Termina greve dos metroviários em Porto Alegre

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

No início da tarde de hoje, os metroviários e a Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre (Trensurb) chegaram a um acordo. A categoria aceitou um reajuste salarial de 6,3% e, com isso, não precisará alterar as escalas de trabalho como queria a empresa. Após o acordo os trens voltaram a operar.

 
Os metroviários haviam entrado em greve a partir da zero hora de hoje, na região metropolitana de Porto Alegre. A categoria pedia a manutenção da carga horária e aumento salarial de 6,36%. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Metroviários e Conexas do Estado do Rio Grande do Sul (Sindimetrô-RS), todo os 1.186 funcionários paralisaram as atividades.


Com a paralisação, usuários que se deslocavam para o trabalho ou escola encontraram logo cedo estações fechadas ou desertas e tiveram de procurar ônibus, insuficientes para atender o aumento da procura, ou recorrer aos táxis e às caronas. Muitos desistiram da viagem ou chegaram atrasados aos seus compromissos. A BR-116, via rodoviária que passa pelas mesmas cidades, ficou congestionada, com trânsito lento, por quase toda a manhã.





READ MORE - Termina greve dos metroviários em Porto Alegre

Movimento Passe Livre de São Paulo lança campanha pela TARIFA ZERO

No próximo dia 19 de agosto,  haverá o lançamento oficial da campanha pela implantação da tarifa zero no transporte coletivo da cidade de São Paulo. No evento, o Movimento Passe Livre  (MPL) apresentará um projeto de lei de iniciativa popular, como instrumento para a se chegar à tarifa zero. Ao todo serão necessárias cerca de 500 mil assinaturas para que o projeto seja encaminhado à Câmara de Vereadores.

O lançamento ocorrerá às 19h na Faculdade de Direito do Largo São Francisco e, além do MPL-SP, terá a participação da Dep. Luiza Erundina (prefeita da cidade quando o projeto original pela tarifa zero foi proposto) e do Profº Mauro Zilbovicius (um dos elaboradores do antigo projeto) .




READ MORE - Movimento Passe Livre de São Paulo lança campanha pela TARIFA ZERO

Paralisação dos trens em Porto Alegre altera rotina de quem precisa do transporte público

A paralisação dos metroviários que aconteceu nesta quinta-feira (18) na região metropolitana de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul alterou a rotina daqueles que precisavam fazer uso do transporte coletivo. Contrariando a liminar expedida pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT) os funcionários da empresa Trensurb, responsável pelos trens de Porto Alegre, não compareceram ao trabalho e as estações ferroviárias permaneceram fechadas. Aqueles moradores que fazem uso dos trens precisaram então optar por outras formas de transporte, como ônibus ou até mesmo carros particulares.
Foto: Tiago da Rosa/GES
Devido ao aumento da frota de veículos ocasionada pela paralisação do metrô houve um congestionamento na BR-116, no sentido interior-Capital, além de lentidão nas principais vias que dão acesso a Porto Alegre. Durante a tarde de quinta-feira os metroviários realizaram uma assembléia para definir se retomam as atividades ou não. Segundo a empresa Trensurb, os funcionários que não apareceram devem ter os pontos descontados no salário.

O Sindicato dos Rodoviários afirma achar injusta a notificação do Ministério Público do Trabalho que multou a entidade em R$ 30 mil para cada horário de pico de funcionamento que ficou sem atividade durante a paralisação, a entidade falou que quem deveria receber uma multa era a empresa Trensurb e não o sindicato.

Os metroviários decidiram de maneira unanime pela paralisação na tarde desta quarta-feira (17). Os funcionários iram parar as atividades durante 24 horas na região metropolitana de Porto Alegre. Então, o Ministério Público do Trabalho entrou com uma ação no TRT para que 100% dos grevistas trabalhassem pelo menos nos horários de pico.



READ MORE - Paralisação dos trens em Porto Alegre altera rotina de quem precisa do transporte público

Implantação do BRT em Florianópolis será debatido hoje

Pesquisadores e autoridades da área de transportes participarão, nesta quinta-feira (18), de uma discussão aberta ao público sobre a possível adoção em Florianópolis do BRT (Bus Rapid Transit), um sistema de corredores exclusivos de ônibus já usado em Curitiba e Goiânia.


