Letreiros de ônibus serão padronizados em todo o país

segunda-feira, 17 de maio de 2010


Os letreiros dos ônibus serão padronizados em todo o Brasil. Os novos modelos foram definidos pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e pelo Inmetro. A fiscalização deve começar em julho. Estão obrigados a seguir as regras os ônibus fabricados a partir de 2002.

Para pegar ônibus, em Goiânia, muitas vezes os passageiros precisam decifrar o destino. “O ônibus chega no ponto e não consigo entender bem o número. Ele pisca muito rápido, não dá para ler direito”, reclama a aposentada Junias da Silva Alves.

Em Porto Alegre, os letreiros estão desbotados, com informações em duas cores e com letras diferentes. A confusão se repete em Belo Horizonte. Nos painéis, aparecem abreviações e itinerários escritos em diversas cores. “É importante ajustar o tamanho de letra com o que cabe no letreiro, estabelecer algum tipo de padrão. Quando o destino tem o nome maior, diminui o tamanho e também a largura de cada letra, comprometendo a visibilidade”, disse a oftalmologista Márcia Guimarães.
De acordo com as novas normas, as letras terão que medir 15 centímetros de altura, o que deve permitir ao passageiro enxergar o destino do ônibus a pelo menos 50 metros de distância _o que significa mais ou menos meio quarteirão. Também foram definidas cores para os letreiros. “Para os letreiros de pano, as informações, os caracteres têm de estar na cor verde limão ou amarelo-limão, no fundo preto. Já os letreiros eletrônicos precisam ter os caracteres na cor amarelo âmbar ou branco”, afirma o supervisor de inspeção veicular da BHtrans, Rodrigo Pimenta.



Fonte: G1
READ MORE - Letreiros de ônibus serão padronizados em todo o país

Rodoviários discutem amanhã fim de greve em Belém


A audiência de tentativa de conciliação entre trabalhadores e patrões das empresas de ônibus de Ananindeua e Marituba será para manhã (18), às 10h, pelo juiz da 4ª Vara do Trabalho de Ananindeua, Fernando Lobato Júnior.

O juiz recebeu o processo nesta segunda-feira (16), encaminhado pela presidente em exercício do Tribunal Regional do Trabalho (TRT8), desembargadora Rosita Sidrim Nassar, que considerou que, como o dissídio e a greve acontecem em Ananindeua e Marituba, deve ficar sob jurisdição da 4ª Vara Trabalhista.

Caso não haja acordo, o processo retornará ao Tribunal e será distribuído para dois desembargadores, um relator e outro revisor, integrantes da Seção Especializada I, responsável por julgar casos de greve.

Na manhã de sexta-feira (14), a Federação das Empresas de Transportes Rodoviários da Região Norte (Fetranorte) entrou com pedido de dissídio coletivo junto ao TRT 8ª (PA/AP).

O processo foi autuado e distribuído à presidência do Tribunal para marcar a audiência de tentativa de conciliação entre trabalhadores e patrões das empresas de ônibus de Ananindeua e Marituba. (AL)

Fonte: Portalamazonia
READ MORE - Rodoviários discutem amanhã fim de greve em Belém

Cinco ônibus são depredados durante paralisação dos rodoviários em São Luís


Os motoristas, cobradores e fiscais de ônibus iniciaram uma paralisação nesta segunda-feira em São Luís. Cinco coletivos que faziam a linha Maiobão foram depredados nesta manhã. Por conta da greve, muitos usuários recorreram ao transporte alternativo para chegar ao trabalho.
Alguns coletivos das empresas Gonçalves, Primor, Maranhense, Taguatur Brasileiro e Menino Jesus Praga ainda tentaram circular pela ruas e avenidas da cidade, mas logo retornaram às garagens no início da manhã. Segundo determinação da Justiça do Trabalho, pelo menos 60% da frota de ônibus deveria estar nas ruas.
O presidente do Sindicato dos Rodoviários, Dorival Silva, disse, em entrevista à rádio Mirante AM, que os ônibus não saíram das garagens por determinação dos empresários temendo quebra-quebra.
Representantes dos rodoviários e das empresas de transporte coletivo estão reunidos no Tribunal Regional do Trabalho(TRT), no bairro da Areinha. No fim da manhã desta segunda-feira, o TRT notificou os dois sindicatos para comparecerem à sede do tribunal para que se tente chegar a um acordo entre as partes. Segundo a Assessoria de Comunicação do TRT, a audiência de conciliação desta tarde é comandada pelo desembargador Américo Bedê Freire.

Fonte: O Globo
READ MORE - Cinco ônibus são depredados durante paralisação dos rodoviários em São Luís

Recife: Ponto de parada de quatro linhas é alterado no Terminal do Cais de Santa Rita


Em virtude de ajustes operacionais, o Grande Recife Consórcio de Transporte modificou, desde o início da operação de hoje (17/05), o ponto de embarque e desembarque de quatro linhas de ônibus que transitam diariamente no Terminal do Cais de Santa Rita.

As quatro linhas envolvidas na alteração fazem parte do grupo de 24 linhas que tiveram o seu ponto de parada modificados em decorrência da interdição parcial as plataformas A, B e C do Terminal do Cais de Santa Rita, no ultimo sábado (15/05).

As linhas envolvidas na mudança são 621-Alto Treze de Maio, 181-Cabo (Coahb), 183-Ponte dos Carvalhos e 185-Cabo.

O novo ponto de embarque e desembarque dessas linhas segue na lista abaixo. As dúvidas podem ser esclarecidas através da Central de Atendimento ao Cliente do Grande Recife pelo telefone 0800 081 01 58.

Linhas que tiveram o seu ponto de parada modificado:

621-Alto Treze de Maio
Alteração de itinerário Sentido: Subúrbio/Cidade ...Av. Martins de Barros, Cais de Santa Rita, Terminal do Cais de Santa Rita (Parada provisória – Plataforma C5), Av. Martins de Barros...

