No Rio, Novos ônibus terão piso rebaixado

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

A Prefeitura do Rio de Janeiro apresentou nesta quinta-feira os novos ônibus de piso baixo low entry, que facilita o acesso de pessoas com deficiência física e idosos.

Uma frota inicial de 18 ônibus começou a operar nesta quinta em linhas que circulam pelos corredores BRS dos bairros do Leblon, Ipanema e Copacabana, na Zona Sul da cidade.

O Mega BRS conta com motor traseiro, que oferece melhor condição de trabalho aos motoristas e diminui ruído e temperatura média no interior do ônibus, câmbio automático e suspensão pneumática.

A renovação da frota será gradual. A cada ano, começando neste, 20% dos ônibus terão que ser substituídos. Os novos veículos também circularão nos próximos corredores BRS que a prefeitura vai implantar no Centro e em demais regiões da cidade.

O Rio participou, pelo terceiro ano consecutivo, do Dia Mundial sem Carro. Para estimular os cariocas a deixarem seus carros em casa e usarem bicicletas ou meios de transporte coletivos, a prefeitura proibiu o estacionamento no centro, por onde passam cerca de 40 mil veículos diariamente, em uma área duas vezes maior do que a do ano passado. Também foi proibido o estacionamento de carros em todos os prédios públicos municipais.

O prefeito Eduardo Paes seguiu de bicicleta da Vista Chinesa, vizinha à residência oficial, até a Praça Atahualpa, no Leblon, onde apresentou os novos ônibus da cidade.

Pelas ruas da capital fluminense, não foi possível perceber diferença significativa no fluxo de veículos. Apesar da adesão de alguns cariocas ao movimento, o trânsito apresentou, na manhã desta quinta-feira, retenções nas principais vias expressas, como a Linha Vermelha – que liga a Baixada Fluminense ao centro – e a Avenida Brasil – entre a zona oeste e o centro.

Como no ano passado, a fisioterapeuta Angelina Fernandes optou pelo uso da bicicleta para levar o filho, de 6 anos, à escola.

– Assim, além de participar da mobilização, ainda estimulo a consciência ambiental em casa.

Já a professora Edna Freitas disse que, embora apoie a iniciativa, não encontrou alternativa para sair de casa hoje. Moradora da Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio, ela precisou tirar o carro da garagem para ir ao centro, mas ofereceu carona a duas amigas para ajudar a diminuir a frota em circulação. Para ela, mais importante do que promover o Dia Mundial sem Carro é o investimento, por parte do Poder Público, em transporte público de qualidade.

– Precisava ir ao centro e não tinha alternativa. Os ônibus e as vans que vão para lá, agora pela manhã, estão sempre lotados, e ainda não temos metrô nessa parte da cidade. Mas esse não é um problema só de hoje, é uma questão da qual há anos reclamamos. Se tivéssemos transporte de massa eficiente, com certeza seria ótimo deixar o carro na garagem –, disse.

Com o objetivo de evitar transtornos à população, a frota de ônibus foi reforçada, conforme determinação da prefeitura, que solicitou às empresas responsáveis pelas linhas municipais que disponibilizassem 100% dos coletivos para circulação.


 
READ MORE - No Rio, Novos ônibus terão piso rebaixado

Ônibus Expresso de Curitiba completa 37 anos de operação

O ônibus Expresso de Curitiba completou 37 anos de operação nesta quinta-feira (22), como sistema pioneiro no tráfego de coletivos em vias exclusivas e modelo para experiências mundiais que resultaram no chamado Bus Rapid Transit (BRT), o trânsito rápido de ônibus.
Implantado em 22 de setembro de 1974, o novo sistema então rompia com a tradicional fórmula do transporte urbano servido por linhas radiais, com todas as linhas procedentes da periferia se dirigindo ao centro da cidade e obrigando os usuários a novo desembolso tarifário em caso de reembarque rumo à outra região.
O sistema Expresso estreou com 20 ônibus, com design revolucionário, capacidade para 90 passageiros e 12 metros de comprimento, nos dois eixos então instalados, em 20 km de canaletas: eram duas linhas semi-diametrais que se cruzavam no centro.
Os 13 mil passageiros/dia do eixo Norte, na frota de 12 ônibus, seguiam do Terminal Santa Cândida até a praça Rui Barbosa. Nos 20 coletivos do eixo Sul, 18 mil pessoas seguiam do Terminal Capão Raso até a praça Dezenove de Dezembro.
Hoje, o sistema Expresso conta com 185 ônibus articulados e biarticulados, transportando, apenas nas canaletas exclusivas dos seis eixos hoje instalados, 600 mil passageiros por dia.


