Em São Paulo, Frota de ônibus tem idade média acima do limite

domingo, 14 de agosto de 2011

Bancos desconfortáveis, poluição e até cordinha azul para dar o sinal --desativada há muitos anos. A idade avançada da frota de ônibus urbanos da capital não está só na aparência. A média de vida dos coletivos de concessionárias é de cinco anos e cinco meses, segundo a SPTrans (que administra o transporte público), cinco meses mais do que o previsto em contrato com as empresas.

Relatório do TCM (Tribunal de Contas do Município) revela que oito empresas começaram o ano com idade média de veículos acima de cinco anos. Ao todo, nove das vinte garagens da concessão --ou 45%-- estavam em desacordo.
Passageiros dos terminais Santana, Tatuapé e Parque Dom Pedro, nas zonas leste, norte e centro de SP, reclamam de barras mal fixadas e ônibus quebrados.

SPTrans diz renovar frota

A SPTrans informa que a frota de ônibus da capital é renovada de forma "constante" e que 10.992 dos 15.000 veículos foram substituídos entre 2005 e 2010. De acordo com a empresa, não há nenhum ônibus com mais de dez anos circulando na cidade, com exceção dos trólebus, que possuem vida útil maior.

Já a idade média dos ônibus em regime de permissão, a maioria micro-ônibus, é de três anos e seis meses, diz a SPTrans. A empresa informa ainda que irá encaminhar esclarecimentos ao Tribunal de Contas do Município sobre o relatório.
Com relação à linha Vila Rosa/Santana, cujos ônibus, segundo passageira, quebram frequentemente, a SPTrans informa que a fiscalização será intensificada.
A empresa municipal ressalta que todos os ônibus do sistema passam por vistoria pelo menos duas vezes ao ano, e que essa periodicidade pode aumentar conforme a necessidade e os resultados dos trabalhos. Todos os ônibus, diz a SPTrans, passam por inspeção veicular. Questionadas, as empresas não se manifestaram.



READ MORE - Em São Paulo, Frota de ônibus tem idade média acima do limite

Metrô de São Paulo quer atender 50% a mais em 2014

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) quer fazer do transporte público de massa uma de suas principais bandeiras de governo. Na terceira passagem pelo Palácio dos Bandeirantes, o tucano, em menos de sete meses, já anunciou sete grandes projetos de Metrô e trens da CPTM. Além disso, prometeu, em Jundiaí, um trem de média velocidade para ligar a cidade do interior à capital em 25 minutos. Hoje, o trajeto de cerca de 60 quilômetros dura, em média, uma hora e cinquenta minutos.

Somados, os investimentos nesse setor chegam a R$ 18 bilhões. Para se ter uma ideia do volume de recursos, neste ano o estado tem R$ 21,2 bilhões reservados para investimentos.

Em 2013, o estado deve começar ainda a ligação entre a capital e o Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, de trem. A linha da CPTM vai da estação do Brás, no Centro, até o aeroporto internacional. A Linha 13-Jade vai ser um prolongamento da Linha 12-Safira. O custo estimado chega a R$ 950 milhões.

"Nossa meta é chegar a nove milhões de passageiros transportados por dia ao final de 2014", diz Alckmin. Hoje, seis milhões de pessoas usam o Metrô ou a CPTM todos os dias.

Além de atacar um dos maiores problemas dos paulistanos e moradores de cidades vizinhas que trabalham na capital, Alckmin mira também municípios governados hoje pelo PT, como São Bernardo, Osasco e Carapicuíba, na Grande São Paulo, e bairros carentes excluídos do mapa do transporte sobre trilhos e de predominância petista, como Sapopemba, São Mateus e Cidades Tiradentes, na Zona Leste, e Capão Redondo, na Zona Sul.

"Nós vamos ultrapassar os cem quilômetros de Metrô", projeta. Hoje são 70 quilômetros de vias. A extensão da CPTM chega a 40 quilômetros. Há 15 dias, o governador retomou as obras da Linha 5-Lilás, atualmente entre Capão Redondo e Largo Treze, em Santo Amaro, na Zona Sul, e que vai até a Estação Chácara Klabin, na Linha 2-Verde. O trecho, orçado em cerca de R$ 7 bilhões, será a obra mais cara do Metrô.

