"Trânsito em grandes cidades só melhora com o metrô"

segunda-feira, 9 de agosto de 2010


Sob risco de um "apagão da mobilidade", mais do que simplesmente adotar soluções para receber torcedores para a Copa de 2014 e a Olimpíada de 2016, é urgente destravar os gargalos urbanos que chegam a roubar do Brasil pelo menos R$ 4 bilhões a cada ano, segundo cálculos complexos e rigorosos da Fundação Dom Cabral (FDC). O valor é o resultado das perdas em São Paulo. Mas, segundo a instituição, em menor ou maior grau, as quase 500 cidades brasileiras com populações entre 50 mil e 500 mil habitantes sofrem perdas econômicas devido a congestionamentos.
Na falta de transporte urbano eficiente e confortável, as populações lançam mão dos automóveis, complicando cada vez mais o trânsito. As medições do estudo da FDC registram, desde 2004, crescimento de 15% ao ano no tempo perdido pelas pessoas no trânsito das grandes cidades.
O pouco, ou nenhum, investimento nessa área começou a mudar no começo deste ano, quando o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) da Mobilidade reservou R$ 7,8 bilhões para 47 projetos para as 12 cidades-sede envolvidas nos eventos na Copa do Mundo de 2014 e também na Olimpíada, em 2016. No PAC 2, a mobilidade consolidou seu status de prioridade. "Mantivemos as prioridades de saneamento e habitação, mas colocamos novas frentes, como mobilidade urbana, pavimentação e prevenção em áreas de riscos", afirma Márcio Fortes, ministro das Cidades.
Os recursos para essa área são da ordem de R$ 18 bilhões, para a construção de corredores de ônibus, para Veículo Leve sobre Trilho (VLTs), BRTs (corredores de ônibus com operação semelhante a metrôs), obras viárias e metrôs.
Os BRTs continuam sendo bem vistos pelo governo federal. São mais baratos e rápidos para construir, além de não exigir grandes investimentos do poder público. Para construir 10 quilômetros de BRTs são necessários R$ 100 milhões e cerca de 2,5 anos. Para a mesma extensão, o Veículos Leve sobre Trilhos (VLT) custa R$ 404 milhões e cinco anos de obras. Dez quilômetros de metrô custam R$ 1 bilhão e nove anos de construção.
"A única solução definitiva para os transportes urbanos das grandes cidades é o metrô", diz Leonardo Vianna, diretor de novos negócios da CCR, grupo do qual faz parte a Via Quatro, integrante da Parceria Público-Privada (PPP) para a construção da Linha Amarela, de 12,8 quilômetros, do metrô de São Paulo. Com custo de mais de US$ 1 bilhão, a nova linha subterrânea irá elevar a 65 quilômetros a rede de metrô São Paulo.
Outros especialistas concordam que o metrô deveria ser o protagonista na movimentação das cidades. Não há muito espaço para esperanças. Ceará, Salvador, Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e Porto Alegre são exemplos de tentativas de construção de metrôs que pouco avançaram.
"Não acredito em aprovações para projetos de metrô antes do final do ano", diz Vianna. Segundo ele, o problema é que o metrô precisa de subsídios por incorporar tecnologia complexa e cara. "A tarifa precisa ser atraente, para que atenda à finalidade de oferecer transporte confortável e eficiente, capaz de competir com o transporte individual."



READ MORE - "Trânsito em grandes cidades só melhora com o metrô"

