Em São Paulo, Perueiros ameaçam greve e a prefeitura entra na Justiça para barrar paralisação de ônibus

segunda-feira, 14 de março de 2011

Os perueiros que trabalham no transporte público da cidade de São Paulo ameaçam paralisar o serviço a partir da 0h desta terça-feira (15).
De acordo com o presidente do sindicato da categoria e vereador pelo PT, Senival Moura, a reivindicação é um reajuste maior ao oferecido pela prefeitura.
A Secretaria Municipal de Transportes definiu o reajuste em 4,38%, mas os perueiros pedem 12%. A secretaria diz que o reajuste respeita "os índices previstos no contrato, firmado com base na licitação do sistema de transporte realizada em 2003".
Moura alega que, desde 2007, o reajuste da tarifa do transporte público foi de 30%, mas os perueiros receberam apenas 9,67% de aumento. Por isso pedem os 12%, para "equilibrar os custos operacionais".
"O custo operacional é muito alto, considera combustível, pneus, manutenção e pagamento do veículo. Hoje em dia tem perueiro que praticamente está pagando para trabalhar", disse.
De acordo com a secretaria, o pagamento dos perueiros não tem relação com a tarifa do transporte. "Os serviços prestados pelos operadores são pagos segundo um modelo específico de remuneração, que considera um valor fixo por passageiro registrado, multiplicado pela quantidade de passageiros transportados pelo operador."
Moura diz que este valor, hoje, está em R$ 1,27 --os 12% de aumento representam menos de R$ 0,20.
Uma reunião nesta noite entre lideranças do sindicato vai definir detalhes da greve, que pode ser suspensa "caso a prefeitura se mostre disposta a negociar". "Mas tudo indica que teremos a greve. Até agora, a prefeitura não se manifestou", disse Moura.
Cerca de 6.000 peruas operam em São Paulo, atendendo 3,3 milhões de passageiros por dia em linhas que ligam, principalmente, terminais de metrô, trens e ônibus.
LIMINAR
Em nota divulgada na noite de hoje, a prefeitura informou ter acionado a Justiça e conseguido uma liminar (decisão provisória) que proíbe a greve, "sob pena de multa de R$ 100 mil por dia a cada permissionário que parar o serviço".
Senival Moura disse que a paralisação está mantida, pois o sindicato não foi notificado oficialmente da decisão. Caso a notificação seja recebida, o presidente disse que o setor jurídico do sindicato vai adotar com as medidas necessárias.


Fonte: Folha.com

READ MORE - Em São Paulo, Perueiros ameaçam greve e a prefeitura entra na Justiça para barrar paralisação de ônibus

MegaBRT da Neobus foi testado em corredor do Rio de Janeiro e será usado na Via Transoeste