181-Cabo (COHAB)
183-Ponte dos Carvalhos
185-Cabo Alteração de itinerário:
Sentido: Cidade/Subúrbio ...Av. Martins de Barros, Cais de Santa Rita, Rua entre o armazém e o pátio da feira (Parada provisória 05- Abrigo de concreto existente ao lado da feira), Cais de Santa Rita, Travessa do Forte...

Fonte: CGRT
READ MORE - Recife: Ponto de parada de quatro linhas é alterado no Terminal do Cais de Santa Rita

Metrô em Curitiba provoca polêmica


A chegada do metrô a Curitiba está provocando discussões sobre o futuro do sistema de transporte urbano da capital paranaense, considerado exemplar e imitado em mais de 80 países.

Para alguns urbanistas, a implantação do transporte subterrâneo na capital paranaense é bem-vinda como um complemento para o sistema de transporte adotado no município, batizado de Bus Rapid Transport (BRT), que já exibe sinais de estrangulamento por conta do próprio crescimento da cidade. Para outros, entre eles o ex-prefeito de Curitiba e ex-governador do Paraná, Jaime Lerner, que introduziu o BRT na cidade nos anos 70, o sistema de transporte por superfície necessita apenas de ajustes, dispensando-se a necessidade da introdução do metrô, um meio de transporte cuja implantação é considerada cara.

O metrô de Curitiba terá 22 quilômetros de extensão, repartidos entre 21 estações, ligando os terminais de ônibus de CIC Sul, na Zona Sul da cidade, e Santa Cândida, na zona Norte. O metrô atenderá a Zona Sul de Curitiba, a região da cidade que mais cresce, diz o presidente do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), Cléver de Almeida.

Sua construção demandará investimentos de R$ 3,5 bilhões. A primeira fase, que abrangerá 13 quilômetros entre CIC Sul e a praça Eufrásio Correia, no centro da cidade, terá um custo de R$ 2 bilhões e deverá estar concluída no inicio de 2014, antes, portanto, do início da Copa do Brasil, que terá Curitiba como uma das cidades-sede.

Segundo ele, algumas características do projeto do metrô serviram para reduzir o seu custo. O presidente do Ippuc diz que 8 quilômetros do metrô serão construídos a uma profundidade mais baixa, com redução dos custos das suas obras. Além disso, o metrô será construído seguindo o traçado da Linha Verde, outro projeto de entroncamento de transporte por ônibus que está sendo implantado, que resultará em redução dos valores de desapropriações.

Precisamos fugir desse falso dilema da mobilidade urbana dividida entre o automóvel e o metrô, diz Lerner. A cidade não se viabiliza somente com o automóvel e não pode ficar aguardando o metrô, que às vezes não vem. Ele acrescenta que frequentemente, quando se pensa em metrô, se imagina que ele estará ali, na porta de casa, destacando que a construção de linhas do transporte subterrâneo exige vultosos investimentos.

Em artigo publicado na imprensa paranaense, Lerner afirmou que são transportados diariamente 2,3 milhões de passageiros no sistema de transporte em superfície, mais ou menos o mesmo que o metrô de São Paulo, ou o metrô e o trem de subúrbio do Rio de Janeiro, juntos.

Lerner defende a continuidade e aprimoramento do sistema.. Ele abriu um caminho para Curitiba. Temos pela frente um longo caminho no que se refere ao aperfeiçoamento desse sistema, diz. Confrontado com as críticas de que o sistema de transporte por ônibus articulados que trafegam em canaletas exclusivas apresenta pontos de estrangulamento, Lerner defende a retomada da eficiência com sincronia dos semáforos para que os ônibus parem o mínimo possível.

Tem de se manter uma frequência de passagem dos ônibus nas estações-tubo de no máximo 30 segundos.

Fonte: Intelog
READ MORE - Metrô em Curitiba provoca polêmica

Salvador: Ônibus na Estação Pirajá só saem lotados


Uma garfada na comida, abotoar uma blusa, abrir o carro, comer um brigadeiro, beber um copo d'água e até ler esta frase. Muito se faz em 15 segundos. Mas, na Estação Pirajá, este é o tempo para que um ônibus fique completamente lotado, com mais de 100 passageiros. Como? Eles entram pelas portas, pela janela e saem pendurados nos carros.
A dica dos passageiros: tem que ter disposição! São 5h e o pintor Júlio César de Araújo está na fila para entrar no ônibus, mas sabe que precisa se preparar para correr. O ônibus para na plataforma e, 15 segundos depois, está lotado. Até o trabalho, numa oficina em Ondina, o desconforto é enorme. Afinal, ele divide espaço com pelo menos mais 100 passageiros, que invadem o carro por portas e janelas. Como ele consegue?
“Rezando. Muitas vezes, chego atrasado no trabalho e o patrão não gosta. Ele não quer saber o motivo do atraso. Sabe apenas que não cheguei no horário e a lenha desce. É um sacrifício diário”, conta.
Júlio é um dos 120 mil passageiros que utilizam o terminal de transbordo — por ser uma estação, não há cobrança de passagem — diariamente e sofre com o descaso e a desorganização. No cenário de guerra, é com socos e pontapés e até mordidas que os usuários lutam por um lugar.

Tem jeito
É por isso que a Estação Pirajá será o ponto de partida para uma mudança nas linhas de ônibus, proposta pelo superintendente de Trânsito e Transporte do Salvador (Transalvador), Miguel Kertzman. Em entrevista ao CORREIO, ele diz que a ideia, a curto prazo, é que as linhas mais sobrecarregadas ganhem carros extras, retirados das linhas com menos passageiros nos horários de pico. “Vamos fazer uma reprogramação das ordens de serviço em várias linhas. Temos exemplos de linhas que só tem passageiros em determinados horários. Isso faz com que um ônibus vá para a rua sem necessidade”, explica o superintendente.
Além da reordenação das linhas, o controle dos veículos que fazem o transporte coletivo também vai aumentar. “Queremos uma fiscalização online. Com o GPS, podemos saber se o carro está no itinerário certo, usando a faixa correta das vias e, assim, causando menos engarrafamentos e transtornos”.