Outro projeto que saiu do papel é a Linha 17-Ouro, que fará a ligação do Aeroporto de Congonhas até a Estação Morumbi da CPTM. Antes prioridade por conta da provável abertura da Copa do Mundo de 2014 no estádio do São Paulo, a obra perdeu força no ano passado após a exclusão do Morumbi do Mundial. Mesmo assim, o investimento de R$ 1,3 bilhão foi mantido. A expectativa é inaugurar o primeiro trecho até maio de 2014, antes, portanto, da Copa. E, em 2015, entregar as segundas e terceiras fases, que vão passar sobre o Rio Pinheiros até chegar a Linha 4-Amarela na Estação São Paulo-Morumbi.

Nova tecnologia
O Metrô contratou uma empresa especializada  para fazer o prolongamento da Linha 2-Verde.  Serão usadas fôrmas de alta tecnologia para a fabricação de trilhos de concreto que serão usados no monotrilho. O trecho entre Cidade Tiradentes e a Vila Prudente será feito em 50 minutos.

Linhas diretas para a capital são prioridades
As linhas diretas dos municípios da região metropolitana com a capital também entraram no mapa de prioridades da gestão estadual. A promessa é construir um Metrô Leve do ABC (Veículo Leve Sobre Trilho), com 20 quilômetros de extensão, para ligar São Bernardo e São Caetano à Estação Tamanduateí do Metrô  na capital. Anunciada num "território" do PT, a obra de R$ 4,1 bilhões deve ser licitada  em 2012.

Já o Expresso ABC vai levar os passageiros à capital com mais rapidez. Com menos paradas (seis estações), vai ser implantado paralelamente à Linha 10-Turquesa da CPTM. Sairá de Mauá, passando por Santo André, São Caetano, Tamanduateí, Brás e Luz.

"Estamos agora com quatro obras do Metrô ao mesmo tempo (Linha 2-Verde, Linha 5-Lilás, Linha 4-Amarela, Linha 17-Ouro), mais uma da CPTM (Linha 8-Itapevi). Vamos começar a Linha 6, da Freguesia do Ó, a extensão da Linha 9 até Varginha, a Linha 13 até o aeroporto e o Expresso ABC. Ano que vem vão ser oito obras em conjunto", projeta o secretário de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes.

Há ainda  um estudo para criar uma linha direta entre Pinheiros e Barueri. Os 20,8 quilômetros teriam somente quatro estações  com tempo de viagem estimado de 20 minutos -  hoje o passageiro fica 35 minutos dentro do trem e ainda é obrigado a fazer uma baldeação (troca de trem). O projeto é iniciar essa obra em 2013 e terminá-la em dois anos. "É uma tônica para fazer com que o trem seja mais eficiente", explica Jurandir.

Para o presidente do Metrô, Sérgio Avelleda,  os novos trajetos vão permitir uma melhor distribuição dos passageiros na rede, reduzindo a lotação nas principais linhas. "O desafio é criar as alternativas de trajeto.  (O investimento) vai significar mais gente, mas mais bem distribuída dentro da rede, tendo mais opções de trajeto e de conexões. Portanto, será uma operação com mais conforto para o passageiro e mais opções para o usuário", explica.

Novos trens vão substituir frota antiga
Recentemente, o Metrô
comprou 33 novos trens, ao custo de R$ 1 bilhão, que já estão circulando nas Linhas 1-Azul (sete composições), 2-Verde (16) e 3-Vermelha (dez carros). Foram adquiridos também 14 trens novos para a Linha 4-Amarela, operada pela concessionária ViaQuatro.

R$ 1 bi
foi o valor gasto pelo Metrô com as 33  composições

Vagões velhos também serão reformados e  modernizados
Os 98 trens das frotas originais das Linhas 1-Azul e 3- Vermelha serão modernizados até 2014. Outros 15 serão
comprados para as linhas 1, 2 e 3, segundo o governo. Já foi autorizada a compra de 26 novos trens para a Linha 5-Lilás.

Linhas 8 e 7 da CPTM ganham mais carros nos próximos anos
A CPTM também terá investimentos em novas composições. A Linha 8-Diamante vai ganhar 36 trens, a Linha 7-Rubi terá 80% da frota renovada e os 20% restantes reformados, firma o secretário de Transportes, Jurandir Fernandes.