READ MORE - Ônibus Expresso de Curitiba completa 37 anos de operação

João Pessoa possui um ônibus para 1.593 moradores

João Pessoa possui um ônibus para 1.593 moradores. A frota da cidade é de 454 coletivos, enquanto que a população estimada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) é de 723.515 habitantes. Por causa disso, há pessoenses que não vão participar da campanha 'Dia Sem Carro', que será realizada hoje pela Prefeitura de João Pessoa. A iniciativa estimula a população a deixar os veículos particulares em casa e usar os ônibus. “Eu vou usar meu carro hoje, como faço todos os dias, porque os serviços de ônibus não são de qualidade”, afirma a professora Eliane Lourdes.

Mesmo diante da reclamação de quem utiliza o transporte público, a Associação de Empresas de Transportes Coletivos de João Pessoa (AETC-JP) e a Superintendência de Transportes e Trânsito de João Pessoa (STTrans) consideram que a quantidade de ônibus na capital é adequada para atender à demanda de passageiros. Elas avaliam que falta apenas uma reorganização do sistema viário da cidade.

Segundo o presidente da AETC-JP, Mário Tourinho, por mês, cerca de oito milhões de passageiros são transportados, em média, pelos ônibus urbanos de João Pessoa. A demanda é atendida pelas seis empresas que operam na capital. Juntas, elas geram quase 2.600 empregos diretos, nas funções de motoristas, cobradores, fiscais e despachantes.

Reclamação
Em alguns bairros, a exemplo de Mangabeira e Valentina, a população reclama da demora dos ônibus e da superlotação nos horários de pico. O comerciário Fernando Luiz Costa, por exemplo, já esperou até por 30 minutos pela chegada do coletivo. Ele disse que a situação ainda piorava no início da manhã, meio-dia e no final da tarde, quando é intenso o movimento de passageiros.
“Era um sufoco ter que ir ao trabalho e levar os filhos à escola. A minha situação só melhorou quando comprei de um carro. A quantidade de ônibus em João Pessoa é pequena para o número de pessoas que existem aqui. Por isso é esse caos. Se o transporte público fosse de qualidade, eu ainda andaria de ônibus”, afirma.
Mas para Mário Tourinho, a superlotação não é sinônimo de número insuficiente de ônibus na cidade. Ele explica que a quantidade é definida pela STTrans, após realizar estudos de demanda, e garante que “a quantidade de coletivos nas ruas é suficiente para atender satisfatoriamente a população de João Pessoa”. “A argumentação de que os ônibus andam sempre lotados não é verdadeira, basta passar na Lagoa, por exemplo, entre 9h e 11h, entre 15h e 17h, e verificar que ela não procede”, completa.



READ MORE - João Pessoa possui um ônibus para 1.593 moradores

Melhorar o transporte público pode reduzir emissões da frota

Investimentos e políticas públicas que melhorem o transporte público podem ser a saída para manter os níveis de emissão de poluentes sob controle e reduzir a liberação de gases de efeito estufa da frota brasileira. A avaliação está em um comunicado do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) lançado nesta quinta-feira 22, Dia Mundial sem Carro.

O estudo destaca avanços na redução gradativa do nível de emissão de poluentes da frota nacional, por meio do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores (Proconve), mas avalia que os ganhos estão sob risco se não forem estabelecidas medidas que estimulem o uso de transporte coletivo e aumentem a eficiência individual dos veículos.

“Os veículos automotores produzidos atualmente poluem menos de 10% do que poluía um veículo similar da década de 1980 quando se trata de poluentes regulados pelo Proconve”, compara o estudo, em referência às emissões de poluentes como monóxido de carbono, óxidos de nitrogênio, hidrocarbonetos e material particulado.

No entanto, a tendência de redução de emissão de poluentes deverá sofrer uma inflexão nos próximos anos porque as tecnologias utilizadas para esse fim já atingiram um nível alto de eficiência e pelo inevitável aumento da frota e dos congestionamentos. “Daqui para frente os ganhos serão menores”, segundo o Ipea.

Informações da Agência Brasil

READ MORE - Melhorar o transporte público pode reduzir emissões da frota

Em Londrina, Deficientes visuais contam com sinalizadores de itinerários de ônibus

As pessoas com deficiência visual em Londrina contam, a partir desta quinta-feira (22), com um importante aliado para serem identificados nos pontos de ônibus. Foram distribuídos 100 sinalizadores de itinerários para que os cegos possam apontar a linha de ônibus que pretendem embarcar. A ação faz parte da 2ª Semana da Pessoa com Deficiência, que começou no sábado (17) e vai até sexta-feira (23).

O município de Londrina é o primeiro a adotar este método de sinalização inventado por um londrinense, o presidente da Associação dos Deficientes Visuais de Londrina (Adevilon), Antônio Carlos Ferreira. A utilização deste equipamento está em lei municipal sancionada em março de 2010.


