Conheça as 10 obras da Copa que modificarão o trânsito de Porto Alegre

sábado, 17 de dezembro de 2011

O que cinco partidas de futebol são capazes de fazer por uma cidade? Captação de turistas, festa nas ruas e a presença de alguns dos principais astros do futebol mundial? No caso de Porto Alegre, os jogos da Copa de 2014 irão muito além disso. Serão responsáveis por transformar a cidade em um canteiro de obras e gerar 10 ações que mudarão para sempre o trânsito da capital dos gaúchos.

E não tem mais volta. Todos os projetos já estão com contrato assinado e devem ficar prontos até o final de 2013. A execução das obras será de responsabilidade da prefeitura, que garantiu por empréstimo a verba de R$ 560 milhões junto à Caixa Federal. Em um primeiro momento, o corpo técnico detectou mais de 200 pontos com problemas na malha viária de Porto Alegre. Mais tarde, o número caiu para 50 e, depois de muita negociação, a cidade chegou a um número de 10 obras essenciais.

Confira abaixo quais as obras que prometem melhorar o trânsito de Porto Alegre:

1 – Duplicação da Avenida Tronco
Um dos principais projetos de mobilidade urbana de Porto Alegre para a Copa, a duplicação da Avenida Tronco foi uma exigência da Fifa para a realização dos jogos na capital gaúcha. Isso porque a entidade bloqueará todas as ruas inseridas em um raio de dois quilômetros do estádio seis horas antes e seis horas depois dos jogos, o que comprometeria a ligação entre as zonas Sul e Norte da cidade.


Com a duplicação de 5,3 quilômetros da avenida, que passará a contar com ciclovia e corredor de ônibus, a via absorverá o tráfego de veículos que normalmente utilizariam as avenidas Edvaldo Pereira Paiva e Padre Cacique. “Essa será a principal válvula de escape em dia de jogos no Beira-Rio. E, depois da Copa, ficará de herança para a população”, explica o arquiteto Ernani Borges, coordenador do projeto.

A prefeitura já abriu licitação dos trechos 3 e 4 das obras, que custarão R$ 140 milhões no total. Os projetos dos demais trechos devem ser licitados até o final do mês. O principal entrave para o início dos trabalhos é a remoção de cerca de 1,4 mil famílias que moram atualmente na Vila Cruzeiro do Sul. São aproximadamente 6 mil pessoas que terão de deixar suas casas, localizadas no leito da avenida. A prefeitura garante que todos receberão novas moradias na região onde moram.

2 – Duplicação da Avenida Edvaldo Pereira Paiva (Beira-Rio)
Talvez seja o projeto para a Copa mais antigo de Porto Alegre. E também um dos mais importantes, pois a avenida é a principal ligação entre o Centro e o Estádio Beira-Rio, palco dos jogos. Os 5,8 quilômetros da Usina do Gasômetro até o viaduto da Pinheiro Borda ganharão três faixas em cada sentido, que desafogarão o trânsito e darão acesso rápido à Zona Sul. Estão previstos ainda corredor de ônibus na Avenida Padre Cacique, ponte sobre o Arroio Dilúvio e viaduto no cruzamento da Pinheiro Borda e Padre Cacique.


As obras, que foram divididas em quatro trechos, custarão R$ 97 milhões. Operários já trabalham nos dois primeiros trechos, que vão da rótula da Avenida Aureliano, passam pela Avenida Ipiranga e avançam 800 metros em direção ao Beira-Rio. O trecho 3 (da Pinheiro Borba até as imediações do estádio) está em processo licitatório, assim como a construção da ponte sobre o Dilúvio. O projeto do trecho 4, que vai da rótula da Aureliano até a rótula da Usina do Gasômetro, deve ter edital publicado até janeiro.

3 – Obras especiais na Terceira Perimetral
Concluída em 2006 com a missão de ser uma ligação rápida entre as zonas Sul e Norte da cidade, a Terceira Perimetral jamais cumpriu com seu objetivo. Uma série de intersecções previstas no projeto inicial acabaram não saindo do papel por falta de recursos. Resultado: trânsito lento e congestionamentos constantes mesmo fora dos horários de pico. Com as obras da Copa, esses problemas devem ser solucionados.


Ao custo de R$ 120,4 milhões, a maior via de Porto Alegre receberá cinco obras ao longo dos seus 12,3 quilômetros de extensão. Serão três passagens subterrâneas (no cruzamento das avenidas Ceará com Farrapos, Cristóvão Colombo com Dom Pedro II e Anita Garibaldi com Carlos Gomes) e dois viadutos (nos cruzamentos com as avenidas Plínio Brasil Milano e Bento Gonçalves). O edital da obra na Anita Garibaldi já foi publicado, enquanto os demais devem sair até janeiro de 2012.