O MegaBRT, articulado da gaúcha Neobus, apresentado ofi cialmente na Fetransrio, em novembro passado, impressionou. Ainda hoje continua despertando atenção e suscitando comentários pelos seus atributos. Para começar, ele tem jeito de veículo leve sobre trilhos, mas não é um VLT. Tem a forma de trem de alta velocidade, mas não é um TAV. Conceitualmente, é uma maneira inovadora da indústria de ônibus, gestores públicos, operadores do sistema e usuários enxergarem o futuro do transporte urbano de passageiros no Brasil, na medida em que o veículo embute um conjunto de atrativos capaz de convencer o mais exigente dos executivos a deixar o carro em casa para ir e voltar do trabalho. Precisa dizer mais?
“É o trem-bala do Brasil”; “É trem-bala sobre rodas”, “Inovador”; “Pioneiro”;
“Saiu na frente”. Estas foram as reações ouvidas pela equipe da Neobus na Fetransrio. “Em 30 anos de atuação nesse ramo, sinceramente, nunca vi algo tão diferenciado e impactante numa feira como esse carro”, afirma o presidente da empresa, Edson Toniello, suspeito de primeira grandeza para falar da criação, mas sem disfarçar o entusiasmo pelos elogios recebidos
“Parece o GVT da França” encantou-se o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, após conhecer o MegaBRT que será usado na Via Transoeste, o primeiro BRT (Bus Rapid Transit) da cidade, que vai ligar a Barra da Tijuca a Campo Grande, numa distância de 56 km, passando pelo Túnel da Grota Funda, gerando economia de uma hora no tempo de viagem. A apresentação aconteceu no local onde ocorre a abertura do Túnel da Grota Funda, uma das etapas mais importantes da implantação do Transoeste. As obras desse corredor fazem parte do pacote viário que prepara a cidade para a Copa de 2014 e Jogos Olímpicos de 2016.
Na voz de quem concebeu o MegaBRT, o designer Leônidas Fleith, ele é um legítimo puro-sangue que nasceu para impressionar. A inspiração arquitetônica veio dos trens de alta velocidade. “Mas desde o princípio a preocupação foi oferecer um plus para o usuário se sentir atraído, que fosse bonito esteticamente e convidativo, ou seja, que fizesse parte do seu diaa-dia. O resultado é um veículo atraente, com uma coluna dianteira de perfil inclinado, teto em ângulo descendente, na cor negra, além da amplitude e altura interna. Ele transmite dinamismo, alegria e fluidez. “Quebra um pouco aquela ideia de carro robusto”, resume Fleith.
O projeto do MegaBRT tem signifi cado especial para a Neobus. Funcionará como uma espécie de divisor de água para a empresa ao assumir posição na linha pesada. Até pouco tempo atrás ela era conhecida no mercado pelos seus micro-ônibus. “Meia dúzia de anos de trabalho e o pessoal dizia:
‘Ela faz uns bons micro-ônibus’. Sim, fabricamos bons micros, mas também bons articulados, bons urbanos, bons BRTs, e quem sabe, bons rodoviários no futuro”, diz em tom de desabafo. Ou seria desafio? Remexendo a história, Toniello lembra que os primeiros produtos da Neobus foram modelos articulados para Porto Alegre.
Quem viu de perto o MegaBRT reconhece que o segmento de urbanos de passageiros
atingiu um novo status. “Ele vira uma página no transporte coletivo”, exaltao presidente da Neobus, Edson Toniello, ressaltando que o upgrade rompe décadas de uma linha convencional. “A nossa proposta foi criar uma imagem moderna para que os passageiros, e a própria população, enxergassem o transporte público diferente. E despertar o poder público para fazer a parte dele, por exemplo, descongestionando os corredores para que o tráfego flua melhor”, complementa. Tem razão: a população não suporta mais perder duas horas para ir e duas horas para voltar do trabalho.
O MegaBRT encaixa-se como alternativa nos planos de municípios com perfil populacional acima de 500 mil habitantes – na ponta do lápis são cerca de 40 cidades em todo o país – que estudam construir VLTs ou metrôs como soluções para equacionar problemas de mobilidade. Além de ser escolhido para a Transoeste, no Rio de Janeiro, o articulado da Neobus é alternativa para projetos BRT em outras cidades e capitais que optaram por soluções rápidas, simples e baratas. A sorte parece favorecer os mais preparados: depois de uma peregrinação em diversos locais para mostrar o novo veículo, a empresa engata conversas que devem resultar em negócios num futuro próximo.
Antecipando-se ao mercado, parte da fábrica está sendo preparada com investimentos na linha de montagem e no treinamento de pessoal. Isso ocorre paralelamente ao recebimento de chassi para montagem dos primeiros MegaBRT. “A grande preocupação é a tarifa, mas temos que encontrar o equilíbrio entre a tarifa e volume de passageiros transportados. Nosso desejo não é aumentar tarifa. É transportar mais passageiros. E mais passageiros significa otimizar o transporte”, destaca o empresário.
Quando pensou criar o projeto, quatro anos atrás, Toniello repassou à equipe de engenheiros e de designer os parâmetros que buscava, priorizando, fundamentalmente, o caráter inovador. Teria que ser um projeto que saísse do formato tradicional, do senso comum. O objetivo era demonstrar à comunidade, fabricantes de chassis, que o ônibus evoluiu em termos de design, tecnologia, eletrônica embarcada e motorização. Provar que os encarroçadores têm capacidade de ofertar produtos diferenciados, fugindo do padrão “do preço baixo porque não tem tarifa” que balizou o mercado nos últimos anos.
Se pensar um pouco, o empresário tomou a decisão de dar largada ao projeto um ano antes de a Fifa oficializar o Brasil como sede da Copa do Mundo de 2014, que aconteceu em outubro de 2007, e três anos antes de o País receber a informação para sediar os Jogos Olímpicos de 2016. Na verdade, a Neobus antecipou-se à renovação das concessões. “Os empresários não podem esperar por 2012 ou por 2014 para comprar. Precisa dele hoje”, diz Toniello.
A Neobus encerra 2010 com aumento de 25% na produção – com 3.925 unidades, segundo os números divulgados pela Fabus – e de 40% em receita. Para Toniello, o próximo ano será de muita produção. A empresa cortou as férias coletivas da virada de ano e reiniciou as atividades no dia 2 de janeiro. “2011 será um ano de muita renovação de frota. Muitas cidades já renovaram as concessões. Temos que estar atentos a isso. A partir de 2012 e 2013 começam outros eventos, como a troca da motorização para Euro 5. Algumas capitais e alguns empresários já estruturados devem antecipar as compras. Ou seja, 2011 será de muito trabalho na indústria de ônibus”, assinala.
Os próximos urbanos convencionais vão seguir essa linha de design? “Esta linha de design destina-se principalmente a corredores, canaletas, piso baixo. Na linha convencional o motor dianteiro continua seguindo alguns padrões”, observa o executivo”. Mas, a gente vai privilegiar a linha pesada (veículos com 13 e 15 metros). Fazer com que o setor público veja diferente o fluxo de passageiros. Acho que de certa forma provocamos a mudança”.

