Aniversário de Brasília terá ônibus extras e Metrô gratuito

domingo, 18 de abril de 2010


O aniversário de Brasíia causará mudanças no transporte público na próxima quarta-feira (21/4). Ônibus extras circularão nas ruas do Distrito Federal durante as comemorações do cinquentenário. Além disso, não haverá cobrança no Metrô.

Segundo o Transporte Público Urbano (DFTrans), os ônibus atenderão passageiros que se deslocarem para as comemorações dos 50 anos da capital. O reforço será em todas as linhas que seguem das cidades satélites para a Esplanada dos Ministérios, das 7h de quarta-feira (21/4) até as 4h de quinta (22/4).

De acordo com o órgão, a quantidade de carros poderá aumentar conforme a demanda ao longo do dia. As passagens continuam com preço normal.

Metrô-DF

A tarifa será gratuita para usar os trêns do Metrô-DF no dia 21. No entanto, passageiros devem ficar atentos aos horários especiais de funcionamento. Todas as estações operam normalmente das 7h às 14h.

A partir desse horário, a Estação Central funcionará apenas com embarque para Ceilândia e Samambaia. A Galeria terá desembarque obrigatório para os trens com destino ao Plano Piloto.

A partir das 23h, a Estação Central atenderá apenas embarques com destino a Ceilândia e Samambaia.

As demais estações estarão fechadas para embarque, permitindo apenas o desembarque. As atividades se encerram às 2h30 de quinta-feira (22/4).

Fonte: Correio Brasiliense
READ MORE - Aniversário de Brasília terá ônibus extras e Metrô gratuito

Teresina: Ônibus coletivos serão padronizados para integração


A Prefeitura de Teresina, por meio da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (STRANS), está realizando a padronização dos 500 coletivos que compõem as 91 linhas de ônibus da capital. Todos os carros serão pintados na cor verde e terão a logomarca do Sistema de Transporte de Teresina.

A padronização faz parte do Plano Diretor de Trânsito, sendo esta a primeira etapa do processo de integração do transporte coletivo. Pela nova legislação, os ônibus da zona Norte serão na cor verde-bandeira; Sul, amarelo; Leste, vermelho; Sudeste, azul; Circular, laranja e a linha diametral, que liga duas zonas opostas, será cinza.De acordo com a diretora de Transportes Públicos da STRANS, Alzenir Porto, a medida facilitará a utilização desse serviço.

“Queremos que a população identifique o sistema de transporte não por empresa, mas por linha. A medida faz parte do processo de integração que será feito em nossa cidade”, disse, acrescentando que a padronização deverá facilitar o controle do sistema.

Dois ônibus da empresa Emvipi já estão circulando em Teresina como projeto-piloto. A Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito vai colocar mais 20 ônibus nas ruas da capital para facilitar a adaptação dos teresinenses.

Fonte: TV Canal 13
READ MORE - Teresina: Ônibus coletivos serão padronizados para integração

Mogi das Cruzes: Passageiros começam a serem orientados


A Secretaria Municipal de Transportes iniciará na próxima semana uma campanha em Mogi das Cruzes para orientar a população sobre o novo modelo de transporte coletivo da Cidade, o Sistema Integrado Mogiano (SIM). Sessenta funcionários de uma empresa que venceu a licitação para realizar a divulgação irão distribuir cartilhas na área central, nos dias úteis, das 5 às 21 horas. Equipes da concessionária e da Pasta ainda visitarão os bairros para explicar como funcionará a integração entre as linhas e esclarecer dúvidas. A visita começará na segunda por Sabaúna. O atendimento será na Praça dos Expedicionários, 87, na antiga estação de trem. A partir do dia 26, os mogianos receberão cartões com os horários e os itinerários dos ônibus.

"Não queremos que os usuários fiquem sem informações, por isso vamos fazer uma ampla divulgação. Os agentes, que vestirão uma camisa azul com a logomarca do Sistema, prestarão todo o apoio necessário para levar o conhecimento adiante. Se eles não souberem responder as perguntas, nos ligarão imediatamente para receber a orientação. Caso não seja possível elucidá-los na hora, anotarão os questionamentos e nos entregarão para darmos uma satisfação aos clientes", afirmou o secretário municipal de Transportes, Carlos Nakaharada. Os trabalhadores que participarão desta iniciativa estão em treinamento há quatro dias nas ruas e em salas de aula.

