Projeto Pedala BH amplia vagas para estacionamento de bicicletas

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

A população de várias regiões de Belo Horizonte ganha um reforço no estímulo ao uso da bicicleta. É que foram implantados 52 paraciclos (dispositivos para estacionamento de bicicletas) na cidade, entre os meses de setembro e novembro de 2011.

Os paraciclos estão inseridos no programa Pedala BH que tem como objetivo promover o uso da bicicleta na capital, criando facilidades para quem optar por esse meio de transporte. Com esses dispositivos foram criadas 104 vagas de estacionamento para bicicletas na regiões da Savassi, Hospitalar, Central, Nordeste, Barreiro, Noroeste e Leste.


Eles funcionam como um complemento do sistema cicloviário da capital, que já  inaugurou quatro ciclovias no segundo semestre deste ano e com previsão de mais uma até o fim de 2011 – a rota cicloviária Barreiro.

Cada dispositivo tem a capacidade para estacionamento para duas bicicletas e estão localizados nos seguintes locais:

- na Avenida Professor Morais com Rua Antônio de Albuquerque
- na Avenida Professor Morais com Avenida Getúlio Vargas (ao lado da sorveteria São Domingos)
- na Avenida Bernardo Monteiro com Avenida Carandaí (na Praça em frente ao Colégio Arnaldo)
- no Restaurante Popular do Barreiro
- Avenida Américo Vespúcio com Rua dos Pinheiros
- na Avenida Elísio de Brito com Avenida Itaituba
- na Avenida Amazonas com Rua dos Goitacazes (Mercado Central),
- na Rua Rio de Janeiro, entre Rua Tamoios e Avenida Afonso Pena (Praça Sete)
- na Rua Rio de Janeiro, entre Rua Tupinambás e Avenida Afonso Pena (Praça Sete)
- na Rua Carijós, entre Rua São Paulo e Avenida Afonso Pena (Praça Sete)
- na Rua Carijós, entre Rua Espírito Santo e Avenida Afonso Pena (Praça Sete)
- na Avenida Risoleta Neves junto ao Centro de Cultura (Bairro Aarão Reis/Região Norte)

Antes dessas vias, a Avenida Otacílio Negrão de Lima, ao lado do Parque Guanabara, na Pampulha, a Rua Pernambuco, na Savassi, e a Rua Ceará com Avenida Francisco Sales (Restaurante Popular) já contavam com paraciclos.


Diversificação dos meios de transportes na melhoria da mobilidade urbana

O Planejamento estratégico da BHTRANS definido para os próximos anos, definiu ações para melhoria da Mobilidade Urbana da capital, entre elas a implementação de infraestrutura e o estímulo a modos diferenciados de locomoção. As ciclovias, então, entram nesse cenário, criando a oportunidade para o uso das bicicletas, contribuindo para a qualidade ambiental e tornando a facilidade de deslocamento um fator de inclusão social.

De julho a setembro deste ano de 2011, foram inauguradas quatro ciclovias na capital mineira: na Avenida Risoleta Neves (Via 240), na Rua Professor Morais (Savassi), seguindo pela Avenida Carandaí, Rua Piauí (Funcionários) até a sua conexão com a rota cicloviária leste (em implantação), na Avenida Américo Vespúcio (bairro Aparecida) e a do Boulevard Arrudas, entre a Rua Carijós e a Avenida Barbacena.
 
Bicicletários

Com uma estrutura maior e com mais capacidade, o bicicletário é um espaço – fechado ou não – delimitado exclusivamente para o estacionamento de bicicletas, sinalizado, contendo um conjunto de paraciclos. As estações de integração de ônibus BHBUS São Gabriel, Venda Nova e Barreiro já contam com bicicletários. Estes, existentes há mais tempo, vão passar por reformulação em 2012.

Para 2012,  também está prevista a instalação dessas estruturas para bicicletas nas estações BHBUS Diamante e Vilarinho e também em vias públicas e ambientes fechados. Nas estações de integração a serem construídas, a da Pampulha e a São José, na Avenida Dom Pedro II, também receberão bicicletários.

Como política de incrementar a criação de mais espaços de estacionamento das bicicletas, a BHTRANS já adota como diretriz das medidas minimizantes dos Relatórios de Impactos na Circulação, estabelecidos para grandes empreendimentos, a instalação de paraciclos ou bicicletários. A construção do Boulevard Shopping, por exemplo, atendeu a essa condicionante. Lá, os ciclistas contam com 20 vagas para suas “bikes”.


Fonte: BHTrans

READ MORE - Projeto Pedala BH amplia vagas para estacionamento de bicicletas

Em Teresina, Passagem de ônibus volta a ser R$2,10 a partir de janeiro

A superintendente da Strans, Alzenir Porto, declarou, em entrevista ao Jornal do Piauí desta quarta-feira (30), que o valor da passagem do transporte coletivo urbano em Teresina passará a R$ 2,10 a partir de janeiro de 2012.

O aumento é baseado na análise das planilhas de custo do sistema, que foi concluída no mês de outubro deste ano após auditoria. Além da nova tarifa, dia 2 de janeiro começa a funcionar o Sistema de Integração do Transporte.

"Tecnicamente já está tudo pronto para o funcionamento, mas o prefeito Elmano Férrer quer que antes a população esteja bem informada. Ele determinou que em janeiro a integração começa a funcionar", afirmou Alzenir.