EM SINTONIA COM O MUNDO
No exterior, os especialistas descobriram que há um fascínio das pessoas pelo sistema ferroviário, maior que o rodoviário. Eles pensam: trilhos salvarão as cidades. As pessoas atribuem esse valor em parte ao design dos veículos, particularmente, os VLT. Nas versões modernas eles possuem janelas enormes, layout diferente dos ônibus. A tendência é o ônibus ir se aproximando do veículo sobre trilhos em termos de design.
Quem diz isso é o diretor nacional do Centro de Transporte Sustentável (CTS Brasil), Luiz Antonio Lindau, especialista em mobilidade urbana, que costuma cutucar ouvintes com questionamentos incisivos, do tipo: “Queremos mover gente ou veículos?” Depois de ver fotos do MegaBRT Lindau foi taxativo: “Os ônibus mais modernos no mundo estão migrando para este tipo de ônibus que a Neobus está fazendo. Janelas amplas, iluminação interna interessante, layout moderno, wireless, no fundo tem espaço para bicicletas. É ótimo. Está no que a gente espera. É o caminho que está sendo feito em outros lugares”.
Para ele, o projeto da Neobus é atrativo para tirar carros das ruas e atrair as pessoas para dentro dos ônibus. “A grande vantagem desse veículo é que ele rompe um pouco com aquele conceito de um BRT ser um ônibus. Demonstra que é, sim, um veículo de alta capacidade, um ônibus moderno com outra configuração. O veículo de superfície está assumindo um estágio distinto do ônibus tradicional que a gente conhece. Este é o conceito do BRT”, assinala.
Fã assumido do sistema BRT, Lindau tem dúvidas se os projetos previstos para iniciarem em 2011 conseguirão efetivamente decolar. Sem entrar em detalhes, o especialista da CTS Brasil informa que o sistema é uma solução que pode ser implementado relativamente rápido, mas é claro que todos gostariam de ter BRT de altíssima qualidade. “É bom poder contar com ônibus novos, como este, que estão sendo propostos agora”, comenta.

“Ônibus não é só para pobre”

Está lá no Dicionário Aurélio: Trovão [Do Lat. turbone, “turbilhão”] S.m. 1 Estrondo causado por descarga de eletricidade atmosférica, trovoada; 2 Grande estrondo 3. Coisa ruidosa, ou espantosa.
No mundo real, Edson Toniello, o Trovão, 50 anos de idade, 30 dos quais, mergulhado no universo de ônibus é um sujeito que se impõe não necessariamente pelo tom de voz ampliado, mas pela inquietude e sagacidade. É capaz de manter uma conversa com você usando a metade do cérebro, enquanto que divide a outra em outros pensamentos em estágios avançados, no mínimo, dois passos à frente de você.
Aos 31 anos de idade, Toniello desligou-se da Marcopolo, onde passou nas áreas de Programação e Controle de Produção e depois Logística, Suprimentos e Industrial, para abrir seu próprio negócio, e oito anos depois, em 1999, em plena turbulência do segmento de ônibus, começou a fazer as primeiras unidades. A seguir trechos da entrevista.

Technibus – O veículo urbano ganha novo status?
Toniello – Este é um modelo de ônibus caro, porque possui muita tecnologia, muita eletrônica embarcada, mas com isso estamos valorizando o passageiro. É preciso mudar. Ônibus não é só para pobre. É preciso descolar a imagem de que ônibus é para população carente. Em Londres, pessoas com alto poder aquisitivo usam ônibus.
O que o Brasil precisa é ter estrutura para atrair essa população.

TB – A Neobus foi ousada?
Toniello – Sem dúvida. Nestes dez anos sempre procuramos inovar. Quando criamos o micro-ônibus com espaçamento e altura diferenciados, fomos bem sucedidos. A Neobus se antecipa às necessidades, vê o mercado de modo diferente. É uma empresa que tem inteligência competitiva nos espaços em que ela atua.

TB – Este articulado encaixa-se em cidades como São Paulo e Rio?
Toniello – Nos horários de pico no Rio de Janeiro forma-se uma fila indiana de ônibus. Por que isso? Temos uma competitividade depredadora que não leva a nada. Pelo contrário, enfraquece uns e fortalecem outros e não oferece um bom serviço para a população. Quem perde são é a população.

TB – Transporte é questão política ou cultural?
Toniello – Não há uma forma de as cidades acompanharem toda a infraestrutura necessária para o volume de automóveis que está sendo colocado. Não sou contra o cara ter o carrinho dele, mas ele tem de certa forma ajudar aquele que precisa de ônibus. Prefeito que coloca o transporte público como segunda opção precisa repensar rapidamente. É uma questão cultural, pois mexe com interesses imobiliários e comerciais na operação.

TB – Para a Neobus esse BRT pode ser um divisor de águas?
Toniello – Não tenho dúvida nenhuma. Mostra nossa visão para o futuro. Endossa a preocupação com novas inovações que vão surgir.

TB – Isso vai ser tendência? Os outros irão copiar vocês?
Toniello – Não tenho dúvida nenhuma. A concorrência está se movimentando, mas diria que isso é sadio. É importante que o setor cresça.

