Qualidade do transporte urbano garante prêmio a Uberlândia

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

O município de Uberlândia recebeu o troféu do Mérito Municipalista, oferecido pela Associação Brasileira de Municípios (ABM), com o apoio da Secretaria de Assuntos Federativos da Presidência da República (SAF). O troféu destaca ações dos municípios, personalidades e representantes de organizações públicas e privadas, que contribuíram para o fortalecimento do municipalismo e a qualidade de vida nas cidades.
A entrega do prêmio aconteceu durante o IV Seminário Internacional Sobre Federalismo e Desenvolvimento, nos dias 19 e 20 de outubro de 2009, em Brasília. Ao comentarem as razões do prêmio, tanto o prefeito de Uberlândia, Odelmo Leão, como o secretário de Trânsito e Transporte, Paulo Sérgio Ferreira, destacaram a reestruturação do transporte coletivo, que passou a ter 100% dos ônibus adaptados e uma frota com seis meses de uso.

As mudanças começaram com o processo de licitação, que escolheu três novas empresas. A cidade foi dividida em três lotes e foi exigido das empresas que tivessem experiência em linhas urbanas, em sistema de bilhetagem eletrônica, em operação de corredores, veículos acessíveis, disponibilidade de veículos, certificado ISO – 9001: 2000, prazo para início de operação e reduzida idade média da frota.

Para modernizar o sistema foi disponibilizado a todo usuário via internet ou celular um sistema que permite acompanhar o trajeto da frota em tempo real por meio do portal da Prefeitura de Uberlândia. A Secretaria de Trânsito e Transportes está desenvolvendo pesquisa a respeito de todas as linhas de ônibus, visando ao redimensionamento dos trajetos e horários de ônibus. Está planejada a expansão do sistema de corredores para outros pontos da cidade; a proposta é de que nos próximos três anos sejam construídos mais quatro novos corredores além de terminais de ônibus.

READ MORE - Qualidade do transporte urbano garante prêmio a Uberlândia

Transporte público de Salvador é criticado por usuários

O sistema de transporte público de Salvador é sempre alvo de críticas. Atrasos, ônibus desconfortáveis e motoristas estressados se somam às dificuldades da rede de vias que corta a cidade. O resultado são os engarrafamentos e a insatisfação do usuário.
O professor doutor Juan Moreno Delgado é coordenador do curso de Urbanismo da Universidade do Estado da Bahia. Peruano de nascimento, mora em Salvador há seis anos, e dedica-se à pesquisa de políticas de transporte e de uso do solo. Preocupado com o destino da "nossa cidade" como ele se refere à capital, Delgado disse, em entrevista ao A Tarde On Line, acreditar que a organização da cidade em pólos centralizadores vai contra a tendência mundial, e que essa concentração urbana pode levar Salvador à insustentabilidade.

Estamos na contramão da história. A tendência mundial é construir cidades descentralizadas, que são sustentáveis e têm uma relação harmônica com o ambiente. Salvador é uma cidade fortemente centralizada. Isto se pode perceber na região das avenidas Tancredo Neves e ACM, no Iguatemi, onde temos uma grande concentração de atividades urbanas, comércio, serviço e grandes empregadores. o que provoca um grande número de viagens de carro. A maior freqüência de ônibus urbanos da cidade também está nesse eixo são mais de 500 no sentido centro por hora, nos momentos de pico.
READ MORE - Transporte público de Salvador é criticado por usuários

Perícia aprova 60% dos passes livres em Belo horizonte

Pelo menos 40% das pessoas que alegam ter deficiência visual, e que fazem perícia todos os meses na BHTRANS para tentar a gratuidade nos ônibus, não conseguem o benefício por não apresentarem nenhum problema. A perícia é uma das exigências da Prefeitura de Belo Horizonte para conceder o cartão que garante pelo menos seis passagens por dia nos ônibus da capital. Usuários com deficiência física ou transtorno mental também são obrigadas a passar por perícia.Em 2006, quando as perícias eram realizadas por clínicas, o transporte coletivo chegou a ter 60 mil gratuidades de pessoas com algum tipo de deficiência, incluindo os acompanhantes. Com as novas regras, em vigor há dois anos, o número caiu para 35 mil. Para ter direito à gratuidade, o passageiro precisa comprovar rendimento máximo de um salário mínimo e o endereço.
Além de portadores de deficiência de Belo Horizonte, o cartão que garante a gratuidade é concedido a moradores de 27 cidades que fizeram convênio com a BHTRANS. O gerente de Coordenação e Gestão do órgão, Helbert Lima, afirma que a instalação de câmeras nos ônibus fazem parte de um conjunto de ações para melhorar o transporte coletivo na capital, utilizado diariamente por 1,6 milhão de pessoas. Entre os projetos em estudo está um que prevê a contagem automática de passageiros, evitando a superlotação.