Recife: Projetos de Norte a Sul em andamento


Faltava à região Norte da RMR uma intervenção viária de grande dimensão que interligasse os bairros de Pau Amarelo, Maria Farinha, Janga, em Paulista, e os de Olinda à Capital pernambucana. A solução para isso já estava prevista quando se construiu a 2ª Perimetral de Olinda, na década de 1970. É exatamente a continuação desta perimetral que ligará a PE-15 à ponte de Rio Doce, em Olinda, que fará a conexão com os locais citados. Amargado por anos no plano das ideias, a primeira parte do projeto da Via Metropolitana Norte, comandado pela Companhia de Habitação de Pernambuco (Cehab), deve ser iniciado ainda este mês.
Por cima do Terminal Integrado de Ônibus na PE-15 serão erguidos dois viadutos que conectarão a 2ª Perimetral à avenida que ladeia o Canal do Fragoso. A via, com 6,2 quilômetros de extensão, será duplicada para veículos, nos dois sentidos, e terá uma faixa exclusiva para ônibus. Antes disso, cabe à Cehab fazer a desapropriação dos 1,2 mil imóveis localizadas na via e a drenagem do canal para abertura da perimetral. Para esta etapa, o órgão captou R$ 165 milhões junto ao Programa Pró-Moradia, do Governo Federal.
De acordo com a diretora técnica Éryka Luna, no momento, está sendo licitado R$ 70 milhões para executar as desapropriações e indenizações. “Nesta semana deveremos ter o vencedor que trabalhará nas desapropriações”, afirmou. Parte dessas famílias irá para dois conjuntos habitacionais, com 840 unidades ao todo, a serem construídos em Jardim Atlântico 1 e 2. O custo para executar todo o projeto é de cerca de R$ 320 milhões.
Com o recurso captado pela Cehab, ainda será revestido metade do canal (três quilômetros). “Ao longo desses quilômetros, teremos em torno de dez obras (pontilhão, ponte, passarela). Isso tudo será construído, pois o Canal do Fragoso será alargado”, acrescentou Éryka.
Além do impacto social, a obra será um avanço para a mobilidade urbana da região. “O objetivo é deslocar o trânsito da parte antiga de Olinda, como o Varadouro, Carmo. Com isso, se cria uma nova Olinda, pela periferia da cidade, que desafogará as vias que hoje sofrem com o engarrafamento”, destaca o diretor de Engenharia e Planejamento do DER-PE, Francisco de Assis.
O projeto ainda inclui pista de ciclismo, praças e acessibilidade ao pedestre. De acordo com o engenheiro Bernardo Silva Monteiro, que coordenou a equipe técnica do projeto, os estudos de tráfego estimaram um volume médio diário de mais de 50 mil veículos, nos dois sentidos, ao final do décimo ano de utilização da nova via. “Além de reduzir os congestionamentos nos acessos da divisas Olinda/Recife e de dentro do próprio município, torna os deslocamentos mais econômicos, eficientes, seguros e convenientes”, concluiu.

Fonte: Folha de Pernambuco


READ MORE - Recife: Projetos de Norte a Sul em andamento

Licitação do transporte coletivo de Curitiba é homologada


Foi homologada na manhã desta segunda-feira (9) a primeira licitação para o transporte coletivo de Curitiba. Em cerimônia realizada no Hotel Mabu, em Curitiba, o prefeito Luciano Ducci e o presidente da Urbanização de Curitiba (Urbs), Marcos Isfer, anunciaram que cada um dos três consórcios apresentou propostas técnicas para um dos três lotes que dividem a cidades em Norte, Leste e Oeste. Como não havia concorrência, os consórcios Pontual, Transbus e Pioneiro serão responsáveis por cada um dos lotes nos próximos 15 anos, com possibilidade de renovação por mais dez.
Sobre o preço da tarifa, que atualmente é de R$ 2,20, Isfer disse que não haverá aumento por enquanto. A principal novidade ficou por conta da forma de pagamento das empresas que não será mais feito apenas pela quantidade de quilômetros rodados, mas também pelo número de passageiros transportados.
Ao todo, foram licitadas 302 linhas que atendem, diariamente, 1.836.704 passageiros com uma frota de 1.399 ônibus. Entre as obrigações das empresas estão: melhoria da velocidade média operacional, melhoria do conforto, inovações tecnológicas que priorizem o meio ambiente e o bem estar do usuário, capacitação dos funcionários e 10% da frota rodando com 100% de biocombustível até 2012.
Para Ducci, o processo vai garantir aos ônibus da cidade mais tecnologia e mais segurança no transporte coletivo dos passageiros. Esta foi a primeira licitação para o transporte coletivo da capital, cujo sistema funciona há 57 anos.

Fonte: Gazeta do Povo


READ MORE - Licitação do transporte coletivo de Curitiba é homologada

Greve de ônibus em Fortaleza anunciada para quinta-feira


Começou a contagem regressiva de três dias para uma nova greve de motoristas e trocadores de ônibus em Fortaleza. Será a segunda paralisação em menos de dois meses sem que o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Estado do Ceará (Sintro) e o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado (Sindiônibus) cheguem a um acordo sobre a reajuste salarial desse ano. Os empregados querem 15% já os empresários de ônibus só oferecem 5,5%. No meio, o usuário do sistema do transporte público. À margem, a Prefeitura de Fortaleza que prefere não mediar.

A semana promete ser muita intensa para todos os lados. Ontem, muita gente aproveitou o domingo de sol e da tarifa social e encheu os terminais de ônibus com destino às praias e parques da cidade. A maioria se diz indignada e preocupada com o impasse; o anúncio da nova paralisação e, principalmente, o que pode resultar disso: confusão, quebra-quebra e possível reajuste das passagens.

Enquanto o impasse não é resolvido, Sintro e Sindiônibus trocam acusações e críticas à Prefeitura. Valdir Pereira, da direção da entidade representativa dos motoristas e trocadores, confirma que documento oficializando a paralisação a partir de quinta-feira será entregue hoje ao Sindiônibus e Etufor. Além disso, o Sintro prepara ações nas garagens e terminais.

Sobre a nota de esclarecimento da Prefeitura, o Sintro se defende e faz severas críticas, ao destacar que erra ao querer se manter afastada e não mediar a questão. Esse é o único ponto comum entre o Sintro e o Sindiônibus. Em relação à estratégia de mobilização do Sintro, a entidade se diz preparada.