TB – A ideia é a Neobus futuramente avançar na direção dos grandes players?
Toniello – A Neobus já está bem posicionada e não só pelo volume de produção, mas pela tecnologia. Não devemos nada a ninguém. Ainda temos alguns produtos a serem lançados, mas em matéria de tecnologia, não deve a nenhum fabricante nacional.

TB – Por que não deu certo em Porto Alegre e Belo Horizonte?
Toniello – O BRT, por usar um veículo de alto valor agregado, mas que por alguns momentos a demanda de passageiros não tinha o volume sufi ciente, começou a se visto mais como alternativa. Paralelamente, com desemprego em alta no passado as vans e picapes tomaram conta, e isso ajudou a desestruturar o sistema. Agora se pensa em um rearranjo.

TB – Uma reconstrução?
Toniello – Uma reconstrução. Ao mesmo tempo em que termina a estrutura desordenada de vans criam-se cooperativas, com os próprios operadores.

DE OLHO NA SUSTENTABILIDADE
A principal estratégia da Neobus é sensibilizar o poder público, de todos os níveis, em investir em infraestrutura, oferecendo condições para que o trabalhador vá e volte para casa no menor tempo possível. A busca é pelo sincronismo de ações entre a estrutura de operação e poder concedente e de operadores. Edson Toniello entende que o Brasil precisa avançar mais na criação de mecanismos que evitem que haja tantas interferências partidárias, políticas ou de técnicos que pertencem a determinadas instituições.
“Quando o sujeito dentro do seu carro ver o corredor de ônibus fluindo rápido e ele ali, parado, numa fila, no meio da poluição e congestionamento, ele vai falar: “Peraí um pouquinho”, comenta Toniello, apostando que o País vai amadurecer no médio prazo, defi nindo o seu material rodante, estrutura viária, sustentabilidade desse processo e permitindo que o trabalhador assalariado gaste somente 10% do seu salário em transporte.
O empresário cita como exemplo a cidade de Porto Alegre que tem um caso de sucesso a partir do momento que passou a se organizar em consórcios – Zonas Sul e Norte, Leste e Oeste. “Esse modelo trouxe outro padrão para o transporte”, conta ele. Curitiba também é citada: “A troca de governo sempre priorizou a melhoria contínua do sistema. É o piso baixo, a porta elevada, a porta que abre mais rápido, é a estação mais bonita, é o jardim do lago. Enfi m, cria-se uma estrutura de lazer que encanta”, diz.
Já para quem usa o automóvel, que não precisa tanto de ônibus, o empresário é da opinião que ele precisa pagar tarifa mensal para ajudar a pagar a passagem do trabalhador mais necessitado. Não adianta dizer que o IPVA de uma BMW é 10 e de um Fusca é 1. O fato é que precisamos de medidas de restrição ao uso de carro, e isso acontece quando doer no bolso, reconhecendo que não é fácil administrar todos os interesses em jogo no tabuleiro.




READ MORE - MegaBRT da Neobus foi testado em corredor do Rio de Janeiro e será usado na Via Transoeste

Licitação para trem-bala reacende polêmica sobre construções monumentais

No mês que vem será aberto o processo de licitação de uma das maiores obras já realizadas no Brasil: a construção do trem-bala. Com investimentos previstos de R$ 34,6 bilhões, o Trem de Alta Velocidade (TAV), que vai ligar as cidades do Rio de Janeiro e São Paulo, deverá levar cinco anos para ficar pronto, mas a polêmica sobre a extensão dos benefícios a serem gerados pela obra e, se ela deveria ser prioridade no momento, já está instalada. No entanto, o novo empreendimento não será o primeiro a dividir opiniões na sociedade. Projetos de grandes obras nacionais já receberam muitas críticas antes de se provarem essenciais para o país ou de virarem verdadeiros fiascos, com desperdício de montanhas de dinheiro público.

Vitoriosos ou fracassados, os grandes projetos são embalados pelo desejo dos governantes de deixar sua marca na história, assinala o cientista político da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) Malco Camargo. “Como a maioria dos políticos tem planos para períodos mais longos do que os quatro anos em que estará no cargo, é frequente a busca pelos fatores que vão reforçar o apoio da população, entre eles, a competência para tirar projetos do papel. Porém, é importante lembrar que políticos que ficam marcados por realizações físicas normalmente deixam lacunas nas áreas sociais”, comenta Malco.

Para quem tenta entrar para a história armando canteiros de obras, os riscos são grandes. “Obras faraônicas dão grande visibilidade para os governantes que conseguem colocá-las em prática, mas também podem marcar negativamente quando não são concretizadas. Muitas vezes são resultado de projetos de líderes visionários, que percebem para qual direção o país está indo e o que deve ser feito para acompanhar o ritmo do crescimento. Juscelino Kubitschek, por exemplo, tem em seu currículo obras gigantescas que se mostraram importantes para o Brasil, como a construção de Brasília e a criação de uma malha viária que atendesse várias regiões”, comenta o professor João Furtado, do Departamento de História da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Aos projetos de Kubitschek se contrapõem fracassos que permeiam a história brasileira. Do Amazonas vêm dois exemplos: a Estrada de Ferro Madeira-Marmoré e a Rodovia Transamazônica. Logo na primeira grande obra de infraestrutura no estado, vários problemas se colocaram no caminho dos engenheiros e trabalhadores. A estrada de ferro, projetada no início do século 20 para ligar a região ao Oceano Atlântico e facilitar o escoamento da borracha e outros produtos cultivados naquela área, levou cinco anos para ser inaugurada e custou a vida de mais de 5 mil trabalhadores, vítimas de doenças tropicais, ataques de índios e acidentes provocados pelas difíceis condições de trabalho. Com a perda de força do ciclo da borracha e os problemas estruturais da obra, a ferrovia foi desativada no início da década de 1970, momento em que tinha pouca utilidade e gerava grandes prejuízos.

