No Recife, Ônibus voltam a circular amanhã normalmente

quarta-feira, 15 de junho de 2011

A quinta-feira (16) deve ser de normalidade para os usuários de ônibus do Grande Recife. De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado de Pernambuco (STTRE-PE), a greve de advertência acaba às 24h desta quarta-feira (15), mas as negociações sobre o reajuste salarial da categoria continuam.

Já nesta quinta-feira representantes da categoria vão se reunir com os donos das empresas de ônibus para negociar essa questão do salário. Após essa reunião, uma assembleia será marcada para discutir os resultados desse encontro com os trabalhadores, que querem um reajuste de 22%, enquanto os proprietários das empresas oferecem um aumento de 5%. Uma nova paralisação não foi descartada.

Segundo o Grande Recife Consórcio de Transporte, a manhã desta quarta-feira iniciou com 60% dos 2,7 mil coletivos do Sistema de Transporte Público de Passageiros da Região Metropolitana do Recife em atividade. Por volta das 7h, esse percentual aumentou para 80%, mantidos até o final da tarde. Durante a noite o percentual de ônibus nas ruas chegou a 90%.

O Consórcio informou que mantém a operação de monitoramento, que conta com a ação de fiscalização e o apoio da Polícia Militar, até o final da paralisação, à meia-noite. Em nota, o consórcio explicou ainda que os problemas de retenção de demanda em corredores e terminais foram sendo resolvidos ao longo do dia.

A situação mais crítica foi verificada nas linhas que atendem a área metropolitana Sul, onde foi necessária a transferência de veículos de outras empresas para suprir a demanda, devido à adesão de um maior número de operadores a greve.  
TRANSTORNOS PARA OS PASSAGEIROSNo início da manhã desta quarta-feira, havia poucos veículos na avenida Domingos Ferreira, onde passam, diariamente, 34 linhas. A situação é parecida na Agamenon Magalhães, área central do Recife – 98 linhas circulam por lá todos os dias. Na avenida Beberibe, os ônibus ficaram estacionados na garagem da empresa São Paulo.

Na avenida Conde da Boa Vista, não era só o corredor de ônibus que estava vazio - até nas paradas havia pouca gente. Os passageiros desistiram de esperar pelo transporte coletivo. Pela Conde da Boa Vista transitam todos os dias 91 linhas.

No centro do Recife, na avenida Guararapes, também havia pouca gente nas paradas e pouquíssimos ônibus na rua. O trânsito estava tranquilo, bem diferente do que se vê numa quarta-feira normal. Pela Guararapes, passam diariamente 147 linhas de ônibus.

Na pista central do Derby circulam diariamente 47 linhas de ônibus, mas, nesta manhã, foi complicado encontrar um na rua. O maior problema, segundo os passageiros, é a irregularidade do intervalo entre os ônibus. Eles dizem que os carros demoram a passar, mas, quando chegam, vêm três da mesma linha.

Todos os dias, 40 mil pessoas passam pela Estação Joana Bezerra, que faz a integração do metrô com os ônibus.  Os passageiros tinham que disputar uma vaga no empurra-empurra. “O maior problema é na linha Joana Bezerra/Boa Viagem. Grande parte da população que chega é para esta linha e ela não estava com sua frota completa. Para se ter uma ideia, são 19 ônibus e, até as 7h15, estávamos apenas com 10. Isso dá uma defasagem. A gente está deslocando os ônibus de outras empresas para dar um suporte maior a essa linha e tentar normalizar o terminal”, afirma a diretora de operações do Grande Recife, Taciana Ferreira.

No terminal de ônibus do Cais de Santa Rita, no centro do Recife, passam 230 mil passageiros e 50 linhas de ônibus, inclusive para outras cidades da Região Metropolitana, como o município do Cabo de Santo Agostinho. Os passageiros do Cabo enfrentaram dificuldades para conseguir transporte nesta manhã, de acordo com o Grande Recife Consórcio de Transporte.

No Terminal de Integração da Macaxeira, na Zona Norte do Recife, muitos passageiros chegavam para pegar ônibus e outros tantos esperavam nas paradas, em longas filas. As 12 linhas que atendem o terminal estavam circulando, mas com menos veículos que os dias normais, que é de 130 por dia. Fiscais do Grande Recife Consórcio de Transporte ajudavam no embarque de passageiros - 60 mil pessoas usam o Terminal da Macaxeira diariamente.

Em outro ponto da cidade, na avenida Caxangá, quem esperava pelos ônibus no meio da manhã não enfrentou tanta dificuldade. Por volta das 10h, as paradas não estavam lotadas. Muitos ônibus circulavam pela avenida.

De acordo com o presidente do Grande Recife Consórcio de Transportes, Manoel Marinho, cerca de 80% dos ônibus estão circulando. “Tivemos já uma reunião com as empresas operadoras para tratarmos a questão da melhor distribuição, para que, no pico da tarde, tenha uma melhor distribuição do que na manhã. Já está sendo arrumado com a polícia, nos corredores, e nos terminais, para evitar transtornos como ocorreu na PE-15. A ideia é que a gente tenha mais tranquilidade no retorno e com oferta mais bem distribuída”, afirma o presidente.