O BRT ou Bus Rapid Transit é um sistema de ônibus de alta capacidade que utiliza corredores exclusivos em vias urbanas, simulando o desempenho e outras características atrativas dos modernos sistemas de transporte urbano sobre trilhos. Foi criado e inicialmente colocado em prática em Curitiba na década de 1990. Florianópolis vai implantar o sistema com três corredores, com o nome de Via Rápida.

Entre os assuntos abordados estão a discussão da implantação do BRT em Florianópolis, um panorama do BRT no Brasil e no Mundo, a integração da bicicleta com o transporte coletivo e o direito à mobilidade urbana. Luís Antônio Lindau, da UFRGS e João Alencar Oliveira Júnior irão ministrar as palestras.

Serviço
O quê: Evento de discussão aberta sobre o sistema BRT (Bus Rapid Transit)
Quando: 18/8/2011, 19h
Onde: CDL de Florianópolis, rua Felipe Schmidt, 679, Centro, Florianópolis
Quanto: Gratuito

Programação
19h - Florianópolis e o BRT (Via Rápida)
João Batista Nunes / Vice-Prefeito e Secretário de Transportes de Florianópolis

19h20- Panorama do BRT no Brasil e no Mundo
Professor Luis Antonio Lindau / UFRGS / Embarq Brasil

19h40 - Direito à mobilidade urbana – a construção de um novo direito social
Professor João Alencar Oliveira Júnior / SeMob / Ministério das Cidades

20h -  A integração da bicicleta com o transporte coletivo
Daniel de Araújo Costa / Presidente da Viaciclo (Associação dos Ciclousuários da Grande Florianópolis)


Fonte: ND Online
READ MORE - Implantação do BRT em Florianópolis será debatido hoje

Porto Alegre: Comissão quer expandir debate sobre metrô

Evitar que o impacto negativo das obras de construção dos corredores de ônibus se repita no processo de implantação do metrô de Porto Alegre é um dos objetivos da Comissão Especial para Análise e Proposta de Viabilidade do Metrô, que começou a trabalhar ontem na Câmara de Vereadores da Capital. Segundo o vereador Nelsir Tessaro (PTB), que preside o grupo, em 120 dias serão analisados os detalhes do projeto e elaborado um relatório com sugestões para minimizar os transtornos.

“Precisamos trazer o projeto do Executivo, feito já há alguns anos, para a realidade do momento e entender que impactos terá a obra sobre o trânsito de importantes eixos da cidade, como é o caso da avenida Assis Brasil. Não só para diminuir os engarrafamentos, como para não impactar negativamente sobre o comércio da região”, disse o vereador.

A comissão composta por 12 vereadores irá se reunir às quartas-feiras, sempre às 10h30min. No cronograma definido neste primeiro encontro foi estabelecido que a cada semana será convidado um representante de entidade envolvida no projeto. Na primeira etapa serão ouvidos o Executivo municipal, o Estado e o secretário nacional de Transporte e Mobilidade, Luiz Carlos Bueno de Lima.

O projeto em debate, apresentado pela prefeitura ao Ministério das Cidades, inclui nesta primeira fase a construção de uma linha entre a Fiergs e o Centro, com 13 estações, passando pelas avenidas Assis Brasil, Benjamin Constant e Farrapos.

Os vereadores querem saber como será feito o metrô no trecho entre a Fiergs e a estação Triângulo, se por superfície (como mostrava a primeira versão divulgada do projeto) ou subterrâneo; se a construção das vias subterrâneas nos demais trechos, pelo sistema cava e tapa, irá interditar por completo os corredores de ônibus; como será o financiamento da obra; e, ainda, como se dará a integração com o futuro sistema da zona Leste, previsto para ser construído em uma segunda fase.

“Sozinho, nenhum ente público tem condições de tirar esse projeto do papel. Fala-se que o município, o Estado e a União assumirão parcelas de R$ 300 milhões cada um, mas nada disso está claro. Com esse trabalho vamos dar a contribuição da sociedade, representada por seus vereadores, ao projeto que ainda não foi contratado, não recebeu aportes”, detalhou Tessaro.