4 – Duplicação da Rua Voluntários da Pátria
Parte importante do projeto de revitalização do Quarto Distrito e do Bairro Humaitá, a Rua Voluntários da Pátria terá 3,5 quilômetros de extensão duplicados, entre a Rua da Conceição e a Avenida Sertório. A via terá três faixas de trânsito em cada sentido, uma delas exclusiva para ônibus, além de ciclovia, canteiro central e calçadas laterais. Um terminal de ônibus também será erguido junto à estação São Padro da Trensurb.


As mudanças prometem tornar mais ágil o fluxo na região central de Porto Alegre, qualificando a ligação entre a BR-448 (Rodovia do Parque), Arena do Grêmio, Aeroporto Salgado Filho, Rodoviária, Centro e o Estádio Beira-Rio, além de aliviar as já saturadas avenidas Farrapos e Castelo Branco. O edital do primeiro trecho, entre as ruas Conceição e Ramiro Barcelos, já foi publicado. O segundo, que vai até a Sertório, deve abrir concorrência em janeiro. Serão gastos R$ 30 milhões no projeto.

5 – Complexo da Rodoviária
As obras no entorno da Rodoviária de Porto Alegre prometem aliviar o congestionamento histórico na região, causado pelo grande fluxo de veículos e pela constante disputa por espaço entre carros particulares e ônibus. O projeto consiste na construção de um viaduto sobre a Rua da Conceição, ligando a Avenida Júlio de Castilhos à Castelo Branco, e de um terminal de ônibus no canteiro central, com acesso subterrâneo.


O aviso de concorrência pública para a construção do viaduto foi lançado no final de outubro. Já o projeto da estação de ônibus está em fase de conclusão, com licitação prevista para janeiro. De acordo com o cronograma da prefeitura, as obras devem iniciar em março de 2012, com conclusão prevista para setembro do ano seguinte. O custo total do projeto é de R$ 22 milhões.
 

6 – Prolongamento da Avenida Severo Dullius
De todos os projetos de mobilidade urbana em Porto Alegre, o prolongamento da Avenida Severo Dullius é o mais adiantado. As obras no primeiro trecho, na Rua Dona Alzira, devem ser concluídas até o final do ano, segundo a prefeitura. O edital de licitação da segunda parte da obra virá a público em janeiro de 2012. A entrega da via, com custo de R$ 40,8 milhões, está prevista para outubro de 2013.


A Severo Dullius ganhará mais 2,4 quilômetros de extensão, que devem facilitar a ligação entre a zona Norte e o Aeroporto Salgado Filho. Serão três pistas em cada sentido, com canteiro central, passeios laterais, iluminação e mobiliário urbano, além de um anel viário no entorno do aeroporto e canalização de esgoto pluvial. O projeto faz parte do plano de expansão do Salgado Filho apresentado pela Infraero.

7 – Corredor BRT da Protásio Alves
Três importantes avenidas de Porto Alegre passarão por obras para abrigarem os corredores BRT (Bus Rapid Transit), sigla em inglês para Trânsito Rápido de Ônibus. Segundo a prefeitura, trata-se de uma rede de transporte coletivo moderno, rápido e capaz de atender a uma grande quantidade de passageiros. O sistema foi adotado em cidades como Curitiba, Bogotá e Los Angeles, entre outras.


Na Protásio Alves, o corredor BRT terá 7,5 quilômetros de extensão, todo pavimentado com placas de concreto. Ao longo dele, 11 estações serão adaptadas para receber o sistema, com plataformas de embarque/desembarque no mesmo nível dos veículos articulados e com bilhetagem externa. Parte da obras, que custarão R$ 55,8 milhões e incluem a construção de um terminal na Manoel Elias, já estão em processo de licitação.

8 – Corredor BRT da Bento Gonçalves
O corredor BRT da Avenida Bento Gonçalves terá 6,5 quilômetros de extensão. Ao longo dele, serão instaladas 12 estações, além da construção de dois terminais, nas avenidas Azenha e Antônio de Carvalho. Esses terminais, situados nas pontas da rede, são chamados de “portais” e serão compostos por prédios com estacionamento, bicicletário e outros serviços. A substituição do corredor já entrou em licitação.


Com o projeto BRT, a prefeitura pretende reduzir a média de 33 mil ônibus que se deslocam ao centro diariamente. A ideia é que os passageiros procedentes dos bairros de Porto Alegre e da Região Metropolitana alcancem os portais ou o Terminal Triângulo e a partir deles embarquem na rede rumo ao seu destino. Mesmo que tomem vários ônibus, os clientes pagarão apenas uma passagem, desde que não saiam das estações.

9 – Corredor BRT da João Pessoa
Com a inclusão do projeto do Metrô de Porto Alegre na segunda versão do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) do governo federal, o corredor BRT da Avenida Assil Brasil foi excluído do “pacote da Copa” e deu lugar a outro, na Avenida João Pessoa. Serão 4,4 quilômetros de corredor, que fará a ligação entre o BRT da Bento Gonçalves e o Centro. As obras custarão R$ 32,5 milhões, e o processo de concorrência pública deve ser aberto até janeiro.


