Guarulhos: Obras de terminais urbanos devem começar em setembro

quarta-feira, 18 de agosto de 2010


As obras de construção dos terminais de ônibus urbanos do Pimentas e do Jardim São João serão iniciadas no mês de setembro. É o que afirmou nesta terça-feira o prefeito Sebastião Almeida (PT) durante evento no Adamastor Macedo, em que foram formalizados convênios de concessão e permissão para a nova rede de transportes na cidade.
Almeida, juntamente com o secretário municipal de Transportes e Trânsito, José Evaldo Gonçalo, mencionou ainda que a conclusão da obra é prevista para fevereiro ou março de 2011. O orçamento das obras não foi mencionado.
Os terminais do Parque Cecap e do Taboão, sob responsabilidade da Empresa Metropolitana de Transporte Urbano (EMTU), também têm previsão de ficarem prontos no início de 2011 segundo o prefeito. "Temos ainda o terminal urbano rodoviário, que estará pronto no fim do ano, completando o total de cinco terminais entregues à cidade até o início do ano que vem", argumentou.
Novo sistema - Durante o evento, foram assinados os convênios com as três concessionárias, Campo dos Ouros, Vila Galvão e Guarulhos S.A., as quais, com a implantação do novo sistema de transporte urbano, passarão a operar com os ônibus a partir dos terminais até a região central da cidade.
Também houve a assinatura simbólica de termo entre a Prefeitura e os 301 permissionários que venceram a licitação, que deixarão de operar com lotações adotando os micro-ônibus. "No final deste ano já teremos o novo sistema e o bilhete único, que permitirá à população a integração entre os veículos municipais e intermunicipais", disse o secretário de transportes.



READ MORE - Guarulhos: Obras de terminais urbanos devem começar em setembro

Olinda ganhará terminal de ônibus integrado


A Região Metropolitana vai ganhar um novo terminal integrado, o primeiro em Olinda. O Terminal Integrado de Xambá será instalado na Avenida Presidente Kennedy, próximo à Estrada do Caenga. O nome é uma homenagem a uma comunidade quilombola que se encontra no local. A ordem de serviço foi assinada nesta terça-feira (17). O orçamento é de aproximadamente R$ 5,5 milhões.

O terminal atenderá os municípios de Olinda e Recife diretamente, além de beneficiar indiretamente os de Paulista, Igarassu e Abreu e Lima. O bairro de Rio Doce tem um terminal que interliga algumas linhas, mas ele não é considerado um terminal de integração, segundo o Grande Recife, já que não tem a possibilidade de usar diferentes ônibus usando a mesma passagem. Neste novo Xambá a área total construída será de 2.828 m² em um terreno de 9.948 m².

A previsão é que até 2012, o Sistema Estrutural Integrado (SEI), que foi implantado em 1992 tenha 23 terminais. Os recursos são oriundos do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC), da Caixa Econômica Federal e do tesouro estadual.

Desses 23 terminais, dois entraram em funcionamento em 2009, o Terminal Integrado Pelópidas Silveira, em Paulista e o Terminal Integrado do Cabo – José Faustino dos Santos, no Litoral Sul.

Fonte: JC Online


READ MORE - Olinda ganhará terminal de ônibus integrado

São Paulo: Metrô novo esvazia corredor de ônibus


Expansão das linhas deve obrigar prefeitura a reduzir número de coletivos que atendem a Santo Amaro e Ibirapuera. A expansão do metrô deve provocar um esvaziamento dos corredores de ônibus Ibirapuera e Santo Amaro. No primeiro, a redução da frota pode chegar à metade. No segundo, a quase 1/4.

A previsão é do estudo de impacto ambiental contratado pelo Metrô para a implantação do monotrilho da linha 17-ouro, que interligará a região do aeroporto de Congonhas a Jabaquara e Morumbi.

O principal impacto é previsto após a extensão da linha 5-lilás do metrô até a Vila Mariana e a Chácara Klabin, obra prevista para até 2014. A proposta de redução do número de ônibus que circulam pelos corredores exclusivos se deve à sobreposição.

Walter Sergio de Faria, coordenador técnico do projeto de estudo de impacto da linha 17 contratado pelo Metrô, diz que manter a mesma quantidade de coletivos no entorno das futuras obras sobre trilhos seria desperdício. "Não seria lógico. É tendência natural. Ônibus não pode ser concorrente", diz.