Rotina
As reclamações vão desde a falta de ônibus e a desordem nas filas, até a agressões e desrespeito ao Estatuto do Idoso. “Há duas semanas, uma senhora, aparentando seus 75 anos, chegou a cair perto da porta do meio, para deficientes, já que os motoristas não abrem a porta da frente nem para os idosos e nem para grávidas”, reclama Júlio César.
Se grávidas e idosos não tem privilégios, mulheres com crianças no colo e portadores de necessidades especiais muito menos. A doméstica Marcela Oliveira dos Santos, 29 anos, tem um bebê de 10 meses. Como não tem com quem deixar a criança, ela leva o filho para o trabalho.
A peregrinação começa às 5h30, quando acorda. Ela precisa chegar no trabalho, na Barra, às 7h. Para ela, se as filas fossem organizadas e o número de ônibus maior, ela teria uma hora e meia a mais no dia para o filho. “E o pior: os motoristas não abrem a porta e os fiscais não ajudam. Hoje, um dos orientadores disse que vai me ajudar porque vocês, repórteres, estão aqui. Caso contrário, eu não teria condições de pegar o ônibus”.
Marcela ensina a estratégia que ele adotou para conseguir entrar nos veículos com o filho. “Fiz amigos. Muitas pessoas que estão na fila hoje, estarão amanhã. Eles me veem com a criança nos braços e acabam abrindo espaço e formando um cordão em minha volta, protegendo meu filho. O que mais me revolta é ter que enfrentar a multidão, enquanto o motorista abre a porta da frente para amigos”.
O cobrador Aloisio Gomes, que trabalha na linha Barra 3, admite que o sistema de transportes falha, mas atribui a maior parcela de culpa aos usuários. 'Entendo que 64,3% dos problemas aqui são causados pela má educação dos passageiros', completa.

Fonte: Correio 24Horas
READ MORE - Salvador: Ônibus na Estação Pirajá só saem lotados

Letreiros de ônibus serão padronizados em todo o país


Os letreiros dos ônibus serão padronizados em todo o Brasil. Os novos modelos foram definidos pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e pelo Inmetro. A fiscalização deve começar em julho. Estão obrigados a seguir as regras os ônibus fabricados a partir de 2002.

De acordo com as novas normas, as letras terão que medir 15 centímetros de altura, o que deve permitir ao passageiro enxergar o destino do ônibus a pelo menos 50 metros de distância o que significa mais ou menos meio quarteirão. Também foram definidas cores para os letreiros.

“Para os letreiros de pano, as informaçõe, os caracteres têm de estar na cor verde limão ou amarelo-limão, no fundo preto. Já os letreiros eletrônicos precisam ter os caracteres na cor amarelo âmbar ou branco”, afirma o supervisor de inspeção veicular da BHtrans, Rodrigo Pimenta.

Fonte: IParaíba
READ MORE - Letreiros de ônibus serão padronizados em todo o país

São Paulo: Feira altera itinerário de ônibus na zona sul


Devido a 15ª Toys, Parties & Christmas Fair South America - feira de artigos para festas sazonais -, que será realizada entre sábado (15 de maio) e terça-feira (dia 18), das 9h30 às 20h no Transamérica Expo Center, na zona sul da cidade, a SPTrans alterará o itinerário das linhas que trafegam pela região. Para informações sobre linha e trajetos de ônibus consulte itinerário ou ligue 156.

Linhas e itinerários:
677A/10 Terminal Jardim Ângela - Metrô Ana Rosa
7710/10 Terminal Guarapiranga - Metrô Ana Rosa
637A/10 Terminal Jardim Ângela - Pinheiros
637A/25 Piraporinha - Pinheiros
637A/26 Terminal Guarapiranga - Pinheiros
637C/10 Jardim Jacira - Pinheiros
609R/10 Jardim Capela - CCPD Raul Tabajara
Ida: normal até Av. Dr. Mário Vilas Boas Rodrigues, Rua Adele, Av. Mário Lopes Leão, Av. das Nações Unidas, prosseguindo normal.
Volta: sem alteração.
6049/10 Valo Velho - Santo Amaro
6042/10 Jardim Três Estrelas - Santo Amaro
6042/21 Jardim Sônia Ingá - Santo Amaro
6036/10 Jardim Macedônia - Santo Amaro
6039/10 Valo Velho - Santo Amaro
746P/10 Paraisópolis - Santo Amaro
746P/31 Paraisópolis - Santo Amaro
Ida: sem alteração.
Volta: normal até Av. Mário Lopes Leão, Av. das Nações Unidas, Rua Dr. Rubens Gomes Bueno, Rua Acari, Rua Centro Africana, Av. João Dias, prosseguindo normal.
6007/10 Parque Santo Antonio - Terminal Santo Amaro
6013/10 Jardim Nakamura - Terminal Santo Amaro
6065/10 Vila Calu - Terminal Santo Amaro
Ida: sem alteração.
Volta: Term. Santo Amaro, Av. Padre José Maria, Av. das Nações Unidas, Rua Dr. Rubens Gomes Bueno, Rua Acari, Rua Centro Africana, Av. João Dias, prosseguindo normal.

Fonte: SPTrans

READ MORE - São Paulo: Feira altera itinerário de ônibus na zona sul

Greve já causa transtorno em Ananindeua e Marituba


Começou a meia-noite de domingo (16) a greve dos rodoviários de Ananindeua e Marituba. Nesta segunda-feira (17), quem precisa vir para Belém de Marituba ou de Ananindeua e vice-versa, já está enfrentando dificuldades. Apenas parte dos motoristas e cobradores de ônibus dos dois municípios está trabalhando.
Cerca de 200 mil pessoas estão tendo que buscar um transporte alternativo para não perder os compromissos ou chegar atrasados.

Hoje a Justiça do Trabalho deve apreciar o pedido de dissídio coletivo impetrado pelo sindicato dos empresários.