A mudança no sistema passará a funcionar a partir do dia 1º de maio, depois da inauguração do Terminal Central, no terreno da antiga NGK. As principais alterações serão a transferência dos ônibus que fazem parada no Terminal Mogilar e na Praça Francisco Nogueira, os quais serão desativados para esta finalidade até o dia 1º de junho, para o Central e o Estudantes; a integração com validade de uma hora entre os coletivos; e a modificação dos números existentes para identificar as linhas.

Agora, haverá uma letra na frente dos algarismos para reconhecer o destino dos veículos. Quando tiver um C, significa que passará obrigatoriamente pelo Terminal Central. E quando existir um E, representa que irá para o Terminal Estudantes. A numeração também será trocada. O primeiro dígito indicará uma das regiões do Município, dividido em 8 partes pela Secretaria. O número 1 informa que o ônibus passará pela Avenida Francisco Ferreira Lopes, no sentido Jundiapeba (veja maiores detalhes e as outras áreas no quadro). Já o zero quer dizer circular (Estudantes/Central). A dezena final apenas identifica os coletivos. O Jardim Planalto, por exemplo, que antes era 035, será "C 107".

O deslocamento das linhas acontecerá em três etapas. Na primeira fase, no dia 2 de maio, serão 11 e a instalação dos dois circulares no novo espaço de embarque e desembarque no Centro, com intervalo de oito minutos entre a saída deles. No dia 15 de maio, serão mais 10. Por fim, no dia 1º de junho, outras 33. Após este processo, o Terminal Central terá 33 e o Estudantes, 41.
Mais informações podem ser obtidas pelos telefones 0800 773 0194 e 4798-5122, das 9 às 17 horas, exceto nos finais de semana e nos feriados. Uma pesquisa de opinião ainda será feita no final de junho para avaliação pública do Sistema.

Fonte: O Diário
READ MORE - Mogi das Cruzes: Passageiros começam a serem orientados

Uberaba: Empresa Piracicabana promete emplacamento de frota na cidade


Há mais de seis meses como concessionária do transporte coletivo de Uberaba, a empresa de ônibus Piracicabana mantém seus 64 veículos circulando com placas registradas na cidade litorânea de São Vicente (SP).
Embora a maioria dos usuários não tenha atentado para a situação, nenhum dos ônibus da empresa é cadastrado em Uberaba, o que faz com que o IPVA recolhido de toda a frota vá parar nos cofres do Estado de São Paulo e da cidade de São Vicente. “Eu ainda não tinha percebido”, conta a auxiliar de serviços-gerais Maria Clara de Sousa. “Eles arrecadam com a população de Uberaba e quem ganha os impostos são os paulistas?” – questiona.
Assim como Maria, muitas outras pessoas foram surpreendidas pela descoberta, que fez saltar, ainda mais, a indignação da população acerca da prestação do serviço de transporte público na cidade. “Os ônibus são até bonitos, mas por esse preço deveriam parar de atrasar também”, queixa-se a estudante Lauana dos Reis Silva, segundo a qual já esperava há mais de 20 minutos o veículo da linha Circular 2.
Além dos atrasos, superlotações e trajetos percorridos acima da velocidade permitida estão entre as principais reclamações nos pontos de ônibus. Para a costureira Dalva Aparecida dos Santos, algumas corridas chagam a dar medo. “Tem ocasiões em que a gente pega o ônibus e fica nítido que o motorista está atrasado. Enquanto eles tentam compensar o tempo, a gente fica sacolejando lá dentro”, protesta.

Fonte: Jornal da Manhã
READ MORE - Uberaba: Empresa Piracicabana promete emplacamento de frota na cidade