READ MORE - Metrô de São Paulo quer atender 50% a mais em 2014

Em Goiânia, Começam as obras em terminal de Aparecida

Começa a reforma do Terminal Araguaia, em Aparecida de Goiânia. Segundo a prefeitura, a obra será realizada com o terminal em funcionamento. A proposta da Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC) é de que em até 45 dias as obras sejam finalizadas.

Segundo a prefeitura, o terminal vai contar com serviços como maior acessibilidade às plataformas, bicicletário com 20 vagas, além de grades de proteção em toda a área e sanitários reformados. As instalações e a comunicação visual devem ser renovadas e a segurança deverá ser feita por 16 câmeras com vigilância 24 horas.

Os motoristas também devem ser beneficiados com uma sala de 20 metros quadrados para o descanso, um projeto que atende, segundo a prefeitura, todas as exigências do Ministério do Trabalho.

Os sanitários devem oferecer mais conforto e higiene para o passageiro e, como a reforma deve acontecer com o terminal em uso, o consórcio da Rede Metropolitana de Transportes Coletivos (Rmtc) optou por locar banheiros químicos durante período obras.

A venda de passagens terá um local específico dentro da estação durante a reforma. O usuário está sendo orientado por agentes de transporte para que o período de obras corra de maneira tranquila.

Segundo a prefeitura de Aparecida de Goiânia, a parte externa também deve receber uma nova sinalização que será implantada pela Secretaria Municipal de Trânsito (SMT). Devem ser realizadas, ainda, manutenção no asfalto e jardinagem nas proximidades.

O terminal Araguaia atende cerca de 33 mil passageiros por dia com uma frota de 56 ônibus. Moradores da região contam com uma linha Eixo, nove alimentadoras e três ônibus que fazem ligação com outros terminais.

Fonte: G1.com.br

READ MORE - Em Goiânia, Começam as obras em terminal de Aparecida

Início de obras em grandes vias muda trânsito de Salvador

Intervenções viárias em vários pontos de Salvador, com o investimento de R$ 1,3 milhão. Este foi o anúncio feito, na última sexta-feira (12), pela Prefeitura Municipal para amenizar os engarrafamentos que aborrecem diariamente os motoristas.
De acordo com o superintendente de Trânsito e Transporte de Salvador (Transalvador), Alberto Gordilho, o projeto foi elaborado pela equipe técnica do órgão e será executado, em três etapas, pela Superintendência de Conservação e Obras Públicas
(Sucop).
Na etapa inicial, três obras estão em andamento: o alargamento da pista e a construção de um recuo para ônibus na Avenida ACM, na altura do Hiper Posto, nos sentidos Lucaia e Iguatemi; a criação de um recuo para parada de ônibus na Avenida Suburbana, próximo ao viaduto do Lobato; e a criação de uma agulha (desvio para uma via paralela)  na Avenida Bonocô, em frente ao posto Mataripe, para evitar  o afunilamento da pista no sentido Iguatemi.

Xando Pereira | Agência A TARDE
Ao todo, 24 pontos da cidade sofrerão mudanças e a previsão da Transalvador é de que a primeira etapa seja concluída em 40 dias. Outras seis intervenções estão no cronograma, com previsão de início  em setembro. Os locais são  Avenida Tancredo Neves; próximo ao supermercado Makro; Stiep; Av. Paulo VI (Pituba),  Av. Otávio Mangabeira, Ogunjá e Largo do Luso (Plataforma). 
“As três etapas devem ser concluídas até o final do ano. São pequenas intervenções que visam melhorar a circulação de ônibus na cidade, principalmente no Subúrbio. Na Bonocô existe um grande gargalo que deixará de existir com o alargamento da pista”, salienta Gordilho, reforçando que nesse primeiro momento não haverá nenhuma mudança no trânsito.


