Greve de ônibus na Grande Vitória prejudica mais de 700 mil Passageiros

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

O presidente do Sindicato dos Rodoviários (Sindirodoviários), Édson Bastos, afirmou que a greve da categoria continua até o dia 3 de dezembro, data do julgamento do dissídio coletivo na Justiça do Trabalho.

O presidente do Sindirodoviários destacou que a paralisação dos motoristas pode ser encerrada antes do dia 3, caso o sindicato patronal aceite as reivindicações dos rodoviários.

Na manhã desta quarta, não houve acordo na reunião de conciliação entre os rodoviários e representantes das empresas de transporte coletivo no Tribunal Regional do Trabalho (TRT).  Diante do impasse, a presidente do TRT, desembargadora Wanda Lúcia Decuzzi, fez um apelo aos motoristas. Ela pediu que eles suspendam o movimento até o julgamento do dissídio coletivo da categoria, marcado para o dia 3 de dezembro, sexta-feira da próxima semana, às 10 horas na Justiça do Trabalho. O presidente do Sindirodoviários, Edson Bastos, informou que levaria o pedido da desembargadora para apreciação dos motoristas nas garagens das empresas. O apelo, no entanto, não chegou a ser feito, pois segundo Edson Bastos, de nada adiantaria.

Na tarde desta quarta houve um princípio de confusão com motoristas e cobradores no Terminal de Campo Grande, em Cariacica. Os ânimos ficaram exaltados depois que os trabalhadores compreenderam equivocadamente que a decisão da desembardora do TRT ordenava o fim da greve.

O Terminal rodoviário chegou a ser bloqueado para entrada e saída. Com a chegada da Polícia Militar o terminal de Campo Grande foi liberado, após 20 minutos.
A população da Grande Vitória acordou com uma greve de motoristas e cobradores. Mas o movimento está tranquilo e pacífico com 50% da frota circulando. A sensação da população no início de manhã era que a determinação da Justiça não seria cumprida. O que se via eram ruas cheias de veículos de passeio e terminais lotados. Mas com o passar das horas, os pontos começaram a ficar mais vazios e coletivos circulam normalmente.

Durante a madrugada muitos taxistas estavam próximos aos pontos de ônibus de Cariacica e Vitória. Vans também podem ser vistas transportando pessoas para o trabalho. Os empresários do transporte coletivo continuam apelando para que os motoristas suspendam a paralisação. Segundo o diretor executivo do GVBus Elias Baltazar, não há motivo para a greve, já que o impasse salarial será definido no julgamento do dissídio coletivo da classe.

Vitória

Na região Norte os reflexos da greve são menores. Os passageiros notam a presença de mais ônibus em Jardim Camburi, Jardim da Penha e na Praia do Canto. Nessas áreas os pontos não estão cheios, assim como os coletivos que circulam nas ruas. Já na região central de Vitória, a situação é um pouco mais complicada. Há muitas pessoas nos pontos, e os veículos que chegam de Vila Velha e Cariacica acabam chegando ao Centro lotados.

De acordo com a contagem do Sindirodoviários, pelo menos 3 mil trabalhadores cruzaram os braços cruzados nesta quarta (24). Para garantir que se mantenham 50% dos ônibus circulando, equipes de quatro a cinco dirigentes do sindicatos estão nas portas das empresas pra evitar que mais ônibus que o mínimo estabelecido saiam para as ruas. O sindicato afirma que não houve nenhum tipo de tumulto nesta quarta-feira (24).

No comércio do Centro houve diminuição do fluxo dos consumidores. As lojas estão abertas, mas as calçadas não estão cheias como em dias normais.

Vila Velha


Longas filas se formam nos terminais de Vila Velha, Itaparica e Ibes. Policiais militares estão nos locais, mas não há registro de tumultos. Nos pontos de ônibus de bairros como Coqueiral, Barramares, Centro e Glória, a espera varia entre 15 minutos e uma hora, de acordo com passageiros. Fiscais que atuam nos terminais garantiram que 50% da frota está nas ruas. Mas seguindo esse percentual, o número de ônibus é menor até do que os que rodam aos domingos.