O sistema de integração teresinense será semelhante ao adotado no Estado do Rio de Janeiro. Técnicos já estão programando a plataforma que permitirá a troca de veículos utilizando um único passe.

"A parte técnica está fechada. Operadores e usuários estão trabalhando junto por determinação do prefeito. Também vamos trabalhar na ampla divulgação das regras a pedido do prefeito", disse a superintendente da Strans.

A tecnologia a ser instalada vai permitir o monitoramento do transporte público, assim como também dos semáforos. A plataforma será semelhante ao utilizado hoje pela Polícia Militar para monitirar as entradas e saídas da capital, além de pontos de grande movimento.

"Entretanto, é um sistema muito simples e muito fácil de ser utilizado. Vamos contratar, em caráter temporário, empresas para informar os usuários dentro e fora dos ônibus sobre as mudanças", explica a gestora da Strans.

A novo sistema também vai beneficiar os idosos que terão direito a gratuidade se identificados e quantificados. "Isso é necessário para que o sistema possa funcionar aqui como em qualquer outra capital. A SEMTCAS já está trabalhando e tomando providências", garante Alzenir Porto.



READ MORE - Em Teresina, Passagem de ônibus volta a ser R$2,10 a partir de janeiro

Volvo acelera nacionalização do ônibus híbrido

A Volvo acerta os detalhes para iniciar a produção de seu modelo de ônibus híbrido na fábrica brasileira de Curitiba (PR) em junho do próximo ano. Luis Carlos Pimenta, presidente da divisão do ônibus da companhia para a América Latina, afirma que o projeto está dentro do cronograma e que os dois primeiros protótipos do chassi já saíram das linhas de montagem.

A empresa não especificou qual será o investimento para nacionalizar o modelo, mas afirma que o maior aporte é destinado a engenharia. “Apenas 10% do total será aplicado em manufatura. O restante é destinado às horas de engenharia, com equipes do Brasil e da Suécia”, explica pimenta.

O chassi é uma resposta da Volvo às demandas e projetos para reduzir as emissões de poluentes do transporte coletivo. O modelo trabalha com dois motores em paralelo, um a diesel e outro elétrico, e promete redução de até 35% no consumo de combustível e de 80% a 90% nas emissões.
Informações: Giovanna Riato, ab
De Curitiba

READ MORE - Volvo acelera nacionalização do ônibus híbrido

Tarifa de ônibus na cidade de Gaspar-SC vai custar R$ 2,85

A partir desta quinta-feira (1º) a tarifa do transporte coletivo da empresa Viação do Vale, que faz o transporte municipal em Gaspar passa para R$ 2,85. O valor do reajuste anual foi acordado em reunião entre o poder executivo e a empresa, que aconteceu nesta terça-feira (29).

A primeira planilha, apresentada pela empresa, mostrava o valor de R$ 3,17. Após a conferência da Prefeitura o valor passou para R$ 3,02, mas o poder executivo definiu que o máximo que o valor da passagem poderia chegar era de R$ 2,85.
Segundo o Diretor de Transporte Coletivo, Dirceu dos Passos, o reajuste é causado pela diminuição do número médio de passageiros pagantes mensal nos últimos doze meses, de 130 mil para 118 mil, e pelo aumento nos insumos como pneu, combustível e salário dos funcionários.

Ficou acertado ainda que a Catraca Livre continua a acontecer uma vez por mês e que, com a implantação no próximo ano da bilhetagem eletrônica, a tarifa para quem optar por este serviço poderá comprar a passagem com desconto ainda a ser definido no próximo ano.
 

READ MORE - Tarifa de ônibus na cidade de Gaspar-SC vai custar R$ 2,85

Em Ipatinga, Tarifa de ônibus podem aumentar para R$ 3,20

Os usuários do transporte público pagarão mais caro pela passagem dos ônibus urbanos, provavelmente a partir do mês de dezembro. A Autotrans, concessionária do transporte público no município, protocolou no dia 22 de novembro o pedido de reajuste de 34,04%. Se a solicitação for acatada a passagem subirá dos atuais R$ 2,40 para R$ 3,22, mas o valor ainda está em negociação.

De acordo com o gerente da Autotrans, Anivair Dutra, esse pedido de aumento da tarifa ocorre em função do aumento dos custos que a empresa tem para operar em Ipatinga. “Entendemos que é uma tarifa alta, mas ela ocorre em função de todo esse desequilíbrio que ocorre no Vale do Aço. O elevado número de gratuidades concedidas nos acarreta queda da arrecadação”, explicou.

Os insumos formam outro fator de pesa na necessidade de aumento no valor da tarifa, segundo Anivair. “No protocolo há uma planilha com a diluição dos custos pelo Índice de Passageiros por Quilômetro Rodado. É esse índice que gera o valor da tarifa. O pleito para 2012, que deve ser reajustado ainda em dezembro de 2011, chega R$ 3,22 e foi para a análise da prefeitura”, enfatizou.
 
O gerente da Autotrans ressaltou que, em função da quantidade de gratuidade concedida no transporte coletivo de Ipatinga, a população vai arcar com esse ônus.

“Quando se cria uma lei para dar essa gratuidade para uma determinada classe é muito bonito, um belo papel social. Mas, o resultado disso é que se torna um desastre. Seria necessário estabelecer critérios. Neste caso da gratuidade quem vai pagar os custos são os usuários pagantes do transporte municipal. Essas pessoas têm que estar cientes disso. Um exemplo na nossa cidade são as pessoas de 60 a 65 anos, em plena condição de trabalhar. São pessoas saudáveis e que têm um benefício de gratuidade independentemente da sua renda”, ressaltou.