10 – Monitoramento Operacional dos corredores
Além das ações de melhoria em ruas e avenidas e no sistema de transporte público, Porto Alegre adotará um centro de monitoramento em tempo real do tráfego nos corredores de ônibus da Avenida Tronco, da Avenida Padre Cacique e da Terceira Perimetral. Serão investidos R$ 14,4 milhões na implementação do projeto, que está em fase final de elaboração e deve começar a operar a partir de janeiro de 2014.


Com a ajuda da tecnologia, técnicos da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) poderão controlar os semáforos conforme as necessidades do tráfego. As estações e o interior dos veículos serão monitorados por circuito interno de TV, que permitirá avaliar o grau de lotação de ambos. As imagens chegarão ao centro de controle através de fibras ópticas ou antenas de micro-ondas. Painéis eletrônicos em cada estação informarão os passageiros sobre a previsão de chegada dos coletivos.


Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook

Informações: G1 RS
READ MORE - Conheça as 10 obras da Copa que modificarão o trânsito de Porto Alegre

Faixa exclusiva para ônibus na avenida Presidente Antônio Carlos e rua Primeiro de Março no centro do Rio entra em operação

O primeiro corredor preferencial para ônibus, o BRS (Bus Rapid System), no centro do Rio de Janeiro, começa a funcionar neste sábado (17). A faixa exclusiva vai abranger a avenida Presidente Antônio Carlos e a rua Primeiro de Março. Assim como já foi feito na zona sul, o objetivo é organizar e aliviar um dos trajetos mais engarrafados do centro.

Segundo o secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão, responsável pelo projeto BRS, a pintura das faixas preferenciais (de cor azul) e a sinalização vertical já estão concluídas.

- Vamos implantar o novo corredor, como aconteceu com os da zona sul, melhorar o trânsito, reorganizar os pontos de parada, sem deixar de atender os passageiros que dependem do transporte público nessa área vital da cidade.

Ainda de acordo com Sansão, a frota na Presidente Antônio Carlos e na Primeiro de Março deve ser reduzida em 15%, o equivalente a cerca de 50 ônibus a menos.
- Com as mudanças, a quantidade de paradas cai pela metade.

A partir de sábado, 71 linhas circularão pelo corredor de 1,2 km de extensão e os pontos serão organizados da seguinte forma: BRS 1, BRS 2, BRS 3, BRS 4 e BRS 5. A redução da frota em 15% aumentará a velocidade operacional dos ônibus. Ao todo, oito linhas terão os trajetos modificados.

A faixa azul será implantada na pista lateral da avenida Presidente Antônio Carlos e na rua Primeiro de Março. Haverá pontos seletivos na Antônio Carlos (pistas lateral e central), na rua Primeiro de Março e na avenida Beira-Mar.

Os pontos de parada das linhas intermunicipais estarão localizados nas vias transversais. Estas linhas não farão paradas ao longo do BRS.

Desde o início do mês, a prefeitura realiza um trabalho de informação ao público com distribuição de material impresso e presença de promotores nos pontos e nas principais empresas da região.


Fonte: R7.com





READ MORE - Faixa exclusiva para ônibus na avenida Presidente Antônio Carlos e rua Primeiro de Março no centro do Rio entra em operação

Azulão e novo Expresso mudam paisagem da cidade

O transporte coletivo mudou a paisagem de Curitiba em 2011. As canaletas do Expresso, onde há 40 anos circulam ônibus vermelhos, ganharam também a cor azul, nos eixos Boqueirão e Linha Verde. O Expresso vermelho ganhou um novo design, moderno e futurista, no eixo Centenário-Campo Comprido e Pinhais-Rui Barbosa. No total, 557 ônibus de todas as linhas, portanto de várias cores, ganharam também um novo design.

2011 foi o ano do lançamento mundial, em Curitiba, do maior ônibus do mundo, com 28 metros de comprimento. O novo ônibus, moderno, confortável com janelas panorâmicas e cor azul, estreou mundialmente em Curitiba fazendo a linha Ligeirão nos eixos Linha Verde e Boqueirão.

Com ele, o sistema Ligeirão ampliou em 47% a oferta de vagas – a capacidade em cada ônibus passou de 170 para 250 passageiros. Os curitibanos que se deslocam entre o Boqueirão e o Centro e entre o Pinherinho e o Centro também passaram a ter opção de fazer o mesmo trajeto com menos tempo de viagem – 15 minutos a menos no caso do Boqueirão e 10 minutos a menos no caso do Pinheirinho.

O Ligeirão azul passou a ser o modelo de toda a frota de 184 ônibus biarticulados do sistema Expresso. Agora, a cada renovação de frota o biarticulado virá no mesmo padrão, mantendo apenas a cor vermelho Ferrari.