Para o vereador Toni Proença, a segunda fase (que não entra no projeto em discussão) deveria ser construída sobre o arroio Dilúvio, na avenida Ipiranga, para ligar o bairro Praia de Belas ao bairro Agronomia, onde está localizado o Campus do Vale, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs).

Os vereadores debatem, ainda, a sugestão de usar, neste trecho, um aeromóvel, semelhante ao que será implantado entre a estação Aeroporto, do Trensurb, e o terminal 1, do Aeroporto Internacional Salgado Filho.

A obra, confirmada em maio pelo Ministério das Cidades, está estimada em R$ 1,58 bilhão, já com os abatimentos das isenções fiscais (a estimativa inicial era de quase R$ 2,5 bilhões). O trem subterrâneo percorrerá um trecho de 15 quilômetros e, se começar a ser construído em 2012, poderá entrar em operação em 2017.




READ MORE - Porto Alegre: Comissão quer expandir debate sobre metrô

Metrô de Teresina volta a circular, mas somente nos horários de pico

O metrô da cidade de Teresina voltou a circular nesta quarta-feira (17), após um extenso trabalho para a recuperação da linha férrea feito pela Companhia Metropolitana de Transportes Públicos (CMTP). O resultado foi comemorado pela diretoria do órgão e pela população que voltou a ter uma alternativa de locomoção aos ônibus coletivos.

Na semana passada foram realizados os testes dinâmicos em locomotivas e vagões e nos 15 quilômetros da linha férrea que tinham como finalidade garantir a estabilidade e definir a velocidade do trem em cada trecho.

"Passei parte da manhã acompanhando o metrô e falando com os usuários que agradeceram e estavam felizes com a volta do transporte" , afirmou o diretor técnico da Companhia Metropolitana, Antônio Sobral. Ele afirma que até o momento foram trocados cerca de 4.700 dormentes e feitos diversos serviços de alinhamento e reparo na linha, com um total gasto de aproximadamente R$ 750 mil.

"O Ibama nos doou 1.500 dormentes e falta aproximadamente 500 serem colocados. Até o final do ano vamos trocar mais 5 mil dormentes, fazer trabalhos de vedação e drenagem, além de colocarmos mais brita. Essa nova etapa tem um custo aproximado de R$ 2 milhões e será licitada em breve", diz Sobral.
Circulação
Nas primeiras semanas, o metrô funcionará apenas nos horários com maior fluxo de passageiros: manhã, meio-dia e tarde. Nesses períodos, o trem irá transitar normalmente da Estação Engenheiro Alberto Silva, no Shopping da Cidade, à Estação do bairro Dirceu II, na zona Sudeste de Teresina.

A CMTP continuará a troca dos dormentes. Junto com a mudança dos dormentes, foram feitas melhorias nas passagens de níveis, nos aparelhos de mudanças, no nivelamento e alinhamento da linha.


READ MORE - Metrô de Teresina volta a circular, mas somente nos horários de pico

VLT (Veículo Leve Sobre Trilhos) que ligará Santos a São Vicente terá 15 quilômetros de extensão

O Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) terá 15 quilômetros de extensão, ligando as cidades de Santos e São Vicente. Na tarde desta quinta-feira, durante o evento Agenda Metropolitana, no Mendes Convention Center, o governador Geraldo Alckmin deu mais detalhes sobre o projeto, que inicialmente envolverá as regiões do porto e Valongo, passando pela Ponte dos Barreiros, chegando a São Vicente.

''O edital para o projeto executivo do VLT será publicado nesta sexta-feira'', disse o governador.

Após a conclusão do projeto executivo, que está prevista para julho de 2012, começam as obras, que devem durar 24 meses. ''O VLT será o elo da região''.


A confirmação da obra do VLT ocorre após anos de discussões e polêmicas sobre o tema. Em fevereiro deste ano, após lançamento da licitação, nenhuma empresa apareceu na sede da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU) em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, interessada em explorar o Sistema Integrado Metropolitano (SIM) da Baixada Santista. A licitação foi declarada deserta. "Para não correr novamente esse risco, o governo fará a obra física", disse Alckmin.