A SPTrans (órgão municipal que cuida do transporte coletivo) diz que irá aguardar a inauguração das estações para nortear mudanças. A SPTrans diz que, na avenida Paulista, os ônibus foram mantidos mesmo depois da construção do metrô. "

Todas as linhas que destinam ao centro da cidade terão alterações de frequência, pois sobrepõem em parte ao futuro traçado da linha 5-lilás e prosseguem por áreas não atendidas por esta linha", diz um trecho do documento de impacto ambiental que se refere a Santo Amaro.

A reorganização das linhas de ônibus é prevista também para as imediações da linha 4-amarela, que teve seu trecho de Faria Lima a Paulista entregue neste ano. A redução de coletivos nos corredores tende ainda a aumentar a pressão para a extinção das pistas exclusivas, devido à redução da demanda. A prefeitura não fala oficialmente na possibilidade.

Fonte: Folha de São Paulo


READ MORE - São Paulo: Metrô novo esvazia corredor de ônibus

Corredor de ônibus em Joinville ainda gera dúvidas sobre o uso das pistas


Parece que foi ontem, mas um dos corredores de ônibus mais polêmicos de Joinville, o da rua João Colin, no Centro, completou dois anos. O Instituto de Planejamento (Ippuj) avalia como positivo o benefício das faixas exclusiva. O temor dos lojistas arrefeceu, embora a classe ainda tenha críticas ao modelo. Mas dúvidas sobre os corredores ainda persistem.

Uma das maiores dúvidas dos motoristas é sobre se os táxis podem usar as faixas. — Pode, sim, trafegar no corredor de ônibus, esclarece o diretor de trânsito da Companhia de Urbanização (Conurb), Eduardo Bartniak Filho.

A autorização específica para os táxis está no segundo artigo do texto, que é do Decreto Municipal 15.088, de dezembro de 2008. É este documento que regulamenta todo o funcionamento dos corredores de ônibus na cidade.

Com base nesse texto, em explicações de Bartniak e do diretor executivo do Instituto de Planejamento de Joinville (Ippuj), Vladimir Constante, “A Notícia” procurou responder a algumas das principais dúvidas dos motoristas que convivem diariamente com o trânsito de Joinville.

As condutas no trânsito não dependem só de leis, mas do bom senso de quem está na direção. Na hora de converter à direita, onde há corredor, por exemplo, o motorista deve sempre sinalizar com antecedência, reduzir e não fazer movimentos bruscos, orienta Eduardo Bartniak.

UM DE CADA VEZ

Não corte a frente dos ônibus, nem pare bruscamente na pista dos carros. Isso vale para os motoristas de todos os tipos de veículos. E, se por acaso alguém se atrapalhar, também não é motivo para uma discussão. Seja cortês. Você também pode errar.

BOM SENSO

Como não é possível manter um fiscal de trânsito em cada esquina onde há corredores de ônibus, para avaliar todas as situações que envolvem outros tipos de veículos, a Conurb sugere a paciência e, principalmente, o bom senso por parte dos motoristas.

CDL SUGERE EXPERIÊNCIA COLOMBIANA

Mesmo que as ruas João Colin e Blumenau não tenham sofrido enfraquecimento do comércio como aconteceu na avenida JK, onde está o corredor pioneiro de Joinville, o presidente da CDL, Raulino Esbiteskoski, é um crítico das faixas exclusivas pelo Centro. Ele insiste que houve perda aos lojistas do Centro, principalmente de estacionamentos.

Sobre a ampliação do corredor na 9 de Março, também é categórico. — A obra só sai se a Prefeitura apresentar um projeto à altura —, afirma. Esse projeto seria algo parecido com o que empresários e gestores públicos conheceram em viagem a Bogotá, na Colômbia, no começo do ano.

— Uma rua fechada aos carros, com calçadas largas, árvores, bancos e um corredor de ônibus no meio, de concreto e não que arrebente facilmente, como o da Blumenau —, exemplifica. O diretor executivo do Ippuj reconhece a necessidade de substituir o asfalto por concreto na Blumenau, mas diz que a Prefeitura ainda busca recursos para a melhoria.

OUTRAS INFRAÇÕES

O fato de poder – ou não poder – andar no corredor de ônibus não deve ser motivo para cometer outros tipos de infrações, como transitar em alta velocidade ou usar o corredor para ultrapassar outros veículos, pela direita.

GRANDES X PEQUENOS

Por lei, bicicletas devem andar na faixa de rolagem dos carros, mas como seria mais perigoso, a Conurb permite que ciclistas circulem, com cuidado, nos corredores onde não há ciclovias. Novamente, cabe o bom senso do motorista e do ciclista.