Prejuízos - A estudante de jornalismo Wal Sarges, mora no bairro do Una em Ananindeua e, como já sabia da greve, teve que buscar uma outra forma de ir para o trabalho. 'No meu bairro normalmente ônibus já é difícil, como eu já sabia da greve, eu pedi para meu irmão, que tem moto, me levar para o trabalho.' contou Wal.
Ainda segundo Wal Sarges, que trabalha na rodovia BR-316, o número de ônibus nas vias realmente está pequeno, mas em compensação há muitos carros nas ruas.

Reinvindicações- Ao todo, são 30 linhas e 800 ônibus parados em Ananindeua e em Marituba desde às zero hora de ontem. A Justiça do Trabalho acatou pedido de medida cautelar impetrado pela Federação dos Empresários do Norte e determinou, na última sexta-feira (14), a circulação de 40% da frota durante a greve, sob pena de multa de R$ 50 mil por dia, em caso de descumprimento da decisão.

A greve já estava determinada desde a terça-feira, após uma assembléia sindical que considerou insatisfatório o resultado das negociações entre os representantes dos rodoviários e os empresários. Motoristas e cobradores pedem reajuste salarial de 12%, tíquete alimentação de R$ 350 e implantação de plano de saúde.

A contabilização da meia hora de pré-revisão feita pelos rodoviários, a reintegração dos diretores sindicais demitidos pelas empresas e o pagamento adicional de 50% para os trabalhadores do turno da noite também estão na pauta de pedidos. Em contrapartida, os empresários oferecem reajuste salarial de 5,49% e vale-alimentação de R$ 280. Atualmente, os motoristas de ônibus recebem R$ 1.035 e os cobradores, R$ 568.

Fonte: Portal ORM
READ MORE - Greve já causa transtorno em Ananindeua e Marituba

CEI recebe esclarecimentos sobre plano de Transportes de Goiânia


A CEI do Transporte Coletivo realizou dia 12, no Auditório Carlos Eurico, reunião para debater os quesitos do Plano Diretor, aprovado em 2007, que tratam do transporte coletivo de Goiânia. O encontro funcionou mais como seminário. O presidente da CEI, vereador Maurício Beraldo (PSDB), fez a abertura e logo após passou o comando para o coordenador técnico do Plano Diretor, professor Ramos de Albuquerque, que fez esclarecimentos sobre os tópicos da lei que tratam sobre o transporte coletivo da capital.

Em palestra, o coordenador do Plano Diretor disse que a lei inclui a construção de eixos exclusivos para o transporte coletivo nas seguintes localidades:

- Corredor Leste-Oeste (parcialmente já construído)
- Corredor T-7
- Corredor T-8
- Corredor T-9
- Corredor Anhanguera (este já está pronto, mas precisa de melhorias e aumento na frota e qualidade dos ônibus)
- Corredor Goiás
- Corredor Mutirão
- Corredor Pio XII
- Corredor Noroeste
- Corredor Campus Universitário

Segundo Ramos está previsto ainda a inclusão de veículos articulados, bi articulados e veículos leves sobre trilhos, para auxiliar no transporte coletivo da capital. Ele explica que a maior dificuldade do Plano de Transporte a ser cumprida é trazer a população que necessita do transporte público para o centro da cidade, ou seja, para mais próximo dos ônibus.

Outra estratégia, que consta na lei, é proibir o tráfego de veículos pesados dentro da cidade em horário comercial. Mas segundo o coordenador, para isso é preciso que se termine o Anel Viário, parcialmente já construído.

De acordo com o vereador Maurício Beraldo, os vereadores precisam de esclarecimentos para realizar bem o trabalho proposto pela CEI. Ele explica que o plano de transporte para Goiânia é uma proposta inovadora, que trata de questões como mobilidade, acessibilidade e mobilidade no transporte público da capital. Para o vereador, o que falta é vontade e iniciativa para aplicar esse Plano, que pode resolver problema do transporte de Goiânia.

Fonte: Câmara Municipal de Goiânia
READ MORE - CEI recebe esclarecimentos sobre plano de Transportes de Goiânia

Brasília-DF: Filas para recarregar os cartões

A corrida dos estudantes para recarregar os cartões do Passe Livre começou cedo nos postos da Empresa Fácil Transporte Integrado, gestora do programa. Ontem, em Taguatinga, uma fila quilométrica se formou antes das 8h. Apesar do movimento, o tempo médio de espera foi de 30 minutos. Já as unidades localizadas no centro da capital amanheceram sem filas. Ontem, 33% — ou R$ 660 mil — dos R$ 2 milhões liberados pelo Governo do Distrito Federal (GDF) já tinham sido repassados aos cartões de cerca de 6,9 mil alunos cadastrados. O valor supera a média diária de crédito, algo em torno de R$ 500 mil.
Atualmente, o benefício é estendido a 132 mil pessoas. O governo repassou a verba em caráter emergencial à Fácil porque os estudantes estavam sem créditos havia mais de uma semana. Os postos da empresa continuam abertos hoje (leia quadro).


A expectativa do gerente da Fácil, Júlio Antunes, é que o dinheiro seja inteiramente distribuído até amanhã — e isso não quer dizer que todos os usuários do sistema serão contemplados. Para dar conta da tarefa, a empresa convocou os 96 atendentes para o trabalho neste fim de semana.


A dona de casa Elisa Cavalcante de Oliveira, 38 anos, saiu de casa, em Samambaia Sul, preparada para passar o dia todo no posto da Fácil, em Taguatinga. “Quando soube que o dinheiro tinha sido liberado, corri para carregar os cartões das minhas filhas. A gente vê que sempre dá confusão. Mas até que o atendimento foi rápido”, comemora.


Contudo, também houve quem enfrentasse problemas. Ao chegar ao guichê de atendimento, a dona de casa Maria Lúcia Ferreira da Silva, 40 anos, foi informada que o cartão de um dos seus dois filhos será bloqueado. O benefício será cortado porque o cartão também foi usado para pagar passagens do metrô, o que não é permitido.