AUMENTO DAS TARIFAS

Etufor diz que não cederá às pressões

A Prefeitura de Fortaleza, por meio da Empresa de Transporte Urbano (Etufor), divulgou nota de esclarecimento com relação à greve anunciada, afirmando que não cederá "às pressões para aumento de tarifa". De acordo com a nota, a atual gestão municipal defende que a população não pode ser prejudicada por conta da falta de diálogo entre trabalhadores e empresários do setor de transporte.

Desde 2005, diz, a Prefeitura prioriza políticas públicas para o setor. A tarifa foi congelada por mais de quatro anos. É, ainda hoje, a passagem com integração temporal mais barata do país. Foi criada a tarifa social, aos domingos, no Aniversário da Cidade e no Réveillon. A meia passagem ilimitada beneficia 600 mil estudantes - com a municipalidade bancando o custo das carteiras de 340 mil estudantes de escolas e universidades públicas. A gratuidade para pessoas com deficiência já atende mais de dez mil.

Ao mesmo tempo, a Prefeitura reafirma que não cederá a pressões que possam resultar em aumento da tarifa neste momento. "Não é justo que a população de Fortaleza arque agora com um aumento das passagens por conta deste impasse".Caso os sindicatos do setor não entrem em acordo, sugere a gestão, é necessário que os órgãos constitucionalmente responsáveis por este processo, como a Justiça do Trabalho e a Superintendência Regional do Trabalho, ajam de forma a resolver o conflito. "Ressalte-se que, desde o início da gestão, independente do preço da passagem, todos os anos motoristas e cobradores de ônibus obtiveram reajuste".

Destaca, ainda, que está intensificando o monitoramento dos coletivos e que, em caso de irregularidade, a denúncia deve ser feita pelo Fala Fortaleza: 0800-285-0880.

Fonte: Diário do Nordeste


READ MORE - Greve de ônibus em Fortaleza anunciada para quinta-feira

Novos modelos de Transporte público serão implantados no Recife e região metropolitana


É ilusão pensar que a trafegabilidade de uma cidade se resolve somente com a abertura ou alargamento de vias e construção de viadutos, túneis e pontes. Dentro do conceito atual de mobilidade urbana, o pedestre, o adepto dos transportes alternativos e, principalmente, o passageiro, têm que ser prioridade. Para tanto, as obras viárias que estão sendo executadas devem incluir pista de ciclismo, corredores exclusivo de ônibus e acessibilidade para o pedestre e também o deficiente físico. “Precisamos de economizadores do espaço urbano e não desperdiçadores, como é o caso do carro”, defende o engenheiro César Cavalcanti, chefe do Departamento de Arquitetura e Engenharia da UFPE.
Em outubro, começa a funcionar na RMR o primeiro dos sete Veículos Leves sobre Trilhos (VLTs). O transporte se assemelha ao metrô do ponto de vista operacional, pois proporciona velocidade e conforto. Do aspecto financeiro, o custo de implantação é menor, pois não precisa investir em sistema de energia e na estrutura de estação. “Nessa questão, se parece com o ônibus, por possuir um motor a biodiesel. Ele tem a própria propulsão sem precisar montar um sistema elétrico”, explica o assessor da CBTU/Metrorec, Leonardo Beltrão, à frente do contrato do projeto. A RMR será a primeira a pôr na ativa o VLT entre as regiões metropolitanas do Brasil que receberão o trem a diesel.
O sistema ligará o Cabo de Santo Agostinho, pelo novo Terminal de Ônibus do Cabo, com a estação do metrô Cajueiro Seco, em Jaboatão. A tarifa será a mesma cobrada no metrô: R$ 1,70. “Integrado ao sistema de ônibus e do metrô, o passageiro pode sair do Cabo até Olinda e Paulista. Também pode ir para Jaboatão. Com um padrão de qualidade assegurado”, pontua Leonardo. Cada trem poderá transportar 600 pessoas por viagem. Quando os sete estiverem em atividade, em fevereiro de 2011, podem chegar a 80 mil passageiros/dia. Com contrapartida Federal e Estadual, o investimento é de R$ 59 milhões na compra dos veículos e R$ 62 milhões para estruturação do trecho de 18,4 quilômetros.
Paralelamente a isso, correm os projetos de BRT (Bus Rapid Transit) ou TRO (Trânsito Rápido de Ônibus) - corredor exclusivo de ônibus que reduz o tempo de embarque e desembarque de passageiros. O primeiro trecho é o Leste-Oeste, já existente entre a Praça do Derby e a avenida Caxangá, que será requalificado para implantar o chamado “ônibus do futuro” - concepção de estações-tubo, embarque em nível, pagamento antecipado e canaletas exclusivas, com capacidade para atender 180 mil passageiros/dia. O outro trecho é o Norte-Sul que ligará Igarassu a Jaboatão dos Guararapes, na Estação de Cajueiro Seco, onde está sendo construído um Terminal de Ônibus, integrado com o metrô e o VLT.
Serão 300 mil pessoas atendidas por dia. Em um corredor convencional de ônibus, a velocidade média do veículo é de oito quilômetros por hora, enquanto com o BRT fica em 30 quilômetros por hora. A avenida Norte também receberá um corredor de BRT ao longo dos oito quilômetros, que beneficiará 118 mil pessoas diariamente. Somente essas três intervenções correspondem a 33% da população que hoje utiliza transporte coletivo na RMR (1,8 milhão).
Os projetos aguardam o aval do governador Eduardo Campos para serem licitados. A expectativa do Grande Recife Consórcio de Transporte, que está à frente dos projetos, é que ao menos uma das obras de corredores seja licitada e iniciada ainda este ano. Somados, os três projetos representam um investimento de R$ 473 milhões (R$ 75 milhões para o Leste-Oeste; R$ 200 para o Norte-Sul; R$ 198 milhões para a avenida Norte).
“Primeiro, entra com o BRT, que executa a parte mais cara do projeto, justamente a desapropriação e construção da estrutura. Futuramente, depois de implantado, quando o sistema estiver já saturado, se implanta o VLT para aumentar a capacidade e a velocidade dos veículos, pois basta apenas implantar os trilhos e comprar os veículos”, adianta Leonardo Beltrão.