Amplos, com motor Volvo e carrocerias Neobus, os novos biarticulados curitibanos – tanto os ligeirões azuis quanto os expressos vermelhos – estão totalmente adequados às normas mais recentes de acessibilidade e possuem painel multiplex, que facilita e dá mais segurança às operações do motorista.

O ônibus tem um botão que acionado pelo passageiro, vai alertar o motorista, no painel, de que há cadeirante desembarcando. Só neste ano 45 novos biarticulados entraram na frota, sendo 24 ligeirões e 21 expressos vermelhos.

O maior ônibus do mundo não foi a única novidade no transporte coletivo neste ano. Praticamente 30% da frota operante (1.915 ônibus) foi renovada, com a entrada em operação de 557 veículos novos, com o mesmo design dos biarticulados novos, motor Euro III que faz a queima completa do combustível reduzindo emissões de poluentes e GPS.

O passageiro do transporte coletivo também foi surpreendido, em vários momentos, com duas novidades testadas pela Urbs, empresa responsável pelo transporte coletivo e comercial da cidade: a TV Bus e as câmeras de monitoramento em estações tubo, terminais e ônibus.

No caso da TV Bus, o teste foi feito nos meses de agosto e setembro para definição de tecnologia a ser adotada, com licitação para a prestação do serviço prevista para início do próximo ano. A chamada mídia embarcada vai permitir não só a veiculação de publicidade como de informações e avisos de utilidade pública.
As câmeras de monitoramento estarão em teste até o fim de janeiro e a idéia é definir a melhor tecnologia a ser utilizada pelas empresas de transporte. A intenção é ter câmeras em todo o sistema – estações tubo, terminais e ônibus – garantindo maior segurança a usuários, motoristas e cobradores, inibindo andalismo e invasões.

A Rede Integrada de Transporte atende Curitiba e 13 municípios da Região e registra, por dia 2,3 milhões de passageiros em 350 linhas com 1.915 ônibus. No total, são 81 quilômetros de canaletas, 30 terminais (21 urbanos e nove metropolitanos) e 364 estações tubo. Somados, os ônibus percorrem por dia 500 mil quilômetros em 21 mil viagens.

Confira algumas novidades do transporte coletivo em 2011
Ligeirão – As duas linhas do Ligeirão, Boqueirão e Linha Verde, passaram a ser feitas pelo maior ônibus do mundo, ampliando a capacidade de 170 para 250 passageiros em cada ônibus, um aumento de 47% na oferta de vagas.

As duas linhas, que fazem o deslocamento com menos paradas, atendem atualmente em torno de 50 mil usuários. O Ligeirão Boqueirão faz apenas cinco paradas e o Ligeirão Pinheirinho –Carlos Gomes faz apenas oito paradas. O expresso vermelho Boqueirão faz 19 paradas e o Pinheirinho-Rui Barbosa faz 32.

Novo biarticulado – O maior ônibus do mundo passa a partir de agora a ser o padrão do biarticulado curitibano. Os modelos de ônibus articulados (uma sanforna) e biarticulados (duas sanfonas) foram desenvolvidos inicialmente para Curitiba o que aconteceu também no caso do mega expresso.

O novo biarticulado já circula na ligação Centenário-Campo Comprido e Pinhais-Rui Barbosa. Além de mais confortável, mais bonito e mais seguro, o novo padrão amplia de 230 para 250 a capacidade dos biarticulados. A frota total de biarticulados de Curitiba é de 184 ônibus.

Biocombustível – Os novos Ligeirões também consolidaram o projeto B100, inédito na América Latina e, até onde se tem notícia também no mundo. O projeto, implantado pela Urbs como piloto em 2009, prevê o abastecimento da frota de Ligeirões exclusivamente com biocombustível.

O projeto, que começou com seis ônibus que consumiam 20 mil litros /mês, agora está em 30 ônibus (24 ligeirões e os seis articulados transferidos para a linha Circular Sul) e 200 mil litros/mês.

O biocombustível é à base de soja e reduz em 50% a emissão de poluentes. Os Ligeirões são a única frota de ônibus a operar regularmente abastecidos apenas com biocombustível, sem adição de óleo mineral, como o diesel.

Hibribus – Curitiba também será a primeira cidade a ter, na frota regular, ônibus híbridos, movidos a energia elétrica e biocombustível. Testados na cidade no ano passado os chamados Hibribus serão fabricados em Curitiba, num projeto da Volvo que prevê investimentos de 200 milhões de dólares.

Serão inicialmente 30 ônibus que vão atender linhas convencionais e de alimentadores. Os testes com o Hibribus no ano passado mostraram uma economia de combustível de 54,68% na média km/l. A projeção anual é de redução de 32 toneladas na emissão de monóxido de carbono; 473 kg de óxido de nitrogênio; e 11,2 kg de material particulado.