Em SP, ônibus fretados invadem Av. dos Bandeirantes


Motoristas de ônibus fretados aproveitam a melhora no trânsito da Avenida dos Bandeirantes, na zona sul de São Paulo, para invadir as faixas do meio e da esquerda. Os caminhões saíram da avenida e migraram para o Rodoanel, após a inauguração do Trecho Sul, há duas semanas. Para quem passa na Bandeirantes de carro, apesar de enfrentar menos lentidão, encontra agora os ônibus no lugar dos caminhões.
Segundo a Secretaria Municipal de Transportes, os fretados são proibidos de circular nas faixas da esquerda. Na manhã de ontem, no entanto, a reportagem flagrou diversos coletivos particulares nessas faixas.
A Prefeitura afirmou que a via está sinalizada sobre a proibição de veículos pesados na faixa da esquerda e é fiscalizada pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). Mas a administração municipal não informou o número de fretados multados - disse que não é possível separar ônibus de caminhões também autuados na avenida.
Um dos motivos para a invasão das faixas seria a grande quantidade de buracos e o asfalto ondulado das pistas da direita - que passa por recapeamento desde terça-feira. O Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros por Fretamento e de Turismo de São Paulo (Transfretur) condena o comportamento dos motoristas. "Se houver algum veículo na faixa da esquerda, ele está irregular e cabe às autoridades de trânsito multar o infrator.

As informações são do Jornal da Tarde.
READ MORE - Em SP, ônibus fretados invadem Av. dos Bandeirantes

Araçatuba: Usuários vão recorrer ao MP contra TUA

Um mês após protocolar no gabinete do prefeito Cido Sério (PT) ofício pedindo providências para 734 queixas de usuários do transporte coletivo no município, e sem receber respostas do Executivo, comissão criada para tratar do assunto decidiu na última quinta-feira, em reunião realizada na Câmara, oficiar o Ministério Público e Defensoria Pública solicitando medidas contra a TUA (Transportes Urbanos Araçatuba), empresa concessionária do serviço na cidade.


A comissão foi criada em fevereiro para buscar melhorias ao transporte coletivo de Araçatuba. No mês passado, em reunião também no Legislativo, com representantes da administração municipal e da própria TUA, se decidiu pelo protocolo das queixas de usuários no Executivo, que deveria dar uma resposta em 30 dias, o que não ocorreu.


As reclamações foram apresentadas por 37 usuários que apontaram falhas e deficiências na estrutura dos pontos de coletivos espalhados pela cidade, falta de manutenção nos ônibus da TUA, e problemas no atendimento a pessoas com deficiências, entre outros assuntos.


Na reunião dessa quinta-feira, representantes da população, de deficientes físicos e de idosos que carecem de atenções especiais da empresa responsável pelo transporte coletivo relataram que nada mudou no último mês.


"Precisei do transporte hoje, com minha filha, que é cadeirante, e tivemos problema. O cinto de segurança, que deveria dar proteção a ela, não estava funcionando", diz Silvana Biffe, que compõe a comissão. Amparada em cláusula do contrato firmado entre Prefeitura e TUA, que diz que a empresa tem que zelar pela boa qualidade do serviço, receber, apurar e solucionar queixas e reclamações de usuários num prazo de 30 dias, a comissão decidiu por encaminhar ofícios ao MP e à Defensoria Pública de Araçatuba.


Presidente da Câmara, a vereadora Edna Flor (PPS) é quem tem encabeçado as discussões sobre o transporte coletivo no município. Após uma tentativa formal de resposta sobre o que o município pretende fazer para que a TUA cumpra o que está especificado em contrato, que é a prestação de um serviço de qualidade, Edna disse que o caminho será o judicial a partir de agora.


"Vamos tentar, ainda pelo caminho da negociação, via Ministério Público e Defensoria, respeitando prazos que venham a ser estabelecidos. Se não houver resultado, vamos partir para a mobilização, com a preparação de abaixo-assinado contra essa prestação de serviço", diz.

Fonte: Folha da Região
READ MORE - Araçatuba: Usuários vão recorrer ao MP contra TUA

Cartão BHBUS Master começa a ser distribuído em até 30 dias


Destinado aos usuários com 65 anos ou mais, o cartão assegura acesso ao salão traseiro dos veículos do Sistema de Transporte Coletivo de BH.

Em um prazo de até 30 dias, os Cartões BHBUS Master começam a ser distribuídos aos passageiros de ônibus de Belo Horizonte e da Região Metropolitana da Capital, com idade igual ou superior a 65 anos. O cartão assegura o acesso ao salão traseiro dos veículos do Sistema de Transporte Coletivo de Belo Horizonte, permitindo aos usuários transpor a roleta. Esse é um dos resultados do acordo firmado, na quarta-feira, 14/04, com o Ministério Público do Estado de Minas Gerais - por meio da assinatura do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) - pela Prefeitura de Belo Horizonte, pela BHTRANS (na qualidade de interveniente) e pelos consórcios operadores do transporte coletivo.

