Rio vai ganhar corredores exclusivos para ônibus

domingo, 12 de setembro de 2010


A cidade do Rio de Janeiro vai ganhar corredores exclusivos para ônibus em alguns bairros da cidade. O objetivo é desafogar o trânsito.

As primeiras vias a receber as faixas exclusivas vão ser a Avenida Nossa Senhora de Copacabana e a Rua Barata Ribeira, ambas em Copacabana, na Zona Sul do Rio, a partir das próximas férias escolares. Se as faixas exclusivas forem aprovadas, vão ser implementadas em outras regiões da capital.

Na sequência, devem receber as faixas para ônibus as ruas Visconde de Pirajá e Prudente de Morais, em Ipanema, também na Zona Sul. Já na Zona Norte, as ruas Haddock Lobo e Dr. Satamini, na Tijuca, e a Estrada do Galeão, na Ilha do Governador, devem receber os corredores exclusivos. E, no Centro, as faixas devem ser implantadas, a princípio, na Avenida Presidente Vargas.

Fonte: G1.com

READ MORE - Rio vai ganhar corredores exclusivos para ônibus

Recife: A falta que os Bondes fazem


Para especialistas, ao invés de substituir os bondes pelo metrô, por exemplo, os sistemas poderiam ter evoluído juntos proporcionando um transporte coletivo mais eficiente para toda a população

No momento atual, em que o sistema de mobilidade da cidade está sendo redesenhado com novos equipamentos urbanos, algumas lições do passado não devem ser esquecidas. A eficiente malha viária dos antigos bondes que fizeram história no Recife, do final do século 19 até a primeira metade do século 20, do bonde de tração animal aos elétricos, é um exemplo disso. O mapa das linhas férreas ligava a cidade de Norte a Sul e de Leste a Oeste. Chegou a 141 quilômetros de rede. Por volta de 1906, a sua extensão já impressionava. Um traçado que era funcional e foi literalmente arrancado. No lugar deles, entrava em cena o moderno sistema rodoviário. A evolução era necessária. A reflexão que se faz hoje, meio século depois, é que os dois modelos poderiam, sim, ter evoluído juntos. Com papéis bem definidos e com um objetivo em comum: o transporte coletivo.

No Bairro do Recife, só restaram os trilhos. Na Rui Barbosa, a antiga estação da Ponte D'Uchôa, utilizada pelos trens de subúrbio, construída no século 19, é hoje um monumento ao passado. Em Olinda, quase nada lembra a antiga estação Maxambomba, próximo ao Largo do Carmo, onde hoje funciona um comércio. Trazer esse passado de volta não parece ser viável. Mas há outras formas de melhorar a oferta do transporte coletivo. Para o engenheiro e chefe do departamento de arquitetura e urbanismo da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), César Cavalcanti, o metrô e o Veículo Leve sobre Trilho (VLT), de certa forma, resgatam essa função. No entanto, ainda estão longe de alcançar a antiga malha viária que se conseguiu com os bondes.

Enquanto o metrô tem hoje 39,5 quilômetros de linha, os bondes tinham uma malha viária três vezes maior. Eles saíam de Olinda, passavam pela Estrada de Belém, Beberibe, Estrada Velha de Água Fria, Caxangá, Imperial, Centro do Recife e Boa Viagem. Também tinham ligação com o setor Oeste, como Avenida 17 de Agosto e Dois Irmãos e a Zona Sul da cidade. "Com o trânsito cada vez pior a única solução é apostar no transporte coletivo, seja ele qual for. Se a malha viária dos antigos bondes ainda fosse usada faria uma grande diferença. Hoje temos o metrô. E em breve o VLT. Mas precisamos ampliar essa malha", ressaltou.

Para o assessor da superintendência do Metrorec , Leonardo Vilar Beltrão, o VLT tem características semelhantes ao bonde pois apresenta condições de se inserir na malha viária urbana. "São tecnologias totalmente diferenciadas. O desempenho do VLT não tem comparação. Mas ele é bem identificado para inserção dentro da cidade, assim como ocorreram com os bondes", explicou. Segundo ele, ao contrário do metrô, o VLT não depende de uma rede elétrica para funcionar. "Esse último tem sua própria propulsão gerada a biodiesel e tem um custo 50% menor do que o metrô", afirmou. O trecho do VLT para a linha de 18 quilômetros de Cajueiro Seco, em Jaboatão dos Guararapes, ao Cabo de Santo Agostinho, deverá entrar em operação até o fim deste ano. Ao todo, serão sete veículos. Outro trecho em estudo é da Cidade de Garapu, no Cabo, ao Complexo de Suape. São mais 12 quilômetros de linha.