O VLT, nessa primeira etapa, fará o trajeto do Porto ao Valongo. E, para atender a Petrobras e a demanda do pré-sal, do Porto até a Ponte de Barreiros, em São Vicente.

"Depois, pretendemos expandir para Praia Grande e Guarujá". O governador disse que a obra do túnel deve durar três anos e do VLT, um pouco menos. "Nós pretendemos entregar no nosso mandato o VLT operando e o túnel, bem adiantado".

O Veículo Leve fará parte do Sistema Integrado Metropolitano (SIM), também composto por linhas de ônibus locais e interurbanas. A ganhadora da licitação teria de operar os dois serviços de transporte.

A primeira fase do SIM, entre Santos e São Vicente, tem custo estimado em R$ 700 milhões. Conforme o edital original de concorrência, a concessão dos serviços terá 25 anos de duração, com faturamento previsto de R$ 4,7 bilhões, no período, para a vencedora.





READ MORE - VLT (Veículo Leve Sobre Trilhos) que ligará Santos a São Vicente terá 15 quilômetros de extensão

Sistema viário de Salvador terá investimento de R$ 1,3 milhão

Salvador começa a perceber mudanças estruturais em diversos pontos da cidade, voltadas para ampliar a mobilidade urbana. Além dos projetos que envolvem a implantação de novas modalidades de transportes, através da parceria entre os governos federal, estadual e municipal, a Prefeitura de Salvador iniciou uma série de intervenções nos locais de grande trafego.

"Estamos investindo mais de R$ 1,3 milhão do nosso orçamento para alargar vias, criar novos retornos, fazer conexões entre pontos importantes para promover maior dinâmica ao nosso sistema viário", destaca o prefeito João Henrique. A Superintendência de Trânsito e Transporte (Transalvador) identificou 24 pontos críticos de congestionamento, cujas intervenções vão ocorrer em três etapas, executadas pela Superintendência de Conservação e Obras Públicas (Sucop).
 Avenida ACM (região do Itaigara), Rua das Alfazemas, no Caminho das Árvores; Avenida Miguel Calmon (acesso ao túnel Teodoro Sampaio); região do Hospital do Subúrbio; Avenida Waldemar Falcão (proximidades da Rua Santa Luzia); Estação Pirajá (acesso à Rua da Indonésia) e no entroncamento da Avenida Jorge Amado com a Avenida Otávio Mangabeira. A terceira etapa corresponde a sete intervenções no sistema viário na região do Iguatemi.
Arestides Baptista/Agência A Tarde/AE
Na primeira etapa, são nove obras a serem concluídas, sendo três delas já em andamento - as avenidas Mario Leal Ferreira (Bonocô), Antonio Carlos Magalhães (ACM), na região do Hiper Posto, e a Afrânio Peixoto - Suburbana. A segunda fase contempla oito projetos nos seguintes pontos:





READ MORE - Sistema viário de Salvador terá investimento de R$ 1,3 milhão

Em Aracaju, Coletivos desrespeitam usuários

Campeão de reclamações, o transporte coletivo de Aracaju, continua a desagradar e desrespeitar o usuário, que impossibilitado de possuir veiculo próprio, é obrigado a depender dessas empresas que preocupadas em aumentar seus lucros, não preparam e não fazem cursos de reciclagem com seus motoristas.

Às 15 horas desta quarta-feira (17), no ponto de ônibus localizado na avenida Barão de Maruim, próximo à rua Lagarto, o ônibus prefixo 9179, que faz a linha Augusto Franco Bugio, deixou os passageiros revoltados, ao passar em alta velocidade e não parar.

Mesmo alguns usuários tendo acenado para que o coletivo parasse, para que eles pudessem embarcar, o motorista, como se estivesse em uma via expressa, em alta velocidade, os deixou.

