VLT é deficitário e não facilita trânsito caótico de Maceió

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Quando se anunciou a vinda de um VLT, pareceu coisa do outro mundo. As pessoas imaginaram um super metrô de superfície, ágil como um trem bala japonês, seguro como uma aeronave guardada no angar, rodando sobre trilhos novinhos, parando em estações modernas e confortáveis. O Veículo Leve sobre Trilho trouxe esperança de dias melhores no trânsito atribulado de Maceió. A população seria altamente beneficiada com transporte coletivo rápido, seguro e barato. A realidade, porém, é outra.

O VLT chegou, já está circulando comercialmente, e o que mudou, no trânsito de Maceió, foi absolutamente nada. Primeiro, as pessoas se deram conta de que os comboios praticamente não atendem à população maceioense, mas aos moradores de Rio Largo (por enquanto os de Satuba) que trabalham na capital.

Serviriam, em parte, ao maceioense se ao menos fizessem o ramal entre a Estação Central, próximo à Praça dos Palmares, e o Maceió Shopping, na Zona Norte. Mas, se para chegar aonde chegou, foi todo um drama, imagine-se para ir adiante.

O que se questiona, hoje, é quanto custou o VLT e se valeu a pena um investimento de grande porte para atender a uma pequena parcela de usuários. Foram R$ 180 milhões que, transformados em composições, transportam 3.000 passageiros/ dia.
O gerente operacional da CBTU/AL, Flávio Tenório, explica que o VLT está atendendo usuários de Maceió e Satuba por conta das obras que estão sendo feitas no município de Rio Largo. “São obras de reestruturação da nossa malha, estações novas: Gustavo Paiva e Lourenço de Albuquerque, troca de todos os trilhos e dormentes”. A expectativa é que em janeiro de 2012 o trecho Maceió – Rio Largo já esteja em operação.

Atualmente, o VLT sequer consegue atender a demanda em horário de pico, em especial no distrito de Fernão Velho onde há cerca de 900 passageiros, fazendo-se necessária a utilização do antigo trem. “Queremos aumentar essa grade para adentrar o VLT nessa grade de pico, que hoje a gente não atende. A composição do VLT consegue comportar até 510 pessoas”.

Segundo o gerente estão sendo ofertados novos cruzamentos, que já estão sendo licitados, para que aumente o número de viagens e assim consiga se diminuir o tempo de espera entre uma viagem e outra, cujo intervalo é de uma hora. “No horário de pico a gente quer o intervalo entre as viagens de apenas 15 minutos. Vamos ofertar cruzamentos e isso vai permitir que a gente tenha fluxo nos dois sentidos e facilitar o nosso dia a dia”.

O VLT está operando com dois comboios e o terceiro já está em fase de teste para que seja liberado esta semana. “O nosso usuário tem conservado o nosso VLT, não percebemos qualquer vandalismo ou sujeira. E também as limitações ao uso de transporte de mercadorias. Está tudo a contento”.

Flávio garante que o total da verba ainda não foi utilizado e que até agora o que foi gasto gira em torno de R$ 100 milhões. “Estamos em processo de execução e quando concluído, aí sim, poderemos falar que foram gastos os R$180 milhões. O VLT é nosso, está garantido e até junho de 2012 estaremos recebendo todas as composições”.

Especialista diz que VLT é deficitário e prevê colapso no trânsito de Maceió

O professor de planejamento de transporte público da Universidade Federal de Alagoas, Alberto Rostand Lanverly, diz que o grande problema do VLT é que esse tipo de transporte deve ter densidade de malha, ou seja, poder atingir os bairros, ruas, todos os ambientes. “Aí sim você teria demanda, volume de usuários, para pagar o transporte”.

Alberto Rostand explica que o Brasil não investe, não subsidia transporte e aí quem paga o transporte é o usuário. Ele observa que a implementação de tudo que é novo e moderno é muito bom no início. “Com o VLT atendendo Rio Largo até o centro de Maceió, seu investimento não vai ser pago porque você vai ter poucos usuários”. 

Para que o transporte seja pago é necessário que haja 10 mil passageiros hora-sentido. A técnica diz que até 10 mil passageiros hora-sentido o transporte mais indicado é o ônibus. “Acima de 10 mil é que se pensa em outro tipo de transporte”.

Soluções?
O que falta para solucionar os problemas de transporte e trânsito em Maceió? Profissionais preparados. “As cabeças pensantes pensam no hoje, no assar e comer. Não se pensa no médio, muito menos no longo prazo”, afirma Rostand.

Segundo ele, só se pode investir em mais ônibus quando se resolver o problema da Fernandes Lima, já que é preciso ter vias de auxílio. “Aí sim passa a investir em mais ônibus para atender a população”. 

