Ônibus de São Paulo ganharão painéis para informar velocidade ao passageiro

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Para tentar reduzir os acidentes de trânsito envolvendo ônibus em São Paulo, a Prefeitura pretende instalar painéis nos coletivos que registram a velocidade durante o trajeto nas ruas e avenidas da cidade.

Em 2010, os ônibus foram responsáveis por 20% das mortes de pedestres na capital paulista. Quem utiliza o transporte público reclama dos excessos de alguns motoristas. “Se você está dentro do ônibus e o motorista está acelerando, a gente se sente insegura. Pode ocorrer um acidente”, disse a operadora de telemarketing Mariana Marinho Pereira.

Para coibir exageros, uma lei municipal prevê que até 2012 os coletivos rodem com o painel para que os passageiros possam acompanhar a velocidade. “Ele tem o conforto de saber que o veículo está sendo conduzido em uma maneira e em uma velocidade segura, mas ao mesmo tempo aquele equipamento acaba servindo para que possa fiscalizar e até denunciar um possível motorista que esteja conduzindo o veículo em uma velocidade inadequada”, disse Simão Saura Neto, superintendente de serviços veiculares da São Paulo Transporte (SPTrans), ao Bom Dia Brasil.

Se o passageiro denunciar e o excesso de velocidade for comprovado, a empresa será multada em R$ 720. Dos 15 mil ônibus da capital, até agora 150 receberam o equipamento. “Passa mais segurança para o usuário. É uma maneira de o usuário também estar monitorando o motorista, sabendo qual é a velocidade permitida”, afirmou o consultor de vendas Márcio Atanásio.

O painel, porém, é pequeno, quase do tamanho de um celular. O passageiro que estiver no meio do ônibus, por exemplo, não consegue enxergar a velocidade. “Nesses casos, você não consegue atingir 100%. Nós realmente teríamos que estar buscando viabilizar uma posição mais adequada”, afirmou Saura Neto.

As empresas têm até dezembro do ano que vem para instalar os equipamentos. Depois, as multas serão aplicadas por ônibus que não tiver o painel.


Fonte: G1.com.br

READ MORE - Ônibus de São Paulo ganharão painéis para informar velocidade ao passageiro

Sistema eletrônico no transporte coletivo é testado em Belo Horizonte

Sistema permite que o passageiro saiba o tempo até a chegada do próximo veículo no ponto. E as novidades são encontradas dentro dos ônibus também.

O teste é uma iniciativa das concessionárias do Transporte Coletivo de Belo Horizonte para avaliar as soluções de atendimento do requisito de prestação de informação ao usuário, estipulado no novo contrato de concessão do serviço no município.



Informações do MGTV

READ MORE - Sistema eletrônico no transporte coletivo é testado em Belo Horizonte

Terminal do Papicu em Fortaleza, passa por reformas

Para garantir uma travessia segura aos usuários de ônibus de Fortaleza, foram iniciadas este mês obras no Terminal do Papicu. A reforma contempla a instalação de cercas na plataforma dos boxes e no canteiro central, a fim de evitar acidentes e incentivar a passagem pela faixa de pedestres.
O terminal também está se adequando às normas de acessibilidade. Na calçada externa, haverá a substituição de pedra portuguesa por cimentado rústico e piso tátil cerâmico. O projeto contempla também a construção de uma nova bilheteria e de rampas, que facilitarão o acesso de pessoas com deficiência.
As obras vão beneficiar cerca de 270 mil passageiros que circulam diariamente pelo local. Neste momento, o Terminal da Parangaba também passa por reforma para se tornar mais acessível. O elevador que dá acesso ao piso superior está sendo instalado e as passarelas, que interligam as plataformas, serão recuperadas.


Informações do Jangadeiro Online

READ MORE - Terminal do Papicu em Fortaleza, passa por reformas

Falta de mobilidade urbana faz São Paulo andar à 11km/h

O motorista que trafega pelas principais avenidas da região nos horários de pico dificilmente ultrapassa a velocidade média de 11 km/h. Para chegar a esta média, a equipe do Diário passou por quatro corredores de grande movimento durante quatro dias da semana, sempre por volta das 7h. Durante o período, foram percorridos 46 quilômetros em aproximadamente quatro horas.