Enquanto a ferrovia era desativada, o governo militar colocava outro grande projeto em andamento: a rodovia Transamazônica, planejada para transformar a região e ligar o Brasil aos países sulamericanos fronteiriços por meio de uma via bem estruturada. Porém, desde que a estrada começou a ser construída, em 1969, até hoje, vários trechos continuam em terra, muitos intransitáveis e abandonados. “No caso da Transamazônica, podemos citar o tamanho do projeto, a falta de planejamento, as características geológicas do local como entraves possíveis para o andamento da obra. Todos esses fatores são decisivos em construções grandiosas, e só mesmo um bom planejamento, com estudos das condições naturais, pode evitar atrasos e falhas futuras”, analisa Dalmo Figueiredo, professor de engenharia civil da UFMG.


Fonte: Correio Braziliense

READ MORE - Licitação para trem-bala reacende polêmica sobre construções monumentais

Em Porto Alegre, corredor de ônibus da avenida Bento Gonçalves será reformulado

Os corredores de ônibus da avenida Bento Gonçalves, um dos locais que mais sofrem com atos de vandalismo em Porto Alegre, começarão a ser reformulados ainda no primeiro semestre deste ano pela Empresa Pública de Transportes e Circulação (EPTC). A estrutura construída no bairro Partenon, na zona Leste da Capital, sofre com pichações e não possui cobertura para proteger os pedestres contra a chuva. Além disso, na parte interna e externa dos abrigos são colados cartazes de espetáculos musicais.

A gerente de transportes da EPTC, Maria Cristina Ladeira, salienta que os trabalhos na avenida Bento Gonçalves serão realizados no trecho compreendido entre as estações da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Pucrs) até as proximidades da Faculdade de Agronomia da Universidade Federal (Ufrgs).

Os recursos para a recuperação dos corredores serão obtidos através de um financiamento da Caixa Econômica Federal (CEF). De acordo com Maria Cristina, o processo de licitação para contratação da empresa responsável pela obra está em fase de conclusão. A previsão é de que a repintura das estações e a troca das coberturas comecem neste mês. Também estão previstas reformas nos corredores das avenidas João Pessoa, Protásio Alves, Farrapos, Assis Brasil e Terceira Perimetral para a retirada de cartazes e pichações. Porto Alegre possui 55 quilômetros de corredores de ônibus e 170 estações.

Para resolver um outro problema dos corredores de ônibus de Porto Alegre, a Secretaria Municipal de Obras e Viação (Smov) enviou um projeto ao Ministério das Cidades que prevê a mudança do asfalto em diversas vias da Capital onde circula o transporte coletivo. O material utilizado na pavimentação dos corredores seria o concreto. O projeto enviado pela prefeitura segue em análise pela equipe do ministério.

O secretário-adjunto da Smov, Adriano Borges Gularte, explica que o pavimento de concreto já é utilizado na Terceira Perimetral. “A durabilidade do material é o principal motivo para sua colocação nas vias que apresentam um grande fluxo de ônibus diariamente”, destaca. A manutenção dos corredores é realizada em trechos das avenidas Protásio Alves, Osvaldo Aranha, Assis Brasil, Bento Gonçalves, Farrapos e João Pessoa. “O problema é que realizamos o serviço e, não demora muito, a via volta a apresentar os defeitos que atrapalham os motoristas”, acrescenta.

A Terceira Perimetral, uma das principais vias de ligação do Norte com o Sul da Capital sem passar pela área central, utiliza o pavimento de concreto ao longo dos seus 12,3 quilômetros. A colocação do material foi motivada pelo grande fluxo de veículos na via. Além disso, foi uma exigência do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), que investiu US$ 38 milhões no projeto de construção da avenida.


