Curitiba tem mais ciclovias que a soma de São Paulo, Porto Alegre e Belo Horizonte

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Os 120 quilômetros de ciclovias de Curitiba superam a soma da malha cicloviária de três grandes capitais brasileiras: Porto Alegre, São Paulo e Belo Horizonte.  Na infraestrutura para o trânsito de bicicletas, a capital paranaense está à frente de São Paulo, que tem 47,2 km de ciclovias, Belo Horizonte com seus 30 km e Porto Alegre, com 7,8 quilômetros.

Para se chegar a um número equivalente à quilometragem de pistas para bicicletas implantadas em Curitiba é necessário somar as malhas cicloviárias de Porto Alegre, São Paulo e Belo Horizonte e incluir na conta os 36,9 quilômetros existentes em Florianópolis.
O resultado da somatória é 121,9 km de vias para bicicletas considerando o que existe nas capitais gaúcha, paulista, mineira e catarinense, número praticamente igual ao que Curitiba, sozinha, oferece aos seus habitantes. O cálculo leva em conta a malha cicloviária implantada nessas capitais, sem considerar o que está em obras.

Incluindo na conta as ciclovias em obras nessas cidades, Curitiba ainda tem a maior extensão em vias cicláveis na comparação direta entre as capitais. Em Porto Alegre, por exemplo, são 7,8 km de ciclovias implantadas e 9,4 km em implantação até 2012. Em São Paulo existem 47,2 km de ciclovias de uso restrito a bicicletas, 15 quilômetros das chamadas rotas de bicicletas e 45 km de ciclofaixas de lazer que funcionam aos domingos e feriados. Belo Horizonte tem 30 km implantados e 15 km de ciclovias em obras e Florianópolis tem 36,9 km de ciclovias.

Mais 22,5 km - Curitiba tem mais 22,5 quilômetros de infraestrutura cicloviária em implantação. A maior obra de ciclovia em construção no momento está na Avenida Fredolin Wolf, com 7,6 km, nos bairros Santa Felicidade, São João e Pilarzinho. Esta ciclovia compartilhada vai ser ligada à da Avenida Toaldo Túlio, cuja revitalização foi entregue em fevereiro, com 5,5 km de ciclovia. Assim, neste eixo, será possível ir de bicicleta desde a BR 277, no Orleans, até o Pilarzinho, passando por Santa Felicidade.

Já a Urbs lançou edital de licitação para ocupação e exploração de seis bicicletários em diferentes pontos de Curitiba: Parque São Lourenço, Centro Cívico, Santa Quitéria, Carmo, Pinheirinho e Jardim Botânico.

E em janeiro a Prefeitura fará a licitação para implantação de 20 novos paraciclos. O modelo dos estacionamentos públicos de bicicletas foi aprovado pela Associação de Ciclistas do Alto Iguaçu.

Em novembro, a Prefeitura vai começar as obras da primeira ciclofaixa da cidade, na Avenida Marechal Floriano Peixoto. A pista exclusiva para ciclistas, ao lado da canaleta do expresso, terá cor diferenciada, sinalização especial e iluminação.

A ciclofaixa da Marechal vai ligar o Terminal do Carmo ao viaduto da Linha Verde, na antiga BR 116. São 4 km de sentido Bairro/Centro e mais 4 km de sentido Centro/Bairro. No ano que vem, a ciclofaixa será ampliada até a divisa com São José dos Pinhais.

Mais 400 Km - Curitiba tem a segunda maior malha cicloviária rede do País, atrás somente do Rio de Janeiro. Porto Alegre, cidade do porte de Curitiba, tem apenas 7,8 km de ciclovias. A meta de Porto Alegre é chegar a 40 km de ciclovias até a Copa de 2014. Até lá, Curitiba deve ter uma infraestrutura cicloviária de mais de 400 km.

Entre os locais que terão mais ciclovias estão a Linha Verde Norte, que está sendo ampliada do Jardim Botânico ao Atuba. Assim, a Linha Verde completa terá 20 km de ciclovias, do Contorno Sul ao Atuba.