Além disso, é necessário que haja uma fiscalização mais efetiva: quantas pessoas sobem, quantas descem, quantas pagam, qual o nível de evasão e outros. “Pelo que me consta na atualidade a fiscalização é feita mais pelo próprio setor (através da Transpal, entidade dos empresários) do que pelo próprio poder concedente que é prefeitura”. 

Em Maceió atualmente existem cerca de 600 ônibus rodando para atender a população. “Não cabe novos ônibus nas ruas da capital”. O problema da ‘falta de ônibus’ na capital é que os trechos pertencem a uma única empresa. Por exemplo: a empresa Real Alagoas é dona do trecho que faz a Fernandes Lima indo até o Ouro Preto, a empresa São Franiscco é dona do trecho do Bebedouro e assim sucessivamente.

O que falta? Concorrência. “Na minha ótica o correto seria que as empresas fossem autorizadas a rodar no sistema viário de Maceió. E a prefeitura, poder concedente, diria que necessitava de tantos ônibus e cada empresa disponibilizaria os de sua frota. E aí o passageiro escolheria a empresa que tivesse mais conforto, higiene e que cumprisse o horário. Aqui não existe concorrência. Por isso, o transporte alternativo cresce tanto: é que o usuário vive à mercê de certas empresas de ônibus”, aduz o especialista.

Situação crítica

E acrescenta: “No curto prazo não se corrige Maceió e olhe lá se no médio prazo se corrige. E se continuar como está, grosseiramente falando, a cidade para daqui a alguns anos. Enquanto não se levar o transporte público como ciência, pode ter certeza de que vamos ter problema para a geração que vem. Eu vejo a situação crítica senão se pensar Maceió para a próxima década” adverte Alberto Rostand Lanverly.

Para usuários de ônibus de Maceió, o VLT terá pouca ou nenhuma valia, vez que continuará fazendo o mesmo percurso dos velhos trens da CBTU, ou seja, trazendo e levando passageiros que vivem em Rio Largo ou mesmo Satuba. “Serviria à população maceioense se cortasse a capital ou se ao menos chegasse a Mangabeiras, transportando gente do Centro para o Maceió Shopping”, opinou o corretor Edvaldo A. Cardoso.


READ MORE - VLT é deficitário e não facilita trânsito caótico de Maceió

Marcopolo conquista Prêmio Autodata como melhor fabricante de carrocerias de ônibus do Brasil


Modelos Novos

A Marcopolo conquistou o Prêmio AutoData 2011 na categoria Encarroçador de Ônibus, pelo excelente desempenho alcançado nos últimos anos, sobretudo em 2010, quando registrou receita líquida e volume de produção recordes. O evento foi realizado no auditório da Universidade Senac, em São Paulo, e contou com a presença de mais de 450 executivos da indústria automotiva. 
 
A premiação foi recebida pelo gerente de Estratégia e Marketing, Walter Cruz. A conquista destacou também o programa de investimentos da empresa – R$ 300 milhões, de 2011 a 2015 –, a contínua ampliação da capacidade produtiva em suas plantas em todo o mundo, com destaque para as fábricas brasileiras, e a formação de mão de obra qualificada, outro fator essencial para elevação da produtividade e competitividade internacional da companhia.
 
“A conquista deste prêmio é resultado das ações da Marcopolo no fortalecimento de suas operações no Brasil e no exterior, para estar cada vez mais próxima dos clientes e parceiros, e também manter sempre motivados e satisfeitos todos os seus colaboradores, responsáveis pelo padrão de qualidade e imagem superiores dos nossos ônibus”, destacou o executivo.
 
Promovido pela AutoData Editora, o prêmio é um reconhecimento às empresas, produtos e profissionais do setor que mais se destacaram ao longo do ano na busca de objetivos determinados, inovações, tecnologia e produtividade. Concorreram ao prêmio 70 cases, divididos em 18 categorias.

Fonte: Segs

READ MORE - Marcopolo conquista Prêmio Autodata como melhor fabricante de carrocerias de ônibus do Brasil

Na Grande Porto Alegre, Avenida Flores da Cunha em Cachoeirinha, terá um corredor de ônibus

Toda a discussão em torno do Plano Setorial da Avenida Flores da Cunha, que derrubou a possibilidade de haver um corredor de ônibus, caiu por terra na última segunda-feira (21) quando a secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã do Estado apresentou o projeto à diretoria de Mobilidade do Ministério das Cidades criando os corredores metropolitanos. O projeto foi elaborado pelo governo do Estado e faz parte da complementação da obra do metrô em Porto Alegre. 