O acordo assegurou também outras conquistas para esses passageiros, como a definição da reserva de 10% de assentos preferencialmente para os idosos nos ônibus, a gratuidade do cartão, estendida para uma segunda via (em caso de perda ou extravio), o uso do cartão sem limite de viagens e a realização do recadastramento de três em três anos.

A reserva dos lugares com sua identificação, na parte traseira do veículo, já está incorporada em 644 ônibus (confira foto), correspondendo a ¼ da frota do sistema, que vem sendo renovada desde a assinatura dos contratos da nova licitação, ocorrida em novembro de 2008. Os carros que ainda não foram renovados possuem a reserva dos lugares e a identificação na parte dianteira e irão receber as novas adequações de acordo com o calendário de renovação dos veículos.

De acordo com o documento, os órgãos responsáveis pelo projeto devem iniciar a implementação das medidas que possibilitarão o acesso ao salão traseiro dos maiores de 65 anos no prazo de 30 dias e finalizar todo o procedimento operacional necessário em 180 dias.

O TAC estabeleceu claúsulas a serem cumpridas pelos consórcios operadores do transporte coletivo de Belo Horizonte, pelo Município de Belo Horizonte e pela BHTRANS. Cabem aos consórcios e ao Município a instalação de postos de atendimentos aos usuários maiores de 65 anos, em número suficiente para fins de cadastramento e entrega do cartão de bilhetagem eletrônica, se responsabilizando pelo atendimento ao usuário, além da divulgação das regras referentes à utilização do cartão e das informações relativas ao cadastramento e entrega dos cartões, tanto no interior dos ônibus, quanto por meios de comunicação.

A BHTRANS fica responsável pela regulamentação das normas de emissão de cartões subsequentes e pela edição de normas para o recadastramento, observando prazo não inferior a três anos da emissão do primeiro cartão. À Municipalidade, por meio da BHTRANS, também caberá a promoção e o aprimoramento de programas de capacitação voltados aos agentes de bordo (cobrador), especialmente a campanha "Eu respeito", já desenvolvida pela BHTRANS.

Para ter direito ao cartão, o usuário deve fazer um cadastramento em um dos quatro postos credenciados, munidos de documentos originais e xerox da Carteira de Identidade e de comprovante de endereço (água, luz, telefone, IPTU). Até o momento, o Consórcio Transfácil, responsável pelo cadastramento, já contabiliza cerca de 40 mil pessoas cadastradas. É importante ressaltar que o cartão,e, portanto, o cadastramento, é destinado àqueles que desejarem usufruir dos benefícios proporcionados, já que a Carteira de Identidade continua valendo como documento de acesso gratuito aos ônibus coletivos da capital, utilizando o salão dianteiro dos veículos.

Os beneficiários do cartão, já cadastrados e que se cadastrarem nas próximas semanas,começam a recebê-los em até 30 dias e serão convocados a comparecerem ao posto da Rua Professor Morais, 216, de acordo com a data de nascimento. O cadastrado deverá esperar a divulgação de um cronograma de distribuição, a ser feita pelo Transfácil. Após o início da distribuição dos cartões, quem fizer o cadastramento terá a vantagem de receber o cartão de imediato.

Fonte: BHTrans
READ MORE - Cartão BHBUS Master começa a ser distribuído em até 30 dias

Campinas: Pesquisa aponta alto índice de aprovação do Corredor Central


Levantamento realizado pela Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (EMDEC) aponta que 95,4% dos usuários do transporte público e 80% dos motoristas de todas as categorias (carros, ônibus e motos) são favoráveis às mudanças no trânsito, com a implantação do Corredor Central. Mais de 800 pessoas (460 usuários do transporte público e 357 motoristas) foram entrevistadas por 12 colaboradores da EMDEC, em quatro dias de trabalho.
Do total de usuários do transporte público entrevistados, 439 (95,4%) aprovam as faixas exclusivas e preferenciais para os ônibus e miniônibus; e 286 (80,1%) motoristas e motociclistas aprovam a implantação do Corredor Central.
“O resultado torna legítima a clara opção da EMDEC em priorizar o transporte público, redistribuindo o fluxo de veículos no Corredor, terminando com a disputa entre ônibus e automóveis por um mesmo espaço; além de proporcionar mais segurança e rapidez nos deslocamentos de pedestres e motoristas”, afirma o secretário de Transportes e presidente da EMDEC, Sergio Torrecillas.