O sinalizador de itinerário é composto por três filetes, os quais contêm a ordem alfabética e numérica, escritas em braile. O deficiente visual poderá montar o texto do sinalizador de acordo com a linha de ônibus que deseja embarcar. "A finalidade é facilitar o acesso ao transporte coletivo para as pessoas com deficiência visual", esclareceu o assessor especial da Pessoa com Deficiência, José Giuliangeli de Castro.

Ainda de acordo com o Castro, quase 1% da população londrinense é composta por deficientes visuais, portanto, este sinalizador pode proporcionar maior agilidade e segurança para os motoristas e para as pessoas com deficiência. "Nessa etapa estão sendo entregues 100 sinalizadores, com o objetivo de mapear a necessidade da cidade e decidir quantos mais ainda precisam ser feitos", salientou.

Para Antônio Carlos Ferreira, a inspiração da criação surgiu da sua própria necessidade. "A nossa maior dificuldade é fazer a parada do coletivo, pois existem pontos da cidade que passam de cinco a dez ônibus. Muitas vezes precisamos parar todos até chegar o nosso transporte. Com este sinalizador, teremos autonomia, independência e acessibilidade", enfatizou.

Ferreira disse que o sinalizador proporciona a comunicação entre o motorista e o deficiente visual. "Ele traz ganho de tempo e menos stress para o motorista", enfatizou, lembrando que para chegar ao produto final, realizou uma pesquisa entre os motoristas de ônibus e os deficientes visuais.

O sinalizador de itinerário está disponível aos deficientes visuais de Londrina a partir desta quinta-feira (22), no setor de passe livre do Terminal Urbano Central.



Fonte: O Diário

READ MORE - Em Londrina, Deficientes visuais contam com sinalizadores de itinerários de ônibus

Projetos incentivam uso da bicicleta como alternativa ao carro

A viabilidade do uso da bicicleta como meio de transporte no Brasil, em substituição ao carro, ainda é um desafio para as autoridades do setor de transportes.

Diferentemente de países europeus, como Suécia, Dinamarca e Holanda, onde as bicicletas integram o sistema viário e funcionam como fator importante para a mobilidade urbana, no Brasil o ato de pedalar ainda permanece mais associado ao lazer e ao esporte.

Enquanto a legislação não avança para promover mudanças de hábito na população, iniciativas como o Dia Mundial Sem Carro, comemorado hoje, servem para promover uma reflexão sobre os problemas causados pelo uso intenso de carros, sobretudo nos grandes centros urbanos.

O Dia Mundial Sem Carro é um movimento que começou em algumas cidades da Europa nos últimos anos do século 20, e desde então vem se espalhando pelo mundo, ganhando a cada edição mais adesões nos cinco continentes. Os organizadores estimulam os motoristas a deixar os carros em casa nesse dia e experimentar outros meios de transporte, especialmente a bicicleta.


Investimento

Para o coordenador do movimento Pedala Brasília, Ronaldo Alves, enquanto não houver investimentos em infraestrutura cicloviária, muitas pessoas nunca terão a chance real de pensar na bicicleta como opção de transporte. “Há um grande número de pessoas que já utilizam a bicicleta como meio de transporte e um outro grande número que não a utiliza por não encontrar condições favoráveis para fazê-lo”, afirma. “Precisamos mudar o foco e pensar também nas necessidades de locomoção da pessoa que não pode comprar carro”, completa.

Na Câmara, pelo menos uma dezena de projetos de lei em tramitação trata de incentivos ao uso da bicicleta como meio de transporte. Entre essas propostas está o PL 6474/09, do deputado Jaime Martins (PR-MG), que cria o Programa Bicicleta Brasil. Atualmente, um programa de mesmo nome já é desenvolvido pela Secretaria Nacional de Transporte e Mobilidade Urbana (Semob) do Ministério das Cidades – mas apenas com caráter educativo-informativo.

Segundo o autor, a ideia do projeto é aproveitar as diretrizes do programa em andamento, dando a ele força de lei. A proposta estabelece que todas as cidades com mais de 20 mil habitantes deverão incluir as medidas previstas no Programa Bicicleta Brasil na concepção de seus planos diretores. O projeto, que tramita em caráter conclusivo, já foi aprovado por duas comissões e precisa ser votado por mais duas. Depois, irá para o Senado.

“Queremos fazer com que todas as cidades que constitucionalmente já devem constituir seus próprios planos diretores também sejam levadas a pensar em projetos alternativos de mobilidade urbana, especificamente a ampliação da infraestrutura de ciclovias e de ciclofaixas”, afirma Martins.