Ônibus novos – Neste ano, 557 ônibus foram substituídos - uma renovação de 30% da frrota operante, o que contribui com o meio ambiente, porque os novos ônibus têm motores menos poluentes. A idade média da frota atualmente está em 4,5 anos.
READ MORE - Azulão e novo Expresso mudam paisagem da cidade

Em São Paulo, Projetos que abrem espaço para monotrilho são aprovados

A Câmara Municipal de São Paulo aprovou  na noite desta sexta-feira (16) em segunda discussão os projetos de lei 464/2011 e 475/2011, que abrem espaço no viário urbano para a  implantação do sistema monotrilho da Linha 17-Ouro do Metrô. A obra é prevista no pacote de mobilidade urbana com vistas a preparar a cidade para a Copa do Mundo de 2014. Os textos ainda precisam ser sancionados pelo prefeito Gilberto Kassab (PSD), autor das propostas.

O projeto 464 estipula plano de melhoramentos viários no distrito do Morumbi. O projeto 475 determina melhoramentos viários no complexo de Paraisópolis.
O vereador Aurélio Miguel (PR) encaminhou voto contrário aos dois projetos.

"Isso não transporta a quantidade suficiente de passageiros. Quando as obras forem concluídas, vai estar ultrapassado", afirmou. O vereador também argumentou que o projeto do monotrilho precisa atender a 55 exigências ambientais. "Vai passar dentro de um cemitério", afirmou.

O primeiro texto prevê a construção de um sistema viário entre o Complexo Paraisópolis e a Estação Estádio Morumbi e uma via de ligação entre a Rua Doutor Flávio Américo Maurano e a Praça Roberto Gomes Pedrosa. Segundo a justificativa, essa intervenção integra um sistema viário de maior abrangência, unindo a Marginal Pinheiros, na altura da Ponte João Dias, até a Avenida Eliseu de Almeida. 

O texto do plano de melhoramentos prevê alargamento das ruas Dona Mariquita Julião, Senador Otávio Mangabeira (da Rua Barão de Casabranca até a Engenheiro João Ortiz Monteiro), alargamento da Rua João de Castro Prado (desde a Rua Engenheiro João Ortiz Monteiro até a Praça Alfredo Gomes); e alargamento da Avenida Jules Rimet (desde a Praça Alfredo Gomes até a Praça Roberto Gomes Pedrosa).

O projeto de lei  475 prevê plano de melhoramentos viários no Complexo Paraisópolis, composto de duas vias paralelas, interligadas por acessos de pequena extensão, bolsões de retorno e baias para pontos de ônibus. A via principal contorna o Complexo Paraisópolis e abre espaço, no canteiro central, para o trecho da Linha 17-Ouro do Metrô.

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), assinou no final de julho o contrato para início da construção do monotrilho.  A primeira etapa a ser entregue tem 7,7 km de extensão, entre o Aeroporto de Congonhas e a Estação Morumbi da Linha 9-Esmeralda da CPTM (Osasco-Grajaú).

Ela busca atender a rede hoteleira da região.  A segunda, prevista para terminar em 2015, passará sobre o Rio Pinheiros, chegará ao Estádio do Morumbi e passará pela favela. O terceiro trecho vai de Congonhas à Linha 1–Azul do Metrô.

Investimentos
Para a construção da linha serão investidos R$ 3,1 bilhões. A previsão é que a Linha 17-Ouro tenha aproximadamente 18 km de extensão e 18 estações: Jabaquara, Hospital Sabóia, Cidade Leonor, Vila Babilônia, Vila Paulista, Jardim Aeroporto, Congonhas, Brooklin Paulista, Vereador José Diniz, Água Espraiada, Vila Cordeiro, Chucri Zaidan, Morumbi, Panamby, Paraisópolis, Américo Mourano, Estádio do Morumbi e São Paulo-Morumbi.

As obras serão executadas pelo Consórcio Monotrilho Integração. O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo cassou em 30 de junho a liminar que impedia a finalização do processo licitatório, decisão que permite a assinatura do contrato de execução da obra.

A liminar judicial da 3ª Vara da Fazenda Pública atendia ação civil pública proposta pela Associação Sociedade Amigos da Vila Inah (Saviah), que pedia a suspensão do processo licitatório.



Fonte: G1 SP




READ MORE - Em São Paulo, Projetos que abrem espaço para monotrilho são aprovados

Governo assina projeto do trem de passageiros entre Brasília e Luziânia

Ministros, governadores e dirigentes federais e estaduais se reuniram, na manhã desta quinta-feira (15/12), no auditório do Ministério da Integração, para assinar um acordo de cooperação para o estudo de viabilidade técnica, econômica e ambiental para implantação de uma linha ferroviária para transporte de passageiros entre Brasília e Luziânia.

Além do governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, estiveram presentes o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), representantes do MI, Ministério dos Transportes, Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco). "Esperamos que dessa vez esse projeto saia do papel e entre nos trilhos", resumiu o diretor-superintendente da Sudeco, Marcelo Dourado.

