Em Belo Horizonte, Cadeirantes enfrentam desafios para usar transporte público

terça-feira, 17 de julho de 2012

É lei federal: ônibus tem que ter elevador para embarque e desembarque de pessoas em cadeiras de rodas. Mas, em Belo Horizonte, o equipamento não garante o atendimento da população.

O ônibus do analista financeiro Sandro Waldez chega. Com o celular, ele registra um impasse: o veículo tem espaço reservado para cadeirante, mas não possui elevador.

“Segundo o motorista a empresa tem uma norma que não leva cadeirante em carro que não tenha elevador. O trocador está ligando para a empresa para ver o que ele vai fazer. E não me levou, foi embora”, relata Sandro.

A má vontade é comum. “O elevador está quebrado, não pode esperar o outro não, gente boa? Estou tomando até remédio para dor nas costas”, diz o motorista.

Outro ônibus não demora, mas o mesmo problema acontece: “O elevador está estragado, não está descendo”, afirma um funcionário.

Em outro ponto, a cobradora tenta acionar o elevador de um ônibus, mas o aparelho está em péssimas condições. O elevador funcionou, mas não chega até a calçada. É um dos problemas mais comuns, porque o ônibus para muito longe do meio-fio.

“Não tem como embarcar, porque não dá para pular o meio-fio”, explica Sandro.
O motorista ainda faz uma manobra e tenta parar o ônibus mais próximo da calçada, mas não é o suficiente para o analista conseguir embarcar.
“Ainda ficou longe. Não tem como eu pular”, diz Sandro.

Somente na terceira tentativa Sandro consegue embarcar. Ele ainda precisa pegar outro ônibus, que também para longe. Ainda tem o motorista, que não quer saber de colaborar.

Quando não há equipamentos também é difícil ter acesso ao transporte público. Em Belo Horizonte, 25% dos ônibus não são adaptados.

“Por várias vezes eu me sinto esquecido, humilhado, porque eu ando de cadeira de rodas. Mas eu estudo, eu trabalho, quero levar uma vida independente da melhor forma possível”, conta Sandro.

O Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de elo Horizonte informou que as empresas fazem manutenção frequente dos elevadores. Afirmou também que a trepidação e a poeira do asfalto, com o tempo, danificam a engrenagem dos equipamentos. E declarou que os motoristas e cobradores passam por treinamento.


READ MORE - Em Belo Horizonte, Cadeirantes enfrentam desafios para usar transporte público

Trânsito em Campinas: Veículos na cidade chegam a rodar apenas 15km/h nos horários de maior movimento

A velocidade média do trânsito em Campinas vem sofrendo uma queda de 1,5% ao ano. Nesse ritmo, se nada for feito para melhorar a fluidez, em 30 anos será tão rápido andar a pé quanto de carro ou ônibus na cidade. Estudos da Secretaria Municipal de Transportes apontam que, nos principais eixos de transporte, a velocidade média já é de 18 km/h ao longo do dia, caindo para 15 km/h nos momentos de pico. Na prática, os veículos têm circulado no rush mais devagar do que Paul Tergat, o corredor campeão da São Silvestre que faz 20,8 km/h.

A média em Campinas se aproxima do ritmo que uma galinha pode atingir (14km/h). Até carroças puxadas por dois cavalos, que andam a 26 km/h, desenvolvem velocidade superior às verificadas nos principais eixos da cidade. “A tendência é piorar cada vez mais e a única saída é investir em transporte coletivo e corredores. Sem isso, a cidade vai parar em pouco tempo”, afirmou o secretário André Aranha. Se locomover pela cidade, disse, será cada vez mais difícil. A frota, de mais de 750 mil veículos, cresce 5% ao ano, embora no ano passado esse crescimento tenha sido de 7%, enquanto a população cresceu pouco mais de 1%.

Os dois corredores de ônibus projetados para os próximos quatro anos estarão saturados em 30 anos e haverá necessidade, segundo o secretário, de começar a agir bem antes desse tempo para ter uma solução complementar. “Nós começamos a pensar o corredor da Avenida John Boyd Dunlop em 2001”, comparou.