Usuários do transporte aprovam redução da velocidade
Um dos temas abordados na pesquisa com os usuários do transporte público foi a redução de velocidade de 60 para 50 km/h, nas vias que compõem o Corredor Central. 81,7% dos entrevistados (376) afirmaram concordar com a medida; menos de 10% não aprovaram a mudança; e 8,5% não quiseram comentar.
O item sinalização para os pedestres foi aprovado por 412 entrevistados (89,5% responderam ótimo ou bom); 8% acharam a sinalização regular; e 2,5% ruim, péssimo ou não sabe ou não opinou. No quesito itens mais importantes para a segurança dos pedestres, 185 (40,2%) responderam que são os semáforos com temporizador na contagem regressiva; 139 (30,2%) as faixas de pedestres; e 21 (4,6%) as placas de sinalização.
Em relação às alterações nos deslocamentos, 263 (57,2%) dos usuários do transporte responderam que melhorou muito; para 133 (28,9%) melhorou pouco; para 51 (11,1%) continua igual; e 13 (2,8%) deram outras respostas.
Já entre as melhorias para a circulação dos ônibus, 210 (45,7%) afirmam que melhorou muito; 122 (26,5%) melhorou pouco; para 91 (19,8%) continua igual; e 37 (8%) deram outras respostas.
Na pergunta sobre a utilização do Bilhete Único, 356 (77,4%) pessoas responderam que fazem uso do cartão; 103 (22,4%) não usam; e uma (0,2%) não sabe. Sobre a integração (possibilidade de pegar uma ou mais linhas, pagando uma única passagem), 294 (63,9%) responderam que fazem uso deste benefício; 70 (15,2%) não; e 96 (20,9%) não comentaram. Sobre o tempo para a integração, 196 (66,7%) entrevistados responderam que há tempo suficiente; 90 (30,6%) que não; 8 (2,7%) não comentaram.

Pontos de embarque - As estações de transferência e novos pontos de parada foram consideradas ótimas e boas para 84,8% dos entrevistados; 11,1% classificaram como regular; e 4,1% deram outras respostas. A estrutura dos abrigos teve 82,6% de aprovação; e já a quantidade de assentos recebeu 48,5% de ótimo ou bom.
Sobre a iluminação nas estações, 56,1% declararam ótimo ou bom esse item. Já em relação à Segurança Pública, 41,1% acham ótimo ou bom.
A acessibilidade recebeu 79,6% de votos ótimo ou bom; 14,8% de regular; 3,3% ruim; e 2,3% outras respostas.

Reivindicações - 76 entrevistados responderam que faltam mais assentos nas estações; 28 pedem mais iluminação; e 24 apontaram a falta de lixeiras.
Na avaliação do tempo de espera nas estações, 42,9% dos entrevistados avaliam o item como ótimo e bom; 34,8% acham regular; 13,5%, ruim; 4,5%, péssimo; e 4,3% deram outras respostas.
A atuação dos agentes da Mobilidade Urbana da EMDEC também foi avaliada, recebendo 68 votos de ótimo; 229 de bom; 77 de regular; 21 ruim; 11 de péssimo; 54 assinalaram outras respostas.
Nas questões abertas da pesquisa, os usuários do transporte público listaram as melhorias com o Corredor Central, com destaque para as faixas exclusivas; sinalização; semáforos na contagem regressiva para a travessia de pedestres; comodidade, conforto e facilidade; e os novos abrigos. Já no item o que piorou, o destaque ficou com a distância entre os pontos; tempo de espera; trânsito; e faixas exclusivas.

Metodologia
A pesquisa foi realizada no período de 2 a 5 de março, cerca de 50 dias após a efetiva implantação do Corredor - 11/01.
O trabalho foi realizado em duas frentes. Uma focou na coleta de opinião dos usuários do transporte público. Estima-se que 160 mil pessoas por dia circulem pelo Corredor Central.
Foram entrevistados 460 usuários do transporte público, todos maiores de 16 anos. Do total de entrevistados, 291 (63,3%) foram do sexo feminino; e 169 (36,7%) do masculino. As faixas etárias com maior participação na pesquisa foram de 20 a 24 anos (16,7%); 25 a 29 anos (13,9%); e 16 a 19 anos (11,5%). Os pesquisadores atuaram em nove pontos do Corredor (Estações Anchieta, Dona Libânia, Senador Saraiva, Moraes Salles e Irmã Serafina; e pontos da Barata Ribeiro, Sacramento, Maternidade e Jorge Miranda).
Já a outra equipe ouviu motoristas e motociclistas. De acordo com a EMDEC, 120 mil veículos por dia, circulam pelo quadrilátero. Em quatro dias de pesquisa, foram entrevistados 357 motoristas.