Benefícios à população

Atualmente a ferrovia é utilizada apenas para o transporte de cargas, com a mudança ela poderá beneficiar cerca de 500 mil habitantes que moram na região. Segundo a superintendência da Sudeco, os estudos prévios são peças fundamentais para que ocorra a licitação para outorga da linha. Quando ativa, a linha servirá para desafogar o trânsito do DF e Entorno.

Serão signatários do documento e estarão presentes ao evento o Ministro da Integração Nacional, Fernando Coelho, o Ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Oliveira Passos, o governador do Distrito Federal Agnelo Queiroz, o governador de Goiás Marconi Perillo, o diretor-superintendente da Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste, Marcelo Dourado, o diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) Bernardo Figueiredo e o diretor-geral do Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transportes (Dnit), Jorge Ernesto Pinto Fraxe.


Por Almiro Marcos / Correio Braziliense





READ MORE - Governo assina projeto do trem de passageiros entre Brasília e Luziânia

Edital do Trem de Alta Velocidade sairá em março, diz diretor da ANTT

O novo edital de licitação para o Trem de Alta Velocidade (TAV) será publicado até o dia 10 de março. Com isso, a previsão de realização do leilão será setembro, informou hoje (16) o diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Bernardo Figueiredo. Segundo ele, as audiências públicas devem ser instaladas a partir do dia 10 de janeiro. O TAV ligará as cidades de Campinas (SP), São Paulo e do Rio de Janeiro.

Figueiredo disse que o modelo da licitação já foi fechado no âmbito da agência e que na reunião prevista para a semana que vem com o comitê gestor do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), já deverá ser validado “no modelo consolidado pelos técnicos”.

“Estamos trabalhando com os mesmos elementos do modelo anterior. A diferença é que fracionamos o fluxo de caixa e o financiamento. Não haverá, portanto, nenhum acréscimo da participação pública”, disse o diretor da ANTT. Ele explicou que em um primeiro momento será definida a tecnologia e a operadora do TAV. Só depois serão licitadas as empresas que tocarão as obras de infraestrutura. O governo estima que o custo total da obra será R$ 33 bilhões.

“O fator de risco acabou gerando uma necessidade de orçamento mais folgado por parte das empresas. Por isso, elas apresentaram margem maior [do que a apresentada pelo governo]”, acrescentou, referindo-se a orçamentos que chegaram a R$ 60 bilhões. “Não é que tenha sido um mau orçamento. É que, em ambiente pouco competitivo, é normal que o mercado tente construir um orçamento mais confortável”.

Parte da obra terá a participação de empresas estrangeiras, em função das dificuldades envolvendo tecnologias em regiões por onde o TAV passará, como a subida da Serra das Araras e os grandes túneis que terão de ser construídos no Rio de Janeiro.

“No mercado internacional, há entre 20 e 30 empresas capazes. Nas obras menos complexas, a concorrência certamente será maior”, completou o diretor.



READ MORE - Edital do Trem de Alta Velocidade sairá em março, diz diretor da ANTT

São Paulo: Metrô faz 1º encontro de túneis da Linha 5

O Metrô de São Paulo realizou, nesta quinta-feira, o primeiro encontro de túneis nas obras de expansão da linha 5-Lilás, no trecho entre o poço de serviço Delmiro Sampaio e o túnel de manobras já existente na estação Largo Treze, na zona su.

O encontro completou um túnel de 93 metros, num trecho que liga as estações Largo Treze e Adolfo Pinheiro, ainda em construção.


Informações: Band

READ MORE - São Paulo: Metrô faz 1º encontro de túneis da Linha 5

Em Curitiba, Linha Natal circula com dez ônibus extras

A Linha Natal passará a circular a partir desta terça-feira (13) com um reforço de pelo menos dez ônibus extras, número que, se necessário, poderá chegar a 15 ônibus. O objetivo é atender o maior número de curitibanos e turistas interessados em fazer a rota dos principais pontos da cidade com decoração de Natal.

A Linha Natal, uma parceria da Urbs com o Instituto Municipal de Turismo, é feita com quatro jardineiras decoradas especialmente para fazer o trajeto. A linha funciona entre as 20h e 21h30, com saídas a medida em que o ônibus for lotando. Cada jardineira transporta 36 pessoas sentadas e é proibido viajar em pé.
 
A linha, que começou a circular na sexta-feira (9), vai funcionar até o próximo dia 23, tendo como ponto de saída e chegada a praça Tiradentes, parando em frente à Catedral no mesmo ponto que, de dia, é da Linha Turismo.
 
Desde sexta-feira, cerca de 800 pessoas já fizeram o roteiro com concentração maior na noite desta segunda-feira (12), quando foi necessário incluir três ônibus extras.
 
A partir de agora, os ônibus extras vão ficar estacionados no entorno – na rua Cruz Machado e no Centro Cívico, podendo ser acionados a qualquer momento. Os ônibus extras não têm decoração de Natal, mas fazem o mesmo trajeto, com a mesma tarifa.
 