A Avenida das Torres, que será revitalizada para a Copa, ganhará 10 km de ciclovias. O primeiro trecho da Linha Azul do Metrô Curitibano, entre a CIC/Sul e Centro da cidade, também abrirá espaço para bicicletas, já que as canaletas do expresso darão lugar a um parque linear com ciclovia num trecho de 13 km. As 13 estações de embarque e desembarque do metrô terão estacionamentos para bicicletas.
Ao largo das bacias do Barigui, Ribeirão dos Padilhas, Iguaçu, Atuba e Vila Formosa, a prefeitura vai implantar mais 14 quilômetros de ciclovias.

Capilaridade - Os 120 quilômetros da malha cicloviária já implantada em Curitiba conectam a cidade de ponta a ponta. São ligações que vão do bairro Cachoeira, no extremo Norte ao Pinheirinho, no Sul, ou do Capão da Imbuia, no Leste ao Orleans, no Oeste.

Para aumentar ainda mais as conexões cicloviárias, a Prefeitura está construindo novas vias para o trânsito de bicicletas, entre ciclovias, ciclofaixas, e calçadas compartilhadas. Gradativamente a malha cicloviária curitibana está sendo ampliada para atingir, ao longo dos anos, a meta de 400 quilômetros prevista no Plano Diretor Cicloviário.

Uma dessas novas conexões é a ciclofaixa da avenida Marechal Floriano Peixoto, que terá um total de oito quilômetros (4 km em casa sentido), desde viaduto da Linha Verde até a divisa com São José dos Pinhais. O primeiro trecho será iniciado em novembro.

Quem usar a ciclofaixa da Marechal no sentido Centro, por exemplo, poderá acessar também a ciclovia compartilhada da Rua Aluizio Finzetto, seguindo pelas ruas João Negrão, Conselheiro Laurindo, Mariano Torres para chegar à área central. Seguindo adiante, o ciclista poderá ir até a Barreirinha pelas ciclovias já existentes, passando pelo Passeio Público e o Parque São Lourenço.

A ciclofaixa será toda pintada em vermelho, terá sinalização especial e vai separar ciclistas dos motoristas. A outra etapa, da ligação até o limite da cidade com São José dos Pinhais, será feita com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) a Copa.

Mais de 30 km de ciclovias com obras da Copa e Metrô

O Ippuc está projetando ainda a implantação de 10 quilômetros de infraestrutura cicloviária na avenida Comendador Franco (avenida das Torres). As obras integram o pacote de requalificação do Corredor Aeroporto/Rodoferroviária, financiado pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) da Copa 2014.

Previsto no Plano Diretor, o projeto para esse eixo prevê a implantação de infraestrutura cicloviária nos dois lados da avenida das Torres, com sentidos opostos, totalizando 20 quilômetros no trecho até a divisa com São José dos Pinhais.

O primeiro trecho da Linha Azul do Metrô Curitibano, entre a CIC/Sul e Centro da cidade, também abrirá espaço para bicicletas. Parte das canaletas do eixo Pinheirinho/Santa Cândida serão transformadas em ciclovia, num trecho de quase 13 quilômetros.

As 13 estações de embarque e desembarque do metrô terão estacionamentos para bicicletas. Assim, quem estiver pedalando na ciclovia e quiser continuar o deslocamento usando o metrô poderá guardar a “magrela” dentro de uma estação.

O parque linear do Barigui também terá uma ciclovia com cerca de 10 quilômetros, ligando a CIC ao bairro Santo Inácio.

Malha cicloviária nas capitais

Rio de Janeiro - 240 quilômetros de ciclovias.

Curitiba – 120 quilômetros de ciclovias implantadas (22,5 km em construção em 2011); 4 km de Ciclofaixas de Lazer e 43 km projetados, que incluem as obras do eixo Aeroporto/Rodoferroviária e do Metrô Curitibano).

São Paulo – 47,2 km de ciclovias implantadas, 45 km de ciclofaixa de lazer; 15 km de rotas de bicicleta (faixa compartilhada com veículos).

Porto Alegre – 7,8 km de ciclovias implantadas e 9,4 km em construção até 2012.

