Em Cuiabá, Maior investimento para a Copa, VLT "estoura" previsão em R$ 200 milhões

terça-feira, 15 de maio de 2012

A implantação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), principal investimento em Cuiabá para sediar a Copa do Mundo de 2014, estará algo em torno de R$ 200 milhões acima daquilo que o Governo previa. Na sessão de abertura das propostas para licitação da obra de mobilidade urbana, o Consórcio VLT Cuiabá apresentou uma proposta de R$ 1.477. 617.277,15. Traduzindo: um bilhão, quatrocentos e setenta e sete milhões, seiscentos e dezessete mil, duzentos e setenta e sete reais e quinze centavos.  O Estado está viabilizando um empréstimo no valor de R$ 1,2 bilhão, através da Caixa Econômica Federal e Bando Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O menor valor para execução da obra, no entanto, não garante que o Consórcio VLT Cuiabá seja o vencedor do certame licitatório. É possível, com isso, que o valor final seja ainda maior. O regime permite a contratação integrada dos projetos básicos, executivos, execução das obras, fornecimento e montagem de sistemas e material rodante. O prazo contratual para entrega do metrô de superfície é de até 24 meses.

O Consórcio Cuiabá é formado pelas empresas Santa Bárbara, CR Almeida, CAF Brasil Indústria e Comércio, Magna Engenharia Ltda, Astep Engenharia Ltda.

Outros três consórcios apresentaram proposta na sessão pública, promovida pela Secretaria Extraordinária para a Copa do Mundo – e ainda podem “levar” a obra. O Consórcio Mendes Júnior Soares Costa/Altom apresentou uma proposta de R$ 1.547.152. 071, 95. Consórcio Tranvia Cuiabá prometeu construir o VLT por R$ 1.596. 018. 626,03. O Consórcio Expresso Verde apresentou R$ 1.850.977.101,36.

O processo licitatório se dá   nos moldes do Regime Diferenciado de Contratação (RDC). “A meta é anunciar em até dez dias o nome do vencedor e, na sequência, providenciaremos todos os trâmites legais para assinatura do contrato e liberação da ordem de serviço”, explicou o secretário extraordinário da Copa do Mundo, Maurício Guimarães. Segundo ele, a diferença entre o que o Governo viabiliza para contratar a obra e o valor mínimo apresentado nesta terça-feira permite margem de manobra.

Com dois eixos, CPA-Aeroporto e Coxipó-Centro, o modal será implantado no canteiro central das avenidas Historiador Rubens de Mendonça, FEB, 15 de Novembro, Tenente Coronel Duarte (Prainha), Coronel Escolástico e Fernando Correa da Costa. Serão três terminais de integração e 33 estações, que terão uma distância média de 500 a 600 metros entre um ponto e outro.

Com 15 Km de extensão, o trajeto CPA - Aeroporto contará com dois terminais de integração (CPA1 e André Maggi, que terá um elevado ferroviário no aeroporto Marechal Rondon), 22 estações de transbordo, dois viadutos, três trincheiras e uma ponte. Nesse trecho será feito também a reestruturação do canal da prainha, na região central de Cuiabá.

O eixo Coxipó - Centro terá 7,2 Km de extensão, um terminal de integração (Coxipó), 11 estações de transbordo, três viadutos e duas pontes.

Os terminais terão estacionamento para veículos e bicicletário, ampliando o potencial de mobilidade urbana na Capital e em Várzea Grande. O anteprojeto do VLT prevê que todos os critérios de acessibilidade serão contemplados na elaboração dos projetos básico, executivo e, consequentemente, na execução das obras.
Fonte: 24horasnews.com.br

READ MORE - Em Cuiabá, Maior investimento para a Copa, VLT "estoura" previsão em R$ 200 milhões

Campinas pode ter greve de ônibus nesta quarta-feira

Os motoristas e cobradores de ônibus do transporte público de Campinas (SP) prometem entrar em greve à 0h nesta quarta-feira (16). O comunicado feito pelo Sindicato dos Rodoviários de Campinas e Região foi publicado em um jornal da cidade na edição de domingo (13). O Sistema InterCamp possui 202 linhas, que atendem cerca de 676 mil passageiros diariamente. A Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc) informou que ficou surpreendida com o anúncio porque as empresas estão em processo de negociação com o sindicato e que a data-base da categoria é 1º de maio.