READ MORE - Corredor de ônibus em Joinville ainda gera dúvidas sobre o uso das pistas

Brasília debate sistema de ônibus rápido para cidades-sede


A implantação do Bus Rapid Transit (BRT) em nove das 12 sedes da Copa Mundo de 2014, receberá investimentos de R$ 20 bilhões do governo federal para obras e de R$ 2 bilhões da iniciativa privada para compra dos ônibus articulados que circularão em vias expressas. As cidades-sede que decidiram usar o sistema são Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Curitiba, Natal, Fortaleza, Recife, Salvador e Cuiabá. Em Brasília, São Paulo e Manaus não há previsão para implantar esse tipo de transporte de massa .
Este é o principal tema de discussões do seminário “Transporte de qualidade para uma vida melhor”, que ocorre nesta terça-feira (17) em Brasília, organizado pela Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU). Tema que ganha importância com a decisão do governo federal de incluir o BRT no chamado PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) da mobilidade urbana, para garantir a execução dos projetos dentro dos prazos estabelecidos para o Mundial, ao longo dos próximos três anos.
Para demonstrar as vantagens do BRT sobre outros meios de transporte, como o metrô convencional e o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), um tipo de metrô de superfície, que será adotado em Brasília, a NTU trouxe da Colômbia os dois principais administradores do Transmilenio, o BRT de Bogotá. O sistema funciona desde 2001 e hoje transporta 1,6 milhão de passageiros por dia, sendo 45 mil por hora em cada sentido. Mas o Brasil foi pioneiro no sistema na América do Sul, com o BRT de Curitiba, implantado nos anos 1970.
De acordo com o presidente da NTU, Otávio Vieira da Cunha Filho, o custo de implantação do BRT representa 10% do custo de instalação do metrô e chega a ser quatro vezes mais barato do que o do VLT. Além disso, o prazo para implantação também é menor, 18 meses, enquanto o do VLT é de quatro anos (se não houver desapropriações) e o do metrô pode chegar a 20 anos.
Para o presidente da NTU, o momento é favorável devido aos compromissos assumidos pelo governo federal para a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016. “Dos R$ 20 bilhões do PAC da mobilidade urbana, R$ 6 bilhões já estão alocados pelo governo federal, com mais R$ 3 bilhões de contrapartida dos estados e municípios, para essa fase inicial em que serão [implantados] 20 corredores em nove cidades-sede da Copa”.
Além de Belo Horizonte, que está construindo quatro corredores expressos para o BRT, Cunha Filho disse que Recife e Goiânia já têm projetos prontos e recursos para iniciar as obras. A iniciativa privada vai bancar a compra dos ônibus e a manutenção das estações. Cada veículo deve custar cerca de R$ 600 mil. Para atender as nove cidades-sede da Copa que optaram pelo sistema seria preciso montar uma frota de 1,5 mil ônibus, o que representaria um investimento de aproximadamente 2 bilhões.
A palestra de abertura do seminário teve como tema “Transmilenio: mudança da qualidade de vida em Bogotá”. Falaram sobre o assunto Arturo Fernando Rojas Rojas, gestor governamental do BRT na capital colombiana, e Victor Raul Martinez, executivo da operadora privada do sistema, que circula numa extensão de 82 quilômetros (km) em Bogotá. Eles procuraram mostrar como o BRT representou uma solução de baixo custo para o transporte de massa da cidade de 7 milhões de habitantes e 2,6 mil metros de altitude, com melhoria do trânsito, passagens mais baratas, menos poluição do ar e velocidade média de 25 quilômetros por hora (km/h), contra 8 km/h dos ônibus convencionais.