READ MORE - Em Porto Alegre, corredor de ônibus da avenida Bento Gonçalves será reformulado

Prefeitura de Manaus começa a discutir nesta terça-feira (15) o novo valor da tarifa de ônibus

A Prefeitura de Manaus dará início nesta terça-feira (15) as discussões em torno do novo valor da tarifa do transporte coletivo urbano que deverá ser anunciado pelo prefeito de Manaus Amazonino Mendes (PTB) entre os dias 22 e 23 de março.
Os estudos seguirão até sexta-feira (18) e serão realizados durante o I Fórum de Debates e Estudos Técnicos sobre Valor da Tarifa do transporte coletivo urbano de Manaus que será realizado no auditório da Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU), no terminal Rodoviário, bairro Flores, no horário das 9h às 12h.
O espaço onde ocorrerão as discussões tem capacidade para receber até 100 pessoas. Dados da Prefeitura de Manaus revelam que 700 mil pessoas dependem do transporte coletivo urbano todos os dias.
No encontro, a intenção da Prefeitura é mostrar como funciona a metodologia de cálculo para a tarifa de ônibus urbano com base nas instruções do Ministério dos Transportes.
No Fórum, a assessoria da SMTU informou que os participantes terão acesso a todas as informações sobre o sistema como números de passageiros, quilometragem, frota, custos de manutenção, entre outros dados, e dessa forma embasar os estudos para um novo valor.
Fontes do acritica.com revelaram que durante o Fórum serão apresentadas sugestões de valores que ficarão entre R$ 2,50 e R$ 2,70. Atualmente, o valor da tarifa praticada pelo sistema é de R$ 2,25. Os empresários ‘sonham’ com a tarifa de R$ 2,70.
De acordo com o contrato em vigor, o valor da tarifa do transporte coletivo urbano deveria ter sido reajustado em fevereiro, mas em função da nova licitação, a Prefeitura de Manaus preferiu adotar os novos valores somente após o desfecho da concorrência e após a chegada da nova frota, estimada em 858 veículos, que estão sendo aguardados para os meses de junho e julho.
No novo contrato que a Prefeitura de Manaus assinará com as nove empresas vencedoras da licitação ocorrida em fevereiro deste ano, já constará o novo valor da tarifa. Venceram a licitação as empresas: São Pedro, Expresso Coroado, Global, Rondônia, Transtol, Nova Integração, Líder, Via Verde e City Transportes. As três últimas são as que já operam no Sistema. De acordo com a Prefeitura, elas se desvincularam do consórcio da Transmanaus.
De acordo com a assessoria da SMTU, foram convidados para participar do encontro representantes dos Tribunais de Contas, de Justiça, da Assembleia Legislativa (ALE-AM), Câmara Municipal de Manaus (CMM), Fundação Getúlio Vargas (FGV), OAB, Conselho Regional de Economia, Sindicato dos Rodoviários e entidades estudantis. Até a tarde desta segunda-feira (14), o Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo (Sinetram) não havia recebido o convite para participar do Fórum.


Fonte: A Critica

READ MORE - Prefeitura de Manaus começa a discutir nesta terça-feira (15) o novo valor da tarifa de ônibus

Usuários do transporte coletivo ganharão mais linhas e ônibus em Caxias do Sul

Novidades e melhorias no serviço de ônibus urbano da cidade pautaram o primeiro Fórum de Avaliação do Usuário do Transporte Coletivo de 2011, realizado na tarde de sábado.
 Representantes da Secretaria Municipal de Trânsito, Transporte e Mobilidade (SMTTM), da Viação Santa Teresa (Visate) e de bairros se reuniram na sede da União das Associações de Bairros (UAB) para discutir atrasos dos ônibus, gratuidade do transporte coletivo e alterações em algumas linhas.

O secretário de Transporte, Jorge Dutra, informou que até o final deste mês o estacionamento na Avenida São Leopoldo e na Rua Matheo Gianella será restrito. A medida visa facilitar a movimentação dos ônibus. Na avaliação de Dutra, uma das principais causas dos atrasos das linhas de ônibus que passam por essas vias é a grande circulação de carros.

 A BR-116 também foi apontada pelo secretário como um ponto crítico, onde, diariamente, ocorrem congestionamentos. A saída, segundo Dutra, seria criar ações que incentivassem os motoristas dos carros a fazerem rotas alternativas, evitando a rodovia.

O diretor de Tráfego da Visate, Fábio Rossato, alertou quanto ao número de idosos que não pagam passagens. Para ele, a gratuidade das passagens reflete no aumento do valor das tarifas, consequentemente, pesa no bolso nos usuários que pagam passagem integral.

A Visate apresentou as mudanças que ocorrerão a partir do dia 22, ente elas, o acréscimo de ônibus na frota, o aumento de linhas que fazem a integração tarifária utilizando o cartão VT Web (modalidade fornecida pelas empresas aos funcionários) e o desmembramento de linhas. A empresa também mostrou o resultado positivo dos testes com o painel eletrônico instalado no terminal da Praça Dante Alighieri.

As novidades
- A partir de 22 de março, a L. 44 Cidade Nova/Industrial será desmembrada. Em dias úteis, ela passará a ser L. 44 Cidade Nova/Industrial e L. 55 Cidade Industrial (nova linha). A linha 55 não fará atendimento individual aos finais de semana. Nos finais de semana e feriados, a linha irá operar como L. 44 Cidade Nova/Industrial.