READ MORE - No Recife, Ônibus voltam a circular amanhã normalmente

Em Campo Grande, Uso de cartão magnético deverá ser obrigatório nos ônibus

A partir do dia 26 de agosto, data em que é comemorado o aniversário de Campo Grande, o passageiro de transporte coletivo da Capital não pagará mais a passagem aos motoristas de ônibus. A informação é do Procurador de Justiça do Estado, Aroldo José Lima.
Para evitar o transtorno e a falta de segurança gerada pelos recorrentes assaltos dentro do transporte urbano da cidade, o procurador defendeu, durante Audiência Pública realizada hoje (15), na Câmara Municipal, a substituição do dinheiro pago pela passagem, por cartões eletromagnéticos. “É um absurdo ter dinheiro na mão do motorista, que acaba exercendo dupla função. Vamos fazer um dossiê buscando uma decisão de consenso. O motorista vai ser apenas motorista, se preocupar com o ônibus de forma equilibrada”, explica Lima.
O diretor-presidente da Agência Municipal de Transporte e Trânsito, Rudel Trindade Junior, lembrou que “pelo menos 73% dos usuários de transporte coletivo utilizam o cartão magnético e apenas 27% pagam a passagem em dinheiro e que a tarifa cobra hoje, no valor de R$ 2,70 é uma das mais baratas entre as capitais brasileiras”.
Em defesa dos usuários do transporte coletivo, o presidente da União Sul-Mato-Grossense do Sistema Integrado do Transporte Estadual e Rodoviário, Antonio Duarte, disse que “ é dever do Estado dar segurança para a população. Quanto mais pontos de cartão magnético tiver mais fácil ficará para a população, o passageiro tem o direito de ir e vir com segurança”, enfatizou Duarte. Este mês a Polícia Militar iniciou uma operação para inibir a ocorrência de assaltos dentro dos coletivos urbanos.
Segundo o coronel Davi, foram disponibilizados cerca de 100 policiais para intensificar a operação. “ Entendemos é preciso uma ação drástica da PM. Os números já com duas semanas de trabalho já são altamente satisfatórios e mostra que estamos no caminho certo. A operação vai continuar e não tem data para acabar. Os resultados demonstram que fizemos uma atitude e planejamento corretos. Gostaria que a população não sofresse violência de nenhum tipo”, explica o coronel Davi.






READ MORE - Em Campo Grande, Uso de cartão magnético deverá ser obrigatório nos ônibus

Recife amanhece com poucos ônibus, greve prejudica mais quase 2 milhões de pessoas

A manhã começou complicada para quem precisa de ônibus na Região Metropolitana do Recife (RMR). Desde a meia-noite, motoristas e cobradores estão em greve de advertência e já há registro de demora e impaciência na espera pelos coletivos.
No terminal Joana Bezerra, os segurançs precisaram intervir para garantir a lotação dos poucos coletivos que chegam e deixam o local. Em corredores como as Avenidas Norte e Conselheiro Aguiar é pequeno o fluxo de ônibus.
O terminal da PE-15 se encontra parcialmente fechado para evitar protestos tanto de passageiros como dos usuários.
Na Região Sul do Recife, os ônibus estão quase que escassos, estima-se que apenas 20% dos ônibus estão rodando, deixando passageiros a mais de 02 horas esperando o coletivo.
Devido a está paralisação, muitas pessoas desistiram de trabalhar e ir para escola, pois temem a volta para casa.
Ao longo do dia, a greve dos rodoviários no Grande Recife pode deixar até dois milhões de usuários sem ônibus, além de causar muita complicação no trânsito da região metropolitana. A paralisação de 24 horas foi definida ontem pela categoria, paralelamente a um protesto que provocou duas horas de congestionamento no centro da cidade.
Alegando “intransigência” das empresas, que ofereciam 5% de reajuste contra os 22% reivindicados, o presidente do Sindicato dos Rodoviários, Patrício Magalhães, comandou a manifestação.
O Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros no Estado de Pernambuco não se pronunciou. Mediador das negociações na Superintendência Regional do Trabalho e Emprego em Pernambuco (SRTE/PE), Mário César Carvalho disse que a inflação apurada pelo INPC para a categoria é de 6,44%. “As empresas ofereceram menos e expliquei que os 22% também estão muito fora da realidade, mas os dois lados não cederam”, explicou. 



Fonte: Pernambuco.com e Blog Meu Transporte


READ MORE - Recife amanhece com poucos ônibus, greve prejudica mais quase 2 milhões de pessoas

Região do ABC receberá R$ 5,2 bilhões em investimentos para o transporte

O governador Geraldo Alckmin anunciou, nesta terça-feira (14), investimento na ordem de R$ 6,3 milhões para o ABC, sendo R$ 5,2 bilhões na área de transportes. Além do já anunciado VLT (Veículo Leve Sobre Trilhos), que tem início das obras previsto para o segundo semestre do próximo ano, há projeto para instalação do Expresso ABC - linha da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) com menos paradas e trajeto mais rápido do que o da Linha 10 Turquesa.
Geraldo Alckmin, governador do Estado, destaca que a mobilidade urbana é desafio no mundo todo. “O único caminho é o transporte coletivo de alta capacidade. É nisso que estamos investindo”, comenta.

O VLT (Linha 18 do Metrô) precisará de investimento de R$ 4 bilhões, sendo R$ 2,8 bi na primeira fase (ligação da estação Tamanduateí até o Centro de São Bernardo) e R$ 1,2 bi na segunda (ligação do Centro de São Bernardo até a região do Alvarenga). “Nosso gargalo é financeiro, por isso, vamos pleitear R$ 850 milhões do PAC 2, além de financiar R$ 400 milhões pelo BNDES e ter contrapartida de R$ 1,6 bilhões”, explica Jurandir Fernandes, secretário de Transportes Metropolitanos do Estado. A estimativa é de que o início das obras tenha início no segundo semestre de 2012 e que a primeira fase seja entregue em 2014.