Fonte: DCI


READ MORE - Brasília debate sistema de ônibus rápido para cidades-sede

Candidatos ao governo de SP prometem melhorar transporte


Os candidatos ao governo do Estado de São Paulo Aloizio Mercadante (PT), Celso Russomanno (PP) e Geraldo Alckmin (PSDB) prometeram, no quinto bloco do debate Folha-UOL, nesta terça-feira (18), uma atenção especial ao transporte público.
Questionado por um morador de São Caetano do Sul, no ABC Paulista, sobre seus projetos para a melhoria do trânsito na região e na capital paulista, Mercadante aproveitou para atacar o adversário tucano, Geraldo Alckmin.
"O governo do PSDB nesses 16 anos não cumpriu o que prometeu, como qualidade do metrô e modernização da linha da CPTM. Em dois anos, dobramos a capacidade de transporte da CPTM. Trinta quilômetros de metrô nós vamos ter que fazer, principalmente por causa da Copa, precisamos priorizar o desenvolvimento do metrô. Vamos dar prioridade ao transporte coletivo de São Paulo", disse o petista. "Até agora o PSDB não conseguiu encaminhar nada do que prometeu. Estamos em agosto e não sabemos nem onde vai ser a Copa", afirmou.
Alckmin retrucou as críticas do adversário dizendo que em seu governo foi construída a linha 5 do metrô e que uma obra, até a Chácara Klabin, está em construção. "Vamos integrar o trem que vem do ABC ao metrô", acrescentou.
O candidato do PP Celso Russomanno também prometeu transportes públicos de qualidade para os moradores do ABC Paulista se locomoverem à capital. "Vou verificar a quantidade de ônibus nos horários de pico. Quem anda de carro leva multa se não usa cinto de segurança, mas as pessoas saem carregadas, penduradas em cima de ônibus e ninguém faz nada", disse.
Questionado sobre o apoio do deputado federal Paulo Maluf à sua candidatura - relembrando quando o ex-prefeito pediu votos à Celso Pitta - Russomano lembrou que Maluf já apoiou chapas do PT e do PSDB e ainda fez questão de elogiar o ex-prefeito. "Ninguém pode negar que ele sempre foi um bom administrador, fez muito para São Paulo, quando construiu o aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, estava pensando em 20 anos na frente e foi muito contestado."

Fonte: Folha UOL



READ MORE - Candidatos ao governo de SP prometem melhorar transporte

Em Curitiba, Promessa do Metrô ficou no papel


Uma das principais promessas de Beto Richa quando foi reeleito prefeito de Curitiba em 2006 foi o metrô na capital. A proposta, no entanto, durou pouco. No fim do ano passado, o então prefeito Beto Richa se reuniu com o ministro do Planejamento Paulo Bernardo para tentar incluir a obra do metrô no PAC da Copa, mas não teve sucesso. O governo federal propôs que Curitiba financiasse toda a obra e ofertou R$ 960 milhões em financiamentos.

A prefeitura afirmou que não teria condições de bancar o projeto sozinha e admitiu que a cidade não teria o metrô para a Copa de 2014.Em julho de 2007, a prefeitura de Curitiba lançou edital para a elaboração dos estudos preliminares para implantação do metrô. No entanto, apesar de 44 empresas terem demonstrado interesse, nenhuma entregou documentação para participar da licitação.

Em dezembro do mesmo ano, a prefeitura lança novo edital. Em abril de 2008 o processo licitatório foi suspenso por determinação judicial. Em janeiro de 2009 a justiça autoriza a retomada da licitação do projeto básico de engenharia e dos estudos de impacto ambiental. Em março de 2009 foram assinados os contratos entre a Prefeitura Municipal de Curitiba e as empresas que venceram a concorrência pública para a realização dos estudos e projetos de engenharia para a construção do metrô de Curitiba (lote 1) e o Estudo de Impacto Ambiental e o Relatório de Impacto ao Meio Ambiente - EIA-Rima (lote 2).

Em julho de 2009 dá-se início ao processo de sondagem do subsolo, para determinar a profundidade que deverá passar a primeira linha do metrô curitibano. Os estudos continuam, mas não há previsão para o financiamento da obra.

Fonte: Bem Paraná


READ MORE - Em Curitiba, Promessa do Metrô ficou no papel

Campinas: Terminal Vila União ganhará estacionamento para ônibus


Atendendo reivindicação da população, a Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (EMDEC) iniciou obras para a construção de um estacionamento para ônibus, numa área ao fundo do Terminal Vila União, na semana passada. O novo estacionamento poderá abrigar até 10 ônibus.
Esses veículos ficavam na rua do Terminal, sobretudo, no horário de almoço dos motoristas, fim de jornadas (rendição) ou troca de motoristas, trazendo problemas à circulação, uma vez que havia ocupação de uma faixa da Rua Dusolina Leone Tourniex.
A construção do estacionamento só foi possível graças à cessão de um terreno de mil metros quadrados, de propriedade da Secretaria de Cidadania, Assistência e Inclusão Social, que cedeu o espaço para uso da EMDEC.
Segundo a EMDEC, os trabalhos de terraplanagem no local já foram iniciados na quarta-feira, dia 11 de agosto. A área receberá muros e pavimento em pedriscos para a circulação dos veículos.
O estacionamento deve ser concluído até o final do mês de agosto.
Saiba mais:Inaugurado em novembro de 2000, o terminal recebeu, em março desse ano, obras de revitalização. Na ocasião, o Vila União ganhou nova reconfiguração no trajeto dos ônibus, com acessos exclusivos para entrada e saída dos veículos. O prédio administrativo e a guarita foram reformados, recebendo novas instalações elétricas e hidráulicas; e nova pintura.
As vias foram recapeadas; as plataformas elevadas para embarque e desembarque em nível, e o Terminal recebeu piso podotátil (alerta e direcional). O Terminal também ganhou duas lombofaixas, ampliando a segurança na travessia de pedestres. Foram ainda instalados gradis de proteção; e um conjunto semafórico a LED com temporizador na regressiva, que mostra ao pedestre quanto tempo resta para a conclusão da travessia em segurança. As sinalizações horizontais e verticais foram recuperadas e reforçadas.
Pelo terminal, passam todos os dias cerca de 30 mil pessoas, que acessam 8 linhas do transporte urbano, com ponto de parada no local.