- A partir do dia 29, a L. 36 São Caetano do Sul II ganhará mais um ônibus modelo Sênior Midi sem operador de sistema. Segundo a Visate, a ampliação proporcionará mais 25 horários em dias úteis, diminuindo o intervalo de 70 para 35 minutos.A linha passará a oferecer 47 horários em dias úteis. Serão criados 22 horários aos sábados e 22 aos domingos e feriados com intervalo de 70 minutos. Antes, não existia linha durante os finais de semana.
- A L. 44 Cidade Nova, a L. 55 Cidade Industrial e a L. 36 São Caetano do Sul II farão parte da grade de integração tarifária do VT Web (modalidade de cartão fornecida pelas empresas aos funcionários).
- A partir do dia 29, haverá ampliação de um ônibus modelo Sênior Midi sem operador. na L.79 Fátima/Vitório III/ Parque Oásis.A linha ganhará mais 16 horários em dias úteis, diminuindo o intervalo de 80 para 40 minutos.A linha passará a oferecer 29 horários em dias úteis.
n Serão criados 13 horários aos sábados e 13 aos domingos e feriados com intervalo de 70 minutos. (Fabiana Seferin)


Fonte: O Pioneiro

READ MORE - Usuários do transporte coletivo ganharão mais linhas e ônibus em Caxias do Sul

Em São Paulo, Prefeitura e Governo do Estado anunciam melhorias para o transporte público na região da M'Boi Mirim

Em reunião conjunta entre os secretários de Estado dos Transportes Metropolitanos e Municipal de Transportes, e representantes de moradores da região do M'Boi Mirim foi anunciado o início dos estudos para a ampliação da Linha 5-Lilás do Metrô, do Capão Redondo até o Jardim Ângela, na zona sul da Capital. A reunião ocorreu na sexta-feira (11/3), na Secretaria dos Transportes Metropolitanos (STM).

O anúncio foi feito a representantes dos moradores dos bairros Jardim Ângela, Jardim Jacira, Jardim São Luiz, Jardim Arizona, Piraporinha, Jardim Paranapanema e de outras localidades que utilizam o M'Boi Mirim.

Na ocasião, o secretário Metropolitano informou aos presentes que uma obra como esta tem prazo médio de conclusão de seis anos devido ao tempo necessário para elaboração e aprovação de projetos, desenrolar do processo licitatório e execução da obra. Na reunião, quando foram discutidos os problemas e propostas para melhorar o transporte público na região, os representantes comunitários foram convidados pelo presidente do Metrô para nova reunião com técnicos da Companhia até o fim deste mês.

A Linha 5- Lilás opera desde outubro de 2002 em seis estações e 8,4 km de vias entre Capão Redondo e Largo Treze, transporta 170 mil usuários por dia, em média. Atualmente, esta linha está sendo ampliada com a construção da Estação Adolfo Pinheiro, que está prevista para ser concluída em 2013 e seguirá até a estação Chácara Klabin, onde se integrará com a Linha 2-Verde, passando pela estação Santa Cruz, local de integração com a Linha 1-Azul.

Na reunião, o secretário Municipal reiterou a necessidade uma ação integrada entre Prefeitura e Governo do Estado para solucionar o problema de transporte público na região do M'Boi Mirim. Entre as medidas que serão adotadas no âmbito municipal estão a implantação do sistema de monotrilho ao longo da Estrada do M'Boi Mirim até o Jardim Ângela, cujo projeto básico já foi contratado por meio de licitação, a requalificação do Corredor Jardim Ângela-Guarapíranga-Santo Amaro, que receberá melhorias no piso e nas paradas, por exemplo, além da revitalização dos semáforos na Estrada do M'Boi Mirim para permitir maior fluidez ao transporte público na via.

Além disso, as obras de requalificação do Terminal Santo Amaro, uma das reivindicações dos moradores, já estão em andamento e deverão estar concluídas ainda este ano. Foram marcadas ainda reuniões entre representantes dos moradores com técnicos da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e da SPTrans para discutir melhorias na sinalização que permitam ganhos na fluidez e na operação do transporte público na região.

Desde a quinta-feira (10/3), a faixa reversível para ônibus da Estrada do M'Boi Mirim teve seu horário de operação ampliado em uma hora, passando a ter início às 5h30 e término às 8h30. Além da alteração na faixa exclusiva, foram criadas duas linhas, uma ligando o Terminal Guarapiranga a Pinheiros e outra fazendo a ligação entre a Vila Remo e Moema.



READ MORE - Em São Paulo, Prefeitura e Governo do Estado anunciam melhorias para o transporte público na região da M'Boi Mirim

No Rio, Começou fiscalização eletrônica na faixa para ônibus em Copacabana

As novas regras do corredor exclusivo para ônibus na avenida Nossa Senhora de Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro, ainda geram dúvidas para motoristas e pedestres. No primeiro dia de funcionamento da fiscalização eletrônica na via, nesta segunda-feira (14), um taxista ficou parado mais de dez minutos dentro do BRS (Bus Rapid System), do lado direito da pista. O motorista Sílvio Bernardo, de 69 anos, disse que não sabia que não podia embarcar e desembarcar passageiro no local.

- Eu não sabia que não podia parar à direita para embarcar e desembarcar passageiro. É complicado, porque o cliente quer conforto e não temos como atender e oferecer o melhor serviço a ele.

