Em BH, Justiça suspende a greve dos rodoviários

segunda-feira, 15 de março de 2010


O impasse entre rodoviários e patrões, que motivou a greve de ônibus que tumultuou vários pontos de Belo Horizonte, nesta segunda, pode estar perto do fim. O Tribunal Regional do Trabalho (TRT) determinou, na tarde desta sexta, a suspensão da paralisação e dos efeitos da liminar que impunha sanções aos grevistas, concedida na última sexta ao sindicato patronal. Pelo menos nesta terça-feira os ônibus devem circular normalmente em Belo Horizonte e Contagem até que o desembargador Caio Vieira de Melo converse com os representantes do sindicato patronal.

A reunião está marcada para a manhã desta terça, a fim de chegar a um acordo sobre os benefícios e direitos dos trabalhadores. Os rodoviários querem, entre outras coisas, 12% de reajuste, contra 4,36% ofertado pelos patrões. Nesta segunda, a região do Barreiro foi a mais prejudicada pela greve, que teve uma adesão menor do que na primeira paralisação. Mesmo assim, aliada à chuva forte que caiu em vários pontos da capital, o movimento tumultuou muito a vida de quem precisou sair de casa.

A greve também causou aumento de cerca de 10% no movimento de passageiros do metrô. Na apuração parcial da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) foram transportados cerca de 135 mil usuários entre 5h30 e 17h, quase seis mil passageiros a mais, na comparação com a última segunda-feira, dia 8. Atendimento e trânsito De acordo com o último boletim divulgado pela BHTrans o atendimento ao transporte coletivo era realizado em 66% da sua capacidade até por volta de 17h, apesar de algumas empresas operarem com mais de 70% da frota.

A situação da circulação dos ônibus nas estações BHBUS só era normal em Venda Nova e na estação Vilarinho, onde 100% da frota operava normalmente. Na estação São Gabriel corriam 84% dos veículos; no Barreiro 58% e apenas 18% na estação Diamante. Por volta das 18h30, o trânsito na Avenida Amazonas, sentido Centro/Bairro, apresentava retenções devido ao grande número de veículos na via. Nos principais corredores de tráfego da cidade e na área central o trânsito fluía dentro dos padrões para a faixa de horário.

Fonte: Correio Brasiliense
READ MORE - Em BH, Justiça suspende a greve dos rodoviários

Moradores dos Altos de Olinda terão novo acesso ao transporte público

As pessoas que moram nos Altos de Olinda passam por sufoco para ter acesso ao transporte público. São 50 Kombis e vans que pegam os moradores e os levam para pegar ônibus. Esse sacrifício todo irá mudar a partir desta terça-feira (16).
O secretário de Transporte de Olinda, João Luiz da Silva Júnior, explicou a importância da mudança. “A demanda de usuários do sistema é grande, e a quantidade de veículos para fazer o transporte para os Altos não tinha condições. As kombis estavam sucateadas e nós tínhamos denuncias de que os kombeiros dificultavam o serviço para idosos e crianças”, falou“São 15 linhas nesse sistema. Um total de 75 ônibus. Na verdade, o primeiro impacto é uma renovação da frota. São 22 ônibus novos, e 25 micro-ônibus novos.
Com isso, após mais de cinco anos com a mesma tarifa de R$ 1,50, passa para R$ 1,70. Depois de 45 dias será R$ 1,85”, contou o presidente do Grande Recife Consórcio, Dilson Peixoto.Com o Sistema de Transporte Municipal de Olinda passando a operar sob a gestão do Grande Recife Consórcio de Transporte, os usuários destas linhas passam a contar com acesso à bilhetagem eletrônica, garantia das gratuidades (para idosos e pessoas com deficiência), renovação da frota, abatimento nas tarifas aos domingos e possibilidade de integração ao Sistema Estrutural Integrado.
A operação do sistema será feita pelas mesmas empresas que vinham operando sob a administração do município de Olinda: Caxangá, Rodotur e Rodolinda (linhas troncais) e pela Cooperativa dos Permissionários de Transporte Complementar de Pernambuco (Cootraol).
A administração dos terminais do Caenga e de Ouro Preto também ficará a cargo do Grande Recife, que fará algumas ações de readequação dos equipamentos, nos moldes dos que são operados pelo STPP/RMR.

Fonte:Pe360graus

READ MORE - Moradores dos Altos de Olinda terão novo acesso ao transporte público

No Rio, Investimentos em transportes são insuficientes

Um estudo mostra que os investimentos em transportes, no Rio de Janeiro, não serão suficientes para evitar problemas no trânsito durante a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016. Para a Federação das Industrias do Estado, enquanto não se priorizar os sistemas de trens e metrô, os congestionamentos vão continuar.
Fonte: Uol notícias
READ MORE - No Rio, Investimentos em transportes são insuficientes

Em Florianópolis, Engarrafamentos são um desafio


Um eixo rodoviário ligando o Norte ao Sul da Ilha, passando pelo Centro. Túneis, um deles sob o Morro da Cruz. Transporte marítimo, que ligaria terminais em Palhoça e Biguaçu a quatro pontos na região insular.