READ MORE - Novos modelos de Transporte público serão implantados no Recife e região metropolitana

São Paulo: Término de obra normaliza itinerários na zona sul


Em função do término da obra emergencial na Estrada da Baronesa, entre a Rua das Umbelíferas e Alameda Carlos Marchais, na região do Jd. Ângela, zona sul da cidade, a SPTrans irá normalizar, a partir deste sábado, dia 7 de agosto, o itinerário das linhas de ônibus que circulam pelo local.

Para informações sobre de linhas e trajetos de ônibus consulte itinerários ou ligue 156.

Linhas e Itinerários:
6811/10 Parque do Lago – Borba Gato
Ida: Rua dos Pirarucus, Rua dos Pintados, Rua das Piaparas, Rua das Umbelíferas, Rua Nagaça, Alameda Carlos Marchais, Estrada da Baronesa, Rua Tijuco da Serra, Rua Polinésia, prosseguindo normal.
Volta: normal até a Estrada do M’Boi Mirim, Rua Riberalta, Av. Ivirapema, Rua Nova Providência, Rua Antigo Continente, Rua Polinésia, Rua Tijuco da Serra, Estr. da Baronesa, Al. Carlos Marchais, Rua Nagaça, Rua das Umbelíferas, Rua das Piaparas, Rua dos Pintados, Rua dos Pirarucus.

6035/10 Vila Gilda – Santo Amaro
Ida: normal até a Av. Taquandava, Estrada da Cumbica, Estrada da Baronesa, Alameda Carlos Marchais, Estr. do M’Boi Mirim, Av. Guarapiranga, prosseguindo normal.
Volta: normal até a Estrada do M’Boi Mirim, Alameda Carlos Marchais, Estrada da Baronesa, Estrada da Cumbica, Av. Taquandava, prosseguindo normal.

637R/10 Jd. Aracati – Term. Santo Amaro
Ida: normal até a Estrada da Cumbica, Estrada da Baronesa, Alameda Carlos Marchais, Estrada do M’Boi Mirim, Av. Guarapiranga, prosseguindo normal.
Volta: normal até a Estrada do M’Boi Mirim, Alameda Carlos Marchais, Estrada da Baronesa, Estrada da Cumbica, prosseguindo normal.

7001/10 Vila Gilda – Jardim Ângela
Ida: normal até a Av. Taquandava, Estrada da Cumbica, Estrada da Baronesa, Alameda Carlos Marchais, Estrada do M’Boi Mirim, prosseguindo normal.
Volta: normal até a Estrada do M’Boi Mirim, Alameda Carlos Marchais, Estr. da Baronesa, Estrada da Cumbica, Av. Taquandava, prosseguindo normal.
Aos domingos:Ida: Normal até a Rua Cristóvão de La Cruz, Rua Duarte Ramos Furtado, Rua Inácio Couto, Estrada da Cumbica, Estrada da Baronesa, Alameda Carlos Marchais, Estr. do M’Boi Mirim, prosseguindo normal.
Volta: Normal até a Estrada do M’Boi Mirim, Alameda Carlos Marchais, Estrada da Baronesa, Estrada da Cumbica, Rua Inácio Couto, Rua Boaventura Furtado de Morais, Rua Cristóvão de La Cruz, Rua Duarte Ramos Furtado, Rua Inácio Couto, Estrada da Cumbica, Av. Taquandava, prosseguindo normal.