Expresso ABC depende de concessão federal

O Expresso ABC, trem que circulará ao lado da Linha 10 Turquesa da CPTM, prevê diminuir o tempo da viagem em até 35%. Entretanto, para que o projeto de PPP (Parceria Público Privada) saia do papel, será necessário solicitar concessão do terreno localizado ao lado dos trilhos da CPTM junto ao Governo Federal. “Esse processo para concessão não pode durar mais do que um ano, já que este é um projeto para 2014”, comenta o secretário de Transportes Metropolitanos do Estado.

Diferente dos trens da Linha 10 – Turquesa da CPTM, que percorrem 35 quilômetros com 14 paradas, o Expresso ABC percorrerá 25 quilômetros e fará apenas seis paradas. A expectativa é de que o tempo de viagem caia de 36 para 22 minutos. “Estudos nos mostraram que 80% dos usuários circulam por seis pontos principais: Mauá, Santo André, São Caetano, Tamanduateí, Brás e Luz”, destaca o secretário.
A verba de R$ 1,2 bilhões será utilizada para construção de mais dois trilhos (R$ 824 milhões) e para a modernização das estações (R$ 445 milhões). O Expresso receberá 10 trens e a tarifa cobrada será a mesma da Linha 10.

Outros investimentos

A integração tarifária por meio do BOM (Bilhete de Ônibus Metropolitano) foi outro assunto discutido. Inicialmente, será feito projeto piloto a partir do próximo dia 27 com ligação da EMTU, CPTM e Metrô. No ABC, será responsabilidade dos municípios realizarem integração das linhas intermunicipais entre si, para depois aderir a integração com a CPTM e Metrô. Já a Metra, empresa que opera os trólebus no corredor ABD, tem até o fim do ano para introduzir o BOM.

Ligação Jacu Pêssego com avenida dos Estados

Foi anunciado ainda as obras de ligação expressa entre as avenidas Jacu Pêssego e dos Estados, trecho de três quilômetros que terá investimento de R$ 84,5 milhões. Faz parte da obra a eliminação da passagem de nível da avenida Rosa Kasinski, na Estação Capuava e a execução de um viaduto de 570 metros e ponte de 160 metros, responsáveis pela eliminação da travessia em nível com a via férrea (cancela) na estação Capuava.



READ MORE - Região do ABC receberá R$ 5,2 bilhões em investimentos para o transporte

Salvador deve definir modelo de transporte em 20 de junho

A Bahia terá que concluir, até dezembro de 2013, uma nova ligação entre Salvador e o município de Lauro de Freitas, na região metropolitana. A obra é o principal projeto de mobilidade urbana na cidade para Copa 2014.  Além disso, terá que melhorar a estrutura viária no entorno do estádio que vai abrigar os jogos. Nessas duas frentes de trabalho as obras ainda não começaram a ser executadas, de acordo com informações do governo do estado e da prefeitura.
Com custo estimado em R$ 2,97 bilhões, o sistema de transporte público entre Salvador e a região metropolitana terá um trajeto de aproximadamente 28 quilômetros e também servirá como ligação entre o Aeroporto Internacional de Salvador e a Zona Norte da capital baiana.
O modal - tecnologia de transporte - que será usado para ligar esses dois eixos deve ser conhecido na segunda-feira (20). As propostas apresentadas por sete consórcios estão em fase de avaliação dos estudos técnicos. O secretário de Planejamento do estado, Zezéu Ribeiro, afirmou que o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) não é mais uma opção considerada. “Não há chances de implantação do VLT”, disse.

Ele comenta que já se sabe que o VLT não foi contemplado em nenhum dos sete estudos técnicos inscritos no Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI), edital lançado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano da Bahia no dia 26 de março deste ano.
Os consórcios APT, Odebretch/Setps, Metropasse, Padro Valadares Arquitetos, Queiroz Galvão, Camargo Correia e Invepar optaram por propostas que incluem o Bus Rapid Transit (BRT), o BRT eletrificado, metrô de superfície e monotrilho. As propostas estão sendo avaliadas por um Grupo de Trabalho Executivo (GTE) em parceria com Programa de Engenharia de Transportes da Coppe, instituição vinculada à Universidade Federal do Rio de Janeiro.
As obras serão executadas com investimentos de R$ 570,3 milhões, já disponíveis pelo Ministério das Cidades através do PAC Copa, e mais R$ 2,4 bilhões, do PAC da Mobilidade Urbana. A data de início da execução do projeto e o vencedor da licitação só devem ser divulgados também na segunda-feira (20), data estipulada pelo governo federal, segundo secretário Zezeu Ribeiro.

Diferença entre modais
Segundo o engenheiro Wellington Correia de Figueiredo, professor titular de Transportes da Universidade Federal da Bahia,  o VLT pode ter média de 25 mil viagens por hora, capacidade que é ultrapassada pelo metrô de superfície, sistema que possui média de 40 mil viagens por hora, porém com custo maior de implantação. “Já o monotrilho tem praticamente a mesma capacidade que o VLT, só que é mais rápido, porque tem via exclusiva. O VLT não tem, terá que atravessar semáforo, participar do trânsito com outros veículos”, explica.
Entre o BRT e o BRT eletrificado, o professor descreve que o custo elevado da opção eletrificada é a principal distinção, pela necessidade de aquisição de ônibus elétricos e plnanejamento de seu sistema alimentador. Os dois BRT´s têm capacidade de 20 mil viagens por hora, indica o professor. “O adequado seria a combinação do metrô prolongado, integrado com o BRT, outros sistemas VLT e ciclovias”, avalia.