Isso acabou por deixar as pessoas revoltadas, principalmente um senhor de 55 anos que orientou as pessoas a se calarem, pois segundo ele, “cobrar algo da SMTT ou dos empresários, não resolve nada. “Isso é uma vergonha e todos os dias isso acontece. Você liga para SMTT eles dão tanto protocolo, falam tanto e não vira em nada. Cadê o tão falado GPS? Se tem mesmo e não for mentira deles, fica fácil saber quem foi o irresponsável, porque, o próximo coletivo da linha Augusto Franco Bugio, demorou cerca de 40 minutos para passar. Mas se alguém quiser se estressar e esperar por quem não ficou de vir, reclame a SMTT”, ironizou o idoso.

Sabe-se que há centenas de motoristas responsáveis e extremamente educados, porem há “uma meia dúzia” que deveriam ser demitidos, pois alem de não respeitar os passageiros, circulam em alta velocidade nas ruas da capital.

Fonte: Faxaju

READ MORE - Em Aracaju, Coletivos desrespeitam usuários

São Paulo: Sem corredor exclusivo em Cidade Tiradentes, passageiros levam até três horas para chegar a outras regiões

Levar horas para chegar a outros pontos de São Paulo já é rotina na vida dos moradores de Cidade Tiradentes, no Extremo Leste. O único meio de transporte público disponível para a população é o ônibus. Nos horários de pico, eles ficam lotados. Mas a maior reclamação dos passageiros é a demora para chegar aos destinos, por causa da falta de corredor exclusivo de coletivos no bairro.

O porteiro Antônio Carlos de Jesus Oliveira, 45 anos, utiliza três ônibus de Cidade Tiradentes até seu trabalho, no Sacomã, Zona Sul. Leva, em média, duas horas e meia. "Trabalho à noite, por isso vou no horário mais crítico, após as quatro da tarde." Segundo ele, as filas são inevitáveis em vias como a Estrada do Iguatemi, Rua Inácio Monteiro e Avenida Saturnino Pereira. Antônio comenta que as ruas têm a mesma largura desde que se mudou para o bairro, há 27 anos. Para ele, elas precisavam ser alargadas, porque a região cresce a cada ano, em população e em carros. E, sem corredor exclusivo, os ônibus disputam espaço com os demais veículos. "Se tivesse o corredor, facilitaria muito a nossa vida", afirma.

A vendedora Regina Cássia Batista, 41 anos, que utiliza com frequência ônibus para São Mateus e Guaianases, confirma que as vias principais ficam travadas. Apesar de serem regiões vizinhas, ela leva cerca de uma hora em alguns horários. "No final da tarde é horrível. O ônibus não sai do lugar."

Devido às filas, a dona de casa Aparecida Maria Lígero, 55 anos, leva quase duas horas até Itaquera, onde pega metrô quando vai ao Centro. O trajeto até o destino final chega a três horas. Também gostaria de mais coletivos para ligar as localidades de Cidade Tiradentes. Antes de chegar ao terminal de onde saem as linhas para outros bairros, ela espera até meia hora pela condução.
Foto: Vinicius Pereira

"Tem só uma que passa na minha casa. Deveriam circular mais aqui dentro", diz. Também reclama dos ônibus cheios e cobra a volta dos articulados, que deixaram de circular em abril. Conforme a SPTrans, os ônibus de 18 metros operaram em Cidade Tiradentes em caráter experimental. Foi constatada a inviabilidade da manutenção, pelas características topográficas da região. Voltaram os ônibus normais, em número suficiente, segundo o órgão.

Cidade Tiradentes vai ganhar monotrilho
A SPTrans tinha projeto de corredor de ônibus entre a região central  e Cidade Tiradentes, mas foi transformado em monotrilho, na futura extensão da Linha 2-Verde do Metrô, que privilegia o canteiro central de avenidas, a uma altura de 12 a 15 metros. O primeiro trecho do prolongamento está em construção e contará com as estações Vila Prudente e Oratório, com previsão de conclusão para o segundo semestre de 2013. O segundo trecho, até São Mateus, deve iniciar o funcionamento no segundo semestre de 2014 e a chegada a Cidade Tiradentes está prevista para 2016.

A linha terá 17 estações, dois pátios e 24,5 quilômetros de extensão. A opção pelo monotrilho levou em consideração o tempo menor de implantação em relação ao metrô convencional. Os dois têm velocidade semelhante (máxima de 80 km/h) e são movidos a energia elétrica. Terá capacidade para transportar 48 mil passageiros/hora/sentido.