As concessionárias que podem ter funcionários em greve são a VB Transportes e Turismo, Itajaí Transportes Coletivos, Coletivos Pádova, Expresso Campibus e Onicamp Transporte Coletivo. Em nota, a Transurc alega que "a convocação de uma greve, sem se esgotar o processo de negociação, é uma demonstração clara de que os usuários do transporte, os funcionários e as empresas estão sendo prejudicados, mais uma vez, por uma disputa político-sindical envolvendo a atual diretoria do Sindicato dos Rodoviários e dissidentes descontentes".

Desde a semana passada, motoristas e cobradores de empresas de Campinas e região paralisaram as atividades por impasses com o sindicato e também com os supervidores.

Nesta terça-feira (15), passageiros que usam os ônibus da VB3 foram prejudicados por uma paralisação que afetou 160 mil pessoas.  O protesto teve início após uma confusão que terminou em agressão entre um funcionário e representantes do sindicato, de acordo com a empresa. O sindicato nega que houve confronto e alega que esteve na garagem da concessionária para informar sobre a greve desta quarta-feira.

A Transurc defende que os sindicalistas manipularam informações para, com essa prática, usar a categoria como massa de manobra e informa que "tomarão todas as medidas cabíveis para que as pessoas que dependem do transporte público não sejam novamente vítimas nesse processo de embate entre sindicalistas".

Plano emergencial
Para minimizar os transtornos à população, a Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec) montou um plano emergencial caso motoristas e cobradores do Sistema InterCamp entrem em greve. A Emdec informou que solicitou ao sindicato da categoria que mantenha um quantitativo da frota em operação, por considerar que o transporte público seja um serviço essencial.

Caso ocorra a greve, os veículos que atuam no Corujão, serviço de transporte público realizado durante a madrugada, também poderão circular durante o dia. Ainda haverá um remanejamento na frota do transporte alternativo, para que ela possa operar as principais linhas das quatro áreas operacionais.

Na área Central do município haverá dois pontos de referência para os usuários do transporte público coletivo: os terminais Central e Mercado. Os veículos sairão desses locais em direção aos principais eixos da cidade: Amoreiras, John Boyd Dunlop, Prestes Maia, Santos Dumont, Amarais, Barão Geraldo e Sousas, após circularem o Centro. Caso necessário, serão criados comboios de ônibus, escoltados pela Guarda Municipal ou Polícia Militar, para evitar qualquer ato de vandalismo que coloque em risco a segurança de operadores e usuários. Os terminais urbanos nos bairros permanecerão fechados, durante a paralisação, para evitar depredações.

As dúvidas podem ser esclarecidas pelo telefone da Emdec no (19) 3772-1517. As informações serão atualizadas de hora em hora, pelo Centro de Controle Operacional e monitoramento realizado pelas câmeras da Central Integrada de Monitoramento (CIMCamp). A consulta de todas as informações também poderá ser realizada pelo site da Emdec.

Sistema InterCamp
O Sistema InterCamp é divido em quatro áreas de atuação. A Área 1 (Azul Claro) atende as regiões do Ouro Verde, Vila União e Corredor Amoreiras. A Área 2 (Vermelha), as regiões do Campo Grande, Padre Anchieta e Corredor John Boyd Dunlop. A Área 3 ( Verde) atende Amarais, Barão Geraldo, Sousas, Rodovia Campinas - Mogi Mirim e o Corredor Abolição. E a Área 4 (Azul Escuro) as regiões do Aeroporto de Viracopos, Nova Europa e Santos Dumont.

Informações do G1 SP

READ MORE - Campinas pode ter greve de ônibus nesta quarta-feira

No Recife: Linhas emergências suprem a greve do Metrô na Linha Sul, veja fotos:

Plano de emergência na estação do metrô, onde funciona o terminal integrado do Aeroporto recém inaugurado funciona de maneira satisfatória, pois os usuários tiveram duas linhas emergenciais para suprir a greve do metrô.
Depois das 9 hs quando as portas do metrô fecharam devido ao seu funcionamento ser somente nas horas de pico, entrou na prática muitos ônibus articulados da Expresso Vera Cruz que puderam levar os usuários para a estação de Joana Bezerra e também ao terminal do Recife no centro da cidade.
E o movimento foi tranquilo nesta manhã, com um fluxo de usuários aparentemente baixo, fez com que as linhas atendessem a todos sem tumultos e sem empurra-empurra.
Estas linhas emergenciais funcioanarão enquanto o metrô estiver em greve.
Vale salientar que o metrô funcionará das 05hs às 09hs e no pico da tarde que vai das 16HS às 20hs.
Blog Meu Transporte