Esta é a ideia do Plano Diretor para resolver um dos maiores problemas de Florianópolis: os congestionamentos.A ideia é que o eixo rodoviário ainda tenha um metrô de superfície ou um sistema equivalente.

– O objetivo é priorizar o transporte coletivo – afirma Cristina Piazza, diretora de planejamento do Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis (Ipuf).

O professor de arquitetura e urbanismo da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Lino Peres, é um dos críticos do sistema. O maior problema, segundo ele, é que a mobilidade está concentrada na Ilha.

– Não há estudos pensando na região metropolitana, o que provoca grande fluxo de veículos na cidade. O plano também prevê obras isoladas como túneis para desafogar o trânsito em locais específicos. Ou seja, não estudou o tráfego de maneira sistêmica, de modo a acomodar o tráfego e distribuí-lo – avalia.

Outra novidade no plano são as chamadas “centralidades”. Ao longo do eixo rodoviário, estão previstos espaços que poderão ter centros comerciais e condomínios residenciais.

– Estes espaços também precisarão ter serviços de saúde, educação, cultura e lazer. O objetivo é que as pessoas não precisem ir até o Centro para trabalhar – completa Cristina.

O número destas centralidades e onde elas ficam não estão especificadas e dependerão de projetos e de interesse da iniciativa privada.

Fonte: Diário Catarinense
READ MORE - Em Florianópolis, Engarrafamentos são um desafio

Greve dos rodoviários não deixa BH sem ônibus


Apesar do anúncio de greve após assembleia realizada no final da tarde de domingo, alguns ônibus circulam na manhã desta segunda-feira em Belo Horizonte e região metropolitana. Em balanço divulgado às 9h, a BHTrans informou que metade da frota da capital circula normalmente.
Conforme a empresa, a situação é mais precária nas estações BHBus do Barreiro e Diamante. Nos dois terminais, apenas 10% do total de coletivos estão rodando. Já na Estação São Gabriel, são 40% dos ônibus operando nesta manhã. E para quem usa a Estação Venda Nova, a BHTrans comunicou que 98% da frota estão nas ruas.
A reportagem do Portal Uai percorreu importantes vias da capital e confirmou a presença dos coletivos, mas em quantidade bem menor. Na região Nordeste, os veículos pegavam passageiros no início do dia na Rua Jacuí e na Avenida Cristiano Machado. O mesmo ocorria na Avenida do Contorno, no Bairro Floresta, região Leste. Nas avenidas Carlos Luz, Região da Pampulha, e Pedro II, Região Noroeste, alguns ônibus também circulavam.Parte dos usuários do transporte coletivo afirma que a circulação de algumas linhas está prejudicada, com espaço de tempo maior entre as viagens. “Eu uso a linha 8107 (Concórdia-São Pedro) para vir ao trabalho e não tive problemas. Mas parece que algumas linhas estão com menos carros em circulação”, afirmou a psicóloga Cibele Ventura, que trabalha no Bairro Lourdes, região Centro-Sul da capital.

Fonte: Correio Brasiliense
READ MORE - Greve dos rodoviários não deixa BH sem ônibus

Em Natal, As estações de transferência estão diferentes


As estações de transferência estão diferentes; foram abertas e mudaram de cor - para verde. Cinco das 12 que existem em Natal funcionam como paradas. Para embarcar em novo ônibus, todos têm que passar novamente pela catraca, no prazo de uma hora para pagar apenas uma passagem.

Mas na visão do secretário municipal de Mobilidade Urbana, Kelps Lima, as estações não acabaram. Ao contrário, se estenderam para todos os pontos de ônibus.“No início de nossa gestão, havia 11 estações. Agora temos 2.600, porque o cartão do Passe Livre possibilita que a transferência seja feita em qualquer lugar”, disse.

A intenção é modificar todas as estações. O trabalho é gradual para que a população se adapte melhor, segundo Lima.“Temos que educar a população, avisar o que está acontecendo, divulgar os pontos de venda dos cartões”, disse, antecipando também que devem ser construídos aproximadamente 20 novos espaços como esses.

A parada do shopping Midway Mall, na avenida Bernardo Vieira, deverá ser a primeira.“Estamos avaliando os lugares onde se concentram mais pessoas e percebemos que na Bernardo Vieira, as pessoas desembarcam muito para trocar de ônibus”.

Fonte: Nominuto.com
READ MORE - Em Natal, As estações de transferência estão diferentes

Alteração no terminal de ônibus do bairro Santa Catarina, em Caxias, é recebida com tranquilidade