READ MORE - São Paulo: Sem corredor exclusivo em Cidade Tiradentes, passageiros levam até três horas para chegar a outras regiões

São Paulo: Audiência Pública da Concessão do Transporte Metropolitano da RMC ocorre nesta sexta-feira

Nesta sexta-feira, dia 19/08, ocorrerá a Audiência Pública, conforme determina a Lei Federal 8.666/93, sobre o modelo de concessão onerosa do sistema de transporte metropolitano por ônibus, que envolve as linhas do Sistema Regular dos 19 municípios que compõem a Região Metropolitana de Campinas,
Evento: Audiência Pública da Concessão na RMC
  • Data: 19/08 (sexta-feira)
  • Horário: 14 horas
  • Local: Hotel Premium Norte
  • Endereço: Rua Novotel, 931 – Campinas/SP
Mais Notícias de São Paulo

Fonte: www.emtu.sp.gov.br

Share |
READ MORE - São Paulo: Audiência Pública da Concessão do Transporte Metropolitano da RMC ocorre nesta sexta-feira

Treze linhas de ônibus não têm mais cobradores em Cuiabá

Treze linhas de ônibus, entre alimentadoras e expressas, estão funcionando sem cobrador, em Cuiabá. A medida está em teste desde abril deste ano, e partiu de um acordo firmado entre a Secretaria de Trânsito e Transporte Urbano (SMTU) e o Sindicato dos Motoristas Profissionais e Trabalhadores em Empresas de Transportes Terrestres de Cuiabá e Região (STETTCR).

Em número de veículos, são 52 ônibus que estão adaptados para realizar os trajetos sem a figura do cobrador. A cobrança da passagem, nesse momento, será feita pelos motoristas.

No total, são seis linhas alimentadoras, sendo quatro saindo do Terminal do CPA 1 (Setor 3 e 4; Jardim Florianópolis; Serra Dourada e Residencial Picoli) e duas do terminal do CPA 3 (Doutor Fábio e Serra Dourada).

Além deles, as linhas expressas 109 (Santa Amália); 101 (Coophamil); 106 (Cidade Verde); 204 (Jardim Alvorada); 606 (Parque Atalaia via Beira Rio) e 613 (São Gonçalo via Beira Rio) não têm mais cobrador.

Em Várzea Grande, no mês de abril, eram três as linhas de ônibus que estavam em teste: as alimentadoras da Sadia, Limpo Grande e Bonsucesso. Linhas atuais e quantidade de ônibus que estariam fazendo o trajeto não foram informadas pela Secretaria de Transporte Urbano (STU), até a conclusão da reportagem.

Critérios
Conforme o coordenador de fiscalização da SMTU, Leopoldino Pereira de Queiroz, o critério utilizado para a escolha das linhas foi o de menor densidade por usuário. Ele também explicou que a retirada de cobradores será gradativa e, no futuro, deve caminhar para a ausência total da figura do cobrador.

"O objetivo também é massificar o uso dos cartões-transporte e tirar em 100% o uso do dinheiro. O acordo entre sindicato e secretaria é de um ano, porém, enquanto o teste ocorre, estamos fazendo estudos para saber quais poderão ser as próximas linhas", disse.

Antes de deixar o comando da SMTU, o vereador Edivá Alves afirmou que o objetivo era fazer com que ,até 2014, ano da Copa do Mundo, o transporte público em Cuiabá já funcionasse sem cobradores.

A decisão, considerada polêmica, em partes, por possivelmente deixar sem emprego diversos cobradores, segundo Alves, não terá efeito negativo. Os trabalhadores poderão ser remanejados para outras funções.

"Nós temos acompanhado outros locais. Fui em Goiânia, neste ano, andei de ônibus e lá não se tem cobrador, já há algum tempo. Muitos deles viraram fiscais ou vendedores de cartões de um único uso, para aqueles que não são estudantes ou não têm cartão transporte recarregável, por exemplo. Mas, isso é um processo lento, gradativo. Não vamos demitir ninguém", informou.