Fotos: Blog Meu Transporte

READ MORE - No Recife: Linhas emergências suprem a greve do Metrô na Linha Sul, veja fotos:

Poucos ônibus marcam o 2º dia de greve no transporte coletivo em Natal

Os motoristas e cobradores em greve desde esta segunda-feira (14) não estão cumprindo a determinação do desembargador vice-presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 21ª Região (TRT-RN), José Rêgo Júnior, para que 70% da frota circule em horários de pico nesta terça (15) em Natal.
Na manhã desta terça, poucos ônibus urbanos foram vistos circulando pelas ruas de Natal. Além dos relatos nas ruas, muitas pessoas usaram as redes sociais para reclamar da falta de ônibus na cidade.
Rodoviários permanecem em greve
Na noite desta segunda, o desembargador José Rêgo Júnior, para garantir a prestação dos serviços indispensáveis de transporte coletivo à população, determinou ao Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado do Rio Grande do Norte (Sintro/RN) que tome as providências necessárias para que circule no mínimo 70% da frota de ônibus por empresa representada pelo Setrans e pelo Seturn nos horários de pico (5h às 9h e 16h às 20h) e 50% nos demais horários. Caso essa determinação não seja cumprida, o Sintro será punido com multa diária de R$ 25 mil, a ser computada a partir desta terça-feira.

Fonte: Tribuna do Norte


READ MORE - Poucos ônibus marcam o 2º dia de greve no transporte coletivo em Natal

Trens de João Pessoa paralisam atividades e 10 mil ficam sem trens

Os metroviários da Grande João Pessoa, servidores da Companhia Brasileira de Trens Urbanos da Paraíba (CBTU-PB), estão parados durante toda esta terça-feira (15) em reivindicação por reajuste salarial. A paralisação deve afetar 10 mil pessoas que utilizam os trens urbanos da região todos os dias, segundo informações da própria CBTU.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores de Empresas Ferroviárias do Estado da Paraíba (Sintefet-PB), José Cleófas Batista, garantiu que o mínimo de 30% de profissionais trabalhando seria respeitado. Portanto, os trens da Grande João Pessoa vão fazer 14 das 28 viagens diários nesta terça (veja os horários ao lado).

Os manifestantes pedem reajuste de 5,5% mais aumento real de 10%, o que elevaria os salários para R$ 1.028. Eles ainda querem aumento no valor do auxílio alimentação de R$ 549 para R$ 689. De acordo com a assessoria de imprensa da CBTU-PB, o governo federal não está disposto a oferecer o aumento pedido pelos servidores.

Metroviários de Belo Horizonte, Recife, Natal e Maceió também reivindicam o reajuste. Os servidores ainda querem gratificação de desempenho por passageiro transportado, pagamento de plano de saúde integral e 50% de adicional noturno.

Fonte: G1 Paraíba

READ MORE - Trens de João Pessoa paralisam atividades e 10 mil ficam sem trens

Em Sorocaba, Motoristas de ônibus ameaçam paralisação

Uniformizados com camisetas camufladas e com os dizeres “Fortes e preparados”, os condutores do transporte público urbano não aprovaram a proposta de aumento salarial de 6,88% feita pelo sindicato patronal e ameaçam entrar em greve na próxima semana.

As assembleias ocorreram na manhã e na tarde de ontem, no Sindicato dos Rodoviários de Sorocaba e região.

Nesta terça-feira (15), os ônibus trafegam com os faróis acesos para avisar a população que se não houver contraproposta até sexta-feira, a partir do dia 29 o transporte coletivo urbano pode entrar em greve.

A partir desta terça-feira (15) haverá reuniões entre o sindicato dos trabalhadores e o patronal para discutirem os acordos. Na próxima segunda-feira (28), ocorrerá mais duas assembleias para apresentar à categoria os valores dos reajustes. Se a votação for contra, o presidente do Sindicato, Paulo João Estausia, avisa que irá protocolar o aviso de greve na Justiça e em 72 horas os ônibus estarão parados.

