Após paralisação, Ônibus voltaram a circular em Ponta Grossa

quarta-feira, 6 de junho de 2012

A greve do transporte coletivo de Ponta Grossa chegou ao fim. No entanto, não aconteceu como a Viação Campos Gerais (VCG) havia informado no final da tarde de ontem. A empresa divulgou que a greve já teria acabado e que na madrugada desta quarta-feira os ônibus voltariam a circular normalmente. Porém, Ponta Grossa amanheceu sem os carros de transporte coletivo nas ruas. Os trabalhadores ainda não haviam aceitado a proposta repassada ontem no Tribunal Regional do Trabalho (TRT).

Os grevistas se reuniram na manhã de hoje, por volta das 5h30, para avaliar a indicação, o que fez com que todos os ônibus ficassem parados na garagem da VCG e as pessoas à espera do transporte nos pontos de ônibus. Apesar de uma resistência inicial, os trabalhadores acabaram aceitando a proposta de 8,2% de reajuste salarial e vale alimentação de R$ 120.

Para o representante da Federação dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Estado do Paraná, Anderson Teixeira, a mobilização de uma semana em busca do reajuste é um marco para a classe em Ponta Grossa. "Isso vai fortalecer a categoria para novas negociações. Mostra que o trabalhador de Ponta Grossa tem força e sabe reivindicar. No ano que vem teremos mais possibilidades de conseguir uma maior valorização". O serviço de transporte coletivo foi normalizado por volta das 8h30, com 100% da frota nas ruas. 

Fonte: JM News

READ MORE - Após paralisação, Ônibus voltaram a circular em Ponta Grossa

Em Curitiba, Número de passageiros transportados aumentou nos últimos dois anos

O número de passageiros transportados pela Rede Integrada de Transporte aumentou 3,96 milhões em dois anos. Em 2009, foram transportados 680.451.615 passageiros. No ano passado, o número de passageiros transportados subiu para 684.415.698.
"Nos últimos anos, o sistema tem recebido muitos avanços, o que estimula as pessoas a usar o transporte coletivo", diz o prefeito Luciano Ducci.
A rede integrada atende Curitiba e mais 13 municípios da Região Metropolitana. São 355 linhas e 1.915 ônibus, que percorrem 490 mil quilômetros por dia.

O mais novo avanço no sistema é o Ligeirão Norte, que será implantado do Santa Cândida à Praça do Japão. Para isso, as canaletas desse trecho estão sendo desalinhadas. O terminal Santa Cândida está em reformas para ampliação.
O Ligeirão Norte-Sul atenderá por dia 50 mil passageiros e fará o percurso do Terminal Santa Cândida até a Praça do Japão em até 25 minutos, reduzindo o tempo de viagem em 15 minutos em relação ao ônibus convencional. "E ainda neste ano Curitiba terá o Hibribus, com motor elétrico e a biodiesel", diz Luciano Ducci.

Hibribus - Curitiba terá ainda neste ano o Hibribus, fabricado pela Volvo. A unidade da Volvo na capital é a primeira a fabricar híbridos fora da Suécia e a primeira a ter os veículos operando em uma linha convencional. A Prefeitura encomendou a Volvo 60 ônibus híbridos.

A primeira linha de Curitiba a ter o hibribus será a do Interbairros 1, que circula em bairros no entorno do Centro. Na segunda etapa, os ônibus híbridos atenderão as linhas Detran-Vicente Machado, Água Verde-Abranches, Ahú-Los Angeles, Juvevê-Água Verde e Jardim Mercês-Guanabara.

O hibribus tem dois motores, um a biodiesel e outro elétrico, que funcionam em paralelo ou de forma independente. O motor elétrico é utilizado para arrancar e acelerar o ônibus até uma velocidade de aproximadamente 20 quilômetros por hora, e também como gerador de energia durante as frenagens.

O motor a biodiesel entra em funcionamento em velocidades mais altas. A cada vez que se acionam os freios, a energia de desaceleração é utilizada para carregar as baterias. Quando o veículo está parado, seja no trânsito, em pontos de ônibus ou em semáforos, o motor biodiesel fica desligado.