Do ponto de vista do governo, o secretário de Planejamento diz que não há preferências. “Queremos que o sistema tenha viabilidade econômica e crie bem estar aos passageiros. A prioridade é que atenda ao método de bilhetagem única, com no máximo dois transbordos, intercalados a cerca de dois minutos de espera, até chegar ao destino final”, explica Zezéu.
Sobre a participação da população na decisão, Zezéu afirma que o estudo tecnológico servirá de base, que haverá oportunidade para argumentação da população, “mas que isso será feito de forma mais cuidadosa”.

Prazos para o BRT
Na administração municipal, o coordenador do Escritório da Copa de 2014, Leonel Leal, informa que os recursos e prazos previstos para mobilidade foram definidos para implantação do BRT. “O entendimento do município é que existe um cronograma que está sendo cumprido. Se surgir um novo projeto, a prefeitura poderá reavaliar. Na reunião (terça-feira, 31) com a presidente (Dilma) ficou claro que as obras têm que começar em dezembro de 2011 e terminar em dezembro de 2013”, relata Leal, apontando que um dos principais argumentos de defesa do BRT é o tempo de execução da obra.
Segundo os representantes da prefeitura e governo, o Corredor Estrutural irá atender a necessidade de toda a população, porque a maior parte da circulação de Salvador atualmente se concentra no eixo da Avenida Paralela, tanto os bairros populosos como os novos condomínios de classe média e de luxo.

A ideia é que um dos extremos esteja no município de Lauro de Freitas, que a estrutura atravesse a Avenida Paralela, passando pelo Aeroporto Internacional, até a região do Acesso Norte, onde está localizado o Complexo da Rótula do Abacaxi, uma das zonas mais movimentadas da cidade. Todas as vias transversais à principal estarão conectadas ao percurso, de acordo com a prefeitura.
Avenidas de outras regiões também terão que ser reajustadas para apoiar a Paralela. De acordo com Zezéu, tudo indica que serão duplicadas as avenidas Pinto de Aguiar, no bairro de Pituaçu, Orlando Gomes, em Piatã, e Dorival Caymmi, em Itapuã. “Temos um modelo de industrialização no Brasil que priorizou o transporte individual. Mas a pessoa tem que estar no engarrafamento, ver o transporte de massa e pensar que pode ser bem melhor deixar o carro em casa”, opina.




 
READ MORE - Salvador deve definir modelo de transporte em 20 de junho

Vergonha, Cidade de São Paulo só tem 35 km de ciclovias

Se todos os planos e promessas de ciclovias feitos nos últimos anos fossem somados, São Paulo deveria terminar o ano de 2012 com 522 quilômetros de vias e faixas exclusivas para as bicicletas - uma infraestrutura digna de cidade europeia. Até agora, porém, a capital conta com apenas 35,7 km de ciclovias, o que representa 7% de tudo o que foi planejado para aumentar a segurança dos ciclistas no município. Para conseguir cumprir o planejado, a Prefeitura teria de construir 486 km de ciclovias até o fim do próximo ano.

Os números constam de três fontes diferentes e foram levantados pela assessoria técnica do gabinete do vereador Chico Macena (PT), ex-presidente da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). A primeira são os Planos Regionais Estratégicos (PREs) de cada uma das subprefeituras, aprovados em 2004 como complemento ao Plano Diretor da cidade.

Os PREs detalham as obras de transporte prioritárias em cada região da cidade, que deveriam ser executadas até 2012. A ideia era fazer um planejamento de longo prazo, mas que até agora não deu certo - apenas 10 km dos 367 km de ciclovias previstos para toda a cidade saíram do papel.

Os outros 155 km previstos dizem respeito à Agenda 2012 - o plano de metas oficial da gestão Gilberto Kassab (sem partido) - e à promessa de construir 55 km de ciclovias e ciclofaixas nos três bairros onde há mais deslocamentos de ciclistas: Jardim Helena, na zona leste, Jardim Brasil, na zona norte, e Grajaú/Cocaia, na zona sul. O plano original previa que algumas das obras começariam ainda em 2009, mas até agora nenhuma delas foi iniciada. A CET afirmou que o projeto executivo está sendo concluído e a licitação para as obras deve sair nas próximas semanas.


As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

READ MORE - Vergonha, Cidade de São Paulo só tem 35 km de ciclovias

No Recife, Corredores Norte-Sul, Leste-Oeste e da BR-101 terão um investimento de R$ 940 milhões

Cerca de um ano após o prazo estipulado para o início das principais obras de mobilidade urbana para a Copa, a Secretaria das Cidades de Pernambuco apresentou ontem (13) os projetos dos Corredores Norte-Sul, Leste-Oeste e da BR-101 (Contorno do Recife).

Os corredores terão um investimento de R$ 940 milhões, sendo R$ 180 milhões para o Leste-Oeste, que vai da Praça do Derby até a Estação Cosme e Damião, em São Lourenço da Mata (Cidade da Copa), R$ 280 milhões para o Norte-Sul, que sairá de Igarassu até o Recife, e R$ 480 milhões para a BR-101, que será requalificada e terá um corredor exclusivo de ônibus.

Os projetos receberam aval do Tribunal de Contas do Pernambuco. Até 7 de julho estão previstos ajustes para a publicação dos editais, com exceção do projeto da BR-101 que está sendo analisado pelo DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes). O órgão deve concluir a avaliação dentro de dois meses.

Atraso
As obras para melhorar o acesso dos turistas e da população aos estádios, aeroportos e hotéis estão demorando para sair do papel. As intervenções no corredor Norte-Sul, que inclui uma das principais vias de acesso ao Recife (av. Agamenon Magalhães), deveriam ter começado em abril de 2010. A conclusão prevista é outubro de 2012, mas não foi revista com o atraso.