Ainda assim, o cartão foi recarregado ontem. “Não sabia que não poderia usar o cartão para os dois tipos de transporte. Quando fiz o cadastro na Fácil, não me passaram essa informação”, acusa. Do próprio bolso Segundo ela, como os filhos estudam perto de casa, em Ceilândia, só utilizam o Passe Livre para ir às aulas de inglês no Centro Interescolar de Línguas (CIL), na 908 Sul. “Por conta do trânsito, é melhor ir de metrô.


Ainda assim, ganho R$ 132 de crédito para cada, para irem ao curso duas vezes por semana. Nem utilizo tudo por mês, mas me disseram que o governo não recebe o dinheiro de volta para repassar o benefício para quem precisa.” Diferentemente de Maria Lúcia, a merendeira Kátia Rita dos Santos, 38 anos, não consegue o custo integral da passagem do transporte para os dois filhos. Ela mora em Arniqueiras e as crianças estudam no Riacho Fundo II. Para chegar à escola, os meninos precisam pegar duas conduções. “Eles recebem do governo só a passagem do circular, que é R$ 2. A outra, que custa R$ 3, sai do meu próprio bolso”, lamenta.


“Desde o último dia 6, estou eu mesma pagando as passagens. Em abril foi a mesma coisa.” Ontem, Kátia conseguiu carregar o cartão dos filhos. Sem o Passe Livre, ela gasta R$ 10 por dia com cada criança. “Fica inviável, mas não tem como deixá-las sem ir à aula. O jeito é pedir ajuda para minha mãe”, contou.


Fonte: Correio Brasiliense
READ MORE - Brasília-DF: Filas para recarregar os cartões

Mercadante defende investimento em transporte público como prioridade para a zona leste


Em evento do PT na zona leste da Capital neste domingo, 16, o senador Aloizio Mercadante criticou o governo estadual pela falta de investimento no metrô e na Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e disse que uma das prioridades do próximo governo para a região é o investimento em transporte público. Mercadante afirmou que em 15 anos não foi inaugurada uma única estação na zona leste. Quando ligamos a televisão, as promessas são fantásticas, mas nos trens da CPTM e da linha vermelha do metrô as pessoas estão igual a sardinha, e não conseguem nem sair, nem entrar no metrô, criticou.
Para um público de cerca de 700 pessoas, Mercadante disse que para resolver a situação do trânsito e melhorar o transporte das pessoas é preciso mudar a visão de transporte público. Tem que voltar a investir nos corredores de ônibus, como fez a gestão Marta Suplicy, investir em metrô e modernizar os trens da CPTM, defendeu.
Com mais de 4 milhões de habitantes, a Zona Leste transporta, diariamente, 3 milhões de pessoas; destas 1,5 milhão utiliza a linha vermelha do metrô (Itaquera/Barra Funda) para se deslocar, a outra metade se divide entre os ônibus, carros e grande parte utiliza os trens da CPTM. Segundo o senador Mercadante, o governo do estado prometeu novos trens para a CPTM, com a qualidade do metrô, mas a única coisa que ficou igual ao metrô foi a passagem, porque os novos trens não vieram, cobrou ele.
Mercadante comparou a Cidade do México a São Paulo em relação à expansão do metrô. Disse que os dois estados começaram juntos a implantação e que, hoje, a Cidade do México tem 230 km, enquanto São Paulo tem só 63 km. No PSDB vamos demorar 100 anos para ficar igual à Cidade do México. O México é um país mais pobre que o Brasil e a Cidade do México é mais pobre que São Paulo. O que falta aqui é gestão, é competência, é prioridade, criticou.

Fonte: JusBrasil
READ MORE - Mercadante defende investimento em transporte público como prioridade para a zona leste

Salvador: Rodoviários ameaçam deflagrar nova greve nesta semana


Em assembleia marcada para a próxima quinta-feira, 20, trabalhadores de transportes rodoviários da Bahia definirão se deflagram greve por tempo indeterminado. Nas reuniões de negociações da campanha salarial 2010, realizadas na última semana, não houve consenso entre empresários do setor e o sindicato da categoria. Eles voltam a discutir esta semana.

A mobilização dos rodoviários inclui não somente o transporte urbano de Salvador, mas também o metropolitano, intermunicipal e interestadual. Em Salvador, região metropolitana e no interior são 5.300 veículos, distribuídos em 1.730 linhas de transporte coletivo.

Neste sábado, o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários (Sintroba) publicou em um jornal local edital de convocação para a realização de assembleia geral extraordinária dia 20, às 9h, na sede do Sinergia (Sete Portas). Na rua, rodoviários distribuem panfletos à população falando sobre a mobilização. “Esta será uma semana de muitas manifestações”, afirma o diretor de imprensa do sindicato, Hélio Ferreira.

Hélio informa que nesta segunda-feira, durante o dia a direção estará reunida para discutir possibilidades de mobilização e até mesmo a realização de novas assembleias de garagem. Estas não deixam de ser pequenas paralisações, já que o horário de saída dos ônibus é atrasado.

Há 16 dias, o sindicato fez assembleias em 16 empresas no trecho entre a Avenida Suburbana e Pirajá. A saída dos veículos, que deveria ser às 4h, foi ocorrendo aos poucos, das 6h às 10h30, o que ocasionou horas de espera para passageiros. O diretor de relações sindicais do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Salvador (Setps), Jorge Castro, afirma que o setor está aberto a negociar a fim de evitar transtorno para a população. O Setps, conforme ressalta, sugere o dissídio coletivo.

O diretor da Associação das Empresas de Transporte Coletivo Rodoviário do Estado da Bahia (Abemtro) Edmar Ribeiro, também mantém a expectativa de fechar acordo esta semana. “Esperamos que o sindicato flexibilize mais na proposta”, diz.

Impasse - Nesta campanha salarial, rodoviários e empresários já realizaram 12 encontros de negociação. Não houve consenso em alguns pontos, como o reajuste salarial (a categoria pede 16,4% e os empresários oferecem 2,89%), redução da jornada de trabalho de 7h20 para 6h e horas excedentes. Os rodoviários não aceitaram as contrapropostas apresentadas pelos empresários.