O pior caminho encontrado pela equipe de reportagem foi o corredor entre Santo André e Mauá, que compreende as avenidas Edson Danilo Dotto, Coronel Alfredo Fláquer (Perimetral), Santos Dumont, João Ramalho e Capitão João. Na quarta-feira, o corredor, que já é conhecido pela lentidão, ficou ainda mais devagar. Um caminhão teve pane mecânica e parou na pista expressa próximo ao acesso da Perimetral à Avenida Dom Pedro II, sentido Paço. A obstrução de uma faixa parou o tráfego até a divisa com Mauá. Motoristas informaram que demoraram cerca de duas horas para passar de município a outro, trecho de 13 quilômetros.

O analista de sistemas Wellington Melito, 31 anos, demorou 20 minutos para percorrer aproximadamente 800 metros. Além do estresse, os engarrafamentos proporcionam outros danos à saúde. "Para passar o tempo, alimento o meu vício do cigarro", brincou.

Em toda a extensão do congestionamento, não foram vistos agentes de trânsito da Prefeitura para orientar os condutores.

Outra via problemática é o Corredor ABD. O pior trecho é na altura da Avenida Lions, que passa por obras de rebaixamento, em São Bernardo. Para ir de Santo André até a Rodovia dos Imigrantes, em Diadema, foram necessários 40 minutos. O trecho é de dez quilômetros. Em Diadema, o motorista é obrigado a reduzir a velocidade na Avenida Fábio Eduardo Ramos Esquível devido ao alto número de semáforos.

Outra alternativa usada para chegar a Diadema foi o caminho pelas avenidas Pereira Barreto, Lucas Nogueira Garcês e Piraporinha. O trecho, apesar de mais longo - com 13 quilômetros - foi percorrido no mesmo intervalo de tempo, o que mostra que a lentidão encontrada foi um pouco menor. A principal dificuldade do trajeto é a largura das pistas, já que as vias têm apenas duas faixas de rolamento.

Para ir a São Caetano, foram testadas as avenidas Dom Pedro II e Goiás. A maior lentidão encontrada foi na via sancaetanense. A volta foi feita pela Avenida Industrial, onde a demora maior foi encontrada nas proximidades da estação Prefeito Saladino, em Santo André.

Congestionamentos causam estresse, taquicardia e gastrite

Os prejuízos para a saúde das pessoas que têm de enfrentar todos os dias o tráfego pesado de veículos para se deslocar vão muito além do risco de se machucar em um acidente de trânsito.
“A exposição aos congestionamentos das cidades provoca o estresse, que é um grande agressor do organismo”, afirmou o vice-presidente regional da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo e professor da Faculdade de Medicina do ABC, José Luís Aziz.

A lista de problemas causados ou potencializados pelo estresse é extensa. “Provoca alteração da pressão arterial, acelera o batimento do coração e aumenta o risco de enfartes e derrames.”
Poderoso, o estresse pode atacar outras partes do corpo, como estômago, piorando quadros de gastrite, exemplificou Aziz. Na fase crônica, faz crescer a sensação de cansaço, causando complicações físicas e psicológicas, como dores musculares e desatenção e irritabilidade.

E nem é preciso ficar muitas horas parado no trânsito para desencadear esses fatores. “Antes de dirigir, muitas pessoas já estão com o estresse acumulado no dia a dia, e o congestionamento contribui para agravar o problema”, ressaltou.
O tráfego de veículos é também um emissor de poluentes, e as toxinas liberadas pelas motocicletas, carros, ônibus e caminhões não causam somente doenças respiratórias, mas também cardiovasculares.
Segundo Aziz, engana-se quem pensa que só os motoristas sofrem com o tráfego lento. “O indivíduo que fica preso no transporte público, em um ônibus ou um trem lotado, sofre da mesma ansiedade.”

O médico lembrou que atitudes básicas podem amenizar os perigos que o trânsito reserva para a saúde. “É aconselhável tomar muito liquido e ter algo saudável para comer, como fruta, ou barra de cereal, pois a ingestão aumenta a sensação de relaxamento e diminui o estresse”, sugeriu.
Mesmo depois dos cuidados com a alimentação, Aziz recomendou ação difícil de ser praticada. “É preciso que as pessoas tenham paciência. Os compromissos podem ser adiados, mas a saúde, não.”