Prefeitura

Em nota, a Prefeitura de Ipatinga informou que não concorda com o aumento da tarifa do transporte coletivo proposto pela empresa, uma vez que existe em tramitação na Justiça uma ação de cobrança por excesso de “passe livre”. “O prefeito Robson Gomes da Silva (PPS) pretende agendar uma reunião com a diretoria da empresa concessionária para deliberar sobre o assunto, pois, não acha justo a população arcar com mais essa despesa”, disse a nota.


READ MORE - Em Ipatinga, Tarifa de ônibus podem aumentar para R$ 3,20

Em Santos, Motoristas e passageiros aprovam faixa de ônibus na Av. Bernardino de Campos

Um mês após ser criada, a faixa preferencial de ônibus na Av. Bernardino de Campos (canal 2) tem boa aceitação entre motoristas e usuários do transporte coletivo, segundo pesquisa da CET (Companhia de Engenharia de tráfego).

Dos 100 entrevistados, 89% aprovaram a faixa e 11% não. A consulta foi feita entre os dias 28 e 29 de novembro, com 50 motoristas e mesmo número de passageiros de ônibus. Entre os motoristas, 80% foram favoráveis à faixa. A maioria dos passageiros aprovou o corredor (98%).

Desde 31 de outubro, das 17h às 20h, fica proibido o estacionamento em toda a extensão da Av. Bernardino de Campos (sentido Centro/praia). Nos demais horários, os veículos podem ficar estacionados junto ao canal. A faixa prioriza a circulação dos ônibus, mas não restringe a movimentação de outros veículos.

O objetivo é incentivar o uso do transporte coletivo e melhorar a fluidez do trânsito nos horários de pico em uma das principais vias da cidade.

A multa para os motoristas que estacionarem no trecho do corredor durante o período de funcionamento da faixa é de R$ 85,13 (média), com acréscimo de quatro pontos na carteira de habilitação.


Informações da Prefeitura de Santos

READ MORE - Em Santos, Motoristas e passageiros aprovam faixa de ônibus na Av. Bernardino de Campos

Aproximadamente 600 novos coletivos estão circulando em Manaus

Ao todo 87 novos ônibus chegaram à Manaus nas últimas duas semanas para compor a nova frota de transporte coletivo da cidade. Atualmente a cidade conta com 597 coletivos.

Dentre os novos ônibus dez são do tipo articulados e 77 do tipo convencional, todos desembarcaram em portos da Zona Oeste.

A previsão da Prefeitura é de que na próxima semana cheguem mais oito ônibus articulados à cidade.

Segundo a Prefeitura a meta é atingir até março do próximo ano, 907 coletivos, superando ao número indicado no edital de licitação que determinava a renovação de 858 ônibus.

Microônibus
Aproximadamente 15 microônibus do serviço Transporta para atender pessoas com deficiência física que entram em circulação na primeira semana de dezembro. A meta é obter 78 veículos desse tipo em Manaus.

 

READ MORE - Aproximadamente 600 novos coletivos estão circulando em Manaus

Fórum prepara manifesto contra aumento da passagem de ônibus em Pelotas

A população de Pelotas, principalmente os usuários de ônibus, ainda não “digeriu” o aumento de R$ 0,20 na passagem dos ônibus autorizado pela prefeitura desde a meia-noite de sábado. O valor, que era de R$ 2,35, teve aumento de 8,51% e passou para R$ 2,55.
Foto: Moizes Vasconcellos
Diante da “surpresa” de final de semana, o Fórum de Lutas Sociais de Pelotas, que reúne entidades representativas de trabalhadores e estudantes, deliberou pela realização de ato público, na quinta-feira (1º), a partir das 17h, com concentração no chafariz do Calçadão. Desde terça, eles realizam panfletagem no centro, especialmente nas paradas de ônibus para convidar a população a se juntar ao protesto.

De acordo com o representante do Instituto de Estudos Políticos Mário Alves (IMA), Lauro Borges, além de protestar contra mais este aumento, decidido no gabinete do prefeito junto com os empresários, o ato denuncia as péssimas condições do transporte coletivo no município e exige que seja colocado em funcionamento o Conselho Municipal dos Transportes.

Outro ato é organizado para a próxima semana, na quarta-feira, desta vez apenas com estudantes, principalmente de escolas públicas. A concentração ocorre a partir das 10h, na praça Coronel Pedro Osório.

Segundo a prefeitura, a nova tarifa foi fixada com base na composição da planilha de cálculos de custos repassada pelas empresas e após acordo entre patrões e trabalhadores sobre o dissídio anual da categoria, que concedeu reajuste de 9% aos trabalhadores. Os dois reajustes ocorrem anualmente no mês de novembro.