O historiador Leonardo Dantas defende que o fim dos bondes trouxe prejuízo funcional e patrimonial. "Em vários lugares do mundo os bondes ainda funcionam. Aqui, desapareceram. Somos a terra do já teve", criticou. Segundo o professor César Cavalcanti, o sistema de bondes cumpriu um papel essencial no desenvolvimento das cidades, principalmente das capitais. "Esse sistema era muito importante. O mapa da capital pernambucana revelou o quanto a extensão do sistema ferroviário de bondes foi marcante naquela época", afirmou.

Fonte: Diário de Pernambuco

READ MORE - Recife: A falta que os Bondes fazem

Salvador não está preparada para 2014


A cidade está quase parada. Em uma cidade onde rodam cerca de 700 mil veículos particulares, como Salvador, engarrafamentos já se tornaram cena comum a qualquer hora do dia. “Realmente, isso é fruto de uma frota muito grande, que cresce 6% ao mês”, afirma o diretor de trânsito da Superintendência de Trânsito e Transporte de Salvador (Transalvador), Armando Yokoshiro.

João Henrique confirmou a conclusão, em tempo hábil, de grandes projetos viários, entre eles o Transalvador, que integrará vários modais de transportes, ampliando a capacidade de mobilidade urbana da primeira capital do Brasil. “O projeto será iniciado ainda este ano, pelo corredor central da Avenida Paralela, fazendo a integração com o sistema de transporte metroviário que conduzirá a população até a Arena Olímpica, atual Fonte Nova”, explicou.

O prefeito ressaltou também que, além da mobilidade urbana, a capital estará preparada para hospedar os atletas e os torcedores que assistirão aos jogos. “Praia do Flamengo e Stella Maris, por exemplo, ganharão nos próximos cinco anos novos empreendimentos da rede hoteleira, obedecendo aos critérios do PDDU (Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano do Salvador)”.

Fonte: MUITO

READ MORE - Salvador não está preparada para 2014

Estação do metrô em Botafogo fecha mais um acesso e reabre outros dois


Mais um acesso da estação do metrô em Botafogo, na Zona Sul do Rio, será fechado para obras de reforma. Segundo a concessionária Metrô Rio, a partir de segunda-feira (13), o acesso da Mena Barreto ficará interditado por 45 dias.

No mesmo dia, os acessos da Muniz Barreto e da Voluntários da Pátria, que foram interditados no final de julho, serão reabertos.

Segundo a concessionária, para chegar à estação, os usuários poderão usar outros dois acessos: São Clemente/Praia e Nelson Mandela. Já o acesso da São Clemente/Humaitá está interditado desde 27 de agosto, e a previsão é que seja reaberto a partir de 27 de setembro.

Ainda de acordo com a concessionária, o investimento será de R$ 4,9 milhões e a obra prevê também a revitalização das áreas comuns e das bilheterias da estação. A expectativa é que a reforma seja concluída até o fim do ano.

Fonte: G1.com

READ MORE - Estação do metrô em Botafogo fecha mais um acesso e reabre outros dois

Prefeitura de Anápolis lança projeto City Tour


A Prefeitura de Anápolis, através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico/ Diretoria de Turismo, lançou na última terça-feira, 07, o projeto City Tour, durante o tradicional desfile de Independência. A inovação se refere a um ônibus que irá visitar os principais pontos da cidade, a fim de demonstrar o potencial turístico da cidade.

O ônibus City Tour possui acomodação para 22 pessoas sentadas, equipado com aparelho de som, tv, dvd, ar condicionado e sanitário. Sob coordenação e responsabilidade do Centro de Atendimento ao Turista (CAT), localizado na Praça Dom Emanuel, o city tour poderá ser agendado neste local, com uma previsão de roteiros que contemplam as diversas opções que a cidade oferece como Daia, Base Aérea, parques, praças e demais pontos culturais.