Muita gente decidiu tirar o carro da garagem como alternativa para a greve. Com isso o trânsito ficou ainda mais lento no início da manhã de quarta nos acessos à Terceira Ponte, no sentido Vila Velha-Vitória. A situação se complicou por conta de um engavetamento sobre a ponte. Há quem pegou carona até terminais e também pessoas que decidiram encarar a espera nos pontos de ônibus.
foto: Letícia Gonçalves
Longas filas se formaram no Terminal de Vila Velha nesta quarta
Longas filas se formaram no Terminal de Vila Velha nesta quarta-feira

Na Glória, vans de transporte clandestino estão circulando, principalmente com destino à Praia da Costa e Itapoã, com o mesmo preço cobrado nas passagens de ônibus. Mesmo assim, as vans passam de forma esporádica e lotadas. Além dos passageiros, quem não gostou da greve foram os comerciantes. Assim como no Centro de Vitória, na Glória houve funcionário que chegou atrasado e o número de clientes também diminuiu por conta da greve.

Serra

O primeiro dia de greve dos rodoviários está sendo considerado mais calmo do que o esperado pelos moradores do município. Embora estejam esperando mais do que o normal, há poucas pessoas nos pontos e nos terminais. Os coletivos passam com certa frequência e os usuários do Transcol buscam alternativas para chegar ao trabalho, seja por meio de carona, por iniciativa da própria empresa em buscar os funcionários e até mesmo se arriscando a pegar ônibus.

O que piorou neste dia de paralisação foi o aumento de automóveis nas ruas e avenidas. Uma professora de pré-vestibular que não quis se identificar disse que foi demitida porque não conseguiu chegar a tempo no trabalho. Ela contou que há problemas com obras no caminho feito por ela, e, por conta do fluxo maior de veículos, nesta quarta ficou ainda pior.

Cariacica

Movimentação tranquila na Avenida Expedido Garcia. Sem muito movimento de veículos, as lojas permanecem abertas e algumas pessoas foram ao local fazer compras mesmo durante a greve. As principais impressões no município são de pontos de ônibus vazios, coletivos lotados, terminais somente com filas para ônibus troncais (que vão pra Vila Velha, Vitória e Serra) com maior número de passageiros.

Pessoas que precisavam ir para o trabalho estavam preocupadas com o atraso. Quem teve que ir de ônibus esperou cerca de 40 minutos no ponto do bairro para conseguir chegar até o Terminal de Campo Grande, e mais 40 minutos de espera para o ônibus sair.

A farmacêutica Josiele Souza Denardi, de 25 anos, perdeu a aula de trânsito nesta quarta. Ela trabalha na Reta da Penha e estava chegando uma hora antes do trabalho pra fazer a aula de trânsito, mas teve que cancelar a aula de hoje. Josiele está com medo de precisar cancelar as próximas e até mesmo perder o dinheiro dela, já que pagou as aulas antecipadas.

Fonte: Gazeta Online
READ MORE - Greve de ônibus na Grande Vitória prejudica mais de 700 mil Passageiros

Em Teresina, 67% dos pontos de ônibus não possuem abrigo

A poucos dias do início do período das chuvas, que tradicionalmente começa em dezembro, os usuários do sistema de transporte coletivo de Teresina que aguardam ônibus debaixo do sol agora preparam- se para enfrentar a espera debaixo da chuva. Segundo um levantamento feito com à Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (Strans), 67% dos 1.700 pontos de ônibus da Capital não possuem abrigo. São 1.130 paradas sem cobertura.

Com isso, só resta aos usuários improvisar. Alguns usam guarda-chuva ou sombrinha, outros procuram marquises de comércios próximos e alguns ainda buscam sentar em bancos de vendedores ambulantes, que são comuns nos pontos de espera mais movimentados. “A gente procura uma sombra para fugir do sol porque às vezes a condução demora muito e a única sombra é a do poste de iluminação”, afirma o funcionário público Carlos Silva, que toma ônibus na zona Sul de Teresina, onde mora.

Mas mesmo nos abrigos existentes, 570 no total, as reclamações são muitas. Os
passageiros alegam que o teto é pequeno, não protegendo do sol e muito menos da chuva, quando é grossa. Além disso, alguns abrigos possuem bancos de ferro, que esquenta muito com as altas temperaturas de Teresina. “Queria ver um desses políticos sentado aqui 5 minutos para vê se ele agüenta”, provoca a estudante Cibele Rodrigues.