O trabalho avaliou, também, temas como o perfil do usuário; o uso do Bilhete Único; o novo sistema viário; estrutura das estações de transferência e dos novos pontos de parada; linhas e informações disponibilizadas; sinalizações (vertical e horizontal); atuação dos agentes da Mobilidade Urbana na orientação dos usuários; além de espaço para destacar o que melhorou e o que piorou com a implantação do Corredor.

“Este tipo de pesquisa é importante para direcionar melhorias no Corredor Central e, também, serve como parâmetro para as demais estações de transferência, a serem implantadas na cidade”, ressaltou Torrecillas.

Fonte: EMDEC

READ MORE - Campinas: Pesquisa aponta alto índice de aprovação do Corredor Central

São Paulo: Estações de metrô elitizam entorno


Áreas próximas das linhas do metrô de São Paulo estão passando por um processo de elitização. Pesquisa mostra que esse tipo de transporte, apontado como um dos mais eficientes, provoca valorização no entorno das estações.
Com o tempo - e o aumento do custo de vida na região -, antigos moradores vão embora porque não conseguem manter o nível de vida e abrem caminho para a chegada de famílias menores, mas com maior poder aquisitivo. Um mesmo espaço passa, assim, a abrigar menos pessoas. Com os novos habitantes, vem a demanda por melhores serviços.
Essa dinâmica populacional é uma das conclusões da pesquisa Distribuição da População na Região Metropolitana de São Paulo, do engenheiro Carlos Eduardo de Paiva Cardoso. Publicado na Revista Engenharia em 2009, o estudo comparou os dados demográficos de 1997 e de 2007 da Pesquisa Origem Destino do Metrô. "O fato de o Metrô de São Paulo ser composto de poucas linhas, uma mercadoria rara, permitiu ao mercado aferir altos lucros por meio de lançamentos imobiliários", diz a pesquisa.
Cardoso, que é mestre em Transportes pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP) e doutor em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo, trabalha como analista de sistema e planejamento de tráfego e transporte da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).
Escassez de serviços. Para o urbanista João Valente, a valorização de áreas com boa oferta de transporte público é natural, mas a valorização excessiva, que expulsa moradores originais, aponta escassez do serviço na cidade. "Uma política mais intensa de desenvolvimento do transporte público tenderia a diluir essa valorização excepcional."
A substituição dos moradores originais de um bairro por famílias mais abastadas é chamada de gentrificação, segundo a arquiteta e urbanista Denise Antonucci Capelo, do Mackenzie. E a população mais suscetível, em curto prazo, é a que paga aluguel, segundo a urbanista Lucila Lacreta, coordenadora do Movimento Defenda São Paulo.
Há 36 anos vivendo na Barra Funda, o advogado Edivaldo Godoy sente os efeitos desse processo. "Vivemos num bairro de classe média, mas o bolso continua sendo de pobre." Além de ter terminal de metrô, trens e ônibus, a Barra Funda é um dos últimos bairros com grandes terrenos vagos e, assim, capacidade para receber empreendimentos.
Fonte: Estadão
READ MORE - São Paulo: Estações de metrô elitizam entorno