A mudança do terminal da linha do bairro Santa Catarina, na manhã desta segunda-feira, ocorreu com tranquilidade, em Caxias do Sul. Ao menos, entre as 9h30min e 10h30min, o movimento estava calmo na Rua Dr. Montaury, na quadra entre as ruas Pinheiro Machado e Bento Gonçalves, onde até domingo os ônibus dessa linha ficavam alguns minutos parados antes de seguir em direção ao bairro.
Nesse ponto, um funcionário da Viação Santa Tereza (Visate), concessionária responsável pelo transporte coletivo urbano na cidade, tirava dúvidas dos usuários e informava que a partir de agora o ônibus não para mais nesse ponto.Desta segunda-feira em diante, o terminal passou a ter o bairro como referência. Quem estiver no Centro e pretende utilizar a linha Santa Catarina, deve pegar o ônibus na parada da Rua Bento Gonçalves, próximo ao posto de atendimento da Visate ou na estação Ópera (Rua Pinheiro Machado).
O ônibus não vai mais estacionar nem pegar passageiros na parada de ônibus da Dr. Montaury. O professor Carlos Bruno Marsiglio, 47 anos, foi informado antecipadamente pela cobradora e também acompanhou pelo jornal as notícias sobre a modificação. Nesta segunda-feira pela manhã, entretanto, precisou recorrer ao funcionário da Visate para saber o ponto certo de embarque.— Fiquei sabendo da alteração há alguns dias. Só pensei que aqui no Centro o embarque para o meu bairro iria continuar ocorrendo na Dr. Montaury. Aí perguntei para o funcionário da Visate e ele me explicou que agora devemos pegar o ônibus na estação do Ópera — relata Marsiglio.
O professor acompanhou o filho, o estudante Christian Marsiglio, 14 anos, ao dentista, no Centro. Depois o levou até a parada de ônibus para retornar ao bairro Santa Catarina, onde mora. Marsiglio acredita que a alteração trará melhorias no trânsito da área central.
— No começo, a gente estranha um pouco. Depois, vamos nos habituando. Acho que levar os terminais para o bairro irá beneficiar o trânsito do centro, permitindo maior fluxo espera o professor.Até a próxima sexta-feira, as demais linhas que têm parada final nesse trecho da Rua Dr. Montaury (linhas Vinhedos, São José, Colina Sorriso e Santa Lúcia) também terão seus terminais deslocados para os respectivos bairros.
Ao todo, 21 linhas da Visate terão os terminais transferidos do Centro para o bairro até o dia 26 de março.

Fonte: Pioneiro

READ MORE - Alteração no terminal de ônibus do bairro Santa Catarina, em Caxias, é recebida com tranquilidade

São Paulo: Ônibus com TV penam para transmitir programas ao vivo


Há seis meses em circulação, os ônibus de São Paulo que transmitem a programação ao vivo da Globo não saíram do lugar. Bom, pelo menos no número de veículos e na resolução dos problemas técnicos. Fruto de uma parceria da rede com a Bus Mídia, os mesmos 30 ônibus que inauguraram testes do gênero ainda sofrem com a queda do sinal, digital, dentro de túneis e em bairros mais altos.
A estancada é relevante se comparada ao crescimento da outra frota que transmite produções da Globo, mas gravadas, e não ao vivo, por meio de um resumo diário: de 300, pulou para 500 o número de ônibus que circulam pela cidade com cenas em reprise. Nos próximos 20 dias, o sistema será expandido para o Rio, Porto Alegre, João Pessoa, Natal e Florianópolis. Copa do Mundo no busão, ao vivo, fica para 2014.
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
READ MORE - São Paulo: Ônibus com TV penam para transmitir programas ao vivo

Greve dos funcionários do metrô prejudica 160 mil passageiros no DF


Os funcionários do Metrô/DF entraram em greve nesta segunda-feira (15) e 160 mil passageiros ficaram sem transporte no Distrito Federal. O comando grevista garantiu que respeitaria a lei e manteria 30% dos funcionários trabalhando, mas a direção do metrô alegou falta de segurança e decidiu fechar todas as estações.

“O metrô de São Paulo transporta dois milhões de passageiros por dia, nós transportamos 150 mil passageiros. O metrô de São Paulo faz greve e funciona. Em Belo Horizonte e Recife, que
tiveram paralisações de um dia com o quantitativo mínimo, também. Por quê o metrô de Brasília não pode funcionar?”, questionou o presidente do SindMetrô, Solano Teodoro.

As negociações envolvem 77 itens. Os metroviários afirmam que 12 não tiveram acordo. Eles querem aumento salarial de 120%, adicional de periculosidade e risco de vida, abono e gratificação por operações, auxílios de creche e alimentação, redução na jornada de trabalho de quarenta para trinta horas semanais, rodízio de folga nos feriados e a convocação de cerca de 300 aprovados no último concurso.

O metrô emprega 1100 funcionários. No ano passado, foram nomeados 64 para a área operacional e 50 para a área administrativa. O governo tentou negociar com a categoria até domingo de noite, mas não obteve sucesso e fez um pedido formal ao Tribunal Regional do Trabalho para que a greve seja considerada ilegal.

Segundo o diretor de operações do metrô, José Dimas, a proposta do Sindicato é absurda e é impossível dar um reajuste de 120%. “As negociações não pararam, é uma pauta inegociável e nós entramos com o pedido junto ao TRT para que intermedie essa negociação e avalie se essa greve é abusiva ou não. A data base não se encerrou ainda, encerra só no final do mês, ela foi antecipada. Me causa estranheza, pode ser que eles estejam aproveitando o momento político do GDF para causar mais tumulto para a população”, afirmou.