Apesar do pouco tempo para a viabilização dos novos corredores, o secretário das Cidades, Danilo Cabral, diz que até dezembro os projetos estarão licitados, conforme a exigência feita na reunião da presidente Dilma Rousseff com governadores e prefeitos das cidades-sede no dia 31 de maio.

Se não cumprirem este prazo, as obras serão excluídas do PAC da Mobilidade Urbana, perdendo condições mais favoráveis de financiamento.

Ônibus rápido
O Bus Rapid Transit, faixas exclusivas de ônibus com pagamento de tarifa na estação, foi o modelo escolhido para os três novos corredores que devem melhorar o transporte público na Região Metropolitana do Recife.

Será implantado um centro de controle operacional que vai monitorar em tempo real o posicionamento dos veículos por GPS, fará a melhoria do controle da frequência de partida e vai controlar a regularidade no intervalo dos veículos.

“Foi construído um planejamento para a questão da mobilidade urbana na Região Metropolitana do Recife. Precisamos sair da lógica do transporte individual. Só se resolve a questão da mobilidade urbana se priorizarmos o transporte público”, declara o secretário das Cidades.


BRTsLeste-Oeste
12,3 km de extensão
22 estações
4 terminais de integração
Distância média das estações de 556m

Norte-Sul
33,2 km de extensão
28 estações
4 terminais de integração
Distância média das estações de 531m

BR-101 30,7 km de extensão
35 estações
5 terminais de integração
Distância média das estações de 762m


Fonte: Portal 2014

READ MORE - No Recife, Corredores Norte-Sul, Leste-Oeste e da BR-101 terão um investimento de R$ 940 milhões

Curitiba a mais de um ano sem investir em ciclovias

Em todo o ano passado, e até junho de 2011, a Prefeitura de Curitiba não investiu em ciclovias para a capital. Em 2010, o orçamento destinado para esse fim era de cerca de R$ 2,3 milhões, mas o valor foi revisado em dezembro para apenas R$ 26 mil. O corte foi de 99,6%, mas, na prática, nenhum investimento foi feito. Os dados são do Portal de Transparência da Prefeitura.
Para o ano de 2011, a Prefeitura previu orçamento de cerca de R$ 2 milhões de reais, mas até junho nenhuma obra foi feita.
A cidade de Curitiba possui cerca de 100 km de ciclovias, mas muitos desses trechos são escuros, esburacados, ou com mato em volta. Os ciclistas reclamam que a maior parte dos trajetos liga parques e pontos turísticos, e não facilitam a vida de quem quer trabalhar, ou tem que cruzar vários bairros.
“Falta mais infraestrutura mesmo. A gente precisa de ciclofaixas, ciclovias que levem para os bairros das pessoas, não apenas para os parques, locais para parar as bicicletas – como paraciclos -, mas também um pouco de educação por parte do motorista”, reclama a ciclista Michele Michelloto.
Os riscos do trânsito também atrapalham quem quer pedalar na cidade, de janeiro até maio de 2011,17 pessoas morreram e cerca de três mil ficaram feridas em acidentes no Paraná.



Fonte: G1.com.bt


READ MORE - Curitiba a mais de um ano sem investir em ciclovias

SPTrans altera itinerários de linhas devido realização de evento na Zona Sul

A SPTrans informa que em função de  festa junina em Americanópolis, que será realizada nos dias 11, 12, 18, 19, 25 e 26 de junho das 17h às 23h, na Rua Hugo Vitor Silva (1º quarteirão), entre as Ruas Ômega e Felipe D’Oliveira, os itinerários das linhas 574A/10 Americanopolis – Lgo. Cambuci, 5010/10 Jabaquara – Santo Amaro e 5702/10 Refúgio Santa Terezinha - Metrô Jabaquara serão alterados.

Para informações sobre linhas e trajetos de linhas consulte itinerários ou ligue 156.

Linhas e itinerários:

574A/10 Americanopolis – Lgo. Cambuci
Aos Sábados
Ida:
Sem alteração.
Volta: Normal até a Av. Engº. Armando de Arruda Pereira, Estrada Antiga do Mar, Rua Cândido Guerreiro, Rua Giovanni Pannini, Rua Hugo Vitor Silva.
Aos Domingos
T.P: Rua Baltazar Gomes de Alarcão

5010/10 Jabaquara – Santo Amaro
Ida:
Sem alteração.
Volta: Normal até a Av. Eng. Armando de Arruda Pereira, Retorno, Av. Eng. Armando de Arruda Pereira, Rua Wilson Kawanami, prosseguindo normal.

5702/10 Refúgio Santa Terezinha - Metrô Jabaquara
Ida:
Sem alteração.
Volta: Normal até a Av. Eng. Armando de Arruda Pereira, Estrada Antiga do Mar, Rua Álvares Fagundes, prosseguindo normal.

Fonte: SPTrans

READ MORE - SPTrans altera itinerários de linhas devido realização de evento na Zona Sul

Trem-Bala, metrô e pedágios dividem senadores em novo programa da TV Senado

Os senadores Aloysio Nunes (PSDB-SP), Eduardo Suplicy (PT-SP) e Marta Suplicy (PT-SP) discutiram nesta segunda-feira (13) a situação do transporte em São Paulo na estreia do programa Assunto de Estado, da TV Senado. No novo programa, senadores de um mesmo estado debatem um tema de interesse da população. Transporte urbano, pedágios nas rodovias e construção do trem-bala foram os principais assuntos tratados pelos senadores.
Transmitido simultaneamente pela Rádio Senado, o programa contou com a participação dos telespectadores e ouvintes por meio da internet. Muitos reclamaram dos preços e da qualidade do transporte coletivo. Alguns chegaram a sugerir aos senadores a experiência de tomar uma condução em São Paulo para conhecerem os seus reais problemas. 