Pedidos e ofertas/ A data base da categoria é 1° de maio. As reivindicações dos trabalhadores são a reposição da inflação no ganho real (o ICV que está em 5,37% mais 5% de ganho real), aumento no Plano de Rendimentos e Lucros, reajuste no tíquete-refeição e redução da jornada.

A proposta de reajuste salarial oferecida pelo sindicato patronal foi de 6,88%, a renda dos motoristas passaria de R$ 2.111,40 para R$ 2.267,40; contratação de mais 20 agentes de bordo até maio de 2013; aumento de 10% para PRL e vale-refeição.

Atualmente, a categoria conta 2 mil funcionários entre condutores, agentes, mecânicos e outros entre Sorocaba e Votorantim.

Em 2011/ No ano passado, a categoria ameaçou paralisar, mas como a reivindicação foi aceita, os ônibus continuaram atendendo a população. O preço da passagem passou de R$ 2,65 para R$ 2,85.

Fonte: Rede Bom Dia

READ MORE - Em Sorocaba, Motoristas de ônibus ameaçam paralisação

Greve: Metrô do Recife só vai funcionar nas horas de pico

Com a deflagração da greve dos metroviários, o metrô do Recife deve funcionar, a partir da terça-feira (15), apenas oito horas por dia, dez horas menos que a escala normal. A proposta da categoria, votada em assembleia na noite desta segunda (14), foi 100% de paralisação, de acordo com o Sindicato dos Metroviários de Pernambuco (Sindmetro-PE). No entanto, a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) garante que os maquinistas não aderiram à paralisação e os trens vão circular nos horários de pico - das 5h às 9h e das 16h às 20h, em intervalos normais, nas linhas Centro e Sul. A linha Diesel não circulará durante a greve. A CBTU informou também que as estações só estarão abertas nos horários em que os trens estiverem circulando.

A greve, decretada por tempo indeterminado, começa nesta segunda, a partir das 22h, mas o metrô funcionará até as 23h. A redução do expediente deve afetar 260 mil passageiros. "Nós votamos por 100% de paralisação, mas sabemos que a lei pede o funcionamento mínimo de 30%. Vamos decidir isso em uma nova assembleia, amanhã [terça, 15]", explicou o diretor de Comunicação e Imprensa do Sindicato dos Metroviários de Pernambuco (Sindmetro-PE), Diogo Morais.

De acordo com o diretor, a expectativa é que a CBTU apresente uma contra-porposta à campanha da categoria. "Nós queremos reposição salarial de 5,13%, que é o índice da inflação entre 2011-2012, e plano de saúde. Hoje, o governo propõe congelamento dos salários e benefícios. Já ocorreram três rodadas de negociação e nada foi acertado. Ano passado, nós conseguimos o reajuste sem paralisação", disse.

Reforço de Ônibus



READ MORE - Greve: Metrô do Recife só vai funcionar nas horas de pico

Em Belo Horizonte, Metroviários acatam decisão da Justiça e usuários terão metrô no horário de pico

Diante dos transtornos impostos à população com a greve do metrô, o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) exigiu nesta segunda-feira (14) que os trabalhadores mantenham 100% das viagens durante os horários de pico, entre 5h20 e 8h30 e das 17h às 19h30, de segunda a sexta-feiras. Aos sábados, o funcionamento deve ocorrer das 5h30 às 9h. Aos domingos, o sistema pode parar. Após a decisão, o Sindicato dos Empregados em Empresas de Transportes Metroviários e Conexos de Minas Gerais (Sindimetro-MG) acatou a determinação da Justiça. O anúncio de que o Sindimetro-MG irá cumprir escala mínima de funcionamento do metrô da capital foi feito na noite desta segunda. Se eles tivessem descumprido a decis/ão, Caso a decisão liminar seja descumprida, p Sindimetro-MG seria multado em R$ 30 mil, por dia. O movimento dos metroviários deve durar pelo menos até a próxima segunda-feira (21), data em que foi marcada uma reunião de conciliação no TRT, entre a categoria e a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU).