Santa Cândida - O Terminal Santa Cândida está em reforma para ganhar mais 4 mil metros quadrados de área construída, passando a ter 12,6 mil metros quadrados. O projeto prevê a implantação de uma nova área de comércio e serviços, mais ampla e com mais conforto.
A nova área vai funcionar no subsolo onde ficarão também novos conjuntos de sanitários e espaço para carga e descarga evitando transtornos com a parada de caminhões de serviço.

O novo terminal terá também novas plataformas de embarque e desembarque, incluindo plataformas exclusivas para o Ligeirão Santa Cândida-Praça do Japão. A reforma prevê ainda novo paisagismo e nova iluminação, aumentando o conforto e segurança dos usuários.
Com a ampliação, o terminal poderá abrigar também novas linhas do transporte metropolitano integrado.


READ MORE - Em Curitiba, Número de passageiros transportados aumentou nos últimos dois anos

Metrô de SP deve transportar mais de 1 bilhão de passageiros até fim do ano

Até o fim do ano, o Metrô de São Paulo deve transportar mais de um bilhão de passageiros, um recorde histórico e um desafio monumental. É o que mostram os repórteres Rodrigo Alvarez e Wilson Araújo na segunda reportagem especial da série sobre o transporte público.

Durante 29 minutos, Fátima e Adriana passam algo muito parecido com o que acontece com sardinhas quando entram em uma lata. Numa manhã de terça-feira, as enfermeiras querem ir para o trabalho no centro de São Paulo. Mas, assim como o primeiro, o segundo metrô também chega lotado à Estação do Brás.

Depois, vem o terceiro e o quarto. Elas não pegam o sexto nem sétimo. E resolvem entrar no oitavo metrô, mas não conseguem. O que era para ser a nona tentativa começa com um rapaz espremido e termina com o mesmo rapaz ainda mais espremido. As duas enfermeiras continuam do lado fora, mais uma vez. O décimo metrô chega com cara de decisão. Quando a porta abre, as duas agora entram no jogo para ganhar. Tudo em fim se resolve. Depois de tamanho esforço, a mulher descansa na porta e suspira. Fátima também suspira.

Somando as cinco linhas, são mais de 4 milhões de passageiros diários no metrô de São Paulo. E as caras de desapontamento e de esmagamento também são diárias. Roberta suspira e se aperta. E sem alternativa, ela acaba se divertindo: “Nossa, não consigo nem abaixar o braço. Um não sobe, o outro não desce”.

O número de passageiros em algumas linhas aumentou mais de 30% em apenas um ano. Foi de uma hora para outra por causa da conclusão da linha 4, em setembro. A nova linha, moderníssima, multiplicou as opções de trajetos, aumentou a integração com os trens e transporta hoje mais de 600 mil pessoas por dia. Não foi à toa que ficou lotada também.

Nesse ritmo, as cinco linhas do metrô paulistano vão fechar o ano com um recorde histórico: mais de um bilhão de passageiros. Transportar esse bilhão de pessoas em um metrô que cobre apenas 74 quilômetros é o grande desafio das autoridades.

A nossa viagem é pela Linha Vermelha, que corta São Paulo de leste a oeste, com uma escala importantíssima no coração da cidade. O aumento nela foi de 36%. Ou seja: para cada três passageiros do ano passado, apareceu mais um.

A jovem Marcela vai quase escondida entre tantos braços e ombros. Fecha os olhos pensando em aliviar as dores do aperto.

Quando a viagem termina, na Estação Sé, novo fôlego. De repente, parece tudo mais bonito. E nós encontramos motivos de sobra para lembrar por que o metrô de São Paulo, apesar de não cobrir nem um terço do que especialistas consideram necessário, é frequentemente citado entre os melhores do mundo. Na estação grandiosa, tem até um piano para quem quiser tocar. “Só estou só de passagem. Essa música dá mais tranquilidade para o pessoal ir para o trabalho”, comenta um rapaz que toca o instrumento.

Quando não tem superlotação, dá orgulho do metrô paulistano.