Infraestrutura
A implantação de sistemas cicloviários compreende ciclovias, ciclofaixas, faixas compartilhadas, bicicletários, paraciclos, assim como a sinalização adequada e a elaboração de normas e campanhas educativas que estimulem a adoção e a utilização segura desse meio de transporte.

O deputado também destaca que outra inovação do projeto é a previsão de fontes de recursos para financiar os investimentos. Conforme o texto, 15% do valor arrecadado com multas de trânsito será utilizado para financiar projetos ligados ao Bicicleta Brasil. Além disso, o programa terá outras fontes de financiamento, como a Cide-combustíveis.

Política de Mobilidade Urbana
Outra proposta ligada a alternativas de transporte tramita no Congresso desde 2005 e institui a Política Nacional de Mobilidade Urbana (PL 694/95 e apensados). O projeto, que prevê prioridade para o transporte público coletivo e para os meios não motorizados, foi aprovado pela Câmara em maio do ano passado e atualmente aguarda a análise da Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado.

Fonte:  Camara dos Deputados

READ MORE - Projetos incentivam uso da bicicleta como alternativa ao carro

Aumenta o número de paulistanos dispostos a trocar carro por transporte público

 
O percentual de pessoas dispostas a deixar o carro na garagem e passar a usar transporte público para se locomover na cidade de São Paulo subiu de 52%, em 2010, para 60% este ano. Também aumentou o número de pessoas que têm pelo menos um carro de passeio (52% em 2010 para 62% em 2011).

Os dados estão na pesquisa sobre mobilidade urbana, encomendada ao Ibope pela organização não governamental (ONG) Rede Nossa São Paulo e divulgada hoje (21), como parte das manifestações do Dia Mundial sem Carro, que ocorrerá amanhã (22).

O coordenador-geral da Rede Nossa São Paulo, Oded Grajew, disse que o paulistano tem a disposição em trocar o carro por transporte público de qualidade porque está passando muito tempo no trânsito e tem sentido os reflexos em sua qualidade de vida, já que esse tempo poderia ser usado em outras atividades.

“Se fizermos a conta, o cidadão fica um mês por ano no congestionamento. Ele quer trocar, mas quer uma opção confiável, que tenha qualidade. Ou usar o transporte coletivo ou a bicicleta, mas ele não encontra essa opção e fica nesse dilema. Isso tem um impacto muito negativo para a qualidade de vida e o desenvolvimento econômico da cidade. O trânsito é considerado o segundo problema mais grave da cidade depois da saúde”, relatou.

Foram entrevistados 805 paulistanos a partir de 16 anos, de 17 a 22 de agosto de 2011. Segundo a pesquisa, passou de 76% para 82% o número de pessoas que deixariam de usar o carro caso houvesse uma opção boa de transporte público e caiu a quantidade de pessoas que andam a pé na cidade (45% para 35%). A pesquisa mostrou ainda que 29% trocariam o carro pelos ônibus se houvesse mais e melhores corredores (em 2010 eram12%). Ninguém respondeu que nada os faria trocar o carro pelo ônibus, mas em 2010 essa parcela correspondia a 21%.

O levantamento apontou que, enquanto 28% dos entrevistados em 2010 declararam ter comprado carro nos 12 meses anteriores, neste ano, foram 38%. Entre os que têm um automóvel em casa, o percentual dos que informaram que usam o carro quase todos os dias aumentou de 15% para 23%. E 55% responderam que o trânsito na cidade é péssimo, enquanto em 2010, 37% tinham essa opinião.

Entre os entrevistados, 47% disseram que o tempo de espera nos pontos de ônibus aumentou (em 2010 eram 34%) e 19% alegaram perder mais de quatro horas nos congestionamentos. O estudo apurou que o tempo médio de deslocamento gasto no trânsito, diariamente, passou de 2h42, em 2010, para 2h49, este ano.

As medidas consideradas mais importantes pelos entrevistados são a construção de linhas de metrô e trem, a melhoraria da qualidade do transporte feito por ônibus e vans e a construção de mais corredores de ônibus ou ampliação dos existentes. Outros 23% reivindicam mais sinalização, item apontado por 23% das pessoas em 2010. O percentual de cidadãos que declararam que usariam a bicicleta como alternativa ao carro chegou a 48%, ante 18% em 2010.

Grajew disse não ter muita esperança de que a prefeitura resolva alguma das demandas da população, mas disse esperar que a próxima administração possa atender às reclamações, já que os problemas são conhecidos e confirmados pela pesquisa há cinco anos. “Nós conseguimos fazer com que, no Orçamento deste ano, houvesse R$15 milhões para que a cidade tivesse um plano de mobilidade. Estamos no mês de setembro e São Paulo não tem esse plano. Qualquer candidato que se apresentar para a prefeitura no ano que vem terá que responder com propostas concretas a essa expectativa da população”, disse.