Segundo o diretor de Turismo, Jackson Charles, o projeto City Tour terá um papel importantíssimo na consolidação do Turismo de Negócios e eventos em nossa cidade. “É um importante instrumento colocado à disposição do setor turístico no município, além de apoiar empreendimentos do ramo, como hotéis, empresas, e demais componente do trade turístico local e, principalmente, fortalecer o turismo receptivo”, declara.

Fonte: Prefeitura de Anápolis

READ MORE - Prefeitura de Anápolis lança projeto City Tour

Rio de Janeiro: Linhas do Metrô na Superfície ganham ônibus acessível


A concessionária Metrô Rio a partir de segunda-feira, vai oferecer nas linhas do Metrô na Superfície dois novos ônibus totalmente acessíveis. As linhas Botafogo-Gávea e Ipanema/General Osório-Gávea que já dispõem de dois veículos com elevador para acesso a pessoas com deficiência motora ganham agora dois ônibus do conceito Low Entry (Piso Baixo), com uma rampa de acesso entre o piso do ônibus e a calçada. Esses novos veículos dispensam o uso do elevador, facilitando o rápido acesso ao veículo.

Os novos ônibus também já dispõem do balaústre táctil onde o deficiente visual terá informação de como entrar e sair do ônibus e do local destinado a assento para deficientes. Além do acesso, os novos ônibus contam com suspensão a ar, vidros panorâmicos, câmbio eletrônico e motor traseiro, o que proporciona baixo nível de ruído em seu interior e maior conforto diante de obstáculos como irregularidades no asfalto.

A frota das linhas do Metrô na Superfície dispõe de 32 ônibus, quatro já com acessibilidade. Os demais receberão balaústre táctil até o fim do ano. Os dois veículos novos foram especialmente fabricados para a empresa, contemplando a combinação de projetos de ônibus acessíveis desenvolvidos para Chile e México.

Fonte: O Dia

READ MORE - Rio de Janeiro: Linhas do Metrô na Superfície ganham ônibus acessível

Manaus: Prefeito anuncia licitação para transporte coletivo


O prefeito Amazonino Mendes anunciou na noite da última sexta-feira, 10, que já assinou o documento para dar início ao processo licitatório para o transporte público. O anúncio ocorreu durante seu discurso para centenas de pessoas que participavam da festa de encerramento do programa “A Prefeitura Trabalha” no bairro Zumbi II.

Segundo o prefeito é chegada a hora de fazer uma mudança do transporte público, pois as empresas estão falidas e cheias de problemas, prejudicando a população. “Hoje, assinei o documento que vai permitir fazer a concorrência para novas empresas de ônibus venham para Manaus. Vamos libertar a nossa cidade dessas empresas, que não souberam se comportar dignamente”, anunciou.

Amazonino explicou que até junho de 2011, Manaus deve receber mil ônibus novos, porém fez questão de esclarecer que o problema do transporte não será resolvido apenas com isso. “Temos que resolver outros problemas como, ordenamento das paradas, ordenação do índice de passageiros por quilômetros, e realizar novos planejamentos de linhas. Para isso é necessário muita engenharia para se fazer e reorganizar isso” , explicou.

Ele disse também, que esse trabalho será apenas a primeira fase para a otimização do sistema, que deverá dar um grande salto de qualidade até a copa de 2014. Amazonino referiu-se ao Bus Rapid Transit- BRT, sistema de transporte que será adotado em Manaus. “Logo depois dessa etapa, vem outra para aperfeiçoar o sistema. Como Manaus será sede da copa, temos obrigação de fazer um sistema quase que prefeito, que chama-se BRT, um sistema moderno, implantado em Bogotá na Colômbia e em Curitiba. Mas isso é trabalho para 2 ou 3 anos” esclareceu.
Fonte: Prefeitura de Manaus

READ MORE - Manaus: Prefeito anuncia licitação para transporte coletivo

SPTrans prolonga itinerário de linha da zona leste

A SPTrans informa que a partir do dia 25 de setembro, a linha 3764/10 – Santa Bárbara – Metrô Tatuapé terá o seu itinerário prolongado e o seu terminal de partida, que antes tinha como terminal de parada a Rua Via Láctea, será alterado para a Rua Renato Pereira, de forma que atenda aos moradores do bairro Jardim Vila Carrão, na zona leste. Ressaltamos também que, com a medida, o serviço passará a operar nos dias úteis, sábados e domingos e terá alteração na sua denominação para “Jd. Vila Carrão – Metrô Tatuapé”.