READ MORE - Fórum prepara manifesto contra aumento da passagem de ônibus em Pelotas

No Recife, Cartão VEM Comum já se encontra à venda

Uma grande iniciativa para os usuários comuns do sistema de transporte do Recife e Região Metropolitana, o Cartão VEM Comum já é comercializado nos postos de recarga do VEM, este cartão visa primeiramente acabar ou diminuir o fluxo de dinheiro dentro dos ônibus, na qual diminuiria e muito os assaltos aos coletivos, além de melhorar o embarque, pois com o cartão o usuário não ficaria preso na catraca esperando o troco por exemplo, sem falar que em muitas vezes nem troco tem, isso é visto com freqüência nas linhas de anel B, onde as tarifas custam R$ 3,10 e haja moedas para os operadores, o cobrador Josenildo Rodrigues, relata que não tem moeda suficiente, e que em muitas situações o usuário desce pela frente por falta de troco.
Ponto Negativo
Ainda em testes, porém com uma baixa procura, o Cartão VEM Comum não oferece nenhuma vantagem a mais além de não precisar pagar a tarifa em dinheiro, ou seja, não existe nenhum desconto para quem paga as tarifas por antecedência.
Especialistas de transporte ouvidos pelo Blog Meu Transporte relataram que se tivesse algum desconto, a procura seria maior, para eles quem ganha mais com o VEM Comum são as empresas, que teriam renda antecipada, diminuição nos assaltos, embarques mais rápidos e mais controle nas demandas.
Se não tiver nenhum desconto, o Cartão VEM Comum não terá muito sucesso, sem falar que nos pontos de ônibus, ainda é possível encontrar cambistas vendendo vale-transportes à R$ 1,90 e não dá pra quem quer, ou seja, é preciso incentivar o usuário a adquirir o cartão, porém com descontos e vários pontos de recargas.
Como adquirir
No Posto de Carregamento do Vem situado à Praça Maciel Pinheiro, 342 – Boa Vista de segunda a sexta-feira das 07:30hs às 19:00hs.
A aquisição será feita com a compra mínima de R$ 25,00 em créditos.
O Cartão tem algum Custo?
Não, porém só poderá ser adquirido através de uma carga igual ou maior que R$ 25,00
O Cartão é recarregával?
Sim, e o carregamento só poderá ser realizado no Posto de Atendimento situado a Praça Maciel Pinheiro, 342- Boa Vista
É Possível acompanhar o Saldo do Cartão?
Sim. O saldo pode ser acompanhado nos validadores dos ônibus ou nos validadores do Posto de Atendimento do Vem na Praça Maciel Pinheiro, 342 – Boa Vista.
O VEM Comum tem garantia?
A garantia deste cartão é de 90 (noventa) dias, a contar da data da primeira carga, observado os cuidados específicos listados no item abaixo. Confirmado a existência de problemas, o cartão será trocado gratuitamente e os créditos eletrônicos remanescentes serão transferidos para o novo cartão dentro do prazo de 04(quatro) dias desde que o cartão esteja com os dados da sua numeração legível possibilitando sua identificação no sistema.
O VEM Comum pode ser utilizado mais de uma na mesma viagem?
Sim, pois é um cartão que não está vinculado a qualquer benefício social, por isso não tem restrição de uso. Podendo ser usado quantas vezes forem necessárias até o limite do saldo de crédito existente no mesmo, inclusive por mais de uma pessoa na mesma viagem.
Blog Meu Transporte 
READ MORE - No Recife, Cartão VEM Comum já se encontra à venda

SPTrans unifica as linhas 637A/22 e 637A/23 na Zona Sul

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Com o intuito de aumentar a quantidade de partidas para os usuários do bairro Itaim Bibi e Term. Jd. Ângela, a SPTrans informa a unificação das linhas 637A/22 Term. Jd Ângela – Itaim Bibi e 637A/23 Term. Jd Ângela – Extra Marginal. A nova linha, que entrará em circulação a partir do dia 3 de dezembro, passará a ser denominada 637A/22 Itaim Bibi – Term. Jd Ângela.

Para informações sobre linhas e trajetos de linhas consulte itinerários ou ligue 156.
Linha e itinerário:

637A/22 Itaim Bibi – Term. Jd Ângela
Ponto inicial:
Av. Henrique Chamma.
Ponto final: Term. Jd. Ângela.
Horário de operação: das 17h às 19h.
Volta: Av. Henrique Chamma, retorno, Av. Henrique Chamma, Av. Pres. Juscelino Kubitschek, Avenida das Nações Unidas, Acesso à Pte. Eng. Roberto Rossi Zuccolo, Pca. Dep. Afrânio De Oliveira, Rua São Bonifacio, Av. Alcides Sangirardi, Av. Magalhães De Castro (Marginal Pinheiros), Av. Mj. Sylvio De Magalhães Padilha, Ac. Acesso A, Av. Marginal do Rio Pinheiros (Marginal Pinheiros), Av. Mj. Sylvio de Magalhães Padilha, Av. Marginal do Rio Pinheiros (Marginal Pinheiros), Av. Guido Caloi, Av. Guarapiranga, Estr. do M' Boi Mirim e Term. Jardim Ângela.
  

Informações da SPTrans

READ MORE - SPTrans unifica as linhas 637A/22 e 637A/23 na Zona Sul

Greve no transporte coletivo de Blumenau é aprovada e pode ter catraca livre

Em três assembleias ocorridas nesta terça-feira, cerca de 600 motoristas e cobradores rejeitaram a proposta de acordo do Consórcio Siga e aprovaram o estado de greve. Nesta quarta, será protocolado o resultado das assembleias na prefeitura, no Consórcio Siga e no Ministério Público do Trabalho para começar a contar o prazo de 72 horas previsto em lei federal para o início das paralisações.

O diretor do Sindicato dos Empregados nas Empresas Permissionárias do Transporte Coletivo de Blumenau e Gaspar (Sindetranscol), Marciano Arcanjo, diz que o resultado das assembleias já era esperado e garante que a partir desta quarta-feira uma comissão vai se reunir para organizar como será a greve no transporte público.