Fonte: EMDEC


READ MORE - Campinas: Terminal Vila União ganhará estacionamento para ônibus

Metrô está fora dos trilhos em Salvador, BH e Recife


As obras de construção dos metrôs de Salvador, Belo Horizonte e Recife enfrentam muitos problemas, como disse o candidato do PSDB à Presidência, José Serra, na entrevista ao "Jornal Nacional", na quarta-feira à noite. Serra explicou que só é a favor do trem-bala entre Rio e São Paulo se a obra for realizada integralmente com recursos privados, pois prefere investir o dinheiro público na conclusão dos metrôs.

Em Salvador, o metrô, lançado em 2000, foi orçado em R$ 325 milhões e tinha previsão de conclusão em três anos e meio. Má gestão, superfaturamento, desvio de recursos e alterações no projeto impediram que, até o momento, o metrô tenha começado a funcionar. Após sucessivos adiamentos, a nova previsão é que os trens circulem no início de 2011. A obra já consumiu R$ 585 milhões, sendo R$ 459 milhões federais e R$ 125 milhões estaduais. A previsão inicial era construir 11,6 quilômetros de linhas, mas o projeto foi reduzido para 6 quilômetros. Poucos creem que possa resolver os engarrafamentos, pois seu traçado passa por só um dos grandes corredores de Salvador.

O Tribunal de Contas da União chegou a suspender a liberação de recursos, por ter identificado problemas como um sobrepreço de R$ 110 milhões na obra. No início deste ano, o Ministério Público Federal propôs a ação por improbidade administrativa contra seis construtoras e 11 ex-gestores por suspeita de irregularidades, inclusive na licitação. O metrô de Salvador é apelidado de ferrorama pelos moradores, porque uma parte dos trilhos fica suspensa, a céu aberto.

Em Belo Horizonte, a obtenção de recursos do governo federal para a conclusão das linhas 2 (Barreiro-Santa Tereza) e 3 (Pampulha-Savassi) do metrô é um objetivo jamais alcançado pelo prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda (PSB), e pelo ex-governador Aécio Neves (PSDB).

Hoje, a cidade possui apenas a linha 1, que liga o bairro Eldorado a Venda Nova.Desde que foi eleito, em 2008, Lacerda já fez inúmeras reuniões em Brasília, até hoje sem resultado. Ainda este ano, Lacerda deve voltar a Brasília para tentar negociar a entrada do metrô no PAC 2. Mas o projeto para a construção das linhas 2 e 3 sequer existem no papel.Em 2006, no primeiro PAC, o metrô de BH foi contemplado com R$ 186 milhões. Só Recife recebeu quase o dobro. A linha 1 do metrô de BH demorou 24 anos para ser implantada.

Em Recife, o trânsito é cada vez mais caótico e o metrô, inaugurado há 25 anos, transporta apenas 230 mil passageiros por dia, nem a metade dos 450 mil passageiros que poderia retirar das avenidas da cidade. - A população da cidade paga hoje, com engarrafamentos frequentes, o preço do descaso do passado, sem investimentos. O trânsito do Recife mostra que não há outra saída do que investir no sistema ferroviário - explica José Marcos de Lima, superintendente da CBTU em Recife.

Após 25 anos, a empresa organiza uma licitação internacional, prevista para outubro, para comprar 15 novos trens, com investimento de R$ 281 milhões.- Temos 25 trens. O ideal é que tivéssemos 42 composições. O governo federal já autorizou o investimento. Antes dessa licitação, o governo Lula já investiu R$ 589 milhões nos últimos oito anos só em Pernambuco - diz o superintendente.

Também estão sendo comprados sete Veículos Leves sobre Trilhos (VLT), que serão usados na duplicação da interligação de Recife com o Cabo de Santo Agostinho. Hoje, a linha transporta 25 mil pessoas e, no primeiro ano do VLT, pode transportar até 150 mil.

