São Paulo: CET promete sinalizar novo corredor de ônibus até domingo

sábado, 31 de julho de 2010


O corredor de ônibus Diadema-São Paulo entrou em operação na manhã deste sábado (31). A obra durou 24 anos. O objetivo é acelerar, facilitar a viagem de quem vive em uma cidade e trabalha em outra. Nesta manhã, a reportagem do SPTV constatou que ainda faltava sinalização, mas a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) promete terminar os trabalhos até este domingo (1º).
A reportagem do SPTV percorreu nesta manhã toda a extensão dos 12 km do corredor, entre o Brooklin, na Zona Sul de São Paulo, e o Terminal Diadema, no ABC. O trajeto foi rápido, cerca de 30 minutos, já que se trata de um sábado - dia de pouco trânsito.
A linha 376 (Terminal Diadema-Berrini) estava com poucos passageiros. Funcionários da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU) estavam espalhados pela via, para monitorar o funcionamento do corredor no primeiro dia.

Ainda há problemas na sinalização. No cruzamento com a Avenida Washington Luís não há faixa para limitar o corredor. Já na Avenida Cupecê, carros e principalmente motos não respeitavam a faixa exclusiva dos ônibus. Pedestres foram flagrados atravessando em local proibido e pulando a tela do canteiro central. A divisória de metal, novinha, já está amassada.
A sinalização é de responsabilidade da CET, que prometeu terminar os trabalhos até este domingo. Em relação aos flagrantes de carros e motos no corredor, fica o alerta: trafegar na faixa exclusiva de ônibus dá multa. Na capital, a fiscalização é por conta da CET. Como os flagrantes foram na área de Diadema, a reportagem tentou entrar em contato com o departamento de trânsito da cidade, mas ninguém atendeu os telefonemas.
Segundo José Jacques Yazbeck, superintendente de engenharia da EMTU, as divisórias podem ser reforçadas ou até mesmo trocadas após avaliação junto com a CET.

Fonte: G1.com.br


READ MORE - São Paulo: CET promete sinalizar novo corredor de ônibus até domingo

Motoristas de ônibus em Curitiba acumulam funções, correm para cumprir horários e têm parte do salário comprometida pelas infrações de trânsito


Houve um tempo em que a obrigação de um motorista de ônibus em Curitiba se resumia a conduzir passageiros. Hoje essa é só mais uma das suas múltiplas funções. Ele agora também tem de fazer a cobrança da passagem, precisa evitar depredações dos ônibus e das estações-tubo, deve ter coragem para conter invasões de usuários que não pagam tarifa e ser um ás ao volante para cumprir um horário que vem desde a época em que a frota era a metade da atual. Não pode sair do ponto antes do tempo nem chegar atrasado, não pode usar boné de marca ou fone de ouvido, nem ler jornal em serviço. Sempre há um fiscal de olho. E multa para tudo.
Em média oito motoristas de ônibus têm sido multados todos os dias em Curitiba pelos fiscais da Urbs, empresa que administra o transporte coletivo na cidade. Foram 1.237 multas entre janeiro e maio deste ano, média de 247 por mês, 8 por dia. A maioria, segundo a Urbs, por “direção inadequada”, como furar sinal, não respeitar faixa de pedestre ou fazer curvas em alta velocidade. Na comparação com anos anteriores, houve uma pe­que­na redução. Em 2007 foram 4.395 infrações, média de 366 por mês. No ano passado foram 5.439, ou 453 por mês. A infração mais comum, de acordo com a Urbs, foi sair do ponto antes do horário.