Ainda de acordo com Dimas, a proposta do Sindicato onera a folha de pagamento do metrô em 160%. O salário de um piloto do Metrô seria de cerca de R$9 mil. O agente de estação, que é uma das funções base da empresa, passaria a receber perto de R$6,5 mil. Sobre o não funcionamento de 30% do serviço, que é garantido por lei, o diretor de operações afirmou que o metrô não tem como funcionar com esse percentual de carros. “Eu costumo operar com 19 trens no pico, se colocar 30%, que são três carros, eu não dou vazão às pessoas que vão procurar o metrô”, disse.

O impasse vai prejudicar milhares de passageiros. “A gente tem que pegar ônibus,né? Que é mais cansativo, tem engarrafamento e demora muito para sair da rodoviária”disse o pintor José Nilton de Oliveira. “Sem metrô vai aumentar mais ainda o congestionamento, mais ônibus lotado, mais pessoas chegando atrasada no serviço. É muito ruim para a população que precisa”, afirmou a consultora empresarial Lana dos Santos.



Fonte: G1
READ MORE - Greve dos funcionários do metrô prejudica 160 mil passageiros no DF

Greve de ônibus prejudica trânsito em BH; 25 ônibus foram depredados, diz sindicato


A greve dos rodoviários de Belo Horizonte, em Minas Gerais, e região metropolitana deixa vários pontos de congestionamento nas ruas da capital mineira por causa do número excessivo de veículos nas ruas, nesta segunda-feira (15).

Segundo a assessoria do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (Setra-BH), 90% dos ônibus da frota da capital estão circulando na manhã de hoje. Sindicalistas procurados pela reportagem do UOL Notícias até o momento não atenderam aos pedidos de avaliação do movimento grevista.

Já a BHTrans, empresa que gerencia e fiscaliza o tráfego na capital, informou há pouco que 50% da frota está circulando em Belo Horizonte. Segundo o órgão, os pontos de embarque mais afetados são as do Barreiro e Diamante, localizadas na região do Barreiro, onde a circulação corresponde a 30% dos coletivos.

A estação de Venda Nova está funcionando normalmente. Durante a madrugada, a Polícia Militar registrou ocorrências de ônibus apedrejados, sendo que em uma delas três homens foram presos. Segundo o Setra-BH, foram contabilizados 25 ônibus depredados.

A estação Diamante, na região do Barreiro, é a que apresenta o menor fluxo de circulação de ônibus até o momento. Os ônibus que saem das empresas estão sendo escoltados por carros da Polícia Militar, e a Prefeitura de Belo Horizonte autorizou os táxis a rodarem na modalidade lotação.
Fonte: Click PB
READ MORE - Greve de ônibus prejudica trânsito em BH; 25 ônibus foram depredados, diz sindicato

Greve novamente em BH: Rodoviários decidem fazer nova greve na Grande Belo Horizonte


Os rodoviários de Belo Horizonte Região Metropolitana voltam a cruzar os braços a partir da zero hora desta segunda-feira, 15/03. Em assembleia na tarde deste domingo, a decisão foi por mais uma greve geral. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Belo Horizonte e Região Metropolitana, além da capital, a greve deve atingir ainda as cidades de Nova Lima, Ribeirão Neves, Sabará, Santa Luzia, Rio Acima, Vespasiano e Pedro Leopoldo.

A assembleia deste domingo reuniu cerca de mil trabalhadores do setor. O Sindicato decidiu rejeitar a proposta do consórcio de empresas de Belo Horizonte (Setra-BH) e da região metropolitana (Sitran-MG), de aumento de 4,36% na remuneração. Os trabalhadores pedem aumento de 12%, além de outras melhorias trabalhistas, como redução da jornada de trabalho para seis horas, fim da compensação de horas e fim da circulação dos ônibus sem cobrador.

Os rodoviários de Contagem também decidiram por greve a partir da zero hora desta segunda-feira. Na assembleia deste domingo, a categoria rejeitou os 6,5% de reajuste oferecidos pelos patrões. Eles reivindicam aumento de 12%. Já em Betim, a população pode ficar tranquila. Os rodoviários da cidade aceitaram o reajuste de 6,5% oferecido pelos empresários e também a manutenção da convenção anterior.

Diante do anúncio da paralisação, a BHTrans divulgou nota informando que solicitou ao Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros (SETRA-BH) máximo esforço para garantir a presença dos profissionais (motoristas e trocadores), nas garagens das empresas e estações do BHBus, o que fez com que as empresas autorizassem o deslocamento de táxi de todos os seus motoristas e trocadores até os locais de trabalho, com ressarcimento posterior.
Também foi autorizada a utilização de toda a frota no serviço de táxi-lotação. A Polícia Militar foi acionada para fazer a segurança na portaria das garagens e garantir o direito daqueles trabalhadores que desejarem prestar o serviço. Ainda de acordo com a nota, “mesmo em se tratando de questão trabalhista que envolve exclusivamente empregados e patrões (...), a BHTrans irá realizar uma operação especial de trânsito na segunda-feira, com objetivo de minimizar os impactos em virtude da paralisação”.
A empresa ainda exige do SETRA-BH, baseada no contrato de prestação de serviços, a reserva mínima suficiente para atender a demanda dos passageiros, e divulgou que a Prefeitura não abrirá mão de adotar medidas próprias, inclusive judiciais, em defesa da população. A BHTrans espera que patrões e empregados retomem as negociações e que "os serviços sejam totalmente restabelecidos o mais rápido possível".