Para informações sobre os trajetos de linhas de ônibus consulte itinerários ou ligue 156.

Linha e itinerário:

3764/10 Jd. Vila Carrão – Metrô Tatuapé
Ida: Rua Renato Pereira, Av. Bassano Del Grappa, Av. Mariana de Souza Guerra, Rua Eurícledes Zerbini, Rua Maciel Aranha, Rua das Estrelas, Rua Andrômeda, Rua Galáxia, Rua Nebulosa, Rua Sírius, prosseguindo normal.
Volta: normal até a Rua Via Láctea, Rua Nebulosa, Rua Galáxia, Rua Andrômeda, Rua das Estrelas, Rua Projetada 5, Av. Bassano Del Grappa, Av. Mariana de Souza Guerra, Rua Eurícledes Zerbini, Rua Renato Pereira.

Fonte: SPTrans

READ MORE - SPTrans prolonga itinerário de linha da zona leste

Quando o Recife andava de bonde


Nas ruas estreitas do Bairro do Recife ainda é possível encontrar os trilhos da antiga linha férrea que trazia os bondes para o centro da cidade. Na Avenida Rui Barbosa, nas Graças, a Estação Ponte d' Uchôa está lá, intocável. Marcas da história. Referências ao meio de transporte mais popular do século 19. Pelo menos 100 cidades brasileiras utilizavam esse tipo de transporte.
Mesmo eficiente, o modelo praticamente desapareceu e são raros os casos ainda existentes. Em geral, funcionam como atrativos turísticos e não exatamente como transporte de massa. Mais de meio século depois que saíram de cena, outra modalidade ferroviária, além do metrô, começa a surgir, o chamado Veículo Leve Sobre Trilho (VLT), que vai atender a linha entre Cajueiro Seco e Cabo de Santo Agostinho. O trecho é de apenas 18 quilômetros. No entanto, se depender da disposição dos operadores, há fôlego para mais. Inclusive como alternativa na área urbana.

Enquanto o futuro não chega, o passado recontaa história. O primeiro bonde brasileiro surgiu no Rio de Janeiro e era puxado a burro no ano de 1852. No Recife, há registros de que a primeira linha a vapor foi inaugurada em 1867 e ligava o Porto do Recife ao bairro de Apipucos. A linha foi depois estendida para os bairros de Dois Irmãos e Caxangá. Somente em 1870 foi criada a linha do município de Olinda ao bairro de Beberibe, no Recife. A capital pernambucana foi uma das últimas a instalar os bondes elétricos. A primeira linha elétrica ligou os bairros de Santo Antônio e Boa Vista. Foi inaugurada em 1914.

Mais modernos, os trens elétricos inauguraram uma nova fase no transporte da cidade. De acordo com as pesquisas históricas, muitos bondes abertos foram reconstruídos como modelos fechados de luxo para uma nova linha até a Praia de Boa Viagem, inaugurada em 1924. Na década de 1920, a Pernambuco Tramways operava 130 veículos motorizados e 110 reboques em 141 quilômetros de linhas, o terceiro maior sistema urbano de bondes do Brasil. Em Pernambuco, além do Recife, outras 11 cidades chegaram a contar com serviços de bonde: Afogados da Ingazeira, Arcoverde, Carpina, Caruaru, Garanhuns, Goiana, Limoeiro, Palmares, Pesqueira, Timbaúba e Triunfo. Uma rota que havia sido planejada para Jaboatão nunca foi construída.

Fonte: Diário de Pernambuco

READ MORE - Quando o Recife andava de bonde

Usuários de São Luís aguardam aumento da frota de ônibus


O aumento tarifário médio de 21,59% no sistema de transporte coletivo de São Luís completará sete meses de vigência amanhã, dia 13, e a população ainda não conseguiu sentir os benefícios desse aumento. A principal justificativa para a majoração das tarifas de transporte coletivo ainda não foi completamente cumprida pela Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SMTT) e pelo Sindicato das Empresas de Transportes coletivos da Capital (SET), ou seja, não houve aumento na frota de coletivos.