Metrô afirma que construção de quatro linhas vai desafogar sistema

O repórter Rodrigo Alvarez conversa com o gerente de operações do Metrô, Wilmar Fratini, responsável por organizar esse sistema.

Rodrigo Alvarez: Todos os dias as pessoas acordam sabendo que vão pegar esse metrô super lotado, espremidas dentro do metrô. O que acontece que isso não muda a cada dia que passa?
Wilmar Fratini, gerente de operações do Metrô: Como em todas as grandes cidades do mundo inteiro, nos horários de pico, nós temos um grande fluxo de passageiros se dirigindo para o trabalho, se dirigindo para fazer suas atividades no centro da cidade. O que nós temos feito é aproveitar ao máximo a capacidade do sistema. E atualmente, estamos com um grande investimento na construção de quatro linhas simultâneas.

Rodrigo Alvarez: O argumento de que as grandes cidades também passam por isso foi usado também pela Companhia de Trens. Não é fato que todas as grandes cidades têm esse problema. É um problema que parece um pouco maior em São Paulo e talvez em algumas outras cidades
Wilmar Fratini, gerente de operações do Metrô: Por isso que nós estamos com a construção e quatro linhas simultâneas.

Rodrigo Alvarez: Falta linha? O que falta?
Wilmar Fratini, gerente de operações do Metrô: O aumento da malha possibilita não apenas que mais pessoas tenham acesso ao sistema, mas também permite que as pessoas se redistribuam de uma forma mais otimizada e tenham mais alternativa de rota para chegar ao seu ponto de desejo.

Rodrigo Alvarez: O que podemos esperar? Qual é a promessa que vocês podem fazer para o morador de São Paulo?
Wilmar Fratini, gerente de operações do Metrô: Que ele possa continuar colaborando com o metrô de São Paulo. É muito importante a colaboração deles, para evitar segurar as portas. Enfim, nos ajudar a manter o sistema circulando com a maior fluidez possível.

Muita gente gosta de andar de metrô, o problema é a super lotação nos horário de pico. “Eu moro em Guarulhos. O horário que o ônibus me permite chegar aqui é uma hora e meia antes do trabalho ou meia-hora depois. Então, tenho que chegar antes”, revela um rapaz.

Um jovem também conta a sua peregrinação diária par chegar ao trabalho: “Eu moro na cidade de Tiradentes. Eu gasto uma hora de percurso de perua até Itaquera. De Itaquera para cá, eu gasto uns 40 minutos. Daqui, mais uns 15 minutos até onde eu trabalho. Não dá para vir sentado no trem, porque a lotação é muito grande. Quando a gente chega no metrô, já tem muita gente na fila e está muito apertado”.

Fonte: G1.com.br

READ MORE - Metrô de SP deve transportar mais de 1 bilhão de passageiros até fim do ano

Gratuidade fica fora da renovação da frota de ônibus de Niterói

A previsão da renovação da frota dos ônibus que circulam em Niterói em 40%, nos próximos cinco anos, num primeiro momento, trará benefícios à cidade. Como divulgou a prefeitura nesta semana, são veículos modernos, menos poluentes, mais confortáveis e equipados com sistemas de ar- condicionado e que, a partir de julho, já começam a circular. Entretanto, esse conforto não estará ao alcance de todos. Além de terem o direito de cobrar tarifas mais altas nos coletivos considerados especiais, as empresas podem negar a gratuidade, como já faz a maioria que circula no município e as responsáveis por trajetos intermunicipais.

Quem depende do passe livre relata dificuldades
A Justiça autorizou, no mês passado, que os idosos não sejam impedidos de andar nos ônibus de Niterói e região se estiverem sem o Rio Card, apenas portando o documento de identidade. A decisão foi proferida a partir de uma ação civil pública de 2008, movida pelo Ministério Público do Rio de Janeiro com base em uma denúncia feita pelo Conselho Comunitário da Orla da Baía (Ccob). Nas ruas, os idosos dizem que entrar ou não sem o Rio Card costuma depender da boa vontade dos motoristas.