Especialista aponta falta de integração

Estruturar o trânsito da região de forma integrada entre os sete municípios. Para a professora do curso de Engenharia da Universidade Federal do ABC Silvana Zioni, esta é a melhor alternativa para o caos do sistema viário. Silvana, que é especialista em Mobilidade Urbana, criticou o fato de o Consórcio Intermunicipal não ter se debruçado sobre o tema nos últimos anos.


“A estrutura viária é completa e insuficiente para dar conta de todo o fluxo. Há muitos obstáculos e descontinuidades durante os trajetos”, comentou. A professora apontou que a criação de central de monitoramento do trânsito regional seria importante para aliviar os índices de congestionamento.

A especialista afirmou que a região não fez investimentos satisfatórios em sistemas viários nas últimas décadas por conta da situação econômica do País. “Nos anos de 1990, o Grande ABC viveu o problema da desindustrialização. Então não tinha sentido investir em avenidas.” Atualmente, com a economia aquecida, mais veículos são vendidos e, portanto, aumentam os engarrafamentos.

Outro problema apontado por Silvana é a má sinalização de rotas alternativas na região. “Quem não conhece bem as ruas não tem como cortar caminho”. Ela citou como exemplo de sinalização falha as placas que indicam a Avenida dos Estados, e as vias da Zona Leste da Capital, como acesso à Rodovia Ayrton Senna. “É um absurdo. O motorista pode pegar a Jacu-Pêssego em Mauá.”


Fábio Munhoz
Do Diário do Grande ABC

READ MORE - Falta de mobilidade urbana faz São Paulo andar à 11km/h

Volume alto em celulares irrita passageiros em ônibus de Campinas

Andar de transporte público é, na maioria das vezes, estressante. Mas a tecnologia, aliada à falta de bom senso das pessoas, pode tem deixado a situação ainda mais complicada. Pegar longas filas, ônibus lotado, viajar em pé e com o trânsito complicado é a rotina daqueles que trabalharam o dia inteiro e só querem chegar em casa. Mas com a popularização e modernização do celular, é muito comum se deparar com pessoas escutando suas músicas, no último volume, dentro do ônibus. Apesar dos ritmos variados, que passam por funks, pagodes, pop, rock e até clássicos dos anos 80, muitas vezes o barulho só agrada o próprio dono do aparelho.

“Imagina você, depois de um dia de cansaço, ter que escutar raps e sambas? É horrível! Uma falta de respeito”, se queixa Sônia Silva, usuária do transporte público de Campinas. Então, como proceder nessas situações? Para a consultora de etiqueta Ana Vaz, a pessoa que se sentir incomodada pode pedir para o outro desligar o som sim. “Para alguém chegar ao ponto de falar com quem esta escutando música, é porque está muito irritada. O ideal é chegar com calma e educação. Deve soar como um pedido”. E completa. “Não fale que não gosta da música ou que ela te irrita. É melhor dizer que passou um dia difícil e que está com dor de cabeça e, se possível, se a pessoa pode desligar o som”, aconselha a consultora.

Se mesmo assim a pessoa não desligar, é aconselhável falar com o cobrador para que ele tome providências. “Já pedi uma vez para pararem, mas não adiantou. Disseram que o transporte é público e continuaram escutando. Já pedi pro cobrador, mas não adiantou nada também. Eu acho que deveria ter uma multa para quem faz esse tipo de coisa”, desabafa Sônia Silva.

Sem coragem

“Agente até pede, mas eles num param. Aí não tem o que fazer”, lamenta João Clemente, motorista de uma das linhas do transporte público de Campinas. Na opinião de Jane Cristina, outra usuária dos coletivos, falta coragem. “Acho que as pessoas têm medo por causa da violência. Ninguém sabe como o outro vai reagir. Hoje em dia está tudo muito violento”. Essa é uma questão delicada. Para Ana Vaz, antes de falar com a pessoa, é preciso avaliar a situação e estar ciente que pode receber uma resposta atravessada. 