Campinas tem nove grandes eixos radiais que, ao longo do tempo, segundo Aranha, irão precisar de investimentos em BRTs. O Corredor Central, que é uma via perimetral, terá que passar por uma evolução e outras perimetrais terão de receber corredores. Os grandes eixos de Campinas hoje são o Centro e as vias que levam os Amarais, Sousas e Joaquim Egídio, Barão Geraldo e Unicamp, Valinhos, Lix da Cunha, a Campinas/Mogi e a Santos Dumont.

“Campinas tem que pensar em transporte de alta capacidade e começar a projetar, desde já, transporte sobre trilhos, porque os corredores de ônibus têm capacidade limitada”, afirma o consultor em trânsito João Dorivaldo dos Santos — pode ser VLT ou metrô, afirmou. “O importante é ter um sistema de alta capacidade de transporte e um bom gerenciamento, para que a cidade não pare”, disse.

O secretário de Transportes lembrou que a perda de velocidade no trânsito e a consequente perda de tempo das pessoas, poderá significar um item negativo na atração de investimentos para Campinas. “As intervenções precisarão ocorrer sob pena de investimentos migrarem para a região”, disse.

Nas ruas, a opinião dos motoristas é unânime: o trânsito está cada vez pior. O publicitário Miguel Alvez, de 56 anos, disse que gasta pelo menos três horas por dia no trânsito. “Eu acho que é uma coisa meio sem solução, a tendência é piorar”, afirmou. Quem sofre do mesmo problema é o eletricista Raimundo Nonnato Silva, de 37 anos. Ele roda para chegar aos clientes e sofre com o trânsito. “Do jeito que estão comprando carro por aí, vai ficar cada vez pior”, disse.


 Mais carros nas ruas, maior o problema

Para a vendedora Christiane Moraes, de 33 anos, a maior quantidade de carros circulando também é um problema. “Com essa facilidade de se comprar carro, só vai piorar”, informou. Ela reclama também do trânsito e dos motoristas. “Os semáforos são muito demorados, as pessoas cruzam semáforos fechados, fecham cruzamento. Isso só vai piorar”, afirmou.

O caos no trânsito faz com que algumas pessoas acabem evitando sair nos horários de pico, como o administrador Rodrigo Mendes, de 23 anos. “O trânsito está cada vez pior, eu evito sair aqui em Campinas entre 16h e 19h”, disse. Para ele, algumas medidas poderiam ser tomadas para melhorar a situação. “Eu acho que deviam colocar mais semáforos. Em algumas vias fica uma disputa entre pedestre e motorista, vai quem tiver mais coragem”, afirmou.
 
Fonte: Correio Popular

READ MORE - Trânsito em Campinas: Veículos na cidade chegam a rodar apenas 15km/h nos horários de maior movimento

Metrô Rio terá que explicar obra para trem chinês

O promotor Carlos Andresano, da Promotoria de Defesa do Consumidor do Ministério Público Estadual (MP), vai pedir esclarecimentos à concessionária MetrôRio sobre denúncias feitas pelo Sindicato dos Metroviários do Estado (Simerj).
 
A empresa estaria reduzindo, às pressas, a largura de plataformas em algumas estações e aparando pilastras e paredes de túneis das Linhas 1, 1A e 2, em até 20 centímetros, para se adequar aos trens chineses.
 
Foto: Gisele Domingues / Agência O Dia

Como O DIA publicou com exclusividade, sábado, o sindicato alega que, devido a suposta falha na análise aerodinâmica dos novos trens, a trepidação das comboios em movimento poderia levá-los a colidir com estruturas de concreto. “Já tomei conhecimento disso e vou cobrar explicações”, adiantou Andresano.

Além do MP, a Agência Reguladora de Transportes Públicos (Agetransp) também está investigando o assunto. “A agência está realizando uma verificação criteriosa dessas informações”, garantiu o órgão em nota oficial, frisando ainda que “a aceitação dos trens e do projeto foge” de sua competência. A Secretaria Estadual da Casa Civil não comentou o assunto.
 