Nesta segunda, os 215 mil passageiros que utilizam o sistema diariamente tiveram que migrar para outros meios de transporte. Pela manhã, os ônibus ficaram lotados, assim como os pontos de embarque. Quem saiu de casa de carro enfrentou congestionamento nas principais avenidas da cidade. A situação caótica se repetiu no início da noite, agravada pela chuva incessante na capital e região metropolitana. De manhã, houve quem seguiu para as estações de metrô e foi pego de surpresa, embora alertas sobre a greve foram feitos pelo alto-falante da estação e por meio de faixas, desde sexta-feira. “Vou para o meu trabalho de metrô, eu não sabia da greve. Agora, tenho que correr para pegar um ônibus e não chegar muito atrasada”, disse a doméstica Fabiana Fernandes de Oliveira.

A decisão da Justiça veio depois que a CBTU entrou com uma ação cautelar no TRT, na última sexta-feira, pedindo a operação mínima do sistema de metrô de Belo Horizonte durante a greve dos trabalhadores. O sindicato informou que, fora dos horários de pico, o metrô continuará sem circular, já que não houve especificação da liminar nesse sentido. Para a presidente do sindicato, Alda Lúcia Fernandes dos Santos, mesmo com a paralisação total do serviço ontem, ela julga que a medida não foi ilegal e que não houve desrespeito a Lei de Greve (7.783/89), que estipula a manutenção de 30% na escala mínima em serviços considerados essenciais. “Desrespeito é o que a CBTU está fazendo com os seus trabalhadores. Dizer para a categoria que o reajuste do salário será zero é muita falta de respeito. Por isso, resolvemos parar totalmente”, afirmou Alda.

A categoria reivindica reajuste de 5,1%, participação nos lucros, adicional noturno de 50% e plano de saúde integral. Atualmente, o salário inicial de um metroviário é de R$ 980. Com o reajuste, passaria para R$ 1.030.
A CBTU, que ainda não apresentou uma contraproposta para os trabalhadores, informou que está aberta à negociação. A greve acontece em quatro outras capitais.

Atendimento Emergencial. Em função da paralisação, a BHTrans e a Secretaria de Estado de Obras e Transportes Públicos criaram um plano de atendimento emergencial aos usuários do Metrô de Belo Horizonte pelas linhas urbanas e metropolitanas do Sistema Metropolitano de Passageiros da Região Metropolitana de Belo Horizonte – RMBH. O pedido foi feito pela CBTU. Com isso, desde as 5h desta segunda-feira (14), o esquema abaixo está em vigor prevendo o atendimento das seguintes linhas:

Estação Vilarinho - Linha 61: Está parando para oferecer atendimento aos usuários do transporte coletivo no Ponto de Embarque e Desembarque (PED) da Av. Vilarinho com Rua Macieiras (Aquário). Já a Linha 60 está operando com viagens extras, de acordo com a demanda de usuários, e ainda, de forma operacional, o agente que estiver no Ponto de Controle (PC) mandará veículos vazios para o Ponto de Embarque e Desembarque (PED) da Av. Vilarinho com Rua das Macieiras para reforçar atendimento aos usuários do transporte.

Estação São Gabriel: Está em funcionamento um serviço especial para a frota da linha 80, no Setor Oeste da estação, com o reforço de 12 (doze) veículos. A operação será realizada por tempo indeterminado.

Linhas Metropolitanas: A Secretaria Estadual de Transportes e Obras Públicas também disponibilizou duas novas linhas que já estão em operação no trecho, são elas: E019 (Estação Eldorado/Centro de BH) e E001 (Estação Vilarinho/Centro de BH).

Fonte: O Tempo

READ MORE - Em Belo Horizonte, Metroviários acatam decisão da Justiça e usuários terão metrô no horário de pico

Paralisação dos ônibus em Natal é marcada por vandalismo nas ruas da cidade

A população natalense mais uma vez acabou como vítima de impasses entre os trabalhadores do transporte rodoviário e os empresários do setor. Apesar do alerta de que haveria paralisação desde a sexta-feira, muitas pessoas não conseguiram se programar, ou não possuíam outra forma de transporte.
Na sexta-feira passada, o Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário de Passageiros (Sintro) emitiu nota informando sobre a paralisação. As reivindicações ocorrem no sentido de reajuste salarial para os funcionários. De acordo com o presidente do Sintro, Nastagnan Batista, o valor dos pagamentos estão congelados desde 2010.