Por conta disso, a Strans já decidiu modificar o material utilizado em algumas paradas, principalmente na Avenida Frei Serafim, a mais movimentada da cidade. Lá, os abrigos de ferro foram substituídos pelos de madeira, mais confortáveis.

A diretora de Transportes e Trânsito da Strans, Alzenir Porto, explica que o problema das paradas de ônibus não é tão fácil de ser resolvido e diz ainda que é preciso da compreensão  e participação da população na solução do problema.

“Apesar de existir somente 570 abrigos com cobertura construída pela Prefeitura de  Teresina, isso não significa que os demais há a necessidade de se construir um. Há alguns pontos de ônibus, por exemplo, em que os usuários aguardam o transporte na marquise de lojas que ficam em frente ao local de parada do veículo. Nesses lugares, a colocação de um abrigo causaria transtornos ao comércio, com a perda do estacionamento, acúmulo de sujeira por conta dos próprios usuários”, explica a diretora.

Alzenir ressalta também que há centenas de pontos de ônibus que não há motivo para a construção de abrigos, porque são localizados em finais de linhas e os passageiros, assim que descem os ônibus, seguem logo para suas casas. “São pontos de desembarquedas linhas centrobairro,  onde ninguém fica esperando por condução. É somente ponto de chegada e não de partida”, conta Alzenir Porto. Nas contas dela, cerca de 800 pontos de ônibus da capital estão incluídos nas duas situações: ou são áreas de desembarque ou os usuários utilizam as marquises de comércios.

Fonte: Tribuna do Sol
READ MORE - Em Teresina, 67% dos pontos de ônibus não possuem abrigo

Blumenau poderá ficar sem ônibus nos próximos dias

Termina amanhã o prazo de 72 horas, exigido por lei, para os trabalhadores do transporte coletivo manterem o serviço em funcionamento.

Caso não haja acordo entre funcionários e empresas, o Sindicato dos Empregados das Empresas Permissionárias do Transporte Coletivo Urbano de Blumenau e Gaspar (Sindetranscol) diz que os ônibus poderão permanecer nas garagens. Ontem, o transporte funcionou normalmente, mesmo com a possibilidade de pequenas paradas durante o dia.

A expectativa, se não houver novas negociações, é que haja paralisação a partir de quinta-feira. Ontem, o sindicato publicou na imprensa um comunicado alertando que, após 72 horas da publicação, os trabalhadores podem declarar greve por tempo indeterminado.

Motoristas e cobradores, porém, não descartam paralisações em determinados horários durante hoje e amanhã. Diante do impasse, as empresas solicitaram no início dessa semana a intervenção do Ministério do Trabalho para mediar a negociação.

A terceira rodada de negociação salarial ocorreu na quinta-feira, quando o Sindetranscol e as empresas pertencentes ao Consórcio Siga estiveram reunidos. Sexta-feira, em assembleia, 750 trabalhadores (90% da categoria) rejeitaram a proposta oferecida pelas empresas.

A reivindicação é de um aumento de 8,5% e tíquete refeição de R$ 260, mas a oferta dos empregadores é de 6,5% de reajuste e aumento do vale-alimentação para R$ 240.

Hoje, os funcionários ganham R$ 212 de vale. Os trabalhadores também pedem equiparação salarial entre os cobradores das três empresas, a Nossa Senhora da Glória, a Rodovel e a Viação Verde Vale.

Legalmente, a greve poderá ser feita mediante a manutenção de 30% da frota nas ruas.

Fonte: Diário Catarinense
READ MORE - Blumenau poderá ficar sem ônibus nos próximos dias

Campo Grande ganha 1ª estação “Peg-Fácil”

Entrou em operação na manhã desta quarta-feira (24.11) a primeira estação “Peg-Fácil” de embarque do sistema de transporte coletivo urbano em Campo Grande. A iniciativa é da Assetur, em parceria com a Agetran, e é baseado em modelo em funcionamento no Chile. O embarque de passageiros torna-se mais rápido, o que reduz o atraso nas viagens.