Isa Sousa
Fonte: Midia News

READ MORE - Treze linhas de ônibus não têm mais cobradores em Cuiabá

Usuários do transporte coletivo de Imperatriz estão insatisfeitos com a qualidade dos serviços

Usuários do transporte coletivo estão insatisfeitos com a falta de qualidade nos serviços prestados em Imperatriz e municípios vizinhos. Além dos atrasos, os passageiros reclamam da qualidade dos veículos. As linhas, segundo os usuários, utilizam micro-ônibus e ônibus velhos para o transporte.

São duas empresas que exploram mais de 50 linhas do transporte coletivo incluindo a cidade de imperatriz e outros municípios da região como João Lisboa, Davinopólis e Governador Edson Lobão. Dependendo do bairro, o tempo de espera na parada passa de uma hora. A funcionária pública Raimunda Sampaio mora no bairro Santa Rita e alega que perde muito tempo a espera do coletivo.

Mas a demora não é a única reclamação. Mais da metade da frota da empresa que possui o maior número de linhas é formada de micro-ônibus que não conseguem atender a demanda de passageiros.

Ônibus velhos, com bancos rasgados, janelas danificadas são vistos com frequencia na cidade: os passageiros também alegam que os veículos quebram durante as viagens.

Esclarecimentos

O gerente de transportes da empresa citada na reportagem, Carlos Antônio de Sousa, disse que existe um planejamento para melhorar a frota. Segundo ele, pelo menos 40 ônibus novos já foram adquiridos pela empresa e devem começar a chegar à cidade na próxima semana.

O secretário Municipal de Trânsito, disse que a fiscalização para constatar as condições dos veículos vai ser intensificada.


READ MORE - Usuários do transporte coletivo de Imperatriz estão insatisfeitos com a qualidade dos serviços

Em Santos, Ciclovia da Ana Costa já divide opiniões

A construção da ciclovia da Avenida Ana Costa está chegando ao fim e a opinião de ciclistas que utilizam esse tipo de espaço para locomoção são variadas. De maior agilidade e economia de tempo à falta de pontos de ultrapassagem, os ciclistas se dividem ao falar sobre a pista.
O vendedor de aparelhos eletrônicos Matheus Oliveira, de 20 anos, diz que sempre usa a ciclovia quando tem que sair de bicicleta de casa. Segundo ele, o fim da obra virá em boa hora, já que “andar pela ciclovia é mais fácil do que andar pelas ruas e ter que ficar desviando dos carros no trânsito”.
A atendente Sofia Bolanhos, 21 anos, concorda com Oliveira. Ela diz que andar pela ciclovia é mais seguro por não correr riscos de ser atropelada por automóveis e motos.
Em contrapartida, o porteiro Ivanildo Oliveira, de 56 anos, diz que anda de bicicleta todos os dias e não gosta do espaço destinado às bicicletas na via. “É estreito, não tem espaço para ultrapassar. Enfim, não serve para nada. Prefiro andar pela rua”.
O agente da CET Rodolfo Fernandes também diz que há desrespeito por parte dos ciclistas. Segundo o agente, as pessoas acabam ocupando a rua para fazer as ultrapassagens, pois a ciclovia da Ana Costa é muito estreita e não permite que duas bicicletas andem lado a lado. Mas ele concorda que a ciclovia seja mais segura para os ciclistas.

Movimentação nas ciclovias

O presidente da Associação Brasileira de Ciclistas, Jessé Teixeira Félix, diz que aproximadamente 2 mil a 2500 pessoas passam pelas ciclovias da Av. Ana Costa, enquanto em toda a Cidade o número chega a 100 mil todos os dias. Para ele, os espaços são essenciais para a locomoção casa/trabalho ou para o simples lazer e atividade física.
Félix diz que quem mais desrespeita o espaço são os pedestres, que abusam de travessia em locais proibidos, aumentando o risco de acidentes.
Para ele, os moradores Santos já estão totalmente adaptados com a ciclovia, tanto que, na sua visão, o incentivo por parte de órgãos públicos já deixou de ser necessário, faltando apenas o apoio da iniciativa privada.

Postado por Vinícius Morales
Fonte: BoqNews

READ MORE - Em Santos, Ciclovia da Ana Costa já divide opiniões

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960