Além disso, são apontados problemas como insegurança no trabalho e desacordo no pagamento de vales-alimentação. "Queremos ganho real e os empresários dizem que não têm condições de pagar", disse durante a manhã de ontem. O reajuste pretendido beira os 14%, enquanto os empresários oferecem 4,88%.

Batista propôs a participação da Prefeitura de Natal para que haja um acordo entre as partes. "Os empresários dizem que não têm condições e a Prefeitura tem que sentar à mesa para negociar conosco", convocou o presidente do Sintro. Para ele, os empresários têm que provar que não há condições de oferecer o reajuste reivindicado.

De acordo com a Lei de Greve, durante uma paralisação, pelo menos 30% do serviço e dos trabalhadores têm que permanecer ativos para que a população não seja lesada gravemente. Ontem, isso não ocorreu. Nas primeiras horas da manhã, houve momentos em que quatro veículos estavam rodando para atender toda a demanda natalense. O presidente do Sintro justificou o fato dizendo que a categoria estava mobilizada. "A adesão dos trabalhadores é de 100%. A insatisfação é muito grande e dá ideia do tamanho da nossa insatisfação".

A juíza do Trabalho, Maria Auxiliadora Rodrigues, esteve presente ontem na garagem da empresa Cidade do Natal. O objetivo era verificar o cumprimento da frota emergencial para elaboração de um auto de inspeção. "Constatamos que alguns veículos chegaram a sair, mas acabaram depredados e voltaram. Os funcionários estão assustados e não querem sair para trabalhar. Iremos relatar isso", disse a magistrada.

O relatório inicial apontava que dos 13 veículos que deveriam ter saído no primeiro horário da manhã, sete foram às ruas. Dos sete, quatro retornaram. Em Parnamirim, dos cinco veículos da frota emergencial, um atendeu a população. 
Foto: Adriano Abreu
 
Paralisação é marcada por vandalismo nas ruas da cidade

O motorista Francisco Canindé tem 57 anos e 23 de profissão em linhas de passageiros de Natal. Ontem, relatou estar com medo de ir à rua. "Já saí hoje pela manhã e fui arrancado do banco, quando obrigaram a desligar o carro. Agora o dono falou para eu ir de novo. Estou com medo, mas parece que vai ter escolta policial", afirmou o homem ontem pela manhã na garagem da empresa Cidade do Natal, a partir de onde conduziria a linha 40. O funcionário acrescentou que o vandalismo chegou ao pontou de ver os pneus cortados.
"Eles estavam com alicates de corte. Esvaziamos o veículo, que estava com umas 90 pessoas, e voltamos à garagem", disse Canindé. Questionado sobre a autoria dos delitos, foi direto. "São colegas meus, lá do sindicato. Eles me agrediram porque não querem ver a gente rodando na rua", disse o motorista. Além do veículo conduzido por Canindé pelo menos outros três foram alvos de ataque.

De acordo com presidente do Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Passageiros (Seturn), Augusto Maranhão, indícios levam a crer que o Sindicato dos Rodoviários coordenou os atos de vandalismo. "Um táxi de placas de São Gonçalo do Amarante e duas motos estão pela cidade, com estilingues e baladeiras quebrando pára-brisas. Todos os indícios levam a crer que são pessoas ligadas ao Sintro", afirmou.

O presidente do Sintro, Nastgnan Batista, negou que tenha ordenado qualquer ataque. "Não estou sabendo de ataque algum. E mesmo assim não teria partido do Sintro, todos sabem que não é do perfil da presidência", disse.
READ MORE - Paralisação dos ônibus em Natal é marcada por vandalismo nas ruas da cidade

BRT é unanimidade entre especialistas em transportes

O prefeito de Campinas, Pedro Serafim, anunciou uma visita técnica à Colômbia para conhecer a operação do corredor BRT (Bus Rapit Transit) de maior sucesso no mundo, o Transmilênio, de Bogotá. Além do Transmilênio, Serafim também visitará outro corredor BRT em Santiago de Cáli, também na Colômbia. De acordo com Adalberto Maluf, diretor de cidades da C40 em São Paulo, o BRT é uma tendência mundial: “140 cidades no mundo estão fazendo BRT, e só não se faz mais por uma conjunção de fatores políticos e outros”, argumentou o especialista em fórum internacional de infraestrutura de cidades que aconteceu em abril em São Paulo.