De acordo com João Rezende Filho, diretor da Assetur, o projeto-piloto será desenvolvido inicialmente na rua XV de Novembro, na Praça Ary Coelho. A estação é dotada de catraca e leitor de cartão. O passageiro paga a passagem, utilizando cartão ou dinheiro, e tem acesso à estação. Assim que o ônibus estaciona, o usuário embarca, sem perda de tempo, pela porta traseira do veículo.

“Vamos reduzir de forma considerável o tempo com o embarque, o que tornará o sistema mais ágil principalmente nos horários com maior fluxo de passageiros”, explicou o empresário. A estação conta com colaboradores para liberar a catraca em caso de pagamento em dinheiro e também para orientar os passageiros.

Segundo o diretor-presidente da Agetran, Rudel Trindade Júnior, a intenção é que até o final de 2010 haja uma plataforma em cada rua do entorno da Ary Coelho e também no ponto localizado em frente à Planeta Real. “O lançamento do Peg Fácil vem em um bom momento, já que no fim de ano aumenta o número de pessoas que passam pelo centro da cidade”, destacou.

Para o prefeito Nelson Trad Filho, a automação do transporte coletivo em Campo Grande traz maior eficiência ao sistema e segurança para os usuários. “O passageiro ganha de uma só vez agilidade, praticidade e conforto, pois o tempo de espera e embarque irá diminuir. Além disso, deve incentivar o uso do cartão de transporte”, ressaltou.

Atualmente, 18 linhas passam pela praça, quatro delas na rua XV de Novembro: 061 (Moreninhas/Shopping); 065 (Guaicurus/centro); 080 (Gal. Osório/Aero Rancho) e 088 (Guaricurus/Shopping). Na estação “Peg-Fácil” é possível adquirir e carregar créditos e a integração temporal.

O lançamento do projeto-piloto contou com a presença dos empresários e colaboradores do setor de tramsporte, do prefeito Nelson Trad Filho, do presidente da Agetran, Rudel Trindade, e dos vereador Mário Cesar e Alcides Bernal.

Fonte: MS Notícias
READ MORE - Campo Grande ganha 1ª estação “Peg-Fácil”

Começou a Greve de ônibus na Grande Vitória

A população da Grande Vitória acordou com uma greve de motoristas e cobradores em que apenas 50% da frota deve circular, ou pelo menos deveria estar nas ruas. A sensação da população no início de manhã era que a determinação da Justiça não estava sendo cumprida. O que se via eram ruas cheias de veículos de passeio e terminais lotados. Mas com o passar das horas, os pontos começam a ficar mais vazios e alguns coletivos da frota que ainda está nas ruas circulam normalmente.

No Terminal Vila Velha nenhuma confusão foi registrada. Alguns ônibus já deixaram o local e circulam pelas ruas da Grande Vitória. Os funcionários do terminal garantem que estão operando conforme determinação da lei, com 50% da frota em funcionamento. As filas dos ônibus estão grandes, mas passageiros afirmam que em no máximo 30 minutos conseguem pegar o coletivo. 

Na zona norte de Vitória a situação está mais tranquila. Os passageiros encontram mais demora na passagem dos ônibus na região Central da Capital. Na Avenida Princesa Isabel o trânsito flui normalmente e as complicações no trânsito acontecem nos acessos à Vitória, próximo as imediações do Terminal de São Torquato. O motorista que tenta passar pela 5 pontes tem que ser paciente, pois nessa manhã o fluxo está totalmente parado.   

Já durante a madrugada muitos taxistas estavam próximos aos pontos de ônibus de Cariacica e Vitória. Vans também podem ser vistas transportando pessoas para o trabalho. Os empresários do transporte coletivo continuam apelando para que os motoristas suspendam a paralisação. Segundo o diretor executivo do GVBus Elias Baltazar, não há motivo para a greve já que o impasse salarial será definido no julgamento do dissídio coletivo da classe que já está tramitando na justiça do trabalho.