Em fevereiro desse ano, a prefeitura condicionou o aumento da passagem à incorporação de mais 300 ônibus à frota da Capital. Para o Ministério Público Estadual (MP), três meses depois do acordo, a SMTT informou que a Capital tinha 902 veículos em operação. Na ocasião, São Luís tinha um déficit de pelo menos 200 ônibus. Com a incorporação de mais 300 carros à frota, o número passaria para aproximadamente 1.200 veículos.

Até o momento, conforme informações da SMTT, 121 novos veículos dos 300 prometidos já entraram no sistema e, conforme dados fornecidos pela secretaria, a frota operante hoje seria de 1.011 veículos. Ou seja, de acordo com dados da SMTT, a frota operante antes do processo de expansão era de 890 veículos e não 902, como informou o órgão ao MP na fase de implementação do projeto. Segundo a prefeitura, a inclusão está “de acordo com o cronograma estabelecido e sendo fiscalizado pela SMTT”.

Depois de sete meses do aumento das passagens de ônibus, ainda faltam ser incorporados 209 veículos para que o compromisso feito entre Prefeitura e empresas seja cumprido. Pelo próprio cronograma da SMTT apresentado à Câmara de Vereadores em fevereiro, pelo menos 221 veículos já deveriam ter sido incluídos no sistema até o fim do mês passado, mas apenas 54% dos ônibus que deveriam estar nas ruas foram, de fato, incorporados à frota.

O prazo que a Prefeitura deu a SET para fazer as mudanças expira no fim do ano. A Prefeitura alegou que, caso não sejam incorporados os novos veículos à frota, as permissões de exploração de serviços de transporte coletivos às empresas que hoje operam em São Luís serão canceladas.

Empresários do setor não tratam oficialmente, mas existe um consenso de que o processo de recomposição da frota de São Luís era necessário, mas precisava ser implementado de uma melhor forma, com um prazo maior aos donos de empresas. A questão, nesse caso, é considerada técnica. A compra de um único coletivo demora até 120 dias e, no início do ano, as fabricantes de chassi tiveram dificuldades em entregar vários pedidos em decorrência da alta demanda em todo o Brasil. Há, ainda, empresários que somente agora têm condição financeira para comprar novos veículos. Ou seja, é muito provável que, até o fim do ano, nem todos os 300 ônibus prometidos pela Prefeitura estejam rodando.

Apesar disso, os empresários afirmam que já houve algumas mudanças. “Não dá para quantificar, mas muitas empresas já colocaram novos coletivos. Tanto que a idade média da frota já diminuiu. Ainda não conseguimos mensurar o quanto”, disse o superintendente do Sindicato das Empresas de Transporte de São Luís, Luís Cláudio Siqueira. Antes da incorporação de alguns desses ônibus, o tempo de frota de São Luís era de 7 anos - uma das mais velhas do Brasil. Hoje, conforme a SMTT, a frota tem idade média de 6,6 anos.

Quantidade de coletivos é insuficiente em horário de pico

Enquanto a quantidade prometida de coletivos não é incorporada à frota, a população sofre com a superlotação em muitas linhas. Passageiros são obrigados a ficar até uma hora esperando nas paradas e terminais em horário de pico para ir à escola ou ao trabalho.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Município de São Luís (STTREMA), Dorival Silva, afirmou que as maiores reclamações que ele recebe sobre demora de ônibus são dos bairros Cidade Operária e Cohatrac. Na Cidade Operária, o ponto crítico para os passageiros está em uma parada nas proximidades da delegacia do bairro; no Cohatrac, a pior parada também fica próxima à delegacia do bairro. “As pessoas reclamam que precisam ligar para seus chefes porque, normalmente, demoram muito para conseguir pegar um ônibus”, afirmou Dorival Silva.