Segundo o diretor do sindicato, Ariston dos Santos, os técnicos não levaram em consideração que só há motor no primeiro carro do trem chinês, e não em todos os vagões, como no modelo atual.
 
Isso provocaria balanço mais acentuado, que poderia levá-lo a esbarrar na plataforma e pilastras. O especialista em Engenharia de Transportes da Coppe/UFRJ Fernando MacDowell garante que fez alertas sobre o problema em audiências públicas. “Não me ouviram”, lamentou.
 
Sistema de portas passa por ajustes

O MetrôRio nega a existência do problema e informa que as obras nas plataformas e túneis são para padronizar as estações. A concessionária admite, apenas, que há ajustes a serem feitos nas portas. O sistema está passando por “verificação de adaptação à operação .
 
É um processo natural da etapa de testes e ajustes. Todo o processo é feito dentro dos requisitos de segurança”, garantiu, em nota, a empresa que administra o metrô.
 
O primeiro dos 19 trens comprados da China, por R$ 320 milhões, vai entrar em operação na Linha 2 mês que vem. Inicialmente, a estreia era prevista para agosto de 2010. O atraso gerou uma multa de R$ 374 mil. A promessa é a de que todos os 114 novos vagões (63% a mais que a frota atual) estarão funcionando plenamente a partir de março do ano que vem.

Fonte: O Dia Online

READ MORE - Metrô Rio terá que explicar obra para trem chinês

No Recife: Trânsito na Avenida Mascarenhas de Moraes muda nesta terça-feira

A partir das 6h de amanhã, os motoristas que transitam pela avenida Mascarenhas de Morais devem estar atentos para mudanças no trânsito do local. A Prefeitura do Recife, por meio da Companhia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU), irá eliminar o giro à esquerda para retorno no sentido Aeroporto/Afogados da avenida Mascarenhas de Morais, localizado logo após o Viaduto Tancredo Neves, no bairro da Imbiribeira. De acordo com a Prefeitura, a intervenção faz parte do Plano de Ações para o Trânsito do Recife, que tem por objetivo melhorar os padrões de mobilidade urbana da cidade.

A CTTU informou que, com a mudança, os condutores que estiverem transitando no sentido Aeroporto/Afo­gados deverão fazer o retorno após a UPA da Imbiribeira, entrando à direta na rua Coronel Fabriciano, dobrar novamente à direita na avenida Sul, e subir pela alça do viaduto Tancredo Neves no sentido avenida Recife. O fechamento do giro à esquerda da Mascarenhas será feito durante a madrugada de hoje para amanhã, com blocos de concreto de 500 quilos. Por conta da proibição da entrada à esquerda será retirado o semáforo do local. Com isso, haverá também uma melhor fluidez no sentido Afogados/Aeroporto, tanto para os veículos que seguem em frente quanto para os que dobram à direita com destino à avenida Recife.   

Os condutores que queiram acessar o outro sentido da Mascarenhas de Morais - Afogados/Aeroporto - deverão, após subir o Viaduto Tancredo Neves, utilizar a alça de descida à direita com direção ao aeroporto. A rua Coronel Fabriciano, que passará a ser a via de acesso para os veículos vindos da avenida Mascarenhas de Morais, torna-se mão única e com restrição de estacionamento. A intervenção conta ainda com a manutenção da sinalização horizontal e vertical da área, incluindo a pintura e instalação de placas indicativas e de destino. Nos primeiros 15 dias da mudança, agentes de trânsito da CTTU estarão no local, durante todo o dia, para alertar e orientar os condutores sobre as modificações. Serão quatro agentes por turno.


Segundo os dados estatísticos da CTTU, transitam pela avenida Mascarenhas de Morais uma média de 56 mil veículos diariamente, nos dois sentidos. Nas contagens realizadas pela Companhia, a média diária de veículos que realizam o giro com sentido à avenida Recife é de 9,4 mil carros. Já o número de automóveis que fazem apenas o retorno, acessando o outro sentido da Mascarenhas de Morais chega a 1,2 mil.