Florianópolis – 36,9 km de ciclovias implantadas

Belo Horizonte – 30 km de ciclovias implantadas e 10 km em obras.

Vitória – 35 quilômetros implantados e 15 km em obras

Fortaleza – 25 quilômetros

Recife – 21 km de ciclovias

Cuiabá – 1,898 km (1,153 km pavimentados e 745 metros sem pavimentação)

Rio Branco – 60 km

Boa Vista - 21 km

* Fonte: dados fornecidos pelas prefeituras

Vias cicláveis em obras na cidade
Eduardo Pinto da Rocha – 5 km
Ciclofaixa Marechal – 4 km
Fredolin Wolf - 7,6 km de revitalização existente – integra com a Toaldo Túlio (5,5 km de faixa ciclável compartilhada) formando o Eixo Oeste/Norte (13,1 km de pistas para bicicletas)
Linha Verde Norte - 1,8 km
Eixo de Integração CIC/Tatuquara - 1,8 km
Binário Chile Guabirotuba - 2,3 km
Ciclovias em projeto
Avenida das Torres - 20 km (10 km de cada lado da via)
Metrô Curitibano – cerca de 13 km do Pinheirinho ao Centro



Fonte: PMC

Share |
READ MORE - Curitiba tem mais ciclovias que a soma de São Paulo, Porto Alegre e Belo Horizonte

Recife: Prefeitura vai disciplinar carga e descarga de mercadorias nos principais corredores da cidade

O prefeito João da Costa anunciou mais uma etapa do Plano de Ações para o Trânsito do Recife 2011/2012. Ao lado da presidente da Companhia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU), Maria de Pompéia Pessoa e secretários municipais, o gestor divulgou o projeto de uma nova regulamentação para carga e descarga nas ruas do município. A coletiva ocorreu na sala de reuniões do gabinete do prefeito, no 9º andar do edifício-sede da PCR, no Cais do Apolo.

O novo disciplinamento começa a valer a partir de janeiro de 2012. As mudanças na carga e descarga estão estruturadas em quatro pontos fundamentais: operação nos principais corredores de transporte; implantação de Zona Azul para carga e descarga no Centro; disciplinamento no entorno dos mercados públicos; e restrição de circulação de caminhões no Centro e principais corredores de transporte.

Segundo o prefeito João da Costa, a iniciativa visa oferecer uma maior fluidez ao trânsito, restringindo a movimentação de grandes veículos em algumas áreas do Recife. “Vamos iniciar essa operação em janeiro. Esses três meses serão de adequação para os comerciantes e transportadores. Sabemos que essa medida representa um custo e que essas empresas precisarão mudar suas frotas. Até o início da fiscalização, vamos aprofundar as conversas com os representantes como a associação comercial, CDL (Câmara de Dirigentes de Lojistas) e distribuidoras”, reforçou o chefe do executivo municipal.

Ainda de acordo com o prefeito, essa nova regulamentação para carga e descarga também irá refletir na manutenção da cidade, reconhecendo que algumas vias deixarão de sofrer com o tráfego de veículos de grande porte. “Não será um processo fácil e esperamos contar com a população nos auxiliando, mas estaremos preparados para agir e não iremos permitir transgressões”, pontuou. Além da fiscalização dos agentes de trânsito, também haverá reforço através de monitoramento eletrônico feito por câmeras. 


Fonte: Prefeitura do Recife

READ MORE - Recife: Prefeitura vai disciplinar carga e descarga de mercadorias nos principais corredores da cidade

Novo trólebus começa a circular em São Paulo

A Prefeitura da São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Transportes e da SPTrans, apresenta nesta segunda-feira, 24 de outubro, o novo modelo de Trólebus que começa a circular na capital.  O novo carro é totalmente digital, mais econômico e oferece mais conforto aos passageiros. O veículo operará na linha 2290 Terminal São Mateus - Terminal Pq. D. Pedro II.

