Em Maceió, Usuários de ônibus são prejudicados com paralisações dos motoristas

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Em mais uma ação para chamar a atenção dos donos de empresas de ônibus, motoristas e cobradores de transportes coletivos em Maceió paralisaram as atividades no final da manhã desta segunda-feira, dia 9. Além de pararem de rodar, os manifestantes bloqueiam o trânsito em pontos estratégicos do Centro e prejudicam ainda mais o trânsito constantemente complicado da região.

Diversos usuários estão sendo prejudicados com a paralisação que, segundo o Sindicato dos Rodoviários de Alagoas (Sinttro/AL), se concentra em seis pontos da capital: Avenida da Paz, Rua Barão de Atalaia, no Jacintinho, Centenário, Rua do Comércio e cruzamento do bairro da Cambona.

Além de paralisarem as atividades, os coletivos bloqueiam o trânsito nas principais vias de acesso, o que já provoca congestionamentos em diversos bairros da cidade.

Segundo do secretário geral do Sinttro, Ronaldo Leopoldino, os rodoviários apenas retomarão as atividades após serem recebidos por representantes do sindicato patronal e assinado um documento onde os empresários se responsabilizam a pagar o valor de R$ 280,00 de ticket alimentação – segundo o sindicato o valor repassado foi de R$ 250,00 - e ainda o plano de saúde da categoria.

“Estávamos com uma greve prevista para este final de semana e fomos impedidos pela Justiça. Por isso, nós vamos realizar protestos até que o problema seja resolvido”, explicou o sindicalista.

Equipes da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) estão no Centro de Maceió tentando disciplinar o trânsito caótico na região. “Estamos tentando negociar com o sindicato a liberação das vias na região, uma vez que além de prejudicar os usuários de transporte coletivo, eles estão prejudicando o fluxo de outros pelas principais ruas da região”, explicou o major Eraldo Correia.



READ MORE - Em Maceió, Usuários de ônibus são prejudicados com paralisações dos motoristas

Ipea aponta Lei da Mobilidade Urbana como 'conquista'

Um estudo divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostra que a nova Lei da Política Nacional de Mobilidade Urbana, sancionada no último dia 3 pela presidente Dilma Rousseff, pode ser considerada uma conquista da sociedade do ponto de vista "institucional", mas depende de engajamento político dos gestores municipais para garantir os seus efeitos. As novas regras priorizam o transporte público e coletivo sobre o individual, mas não entrarão em vigor até a Copa do Mundo de 2014, porque os municípios têm prazo até 2015 para se adequarem a elas.

A nova lei exige que os municípios com população acima de 20 mil habitantes elaborem planos de mobilidade urbana, a serem revistos a cada dez anos. Pela regra atual, essa obrigação é imposta apenas aos municípios com mais de 500 mil habitantes. Com isso, o número de cidades brasileiras obrigadas a traçarem políticas públicas de mobilidade urbana sobe de 38 para 1.663 municípios. As cidades que não cumprirem essa determinação serão penalizadas com a suspensão dos repasses federais destinados às políticas de mobilidade urbana.

Os autores do estudo salientam que caberá aos prefeitos, vereadores e demais gestores municipais regulamentar a lei e adequá-la à realidade de cada município. Eles alertam para a necessidade de que a lei efetivamente saia do papel, em face do atual modelo de mobilidade urbana que "caminha para a insustentabilidade". Apontam como falhas deste modelo a baixa prioridade e inadequação da oferta do transporte coletivo, o uso intensivo de automóveis - que favorece congestionamentos e a poluição do ar - e a carência de investimentos públicos no setor.

Na visão dos técnicos do Ipea, um dos principais avanços da nova lei é garantir fundamento legal para que os municípios implantem políticas de taxação (novos tributos) para priorizar modos de transporte mais sustentáveis e coletivos, como pedágios urbanos e cobrança de estacionamento nas vias públicas. Um dos alvos dessa cobrança, segundo o Ipea, seriam os "beneficiários indiretos" do transporte público, como empresas que o utilizam indiretamente para o deslocamento de funcionários e clientes, por exemplo.



Informações do Estadão




READ MORE - Ipea aponta Lei da Mobilidade Urbana como 'conquista'

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960