Flávia Albuquerque
Repórter da Agência Brasil


Share |



READ MORE - Aumenta o número de paulistanos dispostos a trocar carro por transporte público

Metrô-DF está há quatro anos sem investir na modernização dos trilhos

O Metrô-DF, apesar do aumento de passageiros transportados nos últimos anos, não recebe modernização na via há quatro anos. De janeiro a julho deste ano, o metrô transportou mais de 24 milhões de pessoas – dois milhões de passageiros a mais que no mesmo período do ano passado.

O aumento de passageiros representa 10% e o metrô acompanhou o ritmo com o crescimento do número de trens em 30%. Em 2008, o governo do DF comprou 12 trens no valor de R$ 370 milhões para diminuir os intervalos entre uma viagem. Antes da compra, 20 trens circulavam pelos trilhos.

A modernização dos trilhos seria essencial para que os 32 trens que rodam no DF pudessem operar simultaneamente nos horários de pico. Nas horas de maior movimento, apenas 24 operam na via. Esta é a capacidade máxima, que precisa de uma atualização que não foi feita durante a compra dos novos trens.

De acordo com a direção do Metro-DF, dos 32 trens disponíveis no DF, um está em manutenção porque sofreu um descarrilamento em Ceilândia no ano passado; dois estão em manutenção preventiva e quatro estão sendo modernizados. Um trem fica como reserva para ser utilizado em casos de emergência.

O diretor-presidente do Metrô-DF, Davi de Matos, afirmou que a modernização dos trens só poderia ser feita agora com a disponibilidade dos outros trens. “Essa modernização, nós já investimos pesadamente, e já está sendo programada para o próximo ano”, disse.

A relação entre o crescimento acelerado de Águas Claras e o funcionamento do metrô não foi observada quando houve a compra dos 12 novos trens. Mesmo com o sistema atual, todos os trens não podem operar em horário de pico porque a cidade consome boa parte da energia elétrica da subestação da Companhia Energética de Brasília, que não aguentaria a demanda do metrô na capacidade máxima.

“A subestação está próxima ao limite e isso trás alguma dificuldade para que a gente possa colocar mais trens no sistema. Estamos trabalhando junto com a CEB para que possamos fazer isso”, afirmou o diretor de operações do Metrô, Fernando Solero.

Davi de Matos explicou que, caso não houvesse a restrição de energia, o metrô estaria operando com a quantidade de trens suficiente para atender a população do DF. “Nós estamos fazendo um esforço conjunto para superar essa questão com a CEB”, disse.

Panes e segurança
Com um sistema de operações moderno, a direção do Metrô-DF espera diminuir as panes nos trens. Do início do ano até setembro, a média é de dois problemas ao mês. O incidente mais grave aconteceu no dia 31 de agosto, quando uma f
alha técnica provocou a interrupção do tráfego em um dos trilhos e quatro pessoas foram levadas para o Hospital Regional da Asa Norte (Hran) com pressão alta e sinais de intoxicação por causa da fumaça.

No último domingo (11), houve pancadaria entre torcedores do Brasiliense e funcionários do metrô. A direção do Metrô-DF está tentando identificar os torcedores que feriram quatro agentes. Os funcionários teriam sido agredidos porque teriam retirado os torcedores que estariam fazendo algazarra nos trens. Os homens então teriam voltado com pedras e paus e começaram o vandalismo e a agressão. A polícia investiga o caso.

De acordo com o diretor-presidente do Metrô-DF, Davi de Matos, os problemas com muitos passageiros acontecem após jogos ou shows, “quando há o consumo elevado de álcool”. “Normalmente, a gente se previne com a PM, mas isso não se faz ao longo de toda via. Nosso pessoal está preparado para enfrentar estas situações e na maioria das vezes consegue, mas às vezes acontecem tumultos”, afirmou.

Davi explicou que o governo deve investir grandes quantias na parte de segurança do Metrô-DF para a Copa do Mundo. “Hoje o nosso sistema é operação e precisamos saber como estão as estações. Posteriormente vamos instalar câmeras que irão supervisionar estacionamentos e a informação irá direto para a PM”, informou.



Sistema
O sistema atual que opera o Metrô-DF é conhecido como ATC. Neste sistema, o controle fica nas mãos dos funcionários. Mas os novos trens foram entregues com o sistema ATO, em que computadores controlam tudo, fato que garante mais segurança aos passageiros.

A via do metrô tem dois ramais, em Ceilândia e Samambaia, que se unem em Águas Claras e vão até o centro de Brasília, na Rodoviária do Plano Piloto. O controle da linha é dividido em sessões de 400 a 900 metros. Nestes espaços, apenas um trem pode rodar. A intenção do Metrô-DF é reduzir estes espaços para que o intervalo entre os trens seja menor.