Uma audiência de conciliação do Dissídio Coletivo de Greve dos Rodoviários será realizada às 11h, no plenário do Tribunal Regional do Trabalho (TRT-ES).
READ MORE - Começou a Greve de ônibus na Grande Vitória

Governo de São Paulo dá prioridade a duas linhas de Metrô

Duas linhas de metrô de São Paulo foram escolhidas como prioridade do governador eleito do Estado, Geraldo Alckmin (PSDB), e pelo prefeito da capital paulista, Gilberto Kassab (DEM), para receber recursos do Orçamento federal em 2011. Ambos se reuniram com a bancada paulista no Congresso para discutir esses projetos.
Alckmin pediu R$ 200 milhões para a linha Branca do metrô (Vila Prudente-Penha) e R$ 200 milhões para a construção de piscinões para conter enchentes. A bancada se comprometeu ainda a apresentar, em conjunto, uma proposta de emenda para reforçar recursos para a saúde.
Já Kassab pediu a inclusão de uma emenda com recursos para elaborar projetos de uma nova linha de metrô, que percorreria a avenida Celso Garcia, na zona leste da cidade. O valor não está definido. Ele também pediu recursos para a área de saúde.
As propostas de emendas serão apresentadas por deputados e senadores de São Paulo e analisadas pelo relator do Orçamento, senador Gim Argello (PTB-DF). Elas podem ou não ser incluídas na Lei Orçamentária, que ainda será votada e reenviada ao Executivo.

Fonte: Estadão
READ MORE - Governo de São Paulo dá prioridade a duas linhas de Metrô

Governo e Prefeitura discutem funcionamento do metrô de Salvador

A efetivação do metrô foi um dos assuntos tratados durante audiência do governador Jaques Wagner com o prefeito de Salvador, João Henrique Carneiro, e o vice-prefeito, Edvaldo Brito, na tarde desta segunda-feira (22), na Governadoria, no Centro Administrativo da Bahia (CAB). Segundo o prefeito, o sistema de transporte coletivo deverá entrar em pleno funcionamento por meio de uma gestão compartilhada com o Estado e a União.

“Ficou acordada a criação de um Grupo de Trabalho (GT) para definir a modelagem de operação. Vamos resolver se será assumida pelo governo federal ou por licitação como ocorre em alguns estados da federação. Ficamos de fazer um levantamento de como o metrô funciona em algumas capitais como São Paulo e Rio de Janeiro para saber como será em Salvador”, disse João Henrique.

O vice-prefeito e o secretário municipal de Infraestrutura e Transportes, Euvaldo Jorge, serão os representantes da Prefeitura de Salvador no GT. De acordo com o chefe de gabinete do Governo do Estado, Fernando Schmidt, o Poder Executivo Estadual terá como representantes, os titulares da Secretaria de Desenvolvimento Urbano (Sedur) e da Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (Conder).

“É uma obra tripartite - governos estadual, municipal e federal. Se licitarmos, ainda terá a participação da iniciativa privada”, disse João Henrique. Durante o encontro, além de questões relacionadas à Copa do Mundo de 2014, o prefeito também conversou sobre a programação e a estrutura logística que deverá ser montada para o réveillon. Ele espera o apoio do Estado, por meio das frentes de trabalho da Secretaria da Segurança Pública (SSP), a exemplo dos anos anteriores.

READ MORE - Governo e Prefeitura discutem funcionamento do metrô de Salvador

Obra do Metrofor na Via Expressa gera polêmica

Dois projetos de mobilidade urbana e milhares de dúvidas sobre a remoção das 3.500 famílias impactadas pelas obras na Via Expressa para a Copa do Mundo de 2014. Se as ações para a instalação do Ramal Parangaba/Mucuripe do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) e o alargamento da avenida ainda estão no papel, o temor de perder as casas já está na boca do povo da área.

Dezenas de moradores, às margens da via férrea entre o bairro Mucuripe e a Avenida Raul Barbosa, já tiveram as residências marcadas com tinta verde, sinal de possível retirada já no ano que vem. O clima é de incertezas sobre o futuro da nova morada. Vale lembrar que muitos habitam o bairro há mais de cinco décadas.

"Até agora, a gente não sabe de nada oficialmente. Uns dizem que nós vamos sair daqui no próximo ano, outros, que vai demorar ainda. Ninguém do governo veio me explicar nada", disse, queixoso, o porteiro Marcos Antônio Vitorino, habitante de uma casa simples na Rua Córrego das Flores.

O percurso do VLT atravessará 22 bairros e servirá de ligação entre a região hoteleira e o Centro da Cidade (na integração com a Linha Sul do Metrofor) e o bairro Parangaba, assim como integração com o ramal Parangaba/Castelão.