Mas as principais reclamações são sobre os ônibus que não concedem a gratuidade: os rodoviários; de uma porta só; e os que têm ar-condicionado. Os relatos sobre longas esperas motivaram outra denúncia que acaba de ser encaminhada ao MP.

O superintendente do Sindicato das Empresas de Transporte Rodoviário do Estado do Rio de Janeiro (Setrerj), Márcio Barbosa, alega que a entidade ainda não foi notificada pela Justiça quanto à decisão sobre a gratuidade sem o Rio Card:
— Assim que recebermos a notificação, vamos encaminhar ao departamento jurídico para que sejam avaliadas as providências necessárias. Quanto a liberar ou não a gratuidade em ônibus de uma porta, por enquanto, é uma decisão empresarial.

A aposentada Olga Rebello, de 81 anos, conta que em seu bairro circulam muitos micro-ônibus e que, às vezes, chega a perder de três a quatro conduções porque eles não aceitam a gratuidade. Ela lamenta, também, o fato de não coneguir viajar em ônibus rodoviários que fazem o trajeto Niterói-Rio:
— O idoso só tem vez nos piores ônibus. Conforto, só pagando. O pior nem é isso. Triste é ficar esperando um tempão para pegar uma condução. A gente fica no ponto vendo outras pessoas que vão para o mesmo lugar viajando na frente. Não existe prioridade.

O presidente da Niterói Transporte e Trânsito (NitTrans), Sérgio Marcolini, confirma que os novos ônibus que entrarão em circulação — 50 por ano, como prevê com o novo contrato de concessão de 20 anos, firmado com dois consórcios compostos pelas mesmas empresas que já atuam na cidade — estarão na categoria “especial”.
— A princípio esses ônibus não darão direito à gratuidade. Mas eu acredito que daqui a cinco anos, quando a frota for renovada em 40%, essa questão prevista em lei deve ser revista. O ideal é que todos os ônibus em Niterói sejam nesse padrão de conforto, dando o direito à gratuidade.

Responsável por fiscalizar os ônibus intermunicipais, o Detro revela que já multou a maioria das empresas que operam em Niterói por descumprirem a norma de colocar para circular mais ônibus urbanos do que rodoviários. A prefeitura não respondeu os questionamentos sobre a fiscalização das linhas municipais.
Fonte: Extra Online

READ MORE - Gratuidade fica fora da renovação da frota de ônibus de Niterói

CBTU não cede e greve dos metroviários continua no minímo por mais uma semana

Reunidos em Brasília no Tribunal Superior do Trabalho, os representantes da empresa e dos trabalhadores sentaram pela terceira vez, deste o início da greve, no dia 14 de maio. Desta vez, intermediados pela ministra do TST, Maria Cristina Peduzzi, a reunião resultou em uma proposta da CBTU, 2% de reposição, porém, se quer a ministra concordou com o índice apresentado. Próxima reunião entre partes, está agendada para semana que vem, até lá, a greve continua.

Essa nova reunião abriu um novo momento nesses 23 dias de paralização nacional dos metroviários. A empresa que até então não se mostrava disposta a abertura de negociações, apresenta agora um índice que serve de base para conversações. No entanto, com a negativa dos sindicatos, a ministra Maria Cristina interviu afirmando que caso o impasse fosse para julgamento na justiça, o resultado não seria um índice menor que o da inflação do último período, 5,13%. Recomendando que a companhia reveja a posição e realize uma nova rodada de negociação com os sindicatos.

Já os sindicalistas, após negar o indicativo de índice apresentado, reafirmaram a disposição dos trabalhadores em permanecerem paralisados, enquanto não for disponibilizada uma porcentagem a altura do que está sendo reivindicado pela categoria. Mesmo recebendo a garantia da manutenção das atuais conquistas, que não serão mexidas. Até a próxima terça-feira, quando se dará nova rodada de negociações, garantem os dirigentes sindicais que a greve continua como está.

Fonte: Sindicato dos Metroviários

READ MORE - CBTU não cede e greve dos metroviários continua no minímo por mais uma semana

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960