Com informações da assessoria de Imprensa da Prefeitura do Recife
READ MORE - No Recife: Trânsito na Avenida Mascarenhas de Moraes muda nesta terça-feira

Na Grande Vitória, Transcol ganha duas novas linhas aos domingos

A partir do próximo dia 22 entrarão em vigor duas grandes alterações em linhas do Sistema Transcol. Serão criadas as linhas 561 e 562, que vão circular aos domingos em dois eixos, com a fusão de sete linhas: um pela Reta da Penha e outro pela Avenida Beira Mar. A fusão tem por objetivo otimizar as viagens e tornar o sistema mais ágil. As novas linhas vão utilizar veículos articulados e reduzir o tempo de espera.

A unificação dessas linhas aos domingos vai diminuir o tempo de espera dos passageiros. Para o usuário que hoje, por exemplo, espera até 30 minutos pela linha 509, ao utilizar a nova linha (562) vai esperar 12 minutos. A fusão das linhas não representará prejuízo para o usuário no que se refere a itinerário, uma vez que elas já fazem um desses dois percursos. A diferença é que as novas linhas vão ligar ‘as pontas’, passando pelos terminais ao longo do percurso.

Os veículos da linha 561 vão passar pelos terminais de Campo Grande, Jardim América, São Torquato, Carapina, Laranjeiras e Jacaraípe, enquanto os da linha 562 passarão pelos terminais de Campo Grande, Jardim América, São Torquato, Carapina e Laranjeiras.

Essas duas grandes linhas farão o percurso utilizando veículos articulados (17 em cada linha), que possuem maior capacidade de carregamento e terão intervalos reduzidos, passando a realizar partidas a cada 12 minutos (562) e 15 minutos (561). Serão realizadas 77 viagens, na linha 561, e 88, na linha 562.

As alterações
As novas linhas funcionarão da seguinte forma:

Linha 561 – Eixo Norte Sul / Dante Michelini / Beira Mar, que irá abarcar as linhas 515 (Laranjeiras / T. Campo Grande via Beira Mar), 523 (T. Jacaraípe / T. Jardim América - vai Beira Mar) e 572 (T. Laranjeiras / T. São Torquato - via Camburi / Beira Mar).
Linha 562 – Eixo Fernando Ferrari / Reta da Penha / Av. Vitória, que fará o itinerário das linhas 509 (T. Carapina / T. Campo Grande - via Exp. Garcia / R. Penha), 527 (T. Carapina / T. Jardim América - via Reta da Penha), 559 (T. Laranjeiras / T. São Torquato – via T. Carapina / Reta da Penha) e 742 (T. Campo Grande / T. São Torquato - via Exp. Garcia / T. Jardim América).

“O usuário sai ganhando. Sabemos que nos fins de semana a demanda dos ônibus é de 40% da capacidade do sistema, e que os usuários utilizam o transporte para lazer. Muitas vezes, por conta da sobreposição de linhas, passam dois ônibus, um para o Terminal São Torquato e outro para o Terminal de Jardim América, mas o usuário quer ir para o de Campo Grande. Daí ele tem que esperar mais tempo. Com as novas linhas, o tempo de espera será de, no máximo, 15 minutos”, explicou o diretor de Planejamento da Companhia de Transportes Urbanos da Grande Vitória (Ceturb-GV), José Carlos Moreira.