— Com o resultado da negativa à proposta, agora vamos oficializar nossa decisão e começar a organizar novas ações — explicou.
O diretor do Sindicato comentou também a possibilidade de realizar a greve de uma maneira diferente, sem a paralisação dos ônibus:
— O estado de greve será oficializado nesta quarta-feira, a partir de sábado podemos parar. Estamos analisando fazer greve com a catraca livre, ainda não sabemos se é possível, mas é uma ideia para não prejudicar a população — explica.

O Sindicato dos Empregados nas Empresas Permissionárias do Transporte Coletivo de Blumenau e Gaspar (Sindetranscol) tem 72 horas para avisar o início da greve (até sábado dia 03/12/11), mas lembrando que eles tem até 30 dias para entrar com a greve, portanto a greve poderá acontecer dentro do mês de dezembro sem data certa.de Jaime Batista da Silva
 
Nesta terça-feira dia 29/11/11 aconteceram 3 assembleias no Sindicato na rua Érico Hoffmann, 70 bairro Garcia. Mais de 600 motoristas e cobradores estiveram presentes nestas assembleias. E agora a noite às 19h foi realizada a última assembleia.


Informações: portal.radiobailao.com

READ MORE - Greve no transporte coletivo de Blumenau é aprovada e pode ter catraca livre

Tarifa de metrô no Brasil é a mais cara do mundo

Usar metrô no Brasil pesa mais no bolso do que em qualquer outro lugar no mundo, segundo estudo do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec).

Foi pesquisado o impacto das tarifas de metrô em 19 grandes cidades em relação ao salário mínimo local, sempre considerando a menor tarifa disponível.
Foto: Rafael Mulinari

As quatro primeiras cidades do ranking são brasileiras. A capital federal lidera, com a tarifa de adulto por R$ 3. Ao final do mês, o trabalhador que ganha salário mínimo desembolsa 22% da sua renda com o transporte.

Em seguida aparece o Rio de Janeiro, onde a tarifa é de R$ 3,10, mas o salário é um pouco maior, e esse gasto representa 20,4% no fim do mês. Em São Paulo a proporção é de 19% da renda e, em Belo Horizonte, 13%.

A avaliação é ainda pior quando considerado o tamanho da malha. A capital paulista, por exemplo, tem 74,3 km de metrô, muito menos do que Paris, que tem 213 km e onde o gasto é de 4,82%.

O balanço que o Idec faz é que os preços de metrô pagos no Brasil são muito elevados, considerando o poder aquisitivo e a baixa extensão das linhas. "É caro e ineficiente se comparado a outras cidades", disse a "O Estado de S.Paulo" Adriana Charoux, coordenadora do estudo.


Informações: O Estado de S.Paulo

READ MORE - Tarifa de metrô no Brasil é a mais cara do mundo

Bilhete Único no transporte coletivo de Diadema será implementado em março

O usuário do transporte coletivo de Diadema precisará de sorte para conseguir fazer transferência gratuita nos ônibus municipais dentro do tempo limite. O sistema de Bilhete Único, que está previsto para ser implementado em março, prevê que o usuário faça a baldeação dentro de 45 minutos. Porém, a equipe do Diário percorreu algumas linhas, ontem, e constatou que esse tempo pode não ser suficiente para completar a viagem.

No primeiro dia de operação das empresas Benfica e MobiBrasil, o veículo da linha 30DP, que vai do Centro até Eldorado, realizou tempo de viagem equivalente a 40 minutos. A equipe do Diário só conseguiu pegar outro ônibus no ponto final dentro do tempo limite porque havia veículo em processo de saída.

Já no trajeto de volta, com a linha 34ED, também da Benfica, o itinerário foi feito em 45 minutos. Com isso, o usuário não conseguiria realizar a transferência dentro do tempo limite, e só seria possível a baldeação gratuita dentro do Terminal Diadema.

Caso semelhante aconteceu na linha 25DP, da MobiBrasil, que vai do Centro até o Terminal Piraporinha, trajeto também completado em 45 minutos.

A Benfica comunicou que em decorrência de a frota ser inteiramente zero-quilômetro e possuir alguns avanços tecnológicos, como freios de porta e câmbio automatizado, alguns problemas técnicos causaram atrasos na programação da manhã. Durante a tarde, o número de ocorrências caiu e o serviço já apresentou melhora na frequência. Informou ainda que tudo estará normalizado dentro dos próximos dias.

Já a MobiBrasil, por meio de seu diretor executivo, Manoel Marinho, informou que teve problemas no sistema de bilhetagem eletrônica no período da manhã, e isso ocasionou atraso na saída de alguns veículos. Porém, o serviço foi normalizado durante o dia. "O usuário não sofrerá mais com esse problema nos próximos dias", afirmou Marinho.

A Secretaria de Transportes de Diadema avaliou como positivo o primeiro dia útil de operação dos novos ônibus. Segundo a Pasta, estão em circulação 120 dos 194 veículos. A baldeação gratuita não deverá trazer acréscimo no preço da passagem, que atualmente custa R$ 2,80.


Informações: Diário do Grande ABC

READ MORE - Bilhete Único no transporte coletivo de Diadema será implementado em março

Aprovado projeto que prevê presença do cobrador nos ônibus de Londrina

A Câmara Municipal de Londrina aprovou na sessão desta terça-feira (29) o projeto de lei de autoria do vereador Marcelo Belinati (PP) que mantém cobradores nos ônibus do transporte coletivo da cidade. A matéria foi aprovada em primeira discussão por unanimidade.