Helbert Lima alega que ainda não há data definida para implantação do Cartão do Idoso, mas adiantou que a BHTRANS decidiu que a Carteira de Identidade continuará sendo aceita. "Isso vai permitir que o idoso que, veio do interior, ou quem esqueceu o cartão em casa, use o ônibus e desembarque pela porta dianteira", garantiu.A gratuidade no transporte coletivo é concedida aos carteiros, oficiais da Justiça Federal, fiscais da Delegacia do Trabalho e auditores fiscais do Trabalho. Os policiais militares têm direito ao benefício, mas não possuem cartão. Eles embarcam e desembarcam pela porta traseira.

A BHTRANS estima que 160 mil passageiros usam o transporte coletivo da capital gratuitamente. O Ministério Público entrou na Justiça, no ano passado, para obrigar o órgão a implantar o Cartão do Idoso, mas até agora a ação não foi julgada.
READ MORE - Perícia aprova 60% dos passes livres em Belo horizonte

Presidente do Seterb fala sobre polêmica da proibição dos ônibus intermunicipais em Blumenau

Em reunião com o Seterb e Consórcio Siga esta quarta-feira, as empresas de ônibus intermunicipais do Médio Vale solicitaram que a proibição da passagem destes veículos no Centro de Blumenau entre em vigor somente a partir da implantação dos corredores exclusivos de ônibus.
  • Entrevista foi concedida ao Jornal de Santa Catarina
Jornal de Santa Catarina - O usuário está se perguntando como será a operacionalização do sistema, com essa mudança. O que se pode antecipar? Rudolf Clebsch - Todo o trabalho que temos feito é decorrente do anúncio que o prefeito João Paulo Kleinübing e o Rufinus (Seibt, o vice-prefeito) fez da implantação em Blumenau dos corredores exclusivos para o transporte coletivo urbanos. É a única forma, a única alternativa para garantir a mobilidade urbana na cidade: investir maciçamente no transporte coletivo. A partir desse anúncio, temos diversas reações em cadeia. Uma delas: a medida em que o corredor vai atender exclusivamente ao transporte coletivo, o intermunicipal com características urbanas não poderá compartilhar essa infraestrutura e não mais circular no Centro da cidade. Aí começa uma nova discussão de se fazer uma integração periférica.

Santa - Junto com essa discussão vem também o questionamento de por que os ônibus intermunicipais não podem utilizar esses espaços que serão criados exclusivos para ônibus? Clebsch - A criação dos corredores exclusivos de ônibus não é novidade. Blumenau se integra nessas ações que muitos outros municípios já implantaram e temos a crítica de várias cidades que implantaram o corredor exclusivo para o transporte coletivo com uso compartilhado com outros modais e estão de certa forma arrependidos, porque o resultado operacional não foi aquele esperado. Então para não repetir erros que outros governantes cometeram em relação à criação dos corredores exclusivos, em Blumenau não será compartilhado com nenhum outro modal de transporte coletivo.

Santa - O Seterb divulgou que 5 mil pessoas seriam atingidas com a mudança e julgou o número muito pequeno considerando o número de habitantes da cidade. O reflexo causado com esses passageiros não teria tanto impacto assim, então? Clebsch - O blumenauense não consegue se deslocar do bairro até o Centro num único ônibus, o cidadão que vem de fora do município ainda o faz. Há mais de 15 anos, 150 mil pessoas da cidade foram submetidas, para contribuir com a mobilidade urbana, à necessidade de fazer a troca do ônibus, o transbordo nas plataformas dos terminais urbanos. Na época, houve resistências, muitas críticas que estão superadas e compreendidas pela população. Em razão disso, falamos que é um percentual muito pequeno de pessoas atingidas.

Santa - Se a intenção é incentivar o uso do transporte coletivo, a medida não deveria ser no sentido de coibir o uso do carro? Clebsch - Mas a criação dos corredores exclusivos de ônibus é uma restrição ao uso individual do carro. Na medida em que se cria uma canaleta exclusiva de ônibus, não mais compartilhada, como temos num trecho da Beira Rio hoje, tira-se uma parte importante da estrutura hoje compartilhada com veículos, destinando-a exclusivamente para os coletivos, penalizando de uma certa maneira aquele que usa individualmente seu veículo.

Santa - A tendência é a medida não entrar em vigor dia 1° de janeiro? Clebsch - Há uma série de questões sob as quais nós não temos controle. Havia uma expectativa do prefeito João Paulo Kleinübing de que no dia 1º de janeiro de 2010 a cidade já estivesse praticando essa medida, considerando que neste dia, os corredores de ônibus estivessem completamente concluídos. Nós já temos identificados alguns problemas burocráticos na captação de recursos do financiamento junto ao BNDES que ensejam a necessidade de reavaliar esses prazos. Mas quem vai definir isso é o prefeito.

READ MORE - Presidente do Seterb fala sobre polêmica da proibição dos ônibus intermunicipais em Blumenau

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960