Transporte urbano 

Trens e metrô ocuparam a maior parte do debate entre os senadores, opondo principalmente as opiniões de Marta e Aloysio. A senadora criticou os governos estaduais que, segundo seus cálculos, entregaram 1,2 km de metrô por ano, e disse que as obras do metrô têm atrasos e escândalos. Por sua vez, Aloysio Nunes negou que falte planejamento no metrô de São Paulo e disse que as obras são significativas em quantidade e qualidade. O senador também disse que tem havido melhorias nos trens metropolitanos, dos quais boa parte, segundo ele, já estaria operando com qualidade de metrô. A senadora Marta Suplicy contestou:
- Os trens estão numa situação muito adversa. Mas trem não substitui o metrô. Em qualquer país do mundo que tenha metrô, os trens também existem paralelamente.
Em sua intervenção seguinte, Eduardo Suplicy defendeu que o transporte público seja considerado direito básico dos cidadãos e disse confiar no entendimento entre a presidente Dilma Rousseff e o governador Geraldo Alckmin para a execução dos projetos. Ele também pediu mais integração entre as modalidades de transporte e mais corredores de ônibus, além da expansão do Bilhete Único para toda a região metropolitana.
Marta disse ser importante “fazer as pessoas trabalharem perto de onde elas moram”, lembrando a existência de 400 mil habitações vazias no Centro paulistano. A parlamentar criticou a falta de continuidade do planejamento de transporte que deixou quando prefeita; Aloysio, apesar de elogiar os corredores de ônibus, contestou a eficácia do plano de Marta e destacou os benefícios do Rodoanel para desafogar o trânsito da região central de São Paulo. Marta seguiu criticando a tarifa de ônibus de R$ 3 em vigor em São Paulo e afirmando que o Bilhete Único está sendo executado de forma diferente da planejada em sua gestão. Sobre a prioridade para veículos com mais de um passageiro, estabelecida pelo prefeito Gilberto Kassab em várias vias paulistanas, Marta a classificou como “paliativo” e “firula”. 

Trem-Bala 

Eduardo Suplicy e Marta Suplicy listaram o que consideram ser as vantagens do Trem-Bala. Na avaliação de Marta, o veículo será lucrativo, e ressaltou que o capital para a obra será emprestado pelo governo, somando-se a capital privado que de outra forma não seria investido. Eduardo Suplicy calcula que o Trem-Bala reduzirá a poluição atmosférica ao diminuir o tráfego aéreo entre São Paulo e Rio:
- Por todos que estudaram a possibilidade do Trem de Alta Velocidade, [o trajeto Campinas-São Paulo-Rio] é justamente a distância adequada, e sobretudo porque reúne as duas maiores regiões metropolitanas e, portanto, o Trem de Alta Velocidade vai se pagar.
Aloysio Nunes diz que o projeto é “maluco” e lamentou a falta de transporte ferroviário de passageiros em velocidade normal, que custaria “trinta vezes menos que o Trem-Bala”. Aloysio também notou que, entre os juros favoráveis do BNDES e os que o Tesouro Nacional paga aos títulos públicos, há uma diferença que é coberta pelo contribuinte.  

Pedágios 

A comparação de modelos de privatização de rodovias também gerou controvérsia entre os senadores. Para Marta, a concessão de estradas se tornou um negócio extraordinário, com ônus para o povo do estado, e cobrou do governador Geraldo Alckmin alterações nos contratos. 
Aloysio Nunes defendeu o modelo de pagamento pela outorga das concessões, lembrando que o governo estadual usou essa verba em construção e reforma de mais estradas. No seu ponto de vista, o modelo de concessão federal (no qual não há pagamento pela outorga) é um fracasso: “Você não tem o investimento previsto e as estradas estão ruins”. 

Paulo Cezar Barreto / Agência Senado


READ MORE - Trem-Bala, metrô e pedágios dividem senadores em novo programa da TV Senado

Funcionários da CPTM não votam greve e decidem aguardar decisão do TRT

Em duas assembleias realizadas no início da noite desta terça-feira (14), funcionários da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) filiados a três sindicatos decidiram esperar a audiência com a companhia no TRT-2 (Tribunal Regional do Trabalho da 2ª região), agendada para amanhã (15), às 15h30, em São Paulo, antes de tomar qualquer decisão sobre uma eventual volta à greve nos trens.
Na reunião de amanhã, será julgado o dissídio da categoria. Em outra audiência realizada no mesmo tribunal na última sexta, os sindicatos propuseram reajuste salarial considerando a variação do IPC (Índice de Preços ao Consumidor) no período de 1º de janeiro de 2010 a 28 de fevereiro de 2011, além de aumento real por produtividade de 5% no mesmo período, o que totaliza 13,26% de variação salarial.
A CPTM ofereceu reajuste de 1,75%, considerando o índice IPC dos meses de janeiro e fevereiro de 2011, além de aumento real de produtividade de 1,5% --3,27%, no total. As partes também não entraram em acordo sobre o valor do vale-refeição. Os sindicatos pleiteiam o auxílio de R$ 19, e aumento de 22 para 24 unidades por mês; a CPTM apresentou o valor de R$ 18, para 22 unidades.
A categoria chegou a paralisar nos dias 1º e 2 de junho, mas o trabalho foi retomado após o TRT decidir multar os sindicatos pela greve. De acordo com o presidente do Sindicato dos Ferroviários de São Paulo, Eluiz Alves de Matos, a categoria “atendeu o pedido do TRT” de não paralisação dos trabalhos, mas “está revoltada” com a falta de avanços nas negociações.