Mas o que leva uma pessoa a escutar música alta dentro do ônibus? “A causa disso se deve as novas tecnologias que estão isolando cada vez mais as pessoas. Elas buscam a satisfação pessoal e esquecem a coletividade. Não fazem isso para aparecer ou incomodar quem está no ônibus. Elas estão preocupadas com o próprio bem estar”, analisa a consultora de etiqueta.


Pensando em conscientizar os usuários para conviver em harmonia no transporte público, a Emdec (Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas) lançou, no final de junho, uma campanha dentro dos ônibus. Cartazes com o slogan “Ser bacana é ter respeito” foram colocados em toda a frota (cerca de 1,2 mil veículos). No material, a empresa destaca aos usuários que, ao acessarem os ônibus, devem reduzir o volume do celular, usar fones de ouvido e até diminuir o volume das conversas.

A Emdec não possui estatísticas sobre as reclamações, mas admite que o problema com volume alto no transporte é uma reclamação recorrente do usuário. “O único jeito é conscientizar a população fazendo o trabalho educativo”, afirma Débora Damasco, coordenadora de Educação e Cidadania da empresa. Os motoristas também são orientados para coibir este tipo de ação, mas como não há nenhuma punição, a obediência ao pedido vai da educação de cada um.
Segundo a Emdec, para reclamar de problemas dentro do transporte publico, o usuário deve ligar no serviço 156 da prefeitura e fazer o registro.

Mais Notícias de São Paulo

Fonte: EPTV



 
READ MORE - Volume alto em celulares irrita passageiros em ônibus de Campinas

Em Ribeirão Preto, Linhas de ônibus tem itinerários alterados, confira:

Durante a nova etapa das obras de combate às enchentes que interditará a avenida Jerônimo Gonçalves, pista Vila Virgínia – Campos Elíseos, entre as ruas Florêncio de Abreu e General Osório, a Transerp, empresa que gerencia o trânsito e o transporte público de Ribeirão Preto, altera, no domingo, dia 7 de agosto, o itinerário das linhas de ônibus que fazem ponto de parada defronte ao Centro Popular de Compras e na Rua São Sebastião, ao lado do Mercado Municipal.
As linhas de ônibus, abaixo relacionadas, passarão a cumprir, na área central, os seguintes itinerários, com ponto de parada na Rua José Bonifácio.
Linhas: 201- Quintino Facci II, 302- Jardim Aeroporto, 402- Jardim Salgado Filho I, 407- Geraldo de Carvalho, 501- Quintino/ Avelino, 702- Ribeirão Verde, 722- Expresso Ribeirão Verde, 901- Parque Avelino, 907- Jardim Amália e 977- Expresso Jardim Amália.
Normal até a rua Florêncio de Abreu, seguindo pela rua José Bonifácio, rua Mariana Junqueira, retomando ai seu itinerário normal.
Ponto de Parada: rua José Bonifácio, entre as ruas General Osório e Duque de Caxias, junto a esta última.
Linhas: 118- Bonfim/Lapa, 137- Lagoinha/Ipiranga, 147- Santa Cruz/Ipiranga, 170- Planalto Verde, 237- Vila Abranches/Ipiranga, 270- Jardim Eugênio Lopes, 607- José Sampaio, 707- Jardim Procópio e 770- Jardim Alexandre Balbo.
Normal até a rua Florêncio de Abreu, seguindo pela rua José Bonifácio, rua Duque de Caxias, avenida Jerônimo Gonçalves, retomando ai seu itinerário normal.
Ponto de Parada: rua José Bonifácio, entre as ruas São Sebastião e General Osório, junto a esta última.

Fonte: Transerp

READ MORE - Em Ribeirão Preto, Linhas de ônibus tem itinerários alterados, confira:

Em Campo Grande, Empresas de ônibus terão até terça-feira para apresentar projetos

Até a próxima terça-feira (9), as empresas de ônibus terão que apresentar um projeto para a modernização do sistema de transporte coletivo urbano da capital.
Desde junho, a administração municipal aguarda a apresentação de projetos da Assetur visando a modernização do atual sistema. A entidade cobra fonte de recursos para implantação das mudanças, falando até no aumento da passagem.