Na Rua Juvêncio Vasconcelos, no Mucuripe, o clima é de revolta. Da linha férrea descendo uns cinco quarteirões, tudo será derrubado para passar o Ramal VLT e realizar o alargamento da Via Expressa, afirmou a comerciante Fátima Araújo, 60. Ela disse estar cansada de tanto "falatório" e especulação sobre o futuro.

"Tem até amigas minhas que estão em depressão, não querem morar em outro bairro, longe de todas as suas memórias", lamentou a senhora.

Dessas especulações, os projetos da Copa vão virando uma verdadeira "caixa-preta", disse a doméstica Maria do Carmo Monteiro, 65, moradora da Comunidade do Trilho, na Via Expressa, próximo ao cruzamento com a Padre Antônio Tomás.

Custos
Conforme a Secretaria das Cidades, o projeto orçado em R$ 265,5 milhões prevê a implementação do sistema de VLT no ramal ferroviário que liga Parangaba ao Porto de Mucuripe. Serão dez estações de superfície ao longo dos 13km de extensão. A Caixa custeará R$ 170 milhões correspondentes às obras, enquanto o Governo do Estado arcará com em torno de R$ 95,5 milhões, previstos para desapropriações.

A previsão para término é junho de 2013. Sobre o andamento da instalação do VLT, a assessoria de comunicação do Metrofor informou que o projeto ainda está em fase inicial e que ainda não há um documento finalizado a respeito. Segundo Felipe Araújo, gerente do Projeto Copa 2014, ainda não há data para o alargamento da Via Expressa.

Fonte: Diário do Nordeste
READ MORE - Obra do Metrofor na Via Expressa gera polêmica

Em Natal, Bilhetagem única deve ser implantada em janeiro

A bilhetagem eletrônica unificada, prometida pela prefeita Micarla de Sousa desde o mês de março, durante a assinatura do sistema eletrônico dos alternativos, deve ser implantada em janeiro. A informação é do novo secretário Municipal de Mobilidade Urbana (Semob), Kalazans Bezerra. Segundo ele, a Prefeitura de Natal deverá implantar o sistema único de bilhetagem já no mês de janeiro do próximo ano. E o sistema a ser implantado será realmente o proposto pelo Seturn, ou seja, um cartão de passagens híbrido, com dois chips, um utilizado nos alternativos e o outro no transporte convencional.

A Prefeitura do Natal até então não havia se pronunciado concretamente sobre a demora na unificação da bilhetagem eletrônica, desde a implantação do sistema de bilhetagem dos alternativos no mês de março. Mas, segundo o secretário, para a implantação do sistema híbrido ainda depende de que a categoria dos opcionais comprove que já possui um sistema organizado e funcionando corretamente (daí a necessidade desse tempo de testes dos equipamentos), é preciso que a categoria garanta que fará o percurso completo (daí a necessidade de se instalar também GPS para o rastreamento dos veículos) e de que não haverá interrupção no serviço e nem intransigência nas negociações. Para o secretário, essa é melhor forma de fazer unificação e o cartão com duas janelas beneficiará tanto a usuário quanto a permissionários.

As declarações do secretário Kalazans Bezerra tiveram a reação de imediato da comissão que hoje representa o Sindicato do Transporte Opcional do Rio Grande do Norte (Sitoparn). Eles, definitivamente, não querem o sistema híbrido e criticam o representante da Semob que desde que assumiu ainda não recebeu a categoria para discutir o impasse. "Aguardamos, ansiosamente, que ele marque um dia para nos receber", ressalta o membro da comissão representativa do Sitoparn, o permissionário Nivaldo Andrade Silva. Ele reconhece o interesse da Prefeitura de Natal em realizar a bilhetagem única, mas diz que aos empresários de ônibus não interessa a implantação.

Para ele, um cartão de dois chips não alteraria em nada o sistema que já funciona atualmente com dois cartões, o do Seturn e do Sitoparn. O usuário e os empregadores que compram passes para funcionários teriam dificuldades para abastecer em dois lugares diferentes. "Além disso, o sistema de duas janelas, ao contrário do que disse o secretário Kalazans, não existe em nenhuma capital do país, pois onde existe bilhetagem eletrônica o sistema é unificado, como em Recife, Fortaleza, São Paulo, Rio de janeiro", infomou o permissionário.