O projeto está baseado na argumentação da necessidade de proteção ao emprego dos cobradores. A Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU) anunciou adequações no sistema de transporte, afirmando que seria feito um estudo sobre a retirada dos profissionais dos veículos.

A Comissão de Justiça,Trabalho e de Desenvolvimento Urbano emitiram parecees favoráveis à tramitação da matéria. O projeto recebeu manifestação favorável do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Londrina (Sinttrol), que também encaminhou um abaixo-assinado dos empregados das empresas TCGL e Londrisul.

A CMTU apontou vício de iniciativa do projeto, mas mesmo assim o legislativo deu continuidade aos trâmites burocratáticos. O projeto ainda precisa passar por segunda votação.

O presidente da companhia, André Nadai, informou que não acompanhou a votação da Câmara. Para ele, o projeto seria inconstitucional, no entato, não quis comentar sobre o assunto. "Não sei se foi apresentada alguma emenda. Ainda vou ter que analisar", disse.


Informações: O Diário de Londrina

READ MORE - Aprovado projeto que prevê presença do cobrador nos ônibus de Londrina

O transporte público nas grandes metrópoles

Nas grandes metrópoles depender dos transportes coletivos é uma situação complicada. Um dos principais problemas encontrados é a quantidade elevada de pessoas para um espaço pequeno. Outro problema a ser colocado em questão é o tempo que os passageiros esperam por esses transportes, e por fim a falta de áreas preferenciais, tanto para idosos quanto para deficientes e cadeirantes.

Os meios de locomoção públicos são a alternativa mais viável para a maioria da população, em virtude principalmente das condições financeiras que não são muito boas. As pessoas vivem na correria do cotidiano, no final do dia estão exaustas e ainda tem que se deparar com a precariedade das condições físicas do espaço, que não são boas o bastante para suportarem a quantidade de usuários que utilizam esses meios. A infraestrutura dos transportes deveria ser analisada e calculada de uma forma melhor, pois não é novidade para ninguém que todos sofrem ao ter que passar algum tempo dentro desses veículos, sem poder se mexer direito, passando calor e lidando com o estresse próprio e alheio.

Todos nós temos compromissos e horários a cumprir, ficar esperando em pé em filas enormes, principalmente nos horários de pico, além de ser cansativo, pode acabar prejudicando em nossas vidas pessoais e profissionais com relação ao atraso das atividades combinadas. A população está crescendo cada vez mais, isso faz com que haja uma grande quantidade de passageiros para poucas frotas de ônibus, o que aumenta as filas e o tempo de espera. Em vez de o governo gastar dinheiro com obras inúteis e perder seu tempo com leis banais, deveria estar providenciando mais frotas de ônibus para a população brasileira, pois eles dependem de nós para estarem no poder e não estão cumprindo com as necessidades do povo.

O descaso com portadores de deficiência física, com as grávidas e com os idosos é evidente, os locais para essas pessoas são poucos e sem contar que não são todos que respeitam. Para quem tem dificuldade em sua locomoção o problema se torna maior, começa desde as calçadas esburacadas, depois passa pelo problema de ter que ficar na fila correndo o risco de perder o transporte, já que a quantidade de usuários encobrindo a sua visão é grande, e por último e mais dificultoso, a entrada nos veículos. Além de ser perigoso, no caso de metrôs e trens considerando as pessoas desesperadas por um lugar que saem empurrando todos, os elevadores geralmente nunca entram em prática para os cadeirantes, sempre ocorrem problemas técnicos, ou de preguiça mesmo. Os lugares para eles também são poucos, havendo na maioria das vezes apenas uma vaga, que acaba sempre ocupada por outras pessoas, decorrente da falta de espaço.

Levando em consideração os pontos levantados, o sistema de transporte público deveria tomar uma atitude para cobrir as necessidades da população, contribuindo com frotas renovadas de ônibus, contendo mais espaço físico e equipamentos que funcionem corretamente, disponibilizando mais vagas para cadeirantes e para pessoas que necessitem de um lugar realmente, e não deixando de lado a conscientização da população, que tem que lutar pelos seus direitos e respeitar o próximo.

Basilides de Godoy - 2011

READ MORE - O transporte público nas grandes metrópoles

Sem controle, custo de obras da copa já subiu R$ 2 bilhões

BRASÍLIA - A fraude no Ministério das Cidades que abriu caminho para a aprovação do projeto de Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) em Cuiabá, R$ 700 milhões mais caro que o original, é apenas um dos exemplos de como o custo das obras da Copa do Mundo escapou do controle público. No que diz respeito à mobilidade urbana, os gastos totais aumentaram R$ 760 milhões, quando comparada a atual estimativa à previsão inicial de janeiro de 2010. O caso de Cuiabá foi revelado pelo Estado na última quinta-feira.

Levando-se em conta a alteração orçamentária dos estádios, o aumento total das obras da Copa supera R$ 2 bilhões.
Projeto do VLT de Cuiabá é um dos mais polêmicos

A mudança de planos em Cuiabá atendeu aos apelos do governador de Mato Grosso, Sinval Barbosa (PMDB). Além de Cuiabá, houve aumento de preço nas obras de mobilidade urbana em outras cinco cidades: Belo Horizonte, Manaus, Porto Alegre, Recife e Rio de Janeiro.