Fonte: SPTrans



READ MORE - São Paulo: Término de obra normaliza itinerários na zona sul

Porto Alegre: Sistema BRT será também a solução do transporte da capital gaúcha


BRT: Av. Bento Gonçalves / Portais Azenha e Antônio Carvalho (2 estações)

Segundo a Prefeitura Municipal de Porto Alegre, uma das obras de mobilidade urbana previstas para a capital gaúcha, para a Copa 2014, é a implantação do sistema BRT (Bus Rapid Transit) na Av. Bento Gonçalves com a construção de duas estações, Azenha e Antônio Carvalho. O projeto tem extensão de 9,4 km que liga a zona sudeste ao centro da cidade.
Este projeto foi adicionado via Termo Aditivo à Matriz de Responsabilidades em 29 de abril de 2010. Termo este, celebrado entre o Ministério do Esporte, o Governo do Estado do Rio Grande do Sul e a Prefeitura Municipal de Porto Alegre.
Recursos: Governo Federal (Financiamento Caixa)
Execução: Governo Municipal
Prazo: Jun/2013
Custo: R$ 23.000.000,00

Adequação do Corredor de Ônibus da Av. Assis Brasil para o Sistema BRT

Segundo a Prefeitura Municipal de Porto Alegre (RS), uma das obras de mobilidade urbana previstas para a capital gaúcha, para a Copa 2014, é a adequação das atuais faixas exclusivas para a circulação de ônibus, conhecidas como corredores de ônibus, da Avenida Assis Brasil para o sistema BRT (Bus Rapid Transit), com a construção de sete estações.
Recursos: Governo Federal (Financiamento Caixa)
Execução: Governo Municipal
Prazo: Dez/2012
Custo: R$ 28.000.000,00

Adequação do Corredor de ônibus da Av. Protásio Alves para o Sistema BRT

A Avenida Protásio Alves é composta por faixas exclusivas para ônibus com sentidos opostos, posicionadas junto ao canteiro central, segregada com tachões. As estações de ônibus localizam-se nas laterais da faixa exclusiva com embarque e desembarque à direita. As outras duas faixas posicionadas em cada uma das laterais da via central (faixa exclusiva) são destinadas ao tráfego de veículos particulares.Segundo a Prefeitura Municipal de Porto Alegre (RS), para a Copa 2014, está prevista a adequação dos atuais corredores de ônibus para o sistema BRT (Bus Rapid Transit), que irá contemplar 11 estações. O cronograma e a previsão de investimentos para as obras estão apresentadas nas tabelas ao final da página.
Recursos: Governo Federal (Financiamento Caixa)
Execução: Governo Municipal
Prazo: Jun/2011
Custo: R$ 53.000.000,00

Fonte: Portal da Transparência


READ MORE - Porto Alegre: Sistema BRT será também a solução do transporte da capital gaúcha

BHTrans lança pacote de licitações para melhorar o tráfego


Projetos para melhorar o trânsito da capital começam a sair do papel, com o anúncio de um pacotão de licitações pela BHTrans. A empresa que gerencia o tráfego de BH abriu concorrência para contratar consultoria que dará apoio à execução das obras de alargamento e requalificação das avenidas Antônio Carlos, Dom Pedro I e do Complexo Viário do Vilarinho. Esse é o primeiro passo da preparação das vias para receber o transporte rápido por ônibus (BRT, bus rapid transit, em inglês), principal aposta da prefeitura no quesito mobilidade para a Copa 2014.

Também foi aberta disputa para dar apoio técnico às obras do Corta Caminho, projeto que cria 148 intervenções viárias alternativas, ligando as diversas regiões da cidade, sem passar pelo Centro.

Os editais de abertura das licitações, que somam R$ 203 mil, foram publicados na edição de sábado do Diário Oficial do Município (DOM) e os interessados têm até dia 22 de setembro para se candidatar. Ainda no final do mês que vem, a BHTrans bate o martelo sobre quem vai encarar o desafio de desafogar o trânsito da cidade. Em junho, a prefeitura garantiu, por meio de contrato de R$ 1,23 bilhão com a Caixa Econômica Federal (CEF) para financiar as obras do BRT, incluídas na lista do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do governo federal.

O contrato prevê a implantação na capital de três ramais do transporte rápido por ônibus.Num total de 31km, os três corredores do BRT – Antônio Carlos/ Pedro I, Pedro II/Carlos Luz e Cristiano Machado e Área Central – poderão transportar, por dia, 54 mil pessoas. Em abril, a BHTrans fechou contato com a empresa de engenharia que prestará consultoria especializada do BRT. As licitações abertas agora visam preparar o terreno para a implantação de fato do BRT, com a reestruturação das avenidas Antônio Carlos e Vilarinho, além da duplicação da Pedro I.

Inspirado nos transportes coletivos de Bogotá (Colômbia) e Curitiba, o sistema funciona aos moldes do metrô, com pistas exclusivas, plataformas em nível, pagamento da tarifa antes do embarque, além de ônibus articulados, capazes de transportar mais passageiros.