A doméstica Conceição de Maria Rodrigues sofre diariamente. Ontem, ela demorou cerca de 50 minutos para conseguir pegar um ônibus da Cidade Operária com destino ao São Francisco. Moradora da unidade 105, ela chegou ao ponto de ônibus por volta das 6h40 e às 7h20 ainda esperava pelo coletivo. “Todos os que passam por aqui estão lotados. É complicado pegar um deles”, comentou.

Na Avenida Jerônimo de Albuquerque, no Angelim, o vendedor Ricardo Almeida Martins tem cerca de oito opções para sair do Angelim em direção ao Vinhais. Das 6h50 às 7h20, ele não consegue pegar ônibus por causa da superlotação. “Ou eu chego muito cedo ao trabalho ou muito tarde. Não tenho um meio-termo. É muito complicado”, assinalou o vendedor.

fonte: Imirante.com

READ MORE - Usuários de São Luís aguardam aumento da frota de ônibus

Mauá tem melhora no transporte público


O transporte público de Mauá vive novos tempos. E para melhor. A garantia é do secretário de Mobilidade Urbana, Renato Moreira. Segundo ele, a mudança recentemente implantada, com combinação de linhas, possibilita maior número de veículos à disposição, com alguns dos trajetos sendo contemplados com menor intervalo entre os carros. Não há mágica, apenas readequação da estrutura do sistema.

"Juntamente com a secretaria de Planejamento, Josiane Francisco da Silva, estamos elaborando plano de mobilidade urbana para adequar Mauá aos tempos atuais, onde temos frota de 150 mil veículos, isso sem contar a flutuante. A cidade cresceu e precisa de modificações", afirma Moreira.

O primeiro passo, portanto, foi modificar o sistema Radial, onde todas as linhas desembocavam no Terminal Central. "O jeito que estava tínhamos um nó. Por ser o terminal muito próximo na estação da CPTM, com intenso movimento de usuários justamente no local que anteriormente era ponto de parada mais longa dos ônibus, onde o motorista ia tomar café, bater papo, namorar. O passageiro descia do trem, entrava no coletivo e cadê o motorista? Agora, o terminal é estação de transferência, com a parada final passando para o bairro", explica o secretário.

Com isso, assegura ele, não há como o passageiro alegar que ficou duas horas esperando. Segundo planilha da secretaria, a antiga linha Oratório-Centro, por exemplo, que dispunha quatro micro-ônibus em intervalos de 12 minutos, agora é formada pelo trajeto Bógus-Oratório, via Centro, com seis veículos e o mesmo tempo de circulação. Já o Olinda Vila Campo Verde-Centro, com 16 minutos e três micros, passou a ser Paranavaí-Olinda, via Campo Verde, com sete carros e intervalos de 12 minutos.

Moreira revela também que Mauá, justamente para fiscalizar o cumprimento do proposto, é a primeira cidade do Grande ABC a ter GPS no sistema de transporte público. "Não é para rastrear, mas para controlar o cumprimento do contrato das empresas. Por isso, não há como o usuário alegar que ficou duas horas esperando o ônibus. Nem em situações de calamidade ou tragédia isso ocorreria. No máximo, o dobro do tempo dos intervalos normais. Quando algum veículo quebra, já avisamos a empresa."

Com o Terminal Central operando a partir de agora como estação de embarque e desembarque, o item ‘descumprimento de horário'', apontado em todas as pesquisas de análise do sistema como a maior reclamação do usuário, aparentemente deixa de existir. Para que as empresas cumpram o estabelecimento, a administração pública conseguiu a aprovação do 1º Regulamento de Multas, distribuído e aceito pelos participantes do sistema, e que possibilita à Prefeitura a ferramenta legal para intervir em caso de descumprimento.

Por isso, o secretário de Mobilidade Urbana não está preocupado se a Leblon, vencedora da licitação do lote 2, terá ou não bilhetagem eletrônica compatível ao sistema atual. Para ele, o documento da empresa em que o fabricante da tecnologia confirma ter um adaptador para a bilhetagem existente, é a que vale, embora a própria ProData tenha emitido, posteriormente, outro ofício desmentindo o primeiro. "Nessa questão, cumprimos o que a Justiça determina. E ela deu a vitória para a Leblon. O documento existente no processo licitatório é o que atesta capacidade de se adequar. O outro, em mãos dos concorrentes desclassificados, não está protocolado na comissão, portanto, não é oficial."