Decisões

A entidade representa os funcionários das linhas 7 - Rubi (Jundiaí - Luz) e a 10 - Turquesa (Luz - Rio Grande da Serra). Juntas, ambas movimentam diariamente cerca de 800 mil passageiros e respondem por cerca de 2.800 trabalhadores. Na assembleia de hoje, realizada na sede do sindicato, cerca de 200 ferroviários decidiram se reunir na porta do TRT durante a audiência de amanhã.
Os trabalhadores filiados ao Sindicato da Zona Sorocabana e ao Sindicato da Central do Brasil se reuniram em assembleia unificada na noite de hoje. Os ferroviários dos dois sindicatos trabalham nas linhas 7-Rubi e 10-Turquesa --Zona Sorocabana-- e nas linhas 11-Coral e 12-Safira --Central do Brasil. Os trabalhadores decidiram aguardar a decisão do TRT e marcaram nova assembleia para amanhã, às 18h, na estação Julio Prestes.
Na última audiência, o TRT alertou que, até o julgamento final, ainda vale a liminar concedida semana retrasada que determinou a manutenção da frota de trens da CPTM para o atendimento com efetivo de 90% dos serviços no horário de pico (das 5h30 às 10h e das 15h30 às 21h) e de 70% nos demais horários. O descumprimento implica em multa diária de R$ 200 mil.



READ MORE - Funcionários da CPTM não votam greve e decidem aguardar decisão do TRT

Em Campinas, Poder Público, empresas e universidade constróem projeto para ônibus híbrido

Com a participação da iniciativa privada (empresas de chassi e carroceria), do poder público, por meio da Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas – EMDEC –, e, ainda, com o  apoio de uma universidade, Campinas está desenvolvendo, neste momento,  um projeto para ônibus híbridos comum (midiônibus) e articulados.

Trata-se de uma iniciativa inédita, uma vez que não existe chassi semelhante produzido no Brasil.

Os estudos para essa nova tecnologia veicular tiveram início há um ano, com a parceria entre a EMDEC e a FACAMP – Faculdades de Campinas. Sob supervisão da EMDEC, estagiários da FACAMP participaram da construção de um projeto interno (novo layout) para os veículos. “A proposta foi garantir o máximo de conforto e acessibilidade aos usuários, oferecendo um protótipo ergométrico para os assentos e todo espaço interno dos ônibus”, afirma o diretor de Desenvolvimento e Infraestrutura Viária, Maurício Thesin.

Ele conta que o projeto para o novo layout interno dos veículos repensou a posição e tamanho dos bancos (respeitando os diferentes usuários: obesos e pessoas com necessidades especiais, a altura interna (considerando usuários mais altos) e toda a questão da acessibilidade e conforto (garantindo-se espaço para acomodação de bolsas e mochilas, por exemplo).

Segundo Thesin, os trabalhos avançaram nos últimos dois meses, com a intensificação de reuniões com as empresas de carroceria e chassi.
Além do conforto e acessibilidade, os veículos híbridos apresentam vantagens do ponto de vista ambiental. “A emissão de poluentes é 70% menor que a registrada nos veículos com outros motores. Esse tipo de veículo, ainda, se destaca no consumo de combustível. O ônibus híbrido economiza 35% de diesel, uma vez que funciona com dois motores, a diesel e à eletricidade”, acrescenta.

De acordo com Thesin, o projeto para o híbrido comum ou básico vem sendo discutido com as empresas Agrale e Siemens. Esse veículo menor deverá ser utilizado na área central, com capacidade para até 50 pessoas sentadas e de pé. Já o híbrido articulado é um projeto em andamento com as empresas Neobus e Volvo.

Segundo o diretor, os veículos adotarão trilho virtual, o que significa que operarão por sistema ótico de guiagem, permitindo no embarque/desembarque proximidade dos veículos às plataformas, o que amplia a segurança dos usuários no acesso e descida dos ônibus.

Thesin conta, também, que o híbrido comum, desenvolvido em parceria com a  Agrale e Siemens, poderá começar a circular na cidade dentro de dois meses. Essa seria uma etapa de testes, comenta, para avaliação da performance da tecnologia híbrida, em campos como a potência do motor na subida e com carga máxima (lotação de usuários); o consumo de combustível; e o funcionamento das rampas de acesso. O teste seria por um período de um mês.

Já os veículos articulados demandariam um tempo maior para irem às ruas. A expectativa é de que possam circular entre 2013 e 2014, nos corredores Ouro Verde e Campo Grande.

Entenda a tecnologia
Os dois motores do ônibus, a diesel e elétrico, funcionam em paralelo ou de forma independente. O motor elétrico é utilizado para arrancar e acelerar até uma velocidade de aproximadamente 20 quilômetros por hora, e também atua como gerador de energia durante as frenagens (energia de desaceleração).

O motor a diesel entra em funcionamento em velocidades mais altas. Quando o veículo está parado, seja no trânsito, em pontos de ônibus ou em semáforos, ele permanece desligado.

Estudos da Volvo demonstram que o tempo durante o qual o ônibus fica inerte pode representar até 50% do período total de operação, ou seja, não há emissões de poluentes em “metade da viagem”, quando o motor a diesel se apaga completamente.