Novas vias

A bolada de R$ 1,23 bi também vai bancar as obras dos corredores do Corta Caminho, batizado como Programa de Vias Prioritárias de BH (Viurbs), contemplando a construção de três vias. A Via 710 irá do Bairro Cidade Nova, na Região Nordeste, à Avenida dos Andradas, na Leste.

A 210 ligará o Betânia, na Oeste, com a Via do Minério, na Região do Barreiro, passando sobre o Córrego Bonsucesso, próximo ao Anel Rodoviário. O financiamento também inclui a via 590, conhecida como Avenida Várzea da Palma, em Venda Nova. As intervenções começaram a ser elaboradas em 2002 e visam, principalmente, desafogar o tráfego no Centro da cidade.

Fonte: Uai - Minas


READ MORE - BHTrans lança pacote de licitações para melhorar o tráfego

Adiada a circulação do metrô entre o Maranhão e o Piauí


O sonho dos timonenses de viajar mais rápido entre o Piauí e o Maranhão foi adiado. O metrô deveria ter começado a trafegar entre os dois Estados na quinta-feira (15), mas como a obra de recuperação da Estação Ferroviária ainda não foi concluída pela Prefeitura de Timon, a Companhia Metropolitana de Transportes do Piauí, responsável pelo veículo, acabou estipulando uma nova data: dia 30 deste mês.
A recuperação até começou a ser realizada pela Secretaria Municipal de Obras, mas não foi concluída. A estação de embarque e desembarque ganhou uma nova pintura, o piso da calçada foi recuperado, assim como o telhado que estava deteriorado.
Ainda faltam alguns detalhes. O principal deles é a instalação de cadeiras para que os passageiros possam esperar o trem e os guichês para a venda de bilhetes. Quem aguarda com ansiedade pelo início do funcionamento do transporte acabou indo pessoalmente ao terminal em busca de informações sobre o funcionamento do metrô.
O lavrador Augusto Andrade foi um deles. Ele reside na zona rural e acredita que chegar a Teresina por meio do veículo poderá ser mais barato, principalmente para ele, que vive do que produz na roça. “Para mim, ia ser bom poder andar de metrô. Como as autoridades disseram que essa semana o trem começaria a funcionar, eu vim ver se era verdade. Como a passagem é mais barata, vai ser bom para nós, pois a gente já gasta R$ 6,00 para vir do interior para a cidade e ainda ter de pagar quase R$ 2,00 para me deslocar até Teresina acaba ficando caro”, detalhou o lavrador.
  • Comprometimento
    A Prefeitura de Timon se comprometeu a cumprir todas as exigências da Companhia Metropolitana. Dinheiro e projeto para isso já existe. Durante a viagem-teste, realizada no dia 29 de junho deste ano, a prefeitura apresentou o projeto para a recuperação da malha ferroviária e os pontos da cidade aonde o metrô chegará.
    O projeto está orçado em R$ 1,5 milhão e, além da modernização do aspecto urbanístico da estação - preservando o valor histórico e arquitetônico da antiga estação da Rede Ferroviária Federal Sociedade Anônima (Reffsa) -, terá pista para cooper, ciclovias, praça elevada e plantação de árvores nativas.
    A Estação Ferroviária de Timon tem extensão de mais de um quilômetro, começando na ponte metálica e se estendendo até o fim da passagem da linha férrea, no bairro São Francisco. A prefeitura, por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), já realiza obras de infra-estrutura na área, como calçamentos e galeria pluvial.
    Segundo o secretário de Infraestrutura, Delfino Guimarães, o novo projeto contemplará toda a área com a melhoria do aspecto urbanístico e melhor infra-estrutura, principalmente para o bairro onde a estação está localizada. “Vai melhorar não apenas o transporte público, mas a urbanização da área e conseqüentemente a vida dos moradores do bairro. A movimentação de passageiros para a estação aquecerá e ampliará o comércio local”, justificou o secretário.

Extensão
O veículo leve sobre trilhos, como é denominado o metrô, também chegará a Caxias e Codó, no próximo ano, pelo fato de já contarem com uma linha férrea. Nas duas cidades, a novidade ainda é vista com desconfiança. Em Caxias, por exemplo, onde não há sequer transporte coletivo, a implantação do sistema de transporte só conquistará a atenção da população se o projeto “sair do papel”.
“Eu ando todos os dias em um coletivo apertado. Aqui em Caxias, a gente não consegue nem andar num ônibus bom. O sistema de transporte público caxiense é precário. Temos que nos deslocar de van ou de mototáxi. Não sei se o metrô daria certo”, comentou a verdureira Regina Pereira da Silva, moradora do bairro Cohab.
Na Câmara Municipal, a implantação do sistema de transporte ainda chegou a ser mencionado, mas nenhuma outra discussão importante foi suscitada. A exemplo de Timon, a Prefeitura de Caxias necessitaria firmar convênio com o governo federal para a recuperação da malha ferroviária e principalmente das estações de embarque e desembarque.