A criação das linhas 561 e 562 faz parte das ações do Programa de Mobilidade Metropolitana (PMM), lançado pelo Governo do Espírito Santo, por meio da Secretaria de Estado dos Transportes e Obras Públicas (Setop), reúne um conjunto de intervenções em obras e tecnologias que vão possibilitar uma maior qualidade de vida a todos que moram e circulam na Grande Vitória.
READ MORE - Na Grande Vitória, Transcol ganha duas novas linhas aos domingos

Projeto ''De Mão em Mão'' é sucesso nos terminais de ônibus de São Paulo

Se você é louco como eu por leitura parabéns, você sabe como é enriquecedor ter esse gosto. Mas se você ainda não faz parte desse grupo, a Prefeitura do Estado de São Paulo lançou um projeto bem bacana para o incentivo da prática da leitura: o De Mão em Mão.  É super fácil, a prefeitura implantou, em 4 terminais de ônibus, pontos de entrega de livros. É gratuito, você não precisa fazer cadastro ou registro de retirada, só tem que ter o compromisso de depois de se deliciar com a leitura, passar para outra pessoa. Assim o incentivo passa “de mão em mão”, como diz o nome do projeto. Cada pessoa tem direito a retirar um título. Foi inspirado no projeto colombiano chamado “Libro al viento”, em que obras literárias são distribuídas na cidade de Bogotá.

Os livros são obras curtas de grande valor literário, atualmente estão em circulação três coletâneas de contos de grandes escritores brasileiros: Machado de Assis, Lima Barreto e Alcântara Machado, mas sempre serão lançados novos títulos. Você pode retirar o seu nos terminais : Mercado (Centro), Santo Amaro, Pirituba e A. E. Carvalho. A retirada pode ser feita de segunda a sexta das 10h às 20h, e aos sábados das 10h às 18 h. Para saber como chegar nos pontos de entrega é só acessar o site do projeto, onde você também pode ter mais informações sobre as obras e seus autores.

READ MORE - Projeto ''De Mão em Mão'' é sucesso nos terminais de ônibus de São Paulo

Em Fortaleza, Construção de túnel altera itinerário de 20 linhas de ônibus

A partir desta terça-feira (17), 20 linhas de ônibus e cinco linhas de vans terão itinerário alterado em virtude da construção de um novo túnel no cruzamento da Av. Washington Soares com Av. Rogaciano Leite. A mudança do percurso será temporária e acontecerá somente no período das obras.
 
Nos primeiros dias de alteração no tráfego dos coletivos, agentes operacionais da Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor) estarão presentes no local orientando o embarque e desembarque de passageiros.
 
Confira as linhas envolvidas e desvios:

Linhas:
 (023) Edson Queiroz/Papicu (Corujão)
 (815) Cidade dos Func/Papicu/Tancredo Neves
 (825) Cidade dos Func/Papicu/Jardim das Oliveiras
 (835) Defensoria/Papicu/Via Câmara
 Desvio: Rogaciano Leite, Atilano de Moura, Miguel Dias, Washington Soares, Rua de acesso ao estacionamento do Iguatemi e Eng. Santana Jr.
 
Linhas:
 (03) Paupina/Pici (STPC)
 (05) Canindezinho/Iguatemi (STPC)
 (06) Edson Queiroz/Barra do Ceará (STPC)
 (12) Conjunto Palmeiras/Papicu (STPC)
 (55) Conjunto Alvorada/North Shopping (STPC)
 (017) Aldeota/Centro I (TopBus)
 (021) Luciano Cavalcante/Papicu
 (034) Av. Paranjana I (Corujão)
 (041) Parangaba/Oliveira Paiva/Papicu
 (050) Siqueira/Papicu/Washington Soares
 (051) Grande Circular I
 (053) Messejana/Papicu/Washington Soares
 (055) Grande Circular I (Corujão)
 (066) Parangaba/Papicu/Aeroporto
 (068) Messejana/Papicu/Cambeba
 (074) Antônio Bezerra/Unifor
 (075) Campus do Pici / Unifor
 (093) Expresso/Messejana/Papicu
 (806) Edson Queiroz/Papicu
 (816) Edson Queiroz/Centro
 (820) Papicu/Cj Alvorada

 Desvio: Washington Soares, Rua de acesso ao estacionamento do Iguatemi e Eng. Santana Júnior

READ MORE - Em Fortaleza, Construção de túnel altera itinerário de 20 linhas de ônibus

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960