Fonte: G1 DF

READ MORE - Metrô-DF está há quatro anos sem investir na modernização dos trilhos

Metroviários do Recife fazem assembleia por segurança

O Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transpotes Metroviários e Conexos do Estado de Pernambuco (Sidmetro) realiza uma assembleia geral da categoria nesta sexta-feira para exigir mais segurança nas estações do metrô do Recife. De acordo com a categoria, os casos de assaltos são cada vez mais constantes e a segurança é insuficiente. A reunião acontece a partir das 18h, na Estação Central.0

O caso mais recente aconteceu por volta das 19h50 de ontem, na estação Werneck. Depois de abordar alguns passageiros, um assaltante armado teria exigido ao maquinista que seguisse viagem, enquanto o sinaleiro ainda estava fechado, fugindo em seguida. Imagens das câmeras de segurança do local estão sendo avaliadas para tentar identificar e prender o suspeito.



READ MORE - Metroviários do Recife fazem assembleia por segurança

Número de passageiros do metrô de Belo Horizonte vai quadruplicar

Os R$ 3,16 bilhões que serão investidos na modernização e ampliação do metrô de Belo Horizonte vão permitir que o número de passageiros transportados diariamente passe de 200 mil para 850 mil em cinco anos. A afirmação foi feita ontem pelo prefeito Marcio Lacerda (PSB), que prevê para meados de 2012 a conclusão da licitação para revitalização da linha 1 e construção das linhas 2 (Calafate/Barreiro) e 3 (Lagoinha/Savassi).

Frederico Haikal
Segundo o prefeito, as obras de modernização da linha 1 poderão ser iniciadas no ano que vem. O metrô de Belo Horizonte começou a operar em 1º de agosto de 1986 com projeção de transportar 100 mil passageiros por dia. Atualmente, os 25 trens transportam 203 mil pessoas/dia, já no limite de operação.

Com a capacidade atingida e sem novos investimentos, os trens que percorrem as 19 estações, de Contagem a Venda Nova, apresentaram, somente neste ano, dez panes. A denúncia é da coordenadora do Sindicato dos Metroviários, Alda Lúcia Fernandes dos Santos. “Não foram feitos investimentos na linha 1 do metrô. Os trens são os mesmos, o que dificulta a reposição de peças”, diz.

O Hoje Em Dia apurou junto a uma fonte da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) que o Governo federal desistiu de comprar dez novos trens para a linha 1, todos com vagões climatizados. Para o metrô de Recife foram adquiridos 15.

O Governo de Minas vai tentar convencer o Ministério dos Transportes a incluir na linha 1 o trecho que vai da estação Vilarinho até a Cidade Administrativa, que ficou fora do projeto anunciado na última sexta-feira (16) pela presidente Dilma Rousseff. Parte dos recursos será do Estado.

Por outro lado, as prefeituras de Betim e Contagem vão acionar os parlamentares da Região Metropolitana para cobrarem do Governo federal que o metrô seja ampliado para os dois municípios.

O deputado estadual Fred Costa (PPS), que coordena a Frente Parlamentar pela Ampliação do Metrô, informou que ainda nesta semana terá uma reunião com o Governo de Minas para detalhamento da liberação de recursos pelo Estado. Além do Governo federal, o Estado e a Prefeitura de Belo Horizonte vão liberar recursos para o projeto de ampliação do metrô.

“É preciso garantir a compra de trens novos para a linha 1 e o início das obras da linha 2, que tem um custo menor. Neste trecho não será necessário fazer grandes desapropriações e não há previsão de construir túneis”, analisa o engenheiro Paulo Alvarenga Peixoto, especialista em projetos de trens urbanos.

Segundo o especialista, atualmente o metrô de Belo Horizonte opera com velocidade média de 60 quilômetros por hora. “Com máquinas mais novas, será possível aumentar a velocidade para 80 quilômetros por hora, o que possibilitará mais 40 mil passageiros embarcando nas 19 estações”, avalia.

A intenção do Governo federal é fazer parceria com a iniciativa privada para investimentos na área de tecnologia e manutenção das linhas do metrô. A assessoria de imprensa da CBTU em Belo Horizonte não deu retorno sobre os projetos e investimentos para o sistema de transporte.


Informações do Hoje em Dia

READ MORE - Número de passageiros do metrô de Belo Horizonte vai quadruplicar

Metrô de SP terá tecnologia de operação internacional

Constituída pelo trecho compreendido entre as estações do Capão Redondo e Largo Treze, a Linha5-Lilás do metrô de São Paulo será equipada com um sistema de controle e sinalização de trens da empresa Bombardier Transportation.
 