Fonte: Uai Minas
READ MORE - Greve novamente em BH: Rodoviários decidem fazer nova greve na Grande Belo Horizonte

DF: Almanaque de problema do transporte público


Trinta milhões de passageiros insatisfeitos mês a mês. Ônibus lotados, atrasados, quebrados e sujos. Quem pode, compra carro ou moto. Mas uma parcela considerável da população não tem outra opção a não ser submeter-se à rotina exaustiva de um sistema de transporte público ineficiente. Quem se debruça a estudar o caos aponta basicamente duas causas: incompetência do poder público para garantir o bom funcionamento do sistema e a falta de infraestrutura que privilegie o transporte coletivo de passageiros.

Na última semana, o Correio levantou os números do sistema do DF e de outras quatro capitais. Entre elas, Curitiba (PR), considerada modelo na gestão do transporte público no país. Apesar de contar com uma frota de ônibus 67,8% maior do que a de Curitiba e de ter um número de linhas quase três vezes maior, o número de passageiros transportados no DF é 29,6% menor do que na capital paranaense. Os números não são os únicos indicadores para medir a qualidade do sistema. Se a linha é muito extensa, exige mais veículos, por exemplo, e o intervalo entre eles tende a ser maior. Se os ônibus são articulados ou biarticulados, têm maior capacidade e, portanto, podem ser em número menor.

Mas o grande problema do DF não está na quantidade de ônibus ou de linhas. O que falta é gestão do sistema, aponta o professor Joaquim Aragão, doutor em Engenharia de Transportes e coordenador de pesquisa do Centro de Formação de Recursos Humanos em Transportes (Ceftru), da Universidade de Brasília (UnB). “Aqui temos o inchaço de ônibus e de linhas, mas o governo não tem controle sobre a operação. Não sabe o horário que os ônibus passam nem se cumprem o itinerário. O usuário sabe menos ainda. Vai na Rodoviária e veja se tem tabela com o horário, se está atualizada e se é cumprida”, desafiou Aragão.

O especialista tem razão. No início da tarde de quinta-feira, os painéis luminosos (leia Memória) do terminal de embarque da Rodoviária do Plano Piloto deveriam informar o horário e o itinerário, mas estavam fora de operação. Só a parte superior do equipamento, destinada à publicidade, apresentava-se em perfeito estado de conservação. Passando-se por usuário, a reportagem dirigiu-se a um dos quiosques dos funcionários das empresas e pediu a tabela de horário dos ônibus que seguem para Planaltina. O homem apontou na direção oposta, para outro quiosque onde teria a informação. Lá uma mulher orientou que procurássemos o DFTrans, órgão responsável pela gestão e fiscalização dos ônibus. “É só você subir aquela escada”, disse.

Volte amanhã

Não há qualquer placa indicando os caminhos para se chegar ao DFTrans. A porta é recuada pelo menos três metros em relação às lojas e restaurantes, o que dificulta ainda mais a localização. Perguntada sobre a tabela de horários das linhas de Planaltina e Sobradinho, a servidora pega uma pasta preta com plástico. “Acho que não tenho aqui. Essas são as que mais saem”, avisou. Depois de folhear duas vezes a pasta, ela constata que não tem os horários de Planaltina e pede que retorne no dia seguinte.

Foram 10 minutos entre o primeiro pedido de informação até a resposta negativa do DFTrans. Enquanto isso, no mesmo balcão, um usuário irritado entregava uma reclamação por escrito a outro servidor do DFTrans. “Se vocês não tomarem providências, eu vou procurar o Ministério Público e vou denunciá-los por omissão”, avisou o funcionário público Salomão Sousa, 57 anos. “Os motoristas de dois ônibus que fazem o trajeto Núcleo Bandeirante-UnB transformaram o ônibus em uma boate ambulante. Não sou obrigado a ficar ouvindo bailão (música sertaneja), especialmente num volume alto”, destacou.

Salomão contou à reportagem que era a segunda vez, em 15 dias, que ele oficializava a mesma queixa. No mesmo dia, um funcionário do DFTrans ligou para Salomão. “Ele alegou que não daria andamento ao meu pedido se eu não apresentasse os números dos ônibus que vem trafegando com o som ambiente alto. Falou que não tem como deslocar um dos 89 fiscais para fazer a fiscalização no local”, disse Salomão. “Dá a impressão de que a fiscalização do DFTrans é de gabinete ou então aliada às empresas. Que eles só apuram as irregularidades quando não é mais impossível desconhecer o problema”, desabafou.