A última greve geral da categoria foi há quatro anos, em maio de 2006. Durou quatro dias e foi resolvida com a intervenção do Tribunal Regional do Trabalho com dissídio coletivo. Em 1994, o movimento grevista teve duração de dez dias.

Fonte: Carcará News
READ MORE - Salvador: Rodoviários ameaçam deflagrar nova greve nesta semana

São Paulo: Manifestantes da M'Boi Mirim querem reunião com Prefeitura


O grupo de moradores da Zona Sul de São Paulo que realiza desde 6h desta segunda-feira (17) uma manifestação na Estrada do M'Boi Mirim por melhores condições de transporte público quer uma reunião com o secretário Municipal de Transportes, Alexandre de Moraes, para tratar do problema na região. Os manifestantes seguem em passeata interditando o corredor de ônibus no sentido Centro com destino à Subprefeitura do M'Boi Mirim.
Segundo um dos organizadores do movimento, os manifestantes farão um ato em frente à subprefeitura até que o secretário os atenda. “O subprefeito não resolve mais. Já tivemos uma reunião com ele, mas nada melhorou. Queremos falar com o secretário dos Transportes. Queremos metrô do Jardim Ângela ao Capão Redondo e a duplicação da M’Boi Mirim [no trecho em que ela tem pista simples]”, disse o eletricista Rosevaldo Caetano Alves, de 36 anos.
Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria de Transportes, o secretário Alexandre de Moraes não recebeu até o início da manhã desta segunda-feira nenhum pedido de reunião.
Durante a passeata – escoltada pela Polícia Militar, que contém a manifestação apenas pela faixa de ônibus -, os manifestantes convocam as pessoas que estão nas ruas a participar do movimento, distribuem panfletos, cantam gritos de guerra pedindo mais transporte e avisam nos pontos de ônibus que nesta segunda será difícil chegar ao trabalho. “Hoje não tem ônibus!”, disse uma das manifestantes em um ponto cheio de passageiros.

Os veículos coletivos são obrigados a seguir a manifestação, na velocidade dos pedestres. Apesar de outras duas faixas estarem liberadas, ônibus que tentam passar são impedidos – um micro-ônibus que tentou furar o bloqueio foi cercado por manifestantes e teve, com a ajuda da polícia, que seguir por uma via local. Na altura do número 700 da estrada, todos os veículos passaram a ser desviados para a Rua José Barros Magaldi.

Para quem participa do protesto, causar mais problemas em uma avenida já saturada é um mal necessário. “Não tem outra maneira, é um mal necessário. Estamos chamando as pessoas para lutar. Nada foi feito para melhorar a situação do trânsito definitivamente”, contou o gari Antonio da Silveira, que, apesar de estar participando da manifestação, ainda vai tentar trabalhar nesta segunda. “Liguei no trabalho e avisei que estou chegando. Mas só vou sair depois que tiver uma posição da prefeitura. ”

Fonte: G1
READ MORE - São Paulo: Manifestantes da M'Boi Mirim querem reunião com Prefeitura

Greve: Só 60% dos ônibus rodam hoje em São Luís


São Luís amanheceu hoje com apenas 60% da frota de ônibus circulando. Motoristas e cobradores do transporte coletivo entraram em greve na madrugada, o que deve prejudicar cerca de 450 mil usuários. Por causa da redução, a Secretaria Municipal de Trânsito e Transporte (SMTT) prevê o aumento do quantitativo de veículos particulares em circulação e, conseqüentemente, o surgimento de pontos de lentidão no trânsito. A Polícia Militar (PM) se prepara para uma possível manifestação dos trabalhadores. A greve é por tempo indeterminado.
Usuários de transporte coletivo precisarão enfrentar um teste de paciência para deslocar-se utilizando o serviço. Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário do Maranhão (STTREMA), Dorival Silva, parte dos cinco mil motoristas e cobradores das cerca de 20 empresas que operam no transporte coletivo não deixarão as garagens. Aproximadamente 40% da frota da capital maranhense ficará paralisada. A greve afetará cerca de 170 linhas de ônibus.
De acordo com o comandante do Policiamento Metropolitano de São Luís, coronel Jeferson Teles, a PM está preparada para evitar piquetes na porta de empresas e uma possível manifestação pelas ruas da cidade. O objetivo, segundo ele, é evitar prejuízos à população, garantindo a tranqüilidade no trânsito.
Por meio de nota, a SMTT alertou ontem os usuários do sistema de transporte e condutores de veículos quanto aos transtornos que podem ser causados à população em função da greve dos rodoviários. Segundo a assessoria de comunicação do órgão, considerando o histórico deste tipo de paralisação, poderá haver dificuldades no fluxo de veículos em pontos como a Rua das Cajazeiras, Avenida Getúlio Vargas, Praça Deodoro, Fonte do Bispo, Forquilha e Avenida São Marçal (João Paulo).
A secretaria informou ainda que fiscalizará o cumprimento da decisão liminar judicial durante o período do movimento. Por conta da greve, a SMTT enviou ofício, solicitando o apoio da Polícia Militar para garantir a ordem e a tranqüilidade do trânsito durante a ação.

Fonte: Imirante.com
READ MORE - Greve: Só 60% dos ônibus rodam hoje em São Luís

Transporte coletivo de Urbelândia está em greve


O transporte coletivo de Uberlândia entrou em greve nesta segunda-feira (17). Mais de 2,4 mil trabalhadores das três empresas que exploram o serviço suspenderam todas as atividades desde as 5h. Cerca de 20% da frota foi mantida para prestar o serviço de transporte público.
Os pontos de ônibus e plataformas de embarque e desembarque de passageiros nos terminais rodoviários ficaram lotados e as 13 estações do corredor de ônibus da avenida João Naves de Ávila foram fechadas.
Segundo a direção do Sindicato dos Trabalhos em Transportes Rodoviários de Uberlândia e Região (SindTrans), a greve é por tempo indeterminado. Os trabalhadores reivindicam o cumprimento dos direitos conquistados pela categoria em anos anteriores.