Outra novidade é que o modelo é totalmente acessível, contando com piso baixo e portas mais largas, melhorando o embarque e desembarque, principalmente para pessoas com dificuldades de locomoção. Além de todas as vantagens de um trólebus, como emissão zero de poluentes, o modelo que começa a operar nesta semana se destaca também pelo nível de ruído, muito baixo, o que colabora com o combate à poluição sonora da cidade.


O novo trólebus foi desenvolvido em uma parceria de quatro empresas. A parte elétrica foi desenvolvida pela Eletra, do grupo da Metra (operadora do Corredor ABD); o motor é da Weg; a carroceria, modelo Millenium, é fabricada pela Caio; e o chassi modelo O 500 é da Mercedes-Benz.

O ônibus elétrico obedece às mais modernas normas de segurança veicular com faixas refletivas instaladas na parte externa, corredores que permitem melhor circulação interna de passageiros, saídas de emergência mais práticas, controles mais modernos de dirigibilidade e espaços especiais para pessoas em cadeiras de rodas e deficientes visuais com cão-guia.

Trólebus na cidade

Circulam em São Paulo 198 trólebus, que percorrem 137 quilômetros de cabos, divididos em 11 linhas, a maioria na zona leste da cidade, transportando 110 mil passageiros por dia. A idade média da frota é de 22 anos, mas parte dela passou por restauração, aumentando sua vida útil.

Em 2009, teve início a renovação da frota dos trólebus em São Paulo: foram incluídos 12 novos veículos. No entanto, houve dificuldades para encontrar fabricantes que pudessem fornecer os veículos dentro das especificações exigidas pela SPTrans para operar na cidade. Com esse novo modelo, a previsão de renovação de 70% da frota está mantida e outros 127 novos trólebus devem entrar em circulação até dezembro de 2012.

Modernização da rede aérea

Outro passo importante para a constante melhora no sistema de trólebus de São Paulo é a modernização da rede aérea, que está sendo contratada junto com a manutenção corretiva e preventiva. Após o término da licitação, a rede passará a ser mantida por uma empresa contratada pela SPTrans. Serão implantados um Centro de Controle Operacional e duas Bases de Manutenção em pontos estratégicos da rede, equipadas com todos os recursos técnicos e humanos necessários para o pronto atendimento e restabelecimento das ocorrências de campo, diminuindo o tempo de atendimento  envolvendo os trólebus. No total, a empresa que vencer a licitação terá que substituir 325 km de fios de contato e suas suspensões, resultando na troca de 162,5 km do total de 201,4 km da rede aérea.

Programa Ecofrota

A Prefeitura de São Paulo está investindo em novas tecnologias veiculares, visando diminuir a emissão de poluentes no ar da Capital oriundos da frota do sistema de transporte público, e os trólebus são uma alternativa ambientalmente mais eficiente.

O Programa Ecofrota, lançado em fevereiro passado, prevê a utilização progressiva de combustíveis limpos na frota de ônibus de São Paulo, em consonância com a Lei de Mudanças do Clima, que preconiza que todo o sistema de transporte público do Município deverá operar com combustível renovável até 2018.

Na ocasião, foi iniciado o abastecimento de 1.280 ônibus com B20, uma mistura que utiliza 20% de biodiesel. Em maio começaram a operar os primeiros 50 ônibus a etanol da frota da Capital.

Todo ônibus que circular com algum tipo de combustível menos poluente recebe um selo da Ecofrota, identificando o tipo de combustível, seja ele etanol, biodiesel, elétrico ou híbrido.

Assessoria de Imprensa – SPTrans
READ MORE - Novo trólebus começa a circular em São Paulo

Maior feira de ônibus do mundo "Busworld" está sendo realizada na Bélgica

Sem a presença de nenhuma empresa brasileira, apesar da importância dos fabricantes e do mercado nacional para o setor, começou nesta sexta-feira, 21, em Kortrijk, na Bélgica, a Busworld 2011, maior, mais importante e sofisticada feira do mundo no segmento de ônibus. O evento, que termina no dia 26, reúne 350 expositores, pretende atrair 25 mil visitantes de 110 países e apresenta as principais tendências e o que há de mais moderno em veículos, componentes e serviços.