Atraso e superlotação

“Como o motorista vai sair adiantado se nem consegue chegar no horário?”, questiona o diretor admi­­nistrativo do Sindicato dos Motoristas e Cobradores (Sindi­moc), Valdecir Boleti. Atraso e superlotação são as principais causas de reclamações dos usuários. Em 2009, três em cada quatro li­-nhas da Rede Integrada de Trans­porte (RIT) tiveram problemas para cumprir o horário e geraram queixas. Os penalizados não são apenas os usuários, que perdem tempo, mas sobretudo os mo­to­ristas, que perdem parte do salário. A Urbs notifica as empresas, que repassam a multa para a frente.
“A gente recebe reclamações de motorista multado porque atrasou dois minutos”, diz Boleti. O problema, segundo ele, estaria na tabela de horários criada pela Urbs em 1994. Na época, a frota de Curi­tiba era metade da atual, havia menos semáforos, menos lombadas e menos passageiros, lembra a vice-presidente do Sindimoc, Ana Ilíbia Grenn. A Urbs informou que mexe nos horários de acordo com a necessidade relatada pelas empresas e sugestões dos motoristas. Se fosse a mesma tabela desde 1994, argumenta, o sistema não funcionaria. O Sindimoc, contudo, diz que a base de horários é a mesma. “Nós é que vivemos o problema todos os dias”, diz Ana Ilíbia.
Quando fica retido em algum congestionamento, o motorista precisa recuperar o tempo. Como a multa é certa se chegar atrasado, ele decide arriscar pisando no acelerador ou passando algum sinal vermelho na esperança de não ser flagrado. “Aí o risco passa a ser de todo mundo”, alerta Boleti. Se ele não fizer isso, pondera o sindicalista, os atrasos vão se somando e as multas comprometem o salário. “Ninguém chega atrasado porque quer. Não basta o motorista se qualificar, é preciso dar condições a ele para trabalhar bem.”
O salário inicial de um motorista é de R$ 1.238 e de um cobrador, R$ 780. A única diferença entre um iniciante e um veterano está no anuênio de 2%. Curitiba e região metropolitana têm 6,5 mil motoristas e 4,5 mil cobradores. Parte desses profissionais já desempenha a função de motorista e cobrador, no caso dos micro-ônibus. Ganham para isso um adicional de 10%.


Fonte: Gazeta do Povo

READ MORE - Motoristas de ônibus em Curitiba acumulam funções, correm para cumprir horários e têm parte do salário comprometida pelas infrações de trânsito