Assembleia prepara ciclo de debates sobre mobilidade urbana


Com o objetivo de discutir as políticas públicas de transporte e mobilidade urbana e o planejamento do trânsito na Região Metropolitana de Belo Horizonte, a Assembleia Legislativa de Minas Gerais prepara a realização de um ciclo de debates com data prevista de 26 de Agosto.
Na primeira reunião do grupo de trabalho, realizada nesta quinta-feira (15/4/10), foram delineadas os aspectos gerais do evento e traçado um diagnóstico do setor. O ciclo foi solicitado pelo deputado Carlin Moura (PCdoB) e pela deputada Maria Tereza Lara (PT), e teve na reunião, a participação de dez órgãos e entidades ligados ao tema.
De acordo com o requerimento de Carlin Moura, pensar a mobilidade é mais que tratar apenas de transporte e trânsito, "é buscar medidas e procedimentos que contribuam para a sustentabilidade em áreas urbanas". Moura disse que este é um dos problemas mais graves da Região Metropolitana e que ouvir a sociedade civil e os órgãos públicos é uma forma de construir políticas adequadas. O parlamentar destaca que, diante da participação de Minas na Copa de 2014 e nas Olimpíadas de 2016, o ciclo de debates é "uma forma de trazer a sociedade para junto das decisões estratégicas do Estado, visando à construção de uma engenharia de transporte que atenda todos os mineiros que, passadas essas competições esportivas, serão os verdadeiros usuários deste serviço".
Ao presidir a primeira parte da reunião, Maria Tereza Lara destacou os principais problemas enfrentados pelo trânsito na região metropolitana e sua consequência em outras áreas, como a segurança. Ela enfatizou a importância da integração de todas as esferas de poder na construção do ciclo. "É indispensável a participação do movimento social e a contribuição da Assembleia é essa abertura para a sociedade".
Para Carlin Moura, a presença de órgãos governamentais e da sociedade civil na reunião mostrou que já existem vários projetos para melhorar a mobilidade urbana. "Precisamos agora unificá-los e no ciclo isto resultará em benefícios para todos", afirmou.
O Ciclo de Debates Mobilidade urbana nas regiões metropolitanas e outros grandes centros do Estado de Minas Gerais terá dois eixos principais de discussão, de acordo com a proposta inicial, que poderá ser alterada pelas entidades parceiras. O primeiro é planejamento urbano e mobilidade urbana, que vai tratar das condições de deslocamento nas cidades e o desenvolvimento urbano e da acessibilidade universal. O segundo eixo, mobilidade urbana e transporte coletivo, vai abordar o transporte rodoviário, metrô, VLT (veículos leves sobre trilhos), transporte urbano e desenvolvimento sustentável. Além dos painéis, haverá uma fase de debates.

Subsecretário diz que metrô é única alternativa
Para o subsecretário de Estado de Transporte e Obras Públicas, Marcos Sampaio, o grande desafio é fazer políticas públicas de mobilidade dentro das cidades, nos hipercentros, diante da pressão crescente do veículo individual (carros e motos). "Por isso, não há outra alternativa para a questão dos gargalos, da baixa velocidade do transporte coletivo, a não ser o metrô. Tudo o mais é paliativo".
Ele afirmou que, de acordo com estudos de consultorias, todos os investimentos feitos nas avenidas Antônio Carlos, Cristiano Machado e Pedro I estarão superados em cinco anos, com estas vias totalmente congestionadas. Sampaio sugeriu que o ciclo discuta o investimento massivo no metrô, a prioridade para a construção do rodoanel e uma legislação mais severa para as motos.
A presidente da Associação dos Usuários do Transporte Coletivo (AUTC), Gislene Gonçalves, detalhou o que chamou de "quadro caótico do transito em Belo Horizonte, com estrangulamento de vias, ônibus superlotados, passagens caras". Para ela, toda vez que acontece qualquer mudança, os usuários não são chamados a opinar.
Para órgãos municipais como BHtrans e Secretaria Municipal de Políticas Urbanas de Belo Horizonte (Smurbe), algumas políticas já foram tomadas, como a implantação dos corredores rápidos de transporte, como lembrou Humberto Alvim, da secretaria. Ele sugeriu que os corredores rápidos fossem discutidos no ciclo, bem como o custo dos acidentes com motos para o orçamento público da saúde.
Trabalhadores representados pela Federação dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário de Minas Gerais querem que as condições de trabalho da categoria também sejam abordadas no ciclo de debates, segundo o presidente da entidade, José Célio de Alvarenga.
Parceiros - Participaram da primeira reunião os seguintes órgãos e entidades: BHTrans, Smurbe, AUTC, Fettrominas, Setop, Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo de Belo Horizonte (Setra-BH), Fiemg, Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Coletivo de Minas Gerais (Sintrocel) e Agência RMBH, além de representantes de gabinetes parlamentares.

