmente, a composição em Belo Horizonte, que serve a única linha de metrô existente na capital (Vilarinho/Eldorado), com 28 quilômetros de extensão, é composta de 25 trens. Cada trem possui quatro carros de passageiros, sendo dois motores e dois reboques. No horário de pico, segundo a CBTU, os intervalos entre as viagens variam de quatro a sete minutos. Com a aquisição das 10 composições, o tempo de espera vai cair para três minutos de intervalo entre a passagem de um trem e o próximo. Ainda será possível operar com composições maiores, que podem ser de oito carros, dobrando a oferta para os passageiros.

Usuário do metrô de segunda a sexta-feira para se deslocar até o trabalho, e eventualmente nos fins de semana, para ir até a Arena Independência, o analista de sistemas Ricardo José Ferreira Zannato, de 34 anos, espera um melhor atendimento nos horários de pico há anos. “Entrar em um dos vagões do metrô no fim da tarde é impossível, fica lotado. E o fato de ficar tão cheio também significa um calor insuportável. Precisamos de mais conforto com muita urgência”, afirma Zannato. Ele é morador do Bairro São Paulo, Nordeste de BH, trabalha na Cidade Industrial, em Contagem, na Grande BH, e por isso o transporte mais viável é o metrô. Zannato mora próximo à Estação Minas Shopping e trabalha perto da Estação Cidade Industrial. “É um sistema muito rápido, mas não é porque é mais veloz que temos que nos sujeitar a condições insalubres”, desabafa o analista de sistemas.

Plano de ação
 Há menos de um mês no cargo, Nilson Tadeu Ramos Nunes, que foi cedido pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) para exercer a nova função de superintendente da CBTU na capital, afirma que pretende implementar algumas medidas à frente do órgão. “A principal prioridade é a Linha 1 e a adequação da demanda à capacidade. Também pretendo estreitar os laços da empresa com a UFMG, por meio de duas parcerias que vão contribuir para a evolução técnica do órgão”, explica Nunes.
Segundo ele, uma das iniciativas é um programa de capacitação de profissionais, desde a base do sistema até o topo, ou dos mestres de linha até os engenheiros ferroviários. “Precisamos repor o conhecimento que sai do processo com as aposentadorias e capacitar cada vez mais todos os envolvidos. As pessoas passam nos concursos, mas, muitas vezes, não entram com a capacitação adequada, tanto no nível médio quanto no superior”, diz o superintendente.

O outro programa que ele pretende adotar em BH para se tornar um exemplo para todo o país é de desenvolvimento tecnológico na UFMG. “Somos altamente dependentes de tecnologia externa quando o assunto é o transporte metroferroviário. Temos uma universidade preparada que se encontra entre as melhores no ramo das patentes. A ideia é começar desenvolvendo pequenos componentes e evoluir para todo o sistema,” acrescenta.
Alerta para gargalos na expansão

O novo superintendente da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) em Belo Horizonte, Nilson Tadeu Ramos Nunes, reforça os alertas já feitos pela empresa com relação aos projetos de expansão do metrô divulgados pela Trem Metropolitano S. A. (Metrominas), empresa criada pelo governo estadual para desenvolver e implementar os novos projetos. Nunes acha muito complicada a implementação das linhas 2 (Barreiro/Calafate) e 3 (Savassi/Lagoinha) como vem sendo divulgado. Para ele, a ligação Barreiro/Calafate é um caminho que ficaria pela metade, além de jogar em um sistema que já sofre com gargalos uma demanda muito grande de passageiros vindos do Barreiro.

“O Barreiro é uma região importante e é um de nossos objetivos dentro do contexto da Linha 1. Mas ainda estamos levantando todos os projetos antigos para saber o que é viável ou não”, diz o superintendente. Ainda segundo ele, uma das possibilidades é criar um ramal que conecte a região à já existente linha 1. Sobre a conexão subterrânea prevista para ligar Savassi e Lagoinha, ele aponta problemas. “É complicado pensar nesse trecho dessa forma, por conta da manutenção. Como seriam levados os trens até o pátio do São Gabriel para reparos ou consertos?”, acrescenta o professor.

Parceria
Segundo a assessoria de comunicação da Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop), a Metrominas foi criada com o objetivo de ser o novo órgãos gestor do metrô na Grande BH, em parceria com a iniciativa privada. De acordo com a Setop, ficou acertado que a linha 1 será transferida do governo federal para o estadual e a operação de todo o sistema ficará a cargo da nova empresa.


READ MORE - Em BH, CBTU anuncia compra de 10 trens e diminuição do intervalo entre as viagens no horário de maior demanda

Em Salvador, Licitação do metrô da Avenida Paralela será em outubro

A consulta pública sobre a implantação do metrô na Av. Paralela foi prorrogada para o dia 20 de setembro, quando o governador Jaques Wagner pretende apresentar o projeto a investidores europeus e asiáticos, com o objetivo de ampliar a concorrência da PPP.

O lançamento da licitação está previsto agora para o final de outubro.

A empresa vencedora terá 1,5 ano para concluir a Linha 1 e implantar parte da Linha 2, que deverá ser finalizada em 3 anos. O período total da concessão é de 30 anos.

Na próxima semana serão realizadas mais duas audiências públicas, uma na segunda-feira (20/8), no Cine-Teatro de Lauro de Freitas e a outra na sexta-feira (24), no Centro Cultural da Câmara de Vereadores de Salvador.

Nesta sexta-feira (17), o Governo do Estado promoveu a primeira audiência pública para discutir o projeto do Sistema Metroviário de Salvador e Lauro de Freitas, no auditório da Assembleia Legislativa da Bahia (Alba).

Com um investimento de R$ 3,5 bilhões, o Sistema Metroviário prevê 20 estações e 36 quilômetros de extensão.


Informações: Tribuna da Bahia

READ MORE - Em Salvador, Licitação do metrô da Avenida Paralela será em outubro

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960