Recife: Avenida Norte: uma via importante, mas com muitos problemas


A avenida Norte é uma das principais avenidas do Recife. Tem quase nove quilômetros de extensão. Ela passa por dez bairros, alguns deles com muitos moradores, que usam a via para se deslocar. Muita gente usa bicicleta, mas só existe ciclovia em um trecho da avenida, que passa por Santo Amaro. Para quem anda a pé, de carro ou de ônibus sobram os buracos.
A avenida começa na rua da Aurora, no bairro de Santo Amaro, e termina na BR-101, perto do Terminal de Ônibus da Macaxeira. Em todo o percurso de um dos principais corredores da cidade, é possível encontrar problemas. Pelo local, passam 58 linhas de ônibus. Os passageiros, aproximadamente 120 mil, sofrem com os buracos na pista e com as calçadas.
As placas de concreto são remendadas com piche. Eles abrem e se transformam em perigo, que os motoristas precisam desviar. “Isso deixa o trânsito lento, traz prejuízo para a gente”, disse o taxista Fábio de Lima.
Na saída do Alto José do Pinho, a placa de concreto que deveria cobrir a galeria não existe mais. No local, barras de ferro. Até os ônibus precisam reduzir a velocidade. Muitas galerias estão quebradas, entupidas. No inverno, a avenida Norte alaga. A aposentada Antônia Gomes, de 76 anos, reclama: “já levei tanto banho de chuva aqui. quando chove, alaga tudo e a gente não consegue ver os buracos”.
“A avenida Norte faz parte dos grandes corredores do Recife e receberá um tratamento diferenciado. As galerias, canaletas e pavimentação já foram recuperadas em diversos locais, mas o trabalho vai continuar. Até final de outubro, a população sentirá a modificação na via. Dentro do plano de manutenção, vamos trocar placas danificadas e, nos cruzamentos, iremos colocar um concreto de melhor qualidade”, falou o diretor de manutenção da Emlurb, Fernando Melo.
  • CICLOVIA
Pior para as pessoas que usam bicicletas. “É horrível andar por aqui. Devia ter uma ciclovia para a gente, dos dois lados. Começaram a construir uma, mas eu nunca usei”, disse o entregador de móveis Edilson Teixeira.
A ciclovia que ele se refere é esta no bairro de Santo Amaro. Um trecho que tem menos de um quilômetro e não atende todos os moradores da avenida Norte. Os ciclistas reclamam e os motociclistas também.
A assessora executiva da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras do Recife, Ana Cláudia Mota, explicou que a obra da ciclovia não está concluída. “Por isso ainda não tem sinalização, nem fiscalização. Dos 1,5 quilômetros de ciclovia, a maior parte está pronta, mas ainda falta oito dos 135 terrenos que temos que desapropriar, através de processos judiciais, para poder dar continuidade ao trabalho. Até dezembro desse ano, a ciclovia deve estar concluída”, disse
  • FISCALIZAÇÃO DOS SEMÁFOROS
Além dessas denúncias, a empregada doméstica Genilda dos Santos fala que as motos vivem passando no farol vermelho. “É capaz até de a gente ser atropelada”, falou. Sobre isso, a CTTU diz que, diariamente, agentes de trânsito fazem rondas para fiscalizar o tráfego no local. Quando os agentes identificam alguma irregularidade, os condutores são notificados.
  • FAIXA DE PEDESTRES APAGADAS
Muitas faixas de pedestre apagadas foram encontradas. Sobre isso, a Companhia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU) esclarece que, em abril deste ano, renovou toda a sinalização horizontal da avenida Norte. E, assim que terminar o período de chuvas, as faixas de pedestre da via receberão uma nova pintura.
  • TEMPO DOS SEMÁFOROS
A reclamação da estudante Tâmires Gomes é sobre o tempo nos semáforos. A avenida Norte tem 24 sinais de trânsito. Ela diz que espera mais de meia hora para os sinais abrirem.
A CTTU informou que a sincronia dos semáforos é feita através de cálculos matemáticos obtidos em função do volume de veículos, da velocidade estabelecida para a via e da distância entre os sinais. Quanto ao tempo dedicado aos pedestres, a CTTU esclarece que também é determinado por um cálculo matemático em função da largura da via e da velocidade do pedestre.
Trata-se de uma regra mundialmente adotada pelos órgãos de trânsito. Mesmo assim, caso o pedestre identifique que o tempo para a travessia é curto, ele pode ligar para o para a CTTU, através 0800.081.1078, e solicitar uma vistoria do órgão informando o local do sinal.

  • PARADAS DE ÔNIBUS
Durante a reportagem, um flagrante de parada de ônibus quebrada foi encontrado no bairro da Encruzilhada. Um abrigo que não abriga ninguém. O passageiro reclama no verão e sofre no inverno.
Em nota, o Grande Recife Consórcio de Transporte disse que a parada quebrada é ponto de ônibus apenas da linha avenida Norte/ Macaxeira. O local, segundo a empresa, não tem espaço para a instalação de um abrigo. Em uma semana, a parada será trocada por uma nova, igual a anterior, com o nome parada seletiva, informou.
Fonte: pe360graus