Gravataí terá 8,8 quilômetros de corredor e Cachoeirinha, 4,6. Esse corredor será ligado ao da Assis Brasil, numa extensão de dois quilômetros, da ponte até a estação do metrô nas proximidades da Fiergs. O investimento total na Região Metropolitana será de R$ 317,7 milhões e caberá aos municípios R$ 35,3 milhões. . Motoristas, contudo, vão passar novamente por transtornos com obras de preparação da pista exclusiva para os ônibus.

A proposta de um corredor de ônibus na Flores a Cunha não é nova. Há alguns anos foi apresentado o projeto da Linha Rápida, do Governo do Estado. A terceira ponte construída no acesso à cidade faz parte deste projeto.

Na época, entidades empresariais e comerciantes foram contra temendo haver prejuízos enormes para o comércio como ocorrer nas regiões onde corredores foram construídos em Porto Alegre. Durante o projeto do Plano Setorial da Flores da Cunha, essa possibilidade foi apresentada e descartada nas audiências púbilicas por uma posição contrária dos empresários. Desta vez, a determinação vem de cima e como faz parte do projeto do metrô será muito difícil impedir a construção. 

O projeto será apresentado em audiências públicas em dezembro nas cidades de Cachoeirinha, Gravataí, Alborada, Viamão, São Leopoldo, Cachoeirinha, Novo Hamburgo, Sapucaia do Sul e Esteio.



READ MORE - Na Grande Porto Alegre, Avenida Flores da Cunha em Cachoeirinha, terá um corredor de ônibus

Promotores reprovam conduta para instalação do VLT em Cuiabá

Promotores do Ministério Público de Mato Grosso, Clóvis de Almeida Júnior e Domingos Sávio reprovam a maneira como o Governo de Mato Grosso tem se movimentado em relação à construção do VLT em Cuiabá e Várzea Grande para a Copa do Mundo de 2014. 

A construção do VLT em Cuiabá e Várzea Grande virou assunto nacional nesta semana, após denúncia do jornal O Estado de São Paulo, que acusa o Ministério das Cidades de fraudar documentação para a construção do VLT em restrição ao BRT.

De acordo com o jornal, o Ministério enviou o "parecer técnico" favorável ao VLT com o mesmo número de páginas do contrário ao modal, além do documento possuir a mesma numeração oficial (nota 123/2011) do parecer do BRT. Para o promotor Clóvis de Almeida Júnior, o Governo do Estado é o principal responsável pelas denúncias de fraudes em documentações para a aprovação do VLT. “O que interessa é que essa pressa em realizar uma obra causa problemas. O que está acontecendo agora é fruto de todo esse atropelo”. 

Em setembro, durante audiência pública realizada pela Assembleia Legislativa para discutir qual dos dois modais seria o melhor para Mato Grosso, o promotor Domingos Sávio de Arruda declarou que o Executivo estadual precisa priorizar investimentos em outras áreas, antes de efetuar um gasto de R$ 1,2 bilhão no modal de transporte para a Copa do Mundo. 

“Nós, no estado de Mato Grosso, com tantas carências em saúde, segurança pública, educação, moradia, nós não podemos nos dar ao luxo de colocar um sistema dessa natureza em meio a tantos problemas. Nós teríamos uma joia em Cuiabá em meio a um Estado espatifado, falido, sem qualquer obra de cunho social que possa contemplar os reais interesses da sociedade matogrossense como um todo”, disparou o promotor. 

Presidente da Assembleia Legislativa e um dos principais apoiadores do VLT em Mato Grosso, o deputado estadual José Riva (PSD) alega que a necessidade de investimento nas demais áreas públicas não impede o estado de gastar um valor bilionário no transporte urbano da região metropolitana, até porque, segundo o deputado, a diferença de valores entre os dois modais é mínima. 

“Os gastos com infraestrutura urbana seriam os mesmos para BRT ou VLT. Por exemplo, são necessárias obras viárias na Prainha, melhorar a Avenida da FEB. Tudo isso é necessário para implantar um ou outro. O que estão fazendo é incorporar infraestrutura no VLT e não incluí-la no BRT. A diferença não é essa”. 

Em relação às denúncias de fraudes em documentação, o Ministério das Cidades enviou comunicado à imprensa, por meio de nota, garantindo que não existiram irregularidades e que o projeto do VLT foi aprovado em regime colegiado. O Ministro Mário Negromonte afirma que as acusações são fruto da vontade de enfraquecer o governo Dilma Rousseff (PT). O Ministério se comprometeu em abrir sindicância para apurar o caso.





Fonte: André Anelli PnB Online


READ MORE - Promotores reprovam conduta para instalação do VLT em Cuiabá

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960