Fonte: Diário de Natal
READ MORE - Em Natal, Bilhetagem única deve ser implantada em janeiro

Obras para melhorar o trânsito em Cuiabá necessitarão de 400 desapropriações

A desapropriação de áreas para as obras de mobilidade urbana em Cuiabá é um dos maiores desafios a ser enfrentado. A opinião é do deputado federal Wellington Fagundes (PR-MT), que sugere a criação de uma comissão formada por vários setores da sociedade e dos poderes para tratar da questão. Os primeiros levantamentos feitos pela Agecopa mostram que seriam necessárias cerca de 400 desapropriações somente nas principais avenidas de Cuiabá, como é o caso da Fernando Corrêa da Costa e da Tenente Coronel Duarte.
Segundo o parlamentar, é preciso confirmar para os proprietários dos imóveis que serão desapropriados da importância disso para a Capital e recomenda cautela.
Wellington Fagundes também falou, em entrevista a uma emissora de rádio de Cuiabá, sobre as obras do Aeroporto Marechal Rondon, que estão atrasadas. Ele criticou a atual gestão da Infraero e disse que já levou o problema para a presidente eleita, Dilma Rousseff, que garantiu promover mudança no órgão logo após a sua posse. Para Wellington, no ritmo atual da Infraero, o Brasil corre o risco de ter problemas em todos os aeroportos no período da Copa 2014.
Ainda sobre a Copa, o parlamentar garantiu que vai destinar emenda individual ao Orçamento Geral da União para a construção do novo Parque de Exposições de Cuiabá. O governo do Estado cedeu uma área de 100 hectares na estrada que liga a Capital a Santo Antônio do Leverger, para onde deve ser transferido o Parque de Exposições, que hoje funciona na avenida Beira Rio.

READ MORE - Obras para melhorar o trânsito em Cuiabá necessitarão de 400 desapropriações

Sistema de transporte de Teresina será modernizado

Uma série de inovações será implantada no sistema de transportes coletivos de Teresina. Várias das ações foram coletadas durante a visita que o prefeito de Teresina, Elmano Férrer, junto com diretores do Sindicato das Empresas de Transportes Urbano de Teresina (Setut) e secretários municipais fizeram a Fortaleza (CE). Na visita, a comitiva pode conhecer toda a tecnologia utilizada no controle do trânsito e transporte coletivo na capital cearense.

O diretor executivo da empresa Via Urbana, Gustavo Porto, apresentou a tecnologia de acompanhamento via satélite, através de GPS, que todas as empresas de transporte coletivo de Fortaleza utilizam. “Nesse sistema acompanhamos, em tempo real, todo o itinerário dos ônibus, a velocidade praticada, o número de passageiros no momento e o tempo de viagem no percurso. Com isso, podemos identificar se um ônibus está demorando a chegar ao seu ponto, se há lotação ou se o veículo está quebrado. Essas informações nos permitem colocar ou retirar um ônibus da linha caso haja necessidade, entre outras ações”, explica.

O prefeito Elmano Férrer destacou que o sistema de monitoramento é uma boa ferramenta que pode ser implantada em Teresina, pois irá melhorar a qualidade do serviço e ajudar na segurança dos passageiros. “Esse sistema é muito bom, pois a empresa tem como determinar a entrada ou saída de um ônibus na linha conforme a demanda de passageiros. Além disso, é possível localizar com precisão os veículos em caso de assaltos”, frisou o prefeito ao comentar que a implantação do sistema em Teresina será estudada com os empresários do setor.

Herbert Miúra, presidente do Setut, declarou que o sistema de transporte coletivo de Fortaleza possui inovações que ajudam na administração do sistema, racionalizando os custos do transporte e melhorando o atendimento ao usuário. “Esse sistema traz uma série de benefícios para o transporte como a diminuição no tempo de espera e a redução dos custos. Sua implantação em Teresina será benéfica, mas para isso precisamos de uma série de intervenções. As empresas teresinenses já estão se articulando para todas essas transformações que teremos com a integração do sistema de transporte e, com certeza, todas as mudanças trarão benefícios”, disse Miúra.

Fonte: Portal AZ
READ MORE - Sistema de transporte de Teresina será modernizado

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960