Em Ribeirão Preto, Empresas de ônibus pedem que tarifa de ônibus passe a R$ 2,75

domingo, 10 de julho de 2011

O Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Ribeirão Preto anunciou nesta sexta-feira (8) que protocolou, na Transerp, pedido para reajustar o valor da tarifa de R$ 2,40 para R$ 2,76. O aumento reivindicado é de 15%.
Esse índice havia sido antecipado por A Cidade no início de junho, quando patrões e funcionários entraram em acordo para elevar o salário em 9,5%, em reunião intermediada pela prefeita Dárcy Vera (DEM).
Na época, o impasse nas negociações levou os motoristas a promover paralisação de um dia no Centro, que deixou 70 mil usuários sem condução. Para forçar os patrões a ceder nas negociações, chegaram anunciar uma greve, o que fez a prefeita intervir no caso. A prefeitura negou que, para incentivar as concessionárias a melhorar o índice de reajuste, teria convencionado possível autorização de reajuste da passagem.
Por meio de assessoria de imprensa, as concessionárias informaram que o valor de R$ 2,76 reflete o impacto do índice dado para o salário da categoria, além de outras despesas com manutenção dos ônibus e combustíveis.
Como o pedido protocolado, as empresas iniciam a negociação com a Transerp, que pode acatar ou não o índice. Em 2010, os patrões reivindicaram R$ 2,45, mas a empresa de trânsito autorizou R$ 2,40.
O presidente do sindicato das empresas, Luiz Gustavo Vianna, afirmou nesta sexta que vai conceder entrevista nesta segunda-feira.

Outro lado
De acordo com nota da assessoria da prefeitura, a Transerp ainda não recebeu o documento das concessionárias com pedido de reajuste da tarifa do transporte coletivo.
A empresa de trânsito afirma ainda que tão logo receba o referido documento, vai fazer uma análise técnica e se manifestar sobre o assunto.



READ MORE - Em Ribeirão Preto, Empresas de ônibus pedem que tarifa de ônibus passe a R$ 2,75

Em Brasília, Maioria das ciclovias ainda está no papel

São apenas cerca de 56 quilômetros de ciclovias e ciclofaixas finalizadas para quase 400 mil ciclistas que trafegam pelas vias do Distrito Federal. A primeira etapa do Programa Cicloviário do DF, promovido pelo Departamento de Estrada de Rodagem (DER), está em andamento desde 2008. No total, as obras de implementação chegam a 145 quilômetros de rotas cicláveis sem finalização. Outros 134 quilômetros estão somente no papel. A boa notícia é que uma nova obra para ciclovias, desta vez na área central de Brasília, deve acontecer ainda este ano.

A implementação das ciclovias e ciclofaixas no DF envolvem três órgãos da administração pública: Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap), Secretaria de Transportes e Departamento de Estradas de Rodagem (DER). Cada um possui um projeto diferente para o crescimento das vias com trechos exclusivos para os ciclistas. Ainda assim, existe dificuldade em aplicação desses projetos. As vias com maior fluxo de veículos e com alta velocidade são as que oferecem maior perigo a quem busca uma forma de transporte saudável, econômico e sustentável. De 1995 a 2010, 767 ciclistas morreram no DF por atropelamentos, abalroamentos e colisões de diversos tipos.



READ MORE - Em Brasília, Maioria das ciclovias ainda está no papel

Em Jaboatão dos Guararapes, Avenida Ayrton Senna terá o primeiro corredor exclusivo para ônibus da cidade

Dentro do pacote de obras, algumas deverão melhorar a mobilidade urbana em Jaboatão. Entre elas o projeto viário de requalificação da avenida Ayrton Senna, que terá o primeiro corredor exclusivo para ônibus do município. Também está prevista a construção de outra via no centro de Prazeres, que favorecerá os usuários da Estrada da Batalha. Os projetos dessas mudanças foram feitos pela equipe do secretário de Serviços Urbanos, Evandro Avelar, e deverão ser executados pela Secretaria de Obras, que tem como titular Magna Aleixo. A expectativa é que os serviços estejam prontos no próximo ano.