READ MORE - Recife: Avenida Norte: uma via importante, mas com muitos problemas

Processo de licitação para nova etapa das obras do Bigossi será em agosto


O processo de licitação da 2ª etapa de obras do Canal Bigossi, orçadas em R$ 11 milhões, deverá começar no mês de agosto. De acordo com a Secretaria de Estado dos Transportes e Obras Públicas (Setop) o processo está seguindo o cronograma.
A segunda etapa da obra faz a ligação viária entre a Avenida Capixaba, no bairro São Cristóvão, com a Rodovia Carlos Lindenberg, na Glória. De acordo com o secretário de Desenvolvimento Econômico de Vila Velha, Winker Denner, a expectativa é de que a obra seja inaugurada até o final de 2012.
A Prefeitura de Vila Velha recebeu o engenheiro Antônio Luiz Caus, da Setop, que apresentou os projetos de Prolongamento do Canal Bigossi e do Corredor Urbano Saída Sul, em fase de licitação pelo governo do Estado. A apresentação dos projetos foi feita durante a reunião do Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano (Comdur), onde lideranças comunitárias tiveram a oportunidade de conhecer as mudanças que serão feitas para melhorar a mobilidade urbana em Vila Velha, no final da tarde de quarta-feira (28).
A Setop informou que serão construídas três faixas de tráfego para automóveis em cada sentido, com semáforos de dois tempos, já prevendo espaço para implantação do corredor exclusivo para ônibus no canteiro central.
Corredor Saída Sul
Outro corredor importante que será feito ligará o Canal Bigossi, da altura do Terminal de Vila Velha, até a Rodovia do Sol, passando pelos bairros Soteco, Boa Vista e Itaparica. A novidade irá suprir a demanda das avenidas Antônio Ataíde e Luciano das Neves, que hoje estão com as suas capacidades esgotadas.
Segundo Winker Denner, a obra, deverá custar aproximadamente R$ 30 milhões, será dividida em duas etapas de execução, sendo que ambas devem ser licitadas até o fim do ano e o projeto concluído em 4 anos, após a licitação. O secretário não soube informar quando as obras do corredor serão iniciadas. O secretário confirmou que a verba para a execução das obras sairá do cofres do governo do Espírito Santo.
Segundo o secretário municipal de Desenvolvimento Urbano, Henrique Casamata, essa reunião teve a intenção de compartilhar as informações. "É importante que a população participe, se aproxime e conheça as melhorias antes mesmo que elas aconteçam", destacou Casamata.
Na reunião, foi reafirmada a importância da existência de uma legislação ativa que impeça que a cidade sofra com ocupações desordenadas, como aconteceu no passado. "Ao longo desses corredores que estão sendo criados, é importante deixar áreas livres para a expansão desses caminhos, preparando Vila Velha para o crescimento", lembrou o secretário de Desenvolvimento Econômico, Winker Denner.

Fonte: ESHoje

READ MORE - Processo de licitação para nova etapa das obras do Bigossi será em agosto

Cuiabá: Governo e prefeituras vão discutir gestão unificada do transporte coletivo


A Agência de Regulação de Serviços Públicos Delegados de Mato Grosso (Ager-MT) e a prefeitura de Cuiabá oficializaram junto à prefeitura de Várzea Grande, na manhã desta quarta-feira (28.07), a unificação da data-base do reajuste do transporte inter e intra municipal. A prefeitura de Várzea Grande começou os estudos para definir o índice de reajuste no transporte coletivo na cidade que completa um ano no final de agosto e, só então, será definida a data em que o novo preço irá vigorar nos dois sistemas, municipal e intermunicipal. Na semana passada, a Ager-MT aprovou o reajuste de 9,09% para a tarifa entre Cuiabá e Várzea Grande, que passa de R$ 2,20 para R$ 2,40. Na Capital, a prefeitura estipulou um aumento de 8,7% e a tarifa de R$ 2,30 passa a ser de R$ 2,50.
Unificar a data-base do reajuste é o primeiro passo para uma integração mais ampla não só entre Cuiabá e Várzea Grande, mas em toda Região Metropolitana do Vale do Rio Cuiabá que é formada por 13 cidades. Segundo a presidente da Agência de Regulação, Márcia Vandoni, foi definida a criação de uma comissão para discutir o transporte na Região Metropolitana considerando as mudanças já em andamento. “A integração do transporte coletivo por meio do sistema BRT (Bus Rapid Transit) tem que envolver a Baixada Cuiabana e assim facilitar o acesso não das pessoas que vivem na região mas, principalmente, das que virão para Cuiabá participar da Copa 2014. A Capital é o Portal do Pantanal e a gestão do transporte intermunicipal e municipal é fundamental para garantir a mobilidade urbana com mais qualidade e eficiência”, afirmou Márcia Vandoni.