Fonte: A Tarde Online

READ MORE - Início de obras em grandes vias muda trânsito de Salvador

Natal: Urbanista aponta caminhos da mobilidade urbana

Imagine uma cidade praticamente sem carros particulares rodando pelo seu centro, com ruas de calçada larga e em que quase todos andam de trem ou ônibus. É assim que, pelo menos em parte, o arquiteto e urbanista suíço-canadense Luc Trottier, especializado em arquitetura sustentável e mobilidade urbana, pensa como seria o ideal para ser viver. "Eu sei que é praticamente impossível viver sem carro, mas isso seria ótimo em vários sentidos", ponderou Luc, durante entrevista realizada na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Pós-graduado na França, Luc Trottier veio a Natal em companhia da esposa e acabou aceitando o convite do Departamento de Políticas Públicas da UFRN, para proferir a palestra, que superlotou um auditório no Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (CCHLA) e mais uma sala de aula, que transmitia o encontro ao vivo, via internet. O estudioso se baseou na sua tese de mestrado, chamada "Arquitetura e mobilidade -repensar a composição urbana da ótica de uma mobilidade durável.

Inimigo da presença do carro particular nas cidades, durante a palestra e em entrevista concedida à reportagem de O Poti/Diário de Natal Luc trouxe à tona diferentes - e inovadores - conceitos sobre densidade e mobilidade urbana, defendendo exatamente o contrário do senso comum e do que ocorre na maioria das cidades de todo o planeta. "A solução para uma melhor mobilidade é encurtar distâncias, favorecendo o pedestre. Há de ser ter uma maior concentração populacional para promover qualidade de vida, além de uma melhora no trânsito. Cidades como Paris, com mais de 20 mil habitantes por quilômetro, e Barcelona (16 mil habitantes por km²) são excelentes cidades para se viver, mesmo com a alta concentração de pessoas", explicou o arquiteto e urbanista. O adensamento, no entanto, deve ser orientado, pois, de acordo com ele, a construção de arranha-céus não é o caminho e sim o investimento em quarteirões.

Partindo da lógica de que tendo tudo mais perto, aliado a preferência das ruas para o pedestre e não para o carro, o cidadão irá preferir andar, ao invés de usar o carro - o vilão, em vários sentidos, para Luc Trottier. "A aceleração da urbanização nas cidades nos últimos 50 anos criou uma fragilidade nas cidades e falta de uma reforma no setor de transporte, o único a não mudar na história recente, favoreceu a situação atual das cidades. Este setor é o único que continua em um gasto crescente de energia, enquanto todos os outros consomem menos a cada ano", afirma Luc. Segundo ele, a presença maciça do carro como transporte em todo o mundo causa enorme impacto tanto na ecologia como na economia, tornando-o um fator dominante nas cidades.

Mais Notícias do Rio Grande do Norte



READ MORE - Natal: Urbanista aponta caminhos da mobilidade urbana

Tarifas dos ônibus intermunicipais da Paraíba foram reajustadas

O Conselho Executivo do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), reunido nesta sexta-feira (12), autorizou o reajuste das tarifas dos ônibus intermunicipais. O índice ficou definido em 9% para as empresas que operam o transporte na região metropolitana – Bayeux, Santa Rita, Cabedelo e Jacumã – e 10% para os transportes de características rodoviárias, além de 11,11% para o transporte hidroviário entre Cabedelo e Costinha.

O superintendente do DER, Carlos Pereira, informou que o último reajuste tarifário concedido pelo órgão foi em fevereiro de 2010 e, que, ao aprovar o aumento nas passagens, o órgão rodoviário responsável pela administração do transporte coletivo intermunicipal do Estado, pactuou com as empresas responsáveis pelo transporte de passageiros, a melhoria no sistema, que inclui – dentre outros pontos – a renovação da frota, o cumprimento dos horários, o respeito às gratuidades e abatimentos já concedidos e o bom atendimento aos usuários.

As novas tarifas entraram em vigor à zero hora deste sábado (13) e as tabelas com as novas tarifas das principais linhas da região metropolitana e do interior do Estado estarão disponíveis nos guichês das empresas dos terminais rodoviários de João Pessoa, Campina Grande, Guarabira e Cajazeiras, administrados pelo DER, bem como nos outros terminais operados pelas prefeituras.

A Resolução do Conselho Executivo do DER, que deliberou sobre o reajuste, está publicada na edição deste sábado do Diário Oficial do Estado. 

Informações: Secom-PB
READ MORE - Tarifas dos ônibus intermunicipais da Paraíba foram reajustadas

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960