  • Custo
    Por enquanto, pelo menos para os timonenses o custo do tráfego entre as duas cidades diminuirá. A passagem de metrô em Teresina custará R$ 0,50, enquanto a de ônibus custa R$ 1,90. O trajeto entre os dois Estados não demora mais do que 12 minutos.
    O diretor da CMTP explica que não há qualquer intenção de que o metrô diminua ou contribua para a redução da frota de ônibus nas ruas das duas cidades onde o transporte coletivo é muito usado pela população. Pelo contrário. A intenção é de que o serviço ajude a desafogar o trânsito e contribua para que a população de baixa renda possa circular entre os dois estados sem gastar mais do que R$ 0,50 por isso.

Fonte Iminrante


READ MORE - Adiada a circulação do metrô entre o Maranhão e o Piauí

Curitiba: Licitação do ônibus será homologada nesta segunda


O prefeito de Curitiba, Luciano Ducci (PSB), anunciou que vai homologar nesta segunda-feira pela manhã o resultado da primeira licitação feita para o transporte coletivo de Curitiba. O anúncio será feito às 9 horas, no Hotel Mabu, em conjunto com o presidente da Urbs, Marcos Ísfer (PPS).
Os envelopes da licitação foram recebidos pela prefeitura em fevereiro desde ano. Apenas três consórcios participam do processo licitatório, e não há disputa entre eles. Cada consórcio escolheu apresentar proposta para um lote diferente da cidade. A licitação dividiu a cidade em três lotes: Norte, Leste e Oeste.
A maior parte das empresas que participa da licitação já atua em Curitiba há vários anos. As únicas que vieram de fora são empresas de transporte com atuação na região metropolitana. Nenhuma empresa de fora da região decidiu competir.
A licitação foi feita por exigência do Ministério Público Estadual. A Constituição exige que, desde 1988, todas as concessões de serviços públicos sejam feitas por meio de licitação. No entanto, em curitiba, isso nunca havia sido obedecido. Os promotores passaram a cobrar a prefeitura em 2001, mas só agora, nove anos depois, a licitação saiu.

Fonte: Jornale


READ MORE - Curitiba: Licitação do ônibus será homologada nesta segunda

Fortaleza: Insatisfação leva à greve dos ônibus


As assembleias, realizadas na manhã e tarde de ontem levaram cerca de 150 motoristas, cobradores e fiscais votantes a decidirem, pela realização da greve dos ônibus em Fortaleza. As reuniões aconteceram na sede do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários (Sintro), e revelaram a insatisfação e o clima tenso na categoria, que busca o atendimento de suas reivindicações.

Acordo entre sindicalistas e Ministério Público do Trabalho (MPT), explicou Pereira, assegura que, neste fim de semana, não haverá paralisações. "Este é o sentimento da categoria e vamos seguir os trâmites legais. Se estiver funcionando e for possível, hoje mesmo comunicaremos ao Sindiônibus", justificou o assessor.

A greve só poderá ser deflagrada 72 horas (três dias) após o comunicado oficial, obedecendo, ainda, a permanência de 30% de veículos em movimentação, a fim de não prejudicar ainda mais a população.A última tentativa de negociação entre empregados e patrões, representados pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Ceará (Sindiônibus), foi quarta-feira, na Superintendência Regional do Trabalho e Emprego no Ceará. O entendimento foi suspenso pelo clima tenso.

A categoria não aceita os 5,5% de reajuste salarial oferecidos pelo Sindiônibus, reivindicando 15%, além de aumento no vale-refeição de R$ 5,00 para R$ 8,00 e plano de saúde. Os sindicalistas não deixaram claro se a população será informada sobre a paralisação e as estratégias do movimento.

Desde junho último, motoristas de ônibus, cobradores e fiscais fazem greve, retornam às atividades e surpreendem a população com paralisações. A estratégia do movimento é se revelar nos horários de maior demanda por ônibus - na ida e volta ao trabalho.
Fonte: Diário do Nordeste