Maluf não é o único a defender o modal. O BRT é um dos oito princípios de mobilidade definidos pelo Institute for Transportation Development Policy (ITDP) para criar cidades mais sustentáveis, gerar menos emissões e aumentar a qualidade de vida dos cidadãos. A instituição aponta o corredor BRT de Curitiba – já indicado pela ONU como referência mundial em mobilidade – como exemplo a ser seguido.

O ex-secretário de transportes, consultor e engenheiro, Adriano Murgel Branco, também associa a solução para o caos do transporte urbano à implementação de corredores exclusivos. Branco afirma que a região de São Paulo perdeu cerca de um trilhão de dólares com gastos em saúde e investimentos equivocados em transportes, somente entre 1998 e 2007. Para ele, “o Corredor ABD é o mais eficiente da cidade”. O sistema ultrapassou o metrô de São Paulo na pesquisa de satisfação com usuários da ANTP feita no início de 2012.

Em São Paulo, o corredor de ônibus que mais se assemelha ao BRT é o Corredor ABD, que liga o Jabaquara à Santo André, São Bernardo, Diadema e Mauá, transportando 7 milhões de pessoas por mês (mais de 230 mil por dia). Com faixas para ultrapassagem e plataformas na altura do piso do ônibus, a velocidade média de operação é a mais elevada, de 21km/h. Além disso, o Corredor ABD possui poucos cruzamentos, que contribuem para o aumento da velocidade dos veículos, e opera com veículos de maior capacidade, trólebus e ônibus híbridos de tecnologia brasileira, fora os ônibus convencionais.[6]

Daniela Facchini, da Embarq Brasil, é mais uma a se posicionar a favor do transporte coletivo via BRT. “O BRT é uma solução a curto prazo que passa pelas cinco dimensões da sustentabilidade e que pode solucionar os problemas nas cidades latino-americanas”, defende. Na última medição de capacidade de transporte do Transmilênio, na Colômbia, Maluf constatou 51 mil pessoas por hora por sentido. Um recorde que supera 95% dos metrôs do planeta, perdendo apenas para Hong Kong, Seoul e Tókio.

Fonte: segs.com.br

READ MORE - BRT é unanimidade entre especialistas em transportes

BNDES apoia implantação do Sistema BRT no Espírito Santo

O Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES)  assinou nesta segunda-feira(14) contrato com o governo do Espírito Santo (ES), para a concessão de financiamento de R$ 530,4 milhões para a  realização da primeira etapa do Sistema BRT (Bus Rapid Transit) na Região Metropolitana da Grande Vitória .O apoio será feito através da linha de financiamento de projetos estruturadores de transporte urbano.

O projeto integra o Plano Diretor de Transporte Urbano da Região Metropolitana da Grande Vitória e visa racionalizar o modelo existente, dando prioridade efetiva ao transporte coletivo. Será estruturado um sistema integrado de transporte sobre pneus com ônibus modernos e corredores exclusivos.

O valor do projeto é de R$ 742,3 milhões. Deste total, o BNDES financiará 71,5%. Ao longo da sua fase de implantação, serão gerados cerca de 3 mil empregos diretos. Quando entrar em operação, o Sistema BRT deverá gerar mais de 400 empregos diretos.

O projeto prevê, inicialmente, a implantação do Sistema BRT nas vias de maior congestionamento e por onde circulam as linhas do programa de transporte coletivo local, com cerca de 31 km de extensão.

Ao promover a melhoria da mobilidade urbana na região metropolitana da Grande Vitória, o novo sistema de transporte deverá reduzir o tempo de deslocamento do sistema de transporte coletivo, melhorando a qualidade de vida do cidadão.

Haverá ainda um impacto ambiental positivo, com redução da emissão de gases e da poluição sonora e visual na área de influência do projeto, e espera-se, também, uma redução dos acidentes nas principais vias do entorno do projeto, fruto da organização do tráfego e de uma gestão mais eficiente do trânsito.

Fonte: BNDES


READ MORE - BNDES apoia implantação do Sistema BRT no Espírito Santo

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960