O principal tema abordado pelos fabricantes e construtores (de ônibus completos, carrocerias e chassis) é a sustentabilidade e a preocupação com a redução das emissões para a preservação ambiental. É unânime entre as empresas o importante papel que o ônibus e a sua maior utilização podem desempenhar para a redução da emissão de poluentes, do consumo de combustível e, mais importante, para o bem-estar dos habitantes de qualquer cidade do mundo, mesmo as pequenas.

Os maiores fabricantes europeus, como Irisbus, MAN, Mercedes-Benz, Scania, VDL e Volvo, e também os cinco chineses presentes – recorde do evento – focaram suas participações no lançamento de modelos híbridos, diesel/elétrico, elétricos e movidos a hidrogênio. Para os executivos dessas empresas, hoje as opções mais eficientes e de aplicação imediata são os híbridos diesel/elétrico, mas o futuro aponta o veículo totalmente elétrico como o mais indicado para o transporte urbano, devido a não emissão, baixíssimo nível de ruído e conforto.

Com propostas e tecnologias semelhantes, os modelos híbridos apresentados em Kortrijk por esses construtores são, em média, 40% mais econômicos, reduzem em 50% a emissão de CO2 e o ruído em até 35%, em relação aos veículos Euro V em aplicação hoje na Europa.

Outro ponto comum entre os fabricantes europeus é o investimento no desenvolvimento de veículos e soluções para os sistemas BRT. Todos apostam nele como uma das melhores soluções para a sociedade e afirmam que não será possível atingir os objetivos de diminuição da poluição ambiental nas grandes cidades sem o ônibus, de preferência híbrido, elétrico ou até hibrido plug-in (para recarregamento rápido das baterias).

Várias montadoras colocaram à disposição dos visitantes os seus veículos para demonstrar os benefícios dessa tecnologia e o ponto imeditamente perceptível é o silêncio. O objetivo é conscientizar e convencer a sociedade de que o ônibus é a solução e a maioria aderiu à ação lançada na Busworld – Coach&Bus – sustainable mobility (Ônibus – mobilidade sustentável).

A conta não fecha

Não só os fabricantes europeus, mas os cinco construtores chineses presentes na edição deste ano da Busworld Kortrijk deram total ênfase para os híbridos e deixaram claro que o mercado-alvo deles é a Europa. Apesar de a China ter anunciado a decisão de investir muito no desenvolvimento dessa tecnologia e de vários testes estarem em realização no país, as oportunidades de fornecimento em curto prazo estão centradas nas nações europeias. E aí a conta não fecha.

Os promotores da Busworld apontam que, há dez anos, a produção mundial era de 240 mil unidades/ano, a Europa produzia 34 mil veículos e a China menos de 30 mil. Hoje o mercado cresceu 50% e atingiu volume de 360 mil unidades/ano, mas a Europa responde apenas por 7% do total e a China pulou para 29% ou mais de 100 mil ônibus.

Por que todo e tanto interesse dos fabricantes chineses e de outros países, como Turquia, Rússia e Eslovênia no mercado europeu? Por que investir e concorrer em um mercado que retrocedeu de 2008 para cá? Por que não focar em uma região com maior potencial de crescimento? Para os turcos da Temsa, a região responde por 85% da sua produção. O estranho é que tanto Volvo, como Scania, Mercedes-Benz e MAN apontaram a América Latina e a Ásia como os continentes de maior crescimento e as duas primeiras estão investindo fortemente na China, inclusive para o desenvolvimento de modelos híbridos.

Os europeus apontando suas fichas e volumes nas Américas e Ásia e os asiáticos e do leste europeu mirando o velho continente. A explicação é que, para os asiáticos, estar na Europa comprova qualidade – outro tema bastante explorado para tentar valorizar o produto. Já para os fabricantes do leste europeu e Oriente Médio, os diferenciais são os baixos custos de aquisição e operacional, garantidos pela utilização de componentes de marcas tradicionais, produzidos fora da Europa.