Em Belo Horizonte, o BRT da avenida Cristiano Machado saltou de R$ 51,2 milhões para R$ 135,3 milhões, acréscimo de 164,3%. Em Manaus, o valor global das duas obras previstas - um monotrilho, já criticado pela Controladoria-Geral da União (CGU), e uma linha rápida de ônibus - aumentou 20%.

O prolongamento da Avenida Severo Dullius, em Porto Alegre, ficou 70% mais caro.
Exceção. Em São Paulo, por outro lado, a obra do monotrilho despencou de R$ 2,8 bilhões para R$ 1,8 bilhão, o que, no conjunto, reduziu o impacto do aumento de preço em outros Estados. Já em Fortaleza não houve mudança nos investimentos. Em Brasília, a variação foi mínima: 4,48%.

Levando-se em conta a alteração orçamentária dos estádios, o aumento total das obras da Copa supera R$ 2 bilhões.

A mudança de planos em Cuiabá atendeu aos apelos do governador de Mato Grosso, Sinval Barbosa (PMDB). Além de Cuiabá, houve aumento de preço nas obras de mobilidade urbana em outras cinco cidades: Belo Horizonte, Manaus, Porto Alegre, Recife e Rio de Janeiro.

Em Belo Horizonte, o BRT da avenida Cristiano Machado saltou de R$ 51,2 milhões para R$ 135,3 milhões, acréscimo de 164,3%. Em Manaus, o valor global das duas obras previstas - um monotrilho, já criticado pela Controladoria-Geral da União (CGU), e uma linha rápida de ônibus - aumentou 20%.

O prolongamento da Avenida Severo Dullius, em Porto Alegre, ficou 70% mais caro. Todas as cinco obras de mobilidade urbana programadas para Recife encareceram - entre elas, o BRT Leste/Oeste - Ramal Cidade da Copa, que aumentou de R$ 99 milhões para R$ 182,6 milhões (84,40% de diferença). O Corredor Caxangá (Leste/Oeste), por sua vez, agora custa R$ 133,6 milhões, ou 80,54% a mais.

Exceção. Em São Paulo, por outro lado, a obra do monotrilho despencou de R$ 2,8 bilhões para R$ 1,8 bilhão, o que, no conjunto, reduziu o impacto do aumento de preço em outros Estados. Já em Fortaleza não houve mudança nos investimentos. Em Brasília, a variação foi mínima: 4,48%.

O BRT Cristiano Machado, em Belo Horizonte, por exemplo, ganhou recursos remanejados de outro projeto, "em função de estudos mais aprofundados, que mostraram a necessidade de mudanças na pavimentação e inclusão de estações de integração", informou a pasta. (Autor: Rafael Moraes Moura)

Informações: O Estado de S. Paulo

READ MORE - Sem controle, custo de obras da copa já subiu R$ 2 bilhões

Cidade de Blumenau pode ficar sem ônibus esta semana

Com a sede do Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Coletivo de Blumenau lotada, a categoria aprovou o indicativo de greve na primeira das três assembleias para discutir a possibilidade de paralisação das atividades. Às 15h e às 19h serão feitos outros dois encontros.

Se as assembleias decidirem pela greve no transporte público, a paralisação nos serviços só deve ocorrer dentro de 72 horas. Essa é a garantia do diretor do Sindicato dos Empregados nas Empresas Permissionárias do Transporte Coletivo de Blumenau e Gaspar (Sindetranscol), Marciano Arcanjo.

No encontro desta manhã, foi feita a apresentação da proposta salarial oferecida pelo Consórcio Siga. Em seguida, abriu-se espaço para tirar dúvidas e depois foi feita a votação por aclamação. No fim do encontro, os trabalhadores deram sugestões de como será a greve.

             Mais Notícias de Santa Catarina

Informações: Jornal de Santa Catarina

READ MORE - Cidade de Blumenau pode ficar sem ônibus esta semana

VLT é deficitário e não facilita trânsito caótico de Maceió

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Quando se anunciou a vinda de um VLT, pareceu coisa do outro mundo. As pessoas imaginaram um super metrô de superfície, ágil como um trem bala japonês, seguro como uma aeronave guardada no angar, rodando sobre trilhos novinhos, parando em estações modernas e confortáveis. O Veículo Leve sobre Trilho trouxe esperança de dias melhores no trânsito atribulado de Maceió. A população seria altamente beneficiada com transporte coletivo rápido, seguro e barato. A realidade, porém, é outra.

O VLT chegou, já está circulando comercialmente, e o que mudou, no trânsito de Maceió, foi absolutamente nada. Primeiro, as pessoas se deram conta de que os comboios praticamente não atendem à população maceioense, mas aos moradores de Rio Largo (por enquanto os de Satuba) que trabalham na capital.

Serviriam, em parte, ao maceioense se ao menos fizessem o ramal entre a Estação Central, próximo à Praça dos Palmares, e o Maceió Shopping, na Zona Norte. Mas, se para chegar aonde chegou, foi todo um drama, imagine-se para ir adiante.

O que se questiona, hoje, é quanto custou o VLT e se valeu a pena um investimento de grande porte para atender a uma pequena parcela de usuários. Foram R$ 180 milhões que, transformados em composições, transportam 3.000 passageiros/ dia.
O gerente operacional da CBTU/AL, Flávio Tenório, explica que o VLT está atendendo usuários de Maceió e Satuba por conta das obras que estão sendo feitas no município de Rio Largo. “São obras de reestruturação da nossa malha, estações novas: Gustavo Paiva e Lourenço de Albuquerque, troca de todos os trilhos e dormentes”. A expectativa é que em janeiro de 2012 o trecho Maceió – Rio Largo já esteja em operação.