Funções auxiliares, como compressor de ar e bomba hidráulica, são alimentadas pelo motor elétrico.

O sistema híbrido atenua não somente as emissões de CO2 (gás carbônico, um dos principais gases responsáveis pelo efeito estufa), mas também as de NOx (óxidos de nitrogênio, responsável por alergias e ardência nos olhos, por exemplo) e de materiais particulados.

Fonte: EMDEC

READ MORE - Em Campinas, Poder Público, empresas e universidade constróem projeto para ônibus híbrido

Grande Recife lança campanha com foco no usuário idoso

O Grande Recife Consórcio de Transporte lança, amanhã – Dia Nacional do Enfrentamento da Violência Contra a Pessoa Idosa - uma campanha educativa voltada para o respeito aos assentos reservados e ao tratamento destinado aos idosos, gestantes e portadores de deficiência. O lançamento da campanha “Gentileza Faz a Diferença” acontecerá no Terminal da PE-15, a partir das 15h, durante cerimônia conjunta com a Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos (SEDSDH), que também estará desenvolvendo ações voltadas aos idosos.

Em paralelo a cerimônia, outros cinco terminais de ônibus da RMR serão palco do cronograma de atividades montado pelo Consórcio e SEDSDH. Os terminais do Cais de Santa Rita, Caxangá, Pelópidas Silveira, em Paulista, Rio Doce, em Olinda e, por fim, de Camaragibe, receberão um grupo de 10 idosos, padronizados com a camisa da campanha, que farão a distribuição de panfletos informativos, alertando sobre a relevância do tema. Também estão agendadas atividades culturais, para interagir com o público.

A campanha “Gentileza Faz a Diferença” contará com peças de divulgação, de caráter educativo (cartazes, outbus, inbus, abrigos de ônibus); ações de multiplicação, feitas por artistas educadores que atuam nos Terminais de Integração em toda a Região Metropolitana do Recife, além de uma campanha especialmente elaborada para a disseminação nas mídias digitais e sociais (Twitter, Facebook, Orkut, Blogs, etc).

Para o presidente do Grande Recife, Manoel Marinho, a campanha “Gentileza faz a diferença” irá auxiliar muito na conscientização dos usuários e operadores sobre o respeito aos idosos - e demais públicos com mobilidade reduzida que utilizam o STPP/RMR. “Precisamos trabalhar a questão da cordialidade. Os idosos precisam ter respeitados os seus direitos, como portadores de gratuidade do sistema. Também estamos trabalhando, junto às empresas operadoras, para aprimorar cada vez mais a capacitação dos operadores, visando atender dignamente não só os idosos, mas todos aqueles que necessitam de uma prestação de serviço diferenciada”, enfatizou.

Seqüência – A “Gentileza faz a diferença” é a segunda campanha lançada pelo Grande Recife, este ano, com foco na melhoria do Sistema de Transporte Público de Passageiros da Região Metropolitana do Recife. No mês passado, a campanha “Curta Seu Som Legal. Use Fone de Ouvido”, que tem como foco o estímulo ao uso de fones de ouvido como forma de evitar que o som propagado pelos equipamentos incomode os demais usuários, teve uma ótima repercussão entre os usuários, que participaram ativamente da divulgação, através das mídias sociais.

Fonte: CGRT

READ MORE - Grande Recife lança campanha com foco no usuário idoso

SPTrans troca ônibus por trólebus na região central para recape de via

A SPTrans informa que em função do recapeamento da Praça Dr. João Mendes será feito o desligamento da rede de alimentação do sistema de trólebus em toda a extensão do Viaduto Maria Paula. Assim, os trólebus das linhas 2002/10 Term. Pq. D. Pedro II – Term. Bandeira, 2291/10 Term. São Mateus – Pça. da República (Noturna), 408A/10 Machado de Assis – Cardoso de Almeida e 4113/10 Gentil de Moura – Pça. da República serão substituídos por veículos movidos a diesel do início da operação às 22h do dia 18/06 até o término às 5h do dia 20/06 e algumas linhas sofrerão alteração no itinerário.

Para informações sobre linhas e trajetos de linhas consulte itinerários ou ligue 156.

Linhas e itinerários:

4112/10 Santa Margarida Maria – Pça. da República
Paralisação operacional das 21h20 do sábado (18/06/2011) até as 05h00 de segunda-feira (19/06/2011).
Itinerário sobreposto ao da linha 4113/10 Gentil de Moura – Pça da República

2002/10 Term. Pq. D. Pedro II – Term. Bandeira
2291/10 Term. São Mateus – Pça. da República (Noturna)
408A/10 Machado de Assis – Cardoso de Almeida
4113/10 Gentil de Moura – Pça. da República

Substituição dos veículos trólebus por movidos a diesel, das 22h00 do sábado (18/06/2011) até as 05h00 de segunda-feira (19/06/2011)

2290/10 Term. São Mateus – Term. Pq. D. Pedro II
Ida:
Normal até a Rua do Gasômetro, Viaduto Diário Popular, Terminal Parque D. Pedro II.
Volta: Sem alteração.

2100/10 Terminal Vila Carrão – Praça da Sé
Sentido Único:
Normal até a Av. Alcântara Machado, Rua da Figueira, Viaduto Diário Popular, Terminal Pq. D. Pedro II, Av. do Exterior, Viaduto 25 de Março, Av. Rangel Pestana, prosseguindo normal.inhas que circulam pelo local não terão alteração.

As demais linhas que circulam pelo local não terão alteração.

Fonte: SPTrans

READ MORE - SPTrans troca ônibus por trólebus na região central para recape de via

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960