Fonte: Correio de Urbelândia
READ MORE - Transporte coletivo de Urbelândia está em greve

Carroça e maratonista são mais rápidos que ônibus em corredores de São Paulo


Se os ônibus de São Paulo disputassem a maratona de São Silvestre com a velocidade média em que andam na cidade, ficariam longe do pódio. Dados da SPTrans (empresa que gerencia o transporte coletivo em São Paulo) apontam que os ônibus trafegam com velocidade entre 12 km/h e 19 km/h nos corredores exclusivos da capital. Um maratonista profissional corre a 20 km/h.
E não são só os atletas que venceriam os coletivos: carroças puxadas por dois cavalos andam a 26 km/h, velocidade superior às verificadas nos corredores. As comparações são do consultor de trânsito e planejamento urbano Sérgio Gollnick. Especialistas ouvidos pelo R7 definem como "baixa" a velocidade dos ônibus na cidade. Para Gollnick, o ideal seria entre 23 km/h e 25 km/h. Já o também consultor de trânsito Horácio Figueira fala em 20 km/h.
Em alguns corredores, como o Pirituba - Lapa - Centro e o Vereador José Diniz - Ibirapuera - Santa Cruz (ambos com média de 12 km/h), se não fosse o trânsito, a carroça desenvolveria o dobro da velocidade. Bem humorado, Sérgio Gollnick vai além: nessas duas pistas exclusivas, os ônibus são tão rápidos quanto um camelo no deserto, cuja velocidade média também é de 12 km/h.
Em nota, a prefeitura diz que o corredor da avenida Vereador José Diniz, inaugurado em 2008, melhorou o fluxo da região. A SPTrans diz, por meio de nota, considerar a velocidade de 19 km/h um "desempenho bom". Entretanto, só o corredor da Paes de Barros, na zona leste, chega a essa velocidade. A prefeitura considera a pista elevada do Expresso Tiradentes - que não enfrenta o trânsito da capital, só parando nas estações - como um corredor de ônibus, que chega a 36 km/h, velocidade média adequada para os critérios de especialistas.

A pesquisa Desempenho do Sistema Viário Principal de 2009, da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), apresentada na última segunda-feira (10) na Câmara de Vereadores de São Paulo, mostra que mais de um terço (35%) dos ônibus trafegam em todas as vias da cidade abaixo de 14,9 km/h. A pesquisa mediu a velocidade de 469 km das principais vias de São Paulo, incluindo as que têm corredores exclusivos. Para Gollnick, 18 km/h seria a velocidade mínima para os coletivos fora dos corredores.

O presidente da ANTP (Associação Nacional do Transporte Público), Ailton Brasiliense Pires, lista três sugestões que fariam a velocidade dos ônibus em São Paulo melhorar:

1- Dar a possibilidade de ultrapassagem dos ônibus nos corredores ao menos nos horários de pico; com isso, as vias para carros seriam reduzidas para que os coletivos pudessem fazer a ultrapassagem

2- Distribuir melhor os pontos de ônibus para evitar a concentração de pontos de lentidão

3- Semáforos inteligentes que priorizem a passagem de ônibus


Levantamentos da ANTP dão conta que as faixas de ônibus levam no mínimo dez vezes mais pessoas do que as de automóveis.

– As políticas da prefeitura priorizam a quantidade de veículos. A prioridade deveria ser quantidade de pessoas transportadas. Outro lado Por meio de nota, a prefeitura lista uma série de melhorias do sistema viário feitas ao longo da gestão do prefeito Gilberto Kassab (DEM).

Entre elas, a obras de recuperação do pavimento de sete dos dez corredores de ônibus. A prefeitura promete o mesmo em outros dois corredores ainda neste ano.

O texto também menciona o corredor Jardim Ângela, que tem velocidade média de 13 km/h.– Na região sul da cidade, o corredor Jardim Ângela - Guarapiranga - Santo Amaro, que enfrentava problemas de lentidão dos coletivos especialmente a partir de março de 2010 na região da estrada do M'Boi Mirim, teve seu desempenho melhorado com a adoção de uma faixa reversível para ônibus. Implantada em duas etapas, em março e em abril, são no total 2.500 metros de extensão. Após sua ampliação, registramos na faixa das 7h uma melhoria de 50% no tempo de percurso.
A SPTrans disse, por meio de nota, reconhecer os problemas citados pelos especialistas ouvidos pela reportagem. O órgão afirma que desenvolve projetos em corredores para melhorar o transporte coletivo na cidade:
* Monotrilho da zona sul, entre Santo Amaro e Piraporinha, que segue traçado alternativo ao do atual corredor de ônibus da estrada do M'Boi Mirim. O trem deverá futuramente ser integrado à linha 9 (Esmeralda) da CPTM, na estação Socorro, e à linha 5 (Lilás) do Metrô, na estação Santo Amaro. Previsão de entrega da primeira etapa: 2012.* Novo corredor Capão Redondo - Vila Sônia, que vai ligar o corredor Campo Limpo - Rebouças - Centro pelas avenidas estrada do Campo Limpo até a região do Capão Redondo.
* Reforma da parada Juscelino Kubitschek do corredor Santo Amaro no cruzamento com a avenida Santo Amaro, que deve mudar de lugar para facilitar o fluxo.* Reforma da parada Vital Brasil do corredor Campo Limpo - Rebouças - Centro na altura da praça Jorge de Lima (Butantã), com o desmembramento da parada no sentido centro e reinstalação da parada no sentido bairro.

Fonte: R7.com
READ MORE - Carroça e maratonista são mais rápidos que ônibus em corredores de São Paulo

Ônibus elétricos no Recife deixou saudades

Em parte alívio, por outra parte saudades, Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960, com uma frota de 65 carros totalmente importada dos Estados Unidos. Os trólebus, que pertenciam à prefeitura, serviam a 13 bairros, entre eles, Beberibe, Engenho do Meio, San Martin e Tejipió. Em 1963, mais de 130 trólebus circulavam pela cidade, vindos do Brasil e do exterior.