Nesta quarta-feira, a empresa informou que o sistema vai permitir que os trens da capital paulista circulem com total segurança em intervalos de apenas 75 segundos. Firmado no valor de R$ 171 milhões, o contrato foi proposto pela própria Companhia do Metropolitano de São Paulo (CMSP).
 
A empresa internacional usará o sistema Cityflo 650 ATC, uma tecnologia de controle de trens baseada em comunicações que vem sendo utilizada com sucesso nos metrôs de Madri e Londres.
 
Mais Notícias de São Paulo

Fonte: Terra

READ MORE - Metrô de SP terá tecnologia de operação internacional

Confederação dos usuários do transporte coletivo reage contra o aumento de 8,8% das linhas intermunicipais de São Paulo

Preocupada com um possível superfaturamento no bolso dos passageiros de transportes rodoviários coletivos intermunicipais e metropolitanos do estado de São Paulo, devido o aumento de 8,88% nas tarifas de ônibus intermunicipais na ultima sexta dia 16, a exemplo do que já aconteceu aos usuários de transportes coletivos do estado do Rio de Janeiro em 1999.

Quando devido a complexidade das planilhas do transporte coletivo de passageiros daquele estado o então Governador Anthony Garotinho, descobriu irregularidades e distorções na planilha de cálculos, bem como o superfaturamento das tarifas dos transportes coletivos rodoviários, decretando na ocasião a imediata redução das tarifas de 47 (quarenta e sete) linhas, contrariando o parecer da FETRANSPOR – Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro, que continuou insistindo em dizer que os estudos técnicos do Governo conteriam falhas e que as tarifas praticadas antes da publicação do decreto estariam corretas.

É que a CONUT, Confederação Nacional dos Usuários dos Transportes Coletivos, solicita a ARTESP (Agência Reguladora de Transportes de São Paulo) que envie para sua sede em Brasília DF, as planilhas de cálculos do custo, como também a metodologia utilizada para os cálculos.

Pois de acordo com o Presidente da CONUT Dr. José Felinto: “Não há dúvida de que a fixação das tarifas do transporte coletivo pelo poder concedente deve levar em conta o custo operacional, a receita efetiva e a justa remuneração do capital investido, de modo a manter o equilíbrio financeiro do contrato, contudo, o superfaturamento das passagens constitui uma aberração, um verdadeiro crime contra a economia popular, cabendo a nossa entidade, a responsabilidade de investigar com isenção e profundidade os critérios utilizados para este aumento”

Uma vez que como legítima defensora dos direitos dos usuários de transportes coletivos, dentre eles o terrestre, a CONUT tem não só o direito, mas, o dever de se manifestar e fazer valer a voz dos passageiros deste modal. É com esta missão que exige a disponibilização das planilhas para serem analisadas e assim verificadas a adequação, ou não, deste reajuste que fará um rombo no bolso do trabalhador usuário. “ finalizou o Dr. José Felinto, ao se manifestar oficialmente sobre o assunto.

Reação popular: A notícia do novo aumento na tarifa foi reprovada por usuários dos ônibus intermunicipais.

“Os ônibus são bons, melhores que os de Brasília, mas eu não acho que isso justifica um aumento tão grande. As distâncias são pequenas e as pessoas usam muito este transporte. Acho um aumento abusivo”, opinou o piloto Leon Deniz Monteiro, 20 anos.

O aposentado Evanildo Cavalcante, 62 anos, também não gostou da notícia.
Ele mora em Guarulhos e vem a São José quatro vezes por mês para fazer um tratamento médico.

“Para quem ganha um salário mínimo, como eu ganho, este aumento é muito pesado. Mas não tem jeito. Aumenta o salário mínimo, aumenta tudo”, lamentou.

O aumento de 8,88% – calculado e autorizado pela Agência Reguladora de Transporte (ARTESP) – valerá tanto para as linhas intermunicipais quanto para as suburbanas no entanto a maior parte dos usuários foi pega de surpresa, conforme reclamou a estudante Marta Duarte, do Jardim Gutierres, que viaja duas vezes por semana a São Paulo, ao dizer: “Não sabia de nada. Nem me programei para comprar mais passagens antecipadas”.

Além de Marta Duarte, outra estudante descontente com o aumento das tarifas era Luciene Azevedo, de Votorantim. Ela viaja toda semana para São Paulo, onde está matriculada num curso de especialização. “Muito em cima da hora. Agora que eu vi o folheto no guichê”, destaca. As duas iniciaram o curso este ano. “A gente se programa e compra passagem para o mês todo”, diz Luciene. Embora o valor da passagem para estudante tenha desconto, Marta explica que um aumento sempre impacta a vida financeira de quem estuda.