De acordo com informações, o município já tem o respaldo jurídico para quebrar o contrato com as empresas de ônibus antes do prazo previsto caso não haja acordo.
Em questão estão os R$ 280 milhões do Governo Federal. Se a prefeitura de Campo Grande não apresentar plano de modernização do sistema de transporte coletivo ao Ministério das Cidades corre o risco de perder a disputa pelos recursos previstos no Plano de Aceleração do Crescimento Mobilidade Urbana.

De acordo com técnicos do Ministério das Cidades, o transporte coletivo da Capital encontra-se defasado em relação às tecnologias e poderá impedir a escolha de Campo Grande no processo final da seleção.
A cidade já passou por todas as fases e no dia do aniversário de Campo Grande (26 de agosto) a presidente Dilma Roussef irá anunciar as cidades contempladas com recursos do PAC Mobilidade.

Os técnicos do Ministério das Cidades afirmam que entre as mudanças prioritárias no sistema de transporte estão: aumento da frota dos ônibus articulados; 100% dos veículos equipados com câmeras de monitoramento e elevadores para deficientes físicos, instalação de Tecnologia da Informação para rastreamento e monitoramento em tempo real e certificação ambiental.

As exigências do Ministério das Cidades foram repassadas às empresas que tiveram 15 dias para apresentar estudos técnicos que indicarão a capacidade técnico-financeira para implementar a modernização do sistema de transporte público. Foi pedido pela Assetur mais tempo, o prazo final dado pela prefeitura foi marcado para a próxima semana.

Ônibus só aceitarão cartão

Segundo a Associação das Empresas do Transporte Coletivo Urbano de Campo Grande, a partir do dia 26 de agosto os 45 ônibus articulados e os veículos que atendem as linhas 302-Caiobá e 319-Dom Antônio Barbosa irão aceitar somente o cartão para o pagamento da passagem. Nessa primeira etapa, cerca de 45 mil usuários devem ser afetados.
De acordo com a previsão, a partir de 1º de janeiro do 2012, o cartão magnético será a única forma de pagamento em todas as linhas da Capital.


READ MORE - Em Campo Grande, Empresas de ônibus terão até terça-feira para apresentar projetos

Transporte coletivo de Cuiabá ganha 65 ônibus novos

Até o dia 15 deste mês, Cuiabá terá 65 novos ônibus para atender os passageiros do sistema de transporte público da Capital. Outra novidade apresentada pela Secretaria Municipal de Trânsito e Transporte Urbano (SMTU) é a retirada gradativa de cobradores dos coletivos, com objetivo de extinguir a circulação de dinheiro.

Com a retirada dos cobradores, o trabalho do motorista dobrou e o salário teve um aumento de R$ 90. Para E. D. S, a mudança é negativa. “Sou contra a retirada dos cobradores porque além do trânsito, também tenho que cuidar da porta para ver os passageiros descerem e ainda cuidar do dinheiro’’, disse o motorista que trabalha na área há sete anos.

Para Francisca Almeida, que trabalha há 14 anos como cobradora, a decisão não é favorável, pois deixará muitos trabalhadores desempregados. Além disso, “é perigoso o motorista ter que fazer tudo” disse ela.

Entre as 88 linhas de ônibus que circulam em Cuiabá, 18 estão em fase de experiência. Elas foram escolhidas por apresentarem quatro coletivos em circulação cada e em média, 25% de arrecadação em espécie.

Segundo o diretor de transporte da SMTU Gabriel Muller, o objetivo é tirar o dinheiro de circulação e evitar assaltos. Com isso, os passageiros utilizariam apenas o cartão TEM (Transporte Econômico Municipal) disponibilizado pela Associação Matogrossense dos Transportes Urbanos (MTU). Eles estão disponíveis para compra na sede da MTU e em estabelecimentos conveniados em toda cidade.

Os novos ônibus foram destinados a empresa Integração Transportes, que assumiu o direito de exploração dos 40 novos coletivos. Segundo Muller, a Pantanal Transportes será a responsável pelos outros 25.