A partir dos anos 80, os ônibus elétricos entraram em colapso. “Havia problemas de manutenção, faltava muita energia elétrica e o serviço ficou completamente deteriorado, dando margem aos ônibus a diesel. Hoje, os trólebus sumiram da capital, e é ai que fica a pergunta, por que será que os governantes abandonaram os trólebus na capital pernambucana?

Para muitos que chegaram a pegar estes ônibus só restam às saudades e recordações, para o aposentado Dinilson de Matos, era um prazer pegar os ônibus elétricos, era seguro e claro muito romântico nas noites de Recife, porém com o passar dos anos os ônibus começaram a ficar sucateados, a banana caia (Cabo que ligava o ônibus a rede elétrica), e o motorista tinha que descer para colocá-la de volta na rede elétrica, finaliza.

Na cidade de São Paulo o sistema de trólebus vai continuar a rodar. Depois de rumores de que a SPTrans, que gerencia o transportes de passageiros na capital, estudava acabar com os ônibus elétricos, a empresa garantiu que o meio de transporte não será extinto e a razão para isso é o “amor” dos passageiros.

“Não é só a questão ambiental, o fato desses veículos não poluirem. Quem usa o trólebus é apaixonado por ele, gosta muito”, disse Pedro Luiz Machado, diretor da Sptrans, durante reunião da Comissão de Transporte da Câmara Municipal.

Mas o real problema do sistema é a manutenção da rede elétrica que alimenta os veículos. O consórcio que opera as linhas de trólebus e os sindicatos dos motoristas garantem que a rede está sucateada, atrapalhando a qualidade do serviço.

“Nós temos uma emenda a cada 58 metros de cabos”, revelou o presidente do Consórcio Leste 4, André Martins de Lissandre. “Em março deste ano, nós ficamos 764 horas sem energia em pelo menos uma parte do sistema”, contou.

Segundo ele, estudos no exterior apontam o trólebus moderno como o veículo mais indicado para as grandes cidades. “Eles são mais leves que o metrô e não poluem o ar”, diz. O especialista informa, ainda, que países como Japão, Canadá, Austrália e Estados Unidos mantêm este tipo de transporte por conta da preservação ambiental.

Mais Notícias de Pernambuco
Fonte: Meu Transporte

READ MORE - Ônibus elétricos no Recife deixou saudades

Rio de Janeiro: Paes vai apresentar projeto da Transolímpica nesta segunda


O prefeito Eduardo Paes vai apresentar nesta segunda-feira (17), às 14h30, o projeto de construção da Transolímpica. A via expressa, que conta ainda com um corredor expresso de ônibus (BRT - Bus Rapid Transit), fará a ligação direta entre a Barra da Tijuca e Deodoro, dois importantes pólos de competições da Rio-2016.
A Transolímpica vai encurtar o tempo de deslocamento – de carro ou de ônibus (BRT) – entre duas regiões importantes da cidade. O projeto consta do caderno de encargos assinado pela Prefeitura com o Comitê Olímpico Internacional (COI) para os Jogos de 2016. O BRT da nova via terá ligação direta com a estação de trens de Deodoro, da Supervia, e com a Transoeste, na Barra, garantindo a integração de diferentes meios de transportes.

Fonte: Agência Rio
READ MORE - Rio de Janeiro: Paes vai apresentar projeto da Transolímpica nesta segunda

Greve: TRT determina 60% da frota rodando em São Luís


A rodada de negociações entre patrões e empregados do setor de transportes ocorrida na tarde desta sexta-feira, sob a intermediação da presidente do Tribunal Regional do Trabalho, desembargadora Márcia Andrea Farias da Silva, pode resultar na suspensão da greve. Pela manhã, a desembargadora determinou a manutenção de 60% da frota, em decisão liminar, para evitar prejuízos à população.

A presidente passou a tarde ouvindo as partes envolvidas no processo. Logo na abertura da audiência, ela voltou a fazer uma proposta de conciliação, mas não houve consenso. Após várias tentativas, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de São Luís (SET) sinalizou a possibilidade de estudar uma proposta melhor de reajuste salarial.

O Ministério Público requereu ao Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários a suspensão da paralisação a fim de que possa ser realizada nova audiência de conciliação na sede da Procuradoria do Trabalho, o que deve ocorrer na próxima semana. Na audiência, o secretário municipal de Trânsito e Transportes, José Ribamar Barbosa Oliveira Filho, reforçou o pedido de suspensão da greve devido à situação atípica pela qual atravessa o Município quanto à paralisação dos Agentes de Trânsito.

Embora tivesse 48 horas para apreciar o pedido de liminar, a desembargadora, ao tomar conhecimento do dissídio coletivo ajuizado pelo Ministério Público do Trabalho, apreciou o pedido a fim de evitar prejuízos à população. Ela considerou que a greve estava marcada para ter início na segunda-feira (17) e fundamentou a decisão com base no fato de que a greve acarretará consequências danosas à população, no sentido de inviabilizar o sistema de transporte coletivo.

Segundo a desembargadora, o direito de greve seja assegurado constitucionalmente aos trabalhadores, constituindo-se num legítimo meio de pressão social e econômica, a fim de forçar o empregador a atender as suas reivindicações. Entretanto, ela considerou que o exercício do direito de greve deve ocorrer de maneira regular, dentro dos limites da razoabilidade e proporcionalidade, acarretando o mínimo possível de danos à sociedade.

Em caso de descumprimento, o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Município de São Luis (STTREMA) será multado em 40 mil reais por dia e o Sindicato das Empresas de Transportes em R$ 50 mil por dia, além de terem que responder judicialmente, caso seja configurado crime de desobediência à ordem judicial.

Fonte: Imirante.com

READ MORE - Greve: TRT determina 60% da frota rodando em São Luís

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960