Por O Globo


READ MORE - Metrô está fora dos trilhos em Salvador, BH e Recife

O interminável conflito entre empresários de transporte urbano em Fortaleza e seus motoristas


Uma nova paralisação e com imprevisíveis confrontos poderão acontecer durante o dia de hoje, caso a Justiça do Trabalho não consiga intermediar acordo, como afirma a direção do sindicato dos trabalhadores.
E quem padece com isso? Mais de um milhão de pessoas que dependem desse transporte coletivo para locomoção, dos bairros aos locais de trabalho, escolas e hospitais. E quem tem autoridade legítima para conduzir negociação? Em primeiro lugar, a prefeita municipal da cidade. E como? Indo, pessoalmente, à mesa de conflitos, dialogar com as partes em litígios, independentemente de qualquer provocação à Justiça do Trabalho, se necessário, mas nunca antes de ouvir propostas e contrapropostas.
As paralisações e ameaças só estão existindo em decorrência da falta de sensibilidade e de autoridade da gestora municipal de Fortaleza. As empresas funcionam com concessões públicas precárias e outorgadas pelo poder público municipal e ainda podendo ser cassadas em nome da ordem pública e do bem-estar social. A falta de transporte coletivo com quebra-quebra de terminais, agressões físicas e outros lamentáveis incidentes dizem respeito à ordem pública. Infelizmente a gestora municipal transfere à Justiça do Trabalho o que é de sua responsabilidade e ainda faz apelações populistas, afirmando que não autoriza aumento para as tarifas e que a greve é política. Quem pediu aumento de tarifa?
Isso não é brincadeira de gestora pública. Greve de motorista de ônibus sempre existiu e vai existir. É uma luta pela sobrevivência e não devemos ser contra. Porém, acima do conflito está o bem-estar social conduzido com seriedade e autoridade. No início da década de 60, era prefeito de Fortaleza o general Murilo Borges e ocorreu que está ocorrendo hoje. Com autoridade ele tentou acordo. Não obteve sucesso. Exauridos os meios comunicou aos empresários e motoristas que só lhe restava uma opção, e, em defesa do bem-estar social ia liberar as linhas de ônibus. Em seguida assinou decreto. Em pouco tempo sobrou transporte alternativo para servir a população.
Agora, o remédio pode não ser liberação de linhas, mas é inadmissível existir no poder público uma gestora lavando as mãos diante do sofrimento de um milhão de pessoas que dependem de sua ação. Se nada faz ou pouco faz, então por que lutou para ser prefeita de uma cidade do porte de Fortaleza? Administrar não é lazer!

Fonte: O Estado


READ MORE - O interminável conflito entre empresários de transporte urbano em Fortaleza e seus motoristas

Confira a íntegra do decreto que regulamenta os corredores de ônibus em Joinville


DECRETO Nº 15.088, de 15 de dezembro de 2008.Institui a faixa exclusiva para ônibus no Município de Joinville, nos termos do art. 2º da Lei Federal nº 9.503, de 23 de setembro de 1997 (Código de Trânsito Brasileiro).

O Prefeito Municipal de Joinville, em consonância com o art. 4º, item 10, alínea "c", e item 11, e art. 175, da Lei Orgânica do Município, com o art. 2º da Lei Federal nº 9.503, de 23 de setembro de 1997 (Código de Trânsito Brasileiro),DECRETA:

Art. 1º Fica instituída a faixa exclusiva para ônibus no âmbito do Município de Joinville.
Parágrafo único. Considera-se faixa exclusiva para ônibus, para efeitos deste Decreto, a faixa de circulação da via pública devidamente demarcada e sinalizada, em toda a extensão da via ou em trechos da mesma, destinadas ao tráfego obrigatório dos ônibus dos serviços regulares e experimentais do transporte coletivo urbano, nos termos da Lei nº 3.806, de 16 de outubro de 2008.