A tarifa é de R$ 10,00 sendo que crianças com menos de cinco anos não pagam passagem. Não há embarques ao longo do trajeto elaborado pelo Instituto de Turismo, ficando a operação da Linha com a Urbs.
 
O roteiro inclui, a partir da Catedral, na Praça Tiradenetes, o prédio histórico da Universidade Federal do Paraná; Galeria de Luz na Rua XV de Novembro; Paço Municipal; praça Dezenove de Dezembro; setor histórico no Largo da Ordem; Palácio Avenida; Rua 24 Horas; praças Eufrásio Correia e Oswaldo Cruz; sede da Copel; praça da Espanha; Castelo do Batel; praça do Japão; e Associação Comercial e Industrial de Santa Felicidade.
 
Fonte: Prefeitura de Curitiba


READ MORE - Em Curitiba, Linha Natal circula com dez ônibus extras

Pane em trem provoca tumulto e depredações em estações no Rio

Uma pane em um trem que seguia de Santa Cruz para a Central do Brasil, no Rio de Janeiro, ocasionou protestos de passageiros na manhã desta sexta-feira. De acordo com a concessionária SuperVia, por volta das 8h, um grupo ocupou a linha férrea impedindo a circulação dos ramais Japeri e Santa Cruz. O tráfego foi retomado gradativamente a partir das 10h e neste momento é normal.
Foto: Jadson Marques/Futura Press
Conforme a SuperVia, o trem prefixo US 122 teve um problema no sistema da tração e a viagem foi interrompida às 7h53. Os passageiros desembarcaram na estação Oswaldo Cruz e foram orientados a pegar o próximo trem, mas alguns iniciaram o tumulto. A manifestação se estendeu até as estações de Deodoro e Ricardo de Albuquerque.
Na estação Deodoro os passageiros invadiram cabines e depredaram algumas composições. Uma pessoa passou mal e outro caiu na linha férrea depois de descer do trem e ter de caminhar até a plataforma. O Núcleo de Polícia Ferroviária e o batalhão de polícia foram acionados para controlar a confusão.
 
Segundo a concessionária, "a partir das 10h, a circulação foi retomada gradativamente nos ramais afetados e, neste momento, já está com os intervalos normais". A SuperVia informou, ainda, que o trem que apresentou defeito nesta sexta-feira é um dos 49 que serão retirados de circulação nos próximos anos.


Com informações do JB Online.
READ MORE - Pane em trem provoca tumulto e depredações em estações no Rio

São Paulo e França firmam parceria para investir em transporte urbano

O governador Geraldo Alckmin e o primeiro-ministro francês, François Fillon, assinaram na quarta-feira um protocolo de intenções para o estudo e a troca de informações entre São Paulo e França a respeito de mobilidade urbana.

A parceria, entre outros benefícios, abre caminho para o estado pleitear financiamento da Agência Francesa de Desenvolvimento para a construção do Expresso Guarulhos, Linha 13-Jade, que ligará a rede da CPTM ao Aeroporto André Franco Montoro (Cumbica).

Pelo projeto, o Expresso Guarulhos terá um percurso de 11 km, saindo da Estação Engenheiro Goulart, na linha 12-Safira, em direção a Guarulhos. A linha terá duas paradas - no Parque Cecap Zezinho Magalhães e no próprio aeroporto internacional de Guarulhos. A partir da Estação Engenheiro Goulart, os trens da Linha 13-Jade seguirão de maneira compartilhada na Linha 12-Safira até a estação Brás, onde há integração gratuita com o Metrô.

"Nós teremos agora, no dia 20 de dezembro, a abertura do edital para contratação de projeto básico, executivo e funcional. Depois nós teremos os estudos ambientais, todos entregues e concluídos no ano que vem. Em 2012 teremos também a conclusão do projeto básico e executivo, e o lançamento dos editais de obras físicas do Expresso Guarulhos", declarou Alckmin.

Na segunda fase, pós-2014, a Linha 13-Jade compartilhará a via da Linha 12-Safira, entre as estações Engenheiro Goulart e Brás. Assim, os passageiros do aeroporto farão o trajeto Guarulhos-Brás sem transferência.

A abertura dos envelopes para contratação dos projetos básico e executivo está prevista para o dia 20 de dezembro. As obras devem começar no primeiro semestre de 2013 e o investimento será de R$ 1,2 bilhão. Segundo o documento assinado por Alckmin e Fillon, "a parceria atende à política de apoio ao crescimento econômico da Região Metropolitana de São Paulo e contribuirá para o aprimoramento da infraestrutura de transportes, na perspectiva da organização da Copa do Mundo de 2014".

"O presente Protocolo de Intenções tem por objeto a cooperação em matéria de mobilidade urbana, em especial no que tange a financiamentos de apoio às políticas de transporte que poderão ser concedidos pela AFD ao estado", informa outro trecho do acordo.