“Liga no 156”

O Correio também esteve no terminal do Setor O, de Ceilândia, e no de Samambaia, para tentar obter a lista com os horários dos ônibus. No primeiro terminal, conseguiu a tabela dos micro-ônibus, mas não o detalhamento do itinerário. Como faço para saber onde o ônibus passa? “Você vai ter que pegar um deles e ir anotando”, indicou um funcionário. No balcão das empresas de ônibus convencionais, a funcionária disse que apenas o DFTrans tinha a lista. Mas lá também não tinha. “Você liga no 156, opção seis e pergunta. Ou então, acessa o site do DFTrans na internet”, orientou. Em Samambaia, os funcionários do terminal também não tinham a lista para fornecer.

Para Joaquim Aragão, falta vontade política do governo.

Ele defende que, se quisesse, o governo já teria feito a integração do sistema. “Não precisa esperar as grandes obras como corredores exclusivos ou linhas verdes. É só mapear a cidade e integrar as linhas”, afirmou. Mas o governo, sempre que questionado sobre os problemas de trânsito e transportes do DF, aposta que todas as soluções virão com o Brasília Integrada (veja Para saber mais).

Fiasco dos painéis

Os painéis luminosos foram instalados na Rodoviária do Plano Piloto em 1998, quando foi concluída a reforma. O Departamento Metropolitano de Transportes (DMTU), hoje DFTrans, anunciou que eles poriam fim aos atrasos dos ônibus e das longas filas de espera nos pátios da Rodoviária. Logo no primeiro dia, o sistema se mostrou um fiasco e não funcionou. Todo o sistema de automação só foi concluído um mês depois. Os 69 painéis e 12 câmeras instalados na época custaram R$ 3 milhões. Em 2000, os usuários reclamavam que as placas estavam constantemente quebradas. No ano seguinte, eles começaram a exibir palavras e frases desconexas, inclusive em inglês (foto). Dois engenheiros com especialização nos Estados Unidos foram chamados para consertar o equipamento, mas encontraram dificuldade. O governo decidiu desligá-los para evitar ainda mais confusão.

Sem nenhum conforto

As incoerências do sistema de transporte no Distrito Federal também aparecem na quantidade passageiros transportados mensalmente em cada ônibus. Em média, são 10,6 mil por mês ou menos de 15 usuários por dia em cada veículo. Teoricamente era para o passageiro ter o mínimo de conforto, como fazer as viagens sentados. Mas não é isso que ocorre. As cenas de ônibus abarrotados de gente são comuns. E sobram relatos de pessoas obrigadas a esperar pelo próximo veículo por falta de espaço.

Nos horários de entre picos, dezenas de veículos ficam ociosos em diversos pontos da cidade. A maioria deles fica estacionado lado a lado no Mané Garrincha, no fim da Asa Norte e ao lado dos terminais de ônibus. Enquanto isso, a população que precisa se locomover fora dos horários de pico espera por até duas horas no ponto de ônibus.

Para o presidente da Associação dos Usuários de Transporte Coletivo de Âmbito Nacional (Autcan) Miguel Fernandes da Silva, o problema é de gestão no Distrito Federal. “Falta o poder público tomar conta. Hoje o sistema está nas mãos das empresas. Elas definem os itinerários e horários, e descumprem depois”, critica Silva. A Autcan representa 83 mil usuários em todo o país.

O Correio fez contato com o DFTrans para entrevistar o responsável sobre o assunto e para levantar os dados relativos ao sistema na última terça-feira. A assessoria de imprensa informou que ele estava muito ocupado resolvendo os problemas do Sistema Fácil (que ficou fora do ar durante a semana passada para recarga do passe livre aos estudantes), mas tentaria agendar um horário, o que não ocorreu até as 18h30 de sexta-feira.

A pedido do Correio, o órgão informou que conta com 84 fiscais. No último ano, foram emitidas 5.566 notificações e 1.306 ônibus piratas acabaram apreendidos. De janeiro a março deste ano, são 680 autuações e 65 retenções de veículos piratas. A principal queixa dos usuários é em relação ao descumprimento da tabela horária e do itinerário. Problemas que o órgão combate fiscalizando e multando as empresas que cometem as irregularidades. Já os horários, são divulgados na internet.