Desde o início do funcionamento do BRS em Copacabana, no dia 19 de março, apenas ônibus municipais e táxis ocupados com passageiros têm permissão para circular pelo corredor preferencial. Táxis especiais adaptados para portadores de necessidades e veículos de transporte escolar também podem acessar o lado direito da avenida Nossa Senhora de Copacabana para embarcar ou desembarcar passageiros.

Nesta segunda-feira, um ônibus escolar foi flagrado pela equipe do R7 circulando no corredor. A Secretaria Municipal de Transportes informou que este tipo de veículo não pode transitar nas faixas preferenciais para ônibus.

Baias podem ser usadas para desembarque de táxis
Segundo a secretaria, o uso das baias (recuos nas calçadas) situadas do lado direito da avenida Nossa Senhora de Copacabana está permitido apenas para o desembarque de passageiros de táxis. O embarque deverá continuar a ser feito no lado esquerdo da via e nas ruas transversais.

O serviço de carga e descarga só é permitido nas ruas transversais. Segundo a secretaria, os estabelecimentos que possuem o recuo na calçada podem continuar utilizando a baia para carga e descarga.

As normas de circulação dentro do BRS permitem aos veículos trafegar dentro da faixa azul para executar o giro à direita ou acessar as garagens. Para a secretaria, as baias equivalem a garagens e não interferem na fluidez do tráfego, seja no corredor dos ônibus seja do lado esquerdo.

O estacionamento na pista da esquerda nos dias úteis só será permitido depois das 21h; após as 14h nos sábados; e o dia inteiro nos domingos e feriados. Nos horários em que o estacionamento estiver liberado na pista esquerda, qualquer veículo poderá acionar o corredor livremente.

Fiscais orientam motoristas, mas não podem multá-los
Nesta segunda-feira, um caminhão particular de lixo estava parado do lado direito da avenida Nossa Senhora de Copacabana, em frente a uma loja de eletrodomésticos, entre as ruas Raimundo Corrêa e Santa Clara. Um agente de fiscalização da CET-Rio (Companhia de Engenharia de Tráfego do Rio) alertou o motorista, mas ele não chegou a ser multado.

Segundo a Secretaria Municipal de Transportes, os 70 guardas municipais e fiscais da CET-Rio, que trabalham entre 7h e 21h, não têm autorização para multar sobre imprudência no BRS. Os 11 radares e as três câmeras que foram instalados ao longo dos três quilômetros da Nossa Senhora de Copacabana monitoram o comportamento dos motoristas. Quem não obedecer às regras perderá três pontos da CNH (Carteira Nacional de Habilitação) e pagará multa de R$ 53,20.

Corredor ainda divide opiniões 
O morador do bairro e aposentado Alcides Dias Mourão, 83 anos, acredita que a fiscalização eletrônica vai inibir a indisciplina dos motoristas. Para ele, a iniciativa da prefeitura é positiva.

- Acho que esta mudança vai educar mais os motoristas em geral. As pessoas querem tudo na porta de casa. Não vejo problema de o idoso atravessar a rua e pegar o táxi do lado esquerdo da via. Acredito que vai funcionar e considero estas novas regras um progresso.

O taxista Nilton Macedo, de 55 anos, disse que a tensão dos motoristas irá aumentar com o monitoramento de câmeras.

- Nós já temos que lidar com o estresse do trânsito, somos obrigados a saber as regras de direção defensiva e, agora, teremos que prestar mais atenção ainda para não sermos multados.

Rua Barata Ribeiro deve ganhar corredor exclusivo até o final de março 
A Secretaria Municipal de Transportes informou nesta segunda-feira que a rua Barata Ribeiro, também em Copacabana, receberá o corredor exclusivo para ônibus até o fim deste mês. A prefeitura está aguardando apenas a conclusão dos trabalhos do asfalto liso na rua. O BRS também vai se extender à rua Raul Pompeia.

Ao contrário do que foi informado no mês passado, a prefeitura ainda não definiu se os próximos bairros a ganharem as faixas únicas serão Jardim Botânico e Botafogo, na zona sul, e Tijuca, na zona norte.

Fonte: R7.com

READ MORE - No Rio, Começou fiscalização eletrônica na faixa para ônibus em Copacabana

Governador do DF diz que greve no Metrô é injustificável

Sobre a greve dos funcionários do Metrô DF, o governador classificou a mobilização como “absolutamente intempestiva, injustificável, porque é antes da data-base. Nunca vi isso. Já fui sindicalista por muitos anos e nunca vi um negócio desse”. Ele disse que o governo estava “negociando, já com a pauta quase toda atendida e os funcionários fazem uma greve. Não dá para explicar”. Para Agnelo Queiroz, a paralisação, da forma como foi feita, “é prejudicial à população. É evidente que nós tomaremos todas as medidas – inclusive jurídicas – para garantir o acesso ao transporte. Esperamos que a categoria reveja isso, já que foi uma minoria restrita que deflagrou a greve”, afirmou.



READ MORE - Governador do DF diz que greve no Metrô é injustificável

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960