Fonte: DCI


READ MORE - São Paulo e França firmam parceria para investir em transporte urbano

Capital privado investe 18,5 vezes mais que a União no setor ferroviário

Entre 1997 e 2010, as concessionárias privadas investiram R$ 24 bilhões no setor ferroviário, 18,5 vezes a mais do que o valor aplicado pela União - R$ 1,3 bilhão. Os dados são da Pesquisa CNT de Ferrovias 2011, divulgada ontem na sede da Confederação Nacional do Transporte (CNT), em Brasília. De 2009 para 2010, o investimento das concessionárias cresceu 17,7%, e o realizado pelo governo federal apresentou queda de 8,6%. Segundo o levantamento, as concessionárias investiram em melhoria das vias, aumento da segurança, aquisição de locomotivas e vagões, além da recuperação da frota sucateada - herdada do processo de concessão, ocorrido entre 1996 e 1998. O estudo aponta que a malha ferroviária brasileira carece de investimentos da ordem de R$ 151 bilhões para se modernizar.

Leilão de concessão de aeroportos é marcado para 2012
O leilão para concessão dos aeroportos internacionais de Brasília (DF), Campinas (SP)e Guarulhos (SP) foi marcado para o dia seis de fevereiro de 2012, na Bolsa de Valores de São Paulo. Os valores mínimos estipulados pelo governo foram de R$ 3,4 bilhões para Guarulhos, R$ 1,5 bilhão para Campinas e R$ 582 milhões para Brasília. Poderão participar do leilão empresas brasileiras ou estrangeiras. A concessionária de cada aeroporto deverá concluir as obras para a Copa de 2014 no prazo máximo de 18 meses. Para o aeroporto de Brasília estão previstos R$ 626 milhões em investimentos, para Campinas os investimentos são de R$ 873 milhões e em Guarulhos os investimentos são de R$ 1,3 bilhão. A Infraero continuará operando 63 aeroportos no País.

Informações: DCI

READ MORE - Capital privado investe 18,5 vezes mais que a União no setor ferroviário

Monotrilho divide opiniões no Morumbi

O projeto de construção de um monotrilho na região do Morumbi, na Zona Oeste, divide opiniões. Associações de moradores são contra a iniciativa, alegando que não vai melhorar a mobilidade e causará degradação na área nobre. Mas quem mora na Favela Paraisópolis, por outro lado, considera que será uma boa opção de transporte.

O monotrilho será usado para a Linha 17- Ouro do Metrô e vai ligar o Morumbi até a Estação Jabaquara da Linha 1 - Azul, passando pelo Aeroporto de Congonhas. A linha toda tem a previsão de custo em R$ 3,1 bilhões.

O trecho terá aproximadamente 18 quilômetros de extensão e 18 estações: Jabaquara, Hospital Saboia, Cidade Leonor, Vila Babilônia, Vila Paulista, Jardim Aeroporto, Congonhas, Brooklin Paulista, Vereador José Diniz, Água Espraiada, Vila Cordeiro, Chucri Zaidan, Morumbi, Panamby, Paraisópolis, Américo Mourano, Estádio do Morumbi e São Paulo-Morumbi.

Na noite de quarta-feira, a Câmara Municipal aprovou em primeira votação os projetos de lei 464/2011 e 475/2011, que viabilizam a implantação do sistema monotrilho. A obra é prevista no pacote de mobilidade urbana com o objetivo de preparar a metrópole para a Copa do Mundo de 2014.

Os dois projetos ainda precisam passar por segunda votação antes de serem sancionados pelo prefeito Gilberto Kassab (PSD), que foi o autor das propostas. O Projeto de Lei 464 estipula plano de melhoramentos viários no Morumbi. O Projeto de Lei 475 determina melhoramentos viários no complexo de Paraisópolis.
subterrâneo /Associação dos Moradores do Jardim Sul é contra o projeto. “Com o dinheiro que será gasto, seria melhor construir um metrô subterrâneo, sem agredir as vias da região. O monotrilho não resolverá o problema da mobilidade e deixará danos irreversíveis no aspecto urbanístico”, afirmou a presidente da entidade, a pedagoga Rosa Richiter.

A Saviah (Sociedade dos Amigos da Vila Inah) também é contrária ao projeto por vários motivos: custo de implantação superior ao projetado; tecnologia ultrapassada; não atende à alta demanda; causará degradação e danos à região.

Moradores da Favela Paraisópolis, entretanto, são favoráveis à nova modalidade de deslocamento. “Não importa se o metrô será por baixo ou por cima, o que interessa é ter mais opção de transporte público”, disse o motorista Célio dos Santos, de 29 anos. “Ficará mais rápido para ir ao Centro”, ressaltou o ajudante Paulo Silva, de 28.




READ MORE - Monotrilho divide opiniões no Morumbi

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960