Descaso

A estudante Lígia Carolina Santana Catunda, 22 anos, critica a falta de informação e superlotação dos veículos. “Acho um absurdo colocarem os horários só na internet. E as pessoas que não têm acesso? Os horários deviam ficar nas paradas, mas não colocam porque aí teríamos como cobrar”, comentou.Em Curitiba, a relação passageiros por ônibus/mês é a mais alta entre as cinco capitais: 25.372 por mês ou 35 pessoas por dia por veículo. Ainda assim o transporte da capital paranaense é considerado modelo no país. Gestor de operação de trânsito de Curitiba, Luiz Filla conta que na capital paranaense a qualidade do sistema é definida da seguinte forma: nos horários de pico, um ônibus comum, com 12m, deve transportar 44 passageiros sentados mais seis passageiros por metro quadrado em pé. Isso dá uma média de 80 pessoas por veículo. Os articulados circulam com no máximo 160 pessoas e o biarticulados, com 230.O sistema é reavaliado semestralmente. Se a demanda ultrapassa o limite fixado, as empresas têm de colocar mais ônibus na linha. Se o número de passageiros pagantes aumenta — avaliação diária —, a reavaliação do sistema é antecipada. Para fazer cumprir as metas, horários e itinerários fixados pelo governo, 250 fiscais acompanham a prestação de serviço das empresas. “Quando observam qualquer anormalidade, atuam imediamente para sanar o problema. Nosso usuário é bastante exigente”, ressaltou Filla.Em Curitiba, as principais infrações cometidas por ônibus são adiantamento do horário sem justificativa, dirigir de forma inadequada e ônibus em estado de conservação inadequada. “Aqui não temos problema de descumprimento da linha ou de viagens. Quando ocorre, nós multamos as empresas”, diz. A eficiência do transporte de Curitiba se deve também ao sistema de infraestrutura. Lá existem corredores exclusivos, terminais de integração e cobrança antecipada nos terminais. O sistema funciona como uma rede e parte do princípio que o usuário paga o valor de uma passagem para chegar ao destino, ainda que precise usar mais de um ônibus.

Fiscalização eletrônica
~
Em Belo Horizonte, o segredo para manter as empresas na linha é a fiscalização eletrônica. Por meio de dois softwares, o governo controla o cumprimento dos horários e se tem superlotação. O governo ainda fiscaliza qualquer sinal de anormalidade por meio da leitura do disco de tacógrafo. O número de fiscais é pequeno, 22 para todo o sistema.

“A nossa fiscalização pesada é eletrônica. Temos o controle de 100% dos veículos e ainda vamos implementar um sistema de GPS”, explica Jussara Bellavinha, diretora de desenvolvimento e implementação de projetos.Mas não é só a fiscalização eficiente que garante a qualidade do transporte público.

O diretor-superintendente da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NUT), Marcos Bicalho dos Santos, explica que a falta de infraestrutura que dê preferência ao transporte coletivo em detrimento do individual tem relação direta com a qualidade do serviço prestado. “Se o ônibus tem que disputar espaço na via com os carros, a qualidade do serviço vai cair. O trânsito está cada dia mais congestionado”, lembra.

O sindicato das empresas de ônibus do DF foi procurado, com as perguntas encaminhadas por e-mail, conforme orientação da assessoria de imprensa da entidade. Mas, até o fechamento da edição, não houve retorno. (AB)

Video exibido em 2009.


Fonte: Correio Brasiliense
READ MORE - DF: Almanaque de problema do transporte público

São Luís: Usuários reclamam do excesso de informações em letreiros luminosos nos ônibus

Usuários do sistema de transporte coletivo, reclamam dos letreiros luminosos, que deveriam facilitar a identificação das linhas, mas em alguns casos acabam confundindo os passageiros, por causa do excesso de informação.
Um ônibus atrás do outro. Cena comum no começo da noite em São Luis. O movimento é intenso nas avenidas da cidade e apesar de tantas linhas passando é preciso aguardar muito nas paradas. Mas além de enfrentar a demora o passageiro ainda tem outro desafio incômodo.
A longa espera na parada não é o único problema enfrentado pelos passageiros. Às vezes quando o ônibus chega, não dá pra identificar o itinerário que está no letreiro. Por causa desta dificuldade muita gente já perdeu o coletivo. Nos ônibus o destino aparece em letreiros. de longe é a informação mais importante para o passageiro, mas visualizar as letras, principalmente a noite, virou um difícil teste.
Nos letreiros antigos às luzes e o formato das letras não ajudam muito. Alguns circulam com as luzes completamente apagadas. O passageiro não sabe se o ônibus que está vindo é o que ele está esperando.
Os modelos mais novos ajudam, mas nem sempre a tecnologia facilita. Tem letreiro que traz tantas informações que acaba atrapalhando a visualização. Não dá tempo de ver tudo. quando aparece a linha, o ônibus já passou. Quem está com pressa reclama desta situação provocada pelos letreiros confusos que deveriam indicar o destino das linhas de forma clara e objetiva.
Fonte: Imirante.com
READ MORE - São Luís: Usuários reclamam do excesso de informações em letreiros luminosos nos ônibus

Prefeitura pretende colocar mais bicicletários nos terminais de ônibus em Joinville