A dona de casa Valéria Aguiar, de Tatuí, concorda com a estudante. Ela vêm para Sorocaba esporadicamente e sente pelos estudantes matriculados aqui, ou mesmo pelos que estudam em sua cidade, onde funciona o Conservatório de Música. “Para quem viaja todo dia R$ 1,00 faz bastante diferença”, observa.

Valéria ainda critica o percentual aplicado pela ARTESP, dizendo: “Demoram para aumentar a passagem, mas quando aumentam o valor acaba bem mais alto.”
Itamar Rodrigues
Assessoria de Imprensa da CONUT

READ MORE - Confederação dos usuários do transporte coletivo reage contra o aumento de 8,8% das linhas intermunicipais de São Paulo

Grande Recife reforça linhas para Bienal do Livro

Para quem curte uma boa leitura e vai conferir a “VIII Bienal Internacional do Livro de Pernambuco”, que inicia amanhã (23) e segue até o dia 02/10 no Centro de Convenções de Pernambuco, o Grande Recife Consórcio de Transporte disponibilizará 30 linhas que já atendem ao local, sendo três reforçadas especialmente para o evento, representando um acréscimo de 13 ônibus e 80 viagens.

Nos dias úteis de realização da Bienal, 300 ônibus que operam nas 30 linhas que atendem ao local realizarão 2.500 viagens por dia, o que totalizará 15.000 atendimentos no período. Entre as linhas que trafegam nas proximidades do Centro de Convenções, a 043-Aeroporto Tacaruna (Derby) vai contar com um reforço especial de um veículo e seis viagens por dia, passando a contar com 10 ônibus e 74 viagens diariamente.

No primeiro final de semana do evento (24 e 25/09), o público da Bienal dividirá espaço com o “Samba Recife”, que acontecerá na área externa do Centro de Convenções. Por isso, a demanda de usuários para o local será maior, disponibilizando um reforço de sete coletivos e 44 viagens extras distribuídos nas linhas 043-Aeroporto Tacaruna (Derby), 825-Jardim Brasil/Joana Bezerra e 910-Rio Doce/Piedade. Estas três linhas realizarão, juntas, 349 viagens com 50 ônibus em operação. Somando as linhas reforçadas com as demais 27 linhas que circulam nas proximidades do local, os usuários terão um total de 347 veículos e 3.252 atendimentos nestes dois dias.

Já o último final de semana da feira (01 e 02/10), a 043-Aeroporto Tacaruna (Derby) volta a ser reforçada, passando a contar com 11 ônibus que completarão 85 viagens para atender ao local. Além dela operação, outros 330 veículos realizarão 3.130 atendimentos ao Centro de Convenções.

Assim, contabilizando todos os 10 dias da programação, o Grande Recife Consórcio de Transporte ofertará ao usuário um total de 300 ônibus e 21.487 viagens nas 30 linhas que trafegam nas proximidades do local da Bienal (veja lista a baixo). Para conferir o itinerário completo das linhas, o usuário pode entrar em contato com a Central de Atendimento ao Cliente, pelo telefone 0800 081 0158, ou acessar o site www.granderecife.pe.gov.br.

Detalhamento das linhas que atendem ao Centro de Convenções

Linhas que trafegam pela Av. Prof. Andrade bezerra, acesso ao Centro de Convenções.

811-Campo Grande (Terminal Sítio Novo)*
821-Jardim Brasil I (Estrada de Belém)
823-Jardim Brasil II (Estrada de Belém)
825-Jardim Brasil/Joana Bezerra
831-Aguazinha (Via Cruz Cabugá)
831-Aguazinha (Via Estrada de Belém)
920-Rio Doce/CDU
930-Rio Doce/Dois Irmãos

Linhas que trafegam pela Av. Agamenon Magalhães.

043-Aeroporto Tacaruna/Derby
050-PE-15/Boa Viagem
838-Alto da Conquista
841-Alto Nova Olinda
843-Alto da Bondade (Vila Nossa Senhora. da Conceição)
844-Santa Casa
847-Alto Nova Olinda**
851-Córrego do Abacaxi
852-Caixa D’Água (Cruz Cabugá)
909-Paulista Joana Bezerra/Joana Bezerra
910-Rio Doce/Piedade
913-PE-15/Joana Bezerra
915-PE-15
916-Ouro Preto/Joana Bezerra
921-Ouro Preto/Jatobá I
926-Ouro Preto/Jatobá II**
971-Amparo
972-Bultrins
976-Paulista (Prefeitura)
977-Paulista (Conde da Boa Vista)
982-Conjunto Beira Mar/Derby
986-Rio Doce/Derby**

*Esta linha não opera aos domingos.
**Estas linhas não operam em finais de semana.


Informações do CGRT

READ MORE - Grande Recife reforça linhas para Bienal do Livro

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960