Fonte: 24 Horas News


READ MORE - Cuiabá: Governo e prefeituras vão discutir gestão unificada do transporte coletivo

Bicicleta, o transporte do futuro

O problema de deslocamento em grandes cidades não é exclusividade do Brasil. Aqui isso tem se agravado. Em vez de investirmos em transporte coletivo, baixamos impostos para o transporte individual. Em vez de apostar em trens e navios para o transporte de cargas, mandamos tudo por caminhões. (Já notaram que, em grande parte dos acidentes, tem um caminhão ou ônibus envolvido?).
Um amigo foi perguntado por um europeu como era o transporte por trens no Brasil. “Incipiente”, respondeu. Comentário do europeu: “Então as estradas de vocês devem ser péssimas!”. Consequência disso? Somos os campeões mundiais em acidentes de trânsito e engarrafamentos.Enquanto isso acontece por aqui, os mais desenvolvidos centros urbanos do mundo caminham no sentido contrário.
Usar bicicletas para trabalhar ou se deslocar está deixando de ser coisa de pobre, para se tornar transporte de gente consciente. A cada dia que passa, mais gente tem escolhido a bicicleta como seu meio de transporte preferido, especialmente nas cidades mais ricas do mundo, como Nova York, Londres, Tóquio, Berlim. Frankfurt, há anos, vem estreitando ruas, para circularem menos carros no centro.
Em Copenhague, muitas ruas antes dominadas por carros em busca de estacionamento hoje são espaços para pedestres e bicicletas. Nova York já estuda pedágio e taxa de engarrafamento para carros no centro. E começou a fechar algumas ruas, em determinados períodos, para carros. Também lá estão trocando estacionamentos de carros, para estacionar bikes. Cresce a quantidade de ciclovias.
O número de bicicletas aumentou em 35% entre 2007 e 2008. Tóquio já tem cinemas com estacionamentos de bicicletas. Em algumas dessas cidades já acontecem festas com manobristas para bikes.
Em Paris, muitos conhecem a tentativa de usar bicicletas públicas, as Vélib (velo, de bicicleta, em francês e lib, de livre/liberdade). A pessoa passa o cartão de crédito e libera uma bike para uso próprio. Tem uma hora de graça, para estimular pequenos trajetos. Depois disso é cobrada uma taxa. O cartão serve como garantia: roubou=comprou.
No Brasil, cidades como Blumenau e Joinville sempre tiveram grande tradição em usar bicicletas. Por aqui, bicicleta tem sido coisa de pobre, ou veículo de passeio em fins de semana. Somos dependentes de automóveis.Com o aquecimento global, o uso dos carros é questionado fortemente. Imaginem quando os dois países mais populosos do mundo – China e Índia – tiverem grande quantidade de carros circulando. Em Porto Alegre, como em quase todas as cidades brasileiras, não temos metrô.
Nas poucas capitais que têm, como São Paulo, o metrô não tem grande capilaridade. Talvez agora, quando um dos principais artistas da novela da Globo é um ciclista, essa moda pegue.Mas, para que possamos usar a bicicleta no dia a dia, precisamos de ciclovias e locais para deixar as bicicletas, que não amarradas em postes e cercas.
E os motoristas precisam respeitar quem quer cuidar melhor do ar que respiramos e, junto com isso, fazer um bom exercício diário.Quando teremos iniciativas consistentes e corajosas para equipar Porto Alegre para esse que já está sendo considerado por muitos como o transporte do futuro?