Se chove, Antônio Aquino carrega um guarda-chuva. Se faz sol, uma garrafinha de água. Os apetrechos ficam guardados na bicicleta velha de guerra, que o transporta nos 20 minutos que separam o terminal urbano de Pirabeiraba da casa onde o pedreiro mora, na Estrada Mildau. Aquino costuma ir de bicicleta ao terminal e de lá pegar o ônibus para o Centro faz isso em torno de cinco vezes por semana.
Quando falta espaço no bicicletário do terminal, o homem de 62 anos amarra a bicicleta (popularmente conhecida como zica) nos postes ou a deixa cadeada e encostada num canto, à espera que ele volte. De manhã, é bem difícil encontrar vaga. Mas não deixo de usar bicicleta, conta.
A rotina de Aquino é um exemplo de mobilidade, apesar da dificuldade que ele encontra. Os hábitos de transporte que dispensam carros foram verificados no ano passado em Joinville pelo Instituto do Planejamento Urbano (Ippuj). O trajeto feito inicialmente de bicicleta e completado por ônibus tem muita força nas regiões do Vila Nova e Pirabeiraba, por exemplo.
A Fundação Ippuj quer estimular o costume joinvilense e tem um projeto amplo (mas sem fonte de recursos definida) para ampliar e melhorar os bicicletários dos terminais dos bairros.
O pacote com custo estimado de R$ 550 mil pretende criar mais 342 vagas em bicicletários nos terminais de ônibus de Joinville. Segundo o projeto, seriam instalados bicicletários nos terminais onde não há esse tipo de vaga (como o Norte e o Tupy).
Para driblar o espaço restrito, como ocorre no Tupy, o bicicletário seria o modelo vertical, em que as bicicletas são guardadas enclinadas. Outros seis terminais em bairros ganhariam mais vagas ou melhorias, como cobertura e câmeras de monitoramento. Isso mesmo: por segurança, o movimento nos bicicletários nos terminais seria acompanhado por fiscais da Prefeitura.
No ano passado, técnicos da fundação perceberam, em um levantamento informal, que a cidade precisa do dobro de vagas que as hoje disponíveis em bicicletários públicos. A necessidade foi calculada por meio da contagem do número de bicicletas amarradas em lugares alternativos, como postes e grades, na falta de paraciclos.
Ainda assim, falta saber de onde virá o dinheiro. A intenção é conseguir verba por meio de uma emenda parlamentar. Mas está tudo na fase inicial, de “conversas”. Os R$ 500 mil viriam por financiamento e seriam somados a R$ 50 mil de contrapartida da Prefeitura.
Segundo o diretor executivo do Ippuj, Vladimir Constante, a emenda parece mais fácil do que aprovar o projeto em programas estaduais em ano eleitoral, em que o calendário de investimentos fica mais curto. Ele também vê empecilhos em programas do governo federal.

Fonte: A Notícia

READ MORE - Prefeitura pretende colocar mais bicicletários nos terminais de ônibus em Joinville

Concurso da CMTC Goiânia - GO 2010


A Companhia Metropolitana de transportes Coletivos de Goiania abre as inscrições para 94 vagas de empregos para quem deseja se ingressar na carreira pública. Os níveis de escolaridade exigido é: Fundamental, Médio e Superior. Com os salários de R$ 600,00 reais à R$ 1.400,00 reais. A data para as inscrições é do dia 01 de Março de 2010 à 08 de Abril de 2010 . Saiba todos os detalhes lendo atentamente o Edital. E fique sempre de olho nas informações sobre este concurso em nosso site.


Fonte: CMTC
READ MORE - Concurso da CMTC Goiânia - GO 2010

Novos ônibus adaptados são entregues à população do Natal


Cinquenta novos ônibus adaptados para pessoas com necessidades especiais foram entregues na tarde desta quinta-feira (11) à população de Natal, na área do Machadão, em Lagoa Nova. Com estes novos ônibus a frota passa ter de 160 veículos adaptados, o que representa 25% do total da frota dos transportes coletivos da capital potiguar, que é de cerca de 800 carros.

A prefeita do Natal, Micarla de Sousa, participou da solenidade e ressaltou a importância deste ato para cidade. “Na hora em que abordamos o assunto da acessibilidade, falamos de cidadania para uma significativa parcela de nossa sociedade, que agora é beneficiada mais ainda com a entrega destes novos veículos”, ressaltou a prefeita Micarla de Sousa.

O secretário municipal de Mobilidade Urbana (Semob), Kelps Lima, lembrou dos avanços na área de transportes coletivos desde o início da atual gestão da Prefeitura do Natal. “Quando iniciamos a nossa gestão, a cidade tinha uma frota de ônibus com uma idade média de 7 anos, que agora chega a 5 anos, se tornando a maior renovação da frota da história da capital potiguar. Eram apenas 18 veículos adaptados e agora são 160. Isso só ocorreu pela confiança do empresariado do setor na nossa gestão”, destacou Kelps Lima.

A prefeita Micarla de Sousa aproveitou a oportunidade para conhecer o funcionamento dos novos veículos adaptados e acompanhou o diretor financeiro da Associação dos Deficientes Físicos do Rio Grande do Norte (Adefern), Manoel Paulino de Oliveira, que fez uma demonstração do uso do ônibus adaptados. “Com a chegada destes novos veículos, a acessibilidade para nós portadores de necessidades especiais melhorou muito nos últimos anos”, informou Manoel Paulino.

Segundo a superintendente do Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros do Município do Natal (Seturn), Adriana Flor, os ônibus entram em operação imediatamente. “Temos uma grande preocupação com a qualidade da frota de veículos que circula na cidade, sempre com o objetivo de proporcionar conforto e segurança para nossos usuários”, ressaltou. A superintendente do Seturn informou ainda que nos últimos oito meses foram investidos cerca de R$ 40 milhões na renovação dos novos carros.

Fonte: Click RN
READ MORE - Novos ônibus adaptados são entregues à população do Natal

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960