Fonte: Assembléia Legislativa de MG

READ MORE - Assembleia prepara ciclo de debates sobre mobilidade urbana

Belém poderá ter o primeiro sistema integrado de transporte público com redução de CO2


A Região Metropolitana de Belém poderá ser a primeira capital brasileira a ter um sistema integrado de transporte público associado a um programa de redução de emissão de gás carbônico.
Para conseguir pôr a ideia em prática o governo do Pará pleiteia junto à Agência Internacional do Japão (Jica) um empréstimo de R$ 420 milhões.
Um termo de compromisso, que permite o acesso ao empréstimo inicial de R$ 320 milhões do Governo do Japão, já foi assinado pela Agência e o Governo do Pará.
De acordo com o chefe da delegação da Jica, Katsuhiko Haga, o processo deve ser acelerado, para que ainda em abril o empréstimo seja aprovado pelo governo japonês. Ele comparou as negociações com o governo do Pará a "um longo namoro, que se firma com um casamento feliz”.
Até agosto deste ano, técnicos da Agência Internacional do Japão (Jica) iniciam os estudos de mensuração da redução da emissão de CO2 na Grande Belém. Eles vão fazer uma comparação entre a emissão atual e a que existirá quando o Sistema Integrado de Transporte Metropolitano for implementado.
Segundo Paulo Ribeiro, coordenador de planejamento do programa Ação Metrópole, onde está inserido o projeto, a redução de CO2 será possível porque o Sistema Integrado de Transporte Metropolitano prevê a redução significativa do número da frota de ônibus, que passarão a circular nos corredores exclusivos e preferenciais construídos na Região Metropolitana de Belém.
“O tempo de parada desses veículos nos engarrafamentos será menor contribuindo para a diminuição da emissão de dióxido de carbono na atmosfera”, explica. Com esses dados, o governo do Pará pretende captar recursos junto ao mercado de carbono, a título de compensação ambiental.
A criação do sistema integrado de transporte público irá beneficiar dois milhões de pessoas moradores da Região Metropolitana deBelém (RMB).
“Para os usuários do transporte coletivo teremos a melhoria da oferta do sistema de transporte na periferia. À medida que se racionaliza o sistema (troncaliza), haverá linhas percorrendo vias segregadas com veículos de maior capacidade, reduzindo o número de ônibus convencionais que hoje circulam nas vias com tráfego compartilhado. Então isso irá aumentar a capacidade dessas vias.” comentou o coordenador de planejamento do projeto, o arquiteto e urbanista Paulo Ribeiro.

Ação Metrópole:
O programa Ação Metrópole é a maior intervenção na malha viária da Região Metropolitana de Belém (RMB) dos últimos 20 anos. A primeira etapa do projeto já está em andamento com a execução das obras, que fazem parte do chamado "Corredor Norte", que compreende o prolongamento e duplicação de avenidas que fazem ligação com a periferia e rodovias, a construção de um elevado e um túnel na região central, além de obras de compensação ambiental no Parque Ambiental de Belém.
A segunda etapa prevê a implantação de corredores exclusivos para o transporte coletivo, novas estações e terminais de integração. O sistema funcionará com tráfego de ônibus articulados, com capacidade para 200 passageiros, garantindo a bilhetagem única para os usuários que necessitam de mais de uma condução para chegar ao seu destino dos cinco municípios da RMB - Belém, Ananindeua, Marituba, Benevides e Santa Bárbara do Pará. A renovação da frota de ônibus vai melhorar não apenas o trânsito, mas também o impacto sobre o meio ambiente.
Quanto à infraestrutura, destaca-se a possibilidade de ultrapassagem dos ônibus nos pontos de parada. No projeto, estão previstas a operação de linhas simultâneas, linhas que vão parar em todos os pontos e linhas semiexpressas, que só vão parar nos pontos de demanda, principalmente nos horários de pico, ampliando a capacidade do sistema.
Será adotado o ônibus com porta do lado esquerdo, com piso elevado, e a estação de embarque em nível, ou seja, os pontos de parada serão áreas pagas do sistema e o usuário, ao ingressar no ponto de parada, vai poder embarcar no ônibus de forma muito mais rápida.
Todas as obras em curso no projeto prevêem a implantação de ciclovias, estrutura que é da maior importância para o usuário de bicicletas na RMB e que representa mais de 7% no total de deslocamentos realizados diariamente nessa região.
O sistema integrado irá possibilitar a conexão entre a bicicleta e o ônibus, já que permitirá que o ciclista deixe sua bicicleta no terminal de integração para pegar o ônibus a partir daquela área.

Fonte: Fernanda Mira

READ MORE - Belém poderá ter o primeiro sistema integrado de transporte público com redução de CO2

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960