Linhas com novos ônibus
A frota atenderá as linhas: 101 – Coophamil/Centro; 102 – Coophamil/Centro (via Verdão); 103 – Jardim Imperial/Centro/Cidade Verde; 106 – Cidade Verde/Centro (via Vivendas); 225 – Altos da Boa Vista/Centro (via Despraiado); 405 – Santa Cruz/Centro (via UFMT); 507 – Tijucal/Centro; 525 – Residencial Marchetti/Centro (via Res. Maria de Lourdes/ Sta. Cruz); 602 – Itapajé/Porto/Centro; 603 – Vila Verde/Centro (via São Gonçalo); 606 – Parque Atalaia/Porto; 607 – Parque Atalaia/Centro; 608 – Parque Residencial/Centro/Jardim Cuiabá; 609 – Parque Cuiabá/Santa Izabel; 610 – Real Parque/Centro (via Jd. Paulicéia); 613 – São Gonçalo Beira Rio/Centro (via Parque Geórgia e Chácara dos Pinheiros); A40 – Alimentadora Nova Esperança/Parque Cuiabá; C24 – Circular Liberdade/Trevo da UFMT (via Espigão/Novo Milênio) e dois corujões.

Fonte: MT Notícias

READ MORE - Transporte coletivo de Cuiabá ganha 65 ônibus novos

Começa hoje o limite de velocidade pelas ruas de São Paulo

A partir desta segunda-feira, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) vai ampliar a regulamentação da velocidade de algumas importantes vias da área central de São Paulo para 60km/h. A medida tem o objetivo de uniformizar a velocidade máxima e proporcionar mais segurança aos usuários que circulam pelos 15,7 km dessas vias.

As mudanças ocorrem especialmente nas avenidas Zaki Narchi, Arnolfo de Azevedo, Coronel Guilherme Rocha, Chafariz das Saracuras e Bandeirantes do Sul, totalizando 9,2 km de extensão, onde a velocidade cai de 70 km/h para 60 km/h. Nos 6,1 km restantes a velocidade regulamentada será mantida em 60 km/h.

De acordo com estudos técnicos da CET, existe a necessidade de manter em 50 km/h a velocidade no 0,4 km de extensão do Viaduto Comendador Elias Nagib Breim, ligação da Avenida Ermano Marchetti com a Rua Nossa Senhora da Lapa, assim como nas faixas exclusivas de ônibus.

Redução de acidentes
A segurança do trânsito depende de mais controle da velocidade. Na maioria dos acidentes, a menor velocidade do veículo pode evitar ou abrandar sua gravidade. Diante desse fato, a CET vem desde o ano passado implantando o Programa de Padronização de Velocidade em diversas vias e corredores da cidade com o objetivo de diminuir o número de acidentes de trânsito em São Paulo.

Investimentos realizados pela Secretaria Municipal de Transportes na fiscalização do trânsito - como o aumento do efetivo de agentes da CET, ampliação da rede de fiscalização eletrônica, padronização do limite de velocidade e proibição de circulação de motos na pista expressa da Marginal Tietê, entre outras medidas - tiveram reflexos diretos sobre o número de vítimas fatais de acidentes de trânsito. O número de mortes decorrentes de acidentes de trânsito em São Paulo, ao longo de 2010, caiu 1,8% em relação a 2009 - o que significa 25 vidas poupadas.

As vias que terão a velocidade uniformizada são:
- Corredor Coronel Guilherme Rocha - Ciro Soares de Almeida - Chafariz das Saracuras
- Corredor Zaki Narchi - Santa Eulália
- Corredor Sargento Miguel de Souza Filho - Tenente Amaro Felicíssimo da Silveira
- Corredor Bandeirantes do Sul - Carmópolis de Minas
- Avenida Professor Manuel José Chaves
- Avenida Monte Pascal
- Avenida Luís Inácio da Costa
- Avenida Arnolfo de Azevedo (entre as praças Charles Miller e Wendell Wilkie)
- Rua Major Natanael (entre a Avenida Doutor Arnaldo e Rua Angatuba)

Padronizações seguintes
Ainda no mês de agosto, a CET pretende levar a uniformização das velocidades as seguintes avenidas:
- Avenida Escola Politécnica
- Avenida Lineu de Paula Machado
- Avenida Dona Belmira Marin (entre a Avenida Senador Teotônio Vilela e Balsa Bororé)
- Avenida Vitor Manzini (entre a Ponte do Socorro e Avenida Washington Luís)


Fonte: Terra

READ MORE - Começa hoje o limite de velocidade pelas ruas de São Paulo

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960