Diante desse posicionamento, Renato Moreira garante que o usuário do transporte público não será lesado quando a Leblon entrar em operação, no final de outubro. "Ela diz que faz. Está documentado e eu, como disse, obedeço a lei. Se lá para frente os recursos em trâmite reverterem a decisão atual, acataremos igualmente. E se ela ou qualquer outra operadora não cumprirem o determinado no contrato, estamos amparados pelo Regulamento de Multas para até intervir e romper o convênio assinado", finaliza o secretário.

Fonte: Diário do Grande ABC

READ MORE - Mauá tem melhora no transporte público

Trens, barcas e metrô terão integração com Bilhete Único Carioca

Foi definido para o dia 30 de novembro o início da integração do Bilhete Único Carioca com trens, metrô e barcas. Até lá, o governo do Rio de Janeiro e a prefeitura da cidade irão definir os valores das passagens, que devem ser diferentes para integrações de ônibus com ônibus - que pelo Bilhete Único Carioca será de R$ 2,40 – ônibus com trem e ônibus com metrô.

Com isso, o Bilhete Único do município do Rio passa a ser integrado com o Bilhete Único intermunicipal.

O Bilhete Único Carioca começa a valer no dia 30 de outubro. Essa data marca também o início da operação do transporte de passageiros de ônibus na capital pelos consórcios vencedores da licitação feita pela prefeitura. Os contratos serão assinados pelas concessionárias no próximo dia 17 de setembro.

Entenda como funciona o Bilhete Único Municipal
Os passageiros cariocas que precisam pegar duas conduções poderão utilizar o Bilhete Único municipal e vão pagar apenas R$ 2,40 por duas passagens.

O Bilhete Único já existe no estado do Rio desde fevereiro e beneficia quem precisa pegar duas conduções para chegar ao local de destino. Quem já possui o cartão paga o valor máximo de R$ 4,40 por duas passagens a serem utilizadas num prazo de 2 horas e meia em transporte público intermunicipal.

Fonte: G1.com

READ MORE - Trens, barcas e metrô terão integração com Bilhete Único Carioca

Usuários do transporte de Marília creem na manutenção da tarifa da Circular


Os usuários da Circular não acreditam que a empresa reduza o valor da passagem, conforme propõe ação do Ministério Público. Valor de R$ 2,30 teria que ser reduzido para R$ 2,10 sob pena de multa de R$ 50 mil por dia.

Ação civil pública também responsabiliza a prefeitura, já que o prefeito Mário Bulgareli deu parecer favorável ao aumento após as polêmicas votações do SAF (Sistema Auxiliar de Fiscalização do Transporte Coletivo de Marília), ocorridas nos dias 28 de maio e 1º de junho.

Para a costureira Maria Helena Vieira, 47, caso a justiça acate a ação e determine a redução da tarifa, a Circular vai desrespeitar a ordem judicial do mesmo jeito que destrata os seus clientes.

“Somos ignorados pela empresa e acho que ela dará à Justiça o mesmo tratamento que dão para nós. Tenho certeza que, mesmo com a mais alta multa, o valor de R$ 2,30 será mantido”, diz.

Já a auxiliar de serviços gerais, Aparecida da Silva Antônio, 38, lembra a recente disputa entre a Circular e a Justiça para dar a sua opinião.

“Há pouco tempo, uma decisão obrigava a empresa a reduzir o valor da taxa, mas esta queda foi sendo adiada. Quando o preço caiu, já estava tudo planejado para eles terem um novo aumento”, afirma.

Votações do SAF que autorizou último aumento foram decisivas para a ação do MP. No dia 28 de maio, a representante dos idosos, Aparecida da Silva, foi impedida de votar. Ela daria parecer favorável à manutenção da tarifa (na época, R$ 2,10), mas sem seu voto, a contagem terminou empatada em cinco votos.

Já no segundo encontro realizado às pressas, dia 1º de julho, membros favoráveis ao novo aumento não esperaram os oposicionistas, votaram e decretaram o novo aumento. No dia seguinte, Bulgareli decretou a nova tarifa.

Fonte: Jornal Diário

READ MORE - Usuários do transporte de Marília creem na manutenção da tarifa da Circular

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960