Art. 2º Será permitida nas faixas exclusivas para ônibus a circulação facultativa de:I – veículos integrantes dos serviços especiais de transporte coletivo, nos termos da Lei nº 3.575, de 13 de outubro de 1997 c/c Lei nº 3.806, de 16 de outubro de 2008, destinados aos serviços de transporte escolar e de fretamento, com exceção dos veículos diferenciados a que se refere o art. 12 da Lei nº 3.575/97, com redação dada pela Lei nº 4.936/2006;II - ônibus do serviço de transporte coletivo rodoviário intermunicipal;III - táxis do serviço de transporte individual de passageiros, nos termos da Lei nº 3.282, de 8 de abril de 1996, e alterações supervenientes;IV - veículos de emergência definidos pelo art. 29, inciso VII da Lei Federal nº 9.503, de 23 de setembro de 1997 (Código de Trânsito Brasileiro).Parágrafo único. Será permitida, ainda, nas faixas exclusivas para ônibus, a circulação de outros tipos de veículos para fins de conversão em cruzamentos nos locais expressamente sinalizados para tal, bem como para a entrada ou a saída de estabelecimentos ou estacionamentos adjacentes às faixas exclusivas para ônibus, com as cautelas normais para a manobra e pela duração estritamente necessária para tanto.

Art. 3º O trânsito nas faixas exclusivas para ônibus obedecerá às seguintes regras gerais, além das normas estabelecidas pela Lei Federal nº 9.503, de 23 de setembro de 1997 (Código de Trânsito Brasileiro):I – Somente será permitida a parada para embarque e desembarque de passageiros dos ônibus do serviço regular e experimental do transporte coletivo urbano nos pontos de parada devidamente identificados e sinalizados, não sendo permitida a parada dos veículos enumerados no art. 2º em qualquer hipótese, salvo em casos de emergência.II – A ultrapassagem somente será permitida nos locais expressamente sinalizados para tal, ou ainda por motivo decorrente de impedimento ou bloqueio duradouro da faixa exclusiva para ônibus, não compreendidas como tal as paradas normais para embarque e desembarque de passageiros a que se refere o inciso anterior;III – É obrigatório, para todos os veículos autorizados a transitarem nas faixas exclusivas para ônibus, circular com os faróis ligados.

Art. 4º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.Marco Antônio TebaldiPrefeito Municipal

Fonte: A NOTÍCIA


READ MORE - Confira a íntegra do decreto que regulamenta os corredores de ônibus em Joinville

Em Teresina, Strans estuda implantar "corredor de ônibus"; economia é de 50%


Uma das medidas do sistema de integração do transporte coletivo urbano, ou BRT (Bus Rapid Transit), é a implantação de corredores de tráfego exclusivo para ônibus. De acordo com a Associação Nacional de Transportes Urbanos (NTU) a medida pode reduzir em 50% o tempo de deslocamentos dentro da cidade.
A capital do Paraná, Curitiba, é pioneira na implantação do sistema no país e já exportou o modelo para cidades fora do país. Bogotá, na Colômbia, há dez anos iniciou a execução do projeto e atualmente possui um dos sistemas de transporte coletivo com maior qualidade do mundo. “Um deslocamento que antigamente durava duas horas, hoje dura apenas 52 minutos”, afirma o Arturo Fernando Rojas, representante do governo de Bogotá.
Em Teresina, a Strans estuda a implantação dos corredores de tráfego nas vias mais movimentadas . Uma das avenidas que deve receber a novidade é a Frei Serafim, onde passam diariamente mais de ônibus. “Não é possível pensar em mobilidade sem viabilizar os corredores de tráfego. Estamos fazendo um estudo para detectar os pontos de maior necessidade e com viabilidade”, informa Alzenir Moura Fé, diretora de Transporte Público da Strans.

Para o Setut (Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Teresina), a necessidade de mudança no sistema de transporte coletivo de Teresina é urgente e deve começar com investimentos do poder público. “É preciso se tomar providências. Temos um sistema deficitário porque não temos a infra-estrutura necessária. E para estruturar é preciso aplicar recursos”, defende Alberlan Feitosa, presidente do Setut.

De acordo com a Strans a conclusão de todo o sistema de implantação do sistema integrado deve acontecer em um prazo máximo de dois anos. Além dos corredores de tráfegos, oito terminais de integração de linhas coletivas devem ser construídos. O primeiro já está em construção no bairro Buenos Aires, na zona norte de Teresina.

A implantação dos sistemas BRT é um dos temas do Seminário Nacional da NTU 2010, que iniciou hoje em Brasília (DF). Com a Copa de 2014, nove cidades brasileiras deverão investir em projetos de mobilidade urbana.O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) vai financiar 20 sistemas de BRT no país. “Temos recursos disponíveis para financiar outros sistemas, porém, é necessário que as prefeituras enviem projetos para que possamos analisá-los”, disse o secretário Nacional de Transportes do Ministério das Cidades, José Carlos Xavier.