De acordo com Evandro Avelar, a partir da fronteira com o Recife, a avenida Ayrton Senna será recuperada, receberá nova iluminação, além do corredor exclusivo para ônibus. “As melhorias vão da Ayrton Senna até a Curva do S. De lá, a requalificação segue pela avenida Bernardo Vieira de Melo”, explicou Avelar. Além dessas melhorias na estrada, que reduzirá o tempo da viagem e diminuirá os congestionamentos, os usuários do transporte público poderão usufruir de novos abrigos de espera. Essas mudanças devem ficar prontas até o primeiro semestre de 2012 e vão custar cerca R$ 6 milhões.

Outro projeto que deverá amenizar o sofrimento da população que circula pelo centro de Prazeres é a construção de um binário. A ideia é criar uma via que irá ligar a avenida Ayrton Senna à Estrada da Batalha. No sentido contrário, da Estrada da Batalha à praia, os motoristas seguirão em mão única pelas avenidas Barreto de Menezes e Arão Lins de Andrade. Para isso, a feira de Prazeres será eliminada e transferida para o novo Mercado das Mangueiras, onde a prefeitura ampliou o espaço para relocar os feirantes. A previsão é que essa obra fique pronta é até o primeiro semestre de 2012.



READ MORE - Em Jaboatão dos Guararapes, Avenida Ayrton Senna terá o primeiro corredor exclusivo para ônibus da cidade

Empresas de ônibus interestaduais se renovam para recuperar clientes

Numa tentativa de driblar a perda de clientes para as companhias aéreas, as empresas de ônibus estão se renovando. Já parcelam os bilhetes em até seis vezes, lançam programas de milhagem, oferecem tarifas diferenciadas para as poltronas e estão até implantando totens de autoatendimento para quem compra passagens pela internet, uma espécie de check-in antecipado. Além das novidades, algumas chegam a oferecer descontos de até 50% no valor das passagens, de olho nas classes D e E.

Nos últimos dois anos, o número de passageiros de ônibus que viajaram longas distâncias (acima de 75 quilômetros) caiu 9%, de quase 54 milhões em 2008 para 49 milhões em 2010, segundo a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). No mesmo período, o número dos que escolheram o avião para viajar pelo Brasil — a briga entre aéreas e ônibus se dá nos trajetos domésticos — saltou 39,4%, para 139,4 milhões, de acordo com a Infraero. Foram essas estatísticas discrepantes que fizeram as empresas de ônibus se mexer e inovar sua estratégia para atrair clientes.

A Viação 1001, do grupo JCA, iniciou em maio passado o parcelamento em até seis vezes sem juros no cartão de crédito e avalia estendê-lo até dez vezes, sem valor mínimo de compra. Até então, o cliente só podia dividir em três vezes com valor mínimo de R$ 100. A companhia também vai lançar no segundo semestre o programa Conta Giro, em que os passageiros acumulam pontos e podem trocá-los por bilhetes, uma espécie de programa de milhagem. A iniciativa, segundo o diretor-executivo da empresa, Heinz Wolfgang, visa especialmente às classes D e E, que não costumam ter cartão de crédito e já começam a viajar com a família de ônibus.

"Da mesma forma que a classe C galgou degraus e está viajando de avião, as classes D e E também estão estreando no ônibus nas viagens de férias", disse o diretor.

As classes D e E também são o novo foco da Itapemirim, que tem apostado nos preços baixos para atrair a nova clientela. Até junho, a empresa oferecia desconto de até 45% em alguns trechos, como na rota Rio-São Paulo (R$ 99). Também elegeu alguns trajetos para oferecer tarifas promocionais a quem compra com antecedência, a exemplo do que fazem as companhias aéreas. Por exemplo, os seis primeiros que compraram assentos em cada um dos ônibus que partem do Rio para Vitória pagaram R$ 45 até o fim de junho. Os menos apressados (são 42 lugares em média nos ônibus) desembolsaram R$ 79 ou 83% mais. Estratégia semelhante deve ser adotada nos próximos meses.