Atualmente, o VLT sequer consegue atender a demanda em horário de pico, em especial no distrito de Fernão Velho onde há cerca de 900 passageiros, fazendo-se necessária a utilização do antigo trem. “Queremos aumentar essa grade para adentrar o VLT nessa grade de pico, que hoje a gente não atende. A composição do VLT consegue comportar até 510 pessoas”.

Segundo o gerente estão sendo ofertados novos cruzamentos, que já estão sendo licitados, para que aumente o número de viagens e assim consiga se diminuir o tempo de espera entre uma viagem e outra, cujo intervalo é de uma hora. “No horário de pico a gente quer o intervalo entre as viagens de apenas 15 minutos. Vamos ofertar cruzamentos e isso vai permitir que a gente tenha fluxo nos dois sentidos e facilitar o nosso dia a dia”.

O VLT está operando com dois comboios e o terceiro já está em fase de teste para que seja liberado esta semana. “O nosso usuário tem conservado o nosso VLT, não percebemos qualquer vandalismo ou sujeira. E também as limitações ao uso de transporte de mercadorias. Está tudo a contento”.

Flávio garante que o total da verba ainda não foi utilizado e que até agora o que foi gasto gira em torno de R$ 100 milhões. “Estamos em processo de execução e quando concluído, aí sim, poderemos falar que foram gastos os R$180 milhões. O VLT é nosso, está garantido e até junho de 2012 estaremos recebendo todas as composições”.

Especialista diz que VLT é deficitário e prevê colapso no trânsito de Maceió

O professor de planejamento de transporte público da Universidade Federal de Alagoas, Alberto Rostand Lanverly, diz que o grande problema do VLT é que esse tipo de transporte deve ter densidade de malha, ou seja, poder atingir os bairros, ruas, todos os ambientes. “Aí sim você teria demanda, volume de usuários, para pagar o transporte”.

Alberto Rostand explica que o Brasil não investe, não subsidia transporte e aí quem paga o transporte é o usuário. Ele observa que a implementação de tudo que é novo e moderno é muito bom no início. “Com o VLT atendendo Rio Largo até o centro de Maceió, seu investimento não vai ser pago porque você vai ter poucos usuários”. 

Para que o transporte seja pago é necessário que haja 10 mil passageiros hora-sentido. A técnica diz que até 10 mil passageiros hora-sentido o transporte mais indicado é o ônibus. “Acima de 10 mil é que se pensa em outro tipo de transporte”.

Soluções?
O que falta para solucionar os problemas de transporte e trânsito em Maceió? Profissionais preparados. “As cabeças pensantes pensam no hoje, no assar e comer. Não se pensa no médio, muito menos no longo prazo”, afirma Rostand.

Segundo ele, só se pode investir em mais ônibus quando se resolver o problema da Fernandes Lima, já que é preciso ter vias de auxílio. “Aí sim passa a investir em mais ônibus para atender a população”. 

Além disso, é necessário que haja uma fiscalização mais efetiva: quantas pessoas sobem, quantas descem, quantas pagam, qual o nível de evasão e outros. “Pelo que me consta na atualidade a fiscalização é feita mais pelo próprio setor (através da Transpal, entidade dos empresários) do que pelo próprio poder concedente que é prefeitura”. 

Em Maceió atualmente existem cerca de 600 ônibus rodando para atender a população. “Não cabe novos ônibus nas ruas da capital”. O problema da ‘falta de ônibus’ na capital é que os trechos pertencem a uma única empresa. Por exemplo: a empresa Real Alagoas é dona do trecho que faz a Fernandes Lima indo até o Ouro Preto, a empresa São Franiscco é dona do trecho do Bebedouro e assim sucessivamente.

O que falta? Concorrência. “Na minha ótica o correto seria que as empresas fossem autorizadas a rodar no sistema viário de Maceió. E a prefeitura, poder concedente, diria que necessitava de tantos ônibus e cada empresa disponibilizaria os de sua frota. E aí o passageiro escolheria a empresa que tivesse mais conforto, higiene e que cumprisse o horário. Aqui não existe concorrência. Por isso, o transporte alternativo cresce tanto: é que o usuário vive à mercê de certas empresas de ônibus”, aduz o especialista.

Situação crítica

E acrescenta: “No curto prazo não se corrige Maceió e olhe lá se no médio prazo se corrige. E se continuar como está, grosseiramente falando, a cidade para daqui a alguns anos. Enquanto não se levar o transporte público como ciência, pode ter certeza de que vamos ter problema para a geração que vem. Eu vejo a situação crítica senão se pensar Maceió para a próxima década” adverte Alberto Rostand Lanverly.

Para usuários de ônibus de Maceió, o VLT terá pouca ou nenhuma valia, vez que continuará fazendo o mesmo percurso dos velhos trens da CBTU, ou seja, trazendo e levando passageiros que vivem em Rio Largo ou mesmo Satuba. “Serviria à população maceioense se cortasse a capital ou se ao menos chegasse a Mangabeiras, transportando gente do Centro para o Maceió Shopping”, opinou o corretor Edvaldo A. Cardoso.


READ MORE - VLT é deficitário e não facilita trânsito caótico de Maceió

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960