Fonte: CidadeVerde.com


READ MORE - Em Teresina, Strans estuda implantar "corredor de ônibus"; economia é de 50%

Sorocaba: Urbes publica novo edital de licitação para transporte coletivo


A empresa que substituirá definitivamente a TCS na operação do lote 1 de transporte coletivo, responsável pelo atendimento de 47% dos passageiros da cidade, deve ser conhecida no final do ano e começar a operar em março de 2011. A expectativa é da Urbes - Trânsito e Transportes depois da publicação de um novo Edital de Licitação para Concessão Onerosa dos Serviços de Transporte Coletivo Urbano de Sorocaba, na última sexta-feira, dia 13. “Se tudo der certo, nos prazos máximos, até o final do ano, a gente assina esse contrato”, falou Renato Gianolla, presidente da Urbes. Enquanto isso não acontece, o lote continua sendo operado por quatro empresas, em caráter emergencial. “O vínculo emergencial é muito pobre para um serviço de transporte. Ele é legal, mas temporário. Por isso, nossa pressa de acertar as coisas”.
O edital que dita as regras para a concorrência pública por outorga fixa, com base na menor tarifa, precisou ser republicado depois que a edição de dezembro de 2009 foi questionada pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), que determinou a suspensão do processo após acatar representação do vereador José Antônio Caldini Crespo (DEM) e das empresas CS Brasil Transportes de Passageiros e Serviços Ambientais Ltda. e Viação Mina do Vale Transportes e Turismo Ltda.
Estes alegaram que o documento continha exigências “aparentemente restritivas à ampla participação dos interessados” e falhas, apontadas pelas empresas, desde a falta de definição do limite máximo admissível de ruído interno nos ônibus até possíveis irregularidades no sistema imposto para a remuneração da concessionária, com base na arrecadação, o que poderia, segundo os argumentos apresentados, gerar instabilidade. “A gente não acredita que havia problema, mas foram feitas as correções solicitadas. Tudo permaneceu igual, só revisamos a base de custos - que era de junho de 2009 e foi atualizada para junho de 2010 - já que eles competirão pela tarifa”, disse Gianolla.
O número de carros que a contratada deve colocar à disposição também aumentou. Inicialmente, a concorrência previa 176 ônibus, sendo 81 convencionais, 66 com três portas, 12 articulados (ou com 15 metros de comprimento) e 11 para reserva técnica. Agora são 179 carros, sendo 78 convencionais, 75 com três portas, 12 articulados e 14 para reserva técnica. “Isso foi feito em função da demanda que cresce”, comentou Gianolla. A previsão é que a nova empresa seja contratada por cerca de R$ 58 milhões ao ano, por um período de oito anos, prorrogáveis por mais oito. Vencerá a que apresentar melhor tarifa técnica por passageiro - valor que a Urbes repassa à contratada por cada pessoa transportada.
Emergencial continua
A operação de quatro empresas - Auto Viação São João Ltda., Jundiá Transportadora Turística Ltda., Empresa de Ônibus Rosa Ltda. e Empresas Reunidas Paulista de Transporte Ltda. - em caráter emergencial continua para cobrir o rombo deixado pela TCS, que teve seu contrato rescindido em maio de 2009, após 11 meses de intervenção. Elas começaram a operar em novembro do ano passado, inicialmente por um período de 180 dias, o que fez com que o contrato precisasse ser renovado no último mês de junho.
Levando-se em conta as perspectivas de que a nova contratada passe a operar em 2011, o processo terá que ser feito uma terceira vez. “O emergencial nunca pode ser prorrogado. Terminam os 180 e precisa fazer outro contrato. O que acontece é que, se as empresas estão boas, se faz novamente com as que já estão operando”, falou Gianolla, destacando as dificuldades operacionais, como a transferência de mão-de-obra, que envolveriam a mudança dos prestadores de serviço. Os riscos de manutenção deste sistema existe, já que o contrato prevê que a Prefeitura ou as empresas podem desistir do serviço a qualquer momento.
“Se uma delas não quiser mais fazer, por algum motivo, ela pode sair. Aí temos que procurar outra”, disse Gianolla. “Queremos acertar o mais rápido possível. Estamos fazendo a nossa parte, editamos novamente, corrigimos tudo o que o tribunal pediu”, completou. Os interessados em participar da concorrência podem adquirir o CD do edital, por R$ 50, na sede da Urbes, que fica na rua Pedro de Oliveira Neto, 98, no Jardim Panorama, em Sorocaba. Os envelopes serão abertos em 15 de setembro. (Por Regina Helena Santos)
Fonte: Jornal Cruzeiro do Sul




READ MORE - Sorocaba: Urbes publica novo edital de licitação para transporte coletivo

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960