"São estratégias como essas que têm nos permitido estabilizar o número de passageiros transportados em 3,5 milhões por ano", diz o gerente nacional de vendas da Itapemirim, Emílio Mendes, frisando que, além das aéreas, os ônibus têm perdido clientes para o transporte pirata e para os automóveis particulares.

A capixaba Águia Branca igualmente entrou na guerra de preços. Entre as promoções que oferecia mês passado estava Vitória-Salvador (R$ 99, desconto de 50%). Se o passageiro optasse por encurtar a viagem e fazer o trajeto de avião, pagaria de R$ 169 a R$ 209 por perna para voar o mesmo trecho, segundo pesquisa feita pelo GLOBO nos sites das principais aéreas do país. A empresa também está reforçando as rotas em que não há concorrência aérea direta. Assim, espera elevar o faturamento este ano em 3%.

"Nas viagens de capital a capital, superior a mil quilômetros, o setor aéreo é mais competitivo. Isso porque os aeroportos costumam se localizar nas capitais e, por isso, o passageiro não precisa fazer outra viagem para chegar ao destino final. Caso contrário, o ônibus torna-se mais competitivo, devido à sua capilaridade", avalia Paula Corrêa, diretora Comercial e de Marketing da Viação Águia Branca.

As empresas também estão renovando esforços para recuperar clientes que faziam o trecho Rio-São Paulo, uma turma que preferiu a rapidez e o conforto dos aviões e abandonou os ônibus. Na Viação 1001, por exemplo, nos quatro primeiros meses do ano houve perda de 4% no número de passageiros nessa rota.

Por isso, a companhia passou a oferecer mais uma facilidade a quem embarca na Rodoviária Novo Rio e na Rodoviária Tietê (SP): as chamadas salas net, em que os passageiros que compram pela internet retiram seus bilhetes sem enfrentar filas nos guichês. Também mantém cinco salas VIP em rodoviárias do Sudeste. Além disso, seus ônibus já estão equipados com tomadas, de modo que os passageiros possam recarregar laptops e outros eletrônicos durante a viagem.

A Viação Cometa, por sua vez, fechou parcerias há 15 dias com uma faculdade paulista para venda das passagens em duas de suas unidades. A exemplo do que vêm fazendo algumas aéreas, também mantém um canal de vendas em lojas de varejo, como na matriz da Casas Bahia, em São Caetano do Sul, e parcela o valor dos bilhetes em até seis vezes. Tem apostado ainda em ônibus mais modernos: investiu R$ 65 milhões este ano na aquisição de 128 carros para renovar a frota, de mil veículos.

Da Agência O Globo

READ MORE - Empresas de ônibus interestaduais se renovam para recuperar clientes

Em Juiz de Fora, Preço da passagem de ônibus sobe para R$ 1,95

Foi publicado neste sábado, 9 de julho, o decreto assinado pelo prefeito de Juiz de Fora, Custódio Mattos, autorizando o reajuste da tarifa referente ao serviço de transporte público na cidade. O novo valor, R$ 1,95, passa a valer a partir desta quinta-feira, 14 de julho.
Segundo o decreto, o aumento é uma forma de “assegurar a continuidade e a boa qualidade dos serviços públicos prestados, bem como o equilíbrio econômico-financeiro do sistema.” O reajuste de R$ 0,15 equivale a um percentual de 8,33%.
Passagem de ônibus em Juiz de Fora pode passar de R$ 1,80 para R$ 1,95Conselho de Transporte aprova aumento de passagem para R$ 1,85
Em reunião realizada no último dia 5, o Conselho Municipal de Transporte aprovou o valor de R$ 1,95, acrescido do Custo de Gerenciamento Operacional (CGO). No dia 30 de junho, durante audiência pública na Câmara Municipal de Juiz de Fora (CMJF), foram apresentadas, pelo secretário de Transporte e Trânsito (Settra), Márcio Gomes Bastos, duas propostas de reajuste da tarifa. Sem o adicional do CGO, o valor ficaria em R$ 1,93. O cálculo do aumento é realizado com base na planilha de gastos da Settra.



READ MORE - Em Juiz de Fora, Preço da passagem de ônibus sobe para R$ 1,95

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960