READ MORE - Fortaleza: Insatisfação leva à greve dos ônibus

Taboão da Serra entrega mais 30 ônibus adaptados para pessoas com deficiência


Com o objetivo de oferecer acessibilidade e conforto a cidade de Taboão da Serra conta a partir deste sábado, 7 de agosto, com mais 30 ônibus adaptados para pessoas com deficiência e mobilidade reduzida. Os ônibus serão distribuídos entre as linhas circulares da cidade e com essa frota, contabiliza o total de 53 veículos, número que representa mais de 50% da frota municipal adaptada e com acessibilidade.
Para o prefeito Evilásio Farias, este é o governo que tem compromisso com a pessoa. “Até 2012 (daqui três anos) a nossa meta é ter 100% da frota com acessibilidade, garantindo o transporte digno para todos”, disse. Segundo ele, isso será possível, pois a legislação exige que 10% da frota esteja adaptada e Taboão já superou a meta.
O prefeito explicou que além dos ônibus, os pontos da cidade e as escolas que serão sede para a votação estarão aptos a comportar as pessoas com deficiências e mobilidade reduzida. “Estou preparando a cidade para melhor atender aos moradores”, concluiu.
De acordo com Rogério Dardenco gerente de operações da frota, além dos novos veículos atenderem as pessoas com deficiência, este investimento também melhora a opção de transporte no município. “Todos os ônibus são entregues com o padrão da ABNT e conforme a legislação determina, além disso, são capazes de garantir a segurança do morador dentro do veículo, afinal, todos contam com sistema interno de câmeras que auxilia e monitora o motorista e possíveis atos de vandalismo e assaltos que possam acontecer dentro dos veículos”, afirmou.
Os novos ônibus são equipados com motorização eletrônica e combustível biodiesel que contribui para menor poluição do ar, elevadores automáticos para o transporte de cadeiras de rodas capazes de suportar até 250 quilos em plataforma elétrica, cintos e travas de segurança e espaço entre o corredor e as cadeiras adequados à movimentação dos demais passageiros. “Todos os motoristas foram treinados para aprender a melhor maneira de conduzir os passageiros”, concluiu Rogério.



READ MORE - Taboão da Serra entrega mais 30 ônibus adaptados para pessoas com deficiência

Abrigos de ônibus em Niterói somente para as áreas nobres


A falta de regras claras em contratos de concessão entre a Prefeitura de Niterói e empresas responsáveis pela implantação e manutenção de abrigos de ônibus e placas de ruas favorece a concentração dos mobiliários urbanos na Zona Sul e no Centro, corredores financeiros da cidade. No entanto, nas regiões periféricas do município, a população reclama da falta de um local adequado para esperar o transporte público. Além disso, as associações de moradores denunciam que, por falta de informação dos nomes nas esquinas, é comum se perder pelas ruas da cidade.
“Esses contratos têm que ter indicadores precisos e metas claras de investimento para que a população e a própria Prefeitura possam acompanhar e cobrar instalação desses mobiliários urbanos. A situação é lamentável e não pode ser regra dentro da municipalidade. Fica parecendo que esses acordos são construídos em favorecimento aos grandes grupos empresariais que, a meu ver, são parceiros estratégicos da Prefeitura”, comenta o vereador Waldeck Carneiro (PT).
O contrato, assinado em 2000 pela Empresa Municipal de Moradia, Urbanização e Saneamento (Emusa) e a empresa Publicidade Sarmiento Rio de Janeiro S/A, não prevê onde e nem quantos abrigos de ônibus devem ser erguidos no município. O acordo, orçado em R$ 18 milhões, prevê a construção de abrigos em ponto de ônibus; sanitários públicos; totens informativos e de identificação de bens; e depósitos de vidro e pilhas para reciclagem. Contudo, apenas alguns abrigos de ônibus e totens publicitários foram feitos pela empresa.
Além de faltarem abrigos, onde eles existem, não há cuidados de conservação e manutenção. Na Rua Marquês do Paraná e na Praça Juscelino Kubistchek, no Centro por exemplo, os pontos apresentam ferrugem e têm parte do teto quebrado. “É um desrespeito com a população. O passageiro tem que ter o mínimo de condições de ficar abrigado para que possa chegar ao trabalho com dignidade”, afirma o presidente da Associação dos Usuários de Transporte Coletivos, Waldir Cardoso.







READ MORE - Abrigos de ônibus em Niterói somente para as áreas nobres

Dirigir pelas ruas de Taboão, Embu das Artes e Itapecerica da Serra está cada vez mais complicado


Os congestionamentos nas principais vias das três cidades mudaram a rotina dos motoristas. A situação se agrava nos horários de pico e provoca protesto de quem acaba perdendo tempo no trânsito lento.
O crescimento da frota de veículos provocado pela maior facilidade de acesso ao financiamento, o pedágio do Rodoanel, o surgimento de novas rotas, a inauguração do trecho sul do Rodoanel e a falta de investimento do governo do estado em transporte público deixam o trânsito na região ainda mais caótico. Além disso, as obras nas cidades pioram a situação. Juntas, a frota fixa de veículos de Taboão da Serra, Embu das Artes e Itapecerica somam 132 mil unidades. Taboão tem 67 mil, Embu 35 mil e Itapecerica 30 mil. Enquanto isso, somente a frota flutuante mensal de Taboão, ou seja, veículos que passam na cidade somam 4 milhões e 200 mil. No Embu, a média mensal da frota flutuante é de 648 mil veículos.
Já em Itapecerica, somente na Avenida 15 de Novembro, a frota flutuante é de 650 mil veículos ao mês.



READ MORE - Dirigir pelas ruas de Taboão, Embu das Artes e Itapecerica da Serra está cada vez mais complicado

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960