Fonte: Alfredo Fedrizzi ao Zero Hora
READ MORE - Bicicleta, o transporte do futuro

Últimos trens da Linha 4 do Metrô de SP chegam ao País


Os três últimos trens do lote inicial de 14 composições da Linha 4 - Amarela do Metrô paulistano (hoje operando com as estações Paulista e Faria Lima, mas que futuramente ligará a Luz à Vila Sônia) já estão no País, em um navio que os trouxe desde a Coreia do Sul, onde foram fabricados. Eles devem desembarcar no Porto de Santos até o fim desta semana, de onde seguirão por carretas até o Pátio Vila Sônia, na zona sul da capital, onde serão montados e passarão por testes.
Dos 11 trens que já estão nos trilhos, cinco composições estão operacionais e vem transportando passageiros diariamente entre as duas estações. De acordo com Luís Valença, presidente do Consórcio Via Quatro, operador da Linha, a média diária vem sendo de 11 mil passageiros transportados - "acima da nossa expectativa no início", diz ele.
As duas próximas estações da Linha 4 (Butantã e Pinheiros) devem, segundo Valença, ser inauguradas em novembro deste ano. E, para que a primeira fase fique completa, faltarão outras duas (República e Luz), a serem abertas até abril de 2011.
De acordo com Valença, a operação da linha, que conta com uma série de novos sistemas, como as portas de plataforma e os trens com tecnologia driverless (sem condutor) vem correndo sem problemas. "Apenas pequenos ajustes foram feitos", diz.

Fonte: Estadão


READ MORE - Últimos trens da Linha 4 do Metrô de SP chegam ao País

Metrô de Fortaleza deve abrir 700 vagas


Com a chegada do Metrô de Fortaleza em vista, é natural a demanda por profissionais para seu devido funcionamento. Diante da perspectiva de início de funcionamento da linha Sul no segundo semestre de 2011, já está sendo solicitada ao Governo do Estado a realização de um concurso público que deve abrir, pelo menos, 700 novas vagas.
De acordo com a diretora de gestão empresarial do Metrô de Fortaleza, Ciça Maia, o certame só deve sair entre abril e maio do ano que vem. "Já foi feito um levantamento das nossas necessidades com uma empresa especializada, a Trends Consultoria. Quando o concurso for aprovado, daremos o perfil dos candidatos. Afinal, quem vai lidar com trem e metrô tem um perfil especializado, deve trabalhar com precisão", alerta a diretora.
Vagas de nível médio, técnico e superior
Ainda segundo a direção do Metrô de Fortaleza, as vagas que serão abertas devem garantir postos para pessoas com nível médio, técnico e superior. Os salários devem variar de R$ 674,20 a R$ 2.018,00, seguindo a atual remuneração dos funcionários.
Postos a serem abertos e remuneração prevista:
- Agente de segurança de operações - R$ 674,20- Agente de estação - R$ 751,91- Controlador de CCO - R$ 992,00- Supervisor de estação - R$ 1.122.00- Supervisor de trem - R$ 1,122,00- Supervisor de equipe - R$ 1362,00- Analista de gestão - R$ 1.565,00- Analista técnico - R$ 2.018,00
Dependendo do cargo escolhido pelos candidatos, haverá exigência em formações específicas. No caso das funções de analista de gestão, por exemplo, deverão concorrer pessoas com formação em Psicologia, Assistência Social, Administração, Direito, entre outras. Já o cargo de analista técnico deve exigir pessoas graduadas em Engenharia e suas especialidades.
"Devemos ressaltar que o concurso só deve acontecer ano que vem, mas após a realização, haverá um treinamento. Alguns dos nossos funcionários já estão sendo treinados na Itália, outros em Recife e São Paulo. Tudo isso para poder capacitar a mão de obra que será contratada. Nós estamos formando um corpo de instrutores internos", completa Ciça Maia.
Vagas: 700Cargo: váriosNível: médio a superiorRemuneração: até R$ 2.018,00Edital: em breve

Fonte: Portal Verdes Mares


READ MORE - Metrô de Fortaleza deve abrir 700 vagas

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960