De qualquer maneira, a conta não fecha. Pelos discursos e produtos apresentados, a oferta de híbridos será acima da demanda. São pouco mais de 1.000 unidades rodando na Europa e nos Estados Unidos, menos de 0,5% do total produzido. Também vai faltar mercado para tantos fabricantes interessados no velho continente. É esperar para ver como os clientes reagirão aos apelos da sustentabilidade e do híbrido que, sem dúvida trarão custos maiores, ainda mais com a entrada em vigor da norma Euro 6, em 2013, na Europa.

Fonte: Automotive Business

READ MORE - Maior feira de ônibus do mundo "Busworld" está sendo realizada na Bélgica

Belo Horizonte tem 7 mil pontos de ônibus sem abrigo

Se não contar com guarda-chuva e óculos de sol, o passageiro de ônibus coletivo de Belo Horizonte fica sem proteção quanto aos imprevistos do tempo. Apenas cerca de 20% dos pontos de embarque e desembarque possuem abrigos. Entre os 9 mil pontos de ônibus, somente 1.994 possuem estruturas metálicas para abrigar os passageiros, segundo dados da BHTrans.

A empresa de trânsito abriu, em maio deste ano, a licitação para 720 novos abrigos. Na ocasião, em entrevista ao Hoje em Dia, o analista da Gerência de Sinalização da BHTrans, Carlos Alberto Gonzaga, afirmou que o edital previa a colocação das estruturas em até 90 dias. No entanto, passados cinco meses, nenhum deles foi instalado até agora.

O serviço foi homologado em 18 de agosto, com valor de aproximadamente R$ 2, 6 milhões. Mas a primeira instalação será feita apenas em novembro deste ano, como informou Carlos Alberto. “Na primeira quinzena, a empresa instala cem. E depois temos a meta de implantar 50 por mês”, detalha. Pelos prazos da BHTrans, todos os novos abrigos estarão nos pontos de embarque e desembarque de passageiros até dezembro de 2012 – o que iria aumentar em pelo menos dez pontos percentuais o amparo à população.

Enquanto isso, para se proteger do sol, Cida Castilho, de 65 anos, vai ter que se contentar com a sombra da árvore em um ponto de ônibus na Avenida Cristiano Machado, na pista exclusiva para coletivos. Ela reclama também que não tem lugar para assentar enquanto espera o veículo para seguir até São José da Lapa, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH). “Não tenho mais idade para ficar em pé por tanto tempo”, diz.

No caso de chuva, os passageiros não têm onde se proteger. O ponto de ônibus fica bem no meio da pista, sem faixa de pedestres. A única opção é atravessar rapidamente a passarela, que não serve como proteção porque a estrutura tem um design vazado. “Não existe solução sem abrigo. Temos que ter sorte de o ônibus passar rápido”, comenta Marconi Gomes, de 28 anos.

O modelo de abrigo utilizado pela BHTrans não é funcional, na avaliação da secretária geral do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB) de Minas Gerais, Rose Guedes. “Não tem conforto nenhum para o passageiro”, enfatiza. Ela critica também as medidas das instalações. “O abrigo deve ser dimensionado de acordo com o volume de usuários”, sugere.

A BHTrans informou que a maioria dos abrigos instalados (1.240) é de grande estrutura, com 4 metros de comprimento e 1,5 metro de largura, para calçadas largas. Aqueles para calçadas estreitas (754) são destinados, principalmente, para os bairros, segundo Carlos Alberto.

Um dos critérios para a instalação de um abrigo é o maior volume de passageiros. Segundo o analista da BHTrans, estima-se que 90% dos pontos de ônibus da Região Central possuem estruturas de proteção. No entanto, na Praça Rui Barbosa (da Estação), onde passam mais de 30 linhas diferentes de ônibus, não há abrigos nas paradas dos coletivos.
Na manhã de quinta-feira (20), Ana Alexandra, de 33 anos, ficou sob o sol por uma hora à espera da linha para o Bairro Belo Vale, em Santa Luzia, na RMBH. E ainda carregava o filho de 5 anos nos braços.


 
READ MORE - Belo Horizonte tem